História Vendetta - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Rap Monster
Tags Bts, Namjin, Namjoon, Seokjin, Vendetta, Yaoi
Visualizações 331
Palavras 6.993
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi bolinhos de arroz! ♡^▽^♡ Como estão vocês? Tudo bem?

Minha gente... o que dizer? Eu estou pensando muito seriamente em colocar essa fanfic com o gênero Drama, porque o que tem de gente aparecendo aqui e dizendo que está sofrendo... shaushuahsuhaushausa. Mas essas minhas gracinhas a gente deixa de lado por alguns segundos. Vamos focar um pouco.

Eu não demorei muito para atualizar dessa vez, não é? E temos um numerozinho considerável de palavras! Eu espero muito que vocês relevem os prováveis erros e eu peço desculpas antecipadas se eu me atrasar com o próximo capítulo. Final de ano sempre é corrido e acho que isso engloba todo mundo.
Mas de qualquer modo, eu escrevi esse capítulo com muito, mas muito amor no coração e espero que vocês gostem e o aproveitem ☆ミ(o*・ω・)ノ

Eu não me responsabilizo por nenhum feels que vocês possam sentir. Beijão! ♡

Capítulo 8 - Um brinde a novos tempos


Fanfic / Fanfiction Vendetta - Capítulo 8 - Um brinde a novos tempos

゚・.゚SeokJin Pov's ゚・.゚

 

Como estava no previsto, assim que eu cheguei do lado de fora o carro já estava me esperando. Cumprimentei o motorista e lhe ditei o endereço da festa. Depois disso o carro começou a se mover rápido, enquanto eu relaxava no banco e começava a me entreter com as luzes dos postes, deixando meu pensamento me levar para longe, mesmo que algo dentro de mim estivesse agitado e eu não sabia exatamente pelo que. Talvez fosse ansiedade, nervosismo, ou apenas raiva pela briga completamente desnecessária essa que eu tive com NamJoon.

Mas nem isso tinha capacidade de me deixar para baixo.

Eu sempre tentava manter as expectativas baixas para não me decepcionar com nada, mas a minha animação estava tão alta naquela noite que por mais que eu tentasse, simplesmente não dava! Eu estava tão feliz e tão animado imaginando todas as coisas que eu faria naquela noite. Tinha que me lembrar de agradecer KyungSoo de alguma forma, pois ele havia sido um anjo para mim sem nem mesmo saber.

Se fosse em uma outra época eu provavelmente teria chamado um dos meninos ou o próprio NamJoon para me acompanhar à noite, mas agora? Agora eu me sentia um adolescente que estava a quilômetros da vigilância dos pais. Sem regras, sem amarras, curtindo a minha noite com meus amigos. Eu não podia imaginar algo melhor para mim naquele momento.

Aos poucos eu fui me distanciando de tudo, praticamente entrando em meu modo automático e nem percebendo que boa parte do tempo já havia passado. Só pareci voltar a mim quando o barulho da música e o show de luzes que vinha do fim da rua começaram a se tornar impossíveis de serem ignorados.

Assim que o motorista parou em frente ao clube eu pude perceber a grandeza daquela festa. Havia um tapete vermelho que se estendia para dentro do salão, ou ao menos de um deles. Eram quatro ao total. Logo na entrada os ornamentos me chamavam a atenção, assim como as luzes coloridas que se refletiam pelo chão. A festa estava lotada e logo de cara eu já reconhecia algumas pessoas com quem eu conseguia manter um diálogo legal. Aquele povo que sempre vemos por ai e acabam se tornando figurinhas repetias, sabe?

Logo que eu sai do carro e comecei a andar por aquele imenso tapete vermelho, mas fui interceptado pelos fotógrafos. Nunca tive nada contra eles, longe disso, mas eu só queria poder ser liberado logo daquela sessão, poder ver como estava tudo lá dentro e encontrar com KyungSoo, o que seria um árduo desafio senão um milagre!

Logo que consegui escapar eu pude ver como tudo estava e estupendo era uma palavra que se encaixava bem. A festa era toda iluminada e o dourado se sobressaia no lugar, deixando tudo ainda mais vivo e elegante. Todas as pessoas que passavam por lá estavam maravilhosas, super bem vestidas e os garçons trafegavam loucamente por entre elas, servindo de tudo que se podia imaginar e que diga-se de passagem, até eu estava louco para poder provar.

Comecei a me embrenhar no meio de todas aquelas pessoas e algumas vinham me cumprimentar e puxar algum assunto comigo. Não eram pessoas com quem eu tinha extrema afinidade mas era muito bom falar com elas. Assim que o primeiro garçom passou por mim eu peguei uma taça de champanhe. Não era sempre que eu tomava, mas essa bebida realmente me agradava o paladar.

Eu sempre fui uma pessoa um tanto acanhada, mas até eu mesmo tinha consciência de que ficava um pouco mais desinibido quando bebia álcool. Não era como se eu fosse extrapolar e chegar em casa bêbado, afinal, isso nunca me havia acontecido em nenhum dos lugares que eu frequentei que houvesse bebida.

Enquanto eu andava pela festa em busca de KyungSoo encontrei com alguns parceiros de trabalho, algumas atrizes que eu admirava, falei com mais pessoas do que imaginei e sempre roubava algum petisco quando eu conseguia, a minha taça se enchendo sem nem mesmo que eu percebesse.

Conforme o tempo passava eu notei que começava a ficar mais solto, dando aqueles passinhos desengonçados dignos de gente que só sabe fazer o básico dois para lá e dois para cá, mas o melhor de tudo é que eu não ligava para os outros e estava me divertindo bastante. A quanto tempo eu não me sentia assim? Era legal estar novamente em meio a pessoas e longe – pelo menos um pouco – dos meninos.

