História Unbreakable Heart - Jikook - Capítulo 19


Escrita por: ~ e ~Riissa

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jikook, Jimin, Jin, Jung Hoseok, Jungkook, Namjoom, Rap Monster, Suga, Taehyung
Visualizações 213
Palavras 7.840
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Musical (Songfic), Policial, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 19 - Dor de cabeça.


(Contado por Jungkook)

Depois que eu saí do hospital, passou-se alguns dias e eu comecei a sentir fortes dores de cabeça, eram enxaquecas insuportáveis que vinham e iam embora logo em seguida, mas algo estranho acontecia quando essa dor de cabeça aparecia. Jimin as vezes falava algo e eu na hora lembrava e daqui a pouco eu estava com dor de cabeça de novo, eu sinceramente não sabia o porquê de acontecer isso mas eu comecei a lembrar de coisas simples, menos do Jimin, que era a pessoa que eu mais queria lembrar de tudo e de todo mundo. Depois que o Jimin fez-me ir no quarto de hóspedes e sentir o perfume de sua cama, eu passei a acreditar nele depois disso, não o considerava um estranho mais, e como ele disse que nós éramos namorados antes, eu resolvi que eu queria dar uma chance pra ele, queria voltar com ele, apesar de não lembrar de nada. Passei a ter mais confiança no Jimin depois de um tempo.

— Eu quero te dar uma chance, Jimin. Uma chance pra você me mostrar o porquê de eu ter me apaixonado por você, apesar de eu ter um pouco de noção do porque que eu me apaixonei. – pego na mão do Jimin, e olhando no fundo dos olhos dele. – é meio estranho pedir isso, mas... Quer voltar a ser o meu namorado? – pergunto.

— Como? – Jimin me olha diretamente nos olhos. – Jungkook, você nem sequer se lembra de mim, não pode pegar e simplesmente perguntar isso não tendo a noção das conseqüências. – desvia o olhar.

— Eu quero recomeçar, apesar de não lembrar, ainda. Por favor, vamos dar uma chance pra nós dois, uma segunda chance. – disse praticamente implorando pra ele.

— Eu terei problemas com o Taehyung. Ele não vai gostar nada disso. – disse.

— Taehyung... – desvio o olhar e tento lembrar quem é o Taehyung.

— Esquece. – suspira e desvia o olhar.

— Jimin, olha pra mim. – Levo uma de minhas mãos até seu queixo e faço com que ele levante a cabeça pra me olhar. – eu estou tentando lembrar de muita coisa, e ter você do meu lado e como meu namorado só irá me ajudar à recuperar a minha memória, só irá me ajudar mais e mais. – digo.

— Uma hora ou outra você irá lembrar de mim. 

— Mas... Jimin. – suspiro. – tudo bem, se você não quiser dar uma nova chance pra nós dois, eu não vou ficar insistindo. – me levanto da cama. – só perdi o meu tempo, como eu fui um estúpido. – caminho agora em direção à saída do quarto, mas sou impedido por Jimin que segurava a minha mão.

— Espera. – fecha os olhos e respira fundo. – Eu... Eu aceito, aceito dar essa nova chance pra nós dois. – olho pra ele.

— Agora eu não quero mais. – cruzo os braços.

— Como não? – Jimin se levanta, e se aproxima de mim. – não quer mesmo tentar uma nova chance comigo? – ao dizer aproxima os seus lábios de minhas bochechas e fica roçando-os de leve alí, fazendo os meus pêlos se arrepiarem.

— Eu quero. – Jimin suspira, então eu fecho os meus olhos.

— Então vamos tentar. – Jimin sorri, e da um beijo em meu rosto. Olhando-o nos meus olhos agora.

— Eu quero muito tentar.

— Não irá se arrepender. – diz e sorri.

— Ah... Acho que não irei me arrepender. – sorrio de leve pra ele. – Jimin, eu... Quero te agradecer por ter ficado no hospital comigo desde que eu cheguei até eu sair, mesmo eu sendo um ignorante e estúpido contigo. – digo sem jeito.

— Não precisa agradecer. É o que as pessoas fazem quando gostam uma da outra. – sorrio pra ele ao dizer isso. 

— Você é demais. 

— Eu sei. – sorri.

— Que convencido. – começo a rir.

— Tu falou apenas verdades, e eu só concordei. – diz.

— Vou lá pra baixo. Irei beber alguma coisa.

— Quer que eu vá junto com você? – diz Jimin que em seguida pega em minha mão, e então eu olho em direção à nossas mãos, e sinto minhas bochechas queimarem, aposto que estavam coradinhas agora. – amo quando você fica assim. – diz Jimin.

— Assim como? – sorrio sem graça. – não precisa, já irei voltar. – olho pra ele.

— Com essas bochechas coradinhas. – Jimin sorri e então da um beijo em meu rosto. – tá, eu te espero aqui. 

—Ah, entendi. Já volto. – Jimin ri sem graça, então caminho até a saída do quarto em direção ao andar de baixo. 

Então ao descer as escadas, me deparei com algo que me deixou totalmente assustado, ou que sempre acontecesse mas por conta da minha perda de memória, eu não tinha mais ideia de quem entrava ou não entrava dentro da minha casa. Ao olhar em direção ao sofá, havia uma pessoa sentada no meu sofá, porém ele não tinha me visto, pois o sofá estava de costas pra mim, assim como ele estava também. Foi então que eu imaginei ser um sequestrador, um ladrão ou coisa do tipo, um ladrão invadiu a minha casa. Depois de caminhar lentamente até a escada para que essa pessoa não me escutasse e me visse por alí, corri rapidamente pela escada e voltei pro meu quarto, eu estava realmente assustado.

— Jimin? – me aproximo dele. – Tem um estranho lá sentado na minha sala. Eu acho que estamos sendo assaltados.

— Como assim, um estranho?! – diz Jimin incrédulo. – vamos lá ver isso.  – Jimin vai em direção à porta, mas eu o impeço.

— Pode ser perigoso. Não vá. – disse eu implorando, o segurando pela mão.

— Calma, vai ficar tudo bem. – disse e me um selinho nos lábios, fazendo-me olha-lo surpreso. – confia em mim.

— Ok... – disse à ele, soltando-o.

