História Vampires VS Angels - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gerard Way, My Chemical Romance
Personagens Bob Bryar, Frank Iero, Gerard Way, Gerard Way, Jared Leto, Justin Bieber, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Mikey Way, Personagens Originais, Ray Toro, Selena Gomez, Serj Tankian
Tags Anjos, Brigas, Comedia, Drácula, Drama, Gerard Way, Luta, Mortes, Musica, My Chemical Romance, Originais, Romance, Vampiros
Exibições 71
Palavras 4.899
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - Clarification


Fanfic / Fanfiction Vampires VS Angels - Capítulo 20 - Clarification

 

Gravidez na adolescência sem dúvida e um assunto bastante delicado e, quando eu via esse assunto retratado em jornais, ou boatos, eu nunca imaginei tamanha gravidade do assunto - claro que ainda não sabia total gravidade do assunto pois não era eu quem estava grávida -, mas ao perceber o quanto Selena sofria fom aquilo - não com o bebê em si, mas com tudo que aconteceu ao mesmo tempo e, como as pessoas ao seu redor reagiram à situação -, eu pude ter um terço da noção do quão difícil era enfrentar essa batalha.

Todo mundo - pelo menos a maioria das pessoas - te olhando como uma irresponsável, te jugando e te difamando, por um pequeno erro. Claro foi um erro que trouxe consigo muitas consequências, mas a vida é cheia de erros e consequência. Ninguém no mundo enteiro só acerta. Ninguém no mundo todo é perfeito. E Ninguém no mundo todo vive uma vida perfeita. 

Isso me fez pensar no erro de Justin.

Ele errou. Errou feio. Abandonou Selena na hora que ela mais precisava. Ela me disse que três dias após o término do namoro ela descobriu que estava grávida e, foi falar com Justin, empolgada achando que ele também ficaria animado, mas não foi bem assim. Selena não esperava reatar o namoro pois estava chateada demais com Justin, mas aquela criança não tinha nada vêr, o que custava ele apoiá-la? Se não fosse por Selena, que fosse pelo bebê pelo menos.

Portanto, a única esperança que Selena tinha era seus pais. Só eles agora poderiam ajudar no enxoval, na educação e na saúde do bebê e até mesmo de Selena. Ela precisava agora, mais do que nunca do amor deles. Aquela seria uma ótima oportunidade de se redimirem - apesar de não saberem do quê - e demonstrarem o amor que eles nunca demonstraram que sentiam por Selena.

Quando ela foi embora eu não consegui mais assistir sequer um vídeo. Já estava cansada de ouvir aqueles sons horríveis e estava realmente muito preucupada com minha amiga. Não parava de pensar em qual seria a reação de seus pais, ou como estava a mente de Selena e até mesmo a de Justin. Pensava em como seria essa criança...

- Oi? - a voz de Gerard interrompeu meus pensamentos.

Estava jogada na cama de uma maneira desleixada. Virei o pescoço em busca de sua voz e o encontrei encostado no batente da porta, mastigando um chiclete de uma maneira totalmente fora de ética - em outras palavras: de boca aberta -, mas o modo como ele entortava o lábio o deixava com uma postura estranhamente... atraente. Ele sorriu e se aproximou de mim, se sentando ao meu lado, na cama. 

- Você não parece estar bem - eu sorri pequeno, me levantando e balançando a cabeça.

- Estava pensando no problema de Selena - dei uma pausa, suspirando pesadamente, e encarei as mãos sobre as coxas. - Justin traiu ela e eles terminaram. Depois ela descobriu que... - olhei para Gerard, que também me olhava, atento. - Está grávida.

Gerard arregalou os olhos, surpreso. Eu balancei a cabeça confirmado que estava falando sério e voltei meu olhar para minhas mãos.

- Eu já sabia - Gerard murmurou e olhei para ele surpresa. - Eu já sabia sobre a infidelidade de Justin.

- E por que você não me disse nada? - eu comecei, esbravejando. - Se você tivesse me dito antes, eu avisaria a Selena e ela não sofreria como está sofrendo.

- Eu não quis me meter - se defendeu.

- Gerard, as vezes é preciso... - continuei mas logo parei. Afinal, já estava tudo feito. Falar não adiantaria de nada naquele momento. Passei a mão no rosto, mantendo a calma e o olhei para Gerard. - Tudo bem, mas não me esconda mais nada do tipo, ok? 

