História Unlimited Love II - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P
Personagens Bang Yongguk, Daehyun, Himchan, Jongup, Personagens Originais, Youngjae, Zelo
Visualizações 8
Palavras 2.621
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


"Será que o destino existe? Ou realmente podemos mudar o ciclo da vida?.
Eu acredito na determinação e que com ela, tudo podemos fazer.
Basta você querer e o destino pode ser mudado e eventualmente o ciclo alterado."
By Elize.

Capítulo 8 - Todos os nossos caminhos nos trouxeram até a esse momento.


Fanfic / Fanfiction Unlimited Love II - Capítulo 8 - Todos os nossos caminhos nos trouxeram até a esse momento.

E o Young Jae me ligaria a cada minuto se pudesse.

“O que meu bebê está pensando?” – diz Jae me abraçando por trás.

Nas coisas boas que ganhei na vida. Você por exemplo. – digo a Jae enquanto continuamos a admirar a beleza da cidade.

 “Encontrar você fez minha vida ser completa. Eu ganhei muitas coisas boas da vida e você veio para completar tudo em mim.” – diz Jae.

Eu o abraço e beijo seus lábios. Nos sentamos em um banco que há na varanda. Jae deita minha cabeça em seu ombro.

Amanhã você vai fazer a transferência da casa para os novos donos? – Jae pergunta.

Sim. Temos que ir ao cartório. – digo a Jae.

“Você se importa de ir sozinha. Me sinto muito cansado e minha pele está ardendo bastante.”- diz Jae.

Ô tadinho do meu neném. Eu disse pra você que o sol daqui era diferente. É claro que eu não me importo de ir sozinha. Vai ser rápido. Você descansa enquanto vou lá. – digo a Jae.

“Hum... por que vocês decidiram vender a casa de seus pais?”- Jae pergunta.

 Liz e eu conversamos e chegamos a conclusão de que era o que nossos pais achariam melhor. Papai sempre nos dizia que nada era mais importante do que estar ao lado da pessoa que se ama. Não importa o lugar, e sim quem esta com você. – digo a Jae.

“Você morava lá sozinha quando a nuna Liz viajou para França?” – Jae pergunta.

Morei alguns meses. Perdi a conta de quantas vezes cheguei em casa e aquele silencio me sufocava tanto que eu chorava até dormir. – digo a Jae.

 “Queria ter estado lá pra te abraçar. Te por no colo. Te amar.” – diz Jae.

“Você chegou no momento certo Jae. Quando eu penso que quase me suicidei fico com o coração pesado. Eu não teria te conhecido e a Liz seria tão infeliz depois disso.” –digo a Jae sem conter minhas lágrimas.

 “Eu nunca seria completo. Sempre estaria faltando algo e eu não saberia o quê.” – diz Jae.

Como foi que você se apaixonou por mim? – pergunto a Jae.

Quando eu vi você pela primeira vez, eu senti a mesma emoção que eu senti quando eu cantei pela primeira vez em um palco. Me senti completo, como se tudo que faltava tivesse sido preenchido. Eu não acreditava em amor a primeira vista. Agora eu sei que você é como minha música preferida. Está gravada na minha alma pra sempre.” – diz Jae.

 Você realmente ama cantar. Foi difícil? O caminho para chegar onde estão hoje? – pergunto.

“Uns dias foram melhores que outros. Quando eu era treinee na JYP foi muito difícil. Eu não tinha muitos amigos lá. Só o JB nós treinávamos muito e depois que sai de lá, fiquei muito triste por não debutar com ele. Eu era muito jovem na época e não agüentei a pressão. Quando eu cheguei na TS e conheci o hyung Youngguk achei ele assustador, mas depois me acostumei com os hyungs. Depois veio a pressão de ser líder vocal. Não me sentia capaz pra isso. Tinha medo de estragar tudo para nós. Foi o quando o hyung Daehyun chegou. Ele é tão bom e também me ajudou muito e a pressão ficou mais leve.” – diz Jae.

“Você e o Dae são muito próximos. É igual minha relação com a Liz.” –digo a Jae.

 “Ye, eu amo aquele hyung idiota. As Babys nos chamam DaeJae, essas coisas de ship sabe. Eu não ligo, acho legal e engraçado.” – diz Jae sorrindo.

