História UNSWERVING III - Capítulo 69


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Kendall Jenner
Personagens Alfredo Flores, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Justin Bieber, Kendall Jenner
Visualizações 251
Palavras 5.647
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 69 - PARADE


Fanfic / Fanfiction UNSWERVING III - Capítulo 69 - PARADE

Um mês depois...

 

KENDALL POV

- Você sofre de algum problema de lerdeza, menina? – Kylie reclamou enquanto eu entrava em seu apartamento em LA com as malas. – Ai, ignora que eu tô nervosa!

- Se eu ligasse pra tudo o que você diz, eu estaria fodida, Bels. – Fui sarcástica e ela fez uma careta pra mim. – Também estou ficando louca com essa situação.

- Pois é... – Disse fechando a porta. – Justin não veio com você? Ah, ele vai vir depois?

- Não, ele não virá. – Eu disse indiferente. – Estamos nos divorciando.

- O que? Como assim? E por que você não me contou isso? – Perguntou abismada se sentando ao meu lado no sofá.

- Porque não queria correr o risco de você achar que eu estou depressiva e cancelar o desfile, já que isso é a sua cara. – Respondi com uma expressão de tédio.

- Oh meu Deus, Bels! – Ela sussurrou e me abraçou. Meus olhos estavam começando a arder. Você não pode chorar, Kendall, você superou!, minha mente gritava. – Como você está?

- Bem, eu acho. – Disse acariciando suas costas. – Já venho superando toda essa merda desde que saí na mão com ele na cozinha da mansão.

- Cara, isso tem quase um ano... – Ela sussurrou. – Você vai encontrar um gato maravilha, mas enquanto isso não acontece você vai pegar geral! Gigi e Jazzy estão vindo também, então vamos sair depois do desfile e vai ser maravilhoso, e...

- Caralho, Bels, respira! – Eu pedi rindo.

- Ok, vai dar tudo certo, nada vai dar errado. – Ela sussurrou pra si mesma respirando fundo.

- Qual é, você tá pirando com isso.

- Como você consegue ficar calma nessa situação? – Perguntou afobada.

- Ficando. Estou nervosa, mas não vou demonstrar isso.

- Você definitivamente é louca. – Disse se levantando e me puxando pela mão para o quarto.

Assenti rindo nasalado pela energia boa que minha irmã trazia. Eu tinha conseguido guardar meus sentimentos num baú a sete chaves dentro de mim, estava bem. Só não sentia mais nada. A vontade de chorar a todo momento passou e eu só pareço comigo mesma antes de o conhecer, acho que isso é uma coisa boa. Ou não, já que eu tinha 16 anos e agora tenho 20. Faltavam três horas para o desfile, já que já eram 16h. Vesti uma calça jeans vinho de cintura alta, calcei sandálias de salto pretas e vesti uma bata transparente cropped preta. Prendi meu cabelo em um rabo de cavalo alto e fiz uma maquiagem básica antes de pegar meu vestido pós-desfile e minha bolsa, e ir para a sala. Kylie estava com um vestido longo de alcinhas estampado e calçava rasteirinhas. Estava bem maquiada e tinha os cabelos escuros soltos. Descemos com nossas roupas para a festa/jantar depois do desfile e fomos para o salão de luxo imenso onde seria o desfile. Entramos, deixamos nossos vestidos e sapatos em nosso camarim e seguimos para o camarim das modelos. Haviam vários cabeleireiros e maquiadores ali, além das costureiras e dos estilistas. A coleção era de primavera/verão e as cores eram fortes, com peças resumidas em vestidos, saias e shorts, além de blusas decotadas com tecido fino. Os sapatos eram todos abertos, todos de salto, claro. Fizemos o cabelo, a maquiagem e logo em seguida os figurinos estavam sendo distribuídos. Eram vinte e sete modelos e cada uma teria pelo ao menos três looks montados para desfilar. Eu e Kylie entraríamos no fim do desfile com os vestidos e sapatos mais deslumbrantes da coleção, escolhidos por nós.

