História Você - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kabuto, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Temari, Tsunade Senju
Tags Hinasasu, Hinata, Sasuhina, Sasuke
Exibições 348
Palavras 4.012
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi, meus amores! o/
Tudo bem com vocês?

Então, mais uma vez eu não tenho certeza de quando vou conseguir postar de novo, mas eu amo essa fic então ela não vai parar. Eu termino isso, custe o que custar!

Enfim, minhas boas vindas aos novos leitores!
Muito obrigada pelos favoritos e comentários! São vocês minha principal motivação!

Boa leitura!

Capítulo 11 - Tudo Em Seu Lugar


  Sai não conseguia evitar sorrir enquanto via a namorada correr animada de um lado a outro do apartamento, sorrindo feliz e cantarolando qualquer coisa sem sentido, preparando tudo para a tarde. Continuou desenhando e sorrindo, mesmo que a cada minuto Ino fosse até onde ele estava pintando calmamente e tirasse dele uma poeira imaginária ou arrumasse um ângulo qualquer de qualquer coisa, até mesmo de seu cavalete, em busca de uma perfeição que, ele sabia, nunca viria ao gosto da loira. Na quinquagésima vez que ela foi até ele, Sai riu e segurou-lhe os pulsos, a afastando de sua obra que sabia, se dependesse dela, não ficaria pronta nunca. 

  - Ino, por favor, deixa o meu quadro em paz, - disse a empurrando para trás, em direção ao sofá. 

  - Demo, Sai, a Hina finalmente, finalmente, - disse dramática, colocando as mãos em frente ao peito como se suplicasse, - vai deixar aquele time esquisito do Sasuke e vai vim passar um tempo comigo! Você já foi na casa dela, não foi? Parece casa de boneca de tão perfeita! E a minha é tão... tão... 

  - Yamanaka Ino, me escuta bem, - ele se sentou com ela, segurando as mãos da loira entre as suas, - Hinata está vindo aqui porque é sua amiga e te ama. É por isso que os amigos visitam os outros, - havia lido isso em um livro, mas não precisava contar à ela essa parte. - Ela não espera que sua casa esteja perfeita e arrumada e parecida com uma casa de bonecas. Ela espera que vocês duas se divirtam juntas, - sorriu. 

  - Olha, o Sai-kun, provavelmente nunca esteve tão certo, Ino-chan

  - Hina!!! 

  Sai soltou um sorriso maior dessa vez enquanto via as duas amigas se abraçarem. Ino falava coisas sem sentido rápido demais para que qualquer um entendesse, mas ainda assim, a Hyuga sorria tão animada quanto a loira. Virou-lhe as orbes peroladas e tirou uma das mãos das costas da amiga, lhe acenando e o ex ANBU não pode deixar de notar em como felizmente, aquela casa estava cheia de sorrisos. Se levantou e foi até as meninas, afastando a namorada da morena que, confessava, era muito bonita. Não tanto quanto a loira, mas bonita. 

  - É bom vê-la de novo, Hinata-chan. A vila não era a mesma sem você. Entra, - deu passagem com as mãos nos ombros da loira que praticamente pulava no mesmo lugar tamanha sua excitação. 

  Hinata pediu licença, entrando no cômodo e por mais que tentasse, não pode evitar que seus olhos corressem por todos os cantos, porém, com uma intenção totalmente diferente do que a amiga pensava. A Hyuga, além de sempre admirar os quadros de Sai, que enfeitavam toda a casa, puxava de cada pedaço daquele lugar, uma boa lembrança do tempo passado ali, sempre rindo, sempre conversando, sempre com os amigos, uma família que ela havia escolhido ter. Essa era uma das poucas coisas que sentia falta quando deixou a vila. Sentou-se no sofá e riu quando observou Ino olhando insistentemente o namorado alheio ao significado daquele olhar. 

  - O quê? - perguntou confuso quando finalmente notou, fazendo a Yamanaka revirar os olhos. Ela se pôs as costas dele e foi o empurrando até a porta. 

  - Aishiteru, - ela murmurou fechando a porta com ele do lado de fora antes de gritar, - bye bye! Hina, - ela alongou o apelido indo se sentar com a morena, - a gente tem tanta, mas tanta coisa pra conversar! 

