História Under My Skin - Capítulo 7


Escrita por: ~ e ~Darwia

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Castiel, Leigh, Lynn, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya
Tags Amor Doce, Casnat, Vamps Au
Exibições 93
Palavras 1.612
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Ola desculpem a demora. Eu sou um lixo e a escola ta um inferno esses dias. Mas ta aqui. Ele ta um poucochinho curto pra dá aquele drama :p

Capítulo 7 - The Choice (Part 1)


Fanfic / Fanfiction Under My Skin - Capítulo 7 - The Choice (Part 1)

~Pov Nathaniel~

A primeira coisa que registro são os membros frios de Castiel enroscados com os meus. A segunda coisa é a dor que sinto em todo o corpo. Fico um tempo focado em minha dor. Eu abro os olhos e vejo Castiel olhando para mim. Por um minuto me perco em seus olhos verdes, a dor agora é apenas um grito estridente a distância. Ele sorrir para mim.

- Bom dia, sol.

 Sinto minha pele esquentar com o apelido.

- Bom dia.

 Minha voz sai em um sussurro rouco.

- Como você dormiu?

Ele desenha padrões com seu dedo em meu braço.

- B-Bem.

- Você teve algum sonho?

 Tento lembrar se tive algum, mas minha mente está como uma tela em branco antes do pintor fazer sua arte. Balanço a cabeça negativamente.

- Isso é uma pena. Se eu pudesse sonhar. Sonharia com você.

~Pov Castiel~

Ele começa a se mexer e gemer ao meu lado. Ele abre os olhos lentamente e olha para mim. E ele é lindo. Com os cabelos bagunçados, os olhos semicerrados. Mesmo com o queixo sujo com saliva que escorreu de sua boca.

- Oi.

- Oi.

Ele sorri para mim, beija meu rosto e se levanta da cama. Ele dá um passo e cai de joelhos no chão gemendo. Me levanto rápido e corro para seu lado.

- Qual o problema? Você está bem?

- Eu sinto dor em todos os lugares. Não consigo andar. Dói tantoooo.

Não consigo me segurar e começo a rir alto.

~Pov Nathaniel~

Castiel está rindo de minha situação. Por mais que eu adore a sua risada, sinto uma pequena raiva queimar em minhas veias.

- Pare de rir. Isso é sério. Como irei voltar para a Vila?

 Ele olha para mim com expressão de tédio. E se afasta.

- A ideia não foi minha de vim correndo ate aqui.

- Eu ouvi isso. Você vai me ajudar ou não?

 Ele volta para meu lado e me pega nos braços.

- Espere!!! Nós precisamos de nossas roupas. Não podemos sair por ai pelados.

- Por que não? Somos apenas nós aqui.

- E seu amigo?

- Ele soluça uma risada.

- O Lysandre? Acredite, ele não se importa.

- Mesmo assim. Eu me recuso a sair sem roupas.

Eu cruzo os braços sobre meu peito para firmar meu ponto. Ele me joga na cama.

- Tudo bem. Vossa majestade. Faça o que quiser.

 Uma corrente de dor passa pelo meu corpo. Lanço uma careta em sua direção, mas ele não se importa. Apenas dá de ombros e pega sua calça no chão, ele a veste.

- Satisfeito?

- Muito.

 Ele me ajuda a me vestir. Ele coloca minha calça sem a roupa íntima. Quero comentar sobre como odeio isso. Mas decido esquecer. Ele me pega novamente e me coloca em suas costas.

- O que você quer fazer?

Minha barriga escolhe esse momento para roncar.

- Comer.

- Eu não acho que aqui tenha algo para comer.

Ele abre a porta do quarto e nós seguimos em direção as escadas.

~~~

Depois de passar por vários cômodos em que nunca estive. Mas todos igualmente escuros e sem móveis. Nós chegamos ao que me parece ser uma cozinha. Com a pouca luz, consigo ver apenas um vislumbre de um fogão e armários. Ele me coloca  em uma mesa de aparência frágil. Uma nuvem de poeira sobe ao meu redor me fazendo tossir e meus olhos lacrimejaram.

- Jesus Cristo.

- O que?

 Castiel olha por cima do ombro para mim. Ele estava olhando algumas prateleiras em busca de comida. Na luz fraca, vejo que ele faz uma careta que deforma suas feições.

- O que?

 Ele repete.

- Nada.

 Tento responder, porém soa mais como um espirro. Bufando ele se afasta das estantes e volta para perto de mim.

- Não tem nada. Essa casa deve estar abandonada a uns 20 anos.

- Mas eu estou com fome.

 Minha barriga ronca alto confirmando.

- Você poderia comer o coelho do Lysandre. Seria um grande favor para mim.

Ele sorrir perversamente.

- Isso não tem graça.

Ele dá de ombros e me pega. A mesa geme assustadoramente.

- Que seja. 

~~~

Ele me leva ate a biblioteca. Aquela mesma da primeira noite. Ele me coloca no sofá com delicadeza.

- Fique aqui. Eu volto logo.

Ele sai correndo pela porta entre aberta e em alguns segundos depois ele está de volta. Coberto por um manto que oculta seu corpo completamente.

- Eu vou no lado de fora. Ver se encontro alguma coisa.

- Tome cuidado.

- Tomarei.

