História Você é minha terapia - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Hoseok, Jhope, Taehyung, Taeseok, Vhope, Yaoi
Exibições 53
Palavras 3.018
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLAR, TUDO BEM
eae povo, sem falta, cá estou eu novamente, sem demoras para trazer mais um capítulo pra vcs, leiam com bastante amor e atenção e nos vemos nas famosas notas finaissssss. BJOs

COMENTEM

COMPARTILHEM

FAVORITEM

AMO VCS

Capítulo 5 - "O que eu quiser"


Fanfic / Fanfiction Você é minha terapia - Capítulo 5 - "O que eu quiser"

A diversão ainda continuava, Taehyung já estava cansando de tanto seguir Hoseok para lá e para cá, andaram em cada ponto daquele parque juntos, sorriram juntos, se divertiram juntos, o clima entre os dois era tão envolvente que era quase impossível acreditar que se conheciam a pouco tempo, que eram “psicólogo e paciente”, estavam tão grudados um ao outro que Hoseok fazia questão de não soltar a mão um segundo sequer do moreno ao seu lado. 

Naquela noite um pouco fria, os dedos cálidos do mais velho que envolviam a sua mão pareciam ser um ótimo aconchego. 

Pararam para uma pausa de descanso, Taehyung estava para arfar de tanta agitação em uma única noite.   

-   Aarrh..Vou morrer de desidratação. 

Sentou-se passando as mãos pelas madeixas escuras e soltando um profundo suspiro. 

-  Isso era pra ser um “Vai comprar uma garrafa de água” por acaso?  – Disse Hoseok enquanto olhava o moreno a sua frente. 

-  Eu quis botar mais emoção na frase  - Respondeu sorrindo de como ele lhe questionara –  Já que entendeu, então não preciso explicar não é? 

 

O rapaz riu de volta para Taehyung  e  virou-se para caminhar em procura da bendita água antes que ele realmente começasse a “desidratar”, andou somente uns centímetros e virou-se de volta para trás chamando a atenção do mais novo que pôs se a prestar atenção nas palavras que iria proferir. 

 

-  Se eu voltar a tempo antes de você morrer, vai ficar me devendo um favor. 

-  Hmm..Que favor?  – Taehyung achou graça de como o ruivo transformara aquele simples pedido em mais uma das suas “mini-competições”. Não perdia uma chance sequer.

- O que eu quiser

 

Hoseok voltou-se para a frente e correu deixando suas palavras soltas pelo ar. O que ele quisesse. Taehyung não queria pensar em nada indecente mais a maneira como aquilo foi lhe dito o deixou desnorteado. Realmente poderia morrer aquela hora, simplesmente por causa de um rapaz amável que as vezes dizia para si palavras carregadas de ambiguidade. 

 

 

 

O ruivo andou em direção a barraca onde estavam vendendo as garrafas e se indignou com o fato de que mesmo a noite as coisas dentro daquele parque ainda faziam fila, rezava para que não demorasse tanto ali e se depositou no final daquele pequeno conjunto de pessoas. 

Batia um dos pés no chão enquanto olhava sorrindo bobo para o céu estrelado acima, gostava de como nenhum dia era igual a outro, de como o céu tinha faces diferentes e amava registrar aquilo em fotografias, amava registrar tudo o que não queria deixar que o tempo levasse...Gostaria de ter fotos de tudo que sentia ter esquecido, não gostava de parar para pensar nisso, mas lhe intrigava saber que mesmo se esforçando, simplesmente não conseguia não lembrar com facilidade de coisas do seu passado. 

Seus pensamentos iriam se aprofundar ainda mais se não tivesse sido interrompido por alguém lhe empurrando para trás e entrando em sua frente na fila de modo tão agressivo. O porque diabos aquele homem fez aquilo ele não sabia, mas não estava cego para simplesmente ignorar, então se manifestou. 

- Com licença, acho que você não deve ter me visto aqui – Disse botando a mão no ombro do homem que simplesmente tirou-a de forma ignorante, virando-se para si. 

- Não enche o saco, cala a boca – Respondeu de forma rude e se manteve firme no lugar. 

- Olha, eu não quero brigar, só que eu estava aqui antes e-.. 

O homem empurrou-o carregado de uma ira sem motivos antes mesmo que pudesse ao menos terminar de falar. Hoseok cambaleou e acabou caindo sentado no chão. 

- Não tô com saco pra isso, só cala a merda da boca ou eu faço você calar. 

 

A forma como dirigiu-se a si fez com que as palavras engolidas descessem rasgando pela garganta. 

Porque aquele cara tinha que ser tão babaca?...É só a merda de uma fila, custava ficar atrás? Aquilo lhe irritava, aquela pequena atitude ignorante de alguma forma lhe causava uma frustração imensa que o fez levantar e cerrar os punhos. 

Mas Hoseok não era assim. Hoseok não se irritava com facilidade. Hoseok era calmo

 

O que esse cara pensa que é? 