Ele simplesmente assentiu e me abraçou, pelos ombros, seu queixo no topo da minha cabeça.

- Como estão os candidatos pra  banda? - ele perguntou, mudando de assunto.          

- Péssimos - respondi simplesmente, me levantando e indo até o computador, ficando de pé ao lado da cadeira. - Eu até parei de assistir porque eu não aguento mais - Gerard se sentou na cadeira, ao meu lado. - Minha cabeça está explodindo... - comecei a deslizar a imagem dos emails, com o mouse. Gerard me fez sentar em seu colo, as pernas juntas de um lado, seus braços em torno de minha cintura e sua cabeça encostada em meu peito. - E meus ouvidos estão latejando.

- Se quiser eu posso continuar com isso - começou, sua mão acariciando meu braço delicadamente. - Você deve estar cansada disso. Deita um pouco que eu vou cuidar de tudo.

Não falei nada, apenas assenti, fui até minha cama e me joguei nela. Ouvi Gerard rir e olhei para ele, a cabeça apoiada no braço.

- Pelo seu estado de cansaço só em falar sobre, eu já estou com medo - foi minha vez de rir.

- É melhor ir se preparando antes - falei antes de me virar de bruços e ficar encarando a parede.

 

                                *** 

 

- Ei... Sam? Está dormindo? - Gerard chamou, me cutucando no braço de leve.

Nem havia percebido quando peguei num sono. Me levantei coçando os olhos.

- Eu acho que consegui um guitarrista pra banda - pela meneira que ele falou eu pude perceber que ele tentava guardar a animação... sem sucesso. Eu descansei os braços os deixando caídos do lado do meu corpo, uma careta preguiçosa no rosto. Gerard revirou os olhos e me puxou pela mão, me obrigando a ficar de pé. Me guiou até a cadeira e se sentou, me puxando novamente para seu colo. - Acho que você vai concordar comigo. - deu play no vídeo.

Era um rapaz baixinho, parecia ser quase da minha atura - talvez 3 centímetros à mais -. Tinha cabelos curtos, tatuagens e piercing no nariz e canto do lábio inferior. Olhos claros. Ele estava de pé no que eu supus ser seu quarto, uma guitarra Semi-acustica branca, pendurada pela correia no corpo.               

Ele tocou uma música desconhecida por mim mas, muito boa e executou-a perfeitamente bem.

- Ele é ótimo mesmo Gerard - falei quando o vídeo terminou. 

Começei a ler sua ficha e nela dizia que seu nome era Frank Anthony Thomas Iero Jr., tinha 17 anos e tocava desde criança, fora outras informações que ele deu. 

- Agora eu entendo porque você ficou tão mal - Gerard falou. 

Olhei para ele e fiz uma careta compreensiva. Envolvi seu pescoço em meus braços e deitei minha cabeça em seu ombro.

- Acho que mereço uma recompensa, não? - sussurrou, sua mão por baixo da minha blusa, subindo por minhas costas lentamente.

Eu sorri. Não pude evitar. Depois da nossa primeira vez - na verdade da minha primeira vez. Da nossa primeira vez juntos -, nós não repetimos a dose, mas não por escolha mas porque sempre aparecia alguma coisa para atrapalhar. 

Época de fim de ano é sempre muito corrido e para nós não era diferente. Estávamos lotados de tarefas escolares, tínhamos o concurso para desempatar - e ainda nem sabíamos como, porque Alexander estava sumido e a coordenadora disse que ele teve problemas familiares -, e, Elena não estava muito bem de saúde, estava indo com bastante frequência ao hospital. Então nossos momentos juntos não passavam de beijos e carícias.

- Acho que nós merecemos.

Me ajeitei melhor em seu colo, as pernas de cada lado das suas, os braços em volta de seu pescoço e sentada sobre suas coxas. Gerard segurou meu rosto e me beijou calmamente. Suas mãos foram descendo pela lateral do meu corpo devagar até adentrar minha blusa. Pelas costas, Gerard me puxou mais para ele e sugou meu lábio inferior. Ele abriu o fecho do meu sutiã e desceu suas mãos para a barra da minha blusa. Quando já não era mais possível prender a respiração, nós soltamos nossos lábios, mas os de Gerard desceram para meu pescoço me beijando elforicamente.

