História Vamos Nos Permitir - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hora de Aventura
Tags Bonnie, Bublline, Fbi, Glob, Glock, Gumball, Hora De Aventura, Marceline, Marshall, Policia, Yaoi, Yiuri
Visualizações 53
Palavras 1.133
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Escolar, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá Pessoal, então sem delongas, esse cap, tem continuação, e o próximo tbm tem, então assim até o cap, 33 ou 34 ja tenho escrito, eu iria portar dois agora e outro a próxima semana, mas achei melhor posta um por semana, assim vou manter atualiza a fic, pq agora vai ser difícil, manter sempre.
mas borá lá >>>>>>

Capítulo 31 - Prazer Xandder Pontes


Fanfic / Fanfiction Vamos Nos Permitir - Capítulo 31 - Prazer Xandder Pontes

- Elizabeth você sabe que não pode fazer isso...você sabe, né?
Elizabeth – Ela é uma criança Hugo, não posso deixar - lá!
Hugo - quando você se envolveu nisso sabia que não poderia salva - la!!! Sabia qual era o seu dever!
Elizabeth – Eu sei Hugo
Hugo - Não, não sabe
Elizabeth - Eu seii!! – Gritei nervosa e alterada
Hugo – NÃO, NÃO SABE!!! QUE MERDA ELIZABETH! SERÁ QUE NÃO VER!? VOCÊ CRIOU UMA PRAGA SINTETICA ALUCINÓGENA! E ACHA QUE ESSA MALDITA CRIANÇA É A CHAVE PARA A CURA DA MERDA QUE FEZ?
Eu não o respondi
Hugo – você é ridícula Elizabeth, ridícula e chula, acha que pode destruir o mundo e salva - lo ao mesmo tempo? Acha que seus pecados são perdoáveis?
Hugo – Eu não fiz tudo isso sozinha Hugo, e você sabe muito bem disso.
Disse perto de seu rosto com os olhos transbordado e com muita raiva.
Hugo – Sei... pior que sei... por isso estou deixando meu papel de vilão de lado, cansei dessa merda toda.
Elizabeth – Você não pode fazer isso comigo! Eu não fiz o estrago sozinha Hugo
Hugo – Minha contribuição já foi dada, na mesma porcentagem que te ajudei a fazer essa merda inteira, eu te ajudei a limpar, estou indo embora.
Elizabeth – Se você for vai se arrepender Hugo!
Hugo – Elizabeth, como já te disse, não podemos ser heróis e vilões ao mesmo tempo, ou você veste a fantasia de Batman ou se torna de vez o coringa, e eu não vou ser sua Arlequina boazinha, Adeus, vou voltar para a marginalia dos cidadãos comum.
Elizabeth – Ok, vá, eu vou consegui.
Hugo – Deus te ouça.
Hugo tirou seu jaleco branco e jogou sobre a bancada do laboratório e saiu sem ao menos olhar para traz, desprendi minha visão de si e voltei para aquela criança deitada ao chão daquele quarto almofadado.
Eu iria liberta - la e iria consegui meu triunfo, Hugo não era o único que me culpou, mais foi o único que me abandonou.
[...]
Elizabeth - Marta, a crie como sua filha, eu tenho que ir e sumir.
Marta – Eu não posso fazer isso!
Elizabeth - Você pode e deve, ela não ira se lembrar de nada, implantei algumas memorias falsas em sua mente, ela ficara bem, é sua chance de ser mãe novamente.
A outra garota ficara comigo e farei o mesmo com sua memoria.
Marta olhou para o nada e pensou sem ter opção, eu sabia que ela tinha vontade de ter outro filho, só que não poderia.
Marta – Ok
Elizabeth – Obrigada.
Marta – Não precisa agradecer
Elizabeth – Mesmo assim obrigada, agora vá!
Marta – Vamos querido, temos muito a percorrer
Solemum – Claro.

