História Unbearable - Capítulo 9


Escrita por: ~ e ~Ceriseh

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekyeol, Chanbaek, Crack!fic, Micão, Sekai, Vida Real, Xiuchen
Exibições 77
Palavras 4.003
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olha só quem atrasou mais uma vez a atualização, que feio :')

Eu disse que não teria postagem por duas semanas, mas no fim, passou disso, e nem finalizei a OS, não tive tempo porque surgiu um monte de festinha pra ir ;-;

Mas vida que segue, né nom? Logo logo vou estar postando uma fic nova, e como diria a versão real do nosso Chanyeol, amém sim sim.
Fé no pai que a fic sai!!

Agora boa leitura <3

ASSIM, ESSE CAPÍTULO É DE TRANSIÇÃO, ENTÃO ELE ESTÁ PÉSSIMO, PÉSSIMO, PÉSSIMO!
Desculpem-me! <3

Capítulo 9 - Era sol que me faltava


  A sexta-feira que demarcava o dia da viagem para Busan havia amanhecido diferente, parecia que estava tudo no seu devido lugar, inclusive o universo.

Era como se o sol estivesse trazendo apenas um calor necessário, já que tinha um ventinho gelado correndo lá fora, então o clima estava uma delícia, sem contar que eu havia sido despertado poucos minutos antes da minha mãe por a mesa do almoço, era ou não uma coisa estranha?

Seul em pleno verão sem aquele calor do quinto dos infernos? Dona Byun me deixando dormir até tarde?

E vocês não sabem da maior, eu, Byun BaekHyun, acordei completamente neutro!

Nada do meu típico mau humor, minha cara feia para qualquer "bom dia" que me fosse dirigido, mas também não havia uma felicidade plena, de sair rodando pelo quarto e encher a mamãe de beijinhos, eu estava "normal", com a minha cara amassada enquanto comia macarronada, dando um sorrisinho ou outro porque ainda estava lento demais por causa do sono. Heejin querida, obviamente, fez piadinha, dizendo que devia me gravar, mas apenas deu suas risadas estranhas e então se aquietou, até ficou me fazendo carinho enquanto almoçavamos, perguntando se não tinha nada de errado, porque comigo nunca teve meio termo, eu era feito de extremos.

Ou eu acordava cantando com os passarinhos, ou acordava chutando até o cachorro.

Como a viagem seria apenas às três horas, e ainda eram meio dia e trinta e oito, eu fui para o quarto checar se não estava esquecendo de nada, peguei a listinha que minha mãe me obrigou a fazer e fui colocando um "x" na frente de cada item dentro da mala média que estava levando. A única coisa que ficou faltando foram minhas pantufas dos monstros SA que simplesmente não quiseram caber ali dentro. Se eu dei uma esperneada por causa disso? Óbvio, achei ruim mesmo, quase abri o berreiro, mas tive que aceitar, quer dizer... Neste exato momento eu estava tentando socar aqueles negócios lá dentro de novo, então aceitar, aceitar... Eu não aceitei não.

E teria ido triste da vida para essa viagem se eu não tivesse dado conta de fechar minha mala com as minhas pantufas dentro, ficou meio torto, parecendo que ia estourar o zíper, mas estavam ali e era isso que interessava. Minha sorte foi receber uma mensagem do Sehun dizendo que ia levar as pantufinhas do homem aranha dele, então ofereceu um espaço na sua bolsa de mão para as minhas, deu até um aperto no coração ter que tirar elas de dentro da mala, eu havia conseguido com tanto esforço, mas se eu por acaso quebrasse alguma coisa, tipo o zíper, ia apanhar pro resto da vida.

Com a questão da mala resolvida, eu decidi tirar um cochilo até umas duas horas, ou umas duas e quinze, coloquei até despertador para não dormir demais e então apaguei, porque descansar nunca é demais.



Acordei só no segundo horário estipulado e ainda enrolei um pouco na cama, olhei o Instagram, Facebook, conversei um pouco com os meninos no nosso grupinho reservado do kakao talk e só então que eu me levantei para tomar um banho bem demorado. Quando sai, todo fabuloso, vi as mensagens do Sehun dizendo que já estava saindo da casa dele e vindo para a minha, xinguei todas as suas gerações enquanto me trocava igual à um desesperado, para no fim ler um "Minha mãe tá super enrolando aqui com a cabelo, já já tô indo", fiquei ainda alguns minutos parado, olhando para a porta do meu guarda-roupa e me perguntando o por quê de ter amigos assim.