E então faltavam trinta minutos pro começo do desfile. Espiei pela janela e vi a grande passarela rodeada de gente. Pareciam brigar por lugares e os paparazzi estavam em todos os lugares. Estilistas famosos, celebridades, amigos e família. Todo estavam ali pra nos prestigiar, inclusive donos de outras agências afim de fazerem contratos com as modelos. Eu e Kylie começamos a conversar para nos distrair e então pudemos ouvir os barulhos da apresentação de vídeo que passaria no começo do desfile no telão. Havia começado. A primeira garota entrou e então, quando ela dava a volta na ponta da passarela, a segunda entrava, cruzando com a primeira. As batidas da música estavam de acordo com as luzes rosas e roxas que piscavam, tudo parecia perfeito. Assistíamos todo o desfile pela televisão grande que havia em nosso camarim privado. Kylie não conseguia se levantar de tanto nervosismo, já eu não conseguia me sentar pelo mesmo motivo. Eu treinava meu andar em cima dos saltos imensos e a todo momento me olhava no espelho. Kylie desligou a televisão e caminhou até o meu lado. Nos duas entraríamos de preto para quebrarmos o colorido do desfile. Ela usava um vestido longo preto com uma grande fenda que deixava sua perna desde a coxa a mostra com um salto da mesma cor. Eu usava um vestido preto longo também com uma grande fenda que deixava ambas minhas pernas desde as coxas a mostra, com um salto de amarras que vinha até a altura da minha coxa. Estávamos lindas.

- Dez meninas até vocês entrarem. – Uma mulher da produção avisou abrindo a porta do camarim.

Eu e Kylie caminhamos pra fora do camarim rapidamente e nos preparamos na fila de garotas. Então o número foi diminuindo radicalmente. Nove meninas, oito meninas. Mais alguns minutos e só faltavam quatro meninas. Instantes depois a última menina. E então eu. Kylie praticamente me empurrou pra entrada da passarela e eu usei aquilo como um impulso. Comecei a desfilar numa velocidade média, um pé à frente do outro, fazendo com que a saia do vestido voasse atrás de mim. O olhar mantido em um ponto fixo, no horizonte. Quando cheguei na ponta da passarela, parei e virei em vários ângulos antes de fazer a volta e desfilar de volta para a entrada, vendo Kylie entrando na passarela. Assim que pisei no camarim, fechei os olhos e respirei fundo, contendo minha vontade de gritar e estourar um rojão para comemorar. Então Kylie voltou, abrindo um sorriso assim que me viu. Nos anunciaram como organizadoras do desfile e criadoras da coleção, anunciando que entraríamos juntas.

Entramos de mãos dadas, sorrindo desta vez, com mais naturalidade, mas mantendo o andar profissional. Flashes e mais flashes, aplausos, gritos e assobios. Olhei para Kylie e ri verdadeiramente de tudo aquilo, foi uma das melhores experiências da minha vida, com certeza. E quando chegamos na ponta da passarela, confetes coloridos começaram a cair sobre todo o comprimento da mesma. Anotação: melhor dia da minha vida!

[...]

- Kendall, foi incrível, você estava e esta linda! – Gigi disse me abraçando.

- Obrigada, amoreco. – Eu disse rindo e a abracei.

Gigi estava prestes a abrir a boca pra dizer algo quando um dos organizadores do evento me chamou. Pedi desculpas pra ela e ela sorriu dizendo que entendia eu ser a estrela do dia. Caminhei pelo buffet luxuoso até a parte de trás do tapete vermelho, onde me levavam. Então eu o vi, com um terno branco feito sob medida para seu corpo robusto e alto. Seu cabelo penteado para trás e alguns cachos caindo sobre seus ombros de forma sexy. Seus olhos verdes me encarando de forma desafiadora e um sorriso de lado cresceu em seu rosto enquanto seus olhos me analisavam de cima a baixo. Arqueei minhas sobrancelhas o encarando e sorri verdadeiramente quase correndo em sua direção. Harry. O abracei com força e eu ri baixo em seu ouvido quando ele me abraçou com a mesma intensidade. Nós nos aproximamos muito desde que liguei pra ele extremamente chapada e chorando. Ele conversa comigo desde o dia em que nos encontramos no bar e ele se tornou alguém muito próximo de mim em um mês. Me surpreeende é que ele tinha me dito que não conseguiria vir para LA já que estava em Londres resolvendo as coisas de sua empresa; e então, num passe de mágica ele aparece aqui.

- Você veio! – Exclamei animada o apertando mais ainda.

- Acho que sim, gatinha. – Disse rindo e se afastou levemente. – Você está linda!

- Você também não está nada mal, Sr. Styles. – Pisquei pra ele.

- Lisonjeado. – Disse e eu segurei seu rosto entre minhas mãos, beijando sua bochecha logo em seguida.

