História Under The River - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~ParkLucye

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Suho, Xiumin
Tags Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Colegial, Exo, Fantasia, Mistico, Romance, Sereias
Visualizações 19
Palavras 6.248
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Shounen, Steampunk, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Two.


Fanfic / Fanfiction Under The River - Capítulo 2 - Two.


— Sua fantasia.


— Mas eu não vou, Suho. 


Baekhyun disse um pouco sem graça, encarando Suho com tristeza, um olhar triste foi o que Byun manteve o dia inteiro, estava horrível.


— Ah, Byunnie, você se esforçou tanto para organizar e não vai? Escuta... — Se sentou ao lado de Baekhyun, todos os olhavam atentos em volta da mesa — Achei ela no sotão limpando junto a Minseok, achei que iria ficar boa em você, era do meu irmão mais velho... — Sorriu de lado, dando alguns tapinhas na caixa, nunca falava do irmão mais velho, era um passado meio sombrio — Vocês tem basicamente o mesmo corpo.


 — Não liga pro que o Suho disse antes, Baek. — Xiumin piscou, bagunçando as madeixas do mais novo — Vai curtir sua noite, quem sabe dar uns amassos... — Murmurou dando uma cotovelada discreta — Você merece, é só ter cuidado.


Baekhyun olhou para caixa, em seguida para os meninos em sua volta. Todos lhe ofereceram sorrisos encorajadores, gentis, e foram bem retribuidos, com um brilhar de dentes de Byun e a puxada na caixa até seu colo.


Seria uma longa noite.


Após o jantar, cada um foi para seu quarto, todos ansiosos e empenhados em se arrumar de forma boa. Suho apenas estava na sala, suspirando por não poder ir. 




(...)




Baekhyun abriu a grande caixa, sua boca se tornou parcialmente aberta, eram tantos detalhes, bordados, acessórios. O pequeno havia ficado chocado. Baekhyun se dirigiu até a penteadeira presente ali, pegando suas lentes azuis e colocando com cuidado, o pequeno era talentoso com maquiagem e destacou seus olhos e lábios com um leve gradiente vermelho, penteou seus cabelos calmamente, rindo do estresse de seu colega de quarto, no qual tentava fechar botões da roupa de vampiro que havia comprado, vermelha com detalhes dourados. 


 — Soo, eu te avisei para comprar um tamanho maior.


 — Wae? Vê algum problema no tamanho? — Se olhou no espelho, virando para ver a capa dançar quando girava — Está perfeito.




(...)




Chanyeol esperava em frente ao casarão Baekhyun, não importa o que Kyungsoo havia dito. Ele iria esperar Byun mesmo que aquilo durasse por toda noite e ele tivesse que perder a festa. Chanyeol estava fantasiado de "Deadpool", sem a máscara os cabelos do garoto iam em um topete para o lado, este segurava seu celular frustrado, entupindo Baekhyun de mensagens, no qual Kyungsoo havia dado o número. Porque ele estava tão preocupado com um simples flerte? Chanyeol não sabia que resposta dar a sí mesmo. Ele apenas se sentia assim, como se espinhos furassem todo seu corpo a cada minuto que passava mais preocupado com Baekhyun. 


Chanyeol suspirou, ainda iria esperar Baekhyun, porém o vento lá fora estava ficando torturante. O maior adentrou o casarão e ficou no salão principal sentado em um dos sofás, esperando Baekhyun sem de levantar para beber, comer e recusando todos os convites de dança que lançavam para si.


Depois de um tempo, às portas se abriram e quatro garotos passaram por esta, sendo D.O, Sehun, Lay e Xiumin. 


A cada pessoa que passava, Chanyeol se levantava para olhar a porta. Não tendo sucesso em ver Baekhyun ali. Após mínimos segundos, a porta rangeu novamente, as orbes de Chanyeol dilataram ao encontrar uma figura pequena, com uma fantasia com tema "SteamPunk", Byun estava deslumbrante,  enquanto caminhava pelo salão até Chanyeol, a maioria do salão parou para encarar o tal. 


Baekhyun estava com roupas de cor marrom, com bordados dourados do que parecia ser fio de ouro, uma cartola em sua cabeça com adereços com o que pareciam ser relógios e engrenagens. Uma camisa social bege, abaixo de um sobretudo com botões brilhantes e broches de engrenagem. Uma calça social e por fim, coturnos marrons, com muitos detalhes em dourado. 


E em uma de suas mãos, ele levava uma arma de mentira, no qual era construída de metal e era como se houvesse sido construída com relógios. As lentes azuis de Byun, brilhavam contra as luzes de balada do salão.


Chanyeol estava tão bobo, boquiaberto. Algumas pessoas lançavam olhares de inveja para Byun, por ter colocado suas fantasias no chinelo. Bem, provavelmente sabiam quem iria ganhar o concurso de fantasias, mesmo que Byun não havia ido com essa intenção.


 — Byun, você... você tá...


 — Cheirando a mofo, né? Não tive tempo de lavar, era do irmão de Suho hyung, me descul...


Antes que Baekhyun pudesse terminar, Chanyeol sorriu bobo passando os longos dedos pelo maxilar do mais novo, sem deixar de mostrar os dentes afiados. Ficaram naquilo, se olhando por minutos, em meio à aquela aglomeração de gente, até Jongin chegar.