 

“Você é fraco, por isso as pessoas passam por cima de você.” 

 

Eu... 

 

Eu sou fraco

 

“Então, Me deixe tomar conta disso...Você não sabe fazer nada.” 

 

Não mande na minha cabeça. 

 

“Eu já mando a muito tempo” 

 

Começara a sentir dores em sua cabeça e quando menos esperava...Já não estava mais responsável pelos próprios atos. 

 

 

 

 

 

Taehyung não entendia a demora, será que Hoseok o esperaria morrer de verdade? Não era possível que precisaria de tanto tempo para comprar uma simples garrafa de água. Levantou-se do banco e colocou as mãos no bolso da calça para caminhar a procura do mais velho. 

Enquanto andava calmamente olhando para cada ponto do parque distraído caçando o ruivo com os olhos, de repente uma garota aparentemente apressada passou correndo e esbarrou consigo pelo caminho, ela estava com os olhos cobertos de lágrimas e com o rosto completamente vermelho, segurava um cordão dourado em sua mão que acabou caindo de encontro ao chão. 

 

-  D-Desculpe, eu não queria, e-eu..- Disse a menina enquanto soluçava.

-  Não se preocupe, estou bem – Taehyung se abaixou para pegar o cordão entregando-o para ela -  Você deve ser mais cuidadosa... E deve ficar mais bonita quando sorri. 

 

A garota agradeceu soltando um pequeno sorriso e abaixou a cabeça seguindo o seu caminho. Taehyung voltou a andar para frente até perceber que pisara em algo sem querer, o pingente do cordão havia caído, olhou para um lado, olhou para o outro, a garota simplesmente já havia sumido de sua vista. Guardou o pingente no bolso torcendo para que no caminho onde procurava Hoseok, encontrasse-a novamente. 

 

 

 

 

Não demorou muito para avistar o ruivo de longe, o que lhe surpreendeu de fato foi que havia uma multidão ao redor do mesmo e que ele estava no meio de uma...briga

Hoseok e o homem a sua frente se confrontavam com socos fazendo com que os rostos dos dois ficassem repletos de machucados.  

Taehyung correu. Aquilo não podia ser real. 

Adentrou empurrando as pessoas paradas olhando toda aquela situação ao redor e entrou no meio de toda a briga. Era frustrante o fato de que somente olhavam e não faziam nada para acalma-los.

-  Hoseok vamos sair daqui  - Falou em frente ao ruivo que estava suado com os fios de cabelo que grudavam em sua testa. 

-  Não se meta  – Respondeu de forma seca e ignorante, como se expulsasse-o da li. 

O homem que ainda estava ali se irritou ainda mais em ser interrompido, logo quando Taehyung virou-se ele levantou o punho para novamente depositar outro soco na cara de Hoseok. O moreno não conseguiu apenas olhar e acabou entrando em seu caminho levando o murro no lugar do ruivo.

Se desequilibrou um pouco mas não caiu, olhou com atenção para o homem da cabeça aos pés e permaneceu calado esperando-o dizer algo para si. 

 

-  Quem você pensa que é pra entrar no meu caminho seu moleque? – Falou o homem andando para mais perto de Taehyung e ficando cara a cara consigo  –  Você não ouviu? Não se mete. 

Taehyung não se importou com o modo que aquele cara o tratou, não se irritava com facilidade ao ponto de também cair em uma briga, pelo contrário, tentava resolver tudo somente no diálogo sempre que possível. 

Botou a mão no bolso e tirou o pingente que havia guardado. Pra que? bom, por coincidência, no momento que parou para olhar bem aquele homem, havia um idêntico pendurado ao cordão do mesmo, que também era semelhante ao da garota que havia esbarrado. Mesmo local, mesmo cordão, uma garota chorando, um cara completamente irritado. 

 

Ora ora, temos aqui um Sherlock Holmes não é mesmo Taehyung? 

 

Estendeu o braço abrindo a mão para mostrar o pingente que segurava. 

 

-  Acho que ficar irritado não vai resolver nada – Pegou a mão do homem a sua frente e lhe entregou o pequeno pingente –  Corra atrás dela, antes que ela deixe de correr atrás de você. 

 

Por incrível que pareça o homem se acalmou, parecia que precisava ouvir as palavras certas, também parecia ser o tipo de pessoa temperamental que perdia fácil a cabeça com qualquer situação de acordo com o que estava passando. Taehyung suspirou e se sentiu aliviado em acabar com aquilo tão rápido, mesmo que tivesse lhe custado um soco na cara com um corte na boca. 

O homem se desculpou, a multidão se desmanchou e o moreno achou que tudo havia voltado ao normal. Até virar-se e não ver mais Hoseok ali. 

Simplesmente o ruivo havia saído andando de toda aquela situação como se não ligasse pro que acontecera e nem para o que iria acontecer. Taehyung correu atrás do mesmo e segurou seu pulso o impedindo de afastar-se ainda mais.  

