História Valave the spirit of dragons - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias O Hobbit, O Senhor dos Anéis (The Lord of the Rings)
Tags Legolas, Romance
Visualizações 72
Palavras 2.041
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Ecchi, Fantasia, Hentai, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoas, eu estou com dificuldades na escola e estudos...importante sabe Kkkk Eu sempre tive dificuldades então neh...bom eu sei que ficou "evidente" que eu fechei o papel do desenho Kkk mas o que importa é o conteúdo neh??

Sem mais delongas, eu espero que vcs gostem desse cap tanto quanto eu adorei fazer ele Kkkk

Boa leitura <3

Capítulo 7 - Saber o que você sabe.


Fanfic / Fanfiction Valave the spirit of dragons - Capítulo 7 - Saber o que você sabe.

Saber o que você sabe.

Eu me recuperei aos poucos daquele pesadelo estranho, eu não conheci meu pai...mas pelo jeito ele não era uma boa pessoa...ou dragão no caso, talvez tenha matado aquele homem e eu nem ao menos o conhecia...desejava pedir-lhe desculpas...mas nem ao menos sei em que época aquele homem havia morrido, de qualquer forma...eu precisava descobrir...

Eu sai do quarto vendo Tauriel encostada em uma parede, ela me esperava tranquilamente do lado de fora, respeitosamente me esperando recompor daquele pesadelo, quando comecei a caminhar ela logo me alcançou e questionou o que já sabia que questionaria.

- Teve um pesadelo muito pesado pelo jeito, você gritou...eu gostaria de ser informada sobre o conteúdo do sonho...sou sua amiga...me preocupo com você.

- Eu gostaria que não se espalhasse...poderia guardar segredo??

- Poderia...mas...já lhe aviso que Legolas ouviu seus gritos...ele lhe fará a mesma pergunta...e duvido que possa lhe dar um “não vou contar” em resposta...

Eu suspirei sabendo disso, ele poderia falar de mim ou dos anões...mas tinha a mesma se não mais teimosia que eu e todos os anões juntos!! Eu não teria opção se não contar-lhe...mas por hora eu contei apenas para Tauriel, que em cada palavra que dizia ficava mais e mais surpresa, quando acabei de contar ela estava mais pálida que um fantasma, comecei a ficar preocupada com o fato de que ela poderia cair se continuasse olhando apenas para mim e não para a frente...

- Tauriel??

- A-Ah...eu estou bem...é...um sonho e tanto...

- É...principalmente por que eu não conhecia nada ali...embora me fosse...familiar...

- Eu entendo o quão confuso você deve estar...você não conseguiu ver mais nada?? Ninguém...talvez mais algum anão como aquele?? Ou saber o que estava acontecendo??

- Ah...não, mas algo me diz que esse é apenas o primeiro sonho de muitos...

Eu suspirei, Tauriel se manteve quieta pelo resto da nossa caminhada aos jardins atrás do castelo, lá havia um lugar para treinar além de que as armas ficavam perto em uma sala protegida, quando passamos pela sala pegamos as espadas de treinamento, eram feitas de bambu e tinha algum tipo de espuma que produziam com a teia das aranhas gigantes pra proteger a parte da mão, era bem engenhoso...eu não pensaria em algo melhor, nos saímos da sala e fomos para um tipo de “sacada” que ficava suspensa em uma parte do castelo que era coberto por uma espécie de caverna mas que eu conseguia ver que dava para uma cascata, próximo a sala de armas havia a adega e logo acima haviam calabouços, eram enormes e quase não conseguia ver o fundo da torre, eles treinavam próximos as masmorras...interessante por que assim aposto que se alguém fugisse com certeza alguém iria ver daquela sacada.

- Bom...primeiro quero ver o que você sabe...eu corrigirei seus erros quando avistar eles...

- Certo...

Eu me posicionei como geralmente fazia ao matar algum animal frente a frente, logo de inicio ela riu para mim, vindo até mim e afastando meus pés.

- Você tem uma base de equilíbrio melhor quando os pés estão o mais separado possíveis...e não é assim que se segura uma espada, você precisa segurar o cabo com as duas mãos, espadas élficas são feitas para segurar com as duas mãos...

- Acho que estou mais acostumada com as lanças...

- Eu entendo...são bem mais úteis onde você morava, segure firme no cabo, uma mão colada a outra e logo embaixo uma da outra, não se preocupe por que nem todas as espadas são de duas mãos...mas se conseguir manejar uma de duas será mais fácil manejar uma de apenas uma mão entende??

- Entendo...não deve ser tão difícil quanto uma lança...