Então Jimin ao sair, fui junto com ele, porém eu estava todo medroso por temer o que poderia acontecer. Jimin então ao olhar quem estava sentado no sofá, percebi que ele pareceu aliviado mas ao mesmo tempo mostrava estar com receio.

— Fica aqui. – cochicha no meu ouvido e sai de perto de mim, caminhando em direção ao sofá onde se encontrava a pessoa pelo qual não conhecia.

— Taehyung, o que faz por aqui? – pergunta Jimin,  ele parecia estar meio nervoso, então eu parei e lembrei que ele tinha me falado do Taehyung hoje mais cedo.

— O que eu faço aqui? – começa a rir. – eu que te faço essa pergunta, o que você está fazendo aqui, depois de tudo que fez pro Jungkook? – disse encarando o Jimin.

— Nada que não é da sua conta, não interessa o que eu estou ou não fazendo aqui. – Jimin disse firme.

— Ah, mas é da minha conta sim! Jungkook é o meu melhor amigo. Onde ele está? – pergunta Taehyung.

Então eu ao ouvir o meu nome sendo mencionado, finalmente me aproximo dos dois.

— O que está havendo? – pergunto olhando para os dois.

— Kookie-ah! – disse Taehyung ao se aproximar de mim me abraçar, porém não retribui aos abraços dele, eu estava totalmente confuso. – eu estava tão preocupado com você, eu vim aqui esses dias e você não estava, e descobri bem depois que você estava no hospital. – disse.

— Mas, mas eu não te conheço. – disse para ele confuso, e em seguida Taehyung olha para o Jimin. 

— Espera, como assim quem sou eu? Por acaso o Jimin te fez uma lavagem cerebral?! – disse incrédulo para o Jimin. 

— Você não sabe o que está acontecendo, então cala a sua boca, Taehyung! – disse Jimin, que em seguida se aproxima do Taehyung pra encara-lo.

— Que merda você fez com o meu amigo, seu idiota? – Taehyung o puxa pela camisa agora, ficando de cara a cara com o Jimin.

— Você não sabe o que está acontecendo, então pare de falar coisas que você não sabe. – Jimin ao dizer empurra o Taehyung com força, fazendo o mesmo bater fortemente com as costas na parede.

— Você me paga seu desgraçado. – Taehyung vem de pressa na  direção do Jimin, e aí então que eu resolvi me meter na confusão colocando o meu braço na frente do Jimin para protegê-lo.

— Ei, para com isso! – eu ao dizer, sinto uma dor insuportável no braço quando Taehyung aperta fortemente meu braço junto com as suas unhas, gemo de dor no mesmo.

— Jungkook? – diz Jimin assustado olhando para o meu braço, então em seguida olha pro Taehyung. – seu idiota, Jungkook está ferido no braço e você machucou ele! 

— M-me desculpa, eu realmente não sabia. – disse Taehyung.

— Não precisa se preocupar, eu estou bem, amor. – disse para o Jimin. 

— Amor?! – disse Taehyung. – está de sacanagem, não é, Jungkook?  – olha pra mim.

— Eu e o Jimin estamos namorando, qual o problema de eu chamá-lo assim? – pergunto.

— Isso só pode ser brincadeira. – começa a rir sarcasticamente. – depois de tudo que esse cara fez pra você?! Que tolice da sua parte, Jungkook, que tolice.

— Do que você está falando? – pergunto para o Taehyung.

— Taehyung, para. – diz Jimin, olhando-o com raiva.

— Do que eu estou falando? Senta que aí, meu amigo, que aí vem história. – olho então para o Jimin, e em seguida volto a olhar pro Taehyung. – Simplesmente armaram pra cima de você, vazaram umas fotos suas beijando a secretária Sunhyo, e Jimin ao ouvir sobre as fotos, literalmente cagou e andou para você e suas explicações. Você queria explicar, e ele não queria te escutar de jeito nenhum, você queria dizer que aquele beijo foi forçado, porém ele não deixava você falar. – eu não estava entendendo nada sobre o que o Taehyung estava dizendo.

— Taehyung eu já disse pra você parar com isso. Jungkook não está em condições. – disse pra Taehyung, e  em seguida me olha.

— Ele não está em condições, ou não quer que ele saiba de toda a verdade? – pergunta Taehyung para Jimin. 

— Ele não está em condições, e isso é um assunto entre mim e ele, você não tem que ficar se metendo em assuntos que não te envolve no meio. – disse.

— Espera só pra ver. – Taehyung então pega o seu celular, e em seguida se aproxima de mim e me mostra o celular dele. – está vendo isso, Kookie? – pergunta. –  Ele não quis acreditar que esse beijo foi forçado. Esse foi o real motivo de vocês terem terminado o relacionamento. – disse.

— Eu não me lembro de nada disso. –  Ao ver aquelas fotos, pude sentir lágrimas querendo escorrer pelo meu rosto, eu realmente não conseguia me lembrar de nada. Então mais uma vez pude sentir minha cabeça pulsando.

— Eu já disse pra você parar de fazer isso! – Jimin grita com o Taehyung e se aproxima dele, em seguida arrancando o celular de sua mão, e jogando o mesmo pra bem longe.

— Gente, já chega, por favor, estou ficando com dor de cabeça. – Disse eu enquanto choramingava, e o Taehyung corria em direção ao celular, voltando em seguida depois.

— Sorte sua meu celular não ter quebrado, senão eu iria quebrar a sua cara. Vontade é o que não falta, Jimin. – diz Taehyung para Jimin. 

— Você pode por favor, sair da minha casa? – digo pro Taehyung, enquanto o encarava. 

— Mas, Kookie... – Taehyung me  olhava. – eu sou o seu melhor amigo.

— Mas nada, sai da minha casa. Esta me incomodando, e ao Jimin também. – digo enquanto apontava para a porta de minha casa. – vai embora, agora! – grito.

— Tudo bem. – Taehyung olha para o Jimin. – Eu vou, mas eu vou voltar, isso não vai ficar assim. Você é tão podre, Jimin, que teve que pedir pra voltar a namorar com o Jungkook com o coitado que nem tem noção de quem nós somos, nunca vi ninguém mais sujo que você. Você é um grande covarde. O inventor da covardia.

Taehyung ao dizer, vira de costas e vai em direção a porta da casa sem olhar pra trás, e abre a mesma fechando em seguida atrás de si depois que sai.

