História Vivendo uma farsa - Capítulo 13


Escrita por: ~ e ~Jazz7

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Brigas Romance
Visualizações 12
Palavras 1.535
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Não me matem vidas. Tava difícil vir a criatividade mas em fim, EM FIM. Aqui estoy. Espero que gostem e mil beijinhos no cora de 6tudo 😉❤

Capítulo 13 - Longe. Pra sempre.


"O homem de cabelos negros vinha em minha direção, seu sorriso vinha de orelha orelha, me parecia tão feliz. Parou em minha frente, se ajoelhou pegando em minhas mãos.

-Àquela sensação de choque voltou. -Eu murmurei vendo-o sorrir. Encostou os lábios em meu ouvido fazendo-me estremecer.

-Também me sinto assim, acho que isso é comum do amor. -Eu ri revirando os olhos. Estava feliz, mesmo em meio à essa dor. O moreno acariciou-me o rosto com  o polegar, largando em seguida um beijo molhado em minha testa. - Vamos pra casa? -Perguntou após me pegar no colo.

-C-casa? C-como assim casa?

-Casa, nossa casa qual lugar mais você reconhece como casa?

-An... Eu... Eu tenho algo muito sério para discutir com você.

-Fale.-Pediu já respirando fundo.

-Não podemos ficar juntos.

-Como?

-Não podemos ficar juntos, nós não podemos manter essa relação!

-Você tá brincando né?

-Não! Me desculpe mas.. Eu não tinha outra forma de preservar minha vida.

-É o que? Você está... Me pedindo o divórcio se eu bem entendi?

-Entenda como preferir.

-Manu, eu não posso entender não tem como digerir algo assim.

-Eu citei palavras não comidas.

-E eu estou com cara de palhaço?

-Você não me entende, né?

-Tem como? Se tiver me diz, me ensina porque eu não consigo mesmo. Você.. Você foi sequestrada, te vi perder a vida e voltar a viver em meus braços, eu... Vi você ficar pálida, seus lábios roxos, e os médicos alegando não poder fazer nada então quando por fim tenho certeza de te ter comigo você quer que eu abra mão de tudo isso? De poder viver ao seu lado? Não, eu nunca vou entender.

-Christopher àquela mulher é obcecada por você, se eu continuar contigo ela pode me matar. Você.. -Lágrimas caíram de meus olhos. - Eu sinto muito.

-Se sentisse viria comigo.

-Christopher eu... Não me impeça por favor.

-Eu não vou impedir, porém...

-Obrigado por entender.

-PORÉM.... -O fitei.

-Diga.- Respondi.

-Laura fica.

-Como?

-Será mais seguro para ela.

-Quem pode me garantir isso?

-Eu -respondeu.

-De que forma me garante que nada vai acontecer com ela? Aquela maluca foi quem à sequestrou da primeira vez, sabia disso? -O moreno arregalou os olhos logo tornando à ficar normal.

-Como você mesma disse, Mariana quer fazer mal à ti, e tocar em tudo que te afeta. Porém, se você não estiver comigo e eu não estiver em seu encalço ela logo irá descartar da mente tudo que planeja contra você além do que, ela nem imagina que eu já sei do que houve, e nem pretende me contar visto que assim eu a odiaria então, se eu lhe afirmar que agora estamos divorciados e tudo que eu sinto por você é o ódio de antes, ela não fará mal a Laurinha. Não enquanto a mesma estiver sob meus cuidados.

-Bom, nisso você tem razão.

-Pronto. Caso informado minha filha fica comigo.

-M-mas e-eu....

-Não poderá vê-la! -Afirmou sem piedade.

-Isso não se faz.

-Você está fazendo isso.

-O que, m-mas você acabou de dizer que...

-E eu entendo, mas nem por isso vou ser louco de deixar minha filha ir com você. Comigo eu tenho certeza que nada acontecerá à ela.

-Claro, claro que não.-Falei saindo de perto dele e indo em direção à porta.- Até porque a vadia que me fez mal não seria capaz de fazer mal à ela na sua frente. Isso acabaria com o pouco de atração que você ainda têm por ela.-Rosnei. Christopher riu, se encaminhando em minha direção segurando em meu pulso antes que eu fechasse a porta.

Ele riu.-Isso tudo é ciúmes? -Perguntou debochado.

-O mundo não gira em torno de você meu bem. -Falei.

-Também te amo, querida.-Piscou.

-E quem foi que te iludiu? -Cruzei os braços.

-Ninguém precisou me dizer isso, baixinha.-Brincou.- Eu vejo escrito em seu olhar. -Bufei.

-Não vou ficar sem ver minha filha.

-Desista de ir embora.

-Porque você não desiste de ser irritante?

- E porque VOCÊ não desiste de ser teimosa?

-Quer saber? -Levantei as mãos.- Que se dane você eu vou embora.

-ESPERA!  -Completou. - Deixa eu te levar pra casa? Digo... Sua "nova" casa?

-Eu não acho...

-Você ainda não está nas condições de exigir nada, além do mais eu estou de carro na verdade Rodrigo está aí em baixo e de qualquer forma ainda precisamos buscar suas coisas.

-Tudo bem. -Revirei os olhos.