 — Baekhyun!


 — Qu...


 — Cadê o Kyungsoo?


 — Ah, ele entrou primeiro que eu, realmente não sei. — Sorriu curto, coçando sua nuca — Mas ele não parou de falar de você a semana inteira.


Jongin sorriu de lado e assentiu, voltando a procurar Kyungsoo. Ele vestia uma fantasia de "matador anônimo", com uma bela cartola e um sobretudo gigante.


 — Está tão lindo... — Chanyeol falou bobo, fazendo Baekhyun rir — Devo estar parecendo um lixo perto de você.


 — Sua fantasia... — Olhou para o corpo de Chanyeol. A roupa demarcava bem o que escondia, deixando os músculos do mais velho bem aparentes — Você está perfeito.


 — Wae?! Minha fantasia é tão simples. 


Chanyeol resmungou, olhando para seu próprio corpo, pegando a sua máscara que estava pendurada no "cinto de ultilidades" de sua fantasia. 


Baekhyun ficou por alguns minutos seguindo os movimentos de Chanyeol com seu olhar, quando o mais velho desprendeu a máscara, Byun corou um pouco ao pegar a si mesmo encarando a virilha de Chanyeol. Baekhyun abaixou um pouco sua cartola, cobrindo seus olhos levemente envergonhado.




(...)




 — Ai ele me disse "Você não pode fazer isso, é novo demais". — Todas as meninas em sua volta riram, Kyungsoo bebericou sua bebida — Dá pra acreditar?


 — E ai, gente. — Jongin chegou, colocando um braço sob os ombros de Kyungsoo — Meninas, poderiam dar uma licencinha? Tinha que falar com Kyungsoo.


 — Ele é seu par, oppa?!


 — N-Nã..


 — Sou, nos dê licença. 


Jongin ainda conseguia dizer de forma dócil, as garotas se viraram, indo em direção à pista. E quando Jongin olhou para Kyungsoo, este estava com uma feição emburrada. 


 — Você disse que seria meu par, Kyung. 


 — Sim, eu disse, mas...


Jongin puxou o vampiro pelo braço, o arrastando até a mesa de bebidas e pegando um copo, lhe dando na mão.


 — Deve estar com sede depois de falar um monte pra aquele tanto de galinha.


 — Vulgo as que dão em cima de você? — Aceitou o copo, bebericado a bebida, o gosto forte lhe fez dar uma careta — Tem alcool?


 — Um pouco. — Sorriu se aproximando da orelha do menor — Tá com ciuminho, hm?


 — Não. 


Kyungsoo deu um soco fraco na barriga de Jongin, rosnando. O maior riu, colocando a mão sobre o local agredido. 


Logo o olhar de ambos foi para um Chanyeol que estava em cima do palco que havia no salão, com o microfone o maior pediu atenção de todos. Os holofotes foram para o local, assim dando atenção para Park. 


 — E-Ei! Com licença!


 — Que bosta ele vai fazer?


Kyungsoo resmungou, aceitando Jongin passar seu braço livre pelos ombros, os dois focados em Chanyeol. Olhou de esguelha para o parceiro, ele sorria de lado com uma sobrancelha levantada, orgulhoso.


 — Só olha.


 — Como representante do clube de música, o reitor me pediu para fazer uma pequena apresentação. Então vou cantar um pouco para vocês! Se trata de uma música lenta, então pegue seu par e vão dar aquela flertada! Ah... E eu escolhi essa música porque a letra dela me faz pensar em uma pessoa especial que está presente. 


Chanyeol sorriu, dizia tudo com muito carisma e com olhos pequenos por tão grande que seu sorriso era. O maior se sentou no banco do piano que estava no palco, começando a dedilhar cuidadosamente as brancas teclas. 


What would i do without your smart mouth, driving me in and you kick me out. 
You've got my head spinning, no kidding, I can't pin you down. 
What's going on in that beautiful mind, I'm on magical mystery ride. And i'm so dizzy, don't know what hit me... But I'll ... Be alright, my head's underwater, but i'm breathing fine. 


Baekhyun ouvia atento, vendo os casais dançando abraçados, o pequeno abraçou seu próprio corpo, pensando se aquela música era dedicada a si. O pequeno crispou os lábios, negando algumas lágrimas que queriam cair por seus olhos, sentia o quão puro seus sentimentos eram por Chanyeol, aquela voz fazia sua cabeça girar e o pequeno só conseguia ficar hipnotizado. Chanyeol olhou para Baekhyun, seguindo sua cantoria, o que fez o mais novo abaixar sua cabeça. 


You're crazy and i'm out of my mind... Cause all of me, loves, all of you. Love your curves and all your edges, all your perfect imperfections. 
Give your all to me, I give my all to you. You're my end and my beginning, even when I lose I'm winning. 
... Cause I give you all of me. And you give me all of you.. 


Os olhos de Baekhyun brilhavam, ele estava tão maravilhado, o pequeno tomou coragem para encarar os olhos do mais velho enquanto este cantava e dedilhava o piano. Seu coração batia de forma descontrolava, suas mãos tremiam e o pequeno só queria correr para os braços de Chanyeol e confessar tudo que estava preso dentro de si durante um ano mais próximo do mais velho. Baekhyun tinha a total certeza de que um "pequeno crush" não iria fazer seu coração pular. Baekhyun tinha certeza de que amava Chanyeol.


