História Uncertain Destiny - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Hansol, Jaehyun, Johnny, Kun, Personagens Originais, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Jaeyong, Johnten, Kunsol, Winkun, Yuwin
Visualizações 410
Palavras 2.182
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu sou pessima pra escolher nome de capitulo KKKKKKKKKK
Caramba, são 3:09 da manhã e eu to atualizando a fic, eu não sei mais o que é dormir hfvhask
Espero que gostem e nos vemos nas notas finais <3

Capítulo 5 - Sustos


Fanfic / Fanfiction Uncertain Destiny - Capítulo 5 - Sustos

POV – Yuta

 

         Hoje eu acordei no horário pra ir pra universidade, mas por ironia da vida não tinha nada de importante, seria um dia comum e chato igual aos outros. Tomei banho tranquilamente e logo depois fui escolher as roupas. Entre tantos casacos que eu tinha acabei vestindo o do WinWin, eu estava viciado naquele cheiro (Eu preferia pensar que era só no cheiro mesmo).

            Longos minutos se passaram no ônibus e finalmente cheguei à universidade, Hansol estava de costas a minha espera, sentado em um dos bancos que tinha logo em frente, eu poderia chegar como uma pessoal normal e dizer simplesmente um Oi, mas como eu provavelmente não cresci mentalmente, resolvi dar um susto nele.

- BUH! – Hansol deu um pulo do banco e soltou um grito agudo, meu maior desejo naquele momento era estar com uma câmera. Eu não conseguir me controlar e fiquei gargalhando enquanto olhava a cara dele de assustado.

- SEU IDIOTA DO CARALHO, SAI DAQUI – Ele gritou comigo, mas logo depois começou a rir também

- Vem cá, eu também te amo. – Lhe dei um abraço forçado e saímos em direção à sala.

            Enquanto percorríamos o trajeto até sala, Hansol chama minha atenção.

- Olha lá, que fofinho o casal se amando. – Quando olho na mesma direção que ele, vejo WinWin e aquele amigo dele cujo o qual não sei o nome, se abraçando, e parecia estar rolando muito sentimento no abraço. Não sei por que, mas não gostei.

- É – Foi a única coisa que consegui falar, porque minha vontade mesmo era acabar com aquela demonstração pública de afeto.

- É? Como assim “é”? Você conhece?

- O de casaco verde é o Sicheng.

- Sicheng? Sicheng seu irmão?

- Não Hansol, Sicheng o cantor

- Que cantor?

- Cara, você só não mais lerdo porque não consegue. E ELE NÃO É MEU IRMÃO. Mas sim, é o Sicheng filho do namorado da minha mãe.

- E você ta com ciúmes, é isso mesmo Nakamoto Yuta? Conheceu o menino ontem e já ta com ciúmes e com medo de dormir no mesmo quarto... Acalme seus hormônios rapaz. – Hansol começou a rir de mim e eu ainda olhava a cena, o outro garoto ficava alisando os cabelos do WinWin enquanto falava algo em seu ouvido.

- Eu não to com ciúmes – Respondi depois de um tempo e revirei os olhos. – Mas porque só falamos sobre mim? E você Hansol, nunca mais te vi ficando com nenhuma menina, ta apaixonadinho?

- Não.

- Eu nunca te perguntei sobre isso, mas... você beija meninos?

- Esse é jeito de me perguntar se sou bi? – Ele riu. – Por quê? Ta interessado? – Ele segurou meu rosto fingindo que ia me beijar e eu bati em seu braço e me afastei sorrindo. – Mas enfim, respondendo sua pergunta, eu nunca fiquei com nenhum menino, mas se eu desenvolvesse algum sentimento por algum, eu não hesitaria em assumir um relacionamento. Eu penso de uma forma em que eu vou me apaixonar pelo que a pessoa é por dentro, não pelo gênero que ela é.

- Nossa, eu nunca tinha pensado dessa forma... Eu simplesmente achava que era bissexual sem motivo algum, mas agora o que você disse faz sentido.

- Acho que vou mudar meu curso pra filosofia. – Sorrimos novamente e entramos na sala.

 

POV – Taeyong

           

Talvez pareça estranho eu ter chamado um “desconhecido” pra casa da minha tia, mas preciso deixar claro que eu observo o Jaehyun tanto quanto ele me observa. Há uns 7 ou 8 meses eu comecei a notar que quase sempre um menino de cabelos castanhos e covinhas ficava me olhando de longe, e quando eu ficava próximo a ele, ele ficava nervoso, e quando eu olhava pra ele, o mesmo desviava o olhar e ficava vermelho... Se ele estava tentando disfarçar que gostava de mim, não deu muito certo. De inicio eu achava engraçado, mas depois de certo tempo eu sentia falta quando ele não ia me ver seja lá onde eu estivesse. Não podia continuar assim, eu notei que se dependesse dele, ele só falaria comigo quando a gente se formasse, precisava tomar uma atitude e tomei, só precisava que ele desse uma brechinha pra começar a conversa e ele deu quando pediu minha mochila, o resto da noite foi apenas consequência... Vou agradecer pra sempre o fato dele ter esquecido as chaves.