Às vezes acho que Oh Sehun faz de propósito, deve estar devolvendo algum vacilo meu, nunca se sabe.

De qualquer forma, voltei à minha realidade, escolhendo com mais calma uma roupa confortável, mas bonitinha, para usar durante a viagem de carro que faria, podendo me arrumar direito dessa vez. Depois de pronto, peguei minha mala, minhas pantufas e rumei até a sala, deixando tudo lá antes ir atrás de alguma coisa para beliscar enquanto os Oh não chegavam, achei um mousse de chocolate perdido dentro da geladeira e comi tudo, nem sei de quem era.

- Isso, come mesmo porque lá no Junmyeon é casa de rico, e rico gosta de comer tarde. - eu dei um berro quando me virei para ir até a sala e dei de cara com Sehun na porta da cozinha, da onde surgiu essa peste? - Aí, filho da mãe, que susto!

- Susto foi eu que tomei com essa sua cara, entrou aqui como, hein? - respirei fundo enquanto levava minha destra até o peito, tentando dar um jeito no meu coração que parecia bater três vezes mais rápido do que o normal.

- Ah, pela porta talvez, mas não tenho certeza... - reviramos os olhos ao mesmo tempo, o que gerou uma risada baixa em ambos enquanto íamos em direção à sala para pegar minhas coisas e então seguir até o carro, onde encontrei minha mãe quase aos prantos conversando com a senhora Oh, a cumprimentei com a boa educação que sempre tive antes de iniciar uma sessão de tortura, onde minha mãe me abraçava como se eu estivesse indo para a guerra e derramava aquelas lágrimas de crocodilo dela.

Mentira, tadinha, ela parecia emocionada mesmo, só não sei se o choro era por ter que me deixar viajar sem ela pela primeira vez, ou por ter que ir sozinha para a minha avó, fica no ar essa dúvida.

Quando dona Heejin se deu por satisfeita, me soltou e então pude colocar minha mala na parte de trás do carro dos Oh antes de entrar, dando um tchauzinho para minha mãe e então fechando a janela porque ficaríamos no ar condicionado ali dentro. Troquei algumas palavras com os pais de Sehun antes de buscar meus fones dentro do bolso, colocando-os e então dando play em uma das músicas que tinha do The Chainsmokers, Closer, em parceria com a Halsey, pouco tempo depois eu simplesmente apaguei.

Esperava que assim o tempo passasse mais rápido, porque viagens longas sempre me deixavam inquieto demais.



                        ▪▪▪ ▪▪▪



Acordei umas boas horas depois com Sehun me cutucando feito doido, lembro-me de ter dado um tapa na mão dele, mas logo depois ele puxou meus fones e eu fui obrigado a abrir meus olhinhos, um só, apenas para ver o que ele queria comigo, se não fosse nada demais eu ignorava e voltava a dormir.

- Acorda BaekHyun, a gente chegou, você precisa ver essa casa! - Sehun estava todo sorridente, soltando meu cinto por conta própria enquanto empurrava meu corpo até que eu abrisse a porta do carro para sair, dei de cara com um homem estranho vestido como naqueles filmes americanos, óculos escuro e aquelas roupas legais de segurança particular, rapidamente me desculpei e busquei por Sehun que já seguia em direção a casa, quando o alcancei, paramos quase bruscamente apenas para olhar aquele monumento em nossa frente.

Era enorme, por fora já dava para se ver que haviam dois andares e que provavelmente o que não faltava ali eram cômodos e mais cômodos, Junmyeon devia ter a arca de Noé como família, não é possível.

