História Veela - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Camila Cabello, Colegial, Justin Bieber, Mitologia, Veela
Visualizações 1.300
Palavras 3.038
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 27 - Read for me.


            6 horas e 25 minutos,  quarta-feira

                        ( Tiger High School)

           

            Justin estava encostado em seu carro esperando Chris, Chaz e Ryan, Ashley não estava junto a ele, pois tinha ido resolver algumas coisas com o diretor sobre seus horários, Justin havia quase que implorado para ela ficar com as aulas no mesmo horário que ele.

            Não demorou e dois carros estacionaram próximo ao dele. Ryan saiu de um enquanto Chaz e Chris de outro. Ambos caminharam até Justin.

            ―O que aconteceu com o seu carro, Chris? ― Justin perguntou enquanto os cumprimentava com o toque de infância.

            ―Bati com o carro ondem. ―Chris respondeu coçando a cabeça.

            ―Isso que dá dirigir alcoolizado. Mané. ― Ryan deu um tapa na cabeça do amigo.

            ―Como foi o cinema ontem, Justin? ― Chaz perguntou.

            ―Tirando  que eu dormi durante o primeiro filme, foi bom. ― riu.

            ―Por que você não deu uns pegas nela? ― Ryan falou. ― Você estava em um cinema cara.

            ―Ryan, qual a parte de “tem que ir com calma.” Você não entendeu? ― Justin o encarou.

            Ele deu de ombros.

            ―Falando em Ashley, onde ela está? ― Chris perguntou.

            ―Foi resolver umas coisas na secretaria. ― Justin respondeu.

            Eles assentiram.

            ―Aí, mano. Ficou sabendo da Pool Party que o Toddy vai dar? ― Chris falou empolgado. ― Vai dar muita gatinha. ― esfregou as mãos e passou a língua preguiçosamente pelos seus lábios.

            ―TÔ sabendo. ― bufou. ― recebi a mensagem ontem.

            ―Você vai? ― Chaz perguntou.

            ―Não estou querendo ir. Cara, eu vou ter que levar a Ashley. ― passou as mãos pelos cabelos.

            ―E o que tem isso? ― Ryan riu fraco. ―tá com vergonha dela? Ou você está na intensão de pular a cerca? ― Ri de lado.

            ―Claro que não. ― Justin respondeu rapidamente. ―Eu nunca pensei em trai-la e muito menos em ter vergonha ela.

            ―Então porque você não quer leva-la? ― Chris questionou.

            ―Cara, vai ser uma Pool Party. Uma festa na piscina, e em festas na piscina as pessoas vão com roupa de banho. ― Justin explicou.

            ―Eu sei. E dai? ― Chris deu de ombros.

            ―E dai que a Ashley vai ter que ficar de biquíni, e você já viu  corpo dela como esta? ― o encarou.

            ―Não tivemos a oportunidade de ver a transformação como você viu, meu caro. ―Ryan piscou.

            ―Ela está muito gostosa. ― Justin falou começando a se desesperar. ― Cara, ela está com umas curvas. ― gesticulou as curvas da namorada. ― uns peitões e uma bunda redondinha e empinada. ― passou as mãos pelo rosto nervoso. ― minha pequena  está uma perdição. Imagina a quantidade de marmanjo babando nela? Será muito mano. ―Bufou. ― Não sei se tenho emocional para isso. ― falou.

            Com a descrição que Justin fez do novo corpo de sua namorada aguçou a imaginação de um certo alguém. Desde que sua irmã Kimberly deu a intender que ele desejava a garota, mas não sabia, que a mente de Ryan aflorava ao pensar em Ashley.  Ele passou a língua preguiçosamente e suspirou. Aqueles pensamentos tinham que sair de sua mente o mais rápido possível.

            ―Vamos embora, pois já estamos atrasados. ―Chaz falou tirando Ryan de seu pequeno devaneio.

 

                                   ***

            Em um intervalo de uma aula e outra os alunos se aglomeraram nos corredores. Enquanto isso Kimberly e suas escudeiras estavam retocando suas maquiagens no banheiro, ao invés e pegar seus devidos materiais para a próxima aula.

