História Utopia - Capítulo 1


Escrita por: ~, ~agheness e ~Viguina

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Drama, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjin, Namjoon, Romance, Suga, Taehyung, Você
Visualizações 25
Palavras 1.240
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Fluffy, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Pansexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi

Capítulo 1 - Nuguseyo?


Fanfic / Fanfiction Utopia - Capítulo 1 - Nuguseyo?

Digo que é verdade

Não é o que parece

Deixe suas janelas quebradas abertasCorrigir

E na luz apenas as correntezas

 

E você terá uma cabeça

Uma cabeça cheia de sonhos

Você pode ver a mudança que queria

Seja quem você quer ser

 

Quando você tem uma cabeça

Uma cabeça cheia de sonhos

Em uma vida que acabou de ser dita a mim

Com uma cabeça cheia, uma cabeça cheia de sonhos!

- Coldplay, A Head Full Of Dreams

 

    Isso não é real. Sinto minha presença em um campo imenso lotado por dentes-de-leão, porém eu não estou lá. O que está acontecendo? Comecei a caminhar com dificuldade ao meio do campo e percebi que havia uma parte que está mais profunda do que as outras. Me aproximei devagar pois era um lugar desconhecido, nunca se sabe o que se pode encontrar. Tomei cuidado para não fazer nenhum barulho alto, cheguei perto e me surpreendi.  

    Era um menino, ele tinha cabelos castanhos que cobriam metade dos olhos que se mantinham fechados. Parecia um anjo, sua respiração estava leve e calma, seus braços e pernas não estavam muito afastados do corpo. Tão lindo. Mas, quem era? 

    Eu estava curiosa, porém não liguei muito, era apenas um sonho e eu sabia disso. Me deitei ao lado dele sem fazer movimentos bruscos, encarei-o por um tempo e comecei a fazer um cafuné nos cabelos macios, acabei o acordando. 

    Ele se assustou, levantou-se rapidamente se mantendo sentado. Começou a me encarar com os olhos arregalados como se eu fosse uma aberração.  

    – Nuguseyo? – perguntava o garoto, que estava mais confuso que eu. Eu não consegui entender o que ele dizia. Minha audição começou a se afastar, minha visão começou a ficar embaçada já não conseguindo ver nada.  

    Tentei esfregar meus olhos para conseguir enxergar melhor, comecei a ver uma luz forte em minha direção. Já não sentia a mesma brisa daquele lugar calmo, um peso quente em minhas pernas e algo macio por baixo de mim. Eu estava em meu quarto, com a respiração acelerada. Mas o que aconteceu? Eu estava mais confusa do que antes. Não podia ser apenas um simples sonho pois consigo lembrar de cada detalhe, sentir todas as coisas em que toquei... seu cabelo macio...  

    Olhei ao redor, era meu quarto que recém havia reformado pelos meus pais. Isso me deixava triste pois teria que abandonar tudo o  que meus pais haviam feito por mim para conseguir atingir meu sonho. Ser trainee. A SM tinha recém anunciado que abriria suas audições novamente e isso me deu mais motivos para treinar minha dança além do meu clube. Eu tinha enviado meu vídeo dançando via online e fui aceita, isso meus pais ainda não sabem e, bem, estou com medo de contar para eles.  

    – Soonari! Venha tomar café! – minha mãe me chamava na cozinha, um cheiro de café exalava pela casa.  

    Eu não me apresentei ainda, perdão, me chamo Min Soonari, tenho 15 anos e tenho um sonho mal visto pelos meus pais, bem,  minha mãe aprova a ideia porém não cem por cento. Mas como eu morava em Daegu, teria que estudar e morar em Seul, isso minha mãe não aprovava porém, ela me deixou tentar.  

    – Eh... Mãe... – Eu não sou boa com palavras convencidas, nem normais. – Bom, sabe aquele teste para ser trainee que eu tinha dito? – ela parou o que estava fazendo e começou a me encarar severamente. – Então... eu passei. – ela deixou a faca cair de cima da mesa fazendo-me arrepiar.  

    – Isso significa que terá que viajar para Seul, não é? – assenti, teria que fazer outra audição em Seul. – Eu confio em ti, sei que irá passar. Mas se não fizer, não pense nem em voltar.  