Tivemos que reunir forças para entrar, dava até um frio na barriga, mas antes busquei meu celular no bolso e dei uma olhada na minha cara, por sorte, eu estava até que bem apresentável. Quando alcançamos o hall de entrada da casa, nos deparamos com um pequeno grupo de pessoas que conversavam normalmente, até pude ouvir algumas risadinhas entre eles, e logo encontramos nossos amigos, que assim que nos viram já se aproximaram com sorrisos enormes no rosto, provavelmente era alegria por poder entrar num lugar daquele pelo menos uma vez na vida, ou só por estar nos vendo mesmo, a única coisa que estranhei era o fato do Jun não estar entre eles, talvez ainda estivesse se arrumando, ou então era aquela mania de rico de querer atrasar em tudo, principalmente para receber convidado.

- Ainda bem que chegaram, não aguentava mais meu pai falando sobre jogo com o pai do Minseok e do Yifan, quase deitei no meio deles pra tirar um cochilo. - JongDae chegou já reclamando e revirando os olhos, e por um momento, senti aquela sensação de alerta quando ouvi o nome do Yifan, não que ele fosse um problema, ou que não gostasse dele, porque eu gostava, o achava gente boa, bacana, simpático e tudo mais, mas é que Yifan era sinônimo de JongIn, e consequentemente, Chanyeol.

Mas olhando em volta, eu só conseguia ver um total de seis casais conversando entre si, três deles eram os pais de Sehun, JongDae e Minseok, o restante estava com seus filhos ao lado, inclusive, Yifan estava lá perto da mãe e quando me notou, acenou em minha direção, o que eu prontamente correspondi. Nenhum dos outros garotos presentes eram JongIn ou Chanyeol, o que me deixou aliviado, porque ter que lidar com aquela peste insuportável durante minha querida viagem estava fora de cogitação.

- O que você tanto olha, BaekHyun? - tomei um pequeno susto ao ouvir alguém dizendo meu nome, mas era apenas Minseok que me fitava divertido, chamando a atenção de Sehun, JongDae e Yixing, que pareceu ter me notado só agora, porque super sorriu e veio até mim para me abraçar. Ás vezes eu acho que ele é meio cego, sei lá, pensa em alguém que perde a apostila todo o santo dia, e depois, simplesmente, encontra debaixo da carteira, esse é Zhang Yixing.

- Eu só estava me certificando de que não tinha ninguém além do Yifan aqui, porque se tivesse, eu já preparava a minha água benta. - Sehun arqueou as sobrancelhas antes de fazer o mesmo que eu há alguns instantes atrás, quase quebrando o pescoço ao buscar algum resquício das pestes que ele sabia que eu também queria distância.

- Ai, vamos colocar umas cruzes de ponta cabeça lá na entrada, só pra ter certeza? Eu não vim aqui para ter que aturar JongIn e Chanyeol não, eu vim para fazer das minhas férias felizes, obrigado. - meu amigo resmungou enquanto cruzava os braços, pelo menos eu não era o único incomodado com isso, porque os outros três apenas riram, Yixing ainda continuava pendurado em mim, como se não me visse à séculos, mas na verdade, hoje mesmo a gente conversou.

- Do Chanyeol eu acho que vocês até vão ter umas férias, mas JongIn, eu já não tenho certeza... - Minseok murmurou enquanto apertava seus lábios um contra o outro, atraindo os olhares cortantes que eu e Sehun carregavamos, não para ele é claro - Eu já vi ele em várias festas de confraternização da empresa, acho que o pai dele é um dos sócios, porque pelo o que eu sei, ao todo, são três sócios e dois donos. - naquele momento o meu cérebro deu um pequeno pane, não conseguia imaginar uma empresa com dois donos, quer dizer, eu nem sabia o que ser sócio significava direito, mas fiquei imaginando o quão grande deveria ser para ter tanta gente assim tomando conta, ou eles apenas recebiam o dinheiro, não faço ideia, vou fazer um lembrete mental de depois perguntar para o Junmyeon, porque cara de pau é algo que não me falta.

- Sério? Eu não sabia disso não, pra mim só o senhor Kim que era o dono de lá. - se nem JongDae sabia, isso com os pais dele trabalhando lá desde que eu me entendo por gente, imagina o tanto de fofoca que Kim Minseok não sabe da vida alheia, gosto assim.