- Preciso te apresentar a algumas pessoas. – Eu disse o puxando pela mão e ele me seguiu com as mãos em meus quadris.

Seguimos pelo buffet até a mesa de minha mãe que rolou os olhos sagazes diretamente para a minha mãe entrelaçada com a de Harry.

- Mãe, este é Harry Styles. – Apresentei formalmente o soltando. – Harry, esta é Kris Jenner.

- Prazer em conhecer minha futura sogra. – Ele brincou galanteador e minha mãe riu, me fazendo arregalar os olhos envergonhada.

- Kendall tem um ótimo gosto para homens, né, Kris? – Jazzy perguntou analisando Harry de cima a baixo.

- Jazmyn! – Eu praticamente gritei indo abraçá-la. Eu não a via desde meu término com Justin. – Eu senti tanto a sua falta!

- Aquela casa é uma merda sem você, vou morar com você a partir de hoje. – Disse e eu ri. – Estou falando sério, não aguento mais aquele bêbado idiota. – Reclamou revirando os olhos e eu me afastei levemente com um sorriso falso no rosto. – Ok, foi mal.

Jazzy cumprimentou Harry, assim como Kim, Kourtney, Khlóe, Kylie e Gigi. Quando me dei conta, ele estava sentado na mesa da minha família rindo com as mulheres que pareciam estar fascinadas com ele. Ele olhou pra mim de relance e travou o mesmo em mim, me fazendo sorrir. Ele piscou pra mim da forma mais sexy que conseguia e voltou sua atenção a conversa. Ok, Kendall, você precisa sair daí agora antes que faça alguma merda!, minha consciência avisou. O jantar acabava as 21h e depois disso eu ainda iria sair com as garotas, que legal. Parece que a noite vai ser longa.

[...]

- Eu vou no carro com Harry, a gente se encontra no apartamento da Kylie. – Eu gritei pela janela do carro para as garotas.

- Você estava linda na passarela, Kenny, qual é! Você estava parecendo uma supermodelo. – Harry disse dando partida no carro.

- Não exagera, lindo. – Disse envergonhada e soltei uma risadinha.

- Ei. – Me chamou parando no farol e eu olhei pra ele. – Você foi incrível. Estou falando sério.

Acho que eu deveria ter respondido algo, já que fiquei num silêncio absoluto encarando os traços de seu rosto e absorvendo a sinceridade em seus olhos. Cara, qual foi a última vez que senti essas borboletas em meu estômago? Há um ano atrás?

- Obrigada. – Eu disse baixo, desviando o olhar ainda entorpecida pela situação.

Alguns minutos depois chegamos no apartamento de Kylie e Harry entrou na garagem com o carro. Subimos conversando no elevador lembrando de como nos conhecemos e rindo da situação ridícula. As portas do elevador se abriram e eu saí primeiro, sentindo mãos em minha cintura. Ele rodopiou meu corpo em seus braços e me inclinou, me segurando na base da coluna e atrás do joelho, exatamente como o dia em que nos conhecemos. Eu gargalhei da cena, me agarrando a sua nuca e ele me acompanhou.

- Posso fazer uma coisa? – Perguntou.

- Depende.

- Vou levar isso como um sim, você pode até me odiar depois. – Ele disse dando de ombros, me deixando confusa.

Então ele aproximou seu rosto do meu e eu me arrepiei, sentindo nossas respirações se juntarem. Quando achei que ele fosse me beijar e estava quase pulando de alegria por isso, ele se afastou e me endireitou, balançando a cabeça em negação.

- Não me odeie, gata. – Sussurrou em meu ouvido e beijou minha bochecha demoradamente em seguida.

- Estou me perguntando por que caralhos você faz isso. – Sussurrei com os olhos fechados.

- Vou fingir que não ouvi. – Disse se soltando de mim.

