História Veela - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Camila Cabello, Colegial, Justin Bieber, Mitologia, Veela
Visualizações 1.002
Palavras 5.771
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey, amores. Venho dar uma noticia não tão boa. Bom, eu vou ficar um bom tempo sem atualizar a fanfic, mas não é porque estou sem o que escrever, mas sim por causa dos estudos e estagio que começarei a partir de segunda. Então até novembro, ou se por um milagre ou feriado, até antes.

Boa leitura

Capítulo 37 - " O que será de nós?"


19 horas e 40 minutos, Domingo

 

( Casa da Ashley)

 

Justin e Ashley estavam sentados no gramado do jardim da frente da casa de Ashley, enquanto ambos observavam o céu. O garoto a tinha em seus braços, enquanto acariciava os cabelos da mesma, e ela o abraçava pela cintura.

— Posso dizer uma coisa? — Justin perguntou ainda olhando para o céu.

— O que seria? — Ashley se afastou um pouco e o encarou.

— Esse com toda certeza, sem sombra de dúvida…. Está sendo o fim de semana mais parado de toda a minha vida. — riu.

— Nossa! — Ashley colocou a mão no peito como se estivesse ofendida. — então quer dizer que as coisas comigo são paradas? Vai querer me trocar?

— Não, amor.— ele riu e a puxou para abraça-la.

— Não. Sai! — ela o empurrou.

— Vai ficar chateada comigo mesmo, amor. — ele a puxou pela cintura. Ela permaneceu de braços cruzados. — Hein? — Justin começou a tentar a fazer rir apertando suas bochechas e fazendo cosquinhas. Não demorou muito para Ashley começar a rir.

— Pa-pa-para, Jus-tin! — pediu enquanto ria.

— Não, eu quero sorriso. —  intensificou as cócegas. Os dois caíram na grama deitados enquanto riam.

— Seu idiota! — falou, ainda ofegante, quando parou de rir. Os olhos dos dois  pararam fixos um no do outro. — Seu fim de semana ainda está chato? — perguntou ainda ofegante.

— Eu só disse isso pelo fato da gente não poder sair e tals, mas eu estou feliz pra porra. — ambos riram. — Cara, nós voltamos oficialmente. Agora não precisamos ficar nos encontrando às escondidas…

— Tem certeza? — Ashley questionou com a sobrancelha arqueada.

— Você quer continuar com nossas...— ela assentiu. — e vamos fazer o que estou pensando? — ela assentiu novamente, só que dessa vez mordeu o lábio inferior. — Isso é sério mesmo?

— Sim. — riu.

— Cara, eu te amo. — Justin falou empolgado e Ashley deu uma gargalhada.

— Não sei o porquê de tanta surpresa, Bieber, não foi você mesmo que me disse que tinha muita coisa para me ensinar? — Justin assentiu igual um cachorrinho. — então, sem praticar não iremos a lugar algum.

— Isso até me excitou. — mordeu o lábio inferior.— que tal começarmos agora. — Justin olhou para a varanda e Ashley o acompanhou.

— Não, nem pensar. — a garota respondeu.

— Amor…. Você mesma disse que eu tenho muito a ensinar. — O garoto resmungou.

— Mas isso não significa que eu vou aceitar transar com você na varanda da minha casa, sendo que meus pais estão em casa e alguém na rua pode ver.

— Mas lá tá escuro, e nós não faremos barulho, então…

— Justin, não! — corou.  — e outra, Papai daqui a pouco vai aparecer na porta.

—  Falando nele… —ambos olharam para a porta, onde havia um homem parado e os encarava. — acho que nossa festa acabou. — Justin comentou enquanto levantava do gramado e em seguida ajudou a namorada a levantar também. — Amanhã nos veremos na escola. — ele a abraçou e por cima dos ombros da garota espiou para ver se Jacob ainda os observava.

—  Boa noite… — Ashley  olhou disfarçadamente para ver se seu pai ainda estava na porta, e dessa vez não estava.

A garota sentiu seu corpo sendo puxado e se chocar contra outro quente e com um cheiro entorpecente. Seus lábios foram tomados em um beijo quente, Justin apertou sua cintura e deixou os corpos deles mais próximos ainda, ela passou seus braços em torno do pescoço dele é intensificou o beijo, o garoto abriu os olhos rapidamente para ver se Jacob estava olhando, e não estava. Suas mãos desceram até as nádega de Ashley e as apertaram, fazendo a garota gemer

— Justin… é melhor pararmos por aqui. — Ashley falou enquanto beijava o garoto. — meu pai… — resmungou.

