História Vampire Kisses - SasuSaku - Capítulo 58


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto, Vampiro Apaixonado
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Karin, Madara Uchiha, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, TenTen Mitsashi
Tags Beijo Do Vampiro, Couple, Dark, Dorama, Drama, Kisses, Love, Naruto, O Beijo Do Vampiro, Romance, Sakura, Sakura Haruno, Sasuke, Sasusaku, Sleep, Vampire Kisses, Vampiros
Visualizações 392
Palavras 3.327
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Saga, Shounen, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi gente, tudo bom com vocês? Espero que sim ♥
Bom, vamos lá rsrs'
Aqui estou eu com mais um capitulo pra vocês, tem coisas legais para minhas leitoras danadinhas HAHAHA' (adoro) ♥
Boa leitura pra vocês amores, escrevi no corre (ufa)
Até já ♥

Capítulo 58 - Meu novo eu


Fanfic / Fanfiction Vampire Kisses - SasuSaku - Capítulo 58 - Meu novo eu

 

- Meu novo eu -

 

Sakura estava feliz, pois há alguns dias seus pais haviam trago sua gatinha Pesadelo para morar com ela na mansão, era uma companhia agradável e ajudava a passar o tempo sem pensar nos vultos que andava vendo ultimamente. Terminou de acariciar sua barriguinha peluda e levantou-se da cama ao sentir um cheiro delicioso vindo da cozinha.

Kakashi não ficou surpreso ao ver Sakura encostada na batente da porta da cozinha, com um olhar pidão e riso infantil. Ela vinha pedindo por um bolo de chocolate há alguns dias, e já que a menina não estava se sentindo muito feliz, ele pensou que seria a hora perfeita para um pequeno agrado.

A Haruno assistiu o grisalho rechear e decorar o bolo com morangos e leite condensado – maravilhoso – suspirou fundo apoiando seus braços na mesa e inclinou a cabeça. Kakashi era um homem alto e bonito, a curiosidade de ver seu rosto sem aquela mascara era enorme, mas não pediria tal coisa a ele. Perguntou-se se Kakashi ainda via Kurenai, há muito tempo não falava com ela.

- Então... – começou.

- Sim?

- Kurenai, a viu ultimamente? – o rosto do grisalho corou sutilmente encarando a jovem.

- B-bem – pigarrou – De vez em quando.

- Quando foi a ultima vez? – sorriu maliciosamente.

- Fomos ao cinema na sexta-feira passada.

- Uau, incrível que mesmo tendo que cuidar de tudo, ainda tem tempo para namorar – o fitou impressionada.

- N-nós não namorados, quer dizer... Bem, eu não sei.

- Vocês saem há meses e não estão namorando? – arqueou as sobrancelhas – Kakashi, pensei que fosse um cavalheiro!

- E eu sou, Srta.Haruno – defendeu-se – Eu só não sei como ela reagiria ao saber quem sou de verdade – Abaixou a cabeça parando de passar glacê nas laterais do bolo – Talvez, eu deva apenar desaparecer da vida dela.

- Hm – ela sentiu seu coração apertar dentro do peito.

Pensou um pouco no assunto, as pessoas sempre foram conduzidas por seus pré-conceitos sobre tudo. As pessoas daquela cidade eram um exemplo claro disso – apesar de todos terem aparentemente aceitado os Uchiha’s – viviam suas vidas fechados em seus próprios quadrados e algemas. Não havia espaço para pessoas diferentes, nunca ouve e era por isso que durante a maior parte de sua infância Sakura quis sair dali, ir morar com sua tia em Harajuku, conhecer pessoas que a entenderiam – e agora ela tinha essas pessoas.

Kakashi era muito além de um vampiro, ele era um demônio protetor. O que Kurenai acharia quando soubesse que está saindo com alguém assim? Bem, Kurenai nunca ligou para o que os outros dizem, era uma mulher bonita que já havia tido muitos namorados na vida, e agora com seus quase trinta anos ela ainda era uma mulher solteira – para o horror das senhoras da cidade.

 - Pare com isso – disse a rosada – Não seja do tipo de pessoa que dá algumas desculpas e desiste de quem ama dessa forma. Seja sincero com ela, mesmo que esteja com medo, aterrorizado ou inseguro – passou as mãos pelos cabelos – Kurenai aceitou sair com você, mesmo com os boatos sobre essa família e a mansão, aceitou você passando por cima de todos.

- Acha mesmo?

- Sim.

Ele suspirou mais uma vez e estralou o pescoço soltando o ar com força, deu um meio sorriso por baixo de sua mascara e encarou Sakura.

