História Vida de Treinador - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Personagens Originais
Tags Personagem Original, Pokémon
Exibições 6
Palavras 940
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Lembrado sempre que, se você quiser que um personagem seu apareça aqui, deixe nos comentários o nome e um resumo do personagem e pokemon preferido que eu coloco ele em um capitulo futuro.

Capítulo 5 - Finalmente! South Beach!


Fanfic / Fanfiction Vida de Treinador - Capítulo 5 - Finalmente! South Beach!

Prazer em conhecer Prof. Carvalho.

Com o repel, o resto do caminho foi tranquilo, o cheiro afastava os pokemon tornado uma viagem muito segura. Eram quase dez quando chegamos a cidade.

South Beach City era muito maior que a pequena vila que eu tinha nascido, não era a maior cidade do continente, mas certamente era a maior cidade que eu tinha visto. Era formado basicamente por uma praia de onde vinha seu nome, um calçadão e diversas casas colocada a uma distância maior. Tinha também um centro pokemon e um pokemart. A maior construção era o laboratório de pesquisa que ocupava um prédio com alguns andares. Era meu destino final, na cidade. Além disso tinha um centro pokemon aqui em algum lugar, mas eu não tinha a menor idéia de onde era.

- Bom, agora nos separamos. - Diana informou.

- Separar? Como assim? - Perguntei.

- Oras, você vai encontrar o professor para entregar a encomenda e eu e Bele vamos ao centro pokemon curar o Chester. Depois nos encontramos no ginásio e compramos o que precisamos na saída.

Não querendo questionar a eficiência envolvida acabei concordando. Fui direto para o centro de pesquisa e perguntei a atendente:

- Olá, estou procurando o professor Carvalho.

- Segundo andar. - Ela respondeu.

Subi de elevador, tinha um laboratório no primeiro andar, mas não vi nada que me interessasse. No segundo andar tinha um corredor longo com duas portas, entrei na da direita. Na minha frente vi um jovem de mais ou menos uns trinta anos, com o tradicional jaleco de pesquisador, próximo dele um eevee.

- Professor Carvalho? - Perguntei.

- Gary está bom. - Ele respondeu. - E você, quem é?

- Eu sou Trix, o professor Oliveira me pediu pra entregar algo. - Peguei na mochila a caixa do professor e entreguei ao professor Gary Carvalho. - Era só isso mesmo?

Ele olhou dentro da caixa e depois tirou uma pedra preta com uma estrela escura dentro.

- Sabe o que é isso?

- Não posso dizer que sim.

- Isso é uma dawn stone. Uma pedra evolutiva. - Minha cara deve ter denunciado que se ele estivesse falando russo eu teria entendido o mesmo. - Uma pedra evolutiva é capaz de forçar alguns pokemon a evoluir. O meu amigo Eevee aqui...

- Eeveeeee - Respondeu o mascote.

- ...tem três evoluções que acontecem em contato com essas, não é a única forma, mas certamente uma das mais certeiras.

- O senhor vai usar isso nele? - Minha pergunta parecia ingênua, mas estava realmente curioso com o rumo da conversa.

- Não, claro que não. O Eevee evolui por várias razões, pedras evolutivas, clima, amizade com seu treinador, até razões mais exóticas. Há teorias que nem vimos todas as possibilidades desse carinha ainda. Mas certamente essa não é uma dessas. Não isso é pra um estudo que estou realizando com quatro pokemon distintos, Snorunt e Kirlia.

- Quatro?

- Snorunt evolui naturalmente para Glalie, mas em contato com uma dessas se torna Froslass. O Kirlia também evolui naturalmente para Gardevoir, mas também pode se tornar um Gallade em contato com uma dessas. O truque aqui é que Glalie, Gardevoir e Gallade conseguem Mega evoluir, quero descobrir se Froslass também pode.

A paixão daquele homem era admirável, eu nem me preocupava tanto assim com evolução, e mesmo assim já estava ficando empolgado.

- Professor...

- Só Gary está bom.

- Gary, você parece gostar muito do assunto.

- Verdade. Desde criança eu adorava caçar pokemon, via algum e já jogava pokebola. Em um momento eu tinha mais de 300 pokemon guardados no box. era maluco por descobrir como os pokemon cresciam mudavam e ficavam mais forte.

Olhei para o pequeno eevee. Ele percebeu.

- Sim, também. Assim que eu consegui uma pedra trovão acertei a mãe desse carinha com ela.

- Eee - O Eevee do professor respondeu.

- Mas no fim isso não era lá grande coisa. Eu via os pokemon como figurinhas a se colecionar. Ou maquinas pra melhorar, tornar mais forte e vencer meus rivais, lideres de ginásio, etc. No fim isso foi meio vazio. Acho que é o que acontece com todo mundo. Eu passei a ter mais respeito pelos pokemon. No fim tudo que eu precisava era bom amigo para me mostrar que tem outras coisas mais importantes por ai.

O pequeno Eevee pulou sobre o professor que prontamente lhe fez um carinho na cabeça.

- Mas eu ainda adorava ver pokemon novos e diferentes, então virei pesquisador, hoje eu busco novas formas de fazer os pokemon alcançarem seu potencial. Se esse carinha aqui um dia quiser evoluir eu vou ajudá-lo, mas não força-lo a isso. Eu aprendi que é preciso deixar eles serem quem são. - O pequeno Eevee pareceu feliz junto com seu treinador. - Mas respondendo a pergunta. Sim, está tudo aqui. Obrigado.

Eu cumprimentei o professor e sai da sala. Por algum motivo me senti particularmente idiota. Não por não saber que minha pequena Eva poderia evoluir para dois pokemon diferentes, mas sim por não reconhecer aquela pedra. Olhei na minha mochila, a pedra que eu usava como isqueiro a anos, a pedra de quartzo que sempre fez faísca quando eu batia, bom, era uma Dawn Stone. Eu tinha uma dessas a mais um ano e nunca soube.

Ainda no elevador olhei para a pedra em uma mão e a pokebola de Eva na outra. No fim disse para mim mesmo.

- Deixar ser quem eles são. Bom conselho professor.

Guardei os dois e sai do prédio, Diana e Bele esperavam por mim no ginásio. Era hora de ir encontrá-las.


Notas Finais


Depois do último capítulo ser muito longo esse está mais resumido e direto ao ponto. Espero que vocês estejam gostando mesmo assim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...