Eu girei a espada como giraria uma lança e Tauriel riu.

- Bem fazer coisas legais com a arma você já sabe fazer...agora só falta a parte pratica na guerra...

- Eu nunca estive em uma guerra...mas já estive em um ninho de aranhas gigantes...e sabe...você precisa ter uma mente forte dentro da floresta...ela muda os mortais...faz as pessoas mais bondosas e amigas fieis irem contra umas as outras...os mortais matam dentro da floresta...ela está doente e está espalhando isso para todos que entram lá...

Eu olhei para o chão triste, sentindo minhas orelhas se abaixarem e logo ouvindo o suspiro chocado de Tauriel, mas quando levantei meu olhar vi Tauriel e Legolas ao fundo, encostado em um pilar.

- Suas orelhas...elas...abaixam...

Eu corei e mais uma vez minhas orelhas abaixaram.

- Q-Quando estou triste...ou...ou envergonhada...

Tauriel riu levemente.

- É adorável...como faz isso??

- Eu não faço...desde que sou pequena isso acontece...é...estranho...

Legolas se desgrudou do pilar onde estava e riu...

- Eu acho adorável...

Eu sorri para ele.

- Obrigado...

- Não me agradeça...vamos...quero ver você dar uma surra na Tauriel...

Eu olhei para a elfa, que lançou um olhar bravo ao melhor amigo e sussurrou um pequeno.

- Seu idiota...

E então veio até mim apontando a espada em minha direção e sorrindo, eu me posicionei como ela me disse e segurei a espada como ela havia me dito, então ela começou, no inicio era bem lento para que pudesse acompanhá-la...como passos de dança ou uma coreografia, eu a imitei em cada movimento e mesmo após ela acelerar o ritmo dos ataques eu a acompanhava, supondo que era uma luta, eu saltei por cima dela e me abaixei, ela pulou dos meus ataques e eu saltei, quase a dando um chute no rosto para levantar-me, ela sorriu me dizendo um bondoso.

- Ótimo ataque!!

Eu sorri para ela enquanto continuávamos, volta e meia eu tentava um ataque fora da espada e logo Tauriel elogiou de novo os meus métodos.

- Se você estivesse com uma espada de uma mão e um punhal sinto que estaria perdida.

- Duvido muito...

Eu disse enquanto fingia dar uma joelhada nela, ela ia defender com seu cotovelo mas eu me arrastei, chutando um de seus pés e desequilibrando ela, que caiu em cima de mim, não foi bem como eu esperava mas pelo menos ela caiu, rindo muito.

- Da próxima vez, tente não me fazer cair em cima de você...

Ela disse ainda rindo, eu ri timidamente.

- Certo...eu vou tentar...

Continuamos rindo por alguns instantes até que Legolas quebrou nosso riso.

- Levante-se...quero saber o que você sabe...

Ele queria lutar contra mim?? Eu me levantei sorrindo e brinquei.

- Ok...mas eu acho melhor você por uma armadura pra não se machucar...

- Ponha você...

- Sua pele pode ser minha armadura...

Ele começou a me atacar, ele estava com uma espada com uma lâmina de verdade!! Ele basicamente cortou a espada de madeira ao meio.

- Você honra sua fama de selvagem...

- E você de mal-humorado do seu pai...

Eu ri, enquanto saltava para longe dele, ele veio até mim e eu desviei de sua lâmina inclinando minha coluna o máximo que pude, eu era bem flexível para a informação de vocês...

Eu saltei de novo e corri para a adega, desviando de novo de um golpe que daria em meu braço, eu simplesmente bufei então soltai de um lado, dando um chute muito bem dado no rosto do loiro, que lhe fez quase cair no chão, meus olhos comeram a mostrar meus poderes e ele avisto os olhos amarelados rindo silenciosamente para ele, eu sorri e sai correndo para a sala de armas, ouvi ele rir alto logo atrás de mim e seus passos, eu peguei uma lança e logo o bloqueei, batendo nele com uma das pontas e sendo bloqueada quando fui atacar com a outra, eu girei a lança e tentei tirar seu equilíbrio, ele desviou e pulou, tentando me golpear diretamente mas eu me ajoelhei e pulei para trás, dando um chute no queixo dele, mas dessa vez eu levei um chute na barriga também que me fez cair deitada, quando me levantei ele tinha a lâmina firme em meu pescoço, suando e ofegando ele sorriu para mim.

- Você supera de longe as expectativas de uma selvagem...

- E você supera de longe o humor do seu pai...

Ele sorriu para mim e afastou a arma, me dando sua mão para que eu me levantasse, eu a segurei, não para me levantar mas para tirar seu equilíbrio e subir em cima dele, apontando minha arma para ele.