Então em seguida Jimin se senta no sofá e respira profundamente, olhando agora para um ponto fixo em sua frente.

— Não fica assim, Jimin. – digo  ao me aproximar de mim e sentar ao meu lado, e em seguida  abraço-o de lado. – ele não vai mais aparecer aqui, eu não irei permitir que ele entre mais aqui. – digo.

— O Taehyung tem toda razão. Eu sou um podre. Um grande covarde. O inventor da covardia. – diz Jimin que em seguida abaixa a cabeça e balança a mesma negativamente.

— Ei... – me levanto e me ajoelho em sua frente, fazendo com que ele me olhasse agora. – não é só porquê ele disse isso sobre você, que você realmente é.

— Você diz isso porque não se lembra do que eu fiz pra você. Senão você concordaria totalmente com ele. – diz Jimin me  olhando nos olhos.

— Eu não me importo com o que você fez ou não pra mim. Eu quero é viver o agora, viver o agora com você, porquê se eu for querer viver de passado, eu visito um museu. – digo, fazendo-o rir. – museu... – desvio o olhar.

— Está lembrando de algo? – pergunta.

— Eu gosto muito de museu. – digo.

— Você visitava museus quando estava triste. Não se lembra disso?

— Acho que não. – digo confuso.

— Acha que sim ou acha que não? – pergunta e sorri.

— Sei lá. Eu lembro de algumas coisas, mas sempre quando eu tento lembrar mais parece que sou bloqueado. Isso é muito ruim. 

— Você sabe o alfabeto todo?

— Ah, Jimin. – reviro os olhos. – mas é óbvio.

— Qual seu nome? – pergunta.

— Jungkook. Jeon Jungkook. – respondo.

— Idade?

— 19.

— Onde estamos?

— Em Daegu.

— Você trabalha com o quê?

— Com música.

— Quem tem o namorado mais lindo do mundo? – diz e sorri.

— Eu... Não, pera. – olho para o Jimin. – deixa de ser convencido! – dou um leve soco em seu ombro, fazendo-o rir.

— Ué, mas você não vai concordar comigo que eu seja lindo? – diz Jimin sorrindo pra mim. 

— Está se achando demais. Não vou concordar com coisa nenhuma contigo. – digo.

— Tá bom então. – Jimin aproxima seu rosto do meu e me da um selinho demorado. – ainda está com dor de cabeça? – pergunta.

— Minha cabeça da uma latejada as vezes, mas em seguida a dor para. Agora não estou sentindo nenhuma dor. – respondo.

— Quer que eu pegue um remédio, caso a dor volte? 

— Não precisa, de verdade. Eu estou bem.

— Tá. – Jimin se levanta  do sofá fazendo com que eu em seguida me levante também. Agora ele me olhava no fundo dos olhos, assim como eu também fazia.

— Que foi? – pergunto.

— Você é tão lindo...

— Ah. – ri sem graça e desvio o meu olhar.

— Está afim de dar uma volta? 

— Onde você quer ir?

— Surpresa. – sorri pra mim.

— Não gosto de surpresas. – digo.

— Como sabe que você não gosta de surpresas?

— Sei lá. Lembrei do nada.

— Hum. – Jimin fica me olhando. – tudo bem, vou pro quarto então, já que você não quer sair. – diz se afastando de mim logo em seguida.

— Eu disse que não gosto de surpresas. – o puxo pelo braço. – mas não que eu não queira sair.

— Ah, claro. – Jimin ri. – então vamos, irei pedir pro motorista nos levar.

— Eu tenho um motorista? – pergunto confuso.

— É, Jungkook. – suspira. – você tem um motorista.

— Bom, se é assim, nós temos.

— Nós? Por quê nós?

— Você não está morando aqui?

— Não.

— Agora está. 

— Jungkook. – começa a rir. – uma coisa de cada vez, ok? 

— Tá bom. – falo baixinho.

Eu e o Jimin, depois de termos voltado a namorar, passamos a dormir juntos, mas claro, não rolava nada demais à não ser troca de beijos e algumas outras coisas que eu tinha que fazer pra aliviar o Jimin, mas que eu não irei entrar em detalhes agora. Estava tudo perfeito, cada dia que passava, meu amor pelo Jimin aumentava cada vez mais, e eu comecei a perceber no porque de eu ter me apaixonado pelo Jimin antes, ele simplesmente fazia-me sentir a pessoa mais amável do mundo, era impossível você se sentir mal quando estava ao lado de Park Jimin. 

Um dia eu me acordei no meio da noite, e me deu uma vontade imensa de ir ao banheiro tirar água do joelho. Então ao olhar pro lado, Jimin permanecia dormindo lindamente, e eu parei pra ficar observando-o enquanto dormia, então vi o quanto eu era sortudo em tê-lo somente pra mim, ele era apenas meu e mais de ninguém, assim como eu era somente dele e mais de ninguém. Ao chegar no banheiro, fiz as minhas necessidades e em seguida fui em direção ao grande espelho que tinha alí no mesmo, eu estava com uma aparência ótima, e eu acho que um dos motivos de eu estar assim, era o Jimin, o Jimin fazia com que eu amasse a mim mesmo, eu procurava estar bonito tanto pra ele quanto pra mim, e isso era maravilhoso. O que eu não poderia imaginar, é que eu acidentalmente escorregaria no chão úmido do banheiro, e pra piorar, bati com a cabeça na parede do mesmo, fazendo-me cair de costas com tudo na parede. Eu no início senti bastante tontura, e não conseguia me levantar do chão, então esperei para que minha tontura passasse e eu pudesse finalmente me levantar dali. Minha cabeça agora estava doendo mais que o normal, além de latejar, doia por toda parte, inclusive na parte que eu bati na parede. Me levantei do chão, e coloquei a minha mão na parte de trás da minha cabeça, não havia sangramento alí, então era uma coisa a menos para me preocupar. Voltei para o quarto e o Jimin ainda estava dormindo, porém agora estava em uma posição diferente, então em seguida eu deitei ao seu lado e rapidamente voltei a dormir.