Por mais que o tempo passasse lá dentro, eu me divertisse e vários conhecidos viessem me cumprimentar, elogiar minha roupa, meu cabelo – tanto que minha boca já estava até doendo por sorrir por muito tempo –, nada de achar senhor Do KyungSoo. Onde ele havia se metido? Queria tanto falar com ele!

Me resignei em deixar essa ideia um pouco de lado, pois eu imaginava que KyungSoo provavelmente deveria estar sendo muito requisitado nessa noite, afinal, a festa era para ele também. Provavelmente o garoto deveria estar sobre os holofotes e aos ataques de fotógrafos desesperados por uma boa matéria, fora que, caramba! Era muita gente num lugar só! Encontra-lo era tarefa para mais de uma pessoa, principalmente porque eu já sentia que estava ficando meio grogue. Era o que? Minha quarta taça? Quinta?

Caminhei até o bar, mesmo que eu não fosse tomar nada, e sentei em um daqueles banquinhos giratórios enquanto aproveitava a música, me mexendo no ritmo dela. Por que raios não dá para ficar parado quando uma música está tocando?

-"Nossa! Você por aqui!?"

Uma voz de repente me tirou daquele transe aonde eu havia momentaneamente parado. Me virei para a pessoa que estava ao meu lado e me impressionei ao vê-lo por ali.

Lee JongSuk...

Eu já havia o conhecido das muitas e muitas festas que nós nos encontramos, fora a mídia, pois o garoto sempre estava em alguma capa de revista ou comercial. O engraçado é que eu não me lembrava exatamente quando nós começamos a se tornar pessoas próximas. Acho que eu o conhecia muito mais pelos trabalhos que ele fazia como ator do que apenas por diálogo, pois eu sempre estava assistindo a um dorama na TV e adivinha quem estava em muitos do que eu vi ou via? Ele! Exatamente! Não tinha nem contradição de que ele era incrível. Como desmerecê-lo? Provavelmente a expressão 'Pau para toda obra' se encaixava maravilhosamente bem nesse rapaz.

Foram bastante as oportunidades que eu tive de conversar com ele e ele sempre me tratou muito bem em todas as vezes. Falando muito sério, o cara era um poço de talentos e podiam ter certeza de que se você engatasse uma conversa com JongSuk o tempo pareceria voar de tão entretido que você ficaria. Ele tinha tudo, T-U-D-O, de bom que se podia imaginar, tanto que o menino parecia até mesmo não ter defeitos. Eu pelo menos nunca havia achado nenhum.

Tipo, fala sério! Ele era carismático, talentoso, ator e modelo, estreou cedo no mundo das passarelas, não demorou tanto assim para pegar seu primeiro papel numa dorama, participa de projetos sociais, é gentil, caridoso, humilde, tem uma beleza que faz você se questionar porque Deus não podia ter dado essa dádiva natural, e, para finalizar com o pacote de 'O Cara Perfeito', ele conseguia ser fofo e pecaminosamente tentador ao mesmo tempo. O cara tinha um corpo lindo e que dava muita, mais muita inveja. Simplesmente não dava para você não reparar nisso. Era a primeira coisa que você via quando o olhava. O cara era lindo!

Não posso deixar de admitir que fiquei com um pouco de vergonha quando vi que ele puxava, ou parecia querer puxar, algum assunto comigo. Fazia tempo que eu não encontrava com ele em nenhum lugar, o que até fazia sentindo já que também fazia um bom tempo que eu não saia para me divertir.

-"JongSuk! Você também por aqui?!" Sorri na sua direção.

-"Mas é claro! Você não sabia que eu estou envolvido no elenco do filme?" Me questionou animadamente.

-"Ou... Desculpa! Eu não sabia, nem se quer me lembrei de ficar informado sobre todo o elenco. Achei que você era convidado, como eu."

-"Não hoje. Quem te chamou para vir aqui? O Hoon? O WooBin?"

-"Não, eu sou o convidado de KyungSoo por hoje."

-"Ah, claro!" Bateu com a mão na testa "Você é amigo próximo dele, não é?" Se curvou um pouco na minha direção, parecendo interessado em puxar assunto.

-"Sim, eu sou. Nos conhecemos a um bom tempo e por acaso faz algumas semanas que ele me chamou para essa comemoração. Cá entre nós, eu não esperava que a produção estivesse tão grande! Tem muita gente aqui! Fico orgulhoso do meu amigo" Divaguei “E você também, não é? Você também merece os parabéns...”

-"Obrigado” Agradeceu singelo “E você está assustado com toda essa gente?" Ele riu "Não querendo me gabar, longe disso, mas eu já me acostumei com tumultos desse tipo. Eu sempre tenho que ir a eventos desse porte e sempre tenho que ficar no meio das pessoas. Não é como se isso fosse uma coisa ruim. Na real eu gosto."

-"Eu nunca pensaria que você estava se gabando!" Declarei "Até porque eu sei que você é uma pessoa ocupada. A mídia também é meu sustento senhor Lee JongSuk, a minha diferença é que trabalho com música. Eu sei como as coisas funcionam, é que eu não sou muito de vir nessas festas. Raramente eu venho por livre e espontânea vontade."

-"Entendo..." Balançou a cabeça de modo afirmativo "Garçom!" Chamou de repente "Veja dois Martini, por favor." Pediu educadamente e logo o homem se prontificou a atender seu pedido. Não demorou para que o cara aparecesse com as bebidas e também para que JongSuk me entregasse uma das taças.

-"Nã-não precisava!" Balbuciei um tanto constrangido. Eu já havia mencionado o quanto JongSuk era fofo e educado? O engraçado é que seu jeito nunca mudava. Ele era fofo desse jeitinho com todo mundo, até mesmo com quem ele não conhecia.

