História (Un)Lucky Girl - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Red Velvet
Personagens Irene, Jennie, Joy, Jungkook, Lisa, Personagens Originais, Seulgi, Wendy, Yeri
Tags Amizade, Bangtan Boys, Black Pink, Bts, Bullying, Família, Irene, Jennie, Joy, Lisa, Red Velvet, Romance, Seulgi, Wendy, Yeri
Exibições 76
Palavras 5.989
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Aha! Cheguei no dia certo <3
Espero que gostem, mamãe ama vocês!!!

Obrigada pelos fav e pelos comentários!

Capítulo 4 - Holy Trinity


Fanfic / Fanfiction (Un)Lucky Girl - Capítulo 4 - Holy Trinity

 Não passava das oito horas da manhã quando Yeri começou a se incomodar com o barulho no andar de baixo, vozes falando alto, riso e passos pesados para todo o lado, parecia que uma manada de búfalos raivosos estava passando da sala para a cozinha. Havia ido dormir muito tarde por ficar no celular trocando mensagens, era sábado o dia que poderia ficar até onze horas na cama e não ter ninguém para perturbá-la. Mas estava muito enganada.
 A porta do quarto fora aberta com rapidez, a garota de cabelos castanhos claros entrou no local batendo palma e gritando, puxou as cortinas para deixar a luz da manhã entrar, apagou aquele abajur e dirigiu-se a cama onde Yerim dormia, ou tentava.

- ACORDA PRA CUSPIR PARK YE RIM!

 Seu corpo fora pressionado contra o colchão diversas vezes enquanto a outra continuava a falar alto, seus lençóis foram tirados e seus pés puxados para fora da cama.

 - Vamos nessa menina! Wendy não tem o dia todo não! – Disse ainda tentando puxar a menina da cama.

- AI PELO AMOR DE DEUS! – Yeri finalmente reclamou, balançou as pernas para se livrar das mãos de Wendy. – O que aconteceu?

- Bom dia! – Seulgi falou encostada na batente da porta. – Hoje é sábado, dia de sair e se divertir.

- Estou de ressaca ainda, mas isso não me impede de ser feliz, levanta Yeri a gente tem que ir ao parque!

- Deus tenha piedade de mim...

 A menina resmungou ao finalmente sair da cama. Queria entender como as pessoas podiam ser tão felizes pela manhã, ninguém acorda com aquele gás todo. Ela trocou de roupa, caminhou até o banheiro ainda se sentindo um zumbi, lavou o rosto e se recusou a pentear os cabelos sua coordenação motora ainda não tinha acordado. Desceu as escadas praticamente se arrastado, a voz de Wendy podia ser ouvida até da esquina de tão alta, entrou na cozinha vendo Irene sentada com a xícara de café e Seulgi e Wendy brigando por alguma coisa.

- Seulgi! Me da esse celular! – Wendy gritou para a outra que havia saído correndo da cozinha.

- Bom Dia Yeri! – Irene a cumprimentou com um sorriso, colocou uma pequena tigela lilás sobre a mesa e depois um caixa de cereais. – Comprei pra você.

- Bom dia, obrigada, eu amo essas coisinhas coloridas! – Disse animada despejando aquelas bolinhas na tigela. – Porque elas estão assim tão cedo?

- Wendy não dormiu ainda, está à base de energético e café. – Voltou a tomar o café coçando os olhos levemente. – E a Seulgi, bem, ela foi buscar a doida da Wendy que estava bêbada no centro.

-Credo...

 Todo mundo ali tinha seus próprios problemas, Wendy não conseguia afogar as magoas apenas em sorvetes e filmes tristes, ela tinha que beber até não saber mais falar o coreano. Sempre metida com homens errados, acabava sozinha toda vez. Yeri não gostava de julgá-la, mas será que depois de tantos erros ela não aprendera a não se relacionar com certo tipo de homens? Era uma pessoa tão alegre, beber daquela maneira só acabaria com sua saúde. Seulgi era sua melhor amiga e por isso estava sempre à disposição. Talvez, de todas elas, Seulgi era a que menos reclamava da vida, apenas das dores nas costas que tinha quando trabalhava demais na creche.
 Irene comia outro pedaço daquele pão enquanto observava Wendy voltar da sala bufando, ela se jogou na cadeira massageando as pálpebras que pareciam pular, se amaldiçoava por ter bebido tanto no dia anterior, bufou mais uma vez reparando que Juhyun ainda a olhava.

- Conheço esse olhar, não vou contar o que aconteceu!- Falou de repente chamando a atenção de Yeri que até então estava enchendo pela segunda vez a tigela.

- Não precisa, é sempre a mesma coisa. – Deu de ombros levantando-se para deixar as coisas na pia. – Você ainda não aprendeu a deixar os homens casados de lado, sem contar os marginais que também insiste em sair. – A outra se manteve em silencio balançando a cabeça. – Se você não aprende por bem, a vida te ensinara por mal!