No dia seguinte eu acordei, e então me bateu uma tristeza, acordei e logo de cara pensei no Jimin, lembrei de quando eu tentei explicar à ele que eu não tinha o traído, que tudo foi um mal entendido, mas mesmo me escutando, não se deu o trabalho de dizer que confiava em mim e que tudo ficaria bem. Então eu mesmo depois de ter acordado mas ainda estar de olhos fechados, parei pra pensar que eu não lembrava dessas coisas antes, desde quando eu lembrava do Jimin claramente desde o dia que eu o vi na rua, até eu querendo explicar à ele sobre o mal entendido? Fiquei pensando sobre isso e lembrando de outras coisas que até ontem eu não fazia ideia de que eu sabia, e parei pra prestar atenção no "silêncio" que tomava conta do meu quarto, mas eu ouvia uma respiração pelo cujo não era só minha. Ao olhar pro lado, vejo Jimin, e agora estava tudo tão claro de quem era realmente ele, não entendo como fui capaz de esquecer o homem pelo qual amo tanto. Ele estava na minha cama, na minha casa, ao meu lado, estava tudo tão perfeito que eu imaginei que fosse um sonho. Comecei a lembrar então de quando Jimin não queria me escutar e pude sentir já lágrimas querendo escorrer pelo meu rosto, então me ajoelhei na cama próximo ao Jimin. 

— Jimin, Jimin! Acorda Jimin. – comecei a chamar o Jimin enquanto cada segundo que passava, meu choro aumentava,  comecei a balança-lo para que o mesmo acordasse, e então ele acordava aos poucos.

— Jungkook? – pergunta confuso. – O que houve? Aconteceu alguma coisa?! – Jimin se levanta da cama, porém estava sentado, me observando agora.

— Aconteceu, aconteceu sim. – disse enquanto o olhava. – Por quê você fez isso comigo, Jimin?! Por quê você me deixou achando que eu tinha realmente traído você? – eu estava chorando desesperadamente agora.

— Jungkook? Você... Você está recuperando a memória? – Jimin arregala os olhos enquanto me olhava.

— Isso não importa, Jimin, não importa! Eu quero saber porquê que você não acreditou em uma palavra que eu te disse naquele banheiro. – grito com ele.

— Eu estava chateado. Entenda meu amor. – Jimin leva suas mãos até o meu rosto e fica  segurando. – eu me arrependi tanto do que eu fiz, você não tem noção do quanto eu sofri esse mês  estando longe de você. – eu não falava nada, apenas chorava em desespero e ajoelhado do lado da cama agora, olhando para o Jimin.  – se você quiser que eu vá embora, eu vou entender, já que agora você lembrou o monstro que eu sou. – ao dizer Jimin se levanta da cama, e vai caminhando em direção à saída do quarto do meu quarto.

— Não! – digo pra ele, então em seguida corro atrás e o abraço. – eu não quero que você vá embora, eu não quero perder você outra vez. – Jimin então se vira pra trás para me olhar, ele estava com lágrimas nos olhos agora.

— Eu faço você sofrer demais. Você não merece isso, Jungkook. – diz.

— Não fala assim. Eu te amo, Jimin. Tanto que até dói. Mas o amor é assim e não tem como mudar, o amor dói.

— Nem todo amor dói. – diz Jimin entre lágrimas. – você merece ficar com alguém que te dê um amor e não que te faça sofrer.

— Jimin, eu não quero mais você longe de mim, está entendendo? – digo firme. – Eu te amo, eu te amo muito, eu sou louco por você. Não me deixe de novo como você fez da outra vez. Aquilo me machucou demais.

— Eu estou envergonhado, me desculpa. – diz Jimin e em seguida desvia o olhar.

— Não fique envergonhado. Por favor. – me aproximo novamente do Jimin e o abraço forte. – por mais que tudo isso tenha acontecido, eu ainda te amo, e eu não te quero longe de mim, te quero aqui comigo. 

— Eu também te quero pra sempre comigo. Eu não vivo sem você. – diz Jimin retribuindo ao meu abraço, abraçando-me forte.

— Então fica aqui comigo. Vem morar comigo de novo. Pega suas coisas onde elas estejam e vem morar comigo de novo. – digo.

— Jungkook... – disse baixinho.

— Por favor, eu não aceito "não" como resposta. 

— Ah... – respira fundo. – tudo bem, eu volto. – sorri de leve pra mim. – eu te amo, eu te amo muito.

— Eu te amo ainda mais. – ao dizer Jimin me dá um selinho. 

— Que horas são? – pergunta.

— Hora De Aventura. – digo e em seguida riu, enquanto limpava as minhas lágrimas.

— Engraçadinho. – bufa e sorri.

Já tinha passado do meio dia e eu estava com uma vontade imensa de ir pra BigHit, agora que eu tinha recuperado bastante a memória, não sei se eu estava 100% recuperado da memória, mas eu lembrava do Jimin, e lembrar do Jimin pra mim eu já me considerava 100% recuperado da memória. Jimin não precisou ir pra BigHit mais cedo, ele poderia ir mais tarde hoje, já que ele estava me cuidando em casa, então quando ele foi em direção a cozinha eu fui atrás do mesmo. Fiquei encostado na pia da cozinha enquanto o observava se alimentar.

— Que foi? – pergunta Jimin ao me olhar, de boca cheia.

— Nunca te disseram que falar de boca cheia é feio? – pergunto.

— O que você disse? – Jimin ao dizer, abre a boca, a mesma estava cheia de comida mastigada.

— Nojento! Para com isso! – digo irritado.

— Tá bom. – começa a rir.

— Jimin...

— Fala.

— Eu quero ir na BigHit contigo hoje.

— Como? – Jimin tosse e nervoso deixa a faca cair no chão.

— Eu quero ir na BigHit...

— Tá, eu já entendi. – me corta. – e a resposta é não.

— Eu quero falar com o Min Jiangsu.

— Tu tem ainda uma semana pra ficar em casa. Não se preocupe com isso.

— Mas eu quero ir.

— Jungkook, vai por mim, fique em casa.

— Sério Jimin, eu tô cansado de ser tratado que nem criança aqui, é sério!

— Jungkook eu não vou discutir com você.

— Ah, mas você vai!

— Desista. Só isso. – disse sem olhar pra mim.

 — Ah, Jimin, quer saber de uma coisa? Se não quiser ir comigo, eu mesmo vou. – digo e me afasto do Jimin, indo agora em direção ao meu quarto.