    Infelizmente, minha mãe tem dois lados dela, o amorzinho e o rancoroso, nesse momento ela estava com o modo rancor ativado. Eu estava disposta a deixar tudo para trás para seguir o meu sonho.  

 

    Uma semana depois, 21 de setembro, dia da audição em Seul  

 

    Muita gente. Gente pra caralho (perdão o palavrão, mas preciso me expressar). Não tem como eu passar, de jeito nenhum. Sou apenas uma figurante ao meio de vários protagonistas, assim eu me sentia.  

    Segui a fila enorme de pessoas para receber meu número para a apresentação. Eu teria que dançar freestyle por dois minutos no máximo com uma música qualquer que eles iriam tocar. Incerteza. Isso me deixava nervosa, sofro por antecedência, infelizmente.  

    Com uma placa pendurada a minha blusa, segui junto com um grupo de dez pessoas. Teria que dançar na frente delas e isso não ajudava nem um pouco. Eu iria errar, tinha certeza disso. 

    Era minha vez, um ar frio percorreu a minha espinha, qualquer movimento errado eu perdia, essa frase percorreu a minha cabeça o dia todo porém só agora uma maldita lembrança voltou. O garoto do campo dos sonhos, eu fiz um movimento errado naquele sonho e acabei perdendo-o.  

    Eles colocaram uma música que eu desconhecia completamente. O que eu faço? Dance. Óbvio, porém meu corpo não obedecia aos meus comandos. Mas que merda, fui desclassificada pelo meu nervosismo tolo.  

 

    2 anos depois do meu fracasso.  

 

    Felizmente não fui para Seul sozinha, fiquei um bom tempo nos dormitórios até eu arranjar um lugar para ficar. Como prometido, se eu não conseguisse passar na audição eu não voltaria para minha casa. Um amigo de infância muito querido (não ouse querer roubá-lo), que mantive o contato pela internet, tinha uma casa em Seul. Nós temos o mesmo sonho de ser trainee, ele me deixou ser colega de quarto dele. Nome dele? Jung Hoseok.  

    Peguei um trem para ir até a casa dele. Ele não morava sozinho, morava com os avós pois ele não tem dinheiro suficiente para comprar o próprio apartamento. Aproveitou que os avós tinham uma fazenda não muito longe do grande centro de Seul.  

    Cheguei ao local e era uma casa bem confortante vista por fora. Era de madeira com uma sacada lotada de flores penduradas. Era um ambiente alegre. Antes de subir as pequenas escadas que direcionavam a porta, fui olhar algo que me pareceu familiar. Um campo lotado de dentes-de-leão, não podia ser o mesmo campo, ah mas não podia! Voltei para a frente da casa e com dificuldade devido as muitas bagagens, toquei a campainha. 

    Um estrondo. Parecia que uma manada de elefantes havia invadido a casa pelo barulho que teve após tocar a campainha. A porta de abriu com um Hoseok de braços abertos todo sorridente para mim. Corri para seus braços e dei um abraço apertado. Um abraço, era tudo o que eu precisava naquele momento.  

    – SOONARI!! QUANTO TEMPO!? – Hoseok praticamente gritava abafado nos meus ouvidos enquanto me balançava pro lado e pro outro em um abraço, não havia mudado nada.  

    – 5 anos, huh? – ainda estávamos abraçados, tinha sentido falta de cada pedacinho dessa criatura adorável.  

 

~~ 

 

    O campo novamente. Aquela sensação de estar presente mas não estar lá era a mesma de dois anos atrás. Nada mudou, a mesma brisa e os mesmos dentes-de-leão. Será que o mesmo garoto estaria aqui após dois anos?  

    Levantei e comecei a correr pelo campo imenso mesmo com dificuldade e lá estava ele. O mesmo garoto de pele levemente bronzeada e cabelos castanhos. Só que desta vez ele está sentado apoiado com os braços para trás. Sentei ao lado dele, dessa vez ele não se assustou, sem se quer me olhou. Envolvi meus joelhos com os braços para me virar e perguntar.  

    – Nuguseyo? 


Notas Finais


oi de novo
pessoinhas não odeiem a minha mãe, okay? Ela é um amorzin <3
o capítulo ainda não esta 100% então talvez eu reposte
espero que tenham gostado :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...