  - Imagino, - a Hyuga não conseguia parar de sorrir. Kami, aquela definitivamente estava sendo uma boa semana! 

  - Faz uma semana que você voltou pra vila, certo? - assentiu. - E só agora teve tempo de vir me ver?! Droga, mulher, achei que fosse sua melhor amiga! 

  - E você é! 

  - Ah, tá! Agora você só fica com aquele bando de psicopata! Mas não vou te julgar por isso. Tinha algumas coisas que eu queria perguntar, mas... espera! - procurou no meio da sala até seus olhos pararem em um bloquinho e uma caneta, do lado da fruteira em cima da mesa. Correu até eles e o mostrou animada à Hinata que arregalou os olhos. 

  - Você anotou o quê queria perguntar? 

  - É muita coisa! Preparada? - a morena negou com a cabeça. - Ótimo! Vamos começar! 

*** 

  O dia passou entre risos e caretas e Ino se perguntou se Hinata sentiu falta disso tanto quanto ela. Claro que tinha momentos assim com Sakura, Temari e até Tenten, mas havia algo na morena com olhos como pérolas que a deixava mais leve, mais solta. A Hyuga parecia seu próprio diário particular e se orgulhava em saber que o sentimento era recíproco. Soube dos lugares que Hinata conheceu e do que aprendeu, assustou-se em saber alguns dos jutsus que a amiga havia passado a utilizar e do que já havia feito. 

  - Se arrepende, Hina? - perguntou tomando um tom mais sério. - De ter saído da vila e tudo o mais? 

  - Iie, - ela negou imediatamente. - Não me arrependo. Se quer saber, foi a melhor coisa que fiz. 

  - Melhor do que ter beijado Hyuga Neji? Dúvido. - Hinata corou violentamente, a olhando com olhos arregalados. - Seu primo era lindo, Hina. Irresistível com toda aquela frieza dele. Muito bem feito ter seu primo beijo com ele! 

  - Ino, - a Hyuga choramingou seu nome e a loira riu, lhe dando tapinhas amigáveis nas costas. 

  - Tudo bem, tudo bem. Com isso você beijou, o quê, dois caras? E olha que você é a quietinha de todas nós, - a loira gargalhava com o desconforto da amiga até que notou que a mesma não lhe encarava, olhando um ponto qualquer na sala. - O quê? Desembucha, Hinata! 

  - Três, - a morena sussurrou tão baixo que a amiga pensou não ter ouvido direito, até que seus olhos se encontraram. Merda, ela havia ouvido muito bem! 

  - Neji, Naruto e... - incentivou. - Quem mais? - os segundos pareceram se tornar horas até que, ainda sem lhe encarar, Hinata murmurasse alguma coisa que ela não conseguiu entender. - Quê? Não ouvi nada, mais alto! 

  - Sasuke, - dessa vez ela falou em alto e bom som, ainda corada, encarando a amiga. E não sabia que a boca de alguém pudesse se escancarar tanto, tirando a de Orochimaru-sama, é claro. 

  - Puta merda, Hinata!! - Ino meio exclamou, meio gritou, - Você beijou o Sasuke-kun! Merda! Caramba, você pegou os três caras mais gatos da vila! Sua safada! Sabia que essa pose de santinha era só truque! - e voltou a gargalhar escandalosamente com as mãos na barriga e Hinata revirou os olhos, mesmo que acompanhasse a amiga depois. Ino limpou as lágrimas e comentou, depois de um tempo, - merda! Como assim você pegou o Sasuke? Pensei que ele não ligasse pra ninguém da vila. 

  - Bem, aparentemente, não é assim, - nunca que ela contaria das vezes em que Sasuke foi até ela ao longo dos anos. Aquele era um segredo precioso seu, como seu tempo com Neji. Ino sabia do beijo, ótimo, mas Ino não sabia de tudo. Ela não precisava.  

  - Cara, isso é triste, - comentou sorrindo. - Não que eu não esteja feliz por você, e te ache linda, porque o faço, mas cassete! Pensei que eu era mais popular que você, droga! - Hinata lhe lançou uma almofada e Ino, apesar do riso, sentiu seu coração se apertar duas vezes. Um ela podia resolver, mas o outro... bem, talvez fosse melhor não se meter. - Mas, Hina, e o Naruto? Você já conversou com ele, depois que voltou? 