Ao chegar no meu quarto, entrei direto no banheiro e liguei a água para encher a minha banheira, hoje estava frio e então eu liguei a água quente. Conforme a banheira enchia, eu tirava as peças de roupa do meu corpo, até ficar completamente nú, e quando a banheira estava completamente cheia, eu entrei no mesmo e vi as partes do meu corpo desaparecerem conforme se afundava na espuma que havia na banheira. Deitei então pra relaxar e fechei os olhos, e mal foi eu fazer isso que eu pude ouvir a porta do banheiro ser aberta, então pensei o quão burro eu fui de não ter trancado a porta do banheiro.

— Sai fora Jimin, eu estou tomando banho. – digo ainda de olhos fechados.

Então de repente abro os olhos e vejo Jimin complementamente nu e entrando na banheira junto comigo.

— Jungkook... – Sussurra.

— O que está fazendo? – pergunto incrédulo.

— Também quero tomar banho.

— Esse não é o único banheiro dessa casa, sabia? 

— Eu quero me desculpar também.

— Pelo o que?

— Pelo o que aconteceu na cozinha.

— O que aconteceu? Eu não lembro. – me faço de desentendido.

— Você não está mais com problemas de memória. Para com isso. – Jimin engatinha até mim, agora estávamos de cara a cara.

— Você é muito chato. – digo, o olhando nos olhos.

— Eu sei, eu sei... 

— Jimin... 

— Shh... 

Jimin então faz com que eu saísse de onde estou e se deita na banheira, encostando suas costas no mesmo, e ao me olhar, me chama com a mão e sorri. Eu ao me aproximar Jimin me da espaço entre suas pernas e eu sentei no mesmo, em seguida deitando sobre o seu ombro. Em poucos segundos pude sentir seu pênis roçando nas minhas costas, mesmo o Jimin não fazendo nada para que o mesmo encostasse em mim, apesar de que já era bem provável que eu sentiria isso. Jimin então leva uma de suas mãos no meu peitoral e começa a espalhar beijos pelo meu rosto, e em seguida leva o mesmo para o meu pescoço, fazendo-me arrepiar por inteiro e fechar os olhos enquanto sentia os beijos dele.

— Jimin, agora não... – sussuro, de olhos fechados agora.

— Eu estou com saudades.

— Nós vamos nos atrasar.

— Eu não ligo.

— Vamos tomar nossos banhos e ir. 

— Quero ficar aqui com você...

Jimin então faz com que eu vire o rosto para o seu lado e inicia um beijo lento, em seguida então leva sua mão até o meu rosto e fica acariciando a mesma enquanto me beija com calma, agora sua língua estava dentro da minha boca sendo cruzada contra a minha, nossas línguas agora estavam dançando uma com a outra em um ritmo lento. Jimin em seguida leva sua outra mão até o meu pênis, começando a passar a mão pelo mesmo, então pude senti-lo já ficando animado.

— Jimin... – falo entre nossos lábios. – temos que ir. – digo.

— Droga. – sussurra. – que saco, Jungkook. – disse emburrado, tirando sua mão do meu pênis e a outra do meu rosto.

— Desculpa.

— Tá. – disse seco.

— Tá bravo? – pergunto.

— Relaxa. 

— Não quero que fique de mau comigo.

— E quem disse que eu estou? – pergunta Jimin que enrolava a toalha em volta de sua cintura, mas sem me olhar.

— Eu... – fico sem o que dizer, então Jimin sai do banheiro me deixando completemente sozinho alí.

Saí do banheiro e fui direto pro meu quarto, coloquei então uma calça larga preta e uma regata preta, junto com um casaco xadrez vermelho, foi então que eu olhei pro meu braço e lembrei que eu tinha que trocar o curativo, ou colocar um novo curativo, melhor dizendo, pois não tinha curativo algum no meu braço e dava pra ver claramente os cortes que agora eu lembro que foi em quem realmente fez. Coloquei o meu tênis e fui em direção ao quarto do Jimin, pelo qual estava encostada. Ao entrar, Jimin estava terminando de vestir seu casaco, e como ele estava de frente ao espelho, me olhou através do mesmo, estava com uma seria expressão.

— Jimin...

— O que te traz aqui?

— O amor que eu sinto por você. – ao dizer, não obtenho respostas, mas dava pra ver que o Jimin sorria de leve.

— Impossível não me amar. – finalmente responde.

— Preciso de um curativo novo.

— Tem razão. – disse ao se aproximar. – eu esqueci complementamente, desculpa.

— Sem problemas. – sorrio. 

— Vem cá, eu tenho curativo aqui na minha mochila. – disse ao pegar minha mão e em seguida fazer com que eu sentasse nos pés de sua cama.

— Ok...

— Está doendo ainda? – pergunta enquanto mexe em sua mochila.

— Estava doendo um pouco menos, até o Taehyung me machucar.

— Desgraçado... – fala baixinho.

— Eu estou bem, mas fico com medo que pegue alguma infecção ou algo do tipo por estar destapado.

— E está certo. – Jimin pega o rolo de bota de unna e começa a enrolar pelo meu braço. – se eu estiver apertando demais, me fale.

— Você é tão delicado, não tem como eu reclamar.

— Não sou delicado.

— É sim.

— Pára, Jungkook. – ri sem graça, agora Jimin pega um esparadrapo e coloca sobre a minha bota de unna. 

— Jimin, lembra de quando nós estávamos na nossa sala lá na BigHit, na nossa última reunião, e eu tinha trazido uma composição  que eu tinha escrito quando eu estava em casa e tudo mais?  – pergunto.

— Sim. – concorda com a cabeça.

— Eu escrevi aquela canção pensando em você. – digo.

— Eu... Eu meio que já sabia disso. – sorri de leve. – e as olhadas que você me dava, alí eu tive certeza que você estava jogando indiretas pra mim.

— Que fim levou a minha canção?

— Os outros membros estão gravando a parte deles, e hoje eu estou indo gravar a minha parte agora. Falta só a nossa parte.

— Deve estar muito boa.

— Imagino. – sorri.

— Se você não quiser cantar a minha música, eu posso compor outra e trocar.

— Já enrolamos demais para lançar uma música, e esta perto de nós debutarmos. Acho que já chega de enrolar tanto, não quero colocar tudo a perder.