 — Isso vai dar uma merda... 


Kyungsoo resmungou, olhando pra Baekhyun por cima do ombro de Jongin. O moreno o olhou de cima, levantando um sobrancelha.


 — Por quê? É bem óbvio que eles se gostam. Baekhyun namora?


 — Não... — Deram um giro na dança, o que fez Jongin apertar um pouco o corpo de Kyungsoo no seu, provocando um sorriso satisfeito no mais alto — Mas ele não pode. Dá pra tirar esse sorriso malicioso da cara?


 — Hmmm, não. — Kyungsoo revirou os olhos, fazendo seu parceiro rir — Achei que ele tivesse algo com Sehun.


 — Sehun?


 — Sim, ele está tirando Baekhyun para dançar agora. Parece que Chanyeol não gostou muito disso...


Inverteu as posições, deixando Kyungsoo ver o que acontecia. Sehun se aproximava de Baekhyun, conversaram algo por um tempo, e começaram a dançar no ritmo da música, como todos ali estavam fazendo. Chanyeol desviou o olhar da cena, focando em seu piano e mantendo sua voz na música, parecia que faltava pouco pra acabar.


Chanyeol parecia ansioso para sair dali,  logo quando a música acabou, ele agradeceu, indo em direção à Sehun e Baekhyun. 


 — Licença?!


Sehun sorriu de lado e Baekhyun mexeu a cabeça, assentindo. Sibilou um obrigado e foi em direção a Chanyeol. Sehun se afastou dos dois, indo até Yixing.


   — O que você fez?


  — Ganhei uma noite para Baekhyun.



(...)




 — Por que tá emburrado, Chany?


 — Se eu pedir para te beijar, você vai deixar ou vai negar?


 — Agora? N-na frente de todos?


 — Não precisa ser na frente de ninguém se você não se sentir confortável, venha aqui.


Chanyeol tinha um tom tenso, mas tentava não mostrar isso da forma que fosse possível. 


Este pegou na pequena mão de Byun, não deixando de perceber o quão fofa ficava imersa em sua palma. Baekhyun entrelaçou seus dedos, e ambos seguiram para uma porta de vidro que havia no fundo do salão. 


Lá havia a piscina, Baekhyun sentiu sua espinha ereta, e o pequeno foi para longe das águas cristalinas enfeitadas pelo LED submerso, enquanto Chanyeol fechava a porta. 


 — ...Aqui está bom?


 — Você... não estava brincando?


 — N-Não...


 — Eu... — Baekhyun sorriu do nada, levando as mãos nas bochechas que insistiam em corar — Então...
 
 — Shhh.


Chanyeol se aproximou, tirando as mãos das bochechas do próprio Byun, segurando seu queixo e erguendo seu rosto com calma. 


Chanyeol se certificou da permissão de Baekhyun, colando seus lábios com os pequenos do garoto. Baekhyun suspirou em nervosismo, seus lábios pararam de tremer com o sutil toque de Chanyeol, Byun se certificou de que eram tão macios quanto aparentavam. Park repousou levemente sua mão na cintura do mais novo, puxando seu corpo para mais perto com muita calma.


As bocas se entrelaçaram e dançaram, era um ritmo calmo, deixando os lábios se sentirem, ambas texturas extremamente macias. O gosto da bebida que os dois haviam consumido se misturava junto com a pouca saliva que era trocada entre as línguas. As mãos delicadas de Baekhyun puxaram delicadamente as madeixas vermelhas, aumentando o aperto a medida que a mão de Chanyeol lhe prendia a cintura. A respiração de ambos contrastava e batia durante o ósculo, deixando suaves barulhinhos quando se separavam para recuperá-la.


Os lábios se separaram com um estalo, Baekhyun ofegava, enquanto seus olhos estavam arregalados, encarando Chanyeol. O pequeno sentia seu coração dar marteladas o invés de bater, sentindo conforto com o toque de Park em sua cintura, porém um pouco relutante contra si mesmo, o pequeno afastou as mãos de Chanyeol, começando a encarar seus pés. 


Chanyeol sorriu, repetindo o ato de Byun, olhando para seus próprios pés naquele momento. 




(...)




 — Sehun, eu não posso concordar com isso! 


Jongdae logo entrou na rodinha, entregando uma bebida na mão de Xiumin, na qual era vermelha. 


 — Xiuuu, você vai dormir lá em casa hoje, hm? 


O loiro pediu manhoso, abraçando a cintura de Xiumin enquanto Kyungsoo se pronunciou. 


 — Vamos lá, Baekhyun uma hora precisa dar de cara com isso.


 — Eu não sei gente... Ch-Chen! 


Xiumin sussurrou sentindo o loiro lhe cheirar o pescoço. Todo reviraram os olhos, seguindo numa discussão baixa até Jongin chegar.


 — E ai, o que tá pegando?


 — Nada, Kai.


 — Kyungsoo, eu não te entendo. — Sehun falou indignado, se virando para os garotos a sua esquerda — Quer casar com o cara mas trata ele como se fosse um restinho de sardinha na lata?