  - Hai, - a morena assentiu ficando séria. - A gente conversou dias depois que eu voltei. Ele queria voltar, mas, sabe, não dá. Eu... droga, me sinto quase tão culpada quanto a Sakura, - e olhou rapidamente a loira que confirmou com a cabeça. Sim, ela sabia o que a amiga havia feito, a rosada havia lhe contado ao longo dessa semana. Passou horas dando um sermão na mesma por ter estragado algo como aquilo por um capricho bobo, mas a merda já estava feita. - Fazia algum tempo que eu sentia que... Naruto-kun e eu não éramos certo um ao outro. Sakura e sua mentira foi só a gota d'água. Eu só aproveitei que a culpa não seria minha e fui embora. 

  - Bem, isso explica muita coisa, - a Hyuga lhe olhou confusa e ela continuou, - qual é, Hina? Você deixou o Naruto de lado várias e várias vezes para ficar comigo, ou com Shikamaru, até mesmo com Mirai! - e lembrava-se quantas vezes se perguntou até quando os dois continuariam brincando de casinha com a filha de seus respectivos sensei, - e você sabe, Shikamaru sempre disse que essa história de vocês não ia pra frente e o idiota é muito inteligente pra saber essas coisas. Eu entendo você não saber dizer não, mas não querer ficar com o próprio namorado é estranho. E... é triste, particularmente falando. 

  - Não entendi. 

  Antes que Ino pudesse se explicar, batidas fortes em sua porta, mas sem soarem bruscas ou violentas, se fizeram ouvir e ela não teve escolha se não se levantar e a abrir. Pela segunda vez no mesmo dia, sua boca ficou escancarada e seus olhos arregalados. 

  - Sasuke? 

  - Ino, - ele lha saudou com a frieza habitual, os olhos fixos em um ponto qualquer atrás dela. Ela virou a cabeça apenas para ver a amiga se levantando e sorrindo para o moreno com olhos tão brilhantes como ela nunca havia visto antes. Droga, agora tudo fazia um sentido absurdo e estaria sorrindo se sua boca ainda não estivesse escancarada. - Acho que já deu, né, hime

  - Haihai. Ino-chan, - ela deu um abraço na amiga que correspondeu apaticamente, - adorei passar o dia com você e não sabe o quanto senti falta disso. Vamos sair para fazer compras, da próxima vez, como antes. 

  - Amanhã? - perguntou sorrindo. Adorava ir as compras. Sasuke bufou ao lado delas. 

  - Tente mês que vem. Ikou, Hinata. 

  Ino se encostou ao batente da porta enquanto via os dois indo embora, conversando qualquer coisa sobre uma construção em andamento e já bem adiantada. Merda, agora entendia o que Shikamaru queria dizer com "isso não vai pra frente" com o relacionamento de Hinata e Naruto e se perguntou porque não havia visto antes. A última vez que havia visto os olhos brilhantes desse jeito da amiga, direcionados ao loiro, foi na luta contra Pain. Uma semana depois, não havia mais esse brilho, apenas um pouco de alegria, como quando ela via qualquer amigo. Mas Sasuke, Naruto e Neji, tinham, sempre, o mesmo brilho quando olhavam pra ela, mesmo que o idiota do Uzumaki demorasse demais para entender o que era. Suspirou frustrada. 

  Quando pensava em namoro, antes de Sai, era vendo como Naruto olhava para a moça de olhos perolados e pensando que queria ser olhada do mesmo modo. Nunca pensou que para dar certo, ele tinha que ser correspondido. Talvez tudo que Hinata havia feito em seu relacionamento com o loiro, fora dar chance a um sentimento que havia morrido à muito tempo, uma homenagem à eles. 

  - Bem, isso foi esclarecedor, - o namorado murmurou, acocorado em cima do telhado e ela lhe sorriu olhando para cima. 

  - Concordo. 

*** 

  Sakura observava a vila de sua sala no hospital. Era ali que vinha passando seu tempo desde que havia voltado a vila, se fosse ser sincera. Havia decidido que, considerando tudo o que fez, o melhor que tinha a fazer era se concentrar no seu trabalho e se afastar de tudo e todos um pouco. Merecia um pouco de solidão. 