- Não vou discutir isso com você.

Yeri tomou o resto do leite que ainda estava no recipiente apenas escutando a conversa, Irene estava séria, se incomodava com o fato de Wendy sempre acabar bêbada e sozinha na rua, até hoje nada havia acontecido, mas não queria dar sorte ao azar. Se preocupava com todas elas. A mais nova pegou o resto da louça que estava na mesa levando para pia, começou a lavá-los para tentar evitar qualquer tipo de intromissão, aquele tipo de assunto era complicado e também não tinha nenhum tipo experiência no assunto que pudesse ajudar Wendy.

- Claro, continue assim, guardado tudo para si e descontando no álcool. – Seu tom saiu rígido, porem irônico ao mesmo tempo. - Vai chegar um dia que não agüentará em pé, Seulgi não ira te buscar aonde quer que esteja, e todos os homens que você se envolveu continuaram a viver sem se lembrar da sua existência.

 Agora aquilo tinha sido um choque de realidade, a outra secou as mãos no pano de prato rapidamente, queria sair dali o mais rápido possível, mas antes que conseguisse sair da cozinha sentiu a touca de sua blusa ser puxada e impedindo de andar.

- Isso serve pra você e seus futuros relacionamentos. – A menina comprimiu os lábios e acenou com a cabeça. – Agora vá chamar a Seulgi, vou ligar o carro para irmos ao parque.

 Irene saiu sem olhar para trás deixando as duas ali, Wendy mantinha a cabeça baixa, enxugou as lagrimas que escorreram pelas bochechas de maneira silenciosa, Yeri pensou em dizer algo, mas ela acabou levantando saindo dali também, a menina suspirou já imaginando que o dia teria aquele clima incomodo, onde ninguém olha para ninguém ou diz algo para amenizar os nervos, Seulgi acariciou suas costas com gentileza enquanto entravam no carro como se dissesse que tudo acabaria bem. O caminho foi silencioso, bem, apenas o radio tocava e nenhuma delas trocava uma palavra, Seulgi Cantava, Wendy não tirava os olhos no celular e Irene dirigia ainda parecendo um pouco irritada, Yeri deixava as digitais no vidro enquanto contava quantos carros vermelhos conseguia achar, quando chegou ao trigésimo quinto elas já haviam parado de andar deixando a menina irritada por perder um dos carros que tinha virado a esquina.  Saíram do veículo, Juhyun foi até o porta-malas pegar uma mochila amarela que geralmente levava para a praia, continha uma bola de vôlei e esteiras para que pudessem deitar na areia, no caso, grama.
 Apesar do vento que estava frio, o dia se mantinha agradável, o sol não havia desaparecido nas nuvens, então poderiam aproveitar de seu calor. Irene as deixou ali para poder comprar algumas bebidas do outro lado do parque, estava ocorrendo uma pequena guerra entre as três garotas no jogo de vôlei, aquela que deixasse cair à bola teria que pagar uma conseqüência que ainda não tinha sido escolhida, mas conhecendo as duas amigas, Yeri não queria mesmo deixar que aquela bola encostasse na grama. Corriam de um lado para o outro se jogando no chão quando quase não conseguiam alcançar a bola, Seulgi já não sentia os joelhos e Wendy já tinha metade dos antebraços vermelhos, aquilo mais parecia um jogo pela vida.

- Pelo amor de cristo, alguém... – Seulgi correu atrás da bola que Yeri acabara de cortar. – Perde essa maldita bola!

- Só por cima do meu cadáver! – A bola bateu de maneira errada nos dedos de Wendy fazendo a força ser menor. – Ai cacete... Doeu!  

 Yeri acabou chutando a bola que foi para nos galhos de uma arvore, pode ouvir os gritos de alivio das outras que se jogaram no chão.

- Ela não caiu. – Yeri disse. – Então eu não pago conseqüência nenhuma. – Correu até a árvore analisando uma boa maneira de escalá-la.

- Ah nem começa! – Reclamou Wendy se sentando.

- Olha, infelizmente ela tem razão Wendy.  – Se levantou caminhando até a árvore onde Yeri subia de maneira habilidosa.  – Só cuidado ai em cima Yerim, por favor!

 - Cara, não, isso é muito errado! – Reclamou se levantando também.  