— Ok! — Justin cessou o beijo. — Eu vou, mas você promete que amanhã você vai ir a um lugar comigo?

— Que lugar? Posso saber? — questionou com os braços cruzados.

— Me encontra na frente do colégio meia hora antes do sinal bater.

— Mas é muito cedo. — resmungou. — Papai vai suspeitar… o que você está tramando, Justin?

— Então me encontre dez minutos depois do sinal tocar. Está bom assim?

— O que você está aprontando? — arqueou a sobrancelha.

— Só faz o que estou te pedindo, Ok? — ele segurou o rosto da garota e a beijou rapidamente. — eu tenho que ir. — olhou para a porta, de onde Jacob os encarava. — te vejo amanhã. — deu um último selinho e se foi.

 

7 horas e 30 minutos, segunda feira.

 

( Tigh High School )

 

Ashley estava na frente do colégio a espera de Justin, o sinal já havia tocado a quase meia hora e até agora o namorado não apareceu. A garota bufou irritada e olhou mais uma vez para o relógio em seu pulso. Não demorou muito e ela ouviu um barulho de motor de carro, não demora muito e uma picape para em sua frente,  e dentro da mesma sai Justin apressado.

— Justin, porque se atrasou? Nós estamos atrasados pra caramba, a professora não deixará entrar na aula agora. Estamos ferrados. — Ashley falava tudo muito rápido e embolado.

— Ei, ei, ei!  — Justin tentou se acalmar. — isso faz parte do plano. — segurou o rosto da garota com delicadeza.

— Inclusive o atraso? — arqueou a sobrancelha.

— Não, isso não. — riu fraco. — mas não faz mal,  pois não vamos a aula hoje. — sorriu de lado.

— O que? Como assim? — Perguntou apavorada.

— Entra no carro, temos que aproveitar o máximo possível. — Justin abriu a porta para que a namorada entrasse, mesmo ainda sem entender ela entrou, e Justin fez o mesmo.

— Agora você pode me explicar o que está acontecendo? — ela perguntou, enquanto Justin ligava o carro e começava a dirigir.  

— Moramos em Stanford, gata! Temos muito que aproveitar. — olhou de relance para a namorada.

— Você fala como se Stanford fosse Las Vegas, Los Angeles ou Miami. — Ashley falou com ironia.

— Tá, não são essas cidades, mas Stanford tem muitos lugares românticos, Ok? — a encarou.

— E em qual deles você me levará? — o encarou.

— Você vai ver daqui a poucos minutos.

Justin dirigia rapidamente, pois pelo horário não havia muitos carros na rua, pelo fato da maioria das pessoas estarem no trabalho, escola ou em alguma outra atividade. Não demorou muito e ele parou em frente  à um lugar imenso e pouco visto por Ashley.

— Brickman’s Botanical Gardens? — encarou o namorado. — então é aqui? — Abriu a porta do carro e saiu, sendo acompanhada pelo namorado, que rodeou o mesmo e ficou ao lado dela.

— Não gostou? — Justin questionou.

— Não é isso… eu nunca vim aqui antes. — o encarou com um sorriso nos lábios.

— Pois então, hoje será sua primeira vez. — ele estendeu um dos braços. — me acompanha, senhorita Jhonny?

— Sim, senhor Bieber. — segurou o braço de Justin e o entrelaçou ao seu.

Ambos entraram no parque, que pelo dia e hora não havia muitas pessoas. Tudo estava em silêncio e o único som que eles ouviam era o da natureza. Canto dos pássaros, barulho das folhas, nas copas das árvores, a água das fontes. Sons relaxantes que todos deveriam apreciar todos os dias.

— Eai, está gostando? — ele questionou olhando para a namorada, que olhava admirava as flores a sua volta.

— Aqui é muito lindo. — falou admirada, enquanto olhava tudo a sua volta. — Eu estou amando. — Se aproximou de Justin e o abraçou fortemente.

— Sabia que eu amo seus abraços? — Justin falou enquanto a apertava em seus braços. — Seu cheiro é tão bom… sua pele é tão macia.

— Eu também gosto dos seus abraços. — o olhou. — ele é acolhedor, me sinto segura nele. — ambos riram.

— Qual você gosta mais, meu abraço ou meu beijo? — a encarou.

— Não me faça perguntas difíceis. — riu. — eu amo tudo em você, seu sorriso é encantador. — acariciou as bochechas do garoto. — eu sempre o observava, eu sempre observo o sorriso das pessoas, inclusive em você.