- Obrigado, Srta. Haruno.

- Acho que já passou da hora de me chamar apenas de Sakura.

- É contra meu código de etiqueta, senhorita – riu baixo – Não conseguia faze-lo.

- Oh, isso me lembra de uma coisa... Onde estão todos?

- Acredito que na cripta, ou fazendo alguma ronda.

- Entendo – deu de ombros – Kakashi, o que aconteceu com o Madara?

- Ele caiu do penhasco junto com a senhorita.

- E... Seu corpo?

 

Kakashi conduziu a garota pelo jardim da mansão até bem longe, próximo aos muros do leste e indicou com a cabeça algumas lapides.

- Oh! – exclamou caminhando até eles.

- Esse é o cemitério Uchiha.

- Entendo, mas porque a o da baronesa não está aqui?

- Bem, provavelmente foi desejo dela ser enterrada no cemitério local – deu de ombros – Mas aqui temos um monumento em nome dela – apontou para uma pequena casinha feita de madeira em cima de uma pedra grande – E ali está Madara – indicou uma lapide um pouco mais distante.

- Como se sente com isso? Chegou a conhecê-lo?

- Não senhorita, o mínimo de contato que tive com Madara foi quando meu senhor era apenas uma criança – confessou – Itachi passava alguns dias na casa da mãe, e era Madara quem o levava – encarou a lapide – A grande verdade é que não foi a queda do penhasco que o matou.

- Não?

- Madara quebrou o pescoço quando chegou ao chão, isso foi fatal.

- Oh – arregalou os olhos.

- Pois é.

- Karin nunca passou as tardes com vocês, não é?

- Não senhorita, ela não tem laços diretos conosco.

- Mas era filha de Madara.

- Mas não da Sra. Mikoto.

- Verdade – balançou a cabeça – Eu podia ter realmente morrido, não é? Você me salvou Kakashi, obrigada.

- A suas ordens senhorita – reverenciou-a.

- Kakashi.

- Sim?

- Esse ponto em minha testa – passou os dedos pelo sinal.

- A marca do ritual? O que tem senhorita?

- Ela pode fazer alguma coisa? – Kakashi arqueou as sobrancelhas ao ouvir a pergunta da garota.

- Bem, é apenas uma marca... Senhorita.

- Sabe, eu vi o espirito da baronesa – seus olhos correram até a casinha de madeira.

- M-mesmo? – gaguejou encarando-a surpreso.

- Sim – abraçou o próprio corpo – Nós conversamos um pouco, antes de ela sumir.

- Me permite perguntar sobre oque, senhorita?

- Falamos sobre Sasuke, ela me disse algumas coisas sobre mim também – sorriu – Ela era muito gentil, não é?

- Hm – assentiu – A baronesa era uma senhora muito doce e gentil, antes de meus deveres serem com meu mestre, fui guardião do Sr. Fugaku – explicou – Ele era um jovem enérgico – assim como Sasuke – Mas a baronesa sempre soube como lidar com ele sem nunca levantar a voz.

- Incrível.

- Sim, era mesmo – o grisalho fitou o sorriso nostálgico nos lábios de Sakura e teve uma leve noção de como teria sido a conversa da rosada com sua antiga patroa – Ela te aceitou, não é?

- O que? – ela o encarou confusa.

- Nada – riu.

- Kakashi! Como aprendeu a realizar rituais? – a pergunta mudou de foco tão rápido, que deixou o homem tonto.

- Bem, eu sempre soube. Mas procuro ler sempre, para aprimora-los.

- Será que pode me ensinar? – seus olhos brilhavam como duas esmeraldas, uma criança que pedida um brinquedo a mãe em uma loja.

Como ele poderia dizer não? Não poderia. Caminharam de volta para a mansão, e atravessaram os corredores até a biblioteca do imóvel. Kakashi puxou de uma prateleira, um livro grande e velho com a capa roxa e empoeirada, procura por algo simples por entre as paginas repletas de palavras estranhas e desenhos.

- Aqui – diz ele apontando para uma das pagina – Espere apenas um minuto, senhorita.

- Ok.

Kakashi sai da biblioteca em passos rápidos, indo até seus aposentos algumas portas depois. Volta em alguns minutos com um travesseiro e uma adaga nas mãos, sem deixar tempo para perguntas o grisalho enfia a adaga no travesseiro rasgando-o. Sacudiu o travesseiro em cima da mesa de carvalho da biblioteca fazendo as plumas dentro dele caírem na mesma.

- Pra que isso? – Sakura arqueou as sobrancelhas.