Entramos no que mais parecia uma limusine, ficamos a sós nos bancos de trás enquanto Rod dirigia. Christopher pediu que fôssemos até sua casa primeiro com o propósito de buscar coisas leves, e que em seguida  Rodrigo nos levasse à meu apartamento. Sim, vou voltar à viver em um apartamento. Eu sinceramente sempre tive muito dinheiro mas pouco ligo para esses negócios de luxo. Embora meu nome seja mundialmente conhecido, praticamente e dinheiro seja o que não me falta isso pra mim não é de muita importância.

O caminho até à mansão Santiago foi praticamente em silêncio.  As vezes, eu fitava o moreno e percebia a raiva que ele tentava conter em um olhar amargurado mas... Nada podia fazer, ou eu ou Laura e mesmo que não estivesse disposta à viver sem o amor dele, eu precisava preservar à vida de minha filha. Como ele mesmo  disse connosco longe um do outro ninguém sofreria ameaças.  De vez em quando, eu podia sentir seu olhar sobre mim, olhava de canto e o percebia inquieto. As mãos cruzadas, olhos cerrados maxilar travado, os pés mexendo de segundo em segundo formando um tic tac toda vez que ambos batiam no chão e voltavam. Ele bufou.

-Para! - Gritei.

-NÃO DÁ. -Revidou.

- Isso é loucura, tá me dando agonia te ver assim e não poder ajudar.

-Mesmo se pudesse. Você ajudaria? -Questionou desafiador.

-Você sabe que sim.

-Será? Na última vez que discutimos você me disse que podia mas não sabia se queria me perdoar ou ajudar e...

-E?

-Você não tá mesmo usando isso tudo que aconteceu como Álibi para se afastar de mim?-Eu ri sem humor.- Pareço engraçado?

-Christopher Olha pra você,  Cê tá falando nada com nada é  óbvio que eu não aceitaria ficar longe da MINHA filha para manter um capricho meu. Se essa é a sua pergunta eu seria sim, capaz de me sujeitar à conviver contigo querendo ou não, se isso fosse o melhor para Laura. Como de fato  aconteceu assim que ela foi sequestrada.  No mínimo se fosse para fazer diferente  o que eu iria fazer  seria somente dormir em quarto separado do seu. Mas... Aproveitar de um sequestro para ficar longe de você, seria no mínimo... Falta de caráter.

-Então agora é MINHA filha. Não é mais "NOSSA PRINCESA"? Seu vocabulário mudou tanto em tão pouco tempo.-Desconversou.

-Eu não vou nem te responder.

-Isso já é uma resposta.

-Chris fica... Fica quietinho. -Suspirei.-  favor.

-Não, porque?

-Você fala como se eu... Se eu quisesse me afastar de você.

-Ah, e não quer? - Corei.

-Eu queria querer. -Sussurrei. - Você me fez tanto mal, você duvidou de mim e mesmo assim, tudo que eu queria nesse momento era estar contigo ignorando tudo. Mas.. Eu não posso. -Lágrimas caíram de meus olhos. - Eu não posso e você não entende isso. Se a gente ficar junto, algo de ruim vai acontecer à Laurinha e eu prometi à Vick que daria minha vida por ela. Eu faria questão de tratá-la como uma filha. E seria isso o que seria capaz de fazer por um filho. Renunciaria o meu amor. -Por fim minha voz foi diminuindo aos poucos até ficar inaudível. -Eu não posso evitar isso.

-Eu não quero te perder. -Pude ouvir ele dizer assim que Rodrigo estacionou na frente do meu Apê - Isso vai ser pra sempre?

-Eu não sei.

-Mas eu sei de uma coisa.

-O que? -Perguntei.

-Meu amor por você... Ele será eterno enquanto eu viver. -Sorri sentindo seus lábios contra os meus.

Sua respiração era quente, isso acalmava as batidas do meu coração.  Me dava certeza de estar fazendo algo sensato, me deixava Bem e mal. Mal por querê-lo sabendo que jamais seria meu e bem, por tê-lo aqui, do meu lado. Não é possível que isso esteja acontecendo de novo. Eu estou vendo quem eu amo ir embora e não posso fazer nada para evitar essa dor. Chris me apertou em seus braços deixando claro que sentiria saudades de manter tal ato."Vai ser difícil acordar e não te ver" Pude ouvi-lo dizer antes de me dar conta do que estava fazendo. O empurrei e isso só fez com que ele apertasse mais seus braços em minha cintura. Me beijou e relutante eu retribuí.

-Não... Não piora as coisas. -Sussurrei com a mão em seu peito.

-Eu vou sentir falta.-Roubou um selinho.

-Você sabe que se isso acontecer mais vezes nosso plano vai por água a baixo a gente tem que se afastar.

-Mas...

-Você não pode continuar assim, tão perto de mim.-Pedi.

-Até quando? -Berrou.

-Eu não sei, também não sei e também vou sentir saudades se isso te consola mas.. Agora eu preciso ir. Por favor, não me procura. -Lhe abracei e o mesmo me beijou novamente ao ponto de tirar o fôlego. Pedi que o motorista me acompanhasse com as malas e assim vi meu grande amor partir. Diante de meus olhos. Para longe. Para sempre."  💔


Notas Finais


Gente logo loto vem o próximo capítulo e espero que entendam o porque desde aqui estar em itálico. Se não entenderem eu já vou deixar à Explicação. :"Isso é uma lembrança dela de um mês atrás." Eu não pus tudo junto o reencontro e essa lembrança pois senti que talvez vocês fossem até esquecer facilmente desse "Último" beijo deles que é citado à cima. Em fim, espero que tenham gostado Beijos. ❤😉


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...