História Vingança por Sonserinos - Capítulo 75


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Barão Sangrento, Blásio Zabini, Carlinhos Weasley, Cho Chang, Dino Thomas, Draco Malfoy, Ernesto Macmillan, Fleur Delacour, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lilá Brown, Lino Jordan, Luna Lovegood, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Murta Que Geme, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Padma Patil, Pansy Parkinson, Percy Weasley, Personagens Originais, Ronald Weasley, Rúbeo Hagrid, Simas Finnigan, Theodore Nott, Vincent Crabbe
Tags Harry Potter Sonserinos Vingança Dramione
Exibições 45
Palavras 1.751
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Nossa que titulo tosco O.o
Bom gente, voltei com mais um capitulo, e ele está *sem graça*
Rsrsrsrs obrigada pelos comentários e favoritos, aproveitem *-*
Perdão por erros *-*

Capítulo 75 - Novo Amiguinho


                                           Luna---

 Engoli em seco, entrando no Salão Principal. A notícia abalou toda a Corvinal e o jogo de Quadribol amanhã, contra a Sonserina, estava cancelado.  Eu estava nervosa e agora sabia que o fato de estarem sabendo de tudo que Maria Alicia fez e não ter contado nada levou mais uma aluna á morte.

 Scarlet Martin, da Sonserina, a Rosinha em toda essa confusão de assassinato e missão de Alicia e Alex, a garota que me fez superar Blásio, com segundas intenções, é claro, mas do mesmo modo...

 As mesas do salão sumiram, dando espaço para o caixão. Havia pouca gente, a maioria estava apavorada demais para sair das Comunais.

---Ouvi falar que alguns meio-sangues vão sair de Hogwarts. – uma lufana comentou ao meu lado com outra amiga.

--- É a segunda deles que morre, é melhor que deem o fora mesmo, é capaz de o assassino perseguir nós também. – a outra respondeu.

 Primeiro Celeste, agora Scarlet. Quem seria agora? Cho? Hermione?

 Maria Alicia estava em um canto, encolhida e parecia ter chorado. É a segunda irmã que mata e olha essa atuação, aposto como está chorando de alegria.

 Olhei novamente para Cho e vi ajoelhada no chão ao lado dela. Mione estava cheia de marcas de cortes e arranhões, estava com o braço enfaixado e com o rosto cheio de hematomas roxo. Cho estava apenas com a cabeça embaralhada, incapaz de compreender o que tentou fazer e com o nariz enfaixado depois de levar uma cabeçada da Mione.

---Tudo bem, você estava sob uma maldição, precisa respirar. Eu estou bem. Os hematomas são por causa dos vampiros, pare de se culpar Cho. – Hermione pediu.

--- Já está tudo sendo resolvido, sem mais qualquer vampiro em Hogwarts, o Ministério da Magia garantiu. E quanto a Maldição Imperio – Diretora Minerva chamou Snape. – Severo dobrará as aulas com você, senhorita Chang, para garantir que lembre-se de tudo em breve. O Ministério da Magia também vai ficar para investigar. – ela olhou atravessado para Lucius Malfoy, perto do caixão. – Mas não gosto muito de o Ministério ter mandado ele.

 Hermione observou Lucius. Segundos depois Draco se aproximou do pai diante do corpo de Scarlet e ela continuou olhando. Quando o olhar dela cruzou com o do Draco é que ela desviou, parecendo mais quebrada ainda.

 Charlotte se aproximou e abraçou Hermione, com a intenção de faze-la se sentir melhor. Encarei-a e pisquei devagar três vezes. Ela assentiu.

 Sorri para Cho e me aproximei de onde o caixão estava e parei ao lado de Maria Alicia.

--- Não consigo entender suas lágrimas de alegria. Ou o que diabos suas meia-irmãs fizeram para merecerem a morte. Deve ser algo realmente chocante. – falei para a cacheada.

--- Depende do seu ponto de vista. Do meu é algo bem grave. – ela retrucou sem me olhar. Apenas encarava o rosto da irmã no caixão.

 Encarei-a boquiaberta. Jamais imaginei que ela admitiria.

--- Eu sei que você sabe, não sou idiota.

 Arregalei meus olhos. Ela sabe que eu sei e agora ela sabe que eu sei que ela sabe.

 Ela soltou uma risadinha, como se soubesse exatamente o que eu pensei.