Eu sei, eu já li algumas fanfics DaeJae. As babys são criatiiiiiiiivas. – digo rindo.

“Yaaaaa, não lê essas coisas. Dessa criatividade eu não gosto.” – diz Jae.

 “Eu fico feliz por você ter os meninos. Eu admiro a amizade de vocês. Me emociona o Bang dizer que vocês estão em primeiro lugar pra ele. O Himcham é sempre tão atencioso. O Jongup que é daquele jeito meio lento mas sempre preocupado com todos. O Zelo que mesmo sendo maknae é responsável. Vocês são uma inspiração para as fãs e para o mundo. – digo a Jae.

“Nossa, você é muito Baby.” – diz Jae me virando para olhar para ele.

 É claro que eu sou Baby, é o melhor fandon de todos. – digo a Jae sorrindo.

Ficamos namorando um bom tempo na varanda antes de irmos para a cama. Jae dormiu antes de mim, ele ainda estava com a pele muito ardida do sol. Por algum motivo eu não conseguia dormir e resolvi ligar para Liz.


Ligacao on

L - Yebosseyo .

S- Oi unnie. Tudo bem por aí?

L – Sim está. Por quê não estaria? – diz Liz. Conheço Liz o suficiente para saber que algo estava acontecendo.

S – Aconteceu alguma coisa e você não quer me contar. Fala logo Liz.

L – Não aconteceu nada. Curte suas férias mana. Quando vocês chegarem nós conversamos.

S –Aaaiish, eu odeio quando você faz isso.

L – Nossa que lindo você xingando em coreano. – Liz ri.

S – Não muda de assunto. Anda me fala logo.

L – Mana, relaxa. Olha eu vou ter que desligar por que preciso fazer umas coisas na galeria. Falo com você mais tarde tchau. – Liz desliga.

Ligação  off. 

Enquanto xingo Liz na minha mente começo a pensar em um monte de coisas que podem estar acontecendo. Penso em acessar a internet e ver algum site de fofoca coreano mas não o faço. Na verdade tenho medo de ver algo. Resolvo afastar esses pensamentos. O dia amanhece e eu mal consegui dormir mas não digo nada a Jae. Quando eu saio para ir ao cartório ele já esta acordado. Ele reclama da pele ardida e eu fico com uma dó de deixa-lo sozinho. Ainda assim saio. Espero a compradora da casa por um bom tempo. Ela demora a chegar e eu me preocupo por Jae estar sozinho. Depois que finalmente resolvo a venda da casa e estou indo para o hotel, Vanessa me liga.

Ligação  on

S- alô

V- oi né amiga. Você vem pro Brasil e não se digna a dar um tempo de atenção pras abiguinhas.

S- Desculpa Van. Eu devia ter marcado algo para nós mesmo.

V-não seja por isso, vamos nos encontrar agora.

S- Poxa mana, agora não dá. Tenho que cuidar do Jae.

V- “cuidar do Jae?” Quantos anos ele tem? Cinco?

S- Sete na verdade. Meu bebê está meio dodoi –digo rindo.

V- Há deixa de graça Shy.... vamos nos encontrar sim. Seu bebê de sete anos não vai morrer se ficar sem você por umas horas a mais. Liga pra ele e avisa que você vai se encontrar comigo e pronto. Poder das mulheres não deixa ele ser tão grudento.

S- Mas eu gosto de grude. Está bem sua chata. Vou ligar pra ele e te encontro lá naquele restaurante que eu cantei umas vezes.

V- ok . Não me dá bolo hein, se não eu dou na sua cara. Até mais.


Ligação  off. 

Desligo e ligo para Jae.

Ligação on

J- hum.

S- Você estava dormindo?

J- hum.

S- oppa você esta bem?

J- hum

S- Young Jae dá pra responder com mais que um “hum”. Você está bem?

J- Eu estou bem sim. Só estou com sono e estava dormindo. Você já vem?

S- Então, agora não. A Vanessa me ligou e pediu pra que nos encontrássemos. Como eu só vi ela no dia que chegamos, aceitei. Tudo bem ficar sozinho por mais um tempo?

J- Tudo bem bebê. Tão fofa se preocupando com seu oppa. Oppa está bem. Vou dormir mais um pouco. Tenha um bom momento com sua amiga.

