História Uncontrollably Fond - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Dorama, Drama, Romance, Uncontrollably Fond
Visualizações 13
Palavras 2.514
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem e boa leitura ♥

Capítulo 4 - Ele sempre consegue me fazer bem


Fanfic / Fanfiction Uncontrollably Fond - Capítulo 4 - Ele sempre consegue me fazer bem

✥ Você vai ter que lutar para superar isso ✥

 

Antes de mais nada, não me julgue, okey? Se você já foi quase beijada pelo garoto que odeia com todas as forças, sem duvidas, se esconderia no melhor esconderijo do mundo: o próprio quarto. O quente abraço da coberta, cobrindo o meu corpo dos pés a cabeça me faz querer sumir do planeta. Tudo que eu consigo pensar é no quão corajosa estou sendo por não ter pulado da janela do segundo andar ainda. Eu quero morrer… pensando bem, não quero não. Aish! Joguei as cobertas com uma certa violência para longe, resmungando e me xingando baixinho, batendo os meus braços e minhas pernas no colchão até finalmente, cair no chão. 

O que eu estou fazendo da minha vida? Estiquei o braço, peguei o travesseiro e o abracei com força. Como eu vou conseguir encara-lo agora? Depois do que aconteceu, eu não acho que posso fazer isso. Eu vou evita-lo! Me sentei no chão, puxei as cobertas e decidi me esconder, para fazer companhia aos fantasmas de plantão. Estou agindo como uma criança que acabara de perder o seu brinquedo favorito em um parque de diversão, não estou? Céus! Por que isso mexeu tanto com o meu coração? Abracei as minhas próprias pernas e abaixei a cabeça, tentando controlar a minha respiração. Taehyung e eu nos odiamos tanto! Por que de repente, ele se tornou alguém “legal”? 

Quer dizer, Taehyung é legal com todas as pessoas, menos comigo. Ele me irrita demais. Uma vez, o garoto jogou um tubinho de tinta em meu cabelo, só por diversão. Levei quase uma semana para tirar aquelas mexas vermelhas dos meus fios castanhos e para piorar, manchou a minha blusa branca do uniforme. Ele aproveitou a aula “livre” de artes para fazer um belo estrago no meu cabelo. Claro que naquela época, eu não o odiava tanto como odeio agora. 

Para ser sincera, eu até o admirava um pouco, por ser tão alegre e amigável com todos. Nunca encontrei alguém tão feliz — além do Hoseok. Os garotos que estudam aqui, são sempre tímidos ou discretos demais, pois não gostam muito de “chamar a atenção”. Quando o Taehyung começou a estudar na Sekang High School, parece que o grupinho do Namjoon ficou mais alegre e mais divertido.  Namjoon, Jungkook e Hoseok sempre estavam preocupados com os estudos, ocupados demais e tímidos demais para se divertirem pelos corredores. Taehyung chegou ganhando corações de graça, principalmente das meninas. Na minha opinião, Taehyung não se encaixava no grupo do Namjoon. Todos se esforçavam demais para conseguirem o que querem, não pareceu certo um garoto tão… distraído entrar no grupo. Mas com o passar do tempo, notei que os três garotos precisavam de uma animação, e agora, todos parecem alegres demais. Há boatos de que, foi o Taehyung quem encorajou o Namjoon a conversar com os pais sobre estudar música no futuro. E pelo visto, deu certo. Namjoon está assistindo algumas aulas nos sábados, por isso, anda muito ocupado para sair com o Hoseok e o Jungkook nos finais de semana.

Para a minha sorte, a Yeon Doo não está no quarto. Acho que ela está com o Seokjin ou com o Jimin. Não sei para onde o Yoongi foi, mas depois que voltei para o refeitório, nenhum dos quatro estavam lá. No fundo, agradeci aos deuses por não encontra-los. Não quero ter que explicar o que deixou as minhas bochechas pegando fogo. 

Ou melhor, quem as deixou pegando fogo. 