---Minerva está bem ali. O que você e sua ratinha de biblioteca estão esperando? – seus olhos brilhavam em vermelho.

 Recuei alguns passos e trombei com os castiçais de vidro envolvidos em flores atrás de mim. Eles despencaram ao chão, me deixando mais assustada. Os cacos voaram para todos os lados e temi que com todo esse barulho a morta acordasse. O que que eu estou pensando?Merlin!

---Parece que até mortos te assustam – ela soltou uma risadinha demoníaca.

 Demoniaca mesmo, como os outros não percebiam isso? Uma garota divina rindo diabolicamente no velório da própria irmã!

 Respirei – ou tentei – e dei as costas para todos eles, irritada.

---Luna – alguém chamou quando eu estava perto do lago. – LUNA-chamaram de novo e eu continuei andando. A pessoa me agarrou pela manga da blusa e me virou.

 Ali estavam Draco e Blásio.

---Solte agora – disparei, puxando a varinha com a outra mão.

 Draco deu um pulo de susto para trás.

--- Precisa se acalmar, só queremos conversar. – Blásio disse.

---Mas ninguém nunca pergunta o que eu quero – retruquei.

---O que você quer, Luna? – Draco se meteu entre eu e o Blásio, para garantir que eu não desse uma voadeira nele, provavelmente.

 Arregalei meus olhos, encarando-o e depois á Blásio. Apontei a varinha para o peito de Malfoy.

---Voces são as últimas pessoas que deveriam me perguntar isso agora – Eu quero Blásio. – Porque eu quero os dois em pedacinhos – Eu só quero Blásio. E minha vida de volta. -  Acho melhor desaparecerem, diferente da Putalicia lá dentro, eu mesma farei o trabalho sujo.

 Draco atingiu minha varinha com as costas da mão, girou o pulso e depois a agarrou, puxando-a de minha mão. Grunhi de raiva, mas vi que Draco também parecia estar em uma situação parecida.

--- Do que você está acusando Maria Alicia? De matar a própria irmã? Eu esperava mais de você Luna, não tenho culpa se Mione acabou tudo e você está do lado dela. Na verdade, não estou pedindo para você estar do meu lado, apenas que pare de atrapalhar.

 Meti a mão no rosto de Draco e o tirei do meu caminho, avançando contra Blásio.

---Quando vai contar pra ele? É ele que está metido com a víbora, não acha que, pelo bem do seu melhor amigo, ele deveria saber?

--- Do que você está falando? – Blásio franziu o rosto.

---Ah,então agora todos estão atuando para esconder mentiras? – falei com ironia.

--- Se chama omitir. – Blásio retrucou.

---Arrá, então admite que está omitindo verdades que podem salvar a vida dele? – apontei para Draco.

 Draco ficou com o rosto sombrio, parece que agora também desconfiava.

---Blásio, do que ela está falando? – o loiro perguntou.

--- Pode começar, Draco, perguntando sobre as altas conversas no corujal que ele teve com a Celeste. Já que estava me traindo com ela.

---Ela só está brava porque descobriu que tive um...um...caso com a Celeste.

---Um caso? Me traiu com ela...Merlim... – perdi a paciência – O que importa é que você entregou o jogo – falei de forma metida.

 Eu estava uma fera, me sentia virada num bicho. Se eu continuar assim, talvez Blásio também me coloque na gaiola.

---Pode poupar folego e deixar eu pegar mais um pouquinho das suas memórias, sei exatamente como conseguir uma penseira – disparei antes de perceber o que tinha falado.

--- Espera, como sabe das conversas no corujal? – Blás ficou pálido.

---Mais um pouquinho de suas memórias? Pegou lembranças dele para colocar na penseira? – Draco ficou de queixo caído.

 Mordi a bochecha por dentro e inspirei, me controlando. Coloquei a franja para trás da orelha e apontei para Blás.

---Está desviando do assunto – gritei – Vão ver que eu estava certa. Vão ver que sempre estive certa. Mas essas descobertas não foram minhas – olhei para Draco – Foram da Hermione, e ela só não falou nada ainda para te proteger, acha que está feliz. E você aí, acusando ela sendo que o cupado da separação de vocês foi o seu pai. Na verdade eu nem culpo Lucius, se estivesse dando certo ele não teria conseguido separá-los. O culpado é você.