— Eu acho que você é a primeira menina que fala, e eu acredito que é verdade, que observava meu sorriso e  não meu corpo, ou pior, meu pau. — Justin riu e Ashley corou. — amo quando você cora. — apertou a bochecha dela. — principalmente em alguns momentos… — mordeu o lábio, fazendo a garota corar ainda mais.

— Acho que já ficamos tempo demais aqui. — Ashley disse olhando para os lados.

— Já quer ir embora, amor? — Riu fraco. — pensei que tivesse gostado.

— Eu gostei. — o encarou. — mas é que… eu posso jurar que  vi bicicletas na carroceria da picape. — o encarou. — me diz que nós vamos andar de bicicleta. — bateu palmas.

— Sim!  — Justin confirmou e Ashley começou a dar pulinhos de alegria. — Nossa, quanta felicidade por causa de uma bicicleta. — ele riu e passou os braços em torno da cintura de Ashley. — vamos então, antes que você dê um ataque.

Eles caminharam para fora do jardim e entraram na picape, que estava estacionada logo em frente. Justin, após assumiu seu lugar no carro, deu partida e saiu cantando pneu.  As ruas estavam calmas, então o trajeto até a praça mais próxima não foi demorado, logo o garoto estava estacionando a picape e descendo da mesma.

— Espero que saiba andar sem rodinhas. — o garoto caçoou.

— Eu sei andar de bicicleta muito bem, tá legal? —  Ashley cruzou os braços.

Justin tirou duas bicicletas da carroceria, uma azul e outra prata.

— Escolha a sua. — ordenou. Ashley analisou as duas e optou pela azul.

— Minha cor preferida. — falou.

— Eu poderia jurar que fosse rosa. — o garoto riu anasalado, enquanto ambos empurravam a bicicleta até o meio fio do outro lado da sua.

— Por que diz isso? —parou e a encarou.

— Quase todo o seu quarto tem rosa, você tem muita roupa rosa, o seu pijama de porquinho é rosa  — riu.

— Nossa, que chato. — deu um tapinha de leve no braço do namorado. — Vamos, antes que o tempo passe e nós não iremos aproveitar.

Ambos subiram na bicicleta e começaram a pedalar, deram a volta três vezes o quarteirão e voltaram para o ponto de origem, perto da picape.

— Vamos apostar uma corrida? — Justin propôs.

— Não, nem pensar. — Ashley recusou, ofegante. — Eu estou exausta. — riu.

— Ok, vamos embora então. — ele riu e desceu da bicicleta, e as guardou na carroceria. — vamos?

— Sim. — os dois entraram no carro. — para onde vamos? — Ashley perguntou enquanto colocava o cinto.

— Para minha casa, ué. — o garoto riu e deu partida.

— Isso não vai dar muito certo, porque tipo, já está quase no horário de voltar para casa. — ela o encarou.

— Então ligue para sua mãe e avise que não voltará para casa agora— deu de ombros.

— Ok! — ela pegou o celular, discou o número de sua mãe e esperou alguém atender. — Alô, Mamãe?

Sim, Ashley.

— É… eu estou ligando para avisar que eu vou para a casa do Justin.

Posso saber o que vai fazer lá?  — a garota ficou em silêncio. — Não precisa falar nada, eu sei o que vocês pretendem fazer. Mas proteja-se , não se esqueça que você só tem 16 anos.

— Eu sei, Mamãe. — confirmou. — muito obrigada pelo voto de confiança.

— Já até imagino o que ela falou. ― Justin falou rindo, enquanto via a namorada guardar o celular.

― E eu posso saber?  ― o encarou.

― Falou que temos que nos proteger e blá, blá,blá. ― a encarou. ― até sua mãe sabe que vamos fazer sexo. ― riu.

― Justin... ― a garota resmungou.

― O que foi? ― o garoto perguntou em um tom inocente, enquanto estacionava o carro na garagem de sua casa. ― Eu só estou falando a verdade. ― ele foi até a carroceria e tirou dali as bicicletas e uma coisa que a garota não tinha visto antes... uma cesta de piquenique.

― Uma cesta de piquenique? ― Ashley perguntou curiosa.

― Sim, eu tinha planejado fazer um no jardim, ou na praça, mas você disse que queria ir embora. ― ele deu de ombros.

― Ain, Justin. ― ela resmungou meiga. ― me desculpa. ― o abraçou. ― você preparou um piquenique e eu estraguei seus planos. ― deu-lhe um selinho.

― Quem disse que não iremos fazer o piquenique? ― ele a encarou. ― vamos fazer esse piquenique sim, e será lá no meu quarto. ― passou a língua vagarosamente pelos seus lábios.

