História Você é minha! - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Cameron Dallas, Chloë Grace Moretz, Colton Haynes, Daniel Sharman, Holland Roden, Kaya Scodelario, Michael Fassbender, Mila Kunis, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Bradley Blake, Bryan Brant, Christian Harper, Clarie Smith, Frank O'brien, Hanna Milton, Kelly Judith, Madison Siega, Michael Siega
Exibições 248
Palavras 986
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Opaaa, cheguei tão animada com a recepção de você com o capítulo anterior, wowwww!

Esse daí é o Colton Haynes o lindo do Chris :3


Comentem me ajudem, por favor :3

Xoxo, baby

Capítulo 3 - Vazio


Fanfic / Fanfiction Você é minha! - Capítulo 3 - Vazio

Todas as noites eu venho observá-la enquanto ela dorme. Não vejo a hora de te ter em meus braços, cadelinha minha, minha princesinha, minha putinha... Não importa o que digam ou o que vão pensar você será minha, você é minha desde que nasceu. 

 

 Ela é sua, tudo no seu tempo, Michael.

 

                                                                 

                        

 

                              Madison

 

A primeira aula iria começar de sete e quinze, mas eu já estava na sala desde as seis horas da manhã. Tio Mike me obrigou a acordar de cinco horas. Que saco!

 

— Bom dia, alunos. — Uma professora que ainda não conheço nos comprimentou. Era é bem nova deve ter uns vinte e cinco anos. É negra e seus belos cachos são de dá inveja.

 

— Bom dia. — Nós falamos em coro. Ela começou a copiar algo no quadro e depois sentou.

 

A aula percorreu tudo bem apesar da matéria ser Matemática, que eu odeio pra caramba. Estamos na metade da aula e eu continuo na minha. 

 

— Com licença, professora? — Olhei em direção voz rouca e suave ao mesmo tempo. Era um garoto encostado na porta. Eu tenho impressão que já vi esse guri

 

— Atrasado como sempre, Chris. — Esse Chris não aparenta ter dezesseis anos. É bem alto, forte — não musculoso, mas fortinho — É loiro, seus olhos azuis tão intensos são incríveis, olha essa boca rosinha. Tô fascinada.

 

    Foca na dever, Madison. No dever.

 

— Desculpe, professora. É que tive que ficar com a Beth até a Carly chegar do trabalho. — Ele fala como se a professora soubesse muito bem do que ele falava. Ela assentiu.

 

— Tudo bem, mas faça o possível para não se atrasar. Ok, querido? — Ele balançou a cabeça três vez e foi se sentar. Ele sentou ao meu lado, olhou pra mim bem rápido e depois virou. 

 

Cadê o meu ar?

 

Que gato

 

Maddie, foca no Bryan. Ele não vai gostar disso.

 

— Alunos, façam duplas para estudar até o final do ano em matemática ou até em outras matérias. Depois que escolher o seu parceiro não poderá trocar, hein.  — Todos fizeram, eu apenas fiquei olhando sabia que ninguém viria até a mim.

 

Olhei ao redor e vi todos com seu par menos eu. Mas eu não me importo em ficar só. Isso se tornou normal pra mim desde que vim morar aqui em Boston.

 

— Hey, você não tem par? — Uma menina com uma voz tão suave, ruiva com os cabelos bem cacheados e bem baixinha. Tão linda meu Deus. Me perguntou baixinho. Parecia com uma das princesas da Disney.

 

— Não, Por que? Você quer fazer comigo? — Assentiu e eu suspirei aliviada. — Sou Madison e você? — Ela puxou a sua carteira pra perto minha. Sorriu de orelha em orelha.

 

— Sou Claire. Espero que a gente se dê bem, Madison. — Apertou a minha a mão e ajeitou os óculos de grau. Ela era meio desengonçada, atrapalhada e parecia engraçada. Deve ser gente boa.

 

— Ela é britânica, com ascendência irlandesa, ruiva, aquariana e gosta de música clássica. — Estava contando animadamente para Joffrey sobre a Claire, ele estava sorridente.

 

— Muito bem meu bem, eu fico feliz por está conseguindo se socializar, menina. — Sorri feito uma hiena, eu estava realmente feliz.

 

— Mas me sinto mal ainda sabe, Joff. Queria que o Bryan estivesse aqui, ele é o meu melhor amigo. — Fiz muxoxo. Ele acariciou a minha bochecha.

 

— Você gosta mesmo desse garoto em, meu bem? — Assenti afoita.

 

— Gosto bastante. — Ele riu entendendo o que quis dizer.

 

 

 

Sentir o vento gélido bater na cara nunca foi tão bom. Eu estava olhando as estrelas na varanda dessa casa enorme. Aqui é o único lugar que eu me sinto eu mesma aqui e com Joff na verdade. Sinto um vazio enorme em meu peito. Um vazio que acho que nunca mais vai ser preenchido. Metade de mim foi embora junto com os meus pais. Mas nesse momento está só nunca foi tão bom. Tão aconchegante.

 

— Garotinha você vai ficar doente se continuar aqui, está muito frio. — Aquela voz do tio Mike fez meu corpo todo se arrepiar mais que o vento gélido. — Está chorando? — Senti os seus olhos sobre mim. — Você está chorando, criança?

 

— A fase de chorar já acabou há muito tempo. — Ele se aproximou e tocou o meu ombro. — Agora apenas sinto aquele vazio sufocante. 

 

— O que eu posso fazer por você, criança? Eu sou o seu tio, o seu guardião legal, o seu protetor... 

 

Então eu o abracei. Vi que ele ficou surpreso, mas eu precisava daquilo demais. Eu precisava de alguém para me confortar daquela dor que eu achava que nunca iria passar e bem, ele era a única pessoa que eu achava capaz de me ajudar. Ele é o meu tio, minha família, minha única família.

 

— Eu quero que essa dor passe, tio. Eu quero que isso seja arrancado de mim, eu não suporto mais, me ajuda por favor.

 

— Não se preocupe, meu amor. Eu vou sempre cuidar de você, eu vou sempre estar com você e eu vou sempre ter você. — Não entendi muito o significado daquelas palavras, mas acho que é o jeito dele demonstrar que se preocupa com a sobrinha dele. Que vai me ajudar a passar por tudo isso. A vencer essa fase horrível.

 

— Sim, tio Mike. Obrigada por tudo. — O abracei novamente e ele me apertou forte, senti um alívio tão bom, esse abraço era confortante, aconchegante e protetor. O tio Mike está melhorando cada vez mais comigo e eu fico tão feliz por isso. Eu estava realmente mal, sozinha, vazia e chateada com tudo que me aconteceu lá no Brasil, mas ele me ajudou tanto com apenas um abraço apertado, eu estava me sentindo tão segura, tão completa. Eu o quero como um tio legal, amigo e companheiro.

 

Naquele momento que ela me abraçou, eu só pensei em jogá-la naquele sofá da varanda e fodê-la com tanta força que ela não iria conseguir andar. Fodê-la como um louco... Eu estou me segurando, mas sei que não por muito tempo.


Notas Finais


Comentem, my babys


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...