 — Ei, vai cuidar da sua vida com o Su...


 — Gente, onde tá o Baekhyun?


 — Dando umas bitocas, pagando um boquete, bebendo, dançando, ah sei lá! 


Sehun comentou, com seu típico tom de deboche, inocentado por sua idade, já que era o mais novo entre todos ali.


 — Jongin, tira essa mão dai! — Kyungsoo falou indignado, desvenliciando a mão do moreno, que segurava sua cintura — Então, Minnie hyung?


 — Hmmm, ok. — Todos comemoraram com sorrisos satisfeitos, mas Minseok levantou um dedo no ar, sussurrando algo na orelha de Sehun — Beleza?
 
 — Tá. Kyungsoo, vamos buscar Yixing para ir pra casa?


 — Se o Soo quiser ir pra minha eu não vou reclamar.


 — Jongin!


 — Por que, corujinha?...


 — Eu não vou pra sua casa! Bronzeado falso, hmph. 


Kyungsoo virou seu rosto, saindo pelo salão a procura de Yixing, de nariz empinado. 




(...)




 — Tem certeza que não vai por nem os pés na água? 


Chanyeol questionou, tirando deus coturnos e mergulhando seus pés na água cristalina, sentado à beira da piscina ao lado de um nervoso Baekhyun.


 — N-não Chany... eol. — Cruzou as pernas, mantendo uma considerável distância da borda da piscina — Junmyeon me mataria se eu colocasse os pés molhados dentro de um sapato.


 — Junmyeon?


 — Ah?!... M-Meu pai. — Baekhyun pensou rápido, logo se levantando — Acho que já está tarde, acho melhor ir procurar os garotos para ir embora...

— Eu vou contigo.


Os dois entraram no salão, o ar abafado contrastando com suas peles suadas pelo nervosismo. Baekhyun procurou os amigos, mas em vão. Era quase fim da festa, as pessoas ali restantes (um número considerável para ainda deixar o salão cheio) esperavam ansiosas o resultado do concurso. Chanyeol tentava achar os garotos também, preocupado com o Byun nervoso em sua frente.


 — Meu Deus, Junmyeon vai me matar.


 — E ai, galera? Tá todo mundo tranquilo? — Ouviram a voz do DJ, atraindo toda a atenção do povo para si — Nosso comitê finalmente se decidiu. Gostaria de chamar aqui a fantasia ganhadora, nosso garoto das horas, Byun Baekhyun!


Chanyeol sorriu sarisfeito. Como assim? Baekhyun nem tinha se inscrito, mas mesmo assim foi, com as pernas bambas devido a vergonha e a preocupação de achar seus amigos. Era tarde para voltar de a pé, e Chanyeol não podia se aproximar da mansão.
Sua mente gritava. Ele estava extremamente ferrado na mão de Junmyeon. Recebeu o cheque de uma quantia nem tão alta com um sorriso branco, assim como aceitou de bom grado o troféu de cristal. Lhe bateram palmas, tiraram fotos, e a música voltou. Os passos até a porta começaram a formar um som unido, e Byun ia ao contrário, para junto de Chanyeol.


 — Você quer que eu te leve pra sua casa, Baekkie?


 — Oh? Ah, n-não... se meu pai ver eu chegando com outra pessoa me mata... quer dizer... — Prendeu o ar, sem conseguir o soltar por causa do bolo em sua garganta — Acho que um táxi não fica tão caro e...


 — Se quiser ir lá pra casa, é perto... — Sorriu envergonhado, coçando sua nuca — Sabe, amanhã você vai, ir no escuro é perigoso...


Baekhyun piscou algumas vezes, tentando entender aquilo direito. Apenas conseguiu sorrir tímido, ignorando todas as palavras do tritão superior que gritavam em sua mente para ele não se render aos encantos de um humano. 


   — Eu não vou incomodar, Chany...


   — Que isso, não vai ser bem um incômodo...


 — Tudo bem.


Os dois trocaram alguns sorrisos curtos e rumaram para a saída, entraram no carro de Chanyeol e o silêncio pairou dentro daquele ambiente quente.


 — Você... canta muito bem, Chany.


Chanyeol mantinha um sorriso pequeno e bobo enquanto dirigia, trocando olhares entre Byun e a rua. Chanyeol não conseguia ficar sem olhar para o pequeno. 


— Você... Beija muito bem, Baekkie. 


Chegando na casa de Park, o maior se acomodou no grande sofá da sala, retirando as espadas de suas costas, que faziam parte da fantasia. 


 — Baekkie, você vai tomar um banho, né? 


 — M-Mas eu não tenho roupa...


 — Eu te empresto! Acho que umas roupas minhas de 4 anos atrás servem em você. 


Chanyeol foi até seu quarto, pegando uma calça de moletom, uma cueca e também havia achado uma camisa de botões. Levou até Byun na sala, entregando para o menor a pequena muda de roupas. 


 — N-Não precisa disso, Chanyeol...


 — Precisa sim, segundo corredor, terceira porta à direita. 


Park sorriu de forma acolhedora para Baekhyun, vendo o garoto ir um pouco cabisbaixo e tenso até o local onde havia indicado. 