 Yeri apenas conseguia rir da situação das duas, encontrou a bola presa um pouco acima de sua cabeça teve que ficar na ponta dos pés para alcança – lá, escorregou rapidamente na ponta daquele galho, mas conseguira se segurar ao tronco da árvore, pode ver a bola soltar-se sozinha e quicar até cair no chão, ela fechou os olhos ouvindo os gritos de alegria vindo debaixo de si, respirou fundo amaldiçoou todos os santos que conhecia e então começou a descer daquela árvore, levou um susto ao ouvir seu nome ser gritado e acabou chegando mais rápido a grama, não se machucou, mas tinha certeza que sua comissão traseira teria dores no dia seguinte. Irene entregou mais algumas coisas que carregava para o rapaz que caminhava ao lado dela e correu em direção da outra que se levantava limpando a calça.

- Você enlouqueceu!? – Quase gritou a frase analisando o corpo da menina. – O que estava fazendo lá em cima?

- Só fui pegar a bola, não aconteceu nada. – Levantou os braços e deu uma volta. – Viu, estou bem!

- É mãe, ela está bem.

O rapaz que estava com ela um pouco antes se aproximou acenando com dificuldade para as meninas, Seulgi o ajudou pegando alguma das latas entregou as sacolas para Wendy que sorria de maneira estranha para Irene que desviou o olhar rapidamente.

- Não começa Taehyung. – Juhyun disse o empurrando. – É perigoso ficar subindo em árvores.

- Posso saber que milagre você aparece sozinho, sem a gangue?

 Wendy brincou com rapaz que riu. Taehyun era amigo de escola de Wendy, vivia com o grupo de amigos, gostava de dizer que eram criados em um circo de tanto barulho e palhaçadas que aqueles garotos faziam juntos.

- É ai que se engana, eles estão do outro lado, na pista de skate.

- Seulgi... – Yeri chamou pela outra com o tom baixo. – Quem é ele?

- Não conhece o Taehyung? Ele estudou comigo e a Wendy na época da escola, ele é mais amigo dela do que meu, mas é super divertido. – Disse lhe entregando uma lata de refrigerante. – Acho que você não o conhece porque não pode ir à festa do Hoseok...

-Foi naquela balada? – Ela apenas maneou a cabeça de maneira positiva. – É minha mãe disse que ia ser muito tarde.

 Disse que não havia perdido nada alem de ver a Wendy vomitar algo parecido como um arco-íris e Irene dançando em cima de uma mesa. O que? Yeri queria mesmo ter visto aquilo. Não gostava de ser menor de idade, ela perdia os melhores roles, aquelas três juntas eram uma bagunça total, e ela gostava daquilo, era muito confortável ficar onde todos gostam de você e não ligam muito para o que os outros pensam. Elas haviam voltado para aquele jogo suicida de vôlei onde Yeri praticamente suplicou uma segunda chance, não queria pagar nenhuma conseqüência, elas não sabiam brincam quando se tratava de escolher uma penitencia, era jovem demais para ser presa por atentado ao pudor. Até mesmo Taehyung havia entrado no jogo, tinha perguntado se seus amigos podiam se juntar a elas, o desafio seria mais divertido e a conseqüência, com certeza dez vezes pior, Irene ficava repetindo para que Yeri colocasse a blusa de volta, não importava o calor, o vento estava frio e poderia ficar doente. Taehyung jogava provocando-a, mandava para de ser a “tia” da festa, era divertido ver alguém tira - lá do sério daquela maneira. Yeri pegava a bola mais uma vez com um chute, mas sem lança - lá para muito longe, Seulgi pegou o saque de Taehyung com o antebraço que ficou vermelho no mesmo instante, reclamou baixo e continuou a correr atrás da bola, aquilo começou a ficar realmente sério, pode se ouvir gritos vindos de longe, mas eles não tiraram os olhos da bola nem mesmo para responder daqueles que os chamavam. Yeri e Wendy se chocaram ao não prestarem atenção, mas pelo menos a bola não havia caído.

- AE GALERINHA DO MAL! TAMO CHEGANDO! – Gritou um rapaz que corria na direção do grupo que jogava vôlei. – HOSEOK TA NA AREA! Quero jogar!

- Quem deixar cair sofre conseqüência! – TaeHyung riu lançando a bola para o amigo. – Agora isso vai ser tipo batata-quente!

- Eu ouvi conseqüência?  Ah mais eu quero muito ver essa Wendy se fudendo!

- Ah não, quem convidou o Yoongi?  - Wendy reclamou ajoelhada no chão após receber a bola.

 Agora, Yeri estava realmente preocupada, de onde chegou tanta gente? Aqueles moleques tinham a boca mais suja do que à Wendy, e olha que ela achava isso impossível.  Além de o jogo ficar mais rápido a cada instante.

- Oi Juhyun! – Jin e Jimin a cumprimentaram sentando ao seu lado.

- Olá rapazes! – Sorriu

- Vovó!

- E se fuder, já foi hoje Namjoon? – Ela disse revirando os olhos. – Não sei por que ainda respeito vocês...