Respiro fundo e me levanto com dificuldade. Para a minha surpresa, uma pontada forte atingiu a lateral da minha cabeça e logo em seguida, minha visão se tornou embaçada. É como ganhar uma martelada na testa, a dor se torna tão de repente que você não tem tempo para pensar no que fazer depois. Arregalei os olhos, sentindo todo o meu corpo esfriar. O que está acontecendo comigo? Meu coração acelerou no peito, tentei me segurar em alguma coisa porém, quando estiquei o braço para me apoiar na parede, a parede não está tão perto de mim como eu imaginei que estaria. Cai de barriga para baixo no chão, apertando os olhos com força. Coloquei as mãos na cabeça, tentando controlar essa dor que se torna cada vez mais mais insuportável dentro de mim. Isso não pode estar acontecendo…não agora, por favor. Céus! Me deitei no chão, com a respiração ofegante e gemendo de dor. Comecei a chorar, por causa do desespero. Tudo que eu gostaria de fazer agora, é ligar para o meu pai e lhe dizer o quanto eu o amo, o quanto eu estou grata por tudo que ele fez por mim, e também para me desculpar por ter escondido algo tão importante dele, me desculpar por não deixa-lo tão orgulhoso de mim, me desculpar por não poder me formar ou fazer uma boa faculdade. Eu sou uma péssima filha! Ouvi alguém abrir a porta do quarto e o desespero em meu peito apenas aumentou. Tudo que consegui ver foi uma grande sombra escura se aproximando de mim, não consegui reconhece-lo, muito menos ouvir a sua voz.

— Soo Ah? — Depois de segundos, não escultando nada além de um forte zumbido no ouvido, finalmente consegui ouvir a voz do Yoongi. 

— Yoongi-ah! — Minha voz falhou. 

— Onde você guarda os remédios? — Yoongi perguntou, desesperado. 

— Na escrivaninha. — Sussurrei, abaixando a cabeça. A minha vontade de chorar apenas aumentou quando ele entrou no quarto. O médico estava errado quando disse que as dores iriam ficar, pouco a pouco, insuportáveis. O que o Dr.Kim falaria se me visse agora? Uma pontada forte na cabeça é algo que ele pode chamar de “pouco a pouco”?. Meu peito começou a doer, estou prestes a morrer. Eu sei disso! Não deveria ter brincado com os fantasmas, agora eles estão zangados comigo. — Diga ao meu pai, que eu o amo. Por favor?

— Para de falar bobagens. — Yoongi escorregou na minha frente e logo em seguida, abriu a pequena bolsinha com os remédios. Quando a minha visão começou a voltar ao normal lentamente, consegui acalmar o meu coração. Consegui me acalmar mas ainda sim, sinto que estou prestes a desmoronar. Fiquei em silêncio, observando o quanto ele está desesperado ao procurar o remédio certo. Até quando ele vai ter que passar por isso? Até quando o Yoongi ficará ao meu lado? Eu não posso faze-lo sofrer, não desse jeito. Agora, eu consigo entender o porquê de ele querer estudar comigo. Eu preciso dele. — Eu não sei onde está. — Yoongi ergueu a cabeça e eu pude ver, pelo brilho dos seus olhos, o medo que ele está sentindo. — Você está bem? 

Meus olhos se encheram de lágrimas.

— Eu não posso continuar assim. — Sussurrei, soltando o ar que estava prendendo. 

— Me escuta? — Yoongi segurou os dois lados da minha bochecha e me forçou a encara-lo. — Você não pode se entregar tão fácil, Soo Ah. — Fechei os olhos, tentando relaxar. Está impossível. As lágrimas escorreram pela minha bochecha, queimando a minha pele e me deixando envergonhada. — Eu não vou aguentar ver você assim de novo. — Yoongi deixou a bolsinha com os remédios de lado, se aproximou de mim e me abraçou forte. 

Eu queria que aquele braço pudesse me curar. Eu queria poder dizer que foi apenas um susto. Queria poder dizer que o destino está apenas brincando com a minha vida, mas a verdade é que estou com bastante medo. Com medo de morrer tão de repente. Com medo de deixar para trás tudo que eu consegui conquistar, todas as pessoas que eu amo. Fechei os olhos e o deixei me abraçar, o deixei aquecer o meu corpo com o seu, deixei que Yoongi pudesse me fazer relaxar. Ele sempre consegue me fazer bem. 

