História Virgens de Boca - Uma história promíscua - Capítulo 5


Escrita por: ~

Visualizações 86
Palavras 2.520
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Enfim, grandes verdades vêm à tona.

Comentem, gente, se estiverem gostando. Nao se acanhem, haha.

AVISOS: sem nada constrangedor, mas escrevi com muito carinho esse capitulo. Espero mesmo q gostem <3

Capítulo 5 - Are you faking kidding me?


Fanfic / Fanfiction Virgens de Boca - Uma história promíscua - Capítulo 5 - Are you faking kidding me?

No dia seguinte já era meio-dia e os dois irmãos foram almoçar no escritório da rígida professora Sprout como sempre o fazem, pois o almoço é trazido de uma cozinha da qual os jovens não têm acesso, e a escola em que estão só possui um imenso refeirório, que eles não tem acesso também. Então, o escritório da Madame Sprout é o lugar onde os três sempre fazem as refeições juntos. Há também um segurança que nunca conversa com os dois adolescentes, para a proteção da professora e das duas pobres cobaias humanas. Ele é um cara negro, alto, muito forte e sério, chamado Mchael. Ele ajuda também na lmpeza e as crianças as vezes acham estranho porque ele trabalha cantando louvores a Deus todo santo dia, elas acham isso engraçado. Onde quer que Michael fosse, e o que quer que ele fizesse, ele sempre o fazia cantando ou cantarolando músicas pra Deus. Mas os jovens eram proibdos de conversar com o sério segurança, que passava cantarando do lado de fora do corredor pra lá e pra cá, enquanto os três almoçavam. Isso sempre fazia 17 e 18 terem vontade de rir.

— Parem de sorrir, e mastiguem direito, crianças. - disse a severa senhora magra com algumas pequenas mechas brancas já começando a se tornarem visíveis agora que ela beira os 40.

O jovem 17 olha de relance para o computador blindado da professora com o descansi de tela mostrando paisagens nas florestas, louco pra pôr as mãs naquele dispositivo e descobrir o que se esconde naquele oceano de silício1. Com o dedo midinho, ele dá dois toques na mesa: é o sinal de que sua irmã precisava. A bela 18 joga o prato de comida na cara da professora e pula no pescoço dela com as duas mãos. Era pra ser só uma pequena encenação pra distrair o segurança e a professora enquanto 17 faria o trabalho no pc, mas a garota parecia estar descarregando de verdade todo seu ódio pelos 14 anos de queimaduras e choques.

— Pare, 18! Não faa isso com ela! - gritava o esperto jovem fingindo estar se esforçando pra tirar a irmã de cima dela, caída no chão. Tudo na mais falsa dissimulação, menos talbez pela 18, que parecia agora estar se deliciando com a vingança e os xingamentos.

O guarda Michael, assim que entra todo assustado vê a cena mais barraqueira que novela das oito bem à sua frente:

— Senhor do céu! Isso está mesmo acontecendo? - diz ele parado ma porta que acabara de abrir, ainda hesitando sem acreditar naquela cena baixo-nível.

— Ajuda aqui, Micheal! - fingia 17 - Ela é muito forte, eu não consigo tirar ela de ci.a da professora!

— Deixa comigo! Sai da frente.

— Como quiser... - diz o astuto 17, agora com um olhar psicopata, vendo o segurança desprotegido de costas pra ele.

"É uma ótima chance de nocautear o Michael com a cadeira, mas não... Isso é muito arriscado. Podem haver outros seguranças nos monitorando. Eu não sou burro. Vou continuar com o plano A, que até agora está dando certo", pensou rapidamente o loirinho, enquanto aciona seus programas decodificadores, enquanto clica nos comandos especiais de desbloqueio do pc da senhora grisalha.