Chanyeol se dirigiu ao banheiro de seu próprio quarto, trancando a porta para se trocar, mantendo sua privacidade.


Baekhyun viu a banheira, trancando a porta por dentro. Seu corpo gelou por inteiro, e o pequeno começou a procurar nos armários alguma coisa que fizesse espuma. Byun não achou, suspirando pesadamente. 


Byun se despiu um pouco relutante, entrando na banheira que estava com a água de morna para quente, vendo o efeito acontecer com mais um pesado suspiro. 


Byun queria chorar, aquela calda o lembrava de todos os motivos que tinha para não poder se apaixonar por Chanyeol, mas ele já estava apaixonado. Doía tanto, mas tanto.


Afundou seu rosto na água, sentindo seus cabelos mudarem de cor. Apertou as mãos, estralando os dedos dentro da água. Espalhou o sabonete pelo seu tronco nú, sem dar atenção as escamas da cintura pra baixo. Mexeu a cauda, se sentando na borda da banheira esperando que suas pernas voltassem, e quando a água se tornou fria e sua pele voltou, saiu dali, andando normalmente.


 — Acho que ficou meio largo...


Baekhyun falou saindo do banheiro junto com o vapor. Achou que Chanyeol estaria perto, mas ouvia o barulho distante do chuveiro do quarto do mais velho. Suspirou pesado, rumando até a sala e observando a cidade por aquela parede de vidro. Era tudo tão... lindo! Sua janela não lhe dava uma visão assim. Era uma imensidão, luzes de janelas e de postes tomando a atenção em meio ao breu da noite, pequenas constelações se formando ao fundo, era como se Baekhyun pudesse ouvir o vento batendo nas árvores das serras nem tão distantes, como se pudesse se mesclar naquele azul escuro e residir ali observando cada ser viver sua vida de seu próprio jeito.


Talvez fosse pelo seu lado não humano, mas Byun sempre sonhou com grandeza, viajou nas palavras lindas de um poema e se encantou com textos desconhecidos escritos por um mero humano qualquer. Adorava tudo, o mistério, as estrelas, cada vida que aparecia na sua, como se tudo fosse planejado do melhor jeito.


Não sabia por quanto tempo tinha ficado ali, mas foi tempo suficiente de Chanyeol terminar seu banho e procurar Byun por seu apartamento enorme. Só se deu conta disso quando as mãos grandes lhe abraçaram pela cintura e a parede ganhou outro espectador. 


 — Lindo, não é?


 — Sim... — Sorriu de lado, vendo os carros passarem mais abaixo — É maravilhoso.


 — Você gosta de paisagens, Baekkie?


 — Sempre gostei. — Sentiu o mais velho roçar o nariz em seu pescoço, fechou os olhos — Principalmente das maritimas.


 — Fica comigo que isso nunca faltará pra ti, meu pequeno.


Baekhyun suspirou, encarando seus pés. Saiu dos braços de Chanyeol, dizendo contra sua vontade, em tom calmo, sério, porém monótono e triste. 


 — Eu não posso. 
 — O que você tem, Baekhyun? 
 — Segredos, Chanyeol. — Segurou o ar, tirando os olhos dos de Chanyeol, mesmo a contragosto — Onde posso dormir? 
 — Eu não entendo! 


 — Onde posso dormir?...


Chanyeol engoliu em seco, suspirando. O maior respondeu calmo. 


 — No meu quarto, eu durmo no de hóspedes. Última porta do corredor. 


 — Não quero incomo- 


 — Apenas vá. 


Baekhyun suspirou, indo na direção que Chanyeol havia mandado cabisbaixo, seu coração estava em pedaços. "Por que diabos eu não pude nascer normal?!" Pensava, abraçando seu próprio corpo e tentando arranhar com suas unhas curtas os braços por cima da camisa, enquanto segurava lágrimas.


 — Mas... — Parou, se virando para a figura de Chanyeol no corredor, este sorria pequeno, com um olhar de carinho — Se mudar de ideia, a porta vai estar aberta.


Entrou no banheiro que Byun havia usado, saindo de lá com o celular do mais novo em mãos, este foi acanhado pegar o aparelho, recebendo um beijo na testa como um boa noite, coisa que o fez voltar correndo para o quarto de Chanyeol. Pode ouvir a risada alta do dono da casa e escondeu o rosto nas mãos. Se deitou calmamente na cama enorme do maior, quase fechando os olhos por causa da luz forte de seu celular.


Os dedos ágeis procuraram rapidamente o contato de Kyungsoo, lhe mandando uma mensagem em seguida.


Baekkie Purpurina, 23:56: Onde vocês se meteram?

Soolzinho, 23:58: Viemos para casa, ué.

Baekkie Purpurina, 23:58: Vocês me meteram na maior confusão com o Junmyeon! Estou com Chanyeol...

Soolzinho, 23:59: Sehun está cuidando de Suho, ele que deu a ideia.

Baekkie Purpurina, 23:59: Ideia?

Soolzinho, 23:59: Aproveite sua noite, Saeng. E não apareça no trabalho se não tiver muita coisa pra me contar, de nada.

Visualizado, 00:00, segunda-feira.