- Agora sabe, mas enfim, os sócios dele, pelo o que eu sei do sobrenome, é um tal de Wu, Kwon e Kim, imagino que o primeiro é o pai do Yifan, o outro minha mãe disse que tem uma filha e o Kim, creio eu, que é o pai do JongIn. - Minseok parece até um espião nos passando informações, eu tive vontade de rir, mas a expressão do Sehun estava tão fechada depois que surgiu a hipótese do JongIn dar as caras por ali, que fiquei com medo dele querer voltar embora. Conheço bem os pais do Sehun, e principalmente ele, pra saber que qualquer birra que meu amigo fizer, qualquer dorzinha que ele inventar, os dois acreditam e fazem o que ele quer.

É, a bicha é manipuladora mesmo.

- Ah gente, mas e daí? Ficamos em casas separadas, sem contar que aqui é cheio de coisa pra fazer, tem golfe, piscina, quadra de tênis, futebol, se duvidar, eles ainda têm o kart, a gente só vai encontrar com eles durante o almoço e o jantar, vocês não podem deixar de aproveitar o tempo aqui por causa de presenças indesejadas. - olha, Yixing falou bonito agora, me deixou orgulhoso dele e ainda surpreendeu todo mundo com essas palavras profundas, quase tocantes, mas quando a gente ia responder e dar razão à ele pelo menos uma vez, os pais do Junmyeon, e ele, apareceram ali no hall, cumprimentando todo mundo antes de indicar que fossem até outro cômodo, dizendo que mostrariam a casa para todos, e eu queria muito ir lá, mas logo o Jun veio até a gente falando para irmos pro quarto dele, que lá era melhor, fazer o que, meu tour ficaria para outro momento.

Deixamos que ele fosse na frente, e quase desisti ao ver aquela escadaria enorme, eu ainda estava mole por causa do cochilo no carro, mas engoli minha preguiça e segui todo mundo em direção ao segundo andar, que dava conta de ser ainda melhor do que o primeiro, cheio de quadros e vasos com cara de extremamente caro, valioso e "nem respira perto que pode quebrar", por isso me poupei de quaisquer movimentos bruscos até chegar ao quarto de Junmyeon. O lugar até que era bem aconchegante, as paredes eram de um azul céu mais claro, cheio de detalhes brancos que traziam um ar meio praiano ao quarto, confesso que parecia uma delícia passar o dia infurnado ali, dava até gosto.

- Fiquem à vontade, ta'? Daqui a pouco alguém vem chamar a gente para vocês conhecerem o lugar em que ficarão instalados, é bem bonito, então acho que vocês vão gostar de ficar lá, isso se meus pais não liberarem a festinha que eu pedi aqui no quarto, é claro... - Junmyeon murmurou com um tom contráriado, bufando baixo e revirando os olhos.

- Que festinha? Já gostei, quero, vai ser aquela dos pijamas que você me contou? - Yixing se jogou na cama fofa do Jun, o que me fez ter a impressão de que ele já estava acostumado com o lugar, mas que seja, meu interesse estava no que tinha acabado de ouvir.

- É sim, mas quando eu vim aqui em cima falar com eles sobre, meu pai achou que não seria uma boa ideia, porque eu devia mostrar uma conduta mais séria, mas nem liguei, se eu pedir com jeitinho, a minha mãe consegue qualquer coisa pra mim. - o sorrisinho que brotou no rosto dele foi completamente convencido, outro que apela pra mãe, me identifico - Eu quero fazer uma festinha do pijama entre a gente, com direito à luzinhas bonitinhas só pra gente tirar foto e postar no Instagram, pipoca, doce e filme, mas tenho certeza de que eu vou ser obrigado a chamar os filhos dos demais convidados, tudo bem para vocês? Porque de qualquer forma, pode ser que eles nem queiram vir.

- Por mim tudo bem! - acabamos todos falando em uníssom, o que gerou certo silêncio em seguida, por mais que estivéssemos entre amigos, estar na casa do Jun nos deixava um pouco constrangidos, porque eu, pelo menos, nunca havia ido em nenhuma das demais casas dele, então creio que eu fosse o mais acanhado ali, mas tenho certeza de que ia durar pouco, eu era rei na arte de agir como se fosse dono do lugar.

- Certo, mais tarde eu aviso pra vocês se deu tudo certo, agora me contem como foi vir pra cá, o BaekHyun eu vou poupar porque tenho certeza que ele veio o caminho todo dormindo. - até quis retrucar, mas era a verdade, então apenas ri junto dos outros, me ajeitando sobre o tapete fofinho estendido no chão do quarto, ao lado de Sehun e JongDae, enquanto a cama estava tomada pelos outros três.