Eu peguei o número do Jaehyun, mas não sei exatamente o que escrever, era intervalo entre as aulas e aquela era uma ótima oportunidade de começar uma conversa, eu fiquei pensando e pensando o que falar, e depois de pensar muito decidi o que dizer.

Taeyong:

Oi

Covinhas :3 :

Olá

            Quando olhei pra frente eu vejo o Jaehyun indo comprar alguma coisa na lanchonete, ele estava sorrindo muito e olhando pro celular, pouco tempo depois começou beijar a tela do celular (?), então caminhei em sua direção sem que ele percebesse.

Taeyong:

Você ta muito bonito hoje, eu acho seu sorriso lindo.

Covinhas :3 :

Você ta me vendo??????????

Taeyong:

Sim, to atrás de você.

            Ele se assustou quando me viu e a cena foi lindamente engraçada.

- Meu Deus, que susto Taeyong. – Sorri e indiquei que ele era o próximo a ser chamado. Ele comprou duas tortas de chocolate.

- Nossa! Que menino guloso.

- Não é tudo meu – Ele começou a rir, ah esse sorriso... – Um pedaço é do WinWin.

- Ah sim, seu melhor amigo né?

- Isso mesmo

- É... então, hm, é – Eu estava tentando ser direto, mas não tava dando. – Eu... Você quer sair comigo? Quer dizer, sei lá, tomar um sorvete depois da aula, eu sei que o tempo ta frio, mas se você não se importar...

- Cl-claro, claro, obvio, quer dizer sim, eu vou, é so mandar mensagem e a gen..

- TAEYONG OPPA! – Ah não, não não não não, eu não acredito.

            Fechei os olhos e rezei pra serem apenas vozes da minha cabeça, mas não, era realmente ele.

- Oi, você deve ser o Jaehyun né? O Taeyong vive falando de você, só pode ser você, é igualzinho como ele disse, cabelo castanho, covinhas... eu sou o Chittaphon Leechaiyapornkul, e preciso roubar o Taeyong agora, beijos. – Ele falou tudo isso se dirigindo ao Jaehyun e não deixou ele nem falar um oi e já foi me arrastando pelo braço.

            O Chittaphon ou Ten (Vou chamar de Ten porque é o apelido dele), é legal, mas ele é tão agoniado as vezes que se torna inconveniente. Somos amigos há apenas alguns meses, ele se mudou pra Coreia com a irmã pra fazer intercâmbio faz pouco tempo e pegamos algumas matérias juntos.

- Ten, quantas vezes eu já pedi pra você não me chamar de oppa? – Ele apenas revirou os olhos. – E da próxima vez coloque uma placa na testa: “Taeyong é afim de você babaca”, vai ser menos chamativo.

- Aish, para de encher o saco, se ele não percebeu que você é afim dele ele é babaca mesmo.

 

Eu não fazia idéia pra onde o Ten precisava me levar, eu só conseguia pensar no que o Jaehyun poderia estar pensando.

 

POV – WinWin

           

Eu ainda estava meio bad com toda a história que tive que relembrar hoje, mas tinha que melhorar meu humor, e pra isso precisava de chocolate e morango e o meu maravilhoso melhor amigo estava providenciando, já que eu não estava com a menor vontade de caminhar. Não demorou muito e o Jaehyun me chamou pra comer fora da sala.

- Obrigadooooo, você é o melhor amigo do mundo.

- Só ta falando isso porque eu fiz o que você queria. – Eu fingi estar magoado e ele sorriu. – WinWin, aconteceu uma coisa meio estranha, o Taeyong me chamou pra sair, mas logo depois apareceu um menino chamando ele de Op...

- Não recebi nenhuma mensagem de ninguém que disse que iria me ajudar... – Johnny apareceu como um fantasma em nossa frente, falando com a voz e o semblante mais triste que alguém poderia fazer.

- OMO! Me desculpe Johnny, meu dia foi muito corrido ontem e nem deu temp... – Falei, mas fui interrompido pelo próprio Johnny.

- VOCÊ! – Yuta estava passando perto da gente e tropeçou com o susto. E por falar em Yuta, ele estava com meu casaco... – Você também não falou comigo! Qual é gente, eu só quero uma ajuda, poxa.

- Mas o que? – O garoto de cabelo loiro que estava do lado do Yuta falou.

- Pode ir à frente Hansol, eu já chego na sala.

- Ok – O tal do Hansol respondeu e saiu na frente.

