História Under the Bed - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, Kai, Sehun
Tags Chanhun, Exoween
Exibições 147
Palavras 1.796
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorou mas saiu mores, segundo cap pra vcs bem dlcinha <3
NAS NOTAS FINAIS TEM UMA MUSIQUINHA PRA VOCÊS OUVIREM ENQUANTO LEEM <3
espero que gostem.

Capítulo 2 - Sweet new friend .


Fanfic / Fanfiction Under the Bed - Capítulo 2 - Sweet new friend .

Jongin acordou com uma mão lhe chacoalhando com cuidado, abriu os olhinhos devagar, sentindo a luz do sol machucá-los.

- Nini, hora de acordar. - Sehun falou perto do ouvido do filho, que invés de se levantar, agarrou-se ao pescoço do seu appa e voltou a fechar os olhos. - Vamos Jongin, é seu primeiro dia de aula.

- Mas papai...eu quero ficar aqui com vocês. - O menino falou manhoso.

- E quem disse que vamos ficar aqui Nini? Eu e seu appa temos que trabalhar também, você não quer ficar sozinho, quer? - Jongin fez beicinho e Sehun riu com sua atitude. Levou o pequenino para o banheiro, a fim de lhe dar um banho e arrumá-lo para seu primeiro dia de aula.

Chanyeol terminava de preparar o café da manhã enquanto respondia alguns e-mails no seu celular, aquele seria seu primeiro dia trabalhando no novo hospital. Para ele, mudar de casa fora algo proveitoso, seu trabalho estava mais perto de casa, a escola de Jongin também, e até mesmo para levar Sehun para a clínica em que o mesmo trabalhava ficara melhor.

Bloqueou a tela de seu celular e começou a organizar a mesa, colocando o que cada um gostava em seu devido prato enquanto ouvia as risadas de Jongin e os gritos de um Sehun estressado correndo atrás do pequeno.

- Park Jongin, pare de correr pela casa do jeito que veio ao mundo! - Chanyeol gargalhou alto ao ouvir o marido gritar pela criança. Ao ouvir a voz de seu filho, Chanyeol se pegou pensando no incidente do dia anterior, Jongin gritando para que ele lhe trouxesse seu roupão e o repentino pedido para que olhasse em baixo de sua cama.

Jongin era uma criança esperta e corajosa para seus seis anos, porém, como pai, Chanyeol se preocupava com tudo de diferente em seu filho, desde a forma de agir a falar, e aquilo, com certeza, não se enquadrava no comportamento normal de Jongin.

Sua linha de pensamentos foi quebrada assim que seu marido entrou na cozinha, com o pequeno Park em seu encalço, Chanyeol sorriu ao ouvir a voz dos dois, que ainda discutiam sobre “andar do jeito que veio ao mundo”.

- Certo Jongin, já chega por hoje! - Sehun falou irritado, sentando-se a mesa e logo começando a comer, antes mesmo de cumprimentar seu marido.

- Mas papai… - O pequeno ainda tentou falar algo e olhou para seu outro appa como se pedisse ajuda, mas o mesmo apenas balançou a cabeça negativamente, pedindo indiretamente para o menino ficar calado.

Quando todos terminaram de comer o café da manhã -um pouco queimado- que Chanyeol havia preparado, Sehun pegou sua pasta e a mochila de Jongin e foi para o carro, checando antes se todas as portas e janelas estavam fechadas. Assim que Sehun trancou a porta da frente, saíram rumo a escola de Jongin.

 

Mas o que Sehun não sabia, era que mesmo fechando a porta do quarto de seu filho, ela voltaria a se abrir, não pelo vento, mas sim porque o quarto ansiava a volta de Jongin, alguém ansiava pela volta do pequeno.

