História Vamos ter um bebê - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Tao
Tags Hunhan, Luhan, Mpreg, Sehun
Exibições 326
Palavras 1.168
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


E aí lindas e lindos? Preparados para um novo capítulo?

Boa leitura!!!

Capítulo 2 - O Fora


Desde pequeno, Oh Sehun sonhava em viajar e conhecer outros países, principalmente a China, já que seu coleguinha de turma e melhor amigo contava histórias encantadoras de sua terra natal. Os anos passaram e os amigos perderam o contato, mas o desejo de conhecer o outro país permaneceu com o coreano e, assim que ficou sabendo de uma bolsa de estudos de graduação, ficou tão ansioso e empolgado que quase não dormiu até sair o resultado. Tanto ele quanto os seus pais comemoraram a conquista do filho e começaram com os preparativos para a tão sonhada viagem. Seriam cinco anos longe de casa, mas ele visitaria a família sempre que pudesse.

Começou a estudar jornalismo e conseguiu um estágio na redação de uma revista prestigiada. Logo no primeiro dia, alguém prendeu sua atenção e mexeu com seus sentidos. O rapaz dos cabelos castanhos e arrumados num topete alto segurou o elevador para ele e esboçou um leve sorriso em cumprimento. Os dois desceram no mesmo andar e Sehun não precisou se esforçar muito para descobrir o nome e o que fazia lá. Apesar de se encontrarem algumas vezes na máquina de café, eles quase não se falavam e o mais novo se sentia cada vez mais atraído pela forma como Lu Han trabalhava e era admirado pelos colegas.

Foi por essa razão que, ao ver o rapaz na boate, o coreano se apressou em chama-lo. Ele tinha bebido bastante e no momento tudo que pensou em fazer foi conseguir a atenção do mais velho, mas ao perceber a oportunidade de algo a mais quando o menor decidiu dançar com ele, aproveitou para ir mais além. Agora, sentado sozinho na própria cozinha, pensava sobre o fora que acabara de levar. Ele nem saberia descrever o que sentia. Era um misto de sentimentos como decepção, tristeza e raiva. Os dois haviam passado uma noite ótima e então ele era deixado de lado porque o mais velho já era comprometido.

 

*  *  *

 

Quando se encontraram na revista, Lu Han agiu como se não tivesse acontecido nada entre ele e Sehun. Mas o mais novo não pretendia deixar assim. Ele esperou os dois se encontrarem na máquina de café e puxou conversa.

- Tudo bem senhor Lu? Aproveitou o domingo?

- O que você acha? – perguntou com uma expressão fechada.

- Imagino que sim, já comprou o anel de noivado?

- Eu não trato de assuntos pessoais com colegas de trabalho e o que acontece fora da revista, fica fora da revista.

- Você fica incrivelmente sexy quando está irritado – deu um sorriso de canto – poderíamos ter uma conversa fora da revista sobre algo pessoal.

- Não, não podemos ter essa conversa. Com licença – saiu e deixou o mais alto com um leve bico nos lábios, que logo tratou de esconder ao ver sua chefe chegando.

 

          Durante toda a semana Lu Han teve que aturar o estagiário tentando falar com ele ou lançando olhares apaixonados e bobos. Isso o tirava do sério, ainda mais que ele estava tendo dificuldades de olhar para sua namorada e saber o que havia feito. O sentimento de culpa o incomodava e toda vez que Sehun lhe dirigia a palavra, as lembranças dos dois juntos voltavam à sua cabeça.

          O desconforto dele não passou despercebido por Caiqin que, preocupada, perguntou o que estava acontecendo.

- É algum problema no trabalho? – a voz suave o fez parar de comer e encará-la.

- Não, está tudo bem na revista – sorriu incerto – amor, eu andei pensando bastante e... E nós já estamos juntos há bastante tempo... Acho que está na hora de darmos mais um passo. Você aceita se casar comigo?

          A moça estava surpresa com o pedido e tudo que conseguiu emitir foi um gritinho e levar as mãos na frente da boca. Ele então esticou a caixinha com o anel de noivado e ela, ainda sem acreditar no que acontecia, aceitou. Os dois tiveram uma noite longa de comemorações e o sentimento de culpa parecia ter ido embora.

 

*  *  *                

 

          Em um final de expediente, Lu Han convidou Sehun para tomarem um café e terem uma conversa séria. Claro que o mais novo ficara empolgado com o convite, mas a intenção real do chinês era de colocar um ponto final em tudo.

- Fiquei surpreso com o seu convite.

- Não precisa ficar, achei que imaginasse o teor da conversa.

- Eu imagino, mas tenho a chance de expor minha visão também.

- Sua visão? – riu debochado – Sehun, aquela noite na boate, se eu soubesse que você gostava de mim, eu não teria me envolvido, de verdade. Não vai se repetir.

- Acho que não é uma decisão acertada você pedi-la em casamento. Se você sentiu a necessidade de dormir com outra pessoa, acho que não gosta o suficiente para um casamento.

- Eu não vim aqui pra você se meter na minha vida. Eu te chamei para dizer que não adianta insistir. Ela aceitou meu pedido e vamos nos casar em oito meses. Posso incluir seu nome na lista de convidados se você continuar me importunando.

- Uau. Parabéns... – largou a xícara na mesa – mas eu não sei se consigo esquecer o que tivemos e o que sinto por você.

- Isso é ridículo. Você nem me conhece direito pra ficar falando essas baboseiras.

- Você gosta dela?

- Tchau, Sehun – se levantou e deixou o dinheiro sobre a mesa.

 

          O início da outra semana parecia perfeito para o chinês, afinal Sehun tinha sido transferido para a filial da revista que ficava em Tianjin, a quase duas horas dali. Ele e Caiqin convidaram as famílias para um jantar de noivado e iniciaram os preparativos do casamento. O casal já morava juntos em um apartamento de alto padrão e negociavam com o proprietário a renovação do contrato.

          Depois das festas de noivado, os dias ficaram mais agitados e sempre com algum detalhe sobre a cerimônia e festa que precisavam discutir. Apesar de estar empolgado com tudo, às vezes era cansativo escolher as cores que usariam na cerimônia, o tipo de flor e o modelo do convite. Um mês se passara desde o pedido e eles finalmente tinham um dia de folga das famílias para poder sair jantar e conversar. Lu Han assistia ao jornal enquanto Caiqin terminava de se vestir. Um rapaz de sorriso fácil dava entrevista e explicava sobre alguma campanha de conscientização.

 - ... nós ficamos muito felizes com a surpresa. Eu não sabia que era portador e por isso nunca tomamos muito cuidado – riu envergonhado.

- Eu cheguei do trabalho e ele estava passando muito mal. Eu o levei ao médico e recebemos a notícia – um outro rapaz, igualmente sorridente falava com a repórter.

“Ainda não se sabe, mas estima-se que cerca de três por cento da população masculina mundial seja portadora da Síndrome Feminna...”

 

          Lu Han estalou a língua e trocou de canal, logo vendo a noiva aparecer vestida com um vestido preto e curto. Os dois se beijaram e saíram jantar.


Notas Finais


:) :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...