S- Tudo bem. Qualquer coisa me liga. Beijo.


Ligação off

Desligo e fico pensando sobre ele ter aceitado tão fácil eu ficar longe o dia todo. Talvez ele não seja tão grudento quanto eu pensava. Sorrio com esse pensamento bobo. No caminho para o restaurante pego um transito e demoro a chegar. Vanessa me liga me ameaçando de morte. Quando eu finalmente chego, ela está me esperando na entrada. Entramos e conversamos sobre várias coisas mas principalmente sobre o B.A.P. Aparentemente Vanessa pesquisou bastante sobre eles e virou baby. Passamos um bom tempo juntas conversando e prometo a ela que quando ela visitar a Coréia terá passe livre para os shows do B.A.P. As horas passam voando e resolvo me despedir dela e voltar para o hotel. Já deixei Jae muito tempo sozinho. Não vejo a hora de chegar no hotel e poder beijá-lo. No caminho passo em uma farmácia e compro algo para refrescar a pele de Jae. Quando chego ao hotel e entro esta tudo escuro. Ligo as luzes da sala e nas paredes tem um caminho de fotos, de um lado da parede tem fotos minhas desde quando eu era bebê. E no outro lado da parede tem fotos do Jae desde quando era bebê. São muitas fotos. Fotos minha com meus pais e a Liz me emocionam. Fotos do Jae com os pais e o irmão. Fotos minhas na escola quando era adolescente. Fotos do Jae quando era treinee. Fotos de minhas amigas e na faculdade. Fotos do Jae no debut e em comebacks. Conforme vou andando o caminho de fotos me leva pelo corredor até o quarto. Quando abro a porta do quarto há mais fotos algumas penduradas de mim e do Jae quando nos conhecemos. Outras mais recentes. Fico impressionada com a quantidade de fotos que ele tirou de mim sem que eu percebesse. Quando olho para a cama há uma foto e um bilhete. Na foto Jae eu estamos felizes cantando em um karaokê no dia que recebi alta do psiquiatra para ficar só indo ao psicólogo. No bilhete estava escrito “Todos os nossos caminhos nos trouxeram até a esse momento”. A música que eu considero nossa começa a tocar na sala. Ao som de with you eu vou para sala. Jae está em pé olhando para mim.

“Gostou da surpresa?”- Jae pergunta.

Eu amei, eu .. como você fez isso tudo? Essas fotos de quando eu era criança. Fotos dos meus pais. Tem fotos de quando eu comecei a cantar na escola. Momentos maravilhosos. Como? – pergunto a Jae.

 “A nuna Liz me ajudou. Eu mesmo escolhi as fotos. Eu sempre tirava fotos de você, de nós por que eu já tinha essa idéia. Eu quero que você olhe pro passado apenas para lembrar dos momentos bons. Eu amo a mulher que você é. Seu passado construiu quem você é, e me trouxe você. – diz Jae.

 Eu...eu.. não sei o que dizer. Eu estou emocionada. – digo a Jae. Ele sempre me deixa sem palavras.

Ver todas aquelas fotos me deixou feliz. Jae fez eu me lembrar de todas as coisas boas da minha vida. E de que apesar de tudo nossas histórias se cruzaram.

“Eu tenho um presente para você.” – diz Jae tirando um colar do bolso.

O colar é prateado, com um pingente em forma de sol. O sol tinha pequenas pedrinhas amarelas. Fico pensando que esse colar representa o Jae. Ele brilha em mim e me aquece. Jae coloca o colar no meu pescoço e me beija. Um arrepio passa pela minha pele só com esse beijo. Viro para olha- lo nos olhos. Jae beija meus olhos, meu nariz e minha boca. O sabor de sua boca é incomparável. 

