História Unicorns and other drugs - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber, Troye Sivan
Personagens Barbara Palvin, Justin Bieber, Troye Sivan
Exibições 19
Palavras 1.201
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Wake up


Abri a porta sem bater e quando a vi a cena a bandeija caiu da minha mão, acordando Justin e...


Quando eu vi a cena eu definitivamente não quis acreditar.

Ele estava na cama com a puta da Taylor bunda seca Swift.

Eu estremeci e meu coração gelou. Deixei a bandeija cair e os dois acordadam com o barulho.

Eu encarei Justin furiosa e saí do quarto as pressas, bufando de raiva.

Percebi que ele saiu do quarto apressado, atrás de mim — e o pior, só de cueca.

Eu tentei fechar a porta na cara dele, mas ele impediu e eu joguei toda a força do meu corpo pra tentar ele não entrar, o que não deu certo já que ele era maior e mais forte que eu.

— Porque tá puta comigo?

Minha boca se abre em um "o" irônico e meus olhos cerram sem acreditar na tal pergunta.

— Como assim o que você fez?! — Pergunto indignada e fazendo drama gesticulando —É sério isso?

— Bom, eu tô solteiro. Não vejo problema nenhum em ter uma...

— Você me iludiu Justin! — Gritei o cortando.

— Eu não te iludi. — Ele diz convicto e acertando meu coração já amassado. Fiquei puta por lembrar dele com a Taylor e meu ódio esvaiu pela boca.

— Cachorro, sem vergonha, filho da puta! — Grito socando seu peitoral nu. Ele me segura pelos ombros, impedindo que eu continue.

— Para Bárbara, você é pior. Você é infantil demais.

E com essas palavras, ele me quebrou.

— Eu não dormi com o primeiro que me apare...

— Isso é alguma piada?! — Ele diz alterado — A gente se conhece, eu me encanto, tá tudo bem e ai DO NADA, você muda Bárbara. Me ignora, e começa a frequentar baladas e mais baladas e o pior, ficar com uns e outros. E eu? Eu sempre fiquei aqui, eu sempre cuidei de você quando a única porra de coisa que você sabia fazer era me deixar de lado.

Ele me encarava, e eu estava parada o encarando. Nunca tinha visto-o dessa forma.

— Bosta. — Digo depois de um tempo.

— Mimada — Ele diz.

— Nerdão.

— Irritante.

— Chato.

— Infantil

— Velho.

— Idiota.

Bufei e o pus pra fora do quarto, eu já estava impaciente.

Como ele pode fazer isso comigo? Me quebrar dessa forma, fazer o que fez no início da nossa amizade, me julgar por eu não ter esquecido — como o que ele fez, pois nem sabe o motivo de eu ter ficado diferente e nem sonha que foi por causa dele — dormir com outra e jogar na minha cara que eu que sou a filha da puta da história?

Nossa, beleza.

Me joguei na cama aos prantos. Os soluços eram altos, meu coração estava esmagado.

Parei pra olhar o céu, indo até a varanda do quarto. Me sentei na poltrona que tinha perto e fiquei ali, choramingando quietinha.

Como nós podemos chegar a esse ponto?

Eu cansei.

Cansei de tudo.

Desde o início, tudo que ele fez foi um jogo e agora é a hora de eu me vingar.

Se é guerra que ele quer, é guerra que ele vai ter.

PVOS JUSTIN

A briga de ontem mecheu comigo, eu nunca havia discutido daquela forma com a Bárbara.

E o pior, ainda disse o que eu sentia.

Nesse momento, eu estou sentado no sofá da sala vendo o noticiário da TV. Quando ela entra pegando leite e biscoitos.

Escuto o celular dela tocar e a olho pelo rabo do olho.

_— Oi, bom dia. Sim eu estou bem, o quê ? Que horas? Hoje ? Hum... Tudo bem, eu quero ir._

Ela se levanta quando termina de comer e eu já estou me corroendo todo por dentro.

Ela vai até a porta, mas antes dela sair não resisto e pergunto.

— Onde você vai? — Pergunto me crucificando por dentro.

— Vai se foder — Ela diz e sai.

*_[ Parque de diversão de Westfield]_*

Taylor estava com o cabelo chapinhado, com um vestido vermelho e o batom da mesma cor.

— Oi, meu doce — Ela disse beijando minha bochecha. Senti o gloss labial impregnar na minha pele, _eca._

— Oi Taylor — Disse tentando esboçar um sorriso de felicidade ao vê-la.

Ela é legal e tal, mas eu... não consigo.

Eu tenho que pensar na filha da puta da Bárbara sempre que tô com uma garota.

— Então, qual brinquedo você quer ir primeiro?

PVOS BÁRBARA

— Eu realmente não acredito que você me tirou da minha cama macia pra vir nessa merda idiota — Digo sem acreditar para Shawn.

O garoto ri e me abraça de lado.

— Só queria me divertir com você — Ele diz encostando a cabeça na minha.

— Me chamava pra tomar pinga, ir pra balada, não pra essa porcaria cheia de fedelhos e gente feliz.

— Sala de espelhos? — Ele pergunta me ignorando.

— Aff — Resmungo e bufo indo com ele.

Andamos um pouco e Shawn ficava tirando com a minha cara. O que me deixava em parte, feliz por estar com ele.

Ele não sabia o motivo, mas era óbvio que eu estava irritada por ter brigado com Justin na noite anterior.

Aceitei sair com Shawn, pelo menos ele não me machuca.

Entramos na sala de espelhos e vi que Shawn estava com medo — bom, pelo menos quando entramos na sala que tinha pouca luminosidade, ele segurou minha mão. Era um labirinto cheio de espelhos e isso me deixava zonza, tinha milhares de eu que nem eu sabia quem eu era de verdade.

Senti a mão de Shawn soltar a minha e fiquei sozinha ali. De repente, as poucas luzes se apagaram e eu confesso, fiquei com muito, muito medo.

Andei um pouco tateando a parede até topar com um peitoral a minha frente. O abracei, ainda bem que o achei. Mas esse perfume... Não me é estranho.

PVOS TAYLOR

— Você é um merda, cadê a sua namoradinha doida ? — Digo ajeitando o pequeno decote no meu vestido.

O garoto de olhos castanhos revira os olhos.

— Eu não sei, eu estava com ela e de repente a parede se virou e eu me soltei dela — Shawn disse.

— Mas...

PVOS BÁRBARA

Senti a mão que estava na minha cintura me puxar pra mais perto, senti a outra mão acariciar meu rosto e a respiração se unir a minha. Quando eu percebi, a língua quente dele dançava com a minha e o gosto doce daquele beijo não me deixava desgrudar os lábios.

Uma voz enjoativa preencheu o lugar.

— Cadê eles ?

E então as luzes se acendem e eu vejo Taylor e Shawn entrarem na parte do labirinto que eu estava.

Olhei pra trás e vi Justin.

Segurei meu grito quando o vi sair com Taylor me deixando sozinha, me ignorando e indo embora como se nada tivesse acontecido.

Bufei de raiva e ia chutar o espelho a minha frente, mas Shawn me abraçou.

— Ei, shiu. — Ele disse  e meu coração foi desacelerando aos poucos. Até que eu me permiti abraçá-lo também.

Continua...







Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...