- Acho não é muito confortável fazer isso numa cadeira - eu falei, quando senti as mãos de Gerard subirem em direção aos meus seios. 

Ele não falou nada, apenas continuou beijando meu pescoço e me carregou até a cama, me segurando pelas nádegas. Me pôs sobre ela lentamente, ficando por cima de mim e voltando a beijar minha boca, com mais intensidade. Suas mãos tiraram minha blusa e meu sutiã rapidamente. Quando ele foi para descer sua boca em meu seio eu gentilmente o empurrei pelo peito. Gerard franziu a testa, ainda ofegante.

- Só queria tirar uma dúvida - comecei. Gerard desfez a expressão confusa e me olhou atenção. - Aquele dia nós usamos camisinha?

Ele riu me puxou para ficar sentada em seu colo.

- Não, mas calma - acrescentou, antes que eu reclamasse. - Eu acabei esquecendo mais eu já tinha combinado com a Emyli.

Franzi a testa e Gerard riu. 

- Eu já tinha combinado com ela que se eu esquecesse... - minha confusão só aumentava à cada palavra que Gerard dizia. Ele começou a deslizar os dedos por toda extensão do meu rosto delicadamente, olhando para onde seus dedos passavam. - Ela me ajudaria.

- Gerard, como é que você combina uma coisa dessas com minha mãe?! 

- Não foi eu que tive a idéia, mas enquanto a gente bolava um plano acabamos chagando a asse assunto e...

- Espera, espera, espera - interrompi, a mão erguida e Gerard olhou para mim parecendo conter um sorriso. - Que plano Gerard?

- Depois a gente fala sobre isso - falou, voltando a me beijar.

Eu tentei me soltar para continuar com as perguntas mas acabei cedendo, quando ele me beitou novamente e começou a destruir mordidas e chupões pelo meu pescoço e ombro.

Segurei o tecido de sua camisa, o puxando mais para perto, quando o telefone de Gerard tocou, em cima da mesinha ao lado da minha cama.

- Gerard, é melhor atender.

Ele nem deu importância e continuou, com seus lábios agora em meus seios.

- Gerard, pode ser alguma coisa importante - segurei seu rosto o fazendo olhar para mim.

Ele revirou os olhos e se levantou pegando o celular e, à contragosto, atendendo a ligação. Ele mudou totalmente de expressão parecendo preucupado, o que de certa forma me preucupou também, então, vesti o sutiã e a blusa, jogados na cama.

"Sim, sim. Já vou"

- Elena, de novo - explicou, antes mesmo d'eu perguntar. - Eu tenho que ir. Desculpa - me deu um selinho de despedida e foi em direção a porta para sair.

- Gerard - Chamei, antes que ele cruzasse o portal. Gerard me olhou. - Me mantenha informada, tá bom?

- Pode deixar. Tchau.

Dei um aceno de mão e Gerard foi correndo para sua casa novamente.

 

                                 ***

 

Fiquei esperando qualquer mensagem ou ligação de Gerard por um tempão e nada. Não enviei nenhuma mensagem nem liguei porque se ele não pôde se comunicar comigo eu também não conseguiria. Talvez ele estivesse muito ocupado.

Quando finalmente meu celular emitiu um som, avisando que chegou um SMS, eu fui correndo verificar. Era Selena. Avisando que estava indo para minha casa e precisava muito de ajuda.

Passei a mão nos cabelos, preucupada e fui para sala aguardar sua chegada.

Ela chegou e nós nos sentamos para conversar no meu quarto, em cima da minha cama. Ambas sentadas com as pernas dobradas e, de frente uma pra outra. 

Selena estava parecendo prender o choro. Pude perceber isso pois seus olhos estavam marejados e com o contorno avermelhado. Seus lábios trêmulos. E ela já havia chorado minutos antes. Estava estampado em seu rosto sua tristeza.

- Eu não tenho onde morar amiga - ela falou e no mesmo instante, desabou em lágrimas. 

Saí do meu lugar e me sentei ao seu lado, abraçando-a. 

- Meus pais não aceitaram... não... 

- Tudo bem, tudo bem - falei tentando confortá-la. Ela estava soluçando muito, tanto que mal conseguia se explicar. Soltei ela e olhei em seus olhos tristes. - Eu disse que podia contar comigo pra tudo, não disse? - ela assentiu, enxugado os olhos com a manga da blusa. - Então, fica tranquila.