- Senhorita, vamos fazer essas plumas flutuarem – explicou – Irei fazer primeiro, para que a senhorita tenha uma base e então fará também logo em seguida.

- É muito complicado?

- Fique tranquila – ajeitou as plumas na mesa – Arnofio – pronunciou seu Galês perfeito fazendo as plumas desencostarem da mesa e levantarem como pequenos flocos de neve ao redor de Sakura que olhou aquilo maravilhada.

- Oh, meu deus – ela sorriu tocando levemente as plumas mais próximas.

- Agora é sua vez, senhorita – ele faz as plumas voltarem para a mesa.

- Ok, mas é só dizer?

- Tem que se concentrar nelas primeiro.

- E isso funciona só com plumas?

- Não, mas vamos nos concentrar apenas nelas agora – riu – Peço apenas que não fique desapontada caso não consiga, apenas demônios tem o dom para essas coisas.

- Ok – ela respirou fundo encarando aqueles pequenos objetos brancos, fechou os olhos e respirou fundo mas uma vez – Arnofio – tentou ser tão legitima quanto Kakashi.

As plumas flutuaram, e Kakashi a encarou de olhos arregalados, completamente chocado.

- Co-como?

- OW – ela deu alguns pulinhos animados – QUE DEMAIS!

- Ma-mas como? – ele olhou em volta encarando as plumas – A senhorita não é um... – e então a resposta veio em sua mente. O ritual havia dado há ela muito mais do que a visão espiritual, ela talvez tivesse adquirido os dons de demônios também.

- Muito bom para minha primeira tentativa, não acha? – cruzou os braços – Ok, agora como faço para elas descerem?

- Hm – ele piscou mais algumas vezes.

Caminhou até Sakura tocando o ponto roxo em sua testa e encarando-o fixamente. Murmurou alguma coisa que a garota não conseguiu entender, e depois a olhou com um olhar especulativo.  Havia resquícios do ritual nela, mas nada que valesse apena se preocupar.

- Ka-kakashi – corou.

- Acho que já está bom por hoje – ele sorriu brevemente por baixo da mascará e deu as costas saido da biblioteca.

- Espera! – tentou chama-lo – Como faço para eles descerem? Kakashi!

 

 

♥ ♥ ♥

 

Sakura assistia TV com Neji, Ino e Tenten quando Sasuke chegou acompanhado por Itachi. Havia sido um dia longo de negociações e ajustes na cripta, o palco onde a banda iria tocar teria que ser completamente reformado antes da estreia dos Artificiais Darkness na próxima sexta.

O Uchiha mais novo encarou a namorada preocupado.

- Você não deveria ficar andando pela casa assim, anda se esforçando demais.

- Eu estou bem, Sasuke – ela foi até ele depositando um beijo suave em seus lábios.

- Para de ser mala Sasuke, ela precisa se mexer – diz Ino balançando seu rabo de cabalo.

- Concordo – Tenten apoia a loira fazendo uma careta ao moreno.

- Cuidado, logo elas vão fazer um boneco vodu seu – avisou Neji segurando o riso.

- Acho que às vezes vocês esquecem quem é o dono dessa mansão – bufou apertando Sakura em seus braços.

- Oh, claro que sabemos – Ino sorriu – Seu pai.

- É uma realidade – o Uchiha mais velho deu de ombros aproximando-se do sofá, e sentando-se no lugar que Sakura estava, roubou o balde de pipoca de Neji que o xingou baixo.

Eles haviam se tornado uma verdadeira família nesse tempo em que estiveram juntos, Sakura nunca foi boa em agradar as pessoas e era por isso que ela sabia que aquelas pessoas ao seu redor eram amigos verdadeiros, pessoas que não se importavam com seu jeito às vezes mandão e irresponsável. Hinata era sua melhor amiga e isso nunca mudaria, ela sempre fora sua família, sua irmã – que a puxava de volta para a realidade – seu ponto de equilíbrio.

- Jovem senhor, será que poderíamos conversar? – ele tinha uma taça nas mãos – Senhorita, por favor, beba.

- Oh claro – ela pegou a taça de sangue das mãos do mordomo, bebendo-a calmamente sem se soltar de Sasuke.

Sasuke encarou o mordomo e assentiu, dando um ultimo beijo na namorada antes de se afastar. Seguiu Kakashi até a cozinha onde viu um bolo de chocolate, ou pelo menos oque tinha sobrado dele, em cima da mesa – Ow, bolo!

- Fiz hoje mais cedo, a senhorita queria um bolo – explicou.

- Ótimo Kakashi, obrigado – deu um meio sorriso.