"Isso!" - comemora ele em pensamento, assim que invadiu o sistema da professora. Conseguiu fazer o download de tudo, até mesmo dos arquivos deletados, e criou um vírus especial além de um programa rastreador pra acompanhar tudo que Sprout faz nele em tempo real, a qualquer momento, e sem deixar vestígios. "Perfeito! Terminei", diz ele pra si mesmo, recolocando o pc em descanso de tela com a paisagem da floresta sem levantar suspeitas. Agora que tem 14 anos, o loirinho é provavelmente o maior hacker do planeta Terra, mesmo com esses computadores 100% à base de invasão. Mas o sistema de invasão que ele havia criado era totalmente inovador e muito à frente de sua época.

A professora se levanta toda descabelada depois que Michael finalmente retira a mocinha de cima dela, que recebe um tapa fa mesma ofegante mulher, pegando a jovem pelo braço e levando direto pra solitária, que é um pequeno cômodo escuro num buraco trancado com uma porta de ferro na parte de baixo da parede no canto da biblioteca. Geralmente essa portinha sempre fica aberta, fazendo os dois jovens desde criança terem medo de que existissem fantasmas lá.

Sprout empurra a garota pra dentro do buraco com raiva, e entra junto com o queimador de pulso na mão. Michael não deixa o rapaz entrar, que implorava pra perdoar a irmã.

Ninguém desconfiou do que 17 fez com o pc holográfico blindado da professora. Mas ele conseguiu invadir todo o sistema.

Somente após o apagar das luzes do mesmo dia é que ele pôde acionar o celular ótico pela primeira vez na vida depois das dez sem ser detectado, graças ao vírus implantado no pc, que agora não pode mais bloquear seu uso depois das dez. Ele então começou a fuçar as pastas do pc dela. Havia uma pasta chamada de "Universidade". Curioso, ele clicou e viu a planta holográfica de uma universidade simesmente gigantesca em tempo real, mlstrando não somente todos os cômodos e andares, como também as pessoas dentro de cada recinto. Ele começou a estranhar quando uma coisa lhe chamou a atenção: ele viu na planta uma pequenina quadra de esportes com poucas árvores idênticas à que ele e sua irmã frequentam.

"Caramba, será que... não... impossível." - pensou ele, duvidando muito que pudesse ser ali, porque a professora falava que aquilo era apenas uma pequena escola... não uma Universidade. Ele então girou o mapa e foi buscando seu quarto, e achou um corpo vivo deitado na cama de um quarto com abajur ligado.

"Será que sou eu?" - pensou o rapaz. Mexeu o braço pra fora do cobertor e abriu um sorrisão quando viu que a pessoa do mapa holográfico correspondeu o mesmo movimento: era ele!

"Caramba, cara! Isso é demais!" - exclamou em pendamento. Depois procurou pela irmã e viu que estava na mesma solitária dormindo, porém segura. Viu também que haviam muitos outros jovens igualmente presos em outros cômodos do mesmo prédio, sem saberem das existências uns dos outros. Ficou com inveja de alguns que eram em grupos de quatro, outros de cinco, e por aí vai. "Esses devem se divertir mais por estarem em grupo", pensou.

Fuçando outros arquivos, chegou ao nome do reitor e dono do complexo universitário, vendo sua foto: Anatoli Vidal, um canadense filho de um russo com uma judia norte-americana.

Sem ainda saber, o rapaz estava fuçando a vida do homem mais perigoso do mundo, ainda mais terrível que o Czar russo. Isto porque Anatoli Vidal é, além de reitor, o líder secreto da maior religião cristã da atualidade, com o nome estranho de "Pague para rezar".

O loirinho abre a pasta chamada "Organograma", e além de ver o organograma da Unversidade, achou também o organograma completo da religião e acabara de descobrir que a foto do líder não mostrava o rosto da pessoa. A foto sem rosto tinha um código que ele rastreou, e o levou a verdadeira identidade do líder, com todos seus dados pessoais.

"Caraca, isso é incrível!", exclamou dessa vez lebantando-se da cama e perdendo completamente o sono. O alarme de movimento de seu quarto havia sido desligado por ele, então a partir de hoje ele pode fazer o que quiser de madrugada sem ser notado.