-"Como assim ‘Não precisava’? Precisava sim! Para de ser tão acanhado, SeokJin, afinal, isso aqui é uma festa. Não é sempre que a gente tem chance de extrapolar, rir um pouco, sair da rotina, ou encontrar com pessoas que você não costuma ver sempre." Ele estendeu a taça na minha direção e eu bati de leve a minha com a dele, dando um sorrisinho tímido. Está aí, eu tinha que concordar com ele. Era bom e saudável fugir um pouco da rotina as vezes.

-"A nossa prosperidade?" Perguntei num meio sorriso.

-"Também pode. Talvez de tudo um pouco. Sorte, dinheiro, amor..." JongSuk me respondeu e eu senti um leve tom de reticência naquela frase, como se ele estivesse deixando algo um pouco subentendido.

Nós ficamos quietos por um tempo, um silencio um tanto desconfortável no ar. Eu tentava com todas as forças observar as luzes de led que brilhavam no balcão ou prestar atenção a música que estavam tocando, no entanto eu notava seu olhar sobre mim, como se estivesse me estudando. Aquilo me deixou realmente agitado e a minha mania de ficar batendo com o pé no chão só piorou depois disso. Não é todo dia que você tem um cara bonito te analisando. Na real, não é todo dia que você tem Lee JongSuk te analisando.

-"Você quer me perguntar algo?" O questionei, já levando a minha taça na direção dos lábios.

-"Na verdade quero. Fiquei um tanto intrigado com algo."

-"Com o que, exatamente?" Entortei minha cabeça, confuso?

-"Eu só estava aqui pensando comigo mesmo, mas é que sempre que eu te encontro você está acompanhado de um dos meninos, ou daquele mais alto que parece seu guarda costa. Nós já estamos a um certo tempo conversando e eu não vi sinal de nenhum deles aqui perto, nem mesmo aqui na festa. Você veio sozinho?" E ainda por cima o cara era inteligente. Bezadeus!

-"Bem observado" O elogiei "Hoje eu realmente estou sozinho e fui eu que optei por não vir acompanhado. Não que eu esteja sendo ingrato ou julgando eles, mas é que eu precisava de um tempinho só meu, me entende? Minha cabeça andava um pouco cheia esses dias e eu estava a fim de descontrair, só que a minha maneira, no meu tempo, a meu modo. Eu também não estou dizendo que eles me atrapalham, mas é que..." Suspirei em meio a frase.

Acabou que eu deixei a questão no ar um tempo. Eu não sabia direito como explica-la e também pegava mal eu falando dos meus problemas para o rapaz. Que démodé seria. Eu não queria trazer assuntos chatos para lá, principalmente no dia de hoje.

Um silêncio um tanto incomodo voltou a ficar entre nós dois, o que fez eu instintivamente começar a virar o Martini goela abaixo. Por que raios a bebida faz com que nós nos esqueçamos dos problemas? O olhei de atravessado e percebi que o mesmo ainda me encarava, como se estivesse esperando o resto da explicação.

-“Aconteceu alguma coisa?” Perguntei.

-"Quer saber, SeokJin? Você já deveria ter aprendido que se forçar demais é burrada. Isso esgota o nosso corpo e nossa mente, e faz com que o trabalho que tanto tentamos fazer fique uma merda. Nunca se force demais. Olha o ponto que você está." Passou de leve a mão nos meus ombros, fazendo um carinho ali "Se você estiver se sentindo cansado e precisar sair, ou largar tudo que te irrita por dois minutos o faça! Qualquer coisa você pode me chamar também. Eu estou sempre nervoso com toda essa rotina." Me deu um sorriso que fez seus olhos se apertarem num eye smile muito fofo.

O que eu senti naquele momento foi uma sensação completamente ‘esquisita’. Esse provavelmente não era o sentimento certo, mas eu só consegui agradecer de volta com um aceno de cabeça e falar um obrigado baixinho diante daquela frase. JongSuk estava completamente certo: Eu não podia me privar de um pouco de distração, não podia me privar de sair e ficar concentrado somente nos problemas, até porque tal coisa acabaria comigo. Ele não poderia ter dito frase melhor para mim naquele momento.

Eu já estava abrindo a boca para agradece-lo de uma forma melhor quando algo extremamente gelado encostou no meu pescoço, que fez com que eu desse um pulo na cadeira, assustando ao JongSuk também.

Assim que eu olhei para trás achei o ser que eu procurava desde o início da festa, rindo da minha cara de espanto, com uma taça de coquetel na mão.

-"Jin! Você está deslumbrante hoje!" Ele falou naquele jeitinho só dele e eu também não pude deixar de reparar o quanto ele estava bonito de terno, com os cabelos bem ajeitados.

-"KyungSoo!" Comemorei, levantando para cumprimenta-lo "Nunca mais me assuste desse jeito, caramba!"

-"Tadinho" Debochou "Tão sensível no pescoço."

-"Ah, é? Vem cá e deixa eu encostar um copo ai também para ver se você gosta!"

KungSoo se escondeu atrás da primeira pessoa que passou a sua frente, enquanto eu estendia a minha taça na sua direção e JongSuk ri de nós dois.

-"Desculpa Jinnie!” Implorou ao me ver se aproximar “JongSuk, volta a flertar com ele, por favor?"

Bastou eu ouvir aquela frase para que uma vermelhidão instantânea dominasse o meu rosto inteiro, me deixando sem reação. Olhei por cima dos ombros para JongSuk e o mesmo apenas rolava os olhos com um pouco de descaso, um bom sinal para mim, mostrando que ele tinha levado na brincadeira. Por que mesmo eu estava atrás de KyungSoo? Não havia passado nem cinco minutos e o cara já estava conseguindo me constranger.

-"Ei, Jin?" Ele me chamou "Estou feliz que veio! Está aproveitando?"