— Tudo bem então...

— Vamos logo pra BigHit, o Min Jiangsu não pára de me mandar mensagens.

Jimin então pegou na minha mão e saímos de casa, fomos de encontro ao nosso motorista e nós o cumprimentamos educadamente e pedi perdão por ter sido uma péssima pessoa e inclusive por não ter lembrado dele. Meu motorista já fez tanto por mim que eu me senti uma péssima pessoa por ter esquecido antes, mas o bom era que tudo estava sendo claro, eu estava lembrando de tudo e acredito que agora nada de errado mais poderia dar na minha vida. Pegamos carona e o Jimin praticamente me obrigou a sentar com ele no banco de trás, durante a ida até a BigHit, Jimin me provocava discretamente colocando sua mão sobre o meu pênis por cima da roupa e me dava beijos, e eu só conseguia ouvir uns "own" vindo do motorista, o que me fez corar rapidinho. Acho que ele em nenhum momento viu o Jimin com a mão boba dele, pra estar achando aquilo fofo.

Depois de quase uma meia hora, chegamos na BigHit. Me despedi do meu motorista, e o Jimin fez o mesmo, então ele pegou na minha mão e entramos na BigHit juntos. Ao entrar, a primeira pessoa que eu vi, foi a que eu queria ver por último em minha vida, ou talvez nunca mais, a secretária Sunhyo. Ela estava no balcão como sempre, arrumando umas papeladas, não tinha visto a minha chegada e a do Jimin ainda. De repente um ódio tomou conta de mim, eu fechei a minha mão com força e pude ouvir o Jimin gemer de dor, e então eu o olhei e soltei sua mão, indo em direção ao balcão onde Sunhyo de encontrava.

— Sua cobra mal amada, por quê você armou isso tudo pra fazer eu me separar do Jimin?! – a puxei com força pela sua jaqueta, estava a encarando agora.

— Jungkook?! – disse surpresa ao me ver. – Jungkook me solta!

— Se a sua intenção era separar o Jimin de mim pra você poder tomar o lugar dele, você se enganou feio, eu nunca ficaria com você, nem se você fosse a única mulher do mundo.

— Jungkook. – disse Jimin ao se aproximar de mim. – por favor, deixa ela, e largue-a, você terá problemas.

Apesar do local perto do balcão estar só nós três, eu sabia que havia câmeras, e eu realmente não queria problemas.

— Tem toda razão. – digo largando a Sunhyo em seguida. – agradeça esse balcão eternamente, a parada seria bem mais séria se você não estivesse atrás dela.

— Me desculpa, Jungkook. – disse chorando.

— Você tem noção do que aconteceu comigo e com o Jimin por conta de sua armação de merda? Eu fui parar no hospital por sua causa, sua vagab... – antes que eu pudesse terminar a frase, fui surpreendido com um beijo do Jimin, e em seguida ele encerra o beijo com um selinho.

— Por mais que você tente nos separar, nós sempre iremos voltar um pro outro, porquê o nosso amor é mil vezes maior que a sua inveja. – disse Jimin olhando pra Sunhyo. – está vendo esse corpo? – Jimin levanta a minha regata, deixando o meu abdômen a amostra, então eu rapidamente abaixo a mesma. – é tudinho meu. – termina Jimin, Sunhyo observava tudo calada. – passar bem, querida. – sorri, e em seguida me puxa pelo braço, pra longe do balcão.

Fomos então em direção ao elevador e subimos para o 7° andar, e antes que eu e o Jimin pudéssemos entrar em nossa sala, senti alguém cutucar no meu ombro, e eu olhar pra trás, era a Lisa que tinha me cutucado.

— Jungkook! Quanto tempo! – disse toda sorridente e me beija no rosto. – Oi, Jimin! Tudo bem?! Vocês dois estão ótimos. – disse e em seguida beija o rosto do Jimin, e eu automaticamente levo minha língua até a minha bochecha.

— Lisa! – digo depois dela cumprimentar o Jimin. – quanto tempo mesmo. – sorrio.

— É verdade, vocês sumiram. – diz. – eu estive aqui todos os dias, e nunca os encontrava, aconteceu alguma coisa?

— Eu... – olho pro Jimin, e volta a olha-la. – eu estive no hospital.

— Hospital?! Alguma coisa grave te aconteceu? – pergunta preocupada.

— Tive que fazer uma cirurgia, mas nada demais. – menti.

— O bom é que estás bem agora. Fiquei feliz em ver vocês de novo. Mas enfim, por acaso viram o Yoongi por aí? – pergunta nos olhando.

— O Yoongi? – pergunto, e ela concorda com a cabeça. – ele deve estar na nossa sala, mas por quê? – pergunto curioso.

— É que... Bom, ele disse pra não contar, mas vocês são amigos dele, então... – eu e o Jimin nos entreolhamos. – eu estou namorando com o Yoongi agora.

— Como?! – pergunto. – por essa eu não esperava. – digo e olho pro Jimin, então começamos a rir.

— Por quê? O que tem? – pergunta.

— É que o Yoongi é um cara difícil de se apaixonar. A gente te admira por ter tocado no coração do docinho.

— Ah sim. – sorri. – Não foi nada fácil conquista-lo na verdade. Mas todo esforço valeu a pena.

— Isso é maravilhoso. – diz Jimin. – agora ele larga do nosso pé.

— Jimin, pára. – digo o encarando.

— Como assim? – pergunta Lisa.

— É que o Yoongi é muito colado com a gente, então... Como agora ele tá namorando, ele larga do nosso pé um pouco. – disse Jimin disfarçando e sorrindo falsamente.

— Ah sim. – ri. – entendi. – ele é uma graça em pessoa, tão docinho...

— Não é a toa que ele se chama Suga, não é mesmo? – pergunto e sorrio em seguida.

— É, faz sentido...

Então ao olhar pro corredor do 7° andar, vejo o Yoongi se aproximando, e ao olhar para nós três parados em frente a porta de nossa sala, o mesmo nos olha surpreso.

— Jungkook? Jimin? – pergunta ao parar na nossa frente.

— Oi, Yoongi. – disse Jimin, então eu lancei um olhar pro Jimin e ele já entendeu tudo.

— Meu amor. – diz Lisa ao se aproximar do Yoongi e o abraça-lo. – eu senti sua falta, como está? – Lisa lhe dá um selinho.