 Me virei e entrei de volta no castelo e Pansy trombou comigo ao vir correndo das masmorras.

---Hermione... chame...Hermione...ui – Pansy ofegou, esfregando o ombro que havia batido em mim. – Tem alguma coisa estalando no closet dela, como se estivesse quebrando. Não arrisquei abri-lo. Acho melhor encontrarmos ela logo.

 Corremos pelos gramado e a agarramos, puxando-a para dentro enquanto reclamava.

---Mas o que...? – ela perguntou depois de quase cair nas escadas da masmorra.

---Tem alguma coisa no seu closet, estalando, deu medo então nem abri. – Pansy disse.

 Mione arregalou os olhos e saiu correndo na nossa frente, invadindo o quarto e puxando a porta do closet com muita força, fazendo-a bater ao rolar até o fim.

 Observamos ela agachada sobre um pequeno caldeirão com fogo ardendo em baixo.

 Pansy e eu nos entreolhamos.

---Está nascendo! – Mione exclamou.

 Ela abriu espaço para a gente e nos aproximamos, observando um ovo médio e negro estalando.

 Aos poucos a casca rachou e um rabo fininho apareceu. Depois o ovo tremeu nas mão da Mione e houve algum impacto lá dentro, de modo que o ovo ficou despedaçado na mão dela e a mini criaturinha voou, batendo na cara da Pansy e se enrolando em seus cabelos.

---AAAAAAAAAAAAAAAAA QUE COISA GOSMENTA É ESSA? – Pansy levou as mãos ao cabelo, sentindo uma gosma – TIRA ESSE BICHO DE MIM, TIRA DE MIM – ela começou a chorar – Tira, MERLIM ME AJUDE, VOU MORRER, TIRAAAA – ela começou a soluçar e a se balançar.

 Mione soltou o que restou do ovo em minhas mãos, me melecando e correu para ajudar Pansy, que ainda se contorcia e chorava. Aquela criaturinha era quase impossível de se ver entre os cabelos negro da garota escandalosa, ele era tão negro quanto. A primeira coisa que identifiquei foram seus olhos grandes, muito verdes.

 Mione conseguiu desenrolá-lo dos cabelos gosmentos de Pansy e o segurou na palma da mão. A coisinha agitou as pequenas asas negras e agitou o rabinho. OO sorriso que minha amiga deu...eu não via a muito tempo.

---Céus...um...um...um... – Pansy ficou chocada.

---...Dragão – terminei por ela e me inclinei para mais perto.

---Sim, Hagrid me deu o ovo a alguns dias. E ele nasceu.

 Mione ofereceu ele para mim, mas Pansy se meteu na frente e o pegou. Observei ele abrir a boca e cuspir alguma espécie de raio nas roupas, deixando-as em chamas.

---Esse bicho não tem dente – Pansy meteu a mão na boca dele, ou dela, não sei. – Como ele come? Ou melhor: o que ele come?

---Com esse tamanho ele não vai te engolir Pansy – falei enquanto Mione o pegava novamente para olhar a boca.

---Realmente, sem dentes.

---Um dragão banguela? Que ironia essa natureza, heim? – Pansy remexeu os cabelos, com nojo.

--- Banguela – Mione disse – Voce vai se chamar Banguela.

---Mais que nome tosco para um dragão – Pansy o agarrou de novo e ele soltou um gritinho. – Deixe-me ver um nome mais adequado.

 Ela meteu a mão na boca nele de novo e dentes surgiram, se fechando nos dedos dela. Ela gritou e o soltou. Agarrei-o rapidamente, ao ver que ele não alçaria voo.

---Parece que a natureza é mais inteligente que Pansy Parkinson. – falei, fazendo-as cair na risada e afaguei um novo amiguinho. Talvez Mione fique mais feliz com você por perto. Voce não a abandonará que nem Draco fez, certo?


Notas Finais


A PUTALICIA SE ENTREGOU aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Ok, deu Eduarda, os leitores não vão acompanhar voce nessa loucura/surto.
CAPITULLOS AGORA SÓ SEGUNDA E SEXTA, OK GENTE?PODE SER QUE ME DE VONTADE E EU ESCREVA DURANTE A SEMANA, MAS VAI SER DIFICIL.
Espero que comentem *-* Pudins e até o próximo
Kisses *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...