-“Muito! Eu tinha até me esquecido de como beber é bom.” Lhe mostrei o copo vazio “E ver todo esse povo também! Eu estou treinando tão loucamente esses dias que até estou um pouco enjoado de ver sempre os mesmos rostos.”

-“Sabe o que isso significa?” KyungSoo riu “Vamos comemorar!” Ele foi até um dos garçons e voltou equilibrando três taças cheias na mão. Deu para perceber o quão ‘alegre’ o meu amigo ficava quando estava sob o efeito da bebida.

JongSuk e eu rimos um pouco e trocávamos alguns olhares cúmplices enquanto KyungSoo fazia as suas gracinhas. O meu amigo estava tão feliz e isso me dava vontade de sorrir também. Ele sentou ao nosso lado e começou a puxar assunto comigo e com JongSuk. Talvez fosse estranho dizer isso, mas o tempo pareceu correr ainda mais depois que KyungSoo chegou lá e como disse antes, JongSuk e seu dom fez com que eu me ficasse ainda mais entretido com ele. Eu ficava encantado pelo modo que ele fazia isso tão rapidamente. Nós fomos comendo, bebendo e cada vez mais nós começamos a ficar mais íntimos um do outro.

-“Então vocês estão preparando um comeback?” JongSuk me perguntou.

-“Uhum...” Afirmei, tombando um pouco para o lado, na sua direção “Todo nós estamos muito animados, mas admito que isso está me esgotando muito.”

-“As gravações do filme também estavam me esgotando demais, mas era legal.” KyungSoo nos contava, gesticulando com as mãos “Ei, Jin! É verdade que NamJoon está fazendo um MV? Ouvi fortes boatos esses dias e de gente de confiança.”

-“É verdade sim” Dei de ombros para aquele assunto, que pouquíssimo me agradava. O nome desse demônio parecia me perseguir “Acho que está quase tudo finalizado. Talvez daqui a alguns pouquíssimos meses saia.”

-“É impressão minha ou você não está muito feliz com isso?” JongSuk me interrogou um pouco duvidoso “Nada contra, é que você parece estar falando com um descaso...” Esse garoto estava lendo minha mente ou por acaso estava tudo tão óbvio assim? Talvez ficasse menos óbvio se eu tatuasse a minha testa.

-“É só impressão.” Falei rápido demais, o que o fez arquear as sobrancelhas em dúvida “É que ele já me irritou um pouco por causa do MV, só isso.”

JongSuk apenas concordou com um aceno de cabeça e depois voltamos os três a conversar sobre trivialidades, aquelas que de tão idiotas acabam nos deixando mais felizes, isso até que KyungSoo fosse chamado por alguém e tivesse que sumir entre as pessoas, me deixando sozinho novamente com o ator e modelo.

-“Ei SeokJin, você quer dançar? Pelo menos até o KyungSoo voltar” Ele me convidou.

-“Vamos. Por que não?” Me levantei da cadeira e comecei a ir para o meio da pista de dança.

Naquela altura eu já estava totalmente solto, sem me importar muito mais com nada. Muita gente já tinha ido embora, apesar daquilo ainda estar na animação total. JongSuk foi me segurando pela mão – e vale ressaltar que foi uma coisa que eu achei bem fofa de sua parte - para que eu não me perdesse no meio das pessoas. O legal é que eu me sentia bem à vontade em sua companhia, ou ao menos o suficiente para não morrer de vergonha, ou ligar para quando a gente se esbarra sem querer no meio da música, ou trocávamos olhares, e depois disso nós...

E depois...

Bem, e aí depois disso...

O que é que aconteceu mesmo?

 

゚・.゚ NamJoon Pov's゚・.゚

 

-"Aonde você vai ASSIM!?"

Me lembro que a pergunta veio naturalmente. Como mesmo eu havia parado perto dele? Na hora apenas me subiu uma raiva enorme pela garganta, ainda mais quando eu o vi. A beleza dele me deixou completamente obsoleto. Eu sei o quão ridículo é falar essas coisas, mas as vezes eu o olhava e dava certa saudade daqueles momentos bons que passamos, mas como ignorar todas as idiotices que ele aprontou comigo? Você acha que dá para esquecer de um dia para o outro? Acha que eu posso acordar de manhã e “Nossa, o SeokJin rasgou minhas roupas, mas eu não estou nem ai porque isso já é muito normal!”. Claro que não!

Eu não sabia onde SeokJin estava indo, mas eu não estava muito a fim de deixa-lo sair sem companhia. Com tudo que aconteceu nesses últimos dias eu acreditava que ele aprontaria feio comigo e me machucaria de alguma forma, mas não de uma maneira superficial. Ele era inteligente e eu sabia que o seu ‘troco’ viria de uma forma muito mais sentimental.

Eu não queria pagar de possessivo, mas porra, SeokJin! O que é que ele esperava de mim? Que eu ficasse tranquilo sabendo que ele estava saindo desacompanhado para lugares não identificados e provavelmente faria uma besteira do tamanho do monte Everest? Simplesmente não dava.

-"Não interessa para você onde eu vou ou deixo de ir." Ele me respondeu em um tom arrogante, que me fez amarrar a cara. O Jin até podia estar certo, e realmente não interessava para mim onde ele ia, ou ao menos não deveria.

-"Só espero que saiba que não pode chegar atrasado no ensaio amanhã, já que de repente resolveu cair na gandaia." Lhe dei aquela espetada de leve para irritá-lo um pouco, tanto quanto para realmente passar a mensagem para ele. Eu, quando cheguei atrasado, levei uma bronca tremendamente chata e não queria que ele a levasse também. Estou sendo um idiota? Provavelmente estou, mas algo em mim não queria que SeokJin se ferrasse.

