História "Under the water, the heart is cold". - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor Ódio Liberdade
Exibições 5
Palavras 981
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


(aviso)
Detalhes fortes.

Capítulo 8 - Visão turva.♒


Fanfic / Fanfiction "Under the water, the heart is cold". - Capítulo 8 - Visão turva.♒

(🔊🔊🔊🔊)

Enfim, fecho meu caderno após ter ganhado o visto, e vou para o recreio mas que aula de história entediante "império bizantino" por acaso alguém pode me dizer pra que irei usar isso  na vida?....eu respondo, pra nada. Desço as escadas com pressa receioso e angustiado ainda não pensei na resposta que darei  a Alícia estou indeciso, de  forma alguma quero metê-la nessa encrenca e também não desejo que meu padrasto saiba de tudo...ele ficaria bravo e isso só pioraria as coisas.

Estou sem fome, nada de geléia com pão maçãs ou suquinho de laranja meu apetite acabou, minhas pernas bambearam  ao perceber a presença de alicia duas mesas a frente ela está almoçando e eu preciso sair daqui imediatamente antes que ela me veja e faça a tal da pergunta ameaçadora. Então foi isso que fiz.

🏃🏃🏃🏃🏃🏃🏃🏃saí correndo.

Me escondo atrás da dispensa e percebo ao mesmo tempo o quanto sou covarde o quanto não consigo dizer não, aquilo que realmente naum tenho interesse ou até mesmo tomar uma decisão .Ao final do intervalo saio e observo ao redor ...nada de Alícia espero que ela esteja na sala dela, queira Deus!!! .

Novamente, agarro nos corrimões da escada  já enfartando de tanto ter corrido,  entro na minha sala torcendo para as aulas passarem rapidamente. Bom sempre gostei de sentar no fundão não sou lá tão nerd mas faço as coisas, só pra não repetir o ano inteiro, o que para mim seria desperdício de tempo. As piores matérias que acabam de vez com a minha felicidade, são química e matemática passo raspando no entanto como tudo não é um lindo e belo mar de rosas, muita das vezes acabo ficando de recuperação, mas não por deslecho e sim por dificuldade. Me considero "um aluno regular" falto um pouquinho no decorrer do ano porém faço  o que posso na medida do possível. Então Espero todos saírem, comprimento meu professor de sociologia (gosto dele  além de amar sua  matéria)

 Com o intuito de me despedir afinal eu ainda estou pensando numa fuga repentina ...

Encosto nos ombrais da porta e olho curiosamente o corredor não havia mais ninguém, chegando no portão, logo mais a frente vejo Alícia com um olhar perdido ao relento de certo está me procurando o lamentável é que ela sabe onde moro se caso ela contar ,meus planos para Blake estou completamente lascado ! .

Esperei com paciência ela entrar no ônibus e segui à pé até a minha casa  desconsolado, indeciso e mais uma vez perdido.

- Eaê tio !!! gostei do teu cel passa esse  baguio aí véi, ou tu vai rodá!!! não gosto de cara vacilão naum, caraí, passa logo essa porra aí se não apago  u cê agorinha mesmo . Sem enrolá cacete ...vai dipressa chefia, antes que eu mate minha sede no teu rabo .

Eu ofegante e com muito medo,  percebo instintivamente que estou sendo assaltado à mão armada, sinto o canil do revolver na minha nuca minha testa começa a suar enquanto meu coração bate sem controle  não consigo pensar em nada pucho  o celular do bolso me deparo com minhas mãos trêmulas embaladas ao telefone entregando ao bandido, que depois de alguns segundos sobe na moto e pra minha "sorte" o imbecil acaba tirando a placa traseira antes de praticar o crime  argh!!!!!!!! que ódio.

Sinto tanta dor dentro de mim tantas coisas acontecendo meu "padrasto" deseja me colocar em um colégio interno, Alícia quer fugir pra me ajudar, sou assaltado e levam meu celular, além de conviver  com um sentimento estranho por Blake.

Chego em casa e Blake acende a luz da varanda destrancando a porta, no mesmo momento entro e o vejo voltando para o sofá já atento a alguns papéis que eu desconhecia.

Blake: - Matt vêm cá!!!

Matt:- OK!  tô indo (respondo colocando um pouco de suco de maracujá num copo).

Começamos a conversar não havia nada que me interessa-se na conversa... a não ser os lábios carnudos e rosados de Blake que se movimentavam  ao proferir inúmeras palavras, das quais não possuíam nenhum sentido, pois meu foco naquele momento era outro.

Blake: -Está tudo acertado okay ...Matt  breve tudo se organizará  e seremos uma família.

Matthew: -Como assim tudo acertado? (retruco sério e duvidoso).

Blake: -liguei ontem no colégio Aldemiro internato Souza e levei teus documentos hojeEu..já ti matriculei Matt, só falta arrumar as coisas e ...ir.

 Olhei espantando com tamanha rapidez ... abaixei a cabeça totalmente desanimado e com a alma picada em pedaçinhos fui em direção a pia da cozinha, peguei uma faca  me virei em direção ao sofá onde também si encontrava Blake e a passei precisamente de maneira funda e rápida em meus dois pussos, no mesmo instante, senti meu sangue quente escorrendo e fazendo pequenas poças no chão, sorri ao me sentir tão relaxado, o único incômodo era uma leve ardência nos  cortes , minha visão se tornava turva não havia forças em mim por isso de imediato caí no chão do nada ouço Blake me chamar :

Blê: - Meu deus naum !!!!! Matt por favor não me deixa eu só tenho você meu querido... por favor!!! eu ti imploro!!! (Blake rasga o estofado do sofá e amarra nos pussos de Matt tentando estancar o fluxo de sangue.

Eu o observo desesperado sua imagem embaçada me lançando contra o seu próprio corpo acariciando  meu rosto .

(Blake pega o celular olhando de soslaio o Matthew, enquanto disca o número do pronto socorro (ambulância) do nada um barulho forte e  uma sirene ensurdecedora, invade o ambiente os paramédicos colocam Matt na marca e Bake solta a mão gelada e praticamente pálida, do amável  garoto, que logo é entubado dificultando a troca de olhares entre os dois, Blê vai de carro atrás do veículo porque não havia  como ir junto dentro da ambulância o caso é grave ,portanto, é necessário unicamente a presença dos médicos que estão incertos em relação a vida, tão turbulada e entritescida do jovem Matthew.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...