Peguei as chaves do apartamento meio trêmula e demorei alguns segundos até acertar o buraco da chave com a chave certa. Eu podia ouvir as risadinhas infames de Harry atrás de mim, e tentava controlar meus hormônios ao mesmo tempo. Abri a porta do apartamento e então as meninas surgiram no corredor, saindo do elevador. Todos entramos no apartamento e Harry ficou sentado no sofá enquanto nos arrumávamos, já que ele já tinha ido pro seu hotel e se trocado antes de virmos pra cá. Vesti um vestido de alcinha, colado, prata repleto de brilho que ia um pouco abaixo da polpa da minha bunda. Calcei uma sandália de salto aberta num tom nude e soltei meu cabelo, fazendo com que ele caísse ondulado um pouco abaixo dos meus ombros. As meninas se aprontaram com a mesma rapidez que eu e em trinta minutos estávamos todas na sala. Todas saíram do apartamento e Harry ficou por último, trancando a porta. Fizemos o mesmo esquema de carros e fomos pra uma boate. Eu e Harry não havíamos trocado uma palavra sequer depois do ocorrido no corredor e eu estava me sentindo estranha por isso. Quando chegamos na rua da boate, ele pareceu desacelerar e deixar que as meninas estacionassem antes e saíssem do carro. Elas nos encararam interrogativamente e Harry fez um sinal pela janela do carro para que elas fossem pra fila de entrada. Assim que elas foram, ele estacionou e me ajudou a descer do carro por causa do salto muito alto. Eu agradeci e esperei que ele me acompanhasse para ir a fila de entrada junto com as meninas, mas ele apenas encostou no carro. Ele vestia uma camiseta de botões branca, com alguns deles abertos, uma calça jeans com lavagem clara e calçava um tênis da mesma cor da camisa. Como alguém conseguia ser tão sexy assim? Porra, cara! Eu tenho vontade de abrir as pernas pra ele com um olhar só. Ok, controle-se, gata!, minha consciência zombou. Ele pigarreou chamando minha atenção e eu desviei o olhar antes de encará-lo.

- Por que está parado aí? Por que está me olhando desse jeito? – Eu perguntei duma forma mais rude que eu desejava.

Ele prendeu o riso me olhando e eu o encarei com mais raiva ainda, por que essa criatura está rindo de mim? Em um segundo eu estava a um metro dele, e no outro estava encurralada contra o carro com corpo colado ao meu. Uma perna sua estava entre as minhas e eu sentia o jeans raspando contra a parte interna da minha coxa, aquilo me causava arrepios. Ele pousou uma de suas mãos na curvatura da minha cintura e apertou levemente, me fazendo levantar o olhar.

- Você está brava por que eu não te beijei? – Perguntou com um sorriso convencido estampado no rosto.

- Ah, me poupe, Harry! – Eu disse forçando uma gargalhada. Sim, é por isso mesmo, filha da puta!

- Mente que eu gosto, gata. – Disse aumentando seu sorriso e colou o rosto do meu. – O que estava dizendo mesmo?

- Que você é um babaca de merda. – Sussurrei com a voz falha contra seus lábios, entorpecida pelo efeito que ele tinha sobre mim.

- Fala mais uma vez que eu não entendi. – Sussurrou esbarrando nossos lábios.

- Me beija logo. – Choraminguei.

Eu não precisei dizer mais nada, Harry avançou o sinal a 120km/h de uma vez só. Ele me beijou com tanta brutalidade que eu quase gemi, que homem é esse? Ele tinha uma pegada selvagem, era diferente de tudo o que eu já tinha provado. Sua mão que antes estava em minha cintura desceu para a minha bunda e a apertou com tanta força que eu tinha certeza de que ficaria marcada. Sua mão livre puxou minha coxa pra cima e me prensou contra o carro, fazendo com que eu sentisse sua coxa colada contra minha intimidade. Meus braços envolviam seu pescoço e minhas unhas judiavam de sua nuca enquanto minha outra mão acariciava e puxava a raiz de seus cabelos. Sua língua praticamente lutava com a minha, era tanto desejo e tanta brutalidade junta que eu não tinha a menor vontade de parar aquilo. Sentia meus lábios dormentes de tanto que Harry os mordia e os contorcia contra os seus. Ele desgrudou nossas bocas rapidamente e desceu para o meu pescoço, deixando beijos molhados com os lábios abertos em todo o caminho que trilhava. Sua pré-ereção estava contra a minha coxa e eu empurrei a mesma contra seu membro, descendo e subindo lentamente enquanto ele beijava toda a extensão do meu pescoço. Quando eu fiz isso, ele grunhiu e xingou alguns palavrões no pé do meu ouvido antes de prender minha pele entre seus dentes e sugar a mesma. Arfei e mordi meu lábio inferior com força quando ele completou o ato, se afastando aos poucos e arrumando a gola de sua camisa enquanto eu ajeitava meu vestido e meu cabelo sentindo as pernas bambas. Ele passou a mão rapidamente pelo rosto, me fazendo encará-lo desafiadora com ele abrindo um sorriso pervertido. Apoiou sua mão calmamente em minha lombar e me incentivou a andar para a fila.