            ―Já começou a por em pratica seu plano se separar o novo casal? ― Brooklyn perguntou enquanto ajeitava seus cabelos castanhos em frente ao espelho.

            ―Já comecei a por em pratica ontem, meu amor. ― deu uma risadinha de lado. ― Vocês sabiam que meu querido  irmão enviou flores para a rata? ― olhou para as duas.

            Elas o encararam com a boca entreaberta.

            ―Mentira. ― Cindy abriu mais a boca. ―Que babado.

            ―Sim. ― Kimberly pegou seu gloss dentro da bolsa. ―Ele enviou flores e cartão.

            ―E o Justin sabe disso? ― Brooklyn perguntou.

            ―Diz ele que sabe. ― olhou para a amiga.

            As duas se entreolharam e lançaram um olhar de segundas intenções.

            ―Já estou capitando suas intenções. ― Brooklyn  falou mexendo os dedos.

            ―Exatamente. ― riu de lado e voltou a olhar para o espelho. ― vou usar meu querido irmãozinho para destruir esse romancezinho do Justin com a ratinha. 

            Ela começou a passar o gloss de cor rosa, que era a sua marca.

            ― E como você pretende fazer isso? ― Cindy perguntou confusa, como sempre.

            Kimberly girou a cabeça milimetricamente para o lado esquerdo, que era o lado onde sua amiga estava e a encarou com um sorriso nos lábios, agora brilhosos.

            ―Digamos que eu estou ficando mais intima do meu irmão. ― riu de lado.

            ―Não me diga que você está... ― Brooklyn começou.

            ―Sim. ― virou para o lado direito.

            ―Você não acha isso nojento? ― Cindy perguntou. ― Cara, ele é teu irmão.

            ―Não acho. ― deu de ombro. ― é tão normal como fazer com uma pessoa aleatória. ― ajeitou seus cabelos.

            ―Você é louca. ― Elas balançaram a cabeça.

                                               ***

                        13 horas e 20 minutos.

           

            O horário de aula já havia terminado e hoje havia treino de basquete, então todos do time de basquete encontravam-se na quadra. Menos uma pessoa e ela se chamava Toddy. O garoto estava na porta da biblioteca a espera de alguém. Ashley.

            Não demorou muito e Ashley sair carregando um livro para pesquisa de historia. O garoto mais que rapidamente se põe na frente dela, fazendo com que ela levasse um susto.

            ―Eai, gatinha. ― ele falou com um sorriso maroto nos lábios.

            ―Que susto, Toddy. ― ela levou uma das mãos ao peito. ―Você quer me matar do coração?

            Ele riu divertido.

            ―Quero te fazer um convite. ― falou.

            ―Que convite? ― a garota franziu o cenho.

            Que convite Toddy haveria de fazer a ela? 

            ―No próximo fim de semana eu vou dar uma festinha em comemoração ao meu aniversario. ― mordeu os lábios. ― e eu adoraria que você fosse. ― sorriu de canto.

            ―Não sei se vou. ― ajeitou os óculos. ―Tenho que ver com o Justin.

            ―Eu já o convidei. ― Toddy foi rápido. ― Ele já não te contou?

            ―Não. ― franziu o cenho.

            ―Bom, agora você está sabendo. ― riu. ― espero que vá. A pool party vai ficar legal. ― a mediu milimetricamente.

            Ele sorriu maroto e se foi. Ashley bufou pensativa e pegou o celular com dificuldade no bolso do casaco, já que estava com livros nos braços. Foi na discagem rápida, na qual já havia colocado o numero de Justin, e ligou para o mesmo. Deu dois toques e ele atendeu.

            ―Fala, amor. ― Justin falou ofegante.

            ―Está no treino, né?

            ―Sim. ― respirou fundo. ― Tô no banco agora. Por quê?

            ―Deixa para lá, depois eu falo.

            ―Não, gatinha. Fala agora. Sempre tenho tempo para te escutar.

            ―Não. Não. ― negou. ―Não vou atrapalhar. Só queria avisar que vou para casa.

            ―Sozinha?

