História Utopia - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), IU
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Lee Ji-eun "IU", Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Drama, Escolar, Jikook, Namjin
Visualizações 12
Palavras 2.377
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


MIN AILEE IS BACK!!~~

OLHA SÓ QUEM DECIDIU BROTAR NO SPIRIT? Pois é, babaca eu né? Fazer o que né, quando se nasce babaca, se vive babaca, não a nada que se possa fazer...

Cara vocês não tem noção do quão ansiosa eu estava para postar esta belezinha aqui - tão desesperada que nem esperei dia dos pais passar - fazer o que não é mesmo? Eu estou apaixonada e muito satisfeita com o enredo de que esta história esta tomando e as músicas estão me ajudando muito, heheh.

Espero de todo o meu coração que vocês gostem desta fanfic e que vocês, leitores, a recebam bem e de braços abertos. Tentarei postar todos os sábados ou domingos, assim posso criar uma meta e fica mais difícil de eu não postar um capítulo. Mas lembrando, eu ainda não tenho certeza, não sou muito boa com pressão ou prazos.

Espero que consigam sentir toda a calmaria que eu senti ao escrever este tesouro. Imaginem um lugar bem estilo americano, com aqueles portões brancos e baixinho, as casas grandes e as ruas largas e vazias.

MÚSICA DE ACOMPANHAMENTO: Lauren Aquilina - King

Boa leitura ^^

Capítulo 1 - O Primeiro Sorriso


Aquela manhã havia começado barulhenta, os sons de carros e pessoas conversando estava mais alto do que o de costume naquele bairro silencioso, o que por um lado era até que bom, já que JungKook se sentia vazio em meio a tanto silêncio.

A quietude para o garoto nunca foi algo relaxante, por mais que goste de coisas do tipo. No silêncio ele se sentia inquieto, nervoso, ansioso. Tudo, menos tranquilidade.

Se levantou da cama com o corpo molenga como quem não dormiu direito durante a noite, o que não deixava de ser verdade. Aos poucos começou a perceber que todo aquele barulho vinha da casa vizinha que estava para venda fazem dois meses, parece que teriam novos vizinhos.

Abriu a persiana da janela e a luz calma da manhã iluminou o quarto, e ao fechar lentamente os olhos pode perceber o canto dos pássaros. Aquilo sim era tranquilizante. Voltou a olhar a rua pela janela do quarto. Em frente a casa dos vizinhos novos - uma casa azul claro - haviam dois carros. Um fusca da mesma cor que a casa e um outro carro mais moderno, porém vermelho, e agora se perguntava: “Quem teria um fusca hoje em dia?”.

Foi despistado de seus pensamentos quando um garoto - aparentemente de sua idade - começou a sair do quintal ao lado de alguém indo em direção aos seus tios - que provavelmente ajudaram na mudança. Sua pele branca, os cabelos pretos e lisos voando conforme o vento soprava gostoso naquela manhã e algo que JungKook não tinha, um sorriso.

E então JungKook pode realmente sentir a perfeita calmaria, um estado de tranquilidade.

Ouviu sua tia o chamar da escada e logo voltou a realidade, saindo da calmaria que era Park Jimin. Agora deveria se arrumar para ir descer e cumprimentar os novos moradores da casa azul, a pedido de sua tia claro. Mas antes que pudesse de fato se arrumar olhou uma última através da janela e se surpreendeu com o que viu a seguir.

O garoto dono do sorriso calmante estava agora sendo colocado em uma cadeira de rodas.

Ficou parado um tempo processando o que acabara de ver, pois é, a vida nos surpreende mesmo. E quando não tinha mais nada para se ver, decidiu finalmente a começar a se arrumar e conhecer a nova família daquele bairro quieto.

Não tardou muito para trocar de roupa ou escovar os dentes, muito pelo contrário, e assim desceu as escadas de dois em dois degraus. Fazia muito tempo que não se sentia agitado desse jeito, e quando digo muito tempo é pra valer.

Abriu a porta da casa bege em que a Família Jeon morava, era só se virar e lá estava a casa azul clarinha que morava o dono dos cabelos pretos e aparentemente sedosos. Não demorou muito para ouvir sua tia o chamar.