-"Quer falar de horários comigo? Justo você que falta pouco para conseguir o apelido de 'Rei do atraso'? Tchau NamJoon. Até quando eu chegar."

-“ATÉ!” Lhe respondi em um berro, enquanto via sua cara séria e emburrada para mim.

-“ATÉ ENTÃO!” Fechou a porta na minha cara, fazendo meus cabelos voarem com o vento.

Nhé Nhé Nhé, Mi Mi Mi, Nhé Nhé Nhé... E eu lá queria saber se SeokJin estava indo completamente bonito, cheiroso e desacompanhado a um lugar onde provavelmente muita gente tão linda quando ele estaria? Não estava nem aí! Que se dane! Imagina! Quem é que liga, não é mesmo? Nem me importo se ele encontrar alguém interessante lá, começar a conversar, dançar, beber, beijar, ficar, namorar, transar, constituir uma família feliz e esfregar na minha cara toda sua felicid-... Ai, não! PUTA QUE PARIU! EU PRECISO IR ATRÁS DELE!

Não! Eu não posso deixar SeokJin sozinho! E se ele fizer alguma burrada? E se alguém se aproveitar da compaixão dele? E se alguém colocar boa noite cinderela na sua bebida? E se ele for assaltado? E se ele se envolver com alguém? Pior! E se ele se apaixonar por alguém?!

Caralho SeokJin! Por que você precisa mexer com a minha mente dessa maneira? Como ele podia me deixar tão maluco e insano apenas com hipóteses de que eu próprio havia levantado? Como ele consegue?!

E se alguma coisa acontecer com o meu Jin? E se meu Jin não fosse mais o meu Jin?

Se eu soubesse que relacionamentos eram assim, tão complicados, eu não teria entrado em um! Pior era saber que ele me manipulava direitinho, me deixando confuso e me fazendo ter constantes mudanças de humor sem nem mesmo perceber. Eu queria matar SeokJin! Eu queria beijar SeokJin! Eu não me entendia mais.

Aonde raios esse garoto estava indo? Não poderia ele estar se encontrando com alguém, não é? Eu havia ficado completamente atônito por pensar só na possibilidade de ser isso. Seria assim o Jin tão rápido, ou havia sido eu que nunca havia reparado os seus flertes com outras pessoas?

Eu sou um idiota! Vamos NamJoon, se valorize, não ligue para esses ataques de Jin! Ele só está tentando te espetar, não está?

Será que ele está?

Se for eu tenho a leve impressão de que ele estava trabalhando com afinco para isso e que ele também estava conseguindo.

Respirei fundo, como se aquilo pudesse mesmo me acalmar e comecei a voltar na direção da sala, mas sem nenhum saco para ver filmes, desenho e qualquer afim. Me joguei no sofá com a mão frente ao rosto e assim que abri os olhos encontrei dois garotos sorrindo para mim de forma sugestiva.

-"O que foi? Qual o problema?" Já perguntei daquela maneira seca, meus olhos provavelmente transmitindo raiva.

-"Nada..." Hoseok falava naquela voz reticente, ainda sorrindo e trocando olhares cúmplices com Tae.

-"Por que vocês estão assim?"

-"Assim como?..." Tae disse no mesmo tom que Hope.

-"Qual o problema de vocês?!" Me estressei.

De repente os dois voltaram a se olhar, mexendo as sobrancelhas para cima e para baixo com aquela expressão de amigos que se entendem em apenas um olhar. E não mais que de repente os dois pareceram perder o resto de sanidade mental que sobrava – Não que fosse muita – e se levantaram, rodando loucamente pela sala.

-"Tá com ciúme! Tá com ciúme..." Os dois cantarolava, batendo palmas "Tá com ciúme! Tá com ciu-..."

-"Que mané ciúme!" Os interrompi, elevando a voz "Parem de graça por pelo menos um minuto!"

-"Olha lá, olha lá!" Hope cutucava Tae com o braço "Ele ficou bravo."

-"Negar é a prova, Jonnie!" TaeHyung agarrou no meu pescoço "Você está morrendo de ciúmes do Jin hyung."

-"Não diga idiotices."

-"Está sim!"

-"Não estou, Tae."

-"Está sim!"

-"Não estou não!" Levantei a voz e bati o pé, me rebaixando a idade mental de quatro anos de idade.

Por que aquela conversa estava me deixando tão alterado? Eu até gostava dessas brincadeirinhas dos dois, exceto quando elas eram comigo. Logo eu? Ciúmes? Do cara que só tem me feito de idiota?

-"Eu beijava o Jin antes que ele houvesse saído" Exclamou o Hope, ao que eu lhe lancei um olhar raivoso "S-se eu fosse você, cla-claro!"

Tudo bem, talvez eu estivesse apenas emocionalmente abalado. Mas ciúme era exagero. Esses garotos não sabem de nada.

-"NamJoon, o ciúme significa falta de confiança. Você não confia no Jin?" Hoseok questionou "Se bem que ele te deu um fora maior que o livro Guerra e Paz e agora é uma pessoa livre e desimpedida que pode ficar com quem quiser" Analisou uns segundos depois.

Nota para o futuro: Quando você estiver com a autoestima baixa, nunca peça ajuda para Hoseok.

-"Eu não beijaria SeokJin nem daqui a um milhão de anos, deu para entender?" Tentei colocar um ponto final naquela história e não preciso nem dizer que falhei miseravelmente.

-"Uhum..." TaeHyung usou novamente aquele tom de voz, como se não acreditasse em uma única frase minha "Acho que eu entendi o que está acontecendo aqui. O NamJoon está fazendo jogo duro!"

-"O-oi? Jogo duro? Cala essa boca, Tae!" O empurrei levemente para que ele saísse de cima de mim.

-"Você está fazendo muito jogo duro, NamJoon hyung!" Hoseok ratificou a Tae, no que eu apenas revirei os meus olhos com desdém.