 

- Vamos Nini, não é tão mau assim… - Chanyeol acariciava os cabelos pretos de seu filho e falava calmamente. Já haviam chegado na nova escola de Jongin há trinta minutos e o pequeno, agarrado as pernas de Sehun, se recusava a entrar na escola. Ali era estranho demais para ele, as crianças eram muito diferentes dos seus antigos coleguinhas, e até a professora tinha uma cara estranha.

- Appa..eu não quero ficar aqui. - Jongin murmurou, se escondendo atrás das pernas de Sehun, que já estava estressado com o comportamento de seu filho.

- Nini, eu e seu appa já estamos atrasados pro trabalho, quando a gente vir te buscar, juro que passamos em uma sorveteria e você pode pedir o sorvete igual ao do Bob Esponja*, o que acha? - Sehun falou tentando concentrar o resto de calma que eu ainda tinha. Seu filho abriu um grande sorriso, fazendo-o sorrir também.

Não foi mais necessário muitas palavras antes que Jongin desse um beijo na bochecha de cada um e entrasse correndo na escola.

- Não vai falar nada? - Sehun perguntou com um tom convencido ao entrarem no carro.

- Na próxima eu ganho de você. - Chanyeol lhe respondeu, arrancando do outro aquela risada que tanto gostava de ouvir.

 

 

Na hora do recreio, Jongin sentou-se no banquinho colorido que havia no pequeno parquinho e pôs-se a comer o sanduíche que seu pai fez, não tinha falado com ninguém ainda, somente com a professora Sana, que foi muito simpática e o ajudou a fazer um desenho para seus pais.

Observou as demais crianças brincando e suspirou, sentia tanta falta da sua antiga escolinha, sentia falta de Baekhyun e Lay, seu dois melhores amigos.

- Oi! - Ouviu uma voz fina e tímida a sua frente e levantou a cabeça para saber quem lhe incomodava no seu momento sagrado. - Meu nome é Kyungsoo, e o seu?

- Jongin… - Respondeu baixinho. O menino a sua frente era tão pequeno e branquinho, seu olhos eram enormes e sua boca era gordinha assim como a sua. Então, ele se sentou ao seu lado, e todos os músculos do corpo de Jongin ficaram tensos.

- Quando você terminar seu lanche, quer brincar comigo? - Ele perguntou enquanto balançava suas perninhas, que não tocavam o chão. Jongin sorriu e acenou alegremente, por algum motivo, sentia-se confortável na presença de Kyungsoo.

 

Na hora da saída, o pequeno Park não teve a chance de se despedir de Kyungsoo, o mesmo havia lhe falado que estudava em outra sala e não se viram pelo resto do dia. Já era por volta das quatro da tarde quando os alunos foram liberados já que estudavam por tempo integral. Jongin ficou sentado nos degraus da entrada da escola, brincando com o ioiô que Kyungsoo havia lhe emprestado durante o intervalo, o brinquedo era vermelho e tinha as iniciais “DS” pintadas de branco nele.

- Nini? - Tirou sua atenção do brinquedo assim que ouviu a voz do seu pai.

- Papai! - Correu em sua direção, sendo recebido com um abraço apertado. - Onde está o appa?

- Seu appa só vai voltar para casa mais tarde, ele está trabalhando. - Sehun disse levando o pequeno até o carro. Assim que arrumou Jongin na cadeirinha e ligou o carro, olhou pelo espelho e sorriu assim que viu o olhar pidão de seu filho. - Não amor, eu não esqueci do seu sorvete.

Jongin gritou feliz e bateu palmas, já começando a falar de seu primeiro dia de aula. Sehun ria a cada palavra do menino, seu jeito animado de contar as coisas lhe davam um ar cômico e até se embolava em algumas palavras.

-...ai, eu ‘tava comendo quando um menino chegou perto de mim e perguntou se eu queria brincar com ele, ele até me deu um ioiô! - Jongin mostrou o brinquedo para seu pai. Sehun estreitou os olhos confuso, não era comum seu filho aparecer com brinquedos dos outros.

- E como é o nome do seu novo amigo? - Sehun perguntou tentando esquecer aquele assunto.

