História Vie Doux Amère - MiTw - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias TazerCraft
Personagens Mike, Pac
Tags Mitw
Exibições 143
Palavras 1.068
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Muitíssimo obrigada pelos 10 favoritos... Fico feliz com isso ^^

Boa leitura.

Capítulo 2 - Capítulo II.


Tarik

Acabei não aguentando, minha curiosidade era enorme, porém na hora que eu iria levantar, eu ouvi as duas me chamando, ou gritando para ser exato. Saí correndo da cozinha e entrei no quarto, vejo as duas conversando entre si, mas quando eu chego elas olham diretamente para mim. Eu acabo ficando confuso com esses olhares, só foi que chegar que elas pararam de conversar, mas elas me chamaram, não sei o porquê de ficarem me olhando desta maneira.

- Tarik.... Filho, eu e a sua avó conversamos aqui e.... Temos que te contar uma coisa séria.

- O que a senhora quer dizer com isso?

- Esse assunto é um pouco delicado demais, mas temos que falar disso com você, você já está quase completando 16 anos, já teve aprender a encarar as coisas. – Fico encarando minha mãe como se ela tivesse falando em outro idioma comigo, o que ela queria dizer com isso? Eu sou lerdo, não entendo quase nada que me falam, e por isso eu finjo que eu entendo. Ela respira fundo e diz:

- Iremos nos mudar daqui.

- Ah... – Sério? Ela fala como se fosse me expulsar de casa! Não vi motivo nenhum pra esse drama todo, isso é um assunto tão... Meh... Mas não vou falar nada, senão eu levo um tapa na boca ou algo pior. – Tudo bem.... Mas e a escola?

- Sobre isso; não tem problema, porque não temos uma data certa. – Droga. – Eu ainda tenho que ver um apartamento para nós três. Isso não irá interferir na sua escola, mas dependendo do apartamento se for perto ou longe, poderá interferir um pouco, mas qualquer coisa eu te mudo de escola. – Aí já foi longe demais.

- .... Pera aí... Deixa eu ver se eu entendi.... Vamos sair de casa para ir morar em um apartamento? Ah, qual é! Eu pensava que íamos sair do pais. – Cruzei os braços, mas logico que isso foi uma brincadeira.... Queria que não fosse.

- Ei, calma, ninguém aqui é rico, no máximo que podemos fazer é se mudar para outro lugar, só isso. – Disse a minha avó.

- Eu vou pesquisar na internet apartamentos não muito caros, vocês dois podem ir guardando as- - Ela foi interrompida.

- Não pode ser agora! O demônio tá aí, ele pode desconfiar... – Disse minha avó, se referindo ao meu avô. Sério, minha avó chama ele de tudo que não presta.

- Tudo bem.... Quando ele sair, arruma suas coisas e deixa aqui dentro, o.k? Tarik, você vai ajudar a sua avó arrumar as coisas dela, e depois arruma as suas. – Apenas concordo e saio do quarto, juntamente com a minha avó.

Me direciono para sala, pego meu celular que eu deixei carregando aqui fora, me sento no chão mesmo, do lado do Sr.Timbó. Desbloqueio o celular e vou até minhas conversas no WhatsApp, Messenger e etc. Eu pelo menos tenho que avisar meus amig-.... Ah, deixa pra lá. Entrei em um grupo da minha sala, que me colocaram.

 

Retardados mentais

Rafael - Pessoas, quem fez aquele trabalho de matemática que é pra entregar segunda? [09:39]

Felipe - Não me diga que você não fez essa merda [09:40]

Lusca - Que trabalho...? [09:40]

Felipe - Puta que pariu, tinha que ser o Lusca mesmo pra esquecer [09:41]

Rafael - AHAHAHAHA, meu caro Lusca, você tomou no cu junto comigo, entra na fila. [09:42]

Felipe - Só eu fiz esse caralho, mano?! [09:42]

Lusca - Sim, você. [09:42]

Rafael - O inteligente, o nerd, o matemático, o estudioso, o preferido dos professores [09:44]

Felipe - O.k, chega

Oi [09:45]

Rafael - Que animado hein, acabou de acordar, queridinho? [09:46]

Lusca - Que oi animado, parece que alguém acordou bem hoje [09:46]

Felipe - Pode crer [09:46]

Meu ''Oi'' não define meu humor... Eu acho... [09:47}

Mas enfim, eu não mandei oi pra vocês por nada, eu tenho os meus motivos [09:48]

Lusca - O que que é então? [09:49]

Rafael - Uau, vamos aproveitar porque ele quase não fala com a gente, pessoal [09:50]

Para com isso, o assunto é sério, porra [09:50]

Felipe - Fala logo, Tarik, eu tenho que terminar o trabalho, pô [09:50]

Luna - PORRA, EU ACORDEI COM O MEU CELULAR VIBRANDO E ADIVINHA? VOCÊS ME FIZERAM ACORDAR NA MELHOR PARTE DO MEU SONHO, EU VOU MATAR VOCÊS SEGUNDA-FEIRA, SEUS..... Não, as mães de vocês não merecem isso. [09:51]

Rafael - Outro estressadinho, mereço [09:52]

Luna - Vai se foder, Rafael! [09:54]

Lusca - Oi, Luninha [09:55]

Luna - Oi Luscas [09:55]

Vocês podem parar de namorar aí e me ''ouvir''? Pelo amor de tudo que é mais sagrado nesse mundo [09:56]

Felipe - Tá, Tarik, diz logo [09:56]

Eu vou me mudar [09:58]

 

 

Não consegui ver a resposta, meu celular havia descarregado, mas como?! Ele ficou carregando a noite toda, isso não pode ser de Deus. Me levantei do chão e fui colocar para carregar, só que eu notei que o carregador estava fora da tomada. Se eu queria gritar? Sim, eu queria berrar até eu perder a voz e a minha garganta fique machucada. Respirei fundo e tentei me controlar, já que eu surto as vezes, e eu acabo enlouquecendo, nem queria saber como é isso.

Coloco a droga do carregador na tomada e deixo o celular carregando em cima de uma mesa que tinha ali, sei lá porque aquilo está ali, vai saber. Deixei o celular de lado e voltei para o quarto, minha mãe já estava arrumando as coisas dela, e a minha avó ajudando ela a arrumar, só as minhas que ainda estavam guardadas, agora, por que? Só por que as coisas são minhas? Que maldade.

Lembro que a minha mãe pediu para ajuda a minha avó arrumar as coisas dela, porém não agora, já que ele está aí, é melhor esperar mais algumas horas.

Eu não sei como vai ser daqui pra frente. Apartamento novo, pessoas novas, ‘lugar’ novo. Talvez uma vida nova.... Eu realmente não sei. Eu só espero que meus problemas não piorem, porque esse aqui já está ruim, imagine outros problemas entrando na minha vida, não sei se eu consigo viver com isso, eu tento conviver com todos os meus problemas, mas eles pioram a casa dia que se passa, e eu mal consigo resolver os problemas antigos, imagine se vier novos.

Espero que minha vida mude para melhor e não para pior.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...