História Uncover - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Invocação do Mal, Vera Farmiga
Tags Parmiga, Patrick Wilson, Vera Farmiga
Visualizações 55
Palavras 1.211
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoas

Capítulo 7 - VII


Vera estava sentada sobre a mesa e comia uma salada de frutas enquanto relia as falas das cenas que gravaria naquele dia, quanto Renn sentou.

- Dormiu bem sozinha? - ele a indagou irônico.

- Você deve ter dormido bem melhor que eu, deve ser um alívio dormir longe de uma boneca inflável.

- Para Vera, eu não queria ter dito aquilo - ele tentou segurar a mão da morena mas ela a tirou da sua zona de alcance.

- Mas disse - ela levou outra colerada da salada aos lábios - me senti muito ofendida.

- Me descupa - ele murmurou.

- Claro... Peça desculpas e tudo se resolve... - ela ironizou.

- Não da pra ter uma conversa com você - ele soltou a xícara sobre a mesa - o que você quer que eu faça?

- Eu não quero que você faça nada Renn, nada, apenas me da as chaves do seu carro.

- Posso saber o por quê?

- Porque meu querido meu carro nesse horário ta na oficina, e meu marido perfeito nem perguntou como foi meu dia... Se tivesse conversado comigo saberia.

- Onde ele quebrou?

- No estacionamento do estúdio - ela levou um copo de suco aos lábios.

- Como você chegou em casa?

- Patrick me trouxe - ela engoliu seco ao dizer o nome do loiro.

- Ah sim - Renn disse indiferente e Vera suspirou fundo por ele não identificar nenhuma diferença no seu tom de voz. - não posso te emprestar meu carro quem vai levar e buscar as crianças na escola? E eu tenho que sair a tarde também...

- Não sei porque eu ainda te peço algo - ela olhou no relógio - não deixa as crianças sairem sem comer, eu deixei a lancheira deles pronta, obrigada por nada vou pegar um táxi.

- Agora é minha culpa que seu carro quebrou?

- Renn cala a boca e apenas faz o que eu falei porque eu tenho que trabalhar - ela disse apenas, levantando e pegando sua bolsa saiu pela porta deixando seu marido murmurando algo.


(...)


Farmiga evitava Patrick a todo custo pelo set, falando com ele apenas durante as cenas juntos.

Assim que pausaram para o almoço Vera se sentou num sofá afastada da mesa onde a produção e o restante do elenco comia numa tentativa não sucedida de se afastar de Patrick, pôs o homem se sentará no sofá a sua frente.

- Você vai ficar fugindo de mim? - o loiro a indagou encarando fixamente.

A mulher mantinha o olhar sobre sua refeição mas sentia os olhares de Patrick sobre sí.

- Eu não estou fugindo.

- A gente precisa conversar - ele disse ainda sem tirar os olhos da mulher.

- Aqui não é lugar, alguém pode desconfiar - ela olhou ao redor e fitou os olhos do homem que mesmo do da distância que estavam a balançaram.

- Vão desconfiar se você ficar fugindo de mim.

Ela voltou a encarar o prato enquanto o homem ainda a olhava de cima a baixo, seu figurino era um vestido até a altura dos joelhos mas cada movimento que a mulher fazia uma parte das suas coxas ficarem a mostra.

Vera começou a se incomodar com os olhares do homem, sentia que ele a comia com os olhos e aquilo era existante para a mulher mas o local nem a situação eram apropriados.

Assim que ela cruzou as pernas Patrick sabia que os olhares dele estavam mexendo com a mulher, continuou a encarando fixamente, olhando cada expressão que ela fazia enquanto tentava disfarçar a tensão sexual que se formava entre ambos.

- Para Patrick - ela sussurrou.

- Eu estou parado - ele ironizou rindo.

- Não tem graça, para de me olhar assim - ela colocou o prato sobre a mesa e limpou os lábios.

- Assim como?

- Como se eu tivesse nua - ela sussurrou a última palavra com receio de alguém ouvir.

- Talvez seja porque eu queira te ver assim, não acha?

Vera abriu os lábios para responder mas não encontrou palavras, cruzou mais forte suas pernas sentindo-se ainda mais excitada com aquela frase dita pelo homem.

- Não fala mais isso, eu sou casada.

- Eu sei disso, eu também sou - o ator murmurou e ela fechou o cenho, desviando o olhar do homem.

Patrick ainda a encarava, decorando cada traço de sua pele clara, seus fios castanhos, os olhos azuis penetrantes e o jeito que ela passava a língua no lábio inferior e mordicava.

- Que milagre é esse que vocês tão juntos e ninguém do outro lado do estúdio ta ouvindo as gargalhadas da Vera? - James se aproximou sentando numa pequena poutrona - Você tá bem Vera?

- Estou, tive uma noite mal dormida, só isso... - ela respondeu olhando para o diretor.

- Engraçado que o Patrick chegou me dizendo a mesma coisa, que não havia dormido, o que vocês andaram aprontando em vez de dormir?

- Nada - Patrick disse ainda sem tirar os olhos da mulher que tossiu assim que ouviu a pergunta do diretor.

- Essa insônia de vocês deve ser contagiosa, vou até me afastar - ele ajeitou os óculos sobre a face.

- Falta de tchau? - Patrick ironizou e James o olhou.

- Nossa, nunca mais digo que você é meu ator favorito - ele fingiu um choro fazendo Vera rir.

- Você me ama demais pra isso - o ator disse rindo também.

- Deixa de ser convencido - ele olhou para Vera - amanhã teremos folga, para vocês arrumarem tudo, vamos viajar pra Inglaterra depois de amanhã - ele disse juntando as mãos - já ta tudo pronto no hotel, vamos ficar todos juntinhos.

- Acho que essa viagem vai ser bem prazerosa - Patrick encarou Vera a fazendo cruzar as pernas novamente - nada como ar britânico pra nos revigorar.

- Gosto bastante da Inglaterra - a atriz ajeitou o vestido e levantou - vou ajeitar minha vida pode deixar James, agora me dão licença, preciso ir ao banheiro.

Ela pegou sua bolsa e andou o mais rápido possível até o banheiro, enquanto se afastava o loiro observou suas nádegas o balanço que seus quadris faziam quando ela andava.

James encarou Wilson e deu um tapa em seu braço.

- A Dagmara aqui agora - ele disse rindo.

- O que eu fiz? - o loiro indagou irônico.

- Eu vi você olhando, você não me engana meu amigo, cuidado.

- Você tá doido? olhei pra ninguém...

- To doido sim - o diretor o respondeu rindo novemente.

Já no banheiro Vera escovava os dentes enquanto olhava seu próprio reflexo, relembrando dos olhares do homem e suas frases de duplo de sentido, além de dito com todas as palavras que queria vê-la nua.

Havia tempos que não se sentia tão desejada mas aos olhos da morena aquilo teria que parar, era errado afinal ambos tinham casamentos e filhos, não podiam simplesmente jogar tudo aos ares.

- Se controla Vera - ela encarou o espelho - você tem que ser forte, é só mais uma viagem de trabalho - ela disse em voz alta.

- Assim espero - ela sussurrou mais baixo e jogando seus pertences dentro da bolsa. 


Notas Finais


Tchau pessoas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...