- Desculpa Jo... – Yuta começou a falar, mas Johnny cortou novamente.

- Eu já sei que vocês vão pedir desculpas e tal, estão todos desculpados, só preciso que me escutem. – Todos assentiram, dando permissão para que ele continuasse. – Os meus professores estão organizando um evento de moda, e o aluno que fizer os melhores 5 modelos de roupa vai ganhar uma vaga de estágio. GENTE, EU PRECISO DESSA VAGA. Vocês não vão pagar nada, só preciso que sejam meus modelos, eu vou desenhar a roupa e a universidade vai pagar os custos.

- Já que eu não vou pagar nada, ok então. – Yuta respondeu e eu me admirei, achava que ele não iria aceitar.

- Eu vou também.

- Se WinWin vai, eu também vou. – Jaehyun respondeu e se não foi coisa da minha cabeça pude ver Yuta revirar os olhos, só não entendi o por que.

- Ótimo, muito obrigado gente. – Johnny deu um abraço em cada um. – Agora só preciso de mais duas pessoas...

            Johnny estava indo embora e Jaehyun foi atrás dele, o parando para falar algo. Então decidi falar com Yuta que estava ao meu lado.

- Oi, vejo que gostou do casaco – Sorri e acho que ele nem tinha percebido que estava vestido.

- Ah, é... desculpa, eu vou tirar pra te devolver

- Não, calma, eu não to pedindo de volta. – Sorri de nervoso, acho que ele entendeu errado. – Pode ficar com ele por enquanto, se quiser, depois você me devolve, vamos morar juntos mesmo...

- É verdade. – Ele sorriu pra mim, ele parecia legal de novo, como no ônibus. – Falar nisso, seu pai já falou quando vamos nos mudar? Minha mãe disse que vai falar só hoje a noite.

- Acho que vai ser esse sábado agora, ele não me deu muita certeza.

[...]

           

Eu acertei, já era sábado e o caminhão de mudanças estava parado na porta da minha casa descarregando as coisas do Yuta e da mãe dele. Yuta estava de regata e short, estava fazendo um pouco de sol, mas admito que nem precisava do sol ali pra eu sentir calor, ele carregava umas coisas pesadas e aquilo estava sendo tão sexy pra mim... O QUE? SICHENG, VOCÊ TA OUVINDO O QUE VOCÊ TA FALANDO? Meu Deus, eu não estou em meu estado normal.

Quando terminamos de ajeitar um pouco as coisas já era noite, parecia que a coisa que meu pai mais queria era acabar logo com aquilo, só espero que eu não acorde ouvindo nenhum barulho, porque né...

Meu quarto estava uma bagunça com tanta coisa lá dentro, e a cama do Yuta não foi armada, porque todo mundo tava muito cansado pra se preocupar com isso, então o coitado teria que dormir no chão. Preparei um espaço pra ele perto da minha cama, e ele apenas observava sem saber muito que fazer.

- Posso ir tomar banho? – Ele me perguntou. Eu sorri porque foi muito fofo, sei la, não tinha porque eu dar permissão, a casa agora era dele também.

- Claro que pode

            Ele saiu em direção ao banheiro e eu continuei ali arrumando uma coisa e outra. Quando ele saiu estava só de short, eu estava encostado na cadeira e não faço ideia de como ela foi pra trás e eu quase cai, aquele menino ficar sem camisa na minha frente é uma afronta a minha pessoa. Depois dessa minha cena patética, eu pude ver um sorrisinho brotar de lado em seu rosto, e eu só faltei enfiar minha cara no vaso do banheiro de tanta vergonha. Peguei rapidamente minhas coisas e fui ao banheiro tomar banho também. Quando voltei ele já estava deitado ao lado da minha cama, desliguei a luz e fui caminhando sem enxergar nada, então chutei seu pé sem querer.

- Ai!

- Desculpa – Falei baixo sussurrando e ouvi sua risada baixinha. Me deitei e depois de pensar em vários constrangimentos que poderiam acontecer, adormeci.

            Já era manhã, eu não estava nem um pouco afim de acordar, mas senti alguém me abraçando, com uma perna em cima da minha, e o rosto bem próximo ao meu, pois podia sentir sua respiração. Eu estava nervoso demais e não queria abrir os olhos, só pra tentar fazer com que minha cabeça registrasse que aquilo ali era um sonho... mas não era, abri meus olhos lentamente, e só faltei empurrar o Yuta no chão, mesmo sabendo que era ele e mesmo sem querer fazer aquilo.

- Yu-Yuta, porque você ta aqui?


Notas Finais


Todo mundo tem um amigo Ten kkkkkkkkkk
Eu não sei dizer seu eu tenho ou se eu sou o amigo Ten gfkausgf
Um beijo pra quem leu ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...