- Este daqui é meu sobrinho que te falei. - Sorriu para mim e voltou a falar. - Estes são nossos novos vizinhos JungKook, os Park’s.

Não era acostumado a falar muito, era meio tímido, então o máximo que conseguiu fazer foi esboçar um sorriso um tanto envergonhado para a mulher a sua frente e se curvar.

- Oh ele é bem tímido. - Sorriu carinhosa a mulher desconhecida. - É um prazer te conhecer JungKook, espero que sejamos bons vizinhos. - E no fim um aperto de mãos antes de um certo menino de cabelos pretos se aproximar em uma cadeira de rodas junto de um homem. Deduziu que aquele seria o pai do garoto.

O garoto sorridente se aproximou curvando levemente seu pescoço e como se fosse algo de seu costume sorriu, algo verdadeiro e como já dito antes, muito tranquilizante. E se seguiu a mesma coisa, os pais e tios se conheceram, os dois adolescentes trocaram poucas palavras e assim os Jeon’s foram convidados para um café da manhã no quintal dos Park’s

Entraram então na casa azul clarinho e tenho que admitir, era uma graça toda a decoração. Móveis detalhados em cor carvalho escuro, objetos beges pela casa junto das belas flores cultivadas por eles próprios, as cortinas brancas que faziam contraste com a parede branco azulado e os rodapés escuros. Tudo tão perfeito e incrivelmente nos lugares certos, talvez uma fobia.

Se a casa por dentro já era bonita nem se fale então no quintal, Jeon agora se perguntava o que era mais calmante. Jimin ou o quintal, pareciam que haviam arrancado um pedaço de um campo aberto e colocado naquela casa. A grama aparada não era pequena e nem grande, mas era possível vê-la se mexer de acordo com o vento junto de pequenas florzinhas brancas que cresciam nos cantos dos muros, tão delicado.

O café aconteceu normalmente como se tudo fosse perfeito. Ah, como ele queria que realmente fosse perfeito. A mesa era um de vidro simples e bonito. Sobre ela o pão e a margarina, suco natural ou o leite, as frutas em uma travessa de vidro decorado, o queijo e outras coisas. Tudo parecia tão perfeito, mas só tinha a sensação vazia, não era como se fosse perceptível o suficiente. Um sentimento estranho de se explicar.

- Jungk… JungKook. - Escutou finalmente alguém o chamando e só havia reparado naquele momento. - Jimin está te pedindo a margarina querido. - E como um choque de realidade voltou a prestar atenção nas coisas que aconteciam à sua volta e uma delas era o olhar preocupado do menino Jimin em sua direção. O que ele tinha?

- Ah sim, desculpe eu não tinha percebido. - E então como se não tivesse percebido o olhar severo de sua tia entregou o pequeno pote ao garoto a sua frente.

Olhares assustadores era o que recebia na grande parte do tempo, desde pequeno para ser mais exata. Não fazia ideia de quando foi a última vez que recebeu um sorriso carinhoso, algo verdadeiro. Vocês acham mesmo que aqueles sorrisos de sua tia eram reais? Bom, não é bem assim.

- Tem certeza de que não quer comer mais nada? - Perguntou a senhora Park depois de perceber que JungKook já havia acabado com seu café e que agora estava encolhido na cadeira.

- Não… Obrigada - Sorriu bem pequeno, quase que imperceptível.

Continuou sentado, esperando para que sua tia dissesse que já era hora de irem embora, mas o mundo gostava de infernizar a vida do menino tímido. Não havia se passado muito tempo até que a mãe de Jimin percebesse que os jovens daquela mesa estavam bem quietos e como se fosse uma ideia genial decidiu propor um passeio para os dois. Afinal Jimin não conhecia nada da nova vizinhança e seria uma ótima oportunidade de encontrar um amigo. Amigo, tanto tempo que não via o filho com um.

- Eu não sei… - Abaixou a cabeça fitando intensamente os pés e ao levantar novamente o olhar pode ver os olhos castanhos de Jimin brilharem, ele realmente queria ir. Não seria de todo mal não é? - Ah, tudo bem! Vamos Jimin.