11 ANOS DEPOIS.
POV’ Bonnie – ON
Depois de todas aquelas lembranças me contive o máximo possível, chorar tanto estava me dando dores de cabeça horríveis.
Sair do banheiro e me vesti rapidamente, calça preta, regata, all star e a camisa xadrez, era roupas dela que avia ficado em minha casa.
Peguei todos os papeis que me eram cabíveis e sair, não tomei café e nem comi nada, fui para garagem e tirei a capa daquele carro que eu não o via há um bom tempo, entrei e o liguei, senti um arrepio percorrer meu corpo ao ouvir aquele motor grita, seu mustang vermelho ainda tinha vestígios de seu cheiro, naquele couro claro.
Sair de casa e fui ao bar, ao chegar em frente do estabelecimento meu coração palpitou forte e me faltou um pouco de ar, mas fui forte e sair do carro, o tranquei o coloquei meus óculos de sol, o tempo não estava lá essa coisas, mas minha cara estava péssima, zumbi total.
Entrei no bar e mais uma palpitada se estalou em meu peito, caminhei e sentei em uma mesa ao fundo, o local não avia mudado nada, sua aparência rustica com toques de Rock And Holl era confortadora, os quadros em preto e branco, placas da Route 66, era perfeito.
Um cara Barbudo e gordo, mas de boa aparência veio até mim
- O que a moçinha vai querer? Porção, um drink?
Bonnie – Ahh, não, eu não quero nada, estou aqui procurando uma pessoa.
- Quem?
Bonnie – Ahhh, é um homem, o nome dele é Xandder, conhece?
- Qual é o seu nome?
Bonnie - Bonnebel Bublemgum
O Homem arregalou os olhos e ficou com o olhar fixo em mim.
Bonnie – Que foi?
- Nada, Prazer Xandder Pontes – me disse com um largo sorriso em seus lábios e voltou a falar
Xandder – Me desculpe pelo espanto, é que eu te esperei por tanto tempo que...
Ele parou de falar e ficou me olhando
Xandder – Bom, eu sei porque veio, e admiro sua coragem de estar enfrentando isso.
Não disse nada, apenas baixei a cabeça e soltei um som nasal retirando o óculo aviador de meu rosto e olhando novamente.
Bonnie – Não sei de onde tirei força para sair, mas...
Xandder – Mas está aqui, e lhe garanto que se seguir, essa mulher que estou vendo em minha frente ira reviver novamente – Xandder foi cincerro em suas palavras, ele pegou em minhas mão e começou a falar...
Xandder – Bom, a quase um ano atrás Marceline veio aqui em um dia comum, ela ficou sabendo que eu avia voltado a cidade e veio me ver, este Bar era de meu Avô e ele veio a falecer, meu pai não quis cuida dessa maravilha, então cá estou eu – ele soltou minhas mãos e cruzou os braço e continuou a falar – então Marceline veio ao meu encontro, ela estava tão feliz, conversamos bastante, e relembramos várias histórias do passado, mesmo eu sendo um pouco mais velho que Marceline, nós andávamos muito juntos antes de eu ir morar fora, então ela veio até aqui e me contou um pouco como estava sua vida, e claro citou seu nome, ela tinha um brilho inexplicável em seus olhos, e me disse que estava planejando uma surpresa a ti, estava um pouco receosa, mas no fundo sabia que você iria adorar, e me contou o que queria fazer, sugeri algumas coisas e acertamos outras, então ela me pediu esse favor, e eu aceitei – ele deu uma pausa drástica como se lembrasse de algo - mas antes de eu te dá o que ela me pediu, preciso te fazer uma pergunta, ok?
Bonnie – o- ok, pode falar...
Ele fez um pouco de suspense e soltou
Xandder – Já comeu hoje?
Levantei as sobrancelhas um pouco surpresa, o que isso tinha haver com tudo?
Bonnie – Ah... já.
Menti
Xandder – não minta para mim, em
Bonnie – Ok, não, não comi
Xandder – Sabia Marceline, avia me falado isso, que estaria ansiosa ou empolgada que com certeza não comeria antes de sair de casa - Sorri fraco, ela me conhecia tão bem – Bom então eu já volto.
Se levantou e saiu.

Notas Finais


fds ou segunda o próximo vai esta aqui ja tá, boa semana, para vcs...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...