― Safadinho. ― apertou o nariz do garoto. ― então já estava com tudo armado?

― Na verdade não. ― riu. ― mas tenho uma mente fértil. ― deu mais um selinho na namorada. ― agora vamos.

Eles saíram da garagem e rumaram até a casa, entraram na mesma e subiram direto para o quarto do Justin. O garoto trancou a porta de entrada e abriu a da sacada.

― Sabe o que seria muito bom nesse momento? ― ele se aproximou de Ashley.

― Hm.. o que seria? ― o encarou.

― Nós nunca tomamos banho juntos, né... ― ele sorriu.

― Já sei onde você quer chegar. ― balançou a cabeça. ― mas isso não vai acontecer pelo fato de eu ter vergonha do meu corpo.

― Pra que vergonha? Especialmente de mim, cara, eu já decorei cara centímetro do seu corpo. ― a encarou. ― eu sei de cada pinta, cada ponto que te faz arrepiar. T-U-D-O! ― a beijou com vontade. ― eu amo seu corpo, eu te amo. Por que a vergonha?

― Não sei. ― resmungou. ― não me acho o suficiente para você. ― retorceu os lábios. ― penso que em alguma hora você vai me deixar por outra mais bonita. ― ele negou e riu anasalado.

― Para de besteira. ― a puxou, para os corpos ficarem ainda mais colados. ― eu te amo, e sou só seu. ― a beijou. ― esse medo deveria partir de mim, e não de você. ― acariciou as bochechas dela. ― você é incrível, em todos os sentidos, você é rara, e coisas raras são bastante disputadas pelos outros. ― desceu as caricias para o pescoço da garota. ― e eu te protejo com minhas garras se for necessário, mas ninguém te tira de mim. ― ele afastou os cabelos da garota, que recaiam sobre o pescoço da mesma, e  beijou o local com delicadeza, fazendo com que a garota se arrepiasse.

Ashley arfou e apertou o ombro de Justin, o mesmo, por sua vez, desceu suas mãos pela lateral do corpo dela, até a barra da blusa, e começou a subi-la até tirar por completo. O garoto olhou para a namorada por um curto espaço de tempo e voltou a beija-la com fervor. Ashley segurava o cós da calça de Justin e a puxava para baixo. Já ele abriu o zíper da garota e puxou o short para baixo, e ela o ajudou  a se livrar dele mais rapidamente.

Justin não se conteve e se pôs a admirar a namorada, que estava somente de lingerie. Ambos ainda ofegante, por causa do beijo ardente de segundos atrás, se encaravam. O garoto sorriu de forma maliciosa e beijou a namorada outra vez. Dessa vez ela que tomou a iniciativa de despir o namorado, abriu o zíper com rapidez e puxou a calça para baixo, ele a ajudou a tira-la por completo. Justin não perdeu tempo e pegou Ashley no colo, fazendo ela dar um gritinho de susto, e caminhou até o banheiro, bateu a porta com o pé e só a pôs no chão quando entraram no box. Ele ligou o chuveiro e se pôs a encara-la.

― Agora é sua vez, não vou tirar sua roupa, quero que faça isso por si própria. ― Justin falou. ― vamos.. ― se afastou um pouco dela. ― não tenha vergonha.

Ashley respirou fundo e virou de costas, o garoto suspirou de forma frustrada, pois o que ele fez e disse não havia sortido efeito, ela continuava com vergonha do corpo. A garota passou as mãos pelas costas e lentamente abriu o sutiã, o tirou e jogou no chão. Justin a encarava fixamente esperando mais movimentos. As pequenas mãos da garota foram escorregando pela lateral do seu próprio corpo até chegar na calcinha, ela começou a abaixa-la lentamente, enquanto Justin a olhava com a boca salivando. Quando a jogou no chão continuou virada de costas para o namorado, a água quente escorria pelo corpo da mesma e só o que se ouvia era o barulho da água.

― Não vai olhar em meus olhos? ― Justin perguntou. ― a vergonha é tanta que nem me encarar consegue? ― ele riu anasalado.

Ela respirou fundo e virou para encara-lo, seu rosto estava corado e seu corpo um pouco retraído. Ainda um pouco envergonhada se aproximou do namorado, que estava encostado no vidro do box, e o beijou de forma urgente, as mãos deles ainda permaneciam inertes ao lado de seu corpo, e a única parte do corpo que correspondia o beijo era a boca, nada mais. Ashley se afastou e olhou com um pouco de dúvida. Será que ele não gostou do beijo.