E foi preciso apenas aquelas palavras para o garoto bater palminhas e abrir um lindo sorriso, e no fundo Jeon também teve essa vontade estranha de sorrir, o estômago formigava de uma forma gostosa. Teve que respirar bem fundo para que não perder o controle, o que era bem estranho, afinal fora um ato involuntário.

Se levantou rapidamente da mesa e foi ao lado de Jimin o ajudar a sair do lugar sem que fizesse algum desastre e em pouco tempo já atravessavam o portão americano da casa. O sol estava incrivelmente bonito naquele dia, sendo que no anterior tudo estava mais frio, como se a chegada do menino Jimin trouxesse o verão.

As ruas agora estavam mais quietas, porém foi só virarem a esquina que puderam ver crianças de todas as idades se divertindo, em especial com água. Como as pessoas pequenininhas tinham tanta fascinação por coisas molhadas, piscinas, chega até ser engraçado.

Pararam embaixo de uma árvore, a sombra fresca impedia que o sol os fizessem se esquentar demais. Será que tem problema estar sem protetor solar? Se perguntou Jeon, mas não teve tempo para sua resposta quando um pequeno garoto se aproximou puxando a barra de sua camiseta listrada.

- Tio… - Disse baixinho, aparentemente com vergonha. - Você pode pegar aquela pipa para mim? - Apontou para o alto de uma árvore incrivelmente grande e bonita. Do nada sentiu o corpo gelar.

Puta merda… Está lá no alto, e agora?

- O que vai fazer em JungKook? - Jimin debochou de sua cara, parece que alguém tinha reparado em seu leve medo de cair da árvore. - Não me diga que vai deixar este garotinho sem sua pipa. - Segurou o riso.

- Então pegue você oras. - Disse já irritado fitando os olhos do Park, mas só depois que se deu conta da merda que tinha falado. - D-desculpa… Eu. - Ficou se batendo internamente por ter sido tão babaca e insensível com aquele assunto. Poderia ser frio e indiferente, mas não arrogante.

- Tudo bem, é normal. - Não, não é normal Jimin. - Já me acostumei com essas pequenas confusões. - Deixou a cabeça baixa por um tempo, e como se nada tivesse acontecido voltou a sorrir.

Que garoto estranho… Se fosse outra pessoa já teria ficado triste. Vai entender.

Suspirou bem alto e por fim tomou coragem para subir naquela árvore a pegar a maldita pipa do garotinho. E bendita hora em que resolveu fazer isso, por que subir e pagar o brinquedo era fácil, agora descer parecia uma passagem para a morte.

Estava agarrado firmemente ao tronco escuro e se segurou para não berrar, não iria ferir a sua masculinidade assim pensava. Respirou fundo pela décima vez quando ouviu algo que o deixou intrigado.

- Você está com medo tio? - Perguntou bem alto para que o outro ouvisse. - Mas adultos não tem medo de altura tio! - E Jimin ficou lá, segurando a risada.

Filho da mãe, está caçoando da minha cara.

Lógico que Jeon não pediria ajuda, então simplesmente se arriscou caindo de uma altura consideravelmente alta, surpreendendo o Park que antes ria de seu estado. Agora todos estavam preocupados quando viram o moreno cair para dentro dos arbustos.

- JungKook?! - Jimin não estava mais rindo, estava louco de preocupação e sem pensar duas vezes foi movendo sua cadeira de rodas até o lugar da queda encontrando um Jeon meio arranhado e o mais surpreendente de tudo

Dando risada…

- Para de rir seu idiota, você está machucado. - Disse o moreno sério.

- Até pouco tempo você estava rindo de mim. - Alfinetou bem lá na ferida. - Agora está preocupado né? - Fingiu indignação e com ajuda conseguiu se levantar e limpar um pouco da roupa. - Ah é, sua pipa. - Entregou para o garotinho agora sorridente. - Mas fique sabendo que não irei pegar da próxima vez!

- Obrigado tio!! - Nem ligou muito para o que o outro disse, estava ocupado demais mostrando sua alegria ao ter o brinquedo em mãos.