Cada um contou sobre sua viagem até ali, inclusive eu, que na verdade só falei sobre o quanto fiquei impressionado com a casa e tudo o mais, não demorou muito e uma das empregadas – porque ali era assim mesmo – veio nos avisar que deveríamos descer para nos instalar nos nossos quartos, confesso que por um momento eu achei que poderia ser algo mais básico, já que era para visitas, mas ao ser direcionado para a parte de fora e me deparar com um pequeno complexo de  três casas quase duas vezes maiores que a minha, desisti de pensar que encontraria algo simples por ali, talvez o papel higiênico dos banheiros até fosse, mas eu não tinha muita certeza sabe.

As tais casas se pareciam com chalés extremamente bonitos, que eram conectados por trilhas de paralelepípedos, o que eu achei um charme só, ficamos com a segunda moradia e vamos dividir com os Kim, por isso rapidamente seguimos até lá afim de descansar um pouco antes do jantar que seria dali três horas. Resolvi tomar um banho, vestindo uma roupa confortável novamente e me acomodando na cama que seria minha no decorrer dos dias, conversei um pouco com Sehun e JongDae sobre o lugar e sobre a possível festinha do Junmyeon, eu estava ansioso por passar aquele tempo com meus amigos tão longe de casa, me sentia até adulto, mas logo deixei tudo para lá e me rendi ao sono que ainda sentia, dormindo mais um vez.

Porque você sabe, descansar nunca é demais.



                       ▪▪▪ ▪▪▪



No momento, eu e Sehun estávamos terminando de nos arrumar para o jantar que ocorreria em meia hora, às oito para ser mais exato.

Decidimos vestir calças jeans, a minha sendo de lavagem clara e a de Sehun, em preto, ele quis colocar uma camiseta branca de mangas vermelhas, já eu optei por uma camiseta também branca, mas simples e mais larguinha. Fomos liberados mais cedo pelos pais do Sehun, que disseram para irmos na frente encontrar nossos amigos – inclusive JongDae, que vazou e nos deixou pra trás –, fazendo surgir sorrisos enormes em nossos rostos enquanto falávamos sobre o jantar, torcendo para ter bastante coisa gostosa porque estávamos decididos a comer até não aguentar mais, sem que ninguém percebesse demais é claro, mas foi colocar o pé para fora da nossa casa de hóspedes, que demos quase de cara com, ninguém mais ninguém menos, que Kim JongIn.

Obviamente que ninguém se cumprimentou, só rolou uns olhares feios, algumas faíscas e um sorrisinho ridículo por parte daquele cachorro.

Sehun fechou a cara na hora, e foi o caminho todo até a casa principal praguejando tudo o que via pela frente, dizendo que se JongIn viesse de graça, ia voar nele que nem uma arara, o que eu não duvidava muito vindo de alguém como meu amigo. Quando chegamos à sala em que nos informaram na entrada, encontramos os demais garotos, inclusive Yifan que estava conversando com JongDae e Minseok, nos aproximamos e logo estavam nos questionando sobre o por quê da cara feia do Sehun, que já não era lá tão bonita, convenhamos, e dei uma pequena explicação resumida em "vimos o JongIn", que resultou em alguns murmúrios de compreensão quase em coro.

Mas de qualquer forma, bastou surgir algum assunto interessante que Sehun deixou pra lá aquele péssimo encontro e desfez sua expressão fechada.


Algum tempo depois fomos chamados até a sala de jantar, onde havia uma longa mesa montada com diversos pratos, talheres e taças – porque estamos falando dos pais de Junmoney –, e enfeitada com alguns vasos de flores que pra mim, eram naturais, mas quando comentei sobre com Yixing, ele teimou que não era, ou seja, a primeira coisa que fizemos ao sentar foi tocar nas flores para descobrir quem é que tinha razão.

Claro que eu ganhei, porque minha intuição é ótima.