-"Parem de me incomodar!" Reclamei.

-"Então você não ficaria de novo com SeokJin, NamJoon?" O mais novo quis saber.

-"Não! Quer dizer... Tipo... Ah, sei lá..."

-"Você está muito fazendo jogo duro." Os dois irritantemente falaram junto.

-"Joonnie, admita que você ainda está doidinho por Jin!" TaeHyung deslizou para o meu lado novamente.

-"Nammie, o mundo seria tão mais belo com vocês dois juntos de novo!" Hoseok sentou do outro lado.

-"Por que não liga para ele?" Tae sugeriu.

-"Isso! Liga para ele!"

-"Eu não tenho nada para falar com Jin, está bem?" Bufei.

-"Como não? Você poderia pedir desculpas!" Hoseok disse bravo.

-"Pedir desculpas? E pelo que?"

-"Ah, sei lá. Talvez por ser um palerma, acéfalo, só pensar em si mesmo, ser orgulhoso..." Hope começou.

-"Por ser um fiasco amoroso, um jegue, alguém que não lhe correspondeu amorosamente, insensível..." TaeHyung terminou de enumerar.

-"É sério isso?" Me estressei "Por que sou eu que sou cheio de defeitos? Por que sou eu a ser o errado? Por que eu tenho que ser o cara que tem que pedir desculpas?"

-"Você não é cheio de defeitos, só que deu uma vacilada legal com SeokJin." Tae passava as mãos nos meus cabelos "Acho que se você pedir desculpas pelo menos pode se livrar um pouco do peso da culpa."

-"Que culpa?"

-"Quer saber? Cansei!" Hope se levantou e saiu puxando TaeHyung "Nós dois vamos para o quarto e te deixar sozinho ai, refletindo."

-"Refletindo sobre o que?" Indaguei. Indignação era o meu segundo nome naquele momento.

-"Sobre o fato de você estar até agora discutindo com nós dois em vez de ter saído atrás de SeokJin e ter lhe lascado um beijo ou ter pego a merda do celular nem que fosse para perguntar como ele está, ou usava o tempo em que ele está sabe se lá aonde para fazer o maior cartas de ‘te quero de volta’ que esse mundo já viu! Agora vê se processa tudo isso que eu disse e não perde a chance de novo Nammie. Boa noite!"

Depois disso, Hope deu um sorrisinho fofo e sumiu puxando TaeHyung para dentro, enquanto eu era obrigado a mastigar aquelas palavras sem chance de lhes responder. Me joguei no sofá e comecei a passar loucamente os canais da TV. De repente todos eles pareciam ter perdido a graça.

 

。・°. ๑ ♪・.゚。・. 。๑ ♪・。°・  

 

Já eram 03h00 da manhã e eu tinha consciência disso pois era a vigésima vez que eu desbloqueava e bloqueava a tela de meu celular. Eu ainda estava jogado na sala, a televisão ligada passando a qualquer programa ao qual eu não dava a mínima importância, mas ao menos o som dela me distraía um bocado. Eu não havia conseguido pregar meus olhos uma única vez e algo me dizia que isso era por conta de pura ansiedade ou nervosismo inacabável, logicamente por conta dele.

SeokJin não havia dado o mínimo sinal de vida e eu – por mais que odiasse admitir - estava preocupado consigo. Quanto mais o tempo passava e nenhuma distração muito eficaz me vinha, sem que eu quisesse a minha mente começava a trabalhar em milhões de perguntas que me corroíam por dentro. Será que ele não voltaria hoje para casa? Ele estaria com outra pessoa? Alguém faria mal para si? Ele estaria bem?

Meus pensamentos foram drasticamente interrompidos por uma batida na porta. Por um momento eu dei um pulo do sofá, me assustando, mas logo em seguida notei que o único que poderia ser naquela hora seria a pessoa que vagueava em meus pensamentos e não me deixava dormir.

Engoli toda saliva e comecei a ir a passos pesados na direção da porta.

-"Até que enfim margarida! O que aconteceu? Você esqueceu suas chaves em cas-..."

Como num passe de mágica toda a minha mente começava a entrar em colapso.

Eu não sabia se me batia, se batia na pessoa, se pulava da janela, se o tacava da janela, se eu rezava para aquilo ser uma miragem ou me beliscava para saber se eu não havia caído no sono no sofá e estava agora em um sonho mais parecido com um pesadelo.

SeokJin estava na minha frente, mas não da maneira que eu gostaria. Ele dormia feito um anjo, praticamente abraçado a um garoto que o carregava no colo e o apertava contra o peito.

Mas o que raios estava acontecendo ali?! O pior era que eu via SeokJin tão aconchegado que me dava raiva.

-"Jin!" Foi a minha primeira reação. Me aproximei de si em instantes, mas antes de se quer encosta-lo a voz do cara que o segurava me distraiu.

-"Me desculpa, parece que SeokJin bebeu demais." De repente eu o encarei e minha mente, que já não estava muito sã, pareceu enlouquecer mais ainda "Ele apagou do nada e eu o trouxe até aqui."

Olhei para o garoto com dúvida, no entanto quando eu o analisei quis enfiar meu rosto em um saco de pão para nunca mais tirar. O cara era lindo! E estranhamente eu parecia o conhecer de algum lugar. Aquele rosto com certeza era familiar, mas de onde?

Naquela hora mais um outro fator fez meu coração se apertar, mesmo que eu não quisesse. Então o Jin tinha realmente saído com um cara...

-"Por que você o deixou beber? Você é maluco? Ele tem um fraco por bebidas!" Eu já começava inconscientemente a lhe passar bronca, mas também como eu não brigaria com ele? Eu olhava o estado de SeokJin e aquilo apertava o meu coração. Tudo que eu queria era pega-lo no colo e chutar o outro porta a fora.