            ―Não, com o Malk.

            Justin resmungou do outro lado da linha.

            ―Justin, já conversamos sobre isso. ― o repreendeu.

            ―Ok. ― bufou. ―Então se cuida e mais tarde eu passo lá.

            ―Ok, vou esperar. ― riu fraco.

            ―Posso dormir na sua casa? Minha cama tá muito sem graça ultimamente. ― falou manhoso. ― fica tão vazia.

            Ashley riu e mordeu de leve o lábio inferior.

            ―Ok. ― cedeu. ― eu já vou indo. 

                                   ***

            19 horas e 30 minutos

            (casa da Ashley)

 

            Ashley havia acabado de sair do banho e penteava seus cabelos em frente ao grande espelho. Ela o prendeu em um coque alto e ajeitou o short, que ficou curto e justo devido a transformação, e um moletom rosa. Calçou os chinelos e desceu para o andar de baixo. Quando passou pela sala varreu o local com os olhos e não viu ninguém, deu de ombros e seguiu para a cozinha, onde também não havia ninguém.

            A garota pegou o bolo que sua mãe havia feito mais cedo e colocou sobre a bancada. Foi até o armário e pegou um prato e talheres, quando ia partir o bolo a campainha tocou.

            Ela largou tudo e foi ver quem era com rapidez. Ao abrir a porta deu de cara com um loiro alto de olhos cor de mel encostado no batente da porta. Ele vestia uma calça jeans despojada e uma camiseta de um time de basquete. Em suas costas estava uma mochila.

            ―Demorou. ― Ashley o encarou com uma das sobrancelhas arqueadas.

            ―Trouxe seu sorvete favorito. ― mostrou uma sacola de supermercado na qual a garota havia percebido.

            ―Tá perdoado. ― sorriu e deu passagem para que ele entrasse.

            Justin sorriu de volta e entrou, a beijando logo em seguida. Ashley fechou a porta.

            ―O que estava fazendo? ―Justin perguntou tirando a mochila das costas.

            ―Ia comer um delicioso pedaço de bolo. ― respondeu.

            ―Adoraria te acompanhar. ― a puxou pela cintura e lhe deu um selinho.

            ―Coloca suas coisas no meu quarto e depois conversamos. ― se afastou e sorriu de lado.

            Justin negou com a cabeça e subiu correndo para o quarto de Ashley. Enquanto isso ela foi para a cozinha pegar mais um prato e talheres para Justin. Quando colocou tudo em cima da bancada Justin chegou.

            ―Esqueceu o sorvete. ― mostrou a sacola indo até ela.

            ―Quem disse? ― riu. ― Que tal bolo com sorvete? ― questionou.

            ―Seria maravilhoso. ― Justin respondeu sorrindo.

            ―Pega uma colher de tirar sorvete para mim. ― pediu e Justin assentiu. ―Está na segunda gaveta.

            Ashley partiu um generoso pedaço de bolo, de chocolate com cobertura e recheio de chocolate, para ela e para Justin. O garoto não demorou em voltar para a bancada entregando a colher a namorada. Ashley colocou duas bolas de sorvete em cada prato. Seu sorvete favorito era de flocos.

            Sem cerimonia ela deu a primeira garfada, degustando assim a saborosa combinação do bolo e o sorvete. Justin não perdeu tempo e fez o mesmo.

            ―Hm, você tem razão. ―Justin falou coma boca cheia. ―Tá muito gostoso.

            Ashley riu da maneira dele falar.

            ―E te disse. ― se gabou.

            Justin terminou de engolir o pedaço que estava em sua boca e a encarou.

            ―Sabe o que ficaria melhor? ―perguntou e a encurralou entre seus braços e a bancada.

            Negou com a cabeça.

            ―Um beijo seu. ― sorriu se aproximando dos lábios da garota. 

            Ela sorriu de olhos fechados e permitiu que a boca do garoto entrasse em contato com a sua e iniciasse um beijo. Justin puxou um pouco de ar pelo nariz, para poder aguentar mais tempo o beijo sem a necessidade de separar.