- Mas...

- Você pode ficar aqui, se quiser - interrompi,  antes que ela começasse um interrogatório. - Não vai atrapalhar em nada, Emyli não liga pra isso e nos fará companhia já que é só nós duas nessa casa, uma pessoa à mais, ainda mais você, na será problema...

Antes de eu terminar,  Selena me abraçou agradecendo e, eu abracei de volta.

- Eu te amo amiga. Obrigada, sério - ela falou ainda me abraçando.

- Eu também te amo - eu falei, fechando os olhos. - Mas não tem nenhum roupa sua aqui em casa.

- Você me empresta uma roupa sua, só por hoje. Eu não estou nem um pouco afim de olhar para a cara deles, pelo menos por enquanto.

- Eu posso buscar suas coisas - falei me levantando. 

- Obrigada Sam, mas, por favor, não fala para eles nada sobre mim mais não. Eu não quero dar a eles nenhum tipo de informação sobre mim, na verdade eu prefiro que eles esqueçam de mim e finjam que eu morri.

A mágoa era visível no rosto de Selena e em seu tom de voz. Eu não levei muito em consideração seu desejo. Na verdade eu achei até um pouco estúpido, mas ela estava frustrada eu tinha que me esforçar para intendê-la. 

- Tudo bem. Não quer ir comigo? - perguntei, indo pegar meu celular sobre a mesinha ao lado de minha cama. - Melhor do que ficar aqui sozinha 

- Não se preocupe - falou balançando os ombros. Olhou para o computador e perguntou: - Já arrumou um guitarrista pra banda?

- Ah! Já tenho uma ocupação pra você - começei, me sentando na cadeira. Selena chegou ao meu lado e encarou a tela do computador. - Você pode enviar o esse vídeo pros integrantes da banda. Eles precisam confirmar a entrada dele. 

- Ok - ela falou, quando eu me levantei e se sentou no meu lugar.

- Tá bom. Tchau - me despedi com um beijo na bochecha.

Peguei um táxi e fui até sua casa. Apertei a campainha e quem me atendeu foi Mandy.

- Não disse, William?! - ela falou ao abrir a porta. Voltou a olhar para mim. - Estava falando com William, que já sabia que Selena iria pedir sua ajuda.

Ela falou num tom sarcástico que eu nunca vi antes. Deu espaço para eu entrar e assim o fiz, ainda sem dizer sequer uma palavra. William estava sentado numa poltrona entre dos sofás, lendo um livro sem nem me cumprimentar. Ignorei. 

- Ela me pediu pra pegar as coisas dela - falei quase num múrmuro. Estava tentando esconder a raiva que sentia com a situação. Mandy nunca agia daquela forma, era sempre simpática e eu nunca imaginei que ela faria uma coisa daquela com Selena.

- Sim, sim - disse impaciente. - Eu já separei tudo. Vai lá no quarto dela e pode levar todas as malas que você vêr. 

Eu franzi a testa e já estava me preparando para dizer algo muito malcriado, mas apenas dei de ombros e fui para seu quatro. 

Ao entrar no cômodo a primeira coisa que me chamou atenção, foram as quatro malas de cor verde, gigantes ao centro do quarto e, uma mochila azul em cima da cama. Peguei tudo com bastante dificuldade, mas antes de sair do lugar dei uma olhada rápida nas prateleiras e percebi que todas as fotos e, outros objetos de enfeite de Selena não estavam lá. Estava tudo vazio. 

Com a mochila nas costas e duas malas em cada mão, fui até a porta para saír. Mandy apareceu na minha frente na mesma hora que eu soltava um mão para abrir a porta e, abriu para mim ainda calada.

- Antes de ir, eu só queria dizer uma coisa - falei sem pensar, largando as malas sem o mínimo de cuidado, a mochila ainda nas costas. - Vocês não percebem o que estão fazendo? - Mandy cruzou os braços e suspirou, a expressão tediosa. -  Estão abandonado sua filha no momento que ela mais precisa. Não vêem que ela está sofrendo mais que todos nós juntos?! Ela precisa de vocês mais do que nunca, principalmente você Mandy, que sabe o que é ser mãe, como é cuidar de outra vida além da sua. Selena é só uma adolescente que cometeu um erro, vocês nunca erraram? 