Baekhyun fechou os olhos, rindo sozinho e largando seu celular, amaldiçoou os garotos em pensamento, mas, ah, foi até que um ato bem legal. Coçou o olho esquerdo, se levantando decidido e rumando até o corredor em passos quase mudos. Bateu na porta uma, duas, três vezes, e a abriu, revelando um Chanyeol vidrado no celular.


 — Oh, o que foi?


 — Não consigo dormir, hyung.


 — Wae? Pesadelos? 


Chanyeol largou seu celular no colchão, se levantando e indo em direção ao pequeno, com olhos preocupados. 


 — Sua cama é muito grande...


 — Quer dormir aqui? Eu posso fazer um leite morno se quiser...


 — Posso dormir com você?


Chanyeol encarou Byun nos olhos, como se tivesse perguntando com expressões se ele tinha certeza. Baekhyun assentiu com a cabeça, fazendo Chanyeol entre-abrir os lábios. 


 — Pode, Byunne. 


Disse um pouco tenso, passando seu braço pelo ombro de Baekhyun e caminhando com o mais novo até seu próprio quarto. Chanyeol abriu a porta, fechando a mesma atrás de si quando Baekhyun a atravessou. 


O pequeno foi direto em direção a cama, se aconchegando no fofo edredom branco. Se afundando ali. 


Chanyeol caminhou até a cama, se deitando calmamente ao lado de Byun. 


 — Eu... Posso te abraçar?


Baekhyun o olhou por um tempo, sorriu e assentiu, recebendo o aconchego do corpo do mais velho sobre o seu. Ficaram num silêncio total até Chanyeol dormir primeiro, Byun ficou encarando aquele rosto jovem, as quade inexistentes pintas e como sua franja vermelha ficava bem caida por cima de seus olhos fechados. Lhe deu um beijo rápido nos lábios e voltou a fechar os olhos, sentindo o perfume fraco contrastar com seu cheiro de sabonete.



(...)



 — Suho hyung!


Sehun chamou cantarolando, caminhando primeiro que os meninos até o maior quarto da casa; o de seu diretor. Junmyeon separava alguns papéis e amontoava-os em pastas finas. 
 
 — O que foi? Já chegaram? Cadê os outros meninos?


 — Faz tempo que chegamos, não escutou? — Negou com a cabeça, Sehun sorriu de lado, massageando os ombros do mais velho — Você anda tâo atarefado, Suho hyung. Tão tenso...


 — O que você fez, peste?


 — Nada. — Sorriu, cheirando o pescoço do mais velho, sentindo todos os pelos se eriçarem sob seu nariz — Não posso agradar meu divino algumas vezes?


 — Divino? Não é como se eu fosse um Deus ou algo assim.


 — Hmmm, pra mim é.


 — Vá direto ao pon-


A fala de Junmyeon foi cessada pelo músculo bocal atrevido de Sehun, o mais velho arregalou seus olhos, se apoiando nos ombros de Sehun com força, apertando ali. Enquanto Sehun fechava os olhos, sentindo o prazer dos lábios carnudos de seu superior contra os seus.


 — S-Sehun!


Sussurrou quando os lábios se desprenderam. O mais novo sorriu de lado, prensando Junmyeon contra a parede próxima à porta.


   — Shh, estava com saudades, meu bem.


   — E-eu... — Cedeu, deixando a mão de Sehun invadir sua camisa — Eu também.




(...)




Baekhyun estava aconchegado, mas em um momento, sentiu Park se remexer na cama. Byun com um pouco de insônia, deu um travesseiro para Chanyeol abraçar no lugar de seu corpo, e começou a caminhar silenciosamente pela casa. 


O pequeno analisava tudo com cuidado novamente, chegando na sacada, viu um grande espaço revestido por vidro, e uma piscina de águas cristalinas com luzes LED azuis brilhando em seu interior. Baekhyun olhou ao redor, certificando-se de que Chanyeol estava dormindo tranquilo, e não estava por perto. 


O pequeno despiu suas roupas ainda receoso, mergulhando na água de forma quieta, sem pular. Apenas afundou na piscina de grande profundidade. Estava se sentindo tão leve, batendo sua calda e sentindo a água deslizar por seu tronco. 




(...)




Chanyeol despertou, um pouco grogue, se levantando e começando a irracionalmente procurar Byun pela casa.


 — Ba-Baekkie?


Coçou os olhos e ouviu os barulhos na água, aumentando o ritmo dos passos.


Seu coração apertou, achou que Byun poderia estar se afogando, mas quando seus olhos deram de cara com a cauda azul celeste brilhando por causa das luzes de LED, parou. Piscou várias vezes, abrindo e fechando a boca assustado.


 — B-Baekh-hyun!


A última lembrança que teve foi de Byun se levantando na borda da piscina apavorado, já que seus pés, por mera sorte (de Baekhyun, claro), escorregaram nas poças de água formadas pelo próprio tritão por causa da natação recente. 



(...)



Acordou assustado, se levantando na hora, ato que lhe causou uma certa tontura. Olhou para os lados, estava em seu quarto, debaixo dos edredons, Baekhyun abraçado em seu corpo igual uma criança abraça seu ursinho de pelúcia. Sorriu satisfeito, afagando os fios negros de seu companheiro de cama.