Estou tão apaixonada por ele que nem consigo explicar. Ele me levanta e eu entrelaço minhas pernas em sua cintura. Ele aperta meu bumbum com as mãos. Nossos beijos começam a ficar mais intensos. Jae me carrega para a mesa de jantar. Eu sinceramente nem ligo pra onde ele vai me comer. Ele me põe sentada e começa a chupar meu pescoço e colo. Eu desabotôo sua camisa e jogo em algum lugar. Jae tira meu vestido e me deita na mesa. Minha pele arrepia mais ainda com o frio da mesa. Jae beija e chupa meu seio, fazendo meu sexo pulsar. Ele me dá pequenas mordidas na barriga e vai descendo. Pega no cós da minha calcinha e rasga. Sei que ele está sedento pela forma que ele me chupa. Jae mete a língua em mim tão fundo que eu mal consigo manter meus pensamentos. Ele me chupa ao mesmo tempo que mete o dedo em mim. Sempre fazemos amor mas hoje ele está mais agressivo me castigando com seus chupões e mordidas. Quando estou prestes a gozar ele para de me chupar e me olha com uma cara tão sexy que me faz enlouquecer e puxá-lo para mim com as pernas. Abro o zíper de sua bermuda e o ajudo a tirar junto com a Box. Seu pênis está ereto e pulsante. A cabeça do pênis brilha com o pré-gozo e minha boca enche de água de tanta vontade que tenho de chupá-lo. Desço da mesa e me abaixo para chupá-lo. Ponho seu pênis e engulo tanto quanto posso. Jae está muito excitado e empurra forte seu pênis na minha boca me fazendo engasgar. Passo a língua na glande e mordo um pouco forte fazendo Jae gemer alto. Eu me levanto e me curvo sobre a mesa de costas para Jae. Viro o rosto para olhar para ele.

 Faz forte. – digo a Jae.

Jae se curva sobre mim e segura meus cabelos com as mãos. Sinto seu pênis roçando em meu bumbum me melando de pré-gozo. Ele me morde nos ombros e costas. Sinto sua respiração quente na minha pele suada.

“Vou entrar em você bebê.” – diz Jae sussurrando.

Mal ele fala sinto seu pênis me invadindo. Ele entra em mim devagar mas com estocadas fortes. Jae se curva sobre mim e me segura pela cintura e continua se empurrando em mim. Suas estocadas são tão fortes que sinto arder.

“Saran`ah.. saran`ah... hum hum.” – diz Jae gemendo.

Quanto mais ele se movimenta mais eu sinto esse ardor gostoso. Ele aumenta as estocadas me apertando. E eu começo a rebolar pra que ele sinta mais prazer. A pressão aumenta e eu explodo em um orgasmo tão gostoso que sinto ele por um tempo mais longo que o normal. Jae continua suas estocadas até que goza forte. Eu sinto seu semém quente dentro de mim. Ele se joga sobre mim quase me esmagando.

“Jagiya, eu vou morrer desse jeito. Você é tão gostosa.” – diz Jae completamente exausto.

 Quem vai morrer sou eu com todo esse peso em cima de mim. – digo a Jae sorrindo.

“Miane bebê.” –diz Jae saindo de mim e me ajudando a ficar em pé.

Quando fico de pé o semém escorre por minhas pernas. Jae vê e fica preocupado.

 “Jagiya,nós não usamos camisinha.” – ele diz.

Relaxa, eu estou usando anticoncepcional. Se eu dependesse de você lembrar de usar camisinha certamente já estaria grávida de gêmeos. – digo sorrindo e beijo seu nariz.

“Que bom, eu odeio camisinha. Isso é a ultima coisa que eu penso quando estou dentro de você.” – diz Jae me abraçando.

Vamos para o banheiro. Quando olho no espelho meu corpo nu, vejo várias marcas de chupões.

Nossa, um vampiro fez amor comigo.” – digo rindo.

 “Yaegiya, mian. Eu te machuquei?” – diz Jae olhando todo meu corpo.

 Any, estou bem. Estou ótima. Foi gostoso. – digo enquanto beijo sua mão. Nos beijamos.

Tomamos banho juntos na banheira e depois vamos para o quarto. Ajudo Jae a tirar as fotos e guardar. Eu adorei a surpresa e vou fazer um mural com algumas das fotos. Conversamos e namoramos mais um pouco. Aos poucos Jae começa a cochilar com os cafunés que faço em sua cabeça. Ele dorme e fico olhando para ele até dormir também. nossos últimos dias de férias acabam e temos que voltar para a Coréia. Depois de mais trinta horas de viagem de volta tudo que queríamos era descansar. No entanto não estávamos preparados para o que nos esperava no aeroporto de Seoul.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...