Finalmente, William tirou os olhos do livro e começou a encarar um ponto qualquer no chão. Mandy também olhava o chão pensativa.

- Você nunca demonstraram o amor que sentem por sua filha, se é que sentem alguma coisa - continuei, com o tom de voz alto mas logo suspirei, me acalmando . - Deram de tudo à Selena, mas ao mesmo tempo não deram nada. 

Enquanto Mandy continuava em seu transe pude vêr a expressão de William mudar, voltando a encarar eu livro na frente do rosto, de uma maneira rude.

- Da nossa família a gente cuida Samanta.

Ele falou simplesmente, com a voz rouca. Dei de ombros e voltei a olhar para Mandy, que parecia finalmente ter voltado para realidade.

- É melhor você ir embora. 

Ela falou sem olhar em meus olhos, segurando a porta. Eu peguei as malas novamente e as coloquei no porta-malas do táxi com ajuda do motorista. Entrei e voltei para casa.

Ao chegar, encontrei Selena no meu quarto jogando um joguinho no computador. 

- Demorou em! - ela desse se levantando e  pegando as malas das minhas mãos. - Eles falaram alguma coisa?

Eu não queria dizer sobre meu pequeno discurso e nem dizer que eles não falaram nada, mas se eu dissesse sobre o que eu felei com eles, ela também saberia que eles não deram a mínima, e doeria muito mais.

- Não. 

Optei pela resposta menos dolorosa. Selena assistiu cabisbaixa e foi com as malas até o quarto de hóspedes, que a partir dalí seria o seu.

Verifiquei mais uma vez meu celular para saber se Gerard havia me dado alguma informação sobre Elena. E nada. Não aguentei mais esperar, e liguei para o telefone de Gerard. O telefone nem chamou. Devia estar desligado ou algo assim. Desisti e  fui ajudar Selena a arrumar seu quarto.

                                   *** 

Quando vi pela janela Gerard chegando com o carro já estava anoitecendo, e dentro do carro parecia ter mais duas pessoas que eu não consegui vêr direito. Continuei olhando pela janela, até que o carro sumiu ao entrar na garagem da casa.

Pensei em ir imediatamente na casa de Gerard perguntar se Elena estava bem, mas preferi não ir. Eles tinham acabado de chegar, deviam estar cansados e, eu não queria parecer inconveniente, também. Portanto, continuei na janela olhando para a rua quase deserta.

- Gerard acabou de ligar - Selena falou der repente, me assustando. Eu coloquei a mão no peito e ela deu de ombros, se encostando no batente da porta. - Ele pediu pra você ir na casa dele e falou que não ligou antes porque a bateria do celular dele acabou. 

Assenti e desci, avisando que faltava pouco para Emyli chegar. 

Apertei sua campainha e quem me atendeu foi um rapaz alto, de olhos azuis e cabelos castanhos. Não conhecia. Ele sorriu simpático, se encostando no batente da porta.

- Posso saber quem é essa garota tão bonita? - perguntou, com um sorriso de canto.

- Samanta - apertei sua mão sorrindo - Gerard me chamou. - expliquei brevemente.

- Hum... Samanta... - começou, pensativo. - Eu posso te chamar de Sam?

Balancei a cabeça que sim, com um sorriso sem graça.

- Então Sam... - ficou de frente para mim novamente. - Você e Gerard são amigos?

Abri a boca para lhe responder mas Gerard logo apareceu - agradeci aos céus por isso -  pegando minha mão bruscamente e me puxando para dentro da casa. Sua mão foi para minha cintura e seus lábios para os meus, num rápido selinho.

- Ela minha namorada - Gerard respondeu por mim. Vi um sorriso zombeteiro crescer no rosto do rapaz de olhos azuis. 

- Tem muito bom gosto Gerard. - falou tão zombeteiro quanto seu sorriso. Olhei para Gerard e vi seu rosto começando a tomar uma tonalidade avermelhada. O clima era tenso e o meu constrangimento só estava aumentando.

- Eh... - começei, tentando acabar com o clima pesado entre nós. - Gerard. Você me chamou, não foi?!

- Sim - ele olhou para mim e parecia ter se acalmado, pelo seu semelhante. - Vamos.