- Ainda não tive essa oportunidade, mas se for um convite eu logo aceito. – O outro riu recebendo o dedo do meio da outra, ele acenou para alguém que estava um pouco distante dali e gritou. – Vamo moleque! Nessa idade já ta morrendo?

 Irene tomou outro gole do refrigerante, olhando na direção que Namjoon acenava, demorou um pouco mais reconheceu o rapaz que vinha lentamente com uma mochila nas costas, ela quis rir, mas não sabia o porquê, talvez pelo mundo ser tão pequeno e praticamente aquela turma inteira se conhecer. Continuou em silencio quando o outro chegou a cumprimentado respeitosamente - diferentes de alguns ali presentes. – acenou com cabeça brevemente.

- Vocês nem me esperaram, que falta de respeito hyung... – Reclamou o outro fazendo um bico com os lábios.

- Ah para, ninguém mandou trazer trabalho no fim de semana Jungkook. – Deu de ombros assistindo aquele jogo que poderia ser comparado a uma luta de espartanos, mas sem sangue, ou pelo menos não até o seguinte momento. – Eita!

Ele colocou a mão sobre a boca ao ver Yoongi se chocar fortemente contra uma das meninas que estava jogando, ela acabou caindo no caminho de cimento quase sendo atropelada por um ciclista.

- YERI! – Irene levantou tão rápido que deixou aquela lata de refrigerante cair, despejando todo o liquido na grama, ajoelhou-se ao seu lado tomando cuidado ao levantá-la – Meu deus, você está bem?

- Não... – Ela tinha lagrimas escorrendo pelas bochechas, seu braço esquerdo estava todo ralado e sangrando, seu rosto também tinha um corte perto da sobrancelha. – Que droga...

- Calma... Vem, consegue se levantar? – A mulher segurou em sua cintura a ajudando a se erguer.

- Nossa, me desculpa, eu não te vi... – Yoongi, estava realmente preocupado tinha as roupas sujas, mas não tinha muitos ferimentos, ajudou Irene a levar a menina para a grama e a sentá-la. – Serio isso tá feio, me desculpa.

- Não foi culpa sua... eu também não olhei pra frente.

Wendy ajoelhou-se ao lado deles trazendo a blusa de Yeri, a menina agradeceu, sentia o braço inteiro latejar, o rosto formigava e se sentia ridícula por chorar na frente de tanta gente. Era sempre ela que acabava com o clima divertido.  Chamaria aquilo de Karma.

- Ei! – Namjoon chamou atenção deles, Jungkook estava ao lado dele mexendo na mochila. – O Kook sempre tem primeiros socorros na bolsa, ele salva os outros dos tombos de skate.

 Irene limpava seu braço com uma das garrafas d’água, passava a gaze sobre os arranhados em seu braço vendo as expressões de dor que Yeri fazia, pensou em começar a levar aquela menina em uma igreja, estava sempre se machucando, seja por causa da irmã ou até mesmo sozinha.  A menina enxugou as lagrimas com a outra mão, estava chateada por toda aquela situação, disse para os outros que poderiam voltar a jogar que já se sentia melhor, apensar e achar que seu ombro despencaria do próprio corpo a qualquer instante. Ficou ali resmungando baixo enquanto JuHyun terminava de enfaixar seu braço, sairia com Taehyung comprar remédio para evitar uma infecção, depois de limpo aqueles ferimentos não pareciam tão graves, mas não deixavam de doer com intensidade. Jungkook havia ficado para terminar de colocar os curativos em seu rosto, guardou a pequena caixa de volta na bolsa afagou os cabelos da menina rapidamente e sentou ao seu lado.

- Não fique com essa cara, tombos acontecem. – Disse pegando um caderno de desenho da mochila.

- Cai como um pedaço de bosta. – Seu tom saiu sério, mas aquilo fez o outro rir. – Pode rir, a desgraça alheia sempre faz bem...

- Nossa, que drama. – Revirou os olhos ainda com um sorriso nos lábios. – Sabe o que é mais engraçado? – Ela o olhou balançando a cabeça. – O fato de nossos amigos se conhecerem, não é algo incrível?

- É um mundo pequeno.

- É o destino. – Ela voltou a encara-lo levantando uma das sobrancelhas. – Sou o senhor Destino!

- Ele é da DC...

 Jungkook se calou por alguns instantes checando sua memória a procura daquela informação, apontou o lápis que segurava para menina e concordou.

- Errei, Doutor Destino!

- Você é idiota demais.  