- Eu não sou tão velho pra você me chamar de tio, pirralho. - Ralhou baixinho e ao fundo pode ouvir a risadinha sem graça de Jimin.

O garotinho não deu a mínima atenção para o comentário de Jeon, e simplesmente foi embora para perto das outras crianças que acenaram para os únicos dois adolescentes do outro lado da rua. Um tipo de obrigado talvez? E com muita educação eles também acenaram do outro lado da rua para as crianças, que dizer, apenas Jimin acenou. JungKook estava ocupado demais reclamando de seus pequenos machucados.

Então Park como uma criança manhosa, se aproximou de JungKook e foi então que o mais alto percebeu:" Ele quer alguma coisa certeza…” Chegava até ser óbvia as intenções do moreno ali.

- Kook-Ah… O que você acha de me comprar um sorvete? - Sabia. Pensou, mas o que realmente lhe incomodou não foi o fato de comprar o sorvete e sim o apelido.

- Eu te compro um sim… - Disse derrotado sabendo que não teria mais volta depois daquele pedido. Jimin parecia realmente uma criança. - Mas não quero que me chame por apelidos.

Rude, grosseiro e chato foi como Jimin pensou sobre o outro naquele momento, afinal qual era o problema? Era só um apelido.

- Por que não? É só um apelido… - Resmungou fazendo bico.

- Por que eu não quero!!

Bravo. Era este o estado em que Jeon se encontrava, custava o garoto simplesmente lhe escutar? Doía não o chamar por apelidos? Então se sentiu meio mal quando viu a face meio tristonha de Jimin no lugar de seu sorriso bonito. Por um momento cogitou na ideia de pedir desculpas, mas era orgulhoso e tímido demais, então decidiu simplesmente deixar aquele assunto de lado e ir logo comprar um sorvete para os dois. Logo logo a hora do almoço estaria chegando e precisava estar na casa dos Park’s até aquele horário

Ficaram o caminho inteiro em um silêncio, que por incrível que pareça não era tão desconfortável. Jeon não ficava irritado com o que Jimin falava e o outro se sentia bem de apenas ter a presença de alguém consigo, até porque não tinha amigos.

Escolheram os dois um picolé de limão por conta do calor, e quase não puderam apreciar o doce direito por causa do calor, que insistia em derreter o picolé. Ficaram debaixo de uma árvore relaxando e só depois decidiram voltar para casa. JungKook empurrando a cadeira de rodas e um Jimin sorridente como sempre foi, ainda mais depois de ganhar um sorvete.

- Por que sorri tanto? Não é possível que alguém seja tão feliz como você. - Pensou um pouco alto demais percebendo a besteira que tinha falado.

- Você acha mesmo que sou tão sorridente quanto você pensa? - Fora respondido com outra pergunta. - Eu passo grande parte do tempo sorrindo e você grande parte do tempo sério. Não se passou por sua cabeça que talvez tenhamos os mesmo motivos?

E foi depois dessas simples palavras que JungKook se calou durante o caminho refletindo sobre o que lhe fora respondido. Mesmos motivos?

Você é estranho Park Jimin.

 

 

 

 

 


Notas Finais


QUEM MORREU DE AMORES? EXATO, EUZINHA. Me pergunto se existe um ser mais trouxa do que eu...

Agora irei explicar a vocês o porque de eu ter postado essa fanfic. É o seguinte, como eu sou um ser cercado por macumba já sabemos que está história também não escapa.
Já faz quase um mês que estou escrevendo está belezinha e preparando todo a enredo etc, quando do nada eu vejo no ARMY-Amino a foto de um Kookie cadeirante. Eu fiquei tipo: "MAN, EU QUASE PREVI O COMEBACK DO BTS!! É MUITA MACUMBA PORRA!!". E eu fiquei assim por um bom tempo tentando digerir este acontecimento. Muita macumba né não?

Outro fato é que eu acabei viciando em uma música aqui e graças a ela essa fanfic existe, eu escutei ela umas milhões de vezes só para preparar este capítulo. Já me vejo decorando o letra dessa música Jinsus. Socorro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...