História Universo conspira contra nós - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Ambre, Armin, Bia, Castiel, Dakota, Debrah, Iris, Kentin, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Professor Faraize, Rosalya, Violette
Tags Amor Doce, Castiel, Laço, Sophia, Universo
Exibições 124
Palavras 1.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


12 favoritos *-* to super feliz, obrigada e acompanhem até o final, tem muita coisa pra rolar.

Ps: eu já tinha postado o cap. mas como foi pelo celular não ficou como eu queria, então dei um jeito de ir pro pc e aqui está, espero que gostem.

boa leitura ^^

Capítulo 5 - Compartilhando Segredos


Fanfic / Fanfiction Universo conspira contra nós - Capítulo 5 - Compartilhando Segredos

Os minutos que ele passava lá em cima pareciam horas, quanto tempo alguém demora para encontrar uma caixa de primeiro socorros normalmente, e afinal, por que fiquei esperando? 

Cansei de espera e subi para meu quanto vagarosamente, para não fazer barulho, empurrei devagar a porta e vi Castiel com meu caderno de desenhos em mãos tão concentrado que não notou quando eu entrei, andei em sua direção da mesma forma que subi até o quarto, cheguei até suas costas e tente olhar por cima de seu ombro, falhando já que ele era bem mais alto que eu, resolvi fala.

 

- o que está olhando ai? - disse. Realmente estava concentrado no desenho, pois, parecia ter se assustado quando falei. Se virou segurando com as duas mãos meu caderno na frente do peito mostrando para mim um dos antigos desenhos - de tantos você foi ver logo esse? E você não disse que ia me ajudar? o que está fazendo olhando meus desenhos?

- quando fez isso? - falou se referindo ao desenho. 

 

No desenho eu estava com a cabeça apoiada nos joelhos e as mãos segurando uma na outra na canela, enquanto Castiel abraçava Debrah pela cintura de lado, e ela apoiava as duas mãos no ombro de Castiel, cada um apoiava um dos pés nos meus ombros (ela o direito e ele o esquerdo), despojavam de um sorriso de sarcasmos e um olhar de superioridade com as suas roupas tipicas. Lembrava de que enquanto desenhava ainda sentia dores em sua mão, nas pernas e no estomago, tinham feito um estrago nos meus materiais, não era como se eu tivesse totalmente desacostumada, apenas mais dolorido do que já era.

 

- por que estava mexendo nas minhas coisas? devolve - tentei pega mas ele levantou o braço com o caderno, tinha que se aproveitar de que eu era baixinha.

- Não enquanto não falar, quando fez isso e porquê - falou muito serio, chegava a ser engraçando o modo como isso o afetava, parecia ofendido.

- Uma semana depois que cheguei e pra aliviar a raiva, agora me devolve.

- raiva de que? - disse serrando os olhos.

- ta de brincadeira, né? - disse tentando ver pela brincadeira, mas ele realmente estava serio com isso, suspirei e disse - te conto com 3 condições: um não fala pra ninguém, dois ajudar de verdade com os machucados, três devolve meu caderno - disse a ultima frase quase como uma ordem e ele obedeceu.

 

Depois de devolver o caderno fomos pro banheiro que por um momento pareceu pequeno para nós, colocou tudo da forma que eu falava e vez sozinho - e por vontade própria - uma em cada mão já que tinham machucado bastante também. Voltamos para o quarto em silencio sentando no chão e ligando um ventilador no médio. 

Ficamos em silencio durante certo período, parecia que não sabíamos falar. Eu no momento me encontrava um pouco envergonhada, pretendia falar do que passava na minha mente, e nem sabia o que se passava agora. Como ninguém falava resolvi quebra o gelo falando.

 

- Quando vim pra esse lugar...  achei que seria diferente de onde tinha vindo, melhor talvez, mas a unica diferença é ser independente - falei calmamente cabisbaixa, não gostava de lembrar do passado.

- de onde você veio? - disse abaixando a cabeça, talvez tentando me encarar.

- achei que soubessem já que me perturbam tanto com isso - falei o encarando.

-  Chamam você de órfã porque sua assinatura está em todos os documentos - disse dando de ombros, aceitei em acreditar que tinham olhado meus documentos, com a ajuda de Melody não era tão difícil assim.

- Entendo... melhor assim do que todos falarem do orfanato - falei meio sem pensa, perdida em tantas lembranças que surgiam a cada segundo, quando notei o que disse me arrependi, agora tinha certeza.

- não deveria sair de lá só depois dos 18? - disse de imediato, não parecia surpreso, talvez desconfiasse.

- não acha que está se metendo de mais? - disse um pouco irritada, vivia me incomodando e agora queria saber da minha vida, só pra ter mais motivos para me atormenta, desnecessário.

- apenas te conhecendo melhor - falou sorrindo.

-  pra que? - ele riu da minha reação em seguida se levantou e sentou de novo na minha frente, pegou minha mão e a segurou firmemente sem chances para me soltar, encarando-me serenamente, não sei porque mas não sentia o desconforto de sempre, sentia quase um conforto, não entendia o motivo - o que está fazendo?

-Sophia... sei que não acredita em mim, sei que vai estranhar, mas eu quero me aproxima de você de verdade, sem más intenções... ser seu amigo, sabe? - o encarei incredo-la, ouvir falar aquilo era mais inesperado do que qualquer coisa que já imaginei, sentia uma queimação, a mesma de quando me beijou, agora não tinha mais certeza se era realmente ódio que sentia naquele momento -  é difícil de acreditar, nem eu acredito que falei isso, mas to falando sério.

- porque eu deveria acreditar em você? Pode muito bem está armando alguma coisa contra mim, acha mesmo que depois do que fizeram iria confiar em você? - falei um pouco nervosa, a situação era mais estranha do que antes, o pior era que não queria solta-lo.

- Tudo bem, não precisa me contar, mas vamos ser amigos, amigos em segredo - sua voz era serena, ao mesmo tempo que não queria confiar achei que deveria, pelo menos um pouquinho.

- um vacilo, por minusculo que seja, você não ouve nem o som da minha voz, estamos entendidos? - por um momento notei um sorriso em seu rosto, antes de me abraçar, foi estranho ver aquela reação, só retribui e o soltei mais rápido possível, mesmo que fosse apenas um "tratado de paz" não acho que deveria me aproximar muito - e melhor você ir embora, não quero ver sua namorada pela terceira vez só hoje.

- tudo... bem, então até segunda - disse se levantando, fiz o mesmo.

- te acompanho até a porta. - fomos em total silencio na direção da saída, apenas acenei quando ele saiu pelo portão.

 

antes de entrar novamente fui pro quintal, Light estava dentro de sua casinha, coloquei sua água e ração, em seguida me ajoelhei para acaricia-la.

 

- olha o que passei por ti, e você só dorme - falei num tom brincalhão, não era totalmente verdade, era culpa de Castiel também - por que será que desconfio que vai ficar tudo pior que antes? - disse para mim mesma.

 

levantei e entrei na casa, peguei uns salgados, fui direto para sala me aconchegando na mesma. Passei o resto da noite assistindo desenhos e filmes aleatoriamente, as vezes fitava o tratamento que ele tinha feito, lembrando de fragmentos do londo dia...

 

continua?


Notas Finais


É isso por hoje, desculpem a demora tava meio ocupada, amanhã será melhor, prometo.

Então o que acharam? aceito críticas (construtivas)

Beijos de chocolate :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...