― Eu não queria que fosse assim. ― Justin falou antes que Ashley perguntasse o motivo de tanto desanimo no beijo. ― eu idealizei como seria esse momento... e não está sendo nada como eu planejei. ― respirou fundo, e a garota se encolheu recuando um pouco. ― não fica assim. ― ele a puxou pelas mãos e fez com que o corpo dos dois se chocassem. ― não é que eu esteja achando ruim ou coisa do tipo, mas é que eu idealizei como sendo algo diferente...tipo... eu e você igual duas crianças, brincando debaixo do chuveiro, rindo e fazendo guerrinha. ― riu fraco. ― claro que faríamos coisas que crianças nem sonham em fazer.. ― sorriu de forma maliciosa. ― já estava tudo nos esquemas... mas o clima entre nós dois está pesado, parece que somos dois desconhecidos. ― acariciou as bochechas da garota.

― Desculpa... ― Ashley falou em um murmuro. ― é que eu não consigo fazer certas coisas ainda... eu também já idealizei esse momento... e foi como você tinha dito, mas eu não contava com o fator vergonha extrema. ― ambos riram. ― você deve me achar uma infantil por isso.

― Confesso que as vezes acho que você faz muito cu doce... ― ele riu. ― mas depois eu tento entender o seu lado, porque tipo, você antes de me conhecer era mó santinha, e agora eu quero que você seja safada? É logico que vai ser difícil para você.  Cara, você não tinha nem beijado na boca...

― Vai ficar jogando na cara? ― o encarou.

― Não sei  o porquê você tem vergonha disso? ― ele deu de ombros. ― Eu acho super legal esse negocio de se guardar para a pessoa certa, dar o primeiro beijo quando encontrar o amor. Eu seria assim, mas não consegui. ― riu fraco. ― tenho que confessar que meu ego amou o fato de eu ser o primeiro a beijar sua boca. ― o garoto riu convencido. ― tirar sua virgindade então... ele foi nas alturas.

― Justin. ― Ashley o repreendeu corando e o namorado riu alto. ―posso te contar uma coisa? ― ele assentiu. ― eu pensava que meu primeiro beijo seria com outra pessoa.

― E quem seria esse outro ser? ― Justin perguntou com desdém.

― Malk...

― O QUE? VOCÊ PRETENDIA DAR SEU PRIMEIRO BEIJO COM AQUELE NERD? ― o garoto perguntou exaltado. ― VAI ME DIZER QUE GOSTAVA DELE TAMBÉM?

― EI! CALMA AÍ! ― ela respondeu no mesmo tom. ― se for para falar assim comigo eu vou embora. ― normalizou o tom de voz, mas mesmo assim falava firme.

― Desculpa...

― Eu achei que já que você estava abrindo o jogo eu poderia abrir também, mas vejo que não é assim, então está legal. Não irei falar mais nada. ― cruzou os braços e emburou a cara.

― Ei, não fica assim! ― a apertou em seus braços. ― eu errei gritando com você, desculpa. ― a encarou. ― agora pode falar, você tem todo o direito.

― Vai ficar gritando? ― ele negou. ― então tá! ― respirou fundo. ― eu pensava que meu primeiro beijo seria com ele, e no baile de formatura, porque ele era o único menino que convivia comigo. Entende? ― Justin assentiu. ― seria meio que de uma despedida, pois não nos veríamos na faculdade, ele vai para uma e eu para outra. Eu pensava que seria assim. Tenho que admitir que pensava que minha primeira vez também seria com ele. ― Justin a encarou com a sobrancelha arqueada. ― calma, é pelo mesmo motivo de antes. Por que, tipo, somos amigos a muito tempo, e depois do beijo vai que começaríamos a namorar? Não sei , tudo é valido.

― Você gostava dele? ― Justin perguntou baixinho. Essa conversa não estava o agradando e a resposta que ela daria seria crucial para a emoção que a veela assumiria.

― Não, eu não gostava dele desse jeito que você está pensando. Só como amigo. Eu nem sei o porquê pensava isso da gente. Acho que era pelo simples fato de ninguém olhar para mim...

― Eu olhava...

― Com interesse em pedir resposta e trabalhos? ― ela o encarou. ―Não é disso que eu estou falando.

― Eu também não estou falando disso. ― ele riu de lado. ― Vou te contar uma coisa. Você uma vez, ou duas.. não sei, já foi tema da conversa dos jogadores do time de basquete.

― Jura? ― ela perguntou surpresa.

― Juro. ― concordou. ― lembro-me como se fosse hoje, estávamos falando de algumas garotas do colégio, até que chegou em você. Os garotos tinham curiosidade de como seria transar com você . ― ele riu ao ver a namorada corar ainda mais. ― tínhamos a duvidas de como você era de corpo, se era apertada, essas coisas de garoto.