Apesar de poderem assistir a televisão para entretenimento somente uma vez por semana, os dois irmãos assistem todos os dias o noticiário central da tevê local ao lado da professora. Por isso, o rapaz está sempre bem antenado e conhece bem o mundo. Ele já sabe também através dos livros de história muita coisa sobre "A Religião que Mudou o Mundo", modo como é apelidada a Pague para Rezar.

No começo era uma pequena religião evangélica de fanáticos extremistas, aos moldes de algumas vertentes fanáticas de algumas antigas religiões do Oriente Médio na região árabe. A Pague para Rezar surgiu na União Soviética, mas oficialmente seus líderes mentem, dizendo que surgiu nos Estados Unidos por razões políticas escusas. Muita gente diz que é mais uma seita repleta de escândalos de assédio sexual do que qualquer outra coisa. Eles pregavam que Deus é grande demais pra que se possa orar pra Ele sem pagar. Então os pastores cobravam o dinheiro de entrada na igreja para as pessoas poderem rezar e participar. Com essa política, eles ganharam muitos adeptos entre os ricos e classe média, que se sentiram como que num clube privado e nobre de Deus aqui na Terra, sentindo-se superiores aos pobres. A maioria dos políticos do mu.do todo entraram nessa jogada, numa religião cristã das castas superiores. Essa religião foi fundada em 2019 discretamente de forma secreta, e foi se difundindo aos poucos atindindo controme mundial sobre as massas em 2025. Os pobres que não tinham muito dinheiro costumavam ser explorados tanto financeira, em trabalhos forçados e sexualmente, muitos vendendo seus filhos em troca de entrada na igreja e status. No início isso rendeu muitos escândalos, mas que logo foram abafados. Hoje em dia essas coisas ocorrem em escala muito maior, mas as pessoas têm medo de denunciar porque envolve as pessoas mais poderosas da Terra.

Por esse motivo que 17 se surpreendeu tanto, porque esse líder desconhecido pelo mundo é tido pelos fiéis como a reencarnação de Jesus na Terra, e que ele se esconde com medo de ser crucificado novamente, e perder a chance de continuar abençoando as pessoas. Todos os fiéis concordam com essa estratégia e aplaudem isso: pura hipocrisia dos líderes enganando o povo.

Assim os dias iam se passando normalmente e sempre que as luzes se apagavam, 17 fuçava mais e mais os arquivos. Alguns arquivos muito curiosos lhe chamaram a atenção: pastas com nomes de celebridades assassinadas no ano de 2025 pela seita, como a pasta "Justin Bieber", "Selena Gomez", "EXO", "Fifth Harmony" e outros. Relacionados a essas pessoas estavam arquivos médicos de cada um e algumas pastas contendo informações sobre padrões genéticos, clonagem e ressucitação genética. O rapaz olhou no mapa holográfico os locais ondeestavam os materiais genéticos de cada um transformados em raja. Raja é o nome dado a um alimento produzido sinteticamente composto de uma parte do córtex cerebral de um indivíduo. Se qualquer pessoa comer esse material, ganhará todos os conhecimentos do cérebro daquele indivíduo que era dono do córtex. Mas o raja é muito mais sofisticado que isso. Ele devolve toda a personalidade com os trejeitos do antigo dono para a pessoa que se alimentar desse raja. À bem da verdade, o raja havia sido patenteado por um cientista da Alemanha nazista há quase 150 anos atrás, mas somente em 2061 essa tese pôde ser liberada pelos legisladores para uso em humanis, aprimorada e comprovada cientificamente. Há dez anos atrás, traficantes desenterravam os corpos de cientistas e intelectuais pra abrir seus cérebros e vender no mercado negro. Alguns estudantes preguiçosos comiam o material processado por cientistas corruptos em laboratório que vendiam pra esses jovens comerem e aprenderem matérias curriculares sem nem pre isar estudar. Isso gerou muitos problemas na época, e hoje em dia a fiscalização dos necrotérios e cemitérios se tornou muito mais rígida do que antes.