 O rapaz fizera uma careta voltando a desenhar, a menina ficou rindo enquanto assistia o massacre, o jogo parecia-se mais com queimada do que vôlei, Wendy e Yoongi se bateram diversas vezes perdendo a bola e o castigo deles piorava da cada rodada. Viu o rapaz correr só de cueca pelo parque o que foi hilário pelo simples fato de que ele ficava gritando de um lado para o outro, Wendy foi praticamente jogada dentro do pequeno lago que tinha ali, levando bronca dos seguranças que faziam sua ronda. A segunda vez tiveram compartilhar o mesmo moletom e ficar uma rodada daquela maneira, o que obviamente os fez perder varias bolas. Irene havia voltado, mas parecia ter uma pequena discussão com Taehyung que ria tanto que lagrimas saiam de seus olhos, ela entregou o remédio para a menina que não estava entendo nada, a mais velha bateu palmas com força dizendo que ninguém sairia vivo daquele jogo.

- Fui capitã do time de vôlei, seus rabos não serão perdoados! – Ela disse apontando para Taehyung. – Três contra três, quem perder vai ter um castigo.

 Yeri tomou o remédio, colocou a blusa vendo que o sol já estava se escondendo nas nuvens acinzentadas e ficou ali apenas assistindo o jogo que agora era mesmo uma partida de vôlei, quando se tratava de competir, Irene não sabia brincar.  Sabia muito bem disso apenas pelas partidas que tinha em sua casa com o jogo de tabuleiro Detetive.

- Sabe do que o Namjoon as chama? – Jungkook falou chamando atenção da outra que o olhou por cima do ombro. – Santa trindade.

 Ela riu

- Por quê?

- Ah, elas sempre estão juntas, não fazem nada separadas. – Parou de desenhar olhando para a partida que já estava perdida, Jin estava até estirado à grama.  – Vocês tem uma amizade bonita, cuidam uma da outra.  Acho que isso é coisa de menina, ser cuidadosa.

- Claro que não. – Respondeu passando a mão levemente sobre o braço que ainda doía um pouco. - Não existe essa se ser homem ou mulher, cada um tem uma maneira diferente de se preocupar com outro.  Veja a Seulgi, ela cuida para que a Wendy não acabe se matando de cirrose ou tristeza.  E a Irene, bom, é a mãe do grupo.

- E você é a mascote?

 Riram juntos, aquilo não deixava de ser verdade era a mais nova de todas ali. Viu as amigas comemorarem com mais uma vitoria, estavam cansadas, mas ao mesmo tempo felizes satisfeitas com o resultado, ouviu Jungkook zombar dos colegas que empurravam uns aos outros por serem tão desorganizados.  Eles se aproximaram sentando-se no chão, continuavam com a discussão sobre como poderiam fazer uma revanche, enquanto Irene e as outras conversavam sobre uma punição apropriada.  

- Não é justo todo mundo ser punido se a competição era entre a Irene e o Tae. – Jimin finalmente conseguiu a atenção de todos que não paravam de falar, alguns concordaram com aquilo, mas logo Seulgi se pronunciou.

- Todo mundo estava jogando, é justo que recebam a punição.  A não ser que alguém tenha um desafio bom o bastante só pra ele.

- Oh que isso? De que lado vocês estão? – O rapaz se dignou com a atitude dos colegas.

- Do lado que a gente não tenha que correr sem roupa no meio do parque lotado! – Respondeu Jin.

 Eles ficaram em silencio por alguns segundos pensando em algo para escaparem de passar ridículo, de repente Yoongi sussurrou algo para Wendy que começou a rir da maneira escandalosa, bateu palmas como se aquilo tivesse sido genial.  Ela se levantou ajeitando a blusa e sorriu de maneira maliciosa.

- Quem concorda que o desafio do TaeHyung é beijar a Irene, assim nenhum de vocês pagam nada! Levantem a mão!

 Irene quase morreu afogada com aquela garrafinha d’ água, quando é que suas amigas tinham virado suas inimigas? Ela encarou as outras que riram com as mãos levantadas, não tinha como contestar o grupo inteiro estava com os braços para cima. Seu rosto ficou vermelho no mesmo instante, aquilo não pode ser real, até Taehyung se sentiu constrangido com a situação, mas não podia negar a pequena alegria e ansiedade que surgia em seu peito. Ele gostava dela, aquilo era obvio entre os amigos.  Yeri mantinha a mão abaixada não sabendo se deveria entrar naquela brincadeira, Irene pareceu realmente incomodada com aquela situação, Wendy e Yoongi tentaram fazer os dois se aproximarem a força, mas Juhyun conseguiu se afastar deles um pouco irritada.

- Vocês querem parar! – Falou um pouco mais alto. – Isso não tem graça, não vou beijar, já tenho namorado!

 Escutou alguém falar um ops e logo tudo ficar em um silêncio incômodo, Taehyung soltou uma risada ser graça disse que ninguém iria agarra - lá a força, era tudo uma brincadeira, mas claramente ficou chateado com aquela informação. Yerim se levantou puxando Jungkook pela touca do moletom.

- A gente está com fome, vamos comer?