-"Eu achei que ele já fosse o grande o suficiente para saber os seus limites." O cara me respondeu firme e a patada me doeu "Eu não posso forçar ele a parar, afinal, Jin estava em seu direito e é maior de idade."

-"Mas se você saiu com ele! O mínimo que poderia ter feito era tomando conta!" Eu dizia revoltado. Que tipo de cara deixava que o seu parceiro ficasse bêbado? O tipo que queria se ‘outras coisas’, provavelmente. Então, será que era isso? Filho da puta! "Por acaso você se aproveitou da embriaguez de SeokJin, cara?" Perguntei, o acusando.

-"Me aprovei-..." Ele me olhou com as sobrancelhas franzidas, logo depois começando a rir debochado, o que me deixou meio atônito "Não é nada do que você está pensando! Mas me diga, aonde posso deixar essa princesa?" Me mostrava Jin em seu colo.

-"Pode deixar que eu o levo." Já estendia os braços, falando num tom ríspido mas que não o convenceu.

-"Eu já o carreguei até aqui mesmo. Só quero me garantir que ele ficará bem, parceiro." Já foi entrando sem permissão, fazendo com que eu fosse empurrado para o lado para que o desse passagem.

Epa!

Epa, epa, epa! Que intimidade é essa? Que 'parceiro' foi esse? E que história é essa de querer garantir que ele vai ficar bem? O que é que ele queria dizer com isso? Qual era as segundas intenções dele? O que ele estava planejando? Mas é um filho duma mãe! O pior é que ele se mantinha forte e continuava a carregar SeokJin firmemente em seus braços e ele parecia muito confortável. Bem mais do que EU queria que ele estivesse.

Estalei os dedos da mão e fui atrás de si. O cara se agachava delicadamente na frente do sofá e com mesma delicadeza ele colocou Jin deitado, alisando os seus fios e - o que claramente me fez pensar 'Pego uma faca na cozinha para me matar, ou matar esse cara?’ - lhe beijou carinhosamente a testa. Um beijo de cinco segundos! Cinco! Quem dá um beijo na testa de cinco segundos?!

-"Fique bem, SeokJin." Ele sussurrou perto de seu ouvido.

Eu não sei se cometo suicídio ou homicídio! Como? Por quê? O que estava acontecendo?

-"Agora que ele já está no conforto do lar eu vou." Ele se levantou do chão batendo as calças e começou a voltar na direção da porta, enquanto eu o segui como um cão farejador "Desculpa o incômodo a essa hora." Eu não desculpo, não "Eu tinha que ter certeza de que ele ficaria bem." Você deveria precisar ter a certeza de que não vai acabar levando um pontapé na bunda "Preciso ir, eu só cheguei até aqui mesmo para o trazer. É que o taxista ainda está lá embaixo me esperando." Vá com Deus. Aproveita, tropece e morra no meio do trajeto.

-"Não tem problema" Eu respondi, mas tinha problema sim! "Obrigado por ter trago o Jin em casa. Quanto o taxista cobrou?" Perguntei a ele retomando a consciência – e o restinho de sanidade –, quando finalmente o cara já estava do lado de fora.

-"Pode deixar, eu vou pagar por ele, não vai ser problema nenhum para mim. Além do mais, é para SeokJin." Ele sorriu de orelha a orelha e eu admito que quis dar um soco naqueles dentes perfeitos. "Será que você pode me ligar de manhã? Eu queria saber se ele ficou bem, ou se aconteceu algo."

-"Claro" Que não! "Boa noite, passar bem."

-"Boa noite." Me respondeu enquanto mentalmente eu dizia: queime no inferno cara estranhamente bonito!

Mal ouvi seu passos se distanciando e bati a porta com força sobre humana. Eu exalava a ódio em cada poro do meu corpo. Fala sério! Que "Eu tinha que ter certeza de que ele ficaria bem." foi esse?

Eu não conseguiria me conter, eu tinha que gritar. Coloquei minha mão na boca e gritei contra ela, rezando para que ninguém acordasse. Eu só sei que eu sentia a raiva me subindo pelo corpo e queria de qualquer jeito parar com aquilo. Como SeokJin ousava me deixar nesse estado?

-"Ai, caralho!" Minha mente deu um estalo "O SeokJin!"

Sai correndo, seguindo na direção em que ele estava no sofá. O cara havia me deixado tão desnorteado que eu tive a capacidade de esquecer dele.

Quando cheguei lá, Jin balbuciava palavras desnorteadas, não tão mais quieto como quando o garoto o deixou ali. Será que o colo dele estava mais confortável? Talvez eu estivesse sentindo ciúmes mesmo.

Movido por raiva, me agachei e com mais dificuldades do que achei que teria o peguei no colo. Ele não era leve como eu pensava. Como aquele cara havia feito isso parecer tão fácil?

-"Jin? Jinnie?"

-"Hum?" Resmungou, mexendo a cabeça.

-"Jin, você está bem?"

-"JongSuk?"

-"É O QUE?" Quis largar SeokJin no chão naquela mesma hora. Como assim ele estava me confundindo com outro cara!? Nem se eu estivesse no meio de uma crise eu o confundiria com outra pessoa! E quem era JongSuk?

JongSuk... O único que me vinha na cabeça era um ator que... que... que...

Ai meu deus! Era ele! Era ele mesmo! Quem estava na minha porta era mesmo o ator! Kim SeokJin havia saído com JongSuk para fazer sabe se lá o que tenha acontecido! Eu nunca fui com a cara dele mesmo...

-"Hey, Jin! Sou eu, o NamJoon. O Joonnie." Tentei.

-"Joonnie?"

-"Sim." Sorri por ele ter lembrado "Você precisa tomar um banho. Você consegue?"