― Que horror! ― ela falou espantada. ― Pervertidos! ― deu um tapa no braço do namorado.

― Não me jugue. ― o garoto falou rindo. ― você lembra de quando o Toddy chegou em você? ― ela assentiu. ― então, ele tinha dito que conseguiria algo.  É óbvio que nós duvidamos dele, e ele foi. Rimos horrores quando você deu um fora nele. 

― Você me apostaram? ― Ela perguntou ofendida.

― Não, amor. É o Toddy que é um sem noção. ― Justin riu. ― É por isso que eu tenho tanto cuidado com você. Eu sou homem e sei o que passa na mente dos outros homens. Você tá puta de gostosa,  e as pessoas te olham por onde passa. Por isso que eu te amarrei de varias formas. Uma delas é esse bambolê que você usa no dedo. ― Ashley olhou para a sua aliança. ― tenho um cuidado especial por você. ― a beijou.

― Vamos tomar banho de uma vez? ― Ashley se afastou. ― Posso apostar que já gastamos a metade da água do planeta. ― olhou para o chuveiro, que permanecia ligado. ― Estou me sentindo uma pessoa horrível por desperdiçar tanta água. ― ela foi até o registro e o fechou.

― Está se sentindo melhor agora? ― Justin riu.

― Acho que sim. ― riu e concordou. ― vamos tomar banho ou não?

― Você desligou o chuveiro. ― ele apontou para o objeto.

― Nossos corpos estão molhados, é só ensaboar e depois enxaguar. . ― ela explicou.

― Ok! Vamos fazer diferente, eu te dou banho e depois você me dá banho. Ok? ― Justin propôs.

― Não sei, mas isso tem segunda intensões. ― ela o encarou com ar desconfiado.

―É lógico que tem, se não tivesse não partiria de mim. ― Justin gargalhou.

O garoto abriu um pouco o chuveiro, só para molhar a esponja, despejou o sabonete liquido na mesma e começou a esfregar o corpo de Ashley. Ele começou pela nuca, foi descendo pelos ombros e costas, até que chegou nas nadegas, onde parou um pouco. a massageou e deu um tapa estalado, que chegou a arder um pouco.

― Justin... ― Ashley resmungou.

― Desculpa, não resisti. ― ele disse rindo.

O garoto continuou esfregando aparte de trás, até chegar ao pés da namorada. Eles se pôs de pé novamente, pois havia abaixado para esfrega-la, e começou a passar a esponja pela parte da frente, passou na parte da frente do pescoço, foi descendo até os seios, onde ele não perdeu oportunidade e os apertou, Ashley arfou. Ele continuou o trajeto, passando pela barriga até chegar a intimidade. Ele juntou seu corpo ao dela, fazendo com que sentisse sua ereção e gemesse. Justin começou a estimula-la de forma lenta, enquanto beija o pescoço da mesma.

― Justin... ― gemeu Ashley. ― mais...

Ele riu e intensificou os movimentos e ouvindo os gemidos de sua namorada aumentarem cada vez mais. Quando a mesma estava prestes a ter um orgasmo  ele parou e voltou a ensaboá-la. Ashley ainda estava com a respiração ofegante. Quando terminou ligou o chuveiro novamente e deixou que a água tirasse toda a espuma do corpo da garota. Quando o corpo de Ashley estava totalmente livre de espumas Justin sorriu.

― Agora é sua vez, gatinha.  — Justin sorriu de lado.

Ambos começaram a encarar um ao outro, e o único barulho que se ouvia era da água que saia do chuveiro. Depois de um certo tempo Ashley respirou fundo e se aproximou mais do namorado. Como não sabia o que fazer, o beijo de forma calma, enquanto suas mãos  desciam, timidamente, pela lateral do corpo de Justin. Quando chegou ao cós da boxer ela foi puxando-a para baixo, fazendo com que o pênis, já ereto, de seu namorado batesse em sua barriga. Justin riu e ajudou a tirar o restante da boxer, a jogando para o lado.

Ashley pegou a esponja, a molhou na água que jorrava do chuveiro e despejou o sabonete líquido, desligando o chuveiro logo depois. O silêncio se instalou, a garota respirou fundo mais uma vez e começou a esfregar as costas do namorado, descendo pelas nádega, onde retribuiu o tapa que ele havia dado nela.

— Agora estamos quites, Bieber. — Ashley sussurrou perto do ouvido do garoto.