- Vamos antes que eu te foda aqui e agora. – Disse com um jeito ríspido que me arrepiou do cabelo aos pés.

Saímos da rua onde o carro estava estacionado e seguimos para a fila. De relance reparei no volume de sua calça e quis abrir um sorriso no mesmo momento. Pelo ao menos eu o deixo da mesma forma que ele me deixa. Como resistir a Harry Styles? Chegamos a fila e as meninas estavam quase na entrada da boate, nos encarando com um ponto de interrogação estampado em suas caras. Me afastei dele e começamos a conversar em grupo, me sentindo incomodada por estar sendo analisada dos pés à cabeça pelas meninas. Lancei um olhar para Harry que deu de ombros parecendo sacar o que estava acontecendo ali. Jazzy virou meu rosto e afastou meu cabelo de meu pescoço, começando a gritar e gargalhar ao mesmo tempo. Ela mostrou algo pra Kylie e Gigi, que tiveram a mesma reação que a Bieber, me deixando perdida. Harry massageou as maçãs do rosto enquanto ria e eu me desesperava cada vez mais.

- Olha o tamanho desse chupão, puta merda! – Gigi gritou rindo e eu o fulminei com o olhar.

- Eu sabia que tinha algo rolando entre vocês, sabia! – Kylie praticamente berrou.

- O que você tem a dizer sobre isso? – Jazzy fingiu me entrevistar.

- É difícil ser eu. – Me gabei e elas riram.

Minutos depois estávamos de frente pro bar esperando nossos shots de tequila saírem. Brindamos e viramos alguns, só eu e Harry que travamos uma batalha de quem virava mais e acabei tomando oito enquanto ele tomou doze. Eu estava pegando fogo, estava animada e ele não parecia muito diferente. Eu e as meninas dançamos juntas no meio da pista nos primeiros vinte minutos, e depois me aproximei de Harry. Eu já tinha bebido dois Martini's, um Sex On The Beach e estava bebericando uma cerveja preta enquanto dançava. Dançamos juntos até que All In My Head – Fifth Harmony começasse a tocar. Ele tinha tomado muito uísque e muita vodka, com certeza estava mais louco que o Batman. Me afastei um pouco dele e e virei de costas para o mesmo, dançando conforme as batidas da música.

 

Venha e suba na minha cama

Não seja tímido, faça o que sabe fazer

É tudo na minha cabeça

 

Joguei os cabelos e quiquei em meus tornozelos, descendo até o chão.

 

Eu quero te sentir sob, sentir sob meu corpo

Eu quero te sentir sob, sentir sob

 

Vez ou outra, eu olhava para trás para visualizar sua expressão besta pela minha ousadia. Parei de dançar na metade da música rindo da cara de mongol que ele estava fazendo ao me olhar e percebi que estava mais bêbada do que pensava, quando uma forte tontura me atingiu. Dei dois passos em falso para o lado e Harry me segurou, cambaleando para o lado.

Ok, era hora de ir embora. Comecei a puxá-lo pela mão em direção ao balcão, onde estavam as meninas enchendo a cara e a minha bolsa.

- Hora de ir embora. – Harry anunciou tropeçando nas palavras.

- Ih, ele é fraco pra bebida assim mesmo? – Gigi zombou baixo perto de mim.

- Ele praticamente desbancou o barman, pra ele ficar louco assim precisou de muito. – Eu disse rindo escandalosamente, já não muito sã.

- Você também não está muito bem, né, gatinha? – Kylie perguntou com sarcasmo.

- Nem um pouco. – Anunciei.