-"Banho?"

Okay! Eu tomaria aquela 'resposta' como sim. Entrei com ele no banheiro tentando fazer o mínimo de barulho possível e eu delicadamente - ou o que eu julgava ser delicado - comecei a colocar seus pés no chão.

Por mais que já houvesse visto seu corpo inúmeras vezes, depois de tudo que havia acontecido com nós dois e com as coisas tremendamente propensas a terminar desastre, o melhor era deixa-lo tentar tomar banho sozinho, com muitas ênfases em tentar pois SeokJin sempre cambaleava e batia nas paredes na tentativa de se apoiar em uma delas.

Eu nunca havia o visto dessa maneira. Eu bebia, mas eu sabia beber pelo menos! Nunca na vida havia chegado no ponto em que ele estava. O estranho é que esse comportamento só me dava mais vontade de cuidar dele. Jin sempre teve a imagem de uma pessoa frágil, mas era exatamente só uma imagem. Ele era - e é - extremamente forte e determinado, no entanto naquele momento ele precisava e muito de que eu cuidasse de si.

Só relaxei quando ouvi o som do chuveiro ligado. Fui até seu quarto, peguei suas roupas de dormir e entrei no banheiro de olhos fechados, colocando a roupa em cima da tampa da privada e sai novamente, armando um acampamento na frente da porta.

Depois de uns quinze minutos que mais pareceram uma eternidade para mim, comecei a bater na porta pedindo para ele agilizar. Não demorou muito para que SeokJin reaparecesse. Estava inteiro, mais com a roupa toda torta e mal colocada. O seu olhar embriagado me doía, tanto aqueles resmungos desconexos. O abracei e comecei a leva-lo para o quarto, mesmo que ele dificultasse e muito colocando o peso sobre mim, cambaleando sem forças nas pernas. Ele teria uma ressaca da feia, já previa.

-"Vem Jin, deita aqui." Disse, tentando o colocar na cama.

-"Eu acho... Com sono..."

-"Isso, Jin. Deita, durma e descanse." Alisei seus cabelos e comecei a cobri-lo.

-"O JongSuk..."

-"Seu namorado não está aqui. Ele já foi embora." Trinquei os dentes. Quantas vezes ele repetiria o nome desse sujeito em uma só noite?

-"Ele não... Namorado."

-"Não?"

Uma faísca minúscula se acendeu dentro de mim, mas tentei diminuir o sorriso do meu rosto, que deveria poder ser visto até de costas. Embora eu saiba que álcool deixa muitas pessoas verdadeiras além da conta era melhor não me iludir com possibilidades.

Quando eu terminei de cobri-lo, sentei na cama e comecei a alisar seus cabelos novamente. Será que era desse jeito que o Jin se sentia quando ele cuidava de um dos garotos que estava doente? Apesar dele estar mal, aquela sensação de que eu estava o protegendo me deixava com algum tipo de satisfação no peito.

SeokJin me encarava com aqueles olhinhos quase fechados, mais ainda brilhantes. De repente ele se agarrou calmamente a minha cintura, se aconchegando lá.

-"Jin? SeokJin? O que é isso?" Perguntei, mas nada de vir alguma resposta "Você quer que eu deite com você?"

-"Hum..." Ele resmungou.

Não sei o porquê, mas eu tenho a leve impressão de que EU LEVARIA AQUELA RESPOSTA COMO SIM.

Me aconcheguei na cama apertada, enquanto Jin ainda se abraçava a minha cintura. Algum tipo de nostalgia me bateu quando me cobri também. Talvez eu houvesse esquecido o quão mais quente se ficava quando se dividia a cama com alguém, assim como mais aconchegante, mesmo que o espaço fosse bem menor. Era esses pequenos detalhes que agora eu via o quanto eram importantes e também agradáveis.

-"Boa noite, Jin." Beijei sua testa. Um beijo, diga-se de passagem, que deve ter sido um milhão de vezes melhor que o daquelezinho.

Depois disso eu o apertei um pouco mais contra mim, me ajeitando na cama e o acariciando. Fui fechando gradativamente meus olhos e o sono começou aos poucos a cair sobre mim. Quando ele acordasse provavelmente eu estaria morto e seria ele a me matar, mas é que simplesmente não dava para sair dali por agora. Eu não queria, nem tinha forças.

Talvez eu ainda amasse SeokJin mais do que eu pudesse medir escalas, talvez eu ainda estivesse uma mínima chance e talvez eu devesse tentar reconquista-lo, só que do jeito certo.

-"Será que você ainda vai me amar no dia de amanhã?" 


Notas Finais


***Guerra e Paz é um romance e tem mais de umas fucking 1000 páginas.

Nooossaaaa ʕ ‘• ᴥ • `ʔ que estranho, não é? O que será que aconteceu com SeokJin? E esse personagem novo? Para que será que ele serve? Será que iremos saber? E o NamJoon com ciúmes? É isso mesmo produção? Como será que SeokJin vai acordar? Será que teremos Pov’s do JongSuk? Será que NamJoon vai se arrepender de algo? Será que SeokJin vez merda?
Veja a seguir no Globo Repórter.

HAUSHAUSHUAHSUAHUHAUHSUHASU. Mandando uma real, senão é para arrumar uma intriga a Tia Gohan nem sai de casa! Mas eu fiz uma coisa fofinha nesse cap para dar uma quebrada nessa sofrência toda ♥~(‘▽^人) Eu sou boazinha gente, eu juro! ♡
Só sou um pouquinho alterada.
E maluca.
E demente.

De qualquer jeito eu espero que tenham gostado. Eu juro que eu coloco muito amor nos capítulos! (`・ω・´)
Obrigada a todo mundo que chegou até aqui! Beijão gente!
Tia Gohan .。.♡:*☆


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...