 O manto não me permitia ver seu rosto, mas sua voz era doce. Olhando uma ultima vez por cima do ombro ele se afasta.

~Pov Castiel~

Eu não acredito que estou fazendo isso. E tudo por um humano qualquer. Uma parte da minha mente argumenta dizendo que ele não é um "qualquer". Eu abro a porta da frente e hesito antes de por meu pé fora da casa. O sol lá fora está forte e vivo. "Faça isso por ele." Repito varias vezes para mim mesmo. Tomando coragem. Saio em direção ao sol.

~~~

Um minuto se passa e nada acontece. Parece que meu plano realmente funcionou. Eu olho ao redor e vejo uma carruagem virada um pouco ao longe. Sigo naquela direção com cuidado. Agradeço a qualquer entidade que tenha me ajudado. Parece que aconteceu um acidente. Não vejo nenhum cavalo, e nenhum humano. Com uma mão levanto a carruagem e com a outra exploro o interior. Encontro um galão de leite e um saco de aveia. Pego os dois e me afasto rapidamente. No caminho de volta vejo uma macieira, aproveito e recolho algumas maçãs. Com os braços cheios, volto a mansão.

~~~

Fecho a porta com o pé, e vou para a biblioteca. Nathaniel está no mesmo lugar que eu o deixei. Ele leva um livros nas mãos e uma expressão sonhadora no rosto. Coloco as coisas na mesa em frente a ele. E tudo vale a pena quando ele abre um sorriso enorme para mim.

~Pov Nathaniel~

Um mês havia se passado e minha vida ao lado do Castiel está sendo melhor do que qualquer coisa. Eu levei algumas coisas minhas para a mansão. Como roupas e comida. Tento voltar o máximo de vezes possíveis para a vila. Eu estou de bom humor. Ando por ai assobiando, acenando para as pessoas. Chego na pousada e sou recebido por Louis.

- Chegou uma carta para o Senhor.

 Ele nem questionou onde eu estava. Apenas entregou a carta em minhas mãos e se afastou. O sorriso em meu rosto se desmancha quando reconheço o selo do Bispo. Com as mãos tremendo levemente abro a carta.

"Querido Nathaniel. Com muito pesar informo que se você não cumprir a missão na próxima semana. Você será expulso da igreja, e terei que mandar outro Exorcista para terminar a tarefa. Eu espero que você esteja passando bem.

Eu sinto muito.

Bispo John."

Eu fecho os olhos com força. Quando eu os abro a carta ainda está em minhas mãos. Então isso não é um pesadelo. Eu preciso matar o Castiel. E eu irei...

~~~

Chego a mansão e sou recebido por um Castiel de muito bom humor. Ele havia se alimentado a pouco e estava elétrico. Ele continuou se alimentando de mim, é melhor do que arriscar d'ele ir do lado de fora.

- Você demorou. Aconteceu alguma coisa?

Ele está sorrindo amplamente para mim. Um pouco da sua alegria me contagia. Mas ainda consigo sentir o gosto ruim de minha decisão na boca.

- Vamos lá para cima.

- Tudo bem.

Ele não hesita nenhum momento em me acompanhar. Nós chegamos em seu quarto e eu começo a lhe beijar. O empurro para a cama e sento em seu colo. Tiro minha camisa e a sua.

~~~

Nós acabamos de fazer amor, mais uma vez. Como varias outras vezes durante esse tempo. Eu perdi minha timidez e não hesito mais em fazer coisas com ele. Castiel está deitado ao meu lado relaxado, passando os dedos levemente por meus cabelos e cantarolando em outra língua.

- Eu volto logo.

Ele me olha de um jeito pouco estranho e concorda. Vou ate o pequeno quarto em que escondi minhas coisas e pego uma seringa. Eu coloco um pouco de tranquilizante misturado com agua benta. E injeto em minhas veias. Escondo um pequeno punhal de prata em minhas costas e volto para o quarto. Castiel está deitado de olhos fechados na cama. E por uns momentos eu congelo no lugar. Ele parece morto. E lindo. Completamente parado, seu peito sem se mexer, sem respiração. Tomo folego e me aproximo.

- Voltei.

 Ele abre os olhos e sorri para mim.

- Que bom. Já estava sentindo saudades.

- Eu sei o que pode acabar com sua saudade.

 Ele levantou uma sobrancelha interrogando.

- Me morda.

Tentei falar com a voz mais sensual que eu tinha. Mesmo eu estando me afogando por dentro. Seu sorriso aumenta ainda mais e ele rasteja para perto de mim. Fico de joelhos na cama e fecho os olhos. Sinto seu corpo frio perto do meu um segundo antes de suas presas perfurarem minha carne. Ele suga por uns momentos e se afasta lambendo os lábios. Ele se senta em minha frente, faz uma careta de confusão e cai para trás. Eu me aproximo de seu corpo. Ele parece tão em paz. Tiro os cabelos que caem em seu rosto. Beijo sua testa.

- Me desculpe.

 Tiro o punhal de trás da minhas costas e coloco sobre o lugar onde seu coração um dia batia. 


Notas Finais


Ai eu adoro o gosto do sofrimento :D. A fic está chegando ao fim :xx talvez mais uns 3 caps. Choremos ate o próximo. Esse vai sair mais rápido. To inspirada.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...