  Ela não se virou quando a porta de sua sala foi aberta, todavia, fechou os olhos sentindo o vento frio lhe beijar a face e bagunça lhe os cabelos. O tempo estava tão bom hoje. 

  - Io, Sakura-chan, - e ela tremeu ao som da voz do antigo companheiro de equipe. Kami, pensou que ele nunca mais olharia na sua cara. 

  - Naruto, - murmurou se virando pra ele. Ele vinha melhorando, ela pode notar. Aos poucos, mas isso já era um começo. - Como você está? 

  - Não tenho certeza, - ele deu de ombros se sentando na cadeira em frente a sua mesa, a cabeça apoiada sobre os braços, deitados na superfície fria. - Eu conversei com a Hinata, sabe, - a rosada prendeu a respiração. - Nós terminamos. Definitivamente. 

  - Demo... nani? - perguntou confusa se sentando na cadeira em frente à ele. 

  - Bem... Hinata, - ainda era doloroso dizer o nome dela e saber que ela não o pertencia mais. - ela percebeu nesse tempo fora que... não dava mais pra gente. Que ela não me amava... mais... - segurou as lágrimas. 'Não chore, onegai', ela havia pedido em sua última conversa e faria isso por ela. Faria tudo por ela. - e que merecia viver um pouco mais por ela mesma. Enfim, que não queria mais... a gente. 

  E quando ela pensava que o seu dia estava indo tão bem, suspirou derrotada. Ela havia feito aquilo, droga. Havia tirado a alegria de Naruto e não sabia como ou se podia a trazer de volta. Merda, não era justo que ele fosse arrastado a mesma solidão que ela. Sua mente começou a correr a mil por hora buscando por uma solução que ela sabia que não havia. Só notou o loiro lhe chamando depois que o mesmo praticamente gritou seu nome e sentiu seu coração acelerar com o sorriso mínimo no canto dos lábios que o mesmo lhe lançava. 

  - Uhn? - perguntou confusa, lhe encarando bobamente. 

  - Oe, isso é maldade, Sakura-chan. Eu abrindo meu coração e você nem pra me escutar? Sem coração. 

  - B-baka! - exclamou corando. Merda, odiava quando isso acontecia. - Estava pensando em algo que pudesse te animar, mas... 

  - Ótimo, você paga o lámen! - comemorou se levantando e seguindo em direção a porta. - O preço no Ichiraku aumentou muito e eu estou a um tempo sem fazer missões oficiais, você sabe. Sabia que podia contar com você, Sakura-chan

  Sakura olhou abobada por onde o amigo havia saído, sem acreditar no que havia ouvido. Fora um truque. A droga de um embuste para que ela lhe pagasse o almoço. Sorriu ainda mais se levantando e o seguindo. Maldito! 

*** 

  Temari suspirou três vezes antes de sua mão chegar a maçaneta, mesmo que não a girasse. Ela sabia quem estava na porta, sempre sabia. A merda de ser a embaixadora de Suna em Konoha era ter que vê-lo, saber que ele viria procurá-la em algum momento de sua estádia. Sempre vinha. E ela sempre o recebia. Talvez devesse mudar de hotel, pensou suspirando mais uma vez e abrindo a porta finalmente. Olhou o inquieta e magoada. "E lá vamos nós de novo", pensou. 

  - Posso entrar? - Shikamaru perguntou, com a mesma postura desinteressada e o olhar determinado. Tudo de novo. Ela lhe deu espaço e perguntou-se de olhos fechados por quê mesmo fazia aquilo toda vez. - Soube que já vai embora. Não ficou nem uma semana na vila dessa vez. 

  - Meus assuntos aqui já acabaram. Suna precisa de mim, Gaara precisa de mim. Achei melhor voltar de uma vez, - estavam ambos em pontos opostos do quarto, mas ela ainda sentia que a distância não era o suficiente. 

  - Não iria nem se despedir? Ou ao menos dizer um 'oi'? - a loira não respondeu, nem mesmo o olhando. - Qual é, Temari? Qual foi o problema dessa vez? 