- Nunca se distraia diante o inimigo...nunca te disseram isso??

Ele sorriu para mim, seus olhos azuis penetravam a minha alma e eu senti por um momento uma conectividade estranha, isso até Tauriel nos interromper.

- Hey guerreiros...tem alguém aqui que eu acho que quer falar com a Valavë...

Eu e Legolas nos viramos para encarar o rei e apenas ali nós percebemos que estávamos em uma posição um tanto quanto comprometedora, eu corei e esquentei, não era o mesmo esquentar de quando fico com raiva ou triste, o fogo em mim era diferente para cada sentimento que sentia, aquele calor era agoniante e eu queria enfiar minha cabeça na terra ou pular da sacada para a água lá em baixo!! Eu estava em cima do quadril do filho do rei apontando uma lança para a garganta dele, eu nunca me levantei tão rápido na minha vida e logo eu apontei para Legolas...

- F-Foi ele que começou!!

Legolas olhou pra mim rindo, eu era basicamente uma adolescente perto dele...sabia que aquilo era ridículo para ele e ficar envergonhada por isso mais ainda, mas eu não era como os outros elfos...eu não conseguia evitar ou controlar meus sentimentos...

- Eu vejo que o treinamento lhe foi interessante...mas não é para isso que vim até aqui...queria apenas avisar-lhe que você poderá se juntar a nós nas refeições...

- Eu ainda posso ajudar a pôr a mesa??

Legolas olhou para mim como quem dizia “ Você é mais teimosa que um anão” e eu apenas sorri envergonhada para ele.

- Eu suponho que será impossível tirar isso da sua cabeça...meu filho alertou-me do quão teimosa você...me admira que não tenha conhecido nem um anão...

- E eu suponho que você não esta realmente ligando pra isso...

- Pelo menos você é esperta...esteja no jantar...

Ele disse saindo sem dizer mais nada, ele era engraçado com essas respostas...talvez eu fizesse parecer engraçado por que Tauriel caiu nos risos depois.

- Vocês são sempre simpáticos assim??

- Apenas um com o outro...

- Você ainda arrisca ver a elfa que tanto odeia por orgulho??

Perguntou Legolas.

- Não é por ela que faço isso...é por Caliel...ela é minha amiga e eu quero continuar meu contato com ela mesmo sendo agora uma “aliada” de Gandalf...além disso eu ainda tenho que fazer algo da vida...

- Você pode ser muito mais do que uma serva...

- Eu sei...mas o que uma selvagem pode fazer em um castelo??

Legolas riu.

- Eu não sei...varias coisas...talvez quando completar seu treinamento possa ser minha guarda costas...

- Sério??

- Não...

- Você está fazendo essa elfa sofrer...

Ele riu ainda mais.

- Ok, ok eu contrato você...com uma condição...

- Qual??

- Quero que venha pra um quarto próximo ao meu...uma guarda-costas não pode estar do outro lado do castelo se eu precisar de ajuda não acha??...não irei lhe privar de sua teimosia quanto a arrumar a mesa...mas enquanto está treinando você é uma convidada aqui e pode fazer o que quiser...claro...tudo menos incomodar o meu pai...o que parece algo meio difícil pra você...

Ele riu e eu apenas o olhei com falso tédio.

- Bom eu vou tentar manter-me fora do alcance daqueles olhos frios...

Legolas passou por mim e bateu em meu ombro.

- Não se preocupe...ele não odeia você...até simpatiza um pouco...

- Eu duvido muito disso...

- Eu também acho que é meio difícil de acreditar...mas eu conheço bem o meu pai...

Eu olhei para ele com falta de fé enquanto ele sorria motivando-me, eu duvido muito que o rei goste um mínimo pinguinho de mim...não há motivo!! Sempre que nos vemos acabamos em uma troca de farpas furiosas e ele sempre sai insatisfeito ou simplesmente desinteressado, se essa é a forma que ele tem de me dizer que gostou da minha fuça acho que ele tem alguns problemas sérios mentais...isso que eu falo sozinha!!

Continua...


Notas Finais


Então esta ai, eu fiz uma correção por cima então não ficou tão bom...eu não sou boa em português...ultimamente sou melhor na matemática Kkkkk Por que nossa língua tem que ser tão complicada?? Enfim...eu preciso rever esse problema...e meu problema com química '-' ( Legolas: Ninguém quer saber...eu acho...faça o fechamento logo)...

*Suspiro* Se vc gostou, comente se quiser, favorite...obrigado pela sua paciência e até o próximo cap =^u^=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...