Ele sempre consegue me fazer respirar.

 

Como eu sempre disse, centenas de vezes todos os dias
Não se preocupe comigo
Eu posso sentir o gosto da falha e frustração e abaixar a cabeça

 

Não sei por quanto tempo ficamos abraçados, paralisados e com medo de nos afastar, mas a cada minuto que se passava, eu conseguia me acalmar, conseguia recuperar as minhas forças e parar de chorar. Embora, meu peito ainda não está pronto para mais um susto desses e aposto que Yoongi também. Encostei minha testa no seu ombro e apertei os olhos com força. 

— Me desculpe. 

— Por que você está se desculpando? — Yoongi se afastou devagar, com aquela mesma expressão preocupante no rosto. 

Mordi os lábios. Não sei se deveria me desculpar, essa frase saiu naturalmente da minha boca. Estou tão acostumada a pedir desculpas para o meu subconsciente que ele resolveu agir por conta própria agora? Se eu começar a ouvir vozes na minha mente, ficarei mais louca do que o normal. 

— Por que você estava me procurando? — Limpei o meu rosto com as mangas da blusa branca do uniforme. — Sabe que é proibido entrar no quarto das garotas? 

— Você sabe que eu nunca gostei de regras. — Yoongi esticou o braço e colocou uma mexa de cabelo atrás da minha orelha. Fechei os olhos e um sorriso sincero escapou dos meus lábios. Claro que eu sei disso. Ele já cansou de me dizer o quanto desrespeitou as regras para fazer o que gosta: dormir na enfermaria para não ter que assistir as aulas ou ficar na sala ouvindo a mesma bobagem de sempre dos professores. Aposto que o Yoongi está triste por não poder mais matar as aulas por causa de mim. — O professor Kim Ji-seok vai fazer uma reunião na sala de aula.

— O professor Kim Ji-seok? — Arregalei os olhos, surpresa. — Aigo! Por que não me disse antes? Ele é o responsável pela nossa turma. — Eu me levantei com a sua ajuda e mesmo depois de ficar em pé, Yoongi continuou segurando a minha mão e eu não o soltei. Joguei a coberta e o travesseiro em cima da cama e peguei a minha bolsinha com os remédios. — Você pode pegar um copo de água para mim? Por favor! 

Quando ele soltou a minha mão, pude sentir um formigamento nos dedos.

— Ele é bonzinho? — Yoongi perguntou, caminhando em direção ao frigobar.

— O professor Ji-seok é legal mas não o deixe irritado. — Procurei dentro da bolsinha os remédios para tomar, são três pilulas brancas com diferentes funções e uma é mais horrível que a outra.

— Ele é professor do que? — Yoongi pegou uma garrafa de água e me entregou. 

— Matemática. — Respondi, jogando as três pilulas dentro da boca e bebendo a água gelada logo em seguida. Yoongi fez uma careta quando viu a cara feia que eu fiz ao senti-las descendo pela garganta. Soltei uma risadinha baixinha antes de entregar a garrafa para ele e esconder a bolsinha rosa dentro da gaveta. — Vamos?

— Kwon Soo Ah? — Yoongi me chamou, quando eu estava prestes a sair do quarto. 

— Por favor, não me assuste mais desse jeito. — Ele fechou a porta ao sair do quarto e começou a caminhar pelo corredor. 

Como eu iria prometer isso a ele?

 

Musgo com certeza cresce
Em uma pedra que não rola
Se você não puder voltar

 

Segurei a mão do Yoongi antes de ele tocar na maçaneta da porta.

— Eu não acho que posso fazer isso. — Sussurrei, encarando a madeira. É verdade, eu não sei se posso continuar fingindo que está tudo bem, fingindo que tudo vai se resolver. — Estou com medo, Yoongi. Não posso continuar na escola. Eu não posso mais viver a minha vida. Eu não posso deixar com que as pessoas se machuquem por causa de mim. — Meus olhos se encheram de lágrimas novamente. 