— Você me surpreendeu fazendo isso. — o garoto comentou. — Isso arde. — ele reclamou.

— Para você ver o que eu sinto. — Ashley falou rindo enquanto esfregava a parte as pernas do namorado. — vira de frente. — pediu. Assim ele fez.

Ela começou a esfregar os ombros e descendo pelo peitoral, onde parou para admirar. Ela o olhou e sorriu de lado, depositando um beijo do lado esquerdo do peito do garoto. Ele gemeu baixinho. Não demorou muito para se afastar e continuar esfregando passando pelo abdômen e indo em direção a virilha de Justin.

— Ash, vou te ensinar uma coisa. — Justin se pronunciou um pouco antes dela chegar ao seu pênis. Ela o olhou sem entender. ― Se ajoelha no chão.

— Hã? — a garota perguntou sem entender.

— Ajoelha, amorzinho. — ele impulsionou o corpo dela para baixo, fazendo com que a mesma se ajoelhasse. Antes de dizer alguma coisa ele tirou a esponja das mãos dela e ligou o chuveiro, só o suficiente para tirar a espuma que estava em seu corpo, e o desligou novamente. — Você gosta de quando eu te chupo? — perguntou. — Responde.

— Sim. — ela sorriu mordendo o lábio inferior.

— Mas agora eu vou te ensinar a me chupar. — ele sorriu de lado. — vou te ensinar a fazer um boquete bem gostoso. — ela o olhou ainda sem entender. — e simples… pega no meu pau. —ordenou, e ela obedeceu. — é fácil, é só você colocar na boca e chupar, só não encosta os dentes…

— E isso é possível? —ela perguntou com ironia.

— É claro quer é, baby. Quando você beija fica batendo dente com dente? — Ela negou. — então… pra chupar meu pau não precisa encostar os dentes, isso machuca. — ele deu uma piscadela. — só colocar os lábios por cima dos dentes. — Ashley fez o que ele falou. — Isso...boa garota.— riu — agora chupa.

Ashley assentiu, segurou o membro com certa força, o fazendo gemer, e o abocanhou. Ela ia seguindo as coordenadas que o namorado dava, chupava e lambia olhando para Justin, o garoto gemia cada vez mais alto, quando estava quase chegando ao seu ápice segurou o cabelo da namorada, fazendo um rabo de cavalo, e começou a empurrar o quadril contra a boca de Ashley, fazendo seu pênis entrar por completo na boca dela.

―Isso, gostosa. ´― ele gemeu. ― mais rápido. ― pediu, e Ashley, ainda sem saber direito o que estava fazendo, aumentou  os movimentos. As veias do membro de Justin foram aumentando e os movimentos também. ― Eu vou gozar... ― ele gemeu e não demorou muito para um jato quente jorrar na boca da garota, a pegando de surpresa. Ashley tirou o pênis de Justin de sua boca e começou a cuspir o sêmen apressadamente. Justin a puxou para um beijo. ― não gostou do meu gosto, baby? ― passou o dedo pela lateral da boca dela colocando o que restava de seu liquido na boca da garota, a fazendo chupar.

― Hmm... tem um gosto diferente. ― ela resmungou de olhos fechados.

― É bom? ― ele perguntou e a garota assentiu.

―Mas é nojento. ― abriu os olhos e o encarou. ― a textura. ― Justin riu alto.

― Você foi bem... muito bem para uma iniciante. ― ele a beijou de forma intensa.

― Foi o melhor de todos? ― perguntou interessada.

― Hmm... não. ―o garoto usou de sinceridade e ela retorceu os lábios. ― mas foi diferente.. foi com você. ― a beijou novamente. ― agora precisamos tomar outro banho. ― ligou o chuveiro.

***

― Com toda certeza esse foi o banho mais demorado de toda a minha vida. ― Ashley falava enquanto desembaraçava os cabelos com os dedos. ―acho que os principais causadores pela escassez de água no planeta foram nós. ― riu caminhando até a cama e se jogando na mesma.

― Nossa, que exagerada. ― Justin riu e ajeitou a boxer.

― Acho que ficamos duas horas, ou mais, naquele banheiro. ―a garota riu. ― aconteceu de tudo lá... de tudo mesmo. ― eles se entreolharam, sorriram maliciosos e logo depois caíram na gargalhada. ― a proposito, que horas são?

― Nem queira saber. ― Justin pegou a cesta de piquenique e sentou no tapete do quarto. ― isso acabaria com todo o encanto.

― Impossível. ― Ashley levantou da cama e sentou junto a Justin. ― o nosso banho ficou como você planejou? ― ela o encarou.