O rapaz a encarou e ela simplesmente ignorou. O clima descontraído já tinha acabado Jungkook tinha entendido o que queria fazer então reforçou aquela pequena mentira fazendo alguns dos outros meninos também levantar se perguntando aonde iriam. Yeri entregou aquela bolsa amarela para Irene e caminhou ao seu lado, a mulher sussurrou um agradecimento para a outra que sorriu, Wendy e Seulgi correram para alcançá-las pedindo desculpa para a mais velha, não pretendiam ser tão intrometidas daquela maneira, ela não respondeu apenas balançou a cabeça.
 Caminharam até um restaurante a duas quadras do parque onde Jin dissera que também a salas de karaokê, os rapazes tentavam amenizar o clima tenso que estava entre a turma contando algumas piadas, relembrando de micos que todos eles já passaram quando bêbados.  Hoseok quase foi preso por desacato por ter dançando em cima de uma viatura policial, Namjoon e Taehyung já acordaram em outra cidade sem saber como haviam chegado lá. Era cada historia absurda que ninguém conseguia parar de rir. Jimin já tinha caído de uma ponte enquanto andava com Jungkook, ele perdeu o equilíbrio quando caminhava pela beirada, sua sorte foi cair de apenas um metro dentro d’água.  E não eram só histórias deles, Wendy tinha outras que poderiam virar roteiro de filme de comedia. A melhor que ela havia contado era de quando morava no Canadá, seus amigos estavam tão bêbados que só andavam segurando-se na parede, naquele dia eles haviam comprado diversos fogos de artifício e soltado em um posto de gasolina desativado, mas o estabelecimento acabou explodindo, os bombeiros e a policia foram chamados e mesmo que tivessem tentado fugir eles não conseguiram, estavam bêbados demais, ficou presa durante uma semana intera por perturbar a paz e bem, ter explodido um prédio. Outra foi quando ela e Seulgi acordaram nuas dentro de uma hidromassagem em Busan, tinham indo comemorar uma despedida de solteiro e acabaram muito bêbadas. Irene teve uma das histórias mais perigosas deixando até Yeri surpresa. Depois de terminar a faculdade ela e outros colegas foram comemorar e ela não se lembra como, mas todos acabaram em um bar no interior jogando roleta-russa com a arma do dono do bar. O que!? Ninguém podia acreditar que Bae Ju Hyun já fez loucuras como aquela.
 Eles terminaram de comer depois foram para uma daquelas grandes salas, havia uma mesa de centro com diversas pastas de musica, a televisão estava ligada em uma tela azulada, os microfones espalhados pelos sofás de tecido marrom, os garotos foram correndo cada um pegando um microfone aquilo tudo para quem começaria a cantar primeiro. A senhora que havia os atendido no restaurante pediu gentilmente para que eles não destruíssem nada ou que não derrubassem bebidas nos aparelhos, caso ao contrario eles iram pagar pelo concerto e saiu da sala. Yeri ficou sentada com as pernas cruzas assistindo os colegas cantarem, algumas vezes dançavam outras simplesmente ficavam se vaiando, Seulgi tirava a bebida da mão da amiga toda vez que ela tentava beber escondido o copo de cerveja do Yoongi, já tinha bebido demais a noite passada, precisava apenas se divertir e isso não incluía álcool. Já nem sabiam que horas eram apenas ficavam revisando quem seria o próximo a cantar, mas como aquele grupo não fazia nada como apenas diversão, decidiram fazer mais uma competição, Yeri chegou a conclusão que todos eles gostam é mesmo da adrenalina de competir com alguém, de ver a pessoa pagar a penitencia vergonhosa que eles escolherem. Ficou massageando o braço que voltava a doer, não tinha muita animação para ficar cantando ou dançando, mas estava se divertindo, apesar de às vezes se lembrar que teria uma semana inteira de provas e precisava estudar mais um pouco, suspirou pesado enquanto perdia o olhar sobre as garrafas vazias que estavam sobre a mesa.

- Porque está tão sozinha? – Jimin apareceu de repente fazendo a menina dar um pulo. – Desculpa, não queria te assustar.

- Não foi nada, só estou cansada.

- Seu braço está melhor? Foi um tombo forte. – Ela maneou a cabeça em resposta e ele sorriu. – Que bom! Sabe, não vi você na festa do Hoseok, por quê?

- Sou menor de idade. – Disse rindo de maneira envergonhada, ele estava tão próximo que a deixou sem jeito. – Minha mãe não deixou ir, acontece.

-Bom, então eu acho que temos que fazer programas mais leves para que você vá, não é?

 Ele sorriu novamente, mas aquele sorriso prendeu os olhares de Yeri por alguns instantes, Jimin era muito bonito, quando notou que o encarava demais apenas virou a cabeça para o outro lado na esperança que ele tenha percebido nada. Perto da porta Irene havia acenado para a menina, avisando que logo iram para casa, ela saiu e caminhou em direção ao banheiro onde fez suas necessidades e parou apoiando-se na pia, lavou as mãos e molhou o rosto.