Chanyeol ainda duvidoso sobre o que aconteceu na madrugada, checou embaixo dos cobertores as pernas de Baekhyun, com um olhar um pouco curioso. Apenas estranhou o garoto não estar com a calça de moletom que havia dado, e sim apenas com q cueca e a camisa emprestada. Chanyeol suspirou, deitando sua cabeça novamente contra o travesseiro. 


 — Foi apenas um sonho estranho...


Murmurou para si mesmo, enquanto observava Byun. Que começou a se apertar um pouco mais contra seu corpo e a morder seus lábios como se estivesse se contendo. 


 — Channie-ah...


Byun soltou um pouco manhoso, ainda imerso em seus sonhos, aliás, que tipo de sonho ele estaria tendo para agir assim?! Chanyeol pensou. E corou quando as pernas do menor começaram a acariciar as suas, se entrelaçando e colando ainda mais seus corpos.


 — B-Baekkie!
Chamou sussurrando, balançando o corpo do mais novo. Este entrou com o rosto ainda mais em suas roupas folgadas


 — Só mais cinco minutos, Soo!


Baekhyun resmungou, abrindo um pouquinho seus olhos. Logo quando olhou ao redor, encontrou o rosto de Chanyeol, seus corpos sem distância alguma e a face corada do maior. Byun arregalou os olhos e se virou de costas para Park, se enfiando no meio de suas mãos. 


O que ele poderia ter feito em quanto dormia para deixar ChanYeol envergonhado?! Deu início às suas paranoias. A proximidade do corpo de Chanyeol, o fez ter sonhos eróticos, logo começou a ficar mais envergonhado ainda ao lembrar de suas manias em resmungar durante o sono, o que ele havia dito, afinal?!


 — M-me desculpe...


 — Huh? Pelo o quê?


 — Não foi intenção te agarrar...


Chanyeol soltou um riso soprado, se virou para as costas de Baekhyun e abraçou a cintura do pequeno por trás, na intenção de deixar o menor confortável. 


 — Está tudo bem, sim? Pode se agarrar em mim o quanto quiser, e quando quiser. 


Chanyeol distribuiu alguns beijos molhados na nuca de Baekhyun, o maior também parou para encarar a pele do pescoço de Byun, passando seus dígitos por ali calmamente. Baekhyun sorriu, deixando o mais velho fazer aquilo, e quando ele parou soltou um resmungo em reclamação. Sentiu as mãos grandes lhe virarem e encarou o rosto amassado de Chanyeol. 


 — Você é lindo, Baekkie.


Baekhyun sorriu, desviando seu olhar dos olhinhos grandes de Park, passando uma de suas mãos em seu próprio cabelo. 


 — Não sou não, aigoo. 


Park se aproximou, trazendo o corpo de Baekhyun para si, desabotoando um dos botões da larga camisa. O maior deu alguns beijinhos pela extensão da garganta de Baekhyun, descendo a gola aberta por um dos ombros magros. 


O maior sorriu de canto, acariciando a área com sua palma, jogando um olhar pidão para o mais novo, que assentiu com um desviar de olhar. Chanyeol aproximou seus lábios do ombro de Byun, dando alguns beijinhos, no qual foram seguidos por uma mordida forte. O pequeno apertou seus olhos, se encolhendo um pouco em reação, com um grunhido entre dentes.


Baekhyun suspirou pesado quando sentiu os lábios de Chanyeol lhe subirem no pescoço, dando mordiscadas na pele e chupando uma extensa parte de pele perto da orelha. O perfume quase inexistente de Chanyeol se fez presente, Baekhyun ficou embriagado com aquele cheiro, tanto que mal sentiu os selinhos em sua boca, abrindo para aprofundar o beijo. Ficou por cima de Chanyeol, lhe bagunçando as madeixas vermelhas vivas.




(...)




 — Onde Baekhyun está?! 
Junmyeon resmungou, engolindo seu café da manhã. 


 — Hyung, que marcas são essas no seu pescoço? 


Yixing perguntou, comendo calmamente suas panquecas, enquanto bebia de acompanhante um copo de suco de laranja.


 — Marcas? Que marcas? Não mudem de assunto!


 — Deve estar dormindo...


 — Ele não veio pra casa desde ontem.


 — Sehun, o que é isso no seu pescoço?


O mais novo de todos olhou para Junmyeion, este corou e se levantou rapidamente, arrumando a camisa social quase-transparente.


 — Já tá na hora de vocês irem trabalhar, tchau.


 — Suho, queria falar sobre isso com você. Chanyeol me mandou uma mensagem, dizendo que não iremos abrir hoje.


Junmyeon parou de estrepito. Todos olharam pra Minseok com olhos arregalados. Como assim?


 — Só por causa do Bae...


 — SIM, por causa do banheiro. — Sehun cortou na hora, olhando desesperado para os seus colegas — Ele estava com diarreia ontem na festa.


 — O que ia falar Yixing?


 — Huh, era isso mesmo!




(...)




— Ah, ontem eu tive um sonho estranho...


 — Como foi? 


Baekhyun perguntou em um tom tenso, enquanto bebericava o café que Park havia preparado.


 — Sonhei que tu tinha uma cauda! Tipo, de sereia mesmo, sabe? — Gesticulava com as mãos, rindo — Acho que foi o tanto que eu bebi na festa.