Fomos pra fora da boate e combinamos que Gigi iria levar Jazzy – que estava podre de bêbada – em seu carro e Kylie iria dirigir o carro de Harry para nos levar. Eu e ele cantamos todas as musicas que tocavam na radio durante vinte e cinco minutos, e, quando Kylie não estava morrendo de rir de nossas caras, estava puta nos mandando calar a boca. Eu gargalhava a cada frase que cantava e ele não estava muito diferente. Aquela com certeza foi a noite mais louca da minha vida. Chegamos no condomínio e depois de muitos gritos, conseguimos convencer Harry a dormir no apartamento de Kylie, já que ele estava bebaço e não conseguiria chegar até o hotel em que estava hospedado. Os gritos também geraram broncas da minha irmã, mas essa parte eu finjo que não lembro. Subimos e entramos no apartamento, onde Gigi e Jazzy já se arrumavam pra dormir. Gigi estava tirando a maquiagem e já vestia um pijama quando chegamos. Jazzy estava no chuveiro e Kylie foi pegar alguma roupa de Ryan para Harry vestir. Quinze minutos depois, Jazzy e Gigi estavam apagadas nos sofás da sala e Kylie iria dormir em seu quarto, deixando o de hóspedes para que eu e Harry dividíssemos. Claro, sem maldade alguma da parte dela!

Harry tomou banho e vestiu a bermuda de moletom de Ryan, mas não vestiu a camiseta. Puta merda, ele queria me provocar bêbada? Fingi o ignorar e tomei um banho rápido. Vesti um pijama de calor e penteei meu cabelo antes de escovar os dentes e ir pra cama. Harry não havia pego nenhum colchão ou algo do tipo, estava deitado em um dos lados da cama de casal sob a colcha enquanto mexia em seu celular. Respirei fundo e dei de ombros, caminhando pra cama e me enfiando debaixo da colcha. Ele deixou o celular de lado e virou pra mim.

- Por que está me olhando? – Perguntei embolado.

- Porque você é bonita. – Respondeu mais embolado ainda e eu sorri fraco pra essa. – Me dá um beijinho.

- Não viaja, Harry. – Reclamei mesmo que tivesse tentada a fazer isso.

Então ele rolou pra cima de mim, controlando o peso para não me matar sufocada. Eu automaticamente pus as mãos em seu peitoral e comecei a gargalhar enquanto o empurrava.

- Sai, Harry! – Disse alto e ouvi um chiado do quarto de Kylie. – Sai, filho da puta! – Sussurrei prendendo o riso.

- Me dá um beijinho então. – Disse rindo e notei seus olhos vermelhos de embriaguez e sono.

Revirei os olhos e puxei seu rosto pra perto do meu, colando nossos lábios. Ele praticamente enfiou sua língua na minha garganta e o beijinho virou beijão. E que beijão, devo dizer. Desgrudei nossos lábios com um selinho e o empurrei para o lado. Ele me desejou boa noite e eu respondi o mesmo, virando para o lado contrário do seu. Então ele me puxou pelos quadris, fazendo com que eu rolasse para cima de seu braço. Ele ajeitou o mesmo e eu apoiei a cabeça em seu peito, deixando minha mão esquerda sobre seu abdômen nu. Ele estava quase dormindo, mas ainda tinha seus dedos entre meus cabelos fazendo um carinho tão bom que eu sentia que iria dormir antes que ele. E esse foi o último pensamento que tive antes de apagar.

 

HARRY POV

Acordei com uma dor de cabeça tão forte que mal conseguia abrir os olhos. Fiquei assim por alguns minutos até conseguir abrí-los e tentar lembrar de algo da noite passada. Kendall dormia serenamente em meu peito com uma perna atravessada sobre minhas pernas e um braço sobre meu abdômen. Meu bíceps servia de travesseiro para sua cabeça e minha outra mão estava sobre seu joelho. Tentei achar um motivo pra estarmos assim e não achei nenhum, mas que eu adorava aquilo era nítido. Qual é, ela é linda, gostosa e um doce de pessoa, quem não se sentiria bem nessa situação? Meu celular vibrou embaixo de mim e eu soltei sua perna para pegá-lo. Já eram 13h e a notificação era uma mensagem de Phillips:

 

"Bieber e sua gangue filiada ao FBI foram a sua boate ontem, assaltaram outra conta de banco sua e mataram vinte e cinco homens seus na madrugada de anteontem."

 

Rangi os dentes e respirei fundo para controlar minha vontade de pegar um avião para a Geórgia e meter um tiro naquela cabeça oca de filhinho de papai do Bieber. O imbecil vende drogas no meu território, conquista Atlanta – que no caso é minha –, ganha título por ganhar em rachas enquanto estou em Londres e ganha fama nas minhas costas. E então ele desafia um dos meus e mente pro dominador da América. Ele realmente quer competir comigo? Então que a brincadeira comece. Até agora só ele se divertiu, minha vez de jogar sujo. Digitei uma mensagem rápida e enviei ao meu primo:

 

"Mande dois carros passarem na frente da casa dele e fuzilarem-na."