- Você é uma idiota Irene!

 Disse encarando o reflexo no espelho, não estava acreditando no que dissera há algumas horas atrás, mas detestava que as pessoas ficassem a pressionando a fazer certas coisas. Percebia o quanto Taehyung se afastara dela depois do que tinha dito, não queria magoá-lo, de forma alguma, mas era complicado demais tudo que tinha em sua mente, não tinha namorado, mas também não está tão livre. Soltou os cabelos que estavam presos em um longo rabo de cavalo, passou as mãos no rosto respirando fundo, a vida amorosa poderia ser menos complicada.
 Ao sair do banheiro acabou se chocando com alguém que tinha acabado de passar no corredor, seus braços foram segurados para que não caísse, pediu desculpa para quem quer que seja, mas voltou a abaixar a cabeça reconhecendo Tae que apenas deu de ombros sem se importar.

- Não foi nada Juhyun.


 A mulher sentiu um aperto no peito ao ouvi-lo chamá-la daquela maneira, ele a soltou e continuou seu caminho até a saída quando foi puxado pelo pulso, voltou a encará-la um pouco assustado.

- O que foi? – Perguntou, sentiu o pulso ser segurando com um pouco mais de força, ela tinha um olhar caído para si, mas não disse uma palavra. – Não precisa se preocupar comigo, sou um garoto crescido.

 Ele suspirou pesado se virando para voltar a andar mais ela apenas segurou sua mão com mais força, Irene o empurrou para dentro do banheiro feminino ignorando seus protestos e trancou a porta.

- Ficou doida Irene!?

- Você quer parar de agir como se fosse muito maduro! – Ela quase gritou aquela frase, colocou as mãos na cintura suspirando de maneira rápida. – EU não estou sabendo lidar com essa situação...

- Não tenho culpa nenhuma nisso, você que decidiu ficar com o oportunista daquele Sehun! – Deu de ombros cruzando os braços e se encostando à beira da pia.

 - Ele não é oportunista. – O viu revirar os olhos. – E não estou com ele, é mentira...

- Não importa! – Disse de maneira ríspida levantando os ombros, ela o encarou mais uma vez. – Você mente, faz o que quiser, mas eu não vou mais ficar criando esperança toda vez que se sentir sozinha.

- V... eu

- Não quero saber Irene, decida sua vida antes, porque não quero mais ficar nesse triangulo amoroso onde só eu saio sofrendo.

 Caminhou até a porta decidido a ir embora, não agüentava mais se usado como um boneco substituto, mas parou ao ser abraço por trás ouviu os soluços da outra que apenas apertava ainda mais seu corpo. Fechou a porta e balançou a cabeça lentamente não sabendo o que fazer, colocou as mãos sobre as delas ficando naquela posição por alguns momentos.

- Por favor, não me deixa... – Sua voz saia abafada e chorosa. - Não me odeie por ser essa pessoa horrorosa!

- Pelos céus, eu não te odeio. - Ele disse ficando de frente para ela, enxugou suas lagrimas com a manga da blusa e acariciou seus cabelos. – Nunca vou te odiar, mesmo que queria ficar com aquela lombriga com pernas do Sehun.

- Eu sei que estou errada, que só usei você, foi horrível, não me perdôo por isso. – Ela o abraçou mais uma vez. – Mas, por favor, não me ignora daquela maneira, me xingue, grite comigo, mas não me deixa.

- Com uma condição... – Ele a afastou, segurou seu rosto aproximando-o ao dele, passou o polegar em seu lábio inferior e a olhou seriamente. - Vai parar de sair com aquele projeto de triangulo, você já tem a mim, que vamos ser sinceros, sou bem melhor.

- Vai parar de sair com outras garotas? – Ele concordou com a cabeça.

- Querida, outras garotas não me interessam! – Disse voltando a trancar aquela porta. - Agora só me importo com o que vou fazer com você nesse banheiro.

 Ergueu seu corpo deixando suas pernas ao redor da cintura, beijou seus lábios com intensidade queria mostrar que era melhor que aquele colega de trabalho e que mesmo que tentasse lembra-se do beijo dele, seria impossível. Taehyung não gostava mesmo de Sehun. A sentou sobre a beirada de mármore da pia para que desse mais liberdade a suas mãos, desceu os lábios até a curva de seu pescoço e tratou de marcar o local com mordidas e chupões. Os fios curtos de seu cabelo estavam entre os dedos dela que tentava manter sua sanidade ativa, não podia fazer aquilo ali, pelo menos não agora, ela pediu para que parasse, mas foi a mesma coisa do que conversar com uma porta... Com dedos habilidosos.