- Kyungsoo, ele é muito fofo papai. - Jongin falou baixinho, acariciando o ioiô em suas mãos. O adulto riu, achava uma graça a maneira que seu filho falava do novo amiguinho.

Subitamente, o carro parou e o pequeno olhou confuso para a janela, mas assim que viu sua sorveteria favorita sua confusão foi substituída por uma enorme alegria.

 

- Eu sabia que não devia ter te dado aquele sorvete… - Sehun murmurou entrando em casa e fechando a porta com o pé, já que estava com um Jongin parcialmente adormecido em seus braços. Haviam chegado em casa as 17:40, o adulto se amaldiçoava por ter deixado o menino tomar sorvete aquela hora, agora ele não jantaria e também não acordaria tão cedo, e com isso, desregulava todos os horários do pequeno.

Mesmo assim, deixou o menino em sua cama, guardando sua mochila no guarda-roupa e o pequeno ioiô no criado-mudo que havia ao lado da cama. Deu um beijo na testa de Jongin e apagou a luz, fechando a porta ao sair do quarto.

 

O pequeno Park acordou lentamente ao ouvir o barulho de chaves pela casa, seu olhos se encontraram com a escuridão do quarto e ele sentiu um medo repentino, procurou desesperadamente seus bonecos de pelúcia pela cama mas não os achou, provavelmente seu pai teria guardado eles no guarda-roupa.

Jongin engoliu seco, seu coração batia cada vez mais rápido apenas por olhar para a escuridão, imaginando que a qualquer momento, algo ruim sairia dali, algo puxaria seu pé ou simplesmente, que algo ou alguém saísse de dentro do guarda-roupa.

Tão ingênuo.

Sem perceber, seu rosto já estava molhado por conta das lágrimas que caiam em demasia, Jongin estava com tanto medo que não conseguia gritar pelos seus pais. Quando já estava soluçando ouviu um barulho ao seu lado, mais especificamente, algo caindo ao lado de sua cama.

Mesmo com medo e com a escuridão em seu quarto, Jongin aproximou-se da beirada da cama e olhou para baixo, vendo o ioiô que havia ganhado no chão e com o fio esticado. Por um momento, Jongin ficou confuso porque tinha certeza que havia dormido com o presente em seu colo. Em um piscar de olhos, o ioiô estava rolando para baixo da cama sem nenhum esforço.

O pequeno ficou curioso com aquilo, desceu da cama e se sentou no chão, tentando enxergar alguma coisa em baixo da cama, mas não via nada além de escuro. De repente, o brinquedo rolou até ele, arrancando risos de Jongin, que o rolou de voltar para de baixo da cama. O medo de Jongin havia sumido por completo e ele passou alguns minutos rolando o ioiô para o escuro sob sua cama até que em um momento, seu brinquedo não voltou para si.

Ele estranhou e engatinhou para mais perto da cama, porém, alguém abriu a porta de seu quarto, lhe impedindo de continuar.

- Nini? O que está fazendo no chão? Seu appa já chegou há algum tempo, já terminamos o jantar, não quer comer? - Era Sehun na porta, ao ouvir seu appa, Jongin se levantou rapidamente e passou correndo por ele, em direção a cozinha.

Sehun olhou confuso para dentro do quarto, havia escutado as risadas de Jongin, mas qual seria o motivo delas? Antes de fechar a porta, ele avistou o ioiô no chão, porém, Sehun tinha quase certeza que havia deixado o brinquedo em cima do criado-mudo.

Sentiu um frio subir sua espinha assim que fechou a porta, aquela sensação ruim que não lhe acometia há tempos agora voltava.


Notas Finais


*sorvete do bob esponja qq: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/89/64/0f/89640f4683bea3aa47de395ed3637821.jpg
musiquinha pra vcs ouvirem https://www.youtube.com/watch?v=B39S3vUmalA
espero que tenham gostado e até a o proximo ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...