— Você precisa ser forte, Soo Ah! — Yoongi me abraçou tão forte que eu pude sentir o seu coração acelerando no peito, e eu me forcei a parar de chorar. Não quero que ele pense que estou sendo fraca. Talvez eu seja. Mas mesmo assim, não quero afetar a vida das outras pessoas caso a minha saúde piore. 

— Eu não quero que você se machuque. — Sussurrei, encostando a minha testa em seu ombro.  

— Você não vai me machucar. — Yoongi se afastou, limpou o meu rosto com as mãos e respirou fundo. Seus olhos castanhos me encararam por alguns segundos antes de ele esboçar um leve sorrisinho nos lábios. — Vamos fazer um acordo? 

— Qual? — Perguntei, me afastando e passando a mão nos cabelos. 

— Se você não conseguir aguentar mais, me diga. — Yoongi passou a mão nos cabelos loiros e desviou o olhar do meu por alguns segundos, antes de voltar a me encarar. Sei o quanto ele está sendo forte, o quanto ele está se esforçando para não desmoronar também. — Meu pai tem uma casa de praia, podemos ficar lá por algum tempo. Seu pai pode ir também, claro. — Yoongi deixou um sorrisinho tímido escapar nos lábios. — Você sabe que aquele lugar é o meu refúgio e pode ser o seu também. 

Respirei fundo, sentindo meu peito se encher de alegria.

— Obrigada. 

— Agora, vamos entrar? — Fiz um movimento positivo com a cabeça, sentindo-me um pouco mais corajosa. Yoongi abriu a porta e nós dois entramos na sala de aula. 

— Vocês demoraram. O que estavam fazendo? — O professor Ji-seok disse, cruzando os braços. 

— Desculpe-me. Eu estava me sentindo mal. — Yoongi respondeu, sentando-se na cadeira ao meu lado. 

— “Se sentindo mal”? Aposto que estavam namorando. — Go Eun Byul sussurrou mas a classe inteira ouviu. 

— Fique quieta, Eun Byul! — Taehyung disse, com uma expressão séria no rosto. — Não espalhe falsos boatos por ai.

— Eu posso falar o que eu tenho para falar? — O professor perguntou. 

— Sim! — Todos nós respondemos. 

— A diretora Choi Kyung-ran finalmente deixou o colégio a participar do campeonato de dança e música esse ano. — O professor Ji-seok é o único que pareceu animado com essa noticia. 

— Nós não estamos interessados. — Lee Joo Young disse, abaixando a cabeça.

— Eu quero participar! — Namjoon levantou a mão. — Eu acho que será legal participarmos de um campeonato juntos, antes de nos formarmos. 

— Eu concordo com ele. — Seokjin disse, sorrindo. — É a nossa única chance de nos divertimos como uma turma de verdade. 

— Bom, quem quiser participar, podem se escrever com a professora Nam Jung Ah. E não se esqueçam de escolher um líder para o grupo. — O Professor Ji-seok disse, erguendo as mãos e saindo da sala de aula. 

— Você vai participar, Soo Ah? — Yeon Doo perguntou, virando-se para me olhar. 

— Eu não sei. — Respondi, mordendo os lábios. — Eu não sou muito boa em dançar. 

— Mas você pode se candidatar a ser a líder do grupo. — Taehyung disse, levantando-se e apoiando as duas mãos sob a minha mesa. — Acha que consegue liderar um grupo? 

— Claro que ela consegue. — Yoongi respondeu, levantando-se e ficando frente a frente com o Taehyung. — A Soo Ah é capaz de fazer qualquer coisa. 

— Por que você é tão confiante? — Taehyung perguntou, franzindo as sobrancelhas. 

Eu me levantei, pronta para interromper uma possível discussão. 

— Por que eu confio nela. — Yoongi respondeu, sorrindo. 

 

Vá e atravesse diretamente pela sua frustração e esqueça-as
Deixe para lá
Não é fácil, mas grave isso no seu coração
Se você sentir que irá bater então acelere mais, seu idiota

Se você sentir que irá bater então acelere mais
Nevermind — Suga


Notas Finais


Não se esqueçam de comentar :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...