— Eu estou bem. – Yoongi retribui o selinho. – desculpe a demora.

— Vem Jimin, vamos entrar. – disse ao puxar Jimin pela mão. – tchau Lisa.

— Tchau Kookie!

— Até mais. – abro a porta da nossa sala, que estava quase todos os membros, exceto Yoongi que ainda estava fora da sala.

Cumprimentei todos os membros, e todos me cumprimentaram educadamente, exceto o Taehyung que me olhava com uma cara feia.

— "Tchau Kookie". – disse Jimin debochando da Lisa, e em seguida sentando em uma das cadeiras.

— Ciúme logo cedo? – pergunta Hoseok que em seguida ri.

— Mas são 15h00. – digo.

— Cedo. – sorri pra mim.

— Eu estava com saudades de vocês. – diz Jin. – que bom que tudo está voltando ao normal como antes. 

— Como sabe que nós voltamos? – pergunta Jimin para Jin.

— Isso é tão óbvio quando você enxerga dois pares de alianças em duas pessoas. – responde.

— Ah, é. – diz Jimin, que em seguida aproxima seu rosto do meu e me dá um selinho, eu retribuo o mesmo.

— Gente, já gravamos nossas partes da música "Love Is Not Over", só falta a parte do Jimin e do Jungkook. O que acham de depois sairmos pra comer em algum lugar pra comemorar? – pergunta Namjoon.

— Pra que? Pro Jimin e o Jungkook se pegarem no banheiro de novo? – diz Hoseok que em seguida começa a rir.

— Por quê se pegar no banheiro se podemos muito bem nos pegar na frente de vocês e em qualquer hora? – pergunta Jimin.

— Vocês não se assumiam logo, estava mais do que na hora. – diz Hoseok.

— Estamos juntos oficialmente agora. – digo.

— Vocês são muito lindos juntos, não é mesmo, Taehyung? – pergunta Jin que em seguida olha pro Taehyung, mas não obteve resposta, Taehyung estava concentrado em seu celular. – TAEHYUNG?!

— O que é, o que foi?! – disse ao tirar sua atenção do celular e olhar para o Jin.

— Eu perguntei se você acha o Jungkook e o Jimin lindos juntos.

— Lindos, lindos... Maravilhosos. – bufa, e volta a prestar a atenção no seu celular.

Passamos o dia todo na BigHit, gravando a minha parte da música Love Is Not Over, e em seguida Jimin gravou a parte dele. Durou mais ou menos umas 7 horas pra música ficar pronta, porquê toda vez que eu cantava a minha parte eu chorava ou a minha voz não saía conforme eu chorava por conta da música. Eu tinha escrito a música quando eu estava passando pelos piores momentos em minha vida, e cantar aquilo só fazia com que eu lembrasse do que eu tinha passado longe do Jimin, nesse tempo longe dele eu descobri que eu não poderia mais viver sem ele, ele era como se fosse o ar que eu respiro, sem ele não tem como eu viver, preciso dele cada vez mais ao meu lado pra sobreviver, e cada dia que passa eu tenho ainda mais certeza de que o Jimin é o homem da minha vida, o homem pelo qual eu quero acordar e ver todas as manhãs deitado ao meu lado com seu rostinho inchado de tanto dormir. Eu o amava tanto que mal cabia em mim esse tanto amor que eu sentia, e que cada dia esse amor aumentava mais e mais.

Já eram 22h00 da noite e resolvemos finalmente ir embora, e como milagrosamente a gente tinha finalizado a música, o Min Jiangsu fez questão de pagar um táxi pra a gente, todos membros já tinham ido em táxis dividindo, Rap Monster, Jin, Hoseok e Yoongi foram em um, e eu e o Jungkook fomos em outro. O que eu menos pude esperar, era que o Taehyung fosse no mesmo táxi que eu e o Jimin, eu e ele estávamos no banco de trás, então Taehyung sentou no banco de carona e ao nos olhar estava com uma séria expressão.

— O que está fazendo aqui?! – pergunta Jimin. 

— Mandaram eu entrar nesse táxi. – disse Taehyung que em seguida olha pra frente.

— Sério, não da pra acreditar. – bufa Jimin. 

— Jimin... – falo baixinho e o mesmo me olha nos olhos.

— Que? – pergunta.

— Sem estresse, por favor.

— Na boa, eu ainda vou caçar o responsável que tá fazendo a gente dividir o carro.

— A gente já vai chegar. – falo.

— Eu na verdade gostaria de conversar com vocês dois. – diz Taehyung.

— Não temos o que conversar. – diz Jimin.

— Sobre o que, Taehyung? – pergunto.

— Nossa, lembrou do meu nome, que emoção! – Taehyung finge estar emocionado.

— Ele recuperou a memória.

— Quem eu sou então, Jungkook?

— Kim Taehyung, o meu melhor amigo? – pergunto.

— Meu stage name?

— V.

— Recuperado mesmo.

— Sobre o que quer falar com a gente, Taehyung? – pergunta Jimin. 

— Na fora na pizzaria a gente fala sobre isso. 

— Beleza. – diz Jimin. 

Demoramos uma meia hora até chegarmos a pizzaria, e ao chegar lá, o restante dos membros nos esperávamos na frente da mesma. Entramos então e pedimos uma pizza enorme, que eu duvidava muito que nós sete conseguiríamos comer mesmo estando em sete. Depois de decidirmos o que iríamos beber, Taehyung faz sinal pra mim e pro Jimin nos chamando pra ir pra rua, e foi o que fizemos. Taehyung tinha ido em nossa frente, e ao ir pra rua, Taehyung estava sentado em um banco, parecendo estar perdido em seus pensamentos.

— Taehyung. – digo ao me aproximar.

— Jungkook...

— O que houve? – pergunto.

— Eu... – se levanta. – Eu na verdade chamei vocês aqui pra me desculpar por tudo... Sei que vocês passaram por muita coisa junto, Jimin foi pro hospital, você também, e nisso já rolou outras coisas que fizeram vocês se separarem e tudo mais, e ao invés de eu ajudar a tentar amenizar o sofrimento de vocês dois, eu acabei piorando tudo brigando com o Jimin... – disse sem jeito. – é que, Kookie, você é o meu melhor amigo, nos conhecemos desde a infância, e o que eu mais quero nesse mundo é te ver feliz, e o motivo da sua felicidade estava na minha frente e eu não vi isso o tempo todo.