― Ficou até melhor. ― começaram a por as coisas sobe o tapete. ― foi perfeito. ― ele a beijou rapidamente. ― agora vamos comer, por favor, eu já estou azul de fome.

― Eu também... estou sem comer desde quando sai de casa. ― Ashley riu.

Os dois começaram a comer os variados alimentos que havia dentro da cesta, entre eles tinha: suco, fruta, biscoito, chocolate, sanduiche. Tudo que é necessário para um piquenique. Os primeiro vinte minutos da comilança foram regados de conversas sobre assuntos aleatórios, até que a conversa chegou a um ponto crucial. O que ambos fariam depois que se formassem.

―  A formatura já está quase chegando. Você já sabe o que vai fazer depois que se formar?

― Vou para a faculdade, ué! ― Ashley respondeu rindo.

― E qual faculdade a senhorita pretende ir? ―Justin perguntou, mas já tinha a resposta dela em mente, ele previa uma resposta mais recebeu outra.

― Já enviei minhas notas para a  Universidade Columbia, o diretor disse que eu tenho tudo para ganhar uma bolsa e conseguir a vaga. Minhas notas são incríveis. ― ela falou animada, enquanto Justin se mantinha estático. ― Justin... você está bem? ― perguntou.

― Universidade Columbia? ― ele perguntou ainda meio aéreo. ― Mas ela fica em New York. ― a encarou. ― quer dizer que você vai sair do país?

― Sim... mas eu volto todas as férias e feriados.

― Há? Todas as férias e feriados? ― Justin a encarou incrédulo. ― então eu vou ter que me restringir a te ver só nesses períodos? Ashley onde você vai morar? Onde você vai trabalhar? ― ele a encarou. ― Isso é loucura, por que não cursar uma universidade aqui, no Canadá?

― Sim, nos veremos nessas datas. Eu irei morar em republica, e quanto ao trabalho... bom, posso trabalhar perfeitamente em uma lanchonete, entregando panfletos, sei lá, eu me viro. ― a garota deu de ombros.

― Não.. isso não pode. ― ele a encarou com uma expressão fechada. ― você vai está sozinha em uma cidade que nunca foi. Isso é loucura.

― Isso é o meu sonho, Justin...

― Ficar longe da família, de mim? Isso é seu sonho? Ficar sozinha em um lugar estranho tendo que se virar como pode, enquanto aqui terá o apoio da família, meu, dos amigos.... Ashley, isso é loucura.

― Justin, já está decidido, eu vou. Caso encerrado. ― falou firme. ― o que você pretende fazer depois que se formar? ― ela mudou de assunto.

―Eu pretendia construir uma vida a dois, ao seu lado. Mas como você me dispensou, eu tenho que planejar tudo novamente. ― o garoto bufou insatisfeito. ―eu tinha planos de morarmos juntos, meu pai já estava vendo até o apartamento, mas agora foi tudo por água abaixo... não sei mais de nada.

― Pare de dramas, Justin. ― ela chegou mais para perto do namorado. ― você pode ir par New York comigo, seria legal. ― ela tentou anima-lo.

― Não é tão fácil assim... o papai tinha convidado os olheiros do Toronto Raptors, eles assistiram ao meu jogo e decidiriam... e com toda a certeza me chamariam para fazer parte do time.- ele encarou suas próprias mãos. ― Há universidades boas em Toronto, Ashley, você poderia estudar lá, eu jogaria nos Raptors, teria dinheiro para manter nós dois, seriamos independentes. ― a encarou. ― Teríamos a vida perfeita.

― Não é assim, ninguém é independente vivendo as custas do outros, e eu não quero ser assim... quero ter minha independência, mesmo que não for grandes coisas, mas quero conquistar com o meu esforço. ― desviou seu olhar, por alguns segundos, de Justin, que o olhava fixamente. ― e não tem como eu mandar minhas notas para outra universidade, pois está tarde demais.

Depois de tais palavras o silêncio reinou por completo no quarto, ambos olhavam para suas próprias mãos e procuravam palavras para quebrar o iceberg que havia se formado,  até que Justin tomou coragem e disse.

― O que será de nós depois da formatura? ― falou em um sussurro. ― o que será de nós quando tudo isso acabar? Será que vai ser o nosso fim? É assim que termina nossa história? Cada um para um lado?  


Notas Finais


Sei que prometi o Jus mostrando seus outros poderes e tals, mas não deu pra ser nesse capitulo, preferi deixar mais light .. e tambem já ficou grande demais...
espero que tenham lido as notas iniciais..
#comentem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...