Mas o que assustou o loirinho de verdade foi ver sua pasta com o nome de "17". Assim que abriu, ele leu o seguinte:

"Quinto experimento de ressucitação de Justin Bieber, cobaia número 17 produzida artificialmente com o material genético completo do cantor. Projeto '17': restaurar sua memória na idade segura de 18 anos. Altamente sigiloso. Status da cobaia atual: 'em manutenção'. "

Aquilo chocou demais o jovem:

— Não tenho pais... - disse lamentando muito isso, pois ele não tem nenhuma memória do antigo e falecido cantor. Ele e sua irmã sempre sonharam em achar seus pais quando completassem 18 anos e poderem comemorar o primeiro Natal em família... em sua família de verdade. Era isso o que a professora Sprout prometia pra ele.

— Tudo mentira! - exclama ele, tentando segurar a raiva e fala

a raiva e a fala.

Ele continua olhando o relatório médico sobre sua concepção e descobre a seguinte passagem: "necessária a remoção do gene da rebeldia e agressividade para que possa ter um comportamento mais educado no internato".

— Mas que diabos!? - exclama ele em voz alta, com raiva de terem alterado ele do original. Curioso como ficou por ter lido essa parte, ele começou a pesquisar na internet a biografia de Justin Bieber, ou melhor, de si mesmo, e ficou boquiaberto quando viu a foto do cantor aos catorze anos. - Caralho! Esse sou eu! Mas ficou com medo de continuar lendo sua biografia, fechou a internet e tentou dormir. Meia hora depois pegou no sono.

O dia seguinte transcorreu normalmente. Ninguém estava desconfiandode nada sobre as investidas cibernéticas dele, e sua irmã continuava na solitária já faziam três semanas. Depois de mais um rigoroso dia de estudo puxado, às seis da tarde antes do jantar, ele visita a irmã na biblioteca. Eles não podem se ver por causa da hermética porta de ferro, mas podem se ouvir.

— 18... está aí, irmãzinha? 18?

Depois de muita demora ela responde com viz chorosa:

— Estou.

O rapaz ficou com o coração dilacerado ao perceber que a voz da irmazinha estava carregada de gemidos de dor e diiculdade para falar. "Aquela maldita professora me paga!", pensou ele.

A menina tentou se comunicar com ele em código, pelas batidas perguntando como estava o progresso dele no hackeamento. Mas com medo de seu código com a irmã poder estar sendo monitorado e desvendado, ele decide não tocar no assunto, respondendo em código:

— Não sei do que você está falando. Não existe nenhum progresso. Ficou louca? Acho melhor pararmos com essa brincadeira de criança.

Ela ficou enlouquecida de ódio, sem entender os motivos do irmão:

— A culpa disso é sua! Eu te odeio! - disse ela gritando.

Triste, a pobre cobaia 17 vai embora se sentindo odiado e odiável, com vergonha de si mesmo.

As luzes se apagam novamente, mas nesse dia ele não se sente muito motivado a fuçar os arquivos. Os minutos passa... o sono não vem, e então o cobaia-loirinho lê um pouco mais da biografia do famoso cantor, até que ele toma um susto quando vê uma foto sua abraçando de uma forma muito suspeita sua irmã. Depois, fica espantado ao ver outra foto sua beijando sua irmã, a 18. Ele se sentiu estranho e confuso.

— Mas que isso? - diz em voz alta.

Pesquisando quem era aquela garota da foto tão perfeitamente idêntica à sua irmã que ele foi acostumado a chamar de 18, ele descobre que ela tinha um nome bem diferente: Selena Gomez. Descobre que eles não eram irmãos coisa nenhuma, que eram amantes, que se casaram e tiveram dois filhos!

Perplexo, 17 reabre a pasta das cobaias e confirma quando lê: "Cobaia número 18 - Selena Gomez, cópia perfeita com pequenas alterações genético-comportamentais para se adequar à disciplina."

Notas Finais


Gostaram? Digam o q acharam. Aceito criticas construtivas tambem.

Ate o prox capitulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...