 

Ele respondeu com um "ok" e eu bloqueei a tela do celular, deixando-a sobre a cômoda, então respirando fundo e olhando para a garota ao meu lado. Como alguém conseguiria fazer algo de ruim para uma pessoa tão maravilhosa? A inocência do seu sorriso, a perversidade do seu olhar, seus gestos femininos, sua sinceridade e o seu carinho. Adicionando a minha lista de motivos para matar o Bieber: ter feito da vida de Kendall um inferno.

- Kendall. – A chamei mexendo em seus cabelos. – Já passou da hora do almoço, significa que você tem que acordar agora. – Eu disse e ela gemeu em reprovação, se apertando mais contra meu corpo, me fazendo rir. – Eu te levo pra comer fora, mas levanta logo.

- Bom dia. – Ela sussurrou com a voz rouca contra meu peito e rolou pro outro lado da cama para se espreguiçar. – Minha cabeça tá explodindo.

- A famosa ressaca. – Zombei e ela me mostrou o dedo do meio.

- Não é como se você não tivesse ficado louco pra caralho ontem. – Ela disse rindo.

- Eu tava precisando de um porre desses. – Dei de ombros e levantei da cama.

Caminhei até o banheiro e lavei o rosto, escovando os dentes logo em seguida com uma escova nova que Kylie havia me dado. Passei os dedos entre os meus cabelos e fiz um coque baixo mal feito. Enquanto fazia isso, Kendall entrou sorrateiramente e escovou seus dentes. Quando acabamos o que estávamos fazendo, ela me abraçou por trás. Conti a vontade de sorrir com esse ato e me viro para ela, empurrando-a contra a parede e trancando seus pulsos com uma mão em cima de sua cabeça. Ela me encarou sorrindo e passou a língua nos dentes. Ela apoiou todo o seu peso em uma perna só e passou a outra na minha panturrilha, me puxando pra frente. Colei meu corpo no seu e balancei a cabeça em negação com um sorriso fraco no rosto antes de colar nossos lábios em um selinho demorado. Beijei sua bochecha e seu lóbulo da orelha antes de me afastar e soltar seus pulsos. Fui para o quarto e respirei fundo tentando me manter são enquanto ouvia Kendall respirando fundo no banheiro. Alguns minutos depois ela saiu do mesmo com os cabelos amarrados num rabo de cavalo torto e fomos pra sala. Eu estava com a boca e a garganta seca além duma porra de dor de cabeça infernal.

- Bom dia. – Gigi disse assim que entramos na sala.

- Só se for pra você. – Jazmyn resmungou jogada no sofá.

- Alguém está com um péssimo humor. – Kendall provocou me levando pra cozinha.

- Quem fica de bom humor de ressaca, sua estúpida? – Jazzy rebateu e eu ri de seu xingamento.

- Eu. – Provoquei e ela me mostrou o dedo do meio.

Nicole riu e serviu duas xícaras de café forte para bebermos antes de sair. Ficamos conversando com as meninas até que desse duas horas da tarde. Kendall tomou banho no quarto de Kylie e eu apenas me troquei para ir ao hotel que estava hospedado me arrumar. Em quinze minutos eu já tinha chego; tomei banho, me arrumei e mantive meu cabelo preso. Vesti uma bermuda jeans preta, uma camiseta estampada cinza e calcei tênis de cano baixo da mesma cor da camiseta. Borrifei um pouco de perfume e voltei para o apartamento de Kylie. Entrei e fui pro quarto de hóspedes, vendo o mesmo revirado com maquiagens e roupas em cima da cama, sapatos espalhados no chão e as portas do closet escancaradas. Bati na porta e entrei, indo para o enorme closet do quarto. Ela vestia uma saia longa estampada com uma regata branca decotada. E que decote, devo dizer. Calçava uma sandália baixa e aberta preta e seus cabelos estavam soltos, jogados para o lado. Ela estava se maquiando de frente pro espelho e parou quando me notou escorado no batente da porta a analisando.

- Há quanto tempo está aí? – Perguntou.

- O suficiente pra dizer que... – Me embolei procurando as palavras e ela riu. – Uau.

- Obrigada. – Disse voltando a se maquiar.