- Foi um prazer conhecer a namorada do meu primo. Ah! Eu me chamo Jared

Apenas sorri e fui com Gerard até seu quarto.

Ao chegar lá, Gerard bufou revirando os olhos, e se sentou na cama. Eu puxei um puff e fiquei de frente para ele, que mantinha uma expressão preucupada e cansada. O que também preucupou um pouco.

- Então - peguei em sua mão direita e ele continuou encarando seus pés. - Porque você está assim? 

- Minha avó está doente - murmurou. Eu continuei em silêncio, deixando que ele continuasse explicando. - Cardiopatia Isquêmica - franzi a testa e Gerard olhou para mim. - Quando alguma coisa atrapalhar a irrigação do coração. - assenti e me sentei ao seu lado, os braços caídos ao lado do corpo. - O médico disse que ela não, não tem muito tempo.

Abracei Gerard ele logo retribuiu com desespero. Enterrou seu rosto na curva entre meu ombro e pescoço e, soluçou.

Eu não fazia a menor idéia do que falar para confortá-lo então continuei abraçando-o, ouvindo seu choro em meu ombro.

- Fica comigo essa noite? - embargou enxugado as lágrimas, quando nos soltamos e eu fiquei abaixada na sua frente ainda de mãos dadas - Eu preciso muito de você, agora.

- Ai Gerard, eu até ficaria - falei num gemido de dor. - Mas eu não posso deixar  Selena e Emyli sozinhas. - ele franziu a testa. - Selena vai ficar na minha casa agora, porque os pais dela não aceitaram a gravidez e, expulsaram ela de casa. - expliquei e ele assentiu. - E também tem minha mãe. Eu tenho que ficar ponta pra socorrer ela se tiver mais um daqueles ataques que fez ela parar no hospital. Desculpas Gee, eu queria muito, sério.

- Então eu posso dormir na sua casa - sugeriu.

- Mas, e a Elena? - falei. Eu não queria parecer que estava procurando pretextos para não dormirmos juntos, mas eu me preucupava. - Você vai deixar ela sozinha?

- Sabe, o cara que você acabou de conhecer e um primo meu muito distante. Veio junto com minha tia que vai cuidar de Elena, porque ela não podia ficar só com Mikey e eu aqui então nós chamamos ela, que já é maior de idade e tem mais experiência.

- E onde elas estão? - perguntei, sem querer desviando um pouco o assunto.

- Foram comprar alguns analgésicos pra ela. Mas então, eu posso ir pra sua casa hoje? 

- Claro que pode.

Ele finalmente sorriu. Um sorriso pequeno mas, um sorriso é um sorriso!

                                    ***

Saí do banheiro vestido uma blusa branca de mangas curtas e um short larguinho. Uma combinação que eu usava como pijama - apesar de não ser. Gerard já estava na cama me esperando para dormir, fazendo desenhos imaginários ma parede com os dedos. 

Me aproximei e me sentei na beira da cama, enrolando os cabelos nun coque. Gerard me abraçou por trás e beijou minha nuca, passando pelos ombros, os braços em volta de minha cintura, me apertando com firmeza. Inclinei a cabeça para o lado oposto para Gerard estender seu beijo pelo meu pescoço e, fechei os olhos aproveitando. Ele segurou meu rosto e me beijou acariciando minha bochecha com o polegar.

- Acho melhor a gente dormiu logo né. 

Felei após nos soltarmos. Gerard riu e se deitou, seguido por mim, suas mãos em minha cintura e minhas em seu tronco. Da maneira mais encolhida e ao mesmo tempo confortável que fosse possível. 

- Acho que eu tenho que comprar uma cama maior - falei descontraindo. 

- Não estou encômodo de dormir agarrado com você - disse, soltando minha cintura e apoiando a cabeça no braço para me encarar. Eu sorri e continuei olhando para ele. Pensando bem... eu também não estava encomodada com aquilo. - Você está? 

- Nem um pouco.

Ele sorriu e me enolvel novamente em seus braços.

- Como seu pai reagiu à notícia da doença de Elena? - falei mas logo me arrependi por ter tocado no assunto.

Gerard suspirou pesadamente.