  - Dessa vez? - o olhou raivosa. - Qual é o meu problema todas as vezes em que te aceito aqui? Droga, Shikamaru, não sou a porra de uma substituta! 

  - Nunca te tratei assim. 

  - Você me trata assim todas as vezes! Sempre! Você pensa que eu não sei, pensa que alguém não nota como você se sente em relação a Hinata?! 

  - Ela não tem nada a ver com isso, - ele murmurou tomando uma postura mais séria. 

  - Ela tem tudo a ver com isso. Porra, você quase ficou paranoico quando a menina sumiu! Você não podia nem ouvir falar no nome do Naruto que você ficava puto, como você fica agora, quando ouve o nome do Uchiha. E sabe por quê? Porque notou que não importa o que faça ela nunca te olha da forma que você quer! - atirou com raiva, deixando que todo seu ressentimento fluísse. Talvez hoje não fosse como todos os outros dias. 

  Tentou se afastar quando o Nara se aproximou, tentou fazer com que ele não encostasse em si, mas ele sempre ganhava e ela sempre era fraca, mesmo quando sentia raiva, mas principalmente quando o assunto era ele. Quem diria que no fim de tudo, Sabaku no Temari perderia para ele, sempre que ele quisesse. Era uma fraca, era uma tola... no fundo era só uma garota apaixonada. 

  - Não a vejo dessa forma, - ele falou sério, a olhando nos olhos, segurando seus pulsos. - Ela é... como uma irmã pra mim. A irmã que eu não tive. Me ajudou quando eu precisei, você sabe. O que eu sinto por ela é... gratidão, carinho. Sabe que sinto muito mais por você. 

  Os olhos dele eram tão bonitos. As palavras dele eram como música aos seus ouvidos e um bálsamo para seu coração ferido, para seu medo e ciúme bobo. Porque aquilo era o certo, os dois juntos, né? É claro que a Hyuga era importante pra ele, ela tinha estado com ele quando o mesmo precisara enquanto ela tinha que voltar a Sunagakure porque Gaara precisa dela ali. Era só... carinho... Os lábios dele sobre os dela calaram todas as suas incertezas e os braços lhe apertando a cintura a fizeram saber que ter aberto a porta foi a decisão certa.  

  - Você... você quer ficar? - ela perguntou quando ele a soltou. 

  - Iie, eu tenho trabalho amanhã cedo. Só queria ver como você estava. 

  Ela lhe sorriu doce e o beijou mais uma vez. Sorria como boba quando ele saiu porta afora, e sabia que seu coração voltaria infinitamente mais leve para a vila. Por outro lado, enquanto fechava a porta as suas costas, um sorriso de escarnio tomou os lábios do Nara enquanto pensava no grande filho da puta que era. Porque era infinitamente mais fácil mentir para si mesmo e para Temari do que admitir que a loira estava certa. Ninguém precisava saber disso e sabia que podia fazer a outra feliz. Hinata fingia sorrir a anos. Ele podia fazer o mesmo e talvez até chegasse a se apaixonar pela Sabaku no em um futuro não muito distante, não seria difícil. Suspirou resignado. Tudo ficaria melhor com o tempo. 

*** 

  Hinata já podia enxergar a casa perfeitamente, apenas com sua estrutura montada. Sasuke estava sendo bastante persuasivo com a equipe de construção para que eles fossem rápidos. Quando ele ia até sua casa, quase no fim da noite para ficar por pouco tempo e morto de cansado, ele escolhia não contar que tinha ficado sozinho ainda trabalhando enquanto a equipe tinha ido ao pôr do sol. Tinha colocado um futon na sala para Suigetsu, Juugo dormia no sofá e Karin agora estava no segundo quarto, enquanto Sasuke dividia a cama com ela. Nunca haviam feito nada, mas toda noite, quando ele ia visitá-la, eles se sentavam em sua cama e conversavam por poucos minutos antes que o mesmo desabasse dormindo. Ele devia levar algumas roupas para sua casa ou tudo de uma vez. 

  Ele saia com os primeiros raio de sol e ela tentava não ficar frustrada pelo pouco tempo juntos. Tentou convencê-lo a deixar Juugo vir ajudá-lo, mas Sasuke se recusou tão veementemente que desistiu. Havia vindo hoje, por pura teimosia. Ele havia planejado sair mais cedo e passar o resto da noite com ela, por isso fora a buscar na casa de Ino, mas apenas porque era divertido, ela decidiu contrariá-lo. Escutou-o bufar pela décima vez e sorriu. Ah, sim, isso era muito divertido. 