Ashley passou uma das mãos pela nuca do garoto e  girou a cabeça milimetricamente. Justin agarrou sua cintura  e a prensou contra a bancada. A mão da garota que ainda estava encostada na bancada soltou o utensilio que segurava e passou o outro braço ao redor do Justin. As mãos do garoto desceram por uma das coxas e apertou.

Quando ela ia enganchar suas pernas na cintura do garoto um barulho os faz afastar.

―Boa noite. ―Clara diz colocando as compras em cima da mesa.

―Boa noite, senhora Johnny. ― Justin falou meio sem graça.

―Que horas você chegou? ― ela perguntou.

―Há alguns minutos atrás. ― respondeu.

―Hm... ― os encarou. ― Não se incomodem comigo, só vou guardar as compras.

―Não, tudo bem. ―Ashley falou. ―Justin e eu subiremos para o quarto e terminaremos o bolo lá.

―Não precisa. ― Clara falou enquanto guardava as coisas da geladeira.

―Não, nós iremos assistir filme também. ― sorriu.

Justin e Ashley pegaram seus respectivos pratos com bolo e sorvete, o porte do sorvete e subiram as escadas. Quando entraram no quarto logo fecharam a porta.

―Por que não quis ficar lá embaixo? ― Justin perguntou colocando o pode de sorvete em cima do criado mudo da garota.

―Não ia ficar te beijando na frente da minha mãe. ― caminhou até o criado mudo e colocou um pano debaixo do pote, para não manchar o móvel.

―Então quer dizer que vamos terminar a pegação que estávamos lá na cozinha? ― se aproximou dela.   

            ―Talvez. ― deu de ombros. ―Depois de comer o bolo com sorvete. ― riu.

            Ashley pegou seu prato e sentou no tapete, enquanto Justin tirou os sapatos e a camisa.

            ―Por que está tirando a roupa? ―Ashley levantou o rosto e o encarou.

            ―Não estou tirando a roupa. ― sentou perto da namorada com o prato na mão. ―Só tirei a camisa para não sujar de bolo. ― deu de ombro.

            ―Hm... ― A garota retorceu os lábios. ― Então quer dizer que eu posso fazer isso?

            Encheu uma colher de sorvete e arremessou no peito do namorado.  Em questão de segundos Justin sentiu o sorvete gelado entrar em contato com sua pele ainda quente a deixando melada. Ele olhou para seu peito e para Ashley, que ria sem parar.

            ―Menina má. ―ele fez uma falsa cara de bravo.  ―Já que é assim eu posso fazer o mesmo. Não? ― arqueou a sobrancelha.

            Ela negou com a cabeça e tentou levantar, mas Justin foi mais rápido e acertou o sorvete em  seu moletom. Ele riu enquanto ela olhava para seu moletom favorito sujo de sorvete.

            ―Não teve graça. ― falou manhosa. ― agora vou ter que tira-lo.

            Ela começou a erguer o moletom e sua pele desnuda foi ficando cada vez mais exposta, até ela tirar por completo o moletom. Por baixo do moletom ela estava apena com um sutiã de renda da mesma cor do moletom. Justin encarou os seios fartos exprimidos no sutiã de renda que deixa a mostra os mamilos rosados, pois estava mal ajustado.

            Justin passou a língua pelos lábios e tentou controlar para não deixar sua excitação visível. Ashley não percebeu e levantou indo até o guarda roupas pegando uma jaqueta de moletom. A vestiu e voltou para onde estava.

            ―Bom, já que meu bolo acabou e meu sorvete foi para o espaço. ― encarou o prato frustrada. ― Que tal assistirmos um filme? ― olhou para o namorado.

            ―Desde que não seja outra comedia romântica. ― Justin riu.

            ―Acho que filme seria chato. ― Ashley passou uma das mãos pelo queixo. ―Que tal fazermos outra coisa? ― o encarou.

            Eu estou pensando em mil coisas para fazer com você, amor. Só que você não colabora. ― Justin pensou.

            ―Vamos sair. ― Justin sugeriu.

            ―Não, eu queria fazer alguma coisa em casa mesmo. Quero um tempo só nós dois. ―suspirou. ―Sabe o que eu sempre quis fazer?