Quando a comida foi servida, me joguei na lasanha de molho branco e no camarão, já que as outras coisas tinham nomes estranhos dos quais eu nunca havia ouvido falar antes, e como estava com vergonha de perguntar o que era, preferi nem comer, quando sentia vontade de experimentar alguma outra coisa, eu simplesmente furtava do prato de Sehun, que se assemelhava muito ao de um pedreiro, mas quem sou eu pra falar alguma coisa, não é mesmo? Pretendia repetir mais umas três vezes, no mínimo.

E por falar em Sehun, ele estava fazendo um ótimo trabalho em ignorar JongIn, que devia estar à umas três cadeiras longe de nós, mas super de papo com o JongDae, as vezes até me esqueço que os dois são amiguinhos, ChenChen era um falso, mas eu amava ele.


Quando todos já estavam mais à vontade, conversando entre si e rindo, um empregado apareceu de repente para falar com o pai do Junmyeon, que se levantou logo em seguida e pediu a atenção de todos, rapidamente o silêncio reinou naquela sala até que o anfitrião se sentisse confortável em falar.

- Bom, eu gostaria de agradecer a presença de todos, é muito bom saber que tenho tantas pessoas de caráter e confiança ajudando a DouW à crescer, tornando-a uma das melhores empreiteiras do país por mais um ano, e creio que é do conhecimento de todos que agora temos um novo diretor geral, que me auxiliará em muitas coisas na empresa e irá gerenciá-la ao meu lado, por favor, recebam o senhor Park e sua família. - o pai do Junmyeon foi quem puxou as palmas, eu só segui o fluxo assim como todo mundo, depois disso, eu gostaria de dizer que foi só tiro, porrada e bomba.

Não, nem tanto, mas assim que o tal Senhor Park entrou, o Chanyeol simplesmente surgiu atrás dele junto de uma mulher que provavelmente deveria ser esposa do gerente – eu arriscaria dizer que também era mãe dele –, e cumprimentou os pais de Junmyeon, mas sabe o que realmente chocou todo mundo? Chanyeol estava se terno!

Sim, terno, com direito a cabelo arrumadinho e uma expressão séria, quem o visse daquele jeito pensaria que ele era o futuro herdeiro exemplar daquilo tudo, talvez fosse mesmo, mas o Chanyeol de verdade tinha jeito de trombadinha e falava gírias, era tão estranho vê-lo daquele jeito, mas droga, ele estava tão bonito.

E quando me notou ali, Chanyeol deu um sorrisinho pequeno de canto e me lançou uma piscadinha, senti meu corpo escorregar na cadeira, minha vontade era de ir para debaixo da mesa e então sumir, era só o que me faltava, ser atormentado durante uma semana inteira, e o pior de tudo foi quando o Kyungsoo simplesmente brotou, que raios ele estava fazendo aqui?!

Espera, Junmyeon com certeza sabia disso e não contou nada, que safado!

- Me diz que é alguma palhaçada... - Sehun parecia ainda mais descontente que eu enquanto lançava um olhar cortante para o Jun, que nos sorria amarelo. Se já seria chato lidar com o JongIn, que é mais na dele, imagina agora com o Chanyeol junto? Meu Deus, alguém sairia gravemente ferido.

- Eu juro que posso explicar, depois, agora só sorriam e acenem, por favor! - Junmyeon juntou as mãos em frente ao corpo enquanto nos dizia aquilo em tom baixo, eu apenas suspirei e Sehun cruzou os braços, fazendo um bico enorme.

Eu realmente achei que ia poder tomar um solzinho de boa na piscina, aproveitar do luxo que eu mereço e ter uma semana de descanso antes de voltar para casa servir de empregada para a minha mãe, mas pelo jeito, o que eu mais teria era dor de cabeça.

Ou talvez não.

Ou talvez sim

Eu voto na segunda opção.

Porque minha intuição é ótima, e eu tô sentindo que vou me foder.


Notas Finais


Então gente, quem apostou que o Chanzão ia aparecer, ACERTOU MIZERAVI!

❤❤❤ E hoje é Chanyeol Day AAAAAAAA MEU UTT MEUDEUSDOCEU ❤❤❤
Queria tanto postar alguma coisinha, nem que fosse uma att de Unb, então aqui está :')

MAS ENTAO, FELIZ CHANZÃO DAY AEEEEEEEE ❤❤❤❤

Até a próxima att *3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...