Dez minutos depois ela estava pronta e estávamos saindo do apartamento. Entramos no carro dela porque ela encheu a merda do saco pra dirigir e eu cedi depois de quase ligar o carro e dar ré em cima dela. Quase. Decidimos ir a um restaurante chamado The Nice Guy e ela dirigiu até lá. Eu me surpreendi ao ver que ela dirigia bem. Além de dirigir a 100km/h numa avenida lotada e saber ziguezaguear no trânsito, ela respeitava as faixas e fazia o máximo para não ser notada infringindo a lei. Ela daria uma boa pilota de fuga, até que o bundão do ex dela soube fazer algo de bom. Entramos no restaurante e eu me mantive ao seu lado, mas sem tocá-la. Estava com medo de me aproximar demais e me foder no final, afinal ela estava no meio de um divórcio e eu não iria jogar tudo o que conquistei dela em um mês no lixo. Porra, eu estava com medo de uma garota, a que ponto cheguei? Quando uma recepcionista veio nos receber, Kendall entrelaçou nossos dedos e eu suspirei, não sabendo aonde eu tinha me metido. Ela estava de cabeça baixa e eu podia notar sua perna balançando. Ela estava esperando alguma reação minha pra não parecer a precipitada da história. Então eu cedi e apertei sua mão levemente, mostrando que estava tudo bem. Ela me deu um sorrisinho de lado e seguimos pra uma mesa afastada.

- Por que fico nervosa perto de você? – Ela perguntou depois de alguns minutos que estávamos observando o cardápio.

- Porque você acabou de sair de um relacionamento em que o cara é um merda e está com medo de se envolver comigo. – Eu disse simples e ela me encarou meio surpresa. – Quanto a isso estou em dúvida se é porque você não quer entrar num relacionamento agora ou se é porque acha que eu vou fazer o mesmo e te magoar.

Silêncio. O pior do silêncio é que você fica se remoendo e se perguntando se o que você falou foi bom ou ruim, certo ou errado. Isso com certeza é o pior de tudo.

- Eu não quero um relacionamento agora. – Ela assumiu. – Não vou te dar falsas esperanças. Você tem sido alguém maravilhoso pra mim e depois de ontem tem sido dez vezes mais. Mas ainda estou magoada e não quero te prejudicar com isso, ok? Eu não sei se você quer só uma amizade colorida ou se quer investir em mim de verdade, então pense bem antes de tomar qualquer decisão relacionada a mim, Harry. – Ela lambeu os lábios e fechou os olhos por um segundo. – Se não tiver disposto, é claro que eu vou entender, então, por favor, não faça com que eu me envolva, ok?

Fiquei feliz por ela ter desabafado comigo e ter deixado claro que estaria livre pra mim se eu desse um tempo a ela. Encarei a mesa por alguns segundos e ri nasalado ao sentir seu olhar sobre mim.

– Você só esqueceu duma coisa. – Eu disse e ela arqueou a sobrancelha. – Eu não sou ele. – Deixei claro e ela arregalou os olhos minimamente, mas pude notar que era exatamente isso que ela queria ouvir. – Eu não vou fazer nada que você não queira, e se você precisa de semanas, meses ou anos, ok. Eu estou disposto.

Ela sorriu abertamente e bateu os cílios levemente enquanto olhava pro seu colo antes de me olhar. Ponto pra você, Styles!, minha consciência comemorou e eu pisquei para Kendall. Fizemos nossos pedidos e mudamos de assunto, com um clima muito mais leve agora que as coisas estavam esclarecidas entre nós. Eu gostava dela. Infelizmente gostava. Por que infelizmente? Porque eu tinha certeza de que isso seria um enorme problema pra mim. E como todos sabem, eu adoro os problemas. Quarenta minutos mais tarde eu pedi a conta e, enquanto pagava no caixa, Kendall apoiou a cabeça no meu ombro e me analisou várias vezes.

- Quando você volta pra Londres? – Perguntou pensativa.

- Amanhã ou depois de amanhã, gatinha, é uma pena. – Eu disse passando o braço sobre seus ombros. – Mas a gente combina de eu vir pra cá, ok?

- Não será necessário. – Deu de ombros e eu a encarei interrogativo. – O que acha de eu ir com você sem data prevista pra volta?


Notas Finais


1. UOOOOOOOOOOOOOOOOOOU MLK SOCORRO TO BERRANDO

2. Eu tô amando o Harry, affffffffff, não era pra isso acontecer!!!!!!

3. Não esqueçam de comentar, please! Bjs, Mari. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...