Gerard não tinha uma boa convivência com seu pai, Donald, desde quando a mãe dele faleceu num acidente de carro. Donald dirigia o carro. E Gerard cupava seu pai por isso. Pela perda da mãe. Eu já havia tentado tirar essa raiva de Gerard mas não adiantava de nada. Mas voltando à relação de Gerard com Donald: eles não conversaram nunca mais a partir daí. Gerard foi morar com sua avó e pôs na cabeça de Mikey que Donald era mesmo culpado e, foram os dois morar com Elena, deixando seu pai sozinho, em Medford. 

- Ele não sabe. E nem vai saber.

Estava pronta para dar mais um dos inúmeros concelhos para Gerard se reconciliar com seu pai, mas logo mudei de idéia e não disse nada, então o silêncio preencheu o cômodo enteiro.

Gerard não era muito de falar sobre seu pai nem seu passado e muito menos sobre ele mesmo, tudo que eu sabia sobre Gerard até então, era o que eu vinha aprendendo com o decorrer do tempo, mas se tudo que eu tivesse que saber sobre Gerard dependesse do que ele me falasse, eu não saberia nada.

- Gerard porque você nunca me fala sobre você e nem sobre seu passado? 

Gerard pareceu se surpreender com minha pergunta, pois me encarou logo ao me ouvir.

- Ah, eu não achei que você se interessaria. Aliás, meu passado não é nada muito interessante. Na verdade é bem sem graça.

- Não importa. Eu me interesso sim. Tudo que tem a vêr com você me interessa - falei, encarando o teto. Ainda sentia o olhar de Gerard sobre mim, a cabeça apoiada na mão. - E eu ainda quero saber o que você estava conversando com Emyli que chegou áquele assunto tão... íntimo.

Gerard riu.

- Ela me ajudou a planejar seu pedido de namoro - explicou. Eu arregalei os olhos e olhei para ele como se não acreditasse e ele assentiu, confirmando. - Eu queria fazer uma coisa grande pra ser um momento especial pra você. Lembra quando eu disse que ia apagar todas as lembranças ruim, suas e substituir por boas? - assenti. - Então. Eu quis fazer aquilo pra marcar na sua memória, pra que você não esqueça nunca de mim. Ta, e como eu e Emyli entramos num assunto sobre sexo:... ela falou que sabia que eu era a pessoa certa pra você e a conversa foi se estendendo. 

Então foi alí que se encaixou o dia que Gerard foi almoçar conosco e ficou conversando um tempo com Emyli. Foi bem constrangedor imaginar meu namorado e minha mãe falando sobre mim, ainda mais envolvendo sexo.

- Também tem outro coisa que eu queria que você esclarecesse pra mim - comecei, olhando para ele. - O que você ia me dizer naquele dia que você foi na minha casa e aquelas luzes sairam dos seus olhos, justamente quando você ia me dizer?

Ele precisou de um tempo pra pensar antes de começar a se explicar.

- Eu ia te pedir em namoro e estava muito nervoso por isso, mas aconteceu aquilo, e não me pergunte o que foi aquilo porque nem eu sei, - acrescentou, antes que eu perguntasse. - E eu não pedi.

- Então tudo isso foi por causa de um pedido de namoro? - ele assentiu. - E por que você estava a agindo estranho? Tipo: você ficava pensativo depois ficava nervoso e gaguejando. Vai me dizer que isso tem a ver com o pedido de namoro também?

- Também - levantei as sobrancelhas. - Eu pensei bastante em como te pedir, e por isso ficava pensativo e essa coisa de ficar nervoso deve ser coisa da sua cabeça ou, eu nem percebia.

Cerrei os olhos não acreditando muito.

- Não está acreditando? - neguei com a cabeça. - Não percebeu que depois que a gente começou a namorar eu não fiquei tão pensativo?!

- Tudo bem. Desculpa ter desconfiado de você. É que eu pensei que fosse outra coisa, sei lá - Gerard sorriu, tranquilo. - Mas você ainda não me falou sobre sua convivência com seus pais, antes do que aconteceu. E eu quero saber.

- Amanhã a gente conversa sobre isso. Pode ser?! - começou, deslizando a porta dos dedos no meu braço. - Depois da aula passa lá em casa. - assenti e me aconchegei contra seu peito e entre seus braços, fechando os olhos. - Boa noite meu anjo.

- Bom noite Gee.

Gerard beijou o topo da minha cabeça.

E eu dormi.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...