- Você não sai daqui até pagar os pedágios que me deve. – Sussurrou contra seus lábios, já tinha aberto aquela calça a deixando abaixada, sua mão passava sobre o tecido da calçinha que começava a ficar úmida fazendo o sorrir de maneira maliciosa. –A noona parece gostar disso não é?

 Ela segurou seu rosto o apertando sem muita força mandando o ficar calado antes que arrancasse sua língua por ficar lhe provocando o tempo inteiro. Ele lhe abriu um sorriso brincalhão e mais uma vez selou seus lábios, Irene realmente gostava dele, mas sabia que era impossível não se atrair pelo colega de trabalho. Aquilo era tão errado! Prometeu a si mesma que depois de hoje se afastaria de Sehun, mesmo que tenha que usar um cabresto¹ para não olhar para os lados.

 O pessoal da outra sala não fazia idéia do que estava acontecendo dentro do banheiro, continuaram a se divertir, Yeri tentou evitar Jimin se sentia estranha ao seu lado, ele era bonito demais para ficar muito tempo sem olhá-lo, não queria passar uma impressão errada, só faltava começarem a fazer desafios contra ela se percebessem aquilo. Aquele pessoal não perdoa nem a mãe se ela estivesse em alguma brincadeira. Mas parecia que Jungkook também não queria que ela ficasse perto do outro, sempre que Jimin se aproximava ele a puxava para o lado oposto, alegando que ele era um gavião atrás de uma presa fácil. O que não deixava de ser verdade, Yeri ficava boba quando conversam.
 Jungkook estava com os braços apoiados sobre a cabeça da mais nova enquanto folheavam uma das pastas de musicas estrangeira, ele queria cantar algo em inglês, mas sabia que sua pronuncia era tão boa quanto um violino desafinado.

- Mas você tem uma voz bonita, ninguém vai se importar com a pronuncia. – Ela disse observando Yoongi e Wendy brigarem pelo microfone.

- Você passou o dia inteiro com meus amigos e ainda não aprendeu que eles não deixam passar nem uma mosca?

 Começaram a rir, ele tinha razão.  De repente viu Irene aparecer atrás de sua bolsa, mexeu nela rapidamente e lançou as chaves do carro para Seulgi que só as pegou pelo susto, caso contrario ela teria batido em seu rosto, se despediu de Jungkook que bagunçou seus cabelos correu para alcançar as outras que saiam com pressa sem nenhum motivo. Elas chegaram a perguntar por que estavam correndo sendo que ainda eram sete horas, Irene disse que apenas queria ir para casa, se entreolharam levantando os ombros sem insistir mais no assunto. Quando chegaram continuaram a discutir sobre algo que parecia ser sobre Yoongi e Hoseok, mas Yeri não prestou muito a atenção, subiu as escadas para o quarto queria tomar um banho e tirar aquelas bandagens que a incomodavam, tomaria outro remédio e dormiria até o domingo.  Morar aqueles dias na casa da Irene era como estar em outro universo, sem muitas responsabilidades ou preocupações, apenas os seus próprios acidentes corriqueiros como o tombo que tomara logo pela manhã.
  Ao sair do chuveiro secando os cabelos com a toalha pode ouvir alguns gritinhos abafados vindos do quarto ao lado, provavelmente eram Seulgi e Wendy contando alguma coisa pervertida para Irene ou ao contrario, já que todo mundo ali era uma caixinha de surpresas. Apagou as luzes e decidiu deitar mais cedo, até tinha pensado em postar algo sobre hoje no site, mas ficou com uma preguiça descomunal depois de se ajeitar na cama aconchegante, seu celular que carregava ao lado vibrou algumas vezes ela riu sozinha já sabendo quem poderia ser, leu as mensagens não acreditando que Jungkook era tão retardado ao nível de tirar uma foto empurrando o rosto de Jimin com a legenda. “Gavião abatido com sucesso!”
 A mãe daquele garoto deve ter o derrubado diversas vezes no chão para acabar ficando daquela maneira. Largou o celular de lado e pode ouvir as vozes das colegas mais uma vez do outro lado, suspirou de maneira lenta e virou o corpo aconchegando-se ainda mais na cama.  Não queria voltar tão cedo para casa, mesmo que tudo estivesse calmo, Yeri não se sentiria mais segura do que se sente naquele apartamento. 

 Ela abraçou o travesseiro de sobra e abriu um sorriso. Estava feliz por ter aquelas três doidas como amigas. 


Notas Finais


¹ - Cabresto é o que fica no cara dos cavalos, as vezes eles tem tampões nos olhos para que não percam o foco.

Obrigada pro chegar até aqui! Me deixe informa sobre algum erro ou algo incoerente <3
Até o próximo pessoinhas *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...