- Bem mestre, eu quero pedir permissão para tornar Sakura minha aprendiz.

O moreno tombou a cabeça para o lado e franziu o cenho tentando entender as palavras do grisalho a sua frente.

- E... Por quê?

- Seria bom se a senhorita soubesse se defender, além do mais, ela me pediu que a ensinasse algo hoje.

- E você ensinou?

- Sim, pensei que não conseguiria, afinal só demônios tem esse dom.

- Claro, e então?

- Ela conseguiu, mestre.

- Oque? – arregalou os olhos – Mesmo?

- Foi algo simples, mas ela o realizou com perfeição.

- Como? Efeitos colaterais do ritual?

- Pode-se dizer que sim, jovem senhor.

Sasuke pensou um pouco no assunto, se Sakura soubesse se defender provavelmente não passaria por aquelas coisas horríveis novamente. E ele poderia dormir melhor a noite por saber que sua namorada pode dar um jeito em qualquer um que se metesse em seu caminho.

- Bem – suspirou – Tudo bem.

 

♥ ♥ ♥

 

Estava cansada, não queria admitir, mas andar por aí estava ficando mais complicado do que deveria. Não tinha medo dos vultos ao seu redor, e nem dos sussurros que ouvia fez em quando nos corredores – afinal não sentia que eram espíritos ruins – provavelmente eram antigos moradores, mais Uchiha’s talvez!? Não sabia, queria conversar com Sasuke sobre isso, mas ele estava tão ocupado com os assuntos da Cripta e do Clube caixão que não seria justo preocupa-lo com isso.  Podia lidar com aquilo, estava tudo bem!

Adentrou o antigo guardo de Cherry, aquele era seu novo quarto e estava feliz por tê-lo decorado tão bem. Mesmo Sasuke insistindo para que ficasse com ele em seu quarto, aquilo não era certo e se seus pais descobrissem, o poderoso senhor Kizashi rodaria a baiana com certeza.

- Serio mesmo que vai ficar aqui? – Sasuke se encostou ao batente da porta com uma cara de poucos amigos. Ser contrariado não era algo que estivesse acostumado, mesmo que Sakura sempre o fizesse – Só hoje, durma comigo.

- Ainda é cedo pra você, Sasuke – riu – Você só dorme as 04h00.

- Posso fazer uma exceção – deu uma piscadela para a rosada caminhando lentamente até ela. Sakura sentiu-se como a presa de um tigre, pronto para pular em cima dela.

- Sa-sasuke – gaguejou quando ele sentou-se ao seu lado na cama e empurrou-a fazendo-a se deitar. O moreno pousou suas mãos uma em cada lado da cabeça da rosada, deixando-a pressa em seu olhar.

- Pode vir comigo do modo mais fácil, ou eu posso obriga-la.

- Ah é? – riu – E como seria?

Ele se curvou mordiscando delicadamente o pescoço macio de Sakura, ela sentiu seu corpo vibrar e um calor instantâneo descer até o meio de suas pernas. Uma das mãos do rapaz delinearam as curvas generosas do corpo da garota parando por um tempo em seus lugares prediletos, os seios dela eram tão macios e cabiam perfeitamente em suas mãos. Apertou-os por cima do sutiã e vestido que a rosada usava, fazendo-a gemer baixo em seu ouvido, a excitação entre as pernas do moreno estava começando a crescer.

Como ela conseguia tê-lo desse jeito? Ela o tinha nas mãos. E por mais que brigassem – normalmente por estarem distantes na maior parte do tempo – não adiantava, o amor do Uchiha por ela só aumentava. Ela era a garota mais linda que ele já havia conhecido em toda sua vida – e olha que viveu por décadas e mais décadas – Ela era sexy, inteligente e meiga. Uma combinação desejada por qualquer homem.

Sasuke a pegou em seus braços, levantando-a da cama e carregando a rosada as pressas até seu quarto em meio a beijos e arranhões em suas costas. Fechou a porta com um chute e deitou a garota na cama ficando por cima dela, queria arrancar tudo dela de uma vez, deixar cada parte de seu corpo visível aos seus olhos, mas não queria parecer bruto.

- Sasuke – disse ela em um quase miado – Quero agora.

Agora? Ele sorriu, era isso que aquela pequena queria? Pois ele ficaria feliz em conceder aquele desejo a ela.