            Sexo? ― o pensamento de Justin gritou.

            ―Não. ― ele respondeu.

            Ela sorriu mordendo os lábios e levantou rapidamente. Caminhou até sua escrivaninha e pegou um dos livros que estava lendo. O teorema Katherine.

            ―Vem. ― Chamou Justin para deitar na cama.

            Ele levantou sem entender e deitou ao lado dela na cama.

            ―Assim não. ― o olhou feio. ―Assim.

            Ela o puxou para que deitasse entre suas pernas com a cabeça e costas encostadas em seu peito, passou as pernas por cima das dele e abriu o livro.

            ―Você vai ler para mim? ― questionou rindo.

            ―Vou. ― respondeu dando de ombros. ― Sempre quis fazer isso.

            ―As vezes você tem desejos estranhos. ―Justin riu de lado. ― Acho que por isso que você se destaca das outras. Por valorizar as mínimas coisas as tornando especiais da sua maneira.

            Ela o olhou, mas ele não percebeu. Um sorriso brotou no rosto da garota e depositou um beijo no topo da cabeça dele.  O fazendo sorrir.

            ―Eu já comecei a ler a algumas horas. ― ela abriu o livro. ―Esse livro é apaixonante, você vai gostar. Tem varias frases legais.

            ―Frases legais? Me diga uma que você goste. ― a encarou.

            ―Ok. ―ela começou a folhear o livro em busca de uma de suas frases favoritas.  ― Aqui está.

             “Eu não acho que seja possível preencher um espaço vazio com aquilo que você perdeu. Não acho que nossos pedaços perdidos caibam mais dentro da gente depois que eles se perdem. Agora foi a minha ficha que caiu: se eu de alguma forma a tivesse de volta, ela não encheria o buraco que a perda dela deixou.” ― O teorema Katherine (John Green)

            ―Gostei desse. ― Justin sentou na cama e a encarou. ― Só que descordo de uma coisa.

            ―E o que seria? ― questionou.

            ―Essa ultima parte. ―ele pegou o livro da mão dela. ― “ Se eu de alguma forma a tivesse de volta, ela não encheria o buraco que a perda dela deixou” ― releu o trecho. ―Comigo aconteceu diferente.

            ―Aconteceu? ― ela riu fraco.

            ―Quando você brigou comigo, por causa da mentira que a Kimberly disse, eu fiquei muito mal. Mais foi muito mal mesmo, do tipo perder o motivo de viver. A dor da perda doía que sangra, literalmente. ― a encarou.  ― eu passava dias e noites remoendo suas ultimas palavras, guardando cada expressão sua quando as dizia e eu pensava. “ Como ela está agora? Será que está sofrendo igual eu?”

            Ashley respirou fundo, pois sua garganta tinha dado um nó e estava segurando para não chorar ao relembrar dos momentos.

            ―Eu imaginava você abrindo a porta e falando que me amava. Porem eu olhava e não vinha nada além da escuridão. ― retorceu os lábios. ―Aí ele fala que a garota dele não encheria o buraco que a perda dela deixou, mas você encheu o meu. Você não só encheu como transbordou. ― riu fraco.  ― Pra mim não tem essa, se ama mesmo aceita a pessoa toda quebra, mas junta todos os cacos e  a faz feliz para ser feliz. ― deu de ombros. ― É só o que eu acho.

            Ele deitou novamente na posição que estava.

            ―Esse livro parece ser legal. ― a olhou rapidamente. ―Lê pra mim? ― sorriu.           

            Ela sorriu de volta e apertou a ponta do nariz dele de leva.

            ―Vou ler para você igual criança. Vou te por para dormir. ― riu.

            ―É por isso que eu  digo que você me enche. ― riu e a puxou para um beijo.

            ―Bobo. ― riu entre o beijo.


Notas Finais


Bom, para o proximo cap que tal uma pool party e varias tratas? kkk
espero que tenham gostado, não se esqueçam de comentar e perdoe os erros de port. tenho que betar essa fic kkk

bjs até o proximo cap
#comentem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...