 — Deve ter sido. — Sorriu singelo, tirando as madeixas dos olhos — Que estranho.


 — Foi muito real, no sonho, quando eu cheguei próximo à piscina, você ficou um pouco assustado ou desesperado. 


 — Deve ser legal ter um sonho assim, não é? 


Baekhyun acariciou um chupão em seu próprio pescoço, sentindo que a morte viria de Junmyeon se ele não fosse logo para casa, logo engasgou com suas próprias palavras e perguntou, soltando aos ventos. 


 — Se fosse verdade, como você iria agir?


 — Eu não sei. É uma coisa mitologica, não existe, mas eu acho que de inicio ficaria assustado, e eu iria fazer mil perguntas, porque deveria ser muito legal ser diferente. — Sorriu, olhando para Baekhyun — Que foi?


 — Você fica fofo quando se empolga num assunto.


Chanyeol sorriu envergonhado, olhando para suas mãos, com um pequeno riso, que se desmanchou quando Byun falou. 


 — Acho que terei que ir embora, sabe como é né? Acho que meu pai vai ficar doido quando ver meu pescoço.


 — Mas e-eu só deixei umas marquinhas e nada mais! Nem sua roupa eu t-tirei! 


Park disse em defesa, com orelhas ficando quentes e vermelhas, assim como a região de suas bochechas. Como se estivesse sendo acusado de algo.


 — Tudo bem. — Sorriu, repousando a xícara com café na mesa — Foi muito gentil não ter colocado a gente pra trabalhar hoje.


  — Meu plano era ficar contigo até de tarde. Você é uma companhia tão boa, Baekkie...


 — Meu pai deve estar preocupado, Chan..


Chanyeol sorriu de lado, assentindo com a cabeça. Suspirou pesadamente, se levantando e caminhando até o porta-chaves de inox, enquanto Baekhyun fazia o mesmo e repousava sua xícara vazia na pia. Passou rapidamente no quarto do mais velho, pegando sua fantasia.


   — E suas roupas?


  — Não servem em mim, se quiser ficar...


Baekhyun assentiu, com a fantasia dobrada, segurada na altura de seu peitoral, abaixando sua cabeça assim que Chanyeol e ele chegaram na porta. 


Baekhyun ficou na ponta de seus pés, dando um selar rápido nos lábios de Park, em seguida escondendo seu rosto com a roupa que estava em suas mãos e saindo pela porta.


 — Baekkie! — Byun se virou, apenas revelando os olhos para Chanyeol — Te vejo na escola?


Os olhos do mais baixo brilharam. Ele concordou entusiasmado, quase infartando quando aquele lindo sorriso brotou nos lábios do outro. Voltou a rumar para o elevador, se preparando psicologicamente para os sermões de Suho.





(...)




Quando Suho ouviu a porta ser aberta, correu até um pequeno ser sorridente, bobo e no mundo da lua, enquanto começou a dar a bronca. 


 — Onde você estava?! Com quem estava?! Que roupas são essas?! E ESSAS M-MARCAS?! 


Suho virou o rosto do garoto, vendo a trilha de roxinhos em seu pescoço.


 — Por que tu tá acordado essa hora? Eiii! — Se afastou do mais velho, escondendo seu pescoço — Achei que o Minnie tinha te avisado que não ia ter trabalho hoje!


 — MINHAS PERGUNTAS PRIMEIRO! VAMOS CONVERSAR! PRA MESA, AGORA!


Junmyeon apontou, um Byun cabisbaixo caminhou até a grande mesa, com um biquinho nos lábios. Suho gritou de uma forma que todos que estavam na casa poderiam ouvir, logo convocados para ir a mesa. 


Junmyeon começou a rodear o móvel, no qual todos estavam sentados.


 — Podem começar a confessar! Por que não esperaram Baekhyun voltar?! Onde ele estava, com quem?! E Byun, o que estava fazendo?!


 — Suho...


Todos os meninos ficaram em silêncio absoluto, mas Sehun logo sorriu de lado, acariciando o braço de Baekhyun.


 — Decidimos dar uma folga pro Baekkie.


— PAREM DE JOGUINHOS E FALEM LOGO! ELE PODIA MORRER SABIA?


— Não acho que iria morrer na casa de um ricão como Chanyeol.


 — LAY!


Todos gritaram em uníssono, o chinês se encolheu e cobriu o rosto com as mãos. Junmyeon olhou assustado para Baekhyun, assimilando tudo rapidamente. Fechou os olhos, contendo os gritos que segurou em sua garganta.


 — Eu não... não acredito. 


Seu "bebê" provavelmente tinha perdido sua pureza, seus aprendizes tramaram para encobrir e, pior, Sehun tinha brincado com seus sentimentos.


 — Vão para a sala, vou falar individualmente com alguns... Baekhyun fique primeiro. 


Suho massageou suas têmporas, segurando um clima triste dentro de sí por causa de Sehun, se tornando preocupado por causa de Baekhyun.


 — Ai meu Deus.


Baekhyun já tampou as orelhas. Todos lhe olharam com piedade, murmuraram um desculpe e sairam.


— Eu vou te contar uma coisa bem séria, acho que está preparado para isso.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...