  - Sério, hime, eu tenho umas oitocentas maneiras melhores de passar nosso pouco tempo juntos, - ele reclamou. 

  - De quem você acha que é a culpa por nosso pouco tempo juntos? Eu passo a maior parte do meu tempo em casa, você sabe, - comentou sarcástica, imaginando a decoração interna, externa e o jardim e... 

  - Culpe-me por querer uma casa minha, nossa, em vez de um quarto de hotel. 

  - Você passa seu pouco tempo para sono na minha casa! Pra quê você ainda tem aquele quarto na pensão? - ela começou a andar imaginando o jardim dos fundos e fingiu não perceber ele a seguindo. Também fingiu não perceber a frustração emanando dele em ondas ridiculamente altas. 

  - Está tão ansiosa assim para que fiquemos íntimos, hime? - tentou agarrá-la, mas ela escapou, fugindo dele por entre a estrutura da casa. 

  - Não, estou sendo prática. Você não quer deixar de me ver todos os dias, eu não quero que você deixe de me ver todos os dias. E você sempre fala dessa casa como nossa. 

  - Sabe que quero você comigo, em todos os sentidos, Hinata. 

  - E está trabalhando rapidamente para que isso aconteça, - ela girou no centro de tudo. Ele sorriu imaginando ela sorrindo desse mesmo jeito quando tudo estivesse pronto. - qual é o problema de facilitar as coisas? E gosto de dormir com você. 

  Sasuke a encarou seriamente e perguntou se Hinata realmente não sabia que ele havia notado seus pesadelos. Não importa o quanto estivesse cansado, sabia que ela tinha um sono leve e que quando começava a dormir realmente, um sono pesado e reconfortante, ela se sentava, ia fazer qualquer outra coisa, mas não dormia ao lado dele. Juugo lhe disse que ela dormia durante o dia e que sempre mandava Karin e Suigetsu para fazer alguma coisa fora de casa quando cochilava. Ele ficava responsável por acordá-la quando ela começasse a ficar agitada e a gritar. Será que ela sabia quão ferrado era em saber que ela confiava mais no bipolar do que nele. 

  - Hinata, - ela o olhou com a atenção totalmente centrada. Poucos vezes ele a chamava de Hinata. - Um dia vai dormir ao meu lado? Ou nunca vai confiar em mim dessa forma? 

  - Desde quando sabe? - ela perguntou depois de respirar fundo, sem olhá-lo. 

  - Desde a primeira noite. Não é porque estou morto de cansado que não presto atenção em você, hime

  - Sei que presta. Eu sei disso. É só que... não queria preocupá-lo. 

  - Com o que sonha? - perguntou se aproximando e dessa vez ela não se afastou. Sabia que o havia chateado. 

  - Neji. Sempre Neji. Eles haviam parado quando saí da vila, mas voltaram agora, como eu sabia que faria. É só... difícil. E você está cansado e se esforçando tanto, só não queria preocupá-lo com uma bobagem, - murmurou com o rosto corado. 

  - Não é bobagem, hime, - Sasuke abraçou a cintura da morena por trás, sentindo o cheiro dela e depositando um beijo casto em seu pescoço. A morena sorriu entrelaçando seus dedos aos dele e deitando a cabeça em seu ombro. Kami, aquilo era bom. - É algo que te incomoda, então temos que resolver isso. 

  - Como? 

  - Não sei. Mas nós vamos dar um jeito, - ele a virou de frente pra si. Hinata envolveu seu pescoço com os braços, brincando com os fios de seu cabelo. O moreno sorriu, apertando a cintura dela. - O importante é que faremos isso juntos. Como tudo daqui em diante. 

  - Como tudo daqui em diante, - ela murmurou sorrindo, antes de ficar na ponta dos pés e o beijar. Ele tinha razão, estariam juntos daqui em diante e aquilo era o que importava. Era tudo o que importava. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Comentem, favoritem e opinem!

Até o próximo!
Bjos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...