Sasuke se afastou, erguendo Sakura o suficiente para tirar seu vestido de uma só vez e abrir seu sutiã de renda vermelha. Desceu suas grandes mãos pelo corpo dela tirando apressadamente sua calcinha também rendada. A Haruno estendeu sua mão para desabotoar a camisa do rapaz, mas ele a tirou antes mesmo que ela tocasse os primeiros botões da mesma, portanto correu suas mãos até as calças de sarja dele enfiando sua mão por dentro e envolveu seu membro com os dedos – estava envergonhada, mas seu desejo por ele era maior do que esse sentimento tão trivial.

Sasuke estremeceu, deixando um gemido baixo – quase um rosnado – escapar.

- Sakura, pare – pediu – Não quero gozar antes de entrar em você.

Ela ignorou suas palavras continuando a passar a mão por sua excitação, deixando-o ofegante. Ele então a segurou pelos braços colocando-os próximo ao cabeceira da cama, acima da cabeça da garota.

- Não estou brincando – sorriu maliciosamente – Estou a ponto de gozar e ainda mal toquei em você – há quanto tempo não faziam aquilo? Sasuke respeitou Sakura durante muito tempo, pois ela ainda se recuperava do ritual evasivo que havia passado. O moreno chutou suas calças e se posicionou entre as pernas de Sakura olhando diretamente em seus olhos. Ah, os olhos dela! Faziam as estrelas parecerem sem brilho – Se tentar se soltar, vou te amarrar na cabeceira da cama.

A Haruno sorriu brincalhona ao imaginar a ideia de Sasuke amarrando-a e fazendo o que quisesse com ela – a tornaria submissa? Sim, mas seria muito prazeroso.

- Não vou me mexer – mostrou a língua.

O moreno abaixou a cabeça e beijou-a lentamente, descendo seus beijos pelo pescoço da garota. Mordiscando-os mais um pouco até seus seios, chupando um primeiro, depois o outro, rolando sua língua em círculos pelos mamilos durinhos dela.

- Ah... – Sakura gemeu arqueando seu corpo.

O Uchiha desceu lentamente a língua pela barriga reta da garota, parando em seus quadris para lamber ali também. Ela não pode deixar de se mover mais e mais, Sasuke soltou seus braços e segurou as pernas da rosada com força colocando-as em cima de seus ombros largos e bem definidos, enquanto sua língua convolvia o clitóris inchado de Sakura que sentia o orgasmo crescendo. Enfiou um dedo nela, enquanto continuava a lamber, os tremores não demoraram a chegar, seguidos de um calor intenso que começava em todo o seu corpo e descia até sua intimidade.

- Sa-sasuke – gemeu – Ah!

- Shhh, goze pra mim querida. Eu quero sentir seu gosto, agora.

As pernas dela de fecharam em volta dele, segurando-o com força contra ela enquanto ele ainda a lambia, prolongando seu orgasmo.

- I-isso foi incrível.

- Que bom que você gostou – o Uchiha subiu um pouco – Mas eu ainda não acabei – sussurrou em seu ouvido.

- E-eu acho que não posso gozar de novo – suspirou tentando conter os tremores de seu corpo – Estou exausta.

Sasuke sorriu maliciosamente.

- Acho que não terei problemas em te fazer gozar de novo – se ajeitou melhor por entre as pernas dela.

Deslizou lentamente por dentro da rosada, fazendo-a gemer mais alto. Começou a meter, com certa brutalidade, mas nada que não fizesse Sakura adorar ainda mais aquilo.

- Sa-sasuke... Por favor.

- Por favor, oque? Me diz oque você quer, querida.

Sakura jogou sua cabeça no travesseiro enquanto ele continuava com aquele movimento de vai e vem.

- Quero mais forte! Preciso que seja mais forte.

- Hm – deu um meio sorriso retirando-se dela, e virando-a na cama. Ergueu os quadris da Haruno e voltou a deslizar para dentro dela.

- Ah deus – deu um leve tapa no bumbum dela – Você é muito gostosa, Sakura.

A Haruno agarrou-se aos lençóis empinando-se mais para ele, tentando deixa-lo ir mais fundo.

- Ah, e-eu vou...

- Está pronta meu amor? Quero gozar junto com você – Sasuke suava assim como a Haruno, seus corpos brilhavam a luz da lua que entrava pela janela.

- Sim, ah...

O moreno passou as mãos por entre as pernas da rosada – sem parar os movimentos – e massageou seu clitóris, fazendo as pernas da garota ficarem bambas. Sakura gritou seu nome uma ultima vez, enquanto o sentia explodir dentro dela.

 

 

 


Notas Finais


#Hentai falei que ia ter coisinhasssssss ♥
Então, o que acharam?
Espero os comentários de vocês
Até a próxima
Kiss ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...