História .Velhos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Sehun
Tags Alzheimer, Baekhun, Baekhyun, Casados, Coma, Exo, Família, Filho, Sebaek, Sehun, Velhos
Visualizações 26
Palavras 836
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura ^^

Capítulo 1 - Capítulo Único


― Olhando pra ti agora me pergunto como ainda posso te amar mais e mais á cada dia. Teu sorriso agora mais maduro reflete toda a alegria que você sentiu na vida, com esses sulcos que denunciam tua idade , porém jamais poderiam tirar tua beleza.  Os famosos “pés de galinha” agora aparecem no seu rosto e eu só consigo pensar que você a cada dia fica mais belo, seus olhos brilham como quando te conheci e mesmo que hoje você não saiba meu nome, eu agradeço todos os dias por ter tido a oportunidade de fazer parte do teu mundo.

“Na verdade, agradeço todos os segundos por ainda ser capaz de enxergar a obra de arte que é o teu rosto. Você pode não lembrar, mas meus olhos nunca foram muito bons na função de enxergar (principalmente agora que estou velho) e mesmo que eu precise desses óculos fundo de garrafa para poder admirar teu narizinho, ― que de ‘inho’ está um pouco longe, por causa da idade que infelizmente chega para todos―. Você é e sempre será a criatura mais perfeita existente.

Não vou mentir e dizer que não me dói no peito ver você dizer que não tem um marido, que é novo demais para isso e chamar nosso filho de Kasper, mas eu sei que não é proposital. Você simplesmente não lembra e não posso exigir que faça isso quando a culpa é da doença e não sua.  Eu só tenho a agradecer, agradecer por ter um sentimento tão especial quando poucas pessoas ao menos sabem o que é o amor, agradecer por ter tido você na minha vida durante tantos anos e ainda assim descobrir uma ou outra mania sua de tempos em tempos como se ainda fôssemos os guris de antes, agradecer por simplesmente ter você.

‘Quem é você?’ você me perguntou certo dia, havia acordado e me encontrado te encarando, como sempre costumei fazer aliás, mas aquela foi a primeira vez que havia me pegado no flagra. Ou eu achei que era a primeira. ‘Você não pode fazer isso’ disse contrariado, porém calmo. ‘Apenas Sehun pode fazer isso. Ele sempre faz, pensando que eu não sei o que ele tá me olhando. ’ Senti uma vontade descomunal de chorar e ao mesmo tempo em que queria beijar seu rosto até você lembrar que eu era o seu Sehun.

‘Sabe,’ você começou, parecia distante e parecia já até ter esquecido que eu não deveria estar ali ‘eu amo tanto meu Sehun, você sabe onde ele está?’ sorri, mesmo que meu peito se apertasse como se um caminhão passasse por cima de mim. ‘Eu sou o seu Sehun. ’ Falei tentando demonstrar todo meu amor á você com aquelas palavras, mas você riu e não sei explicar bem o que senti quando você simplesmente disse ‘Ora, pare de falar baboseiras. Meu Sehun não é tão velho assim.”

Sehun riu, lembrando de tudo que havia acontecido até ali, enquanto olhava Baek naquela cama de hospital. O rosto do seu amado nunca deixava de ter uma expressão alegre, mesmo estando inconsciente.  Sehun todo dia ia ali, apenas para ver aquela face angelical e orar para que o amor da sua vida acordasse logo, enquanto contava histórias bobinhas á ele simplesmente porque os médicos diziam que ele podia ouvir e Sehun tinha uma saudade imensa de conversar com seu baixinho favorito no mundo todo.

― Pai? ― Ele ouviu Kwan chamar, ele tinha uma expressão preocupada na face e se curvava para ver como Sehun estava. ― Por favor, me diga que comeu direitinho hoje e não ficou o dia todo plantado nessa cadeira.

Sehun ergueu um canto do lábio, Kwan podia não ser filho biológico de nenhum dos dois ali, mas ele tinha tantas características do Byun que ás vezes se pegava imaginando se seus netos seriam parecidos com o filho ou com o marido.

― Ah sim, ― respondeu depois de um tempo, ainda segurando a mão do mais velho como fez durante todo o tempo que esteve ali. ― comi uma tortinha e tomei café.

Ouvindo o suspiro aliviado do filho Sehun segurou uma risada, era óbvio que não havia comido. Nada lhe cairia bem enquanto o amor de sua vida estivesse sobre aquela cama alheio ao mundo, Sehun se alimentava apenas para garantir que não morreria de fome e sem ver os olhinhos pequenos se abrindo para o mundo mais uma vez.

― Que bom pai, ― Seu filho lhe sorriu, mostrando os dentes brancos e fazendo com que os olhos sumissem. ― agora você deve ir para casa descansar um pouco e tomar banho, eu vou ficar com papai algumas horas.

Ele pensou em discutir, dizer que iria ficar ai até seu marido acordar, mas já estava na clínica há algumas horas e precisava tomar um banho. Assentiu e saiu dali o mais rápido possível quando sentiu uma pressão contra sua mão. Baekhyun estava prestes á acordar e ele não queria receber seu amado fedendo a clínica e antisséptico.

 


Notas Finais


Se quiserem deixar um feedback...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...