— O que quer dizer? – pergunto.

— Quero dizer que, se você quer ficar com o Jimin, você tem todo o meu apoio do mundo. E, Jimin... Me desculpa por tudo, de verdade. – disse e em seguida olha pro Jimin, mas o mesmo não obtém respostas. – nós somos o Bangtan Boys, qual é? Vamos mesmo ficar mal um com o outro? Falta muito pouco para nós debutarmos. 

— Ta bom, Taehyung, de boa, cara. – diz finalmente Jimin.

— Isso já é um bom começo. – diz Taehyung que sorri fraquinho. – isso quer dizer que vocês me perdoam? 

— Sim, eu te perdoo. – digo.

— Jimin...? – disse Taehyung cabisbaixo.

— Não. – disse seco.

— Que isso, Jimin? – o olho assustado.

— Brincadeira. – começa a rir, e eu suspiro aliviado.

— Não faça mais isso, Jimin. – disse Taehyung que pressiona sua mão contra seu peito. – quase que meu coração sai pela bunda. 

Eu e o Jimin então rimos do jeito que o Taehyung estava.

Depois de nos resolvemos e finalmente fazer as pazes, voltamos pra dentro da pizzaria. A pizza já estava na mesa, foi aí então que eu me dei conta que nós tínhamos passado mais de meia hora lá na rua nos resolvendo e rindo de coisas muito tolas. 

Comemos a pizza, e como tudo tinha voltado ao normal como antes, resolvi fazer uma festa de pijama na minha casa. Jimin curtiu a ideia, pois fazia um tempo que nós não fazíamos "reuniões" como está, ainda mais depois de tudo que aconteceu. Yoongi não quis ir na minha casa, disse que passaria a noite na casa da Lisa.

Já se passava da meia noite, e os outros membros já tinham pego suas roupas de dormir, todos estavam aparentemente cansados, e então resolvi não incomodá-los muito porquê sei que todos trabalharam muito duro nas últimas. Todos estavam preparados para dormir, em um colchão estava Jin e Namjoon, no outro Taehyung e Hoseok, e eu estava dividindo a minha cama com o Jimin, que o mesmo agora se encontrava deitado comigo de concha. O quarto só estava sendo iluminado pela luz da televisão.

— Já volto. – diz Taehyung que dá um selinho no Hoseok e se levanta do colchão, indo em direção a saída do quarto agora.

— Onde vai? – pergunto.

— Eu preciso tomar um Nescau antes de eu dormir, se eu não tomo eu durmo mau humorado. – diz Taehyung.

— Ai que bebezinho, gente! – diz Namjoon, que em seguida ri.

— Eu esqueci que tu tem essa mania estranha. – digo. – tá bom, vai lá então.

Taehyung ri e em seguida sai do meu quarto.

Então eu me viro e fico de frente pro Jimin, e mesmo com aquela escuridão do quarto, dava pra ver o brilho dos seus olhos diante a iluminação da tv, ele estava me olhando e sorrindo agora.

— Que foi? – pergunto, enquanto ele me encara e sorri.

— Nada demais, só estou olhando o quão lindo é o homem da minha vida. – me da um selinho.

— Eu sou o homem da sua vida? – pergunto.

— É. – concorda. – e eu amo muito ele.

— Eu te amo muito mais. 

— Qual o tamanho do seu amor por mim? – pergunta.

— O tamanho do ciúmes que tu sente quando a Lisa beija o meu rosto. – digo e seguro o riso.

— Nossa, então é enorme. 

— Né não? 

— Mas tu é só meu, não é?

— Óbvio que sim. – respondo. – você não é Coréia, mas eu sou totalmente Seul.

— Meu pau até caiu aqui depois dessa. – disse Jimin que em seguida da gargalhada.

— Quê?! Não gostou do que eu disse? – pergunto incrédulo.

— Eu não disse isso. – disse rindo. – você que não é bom em cantadas.

— Fala uma melhor então. – digo.

— Você não é BigBang, mas é fantastic baby.

— Agora foi o meu que caiu. – começo a rir.

— Eu sou bom nisso, só falta você admitir que sou bom. – diz.

— Você é bom em tudo o que faz. – sorrio e dou-lhe um selinho.

— Vai esperar o Tae? 

— Não. – respondo. – estou cansado.

— Vamos dormir então. – Jimin envolve suas mãos na minha cintura, me abraçando forte por baixo das cobertas. – boa noite, meu amor. 

— Boa noite. – sorrio, e me aproximo ainda mais do Jimin para me esquentar. – eu te amo.

— Também te amo muito.

Depois de dar boa noite pro Jimin, fiquei abraçando o mesmo fortemente, como se eu não quisesse soltá-lo nunca mais e nunca deixasse que ele escapasse dos meus braços, pois  sei que sempre quando eu acordo o Jimin nunca está na cama, ele sempre consegue levantar mais cedo do que eu, então eu acabo acordando sempre sozinho. Ouvi a porta do meu quarto sendo aberta, e em seguida ouço o Taehyung sussurrar algo pro Hoseok, pelo qual não dei importância por estar morrendo de sono. E eu fui dormir assim, apoiei minha cabeça no peitoral do Jimin e fiquei ouvindo as batidas do seu coração, aquilo de uma certa forma me acalmava e eu poderia passar uma vida inteira só ouvindo o seu coração. Fiquei refletindo sobre tudo o que aconteceu nos últimos dois meses, e eu passei a agradecer por tudo ter voltado ao normal como antes, eu finalmente pude estar novamente ao lado da pessoa que eu mais amava nesse mundo, a pessoa pelo qual percebi que não conseguiria viver nenhum dia sem, que enquanto essa pessoa estava longe de mim, pude perceber o quanto eu precisava dela na minha vida pra viver realmente feliz, eu finalmente estava com o Jimin de novo só que agora era oficial, nós éramos namorados e ele tinha me dado uma aliança linda, eu não podia estar mais do que feliz. Eu agora, depois de sofrer tanto, finalmente pude estar ao lado do Park Jimin, o homem da minha vida, o homem que me faz ser a pessoa mais feliz desse mundo inteiro.







Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...