-  Aonde você vai Hoseo-.. – Sua fala foi interrompida no momento que o ruivo virou-se para si. Olhou para aqueles olhos...escuros. Não esqueceria tão fácil de quem pertenciam aqueles olhos. 

-  Oi princesa, quanto tempo  – Respondeu o ruivo dando um sorriso lateral –  Bom, acho que vou me divertir por ai. 

 

Ah...porque apareceu logo agora...J-Hope. 

 

-  Você não vai sair por ai só  – Disse Taehyung com uma voz firme, olhando seriamente para o ruivo. 

-  Uau, mas olha, antes não podia, agora “não vou”  – Andou para mais perto botando vagarosamente sua mão no rosto do moreno.

Ah, aquela mão, gélida, diferente da calidez de Hoseok...aquela mão lhe causava arrepios. 

-  Já disse que não pode andar sem mim  – Dizia Taehyung enquanto tentava não fraquejar em frente ao mais velho. 

-  Tudo bem – O ruivo não largava de forma alguma a postura obstinada –  Aposto que não vai passar da entrada daquele brinquedo ali. 

J-Hope tirou a mão do rosto de Tae e ergueu o braço apontando para o local que se referia...aquele maldito brinquedo...Escuro e sombrio, O maldito Trem

Odiava com todas as forças ter que entrar ali. Mas teria que ir contra sua vontade, não podia nem pensar em deixar J-Hope solto por ai, imagine quantas confusões iria causar?

Pôs se em postura firme e desafiadora ao rapaz indomável em sua frente.  

-  Aposta? Então vamos fazer assim, se eu sair vivo até o final, você vai me dever um favor.

-  Aé mesmo? – Arqueou as sobrancelhas enquanto perguntava, J-Hope pareceu gostar de entrar no "joguinho" de Taehyung –  Então me diz...o que seria? 

-  O que eu quiser. 

 

 

Sabia que o ruivo não resistia quando era desafiado, tanto Hoseok quanto J-Hope tinham diversos pontos idênticos que se tornavam vantagens na mão de Taehyung. 

Caminharam para o brinquedo que mais parecia um portal para o submundo, Taehyung fez questão de sentar ao lado de J-Hope, não queria perde-lo de vista, ainda mais que dentro do brinquedo era um pouco escuro, não tanto, mas o suficiente para piscar e não o ver mais ali. 

Todas as outras pessoas foram adentrando e sentando no Trem que se dividia em dois assentos cada carrinho, começaram a andar, no começo o silêncio predominava, até começarem a aparecer os primeiros “monstros” que saiam de caixotes, esqueletos que pulavam dos túmulos, causando vários gritos durante todo o percurso, sentiu J-Hope se assustar em um certo momento, mas o mesmo virou a cara fingindo que nada havia acontecido, então apenas ignorou. 

Estavam na metade do percurso, tudo ocorrendo bem, não tinha medo daquelas fantasias bestas. Até o brinquedo parar de forma repentina. As luzes de emergência não ligavam, tudo ficou completamente escuro, pior do que já era. 

 

J-Hope começou a sentir dores de cabeça. O escuro...odiava o escuro total...odiava não poder enxergar nada...Hoseok odiava...se sentia vulnerável. O escuro lhe consumia vagarosamente, cada pedaço de sua vitalidade

 

“Me tire daqui” 

 

Cale a boca 

 

“Eu odeio. Odeio. Está tão escuro. Por favor. Me tire daqui.” 

 

Cale a boca. Cale a boca. Cale a boca. 

 

 

 

Sai da minha cabeça  

 

 

O ruivo começou a se sentir mal com tudo aquilo, sentia que podia-lhe faltar o ar, não sabia mais o que estava em sua cabeça, não raciocinava de modo claro, só queria sair da li. Queria chorar e se encolher. Queria gritar mais não encontrava a própria voz. 

 

Mas porque ainda tinha tanto medo? 

 

Seus olhos começaram a escorrer, iria perder totalmente a sanidade, não conseguia pensar em sai dali, até sentir sua mão sendo puxada para fora do carrinho.

"Vou te tirar daqui, segure em mim."

Seguiu caminhando por onde a mão o guiava tentando não cair e não entrar em desespero. Conforme foi andando com os olhos semi-cerrados enxergou uma luz, finalmente havia saído daquele lugar. Usou as mãos para passar nos olhos e viu Taehyung em sua frente. 

 

-  Por isso não gosto desse brinquedo, toda vez ele dá algum problema  - O moreno segurou novamente a mão de J-Hope e continuou andando para longe do brinquedo. 

-  Espera, aonde vamos?  – Contestou o ruivo sem compreender o porque estava sendo arrastado. 

-  Na roda gigante  - Respondeu Taehyung enquanto virava-se sorrindo – Ou melhor dizendo, “Aonde eu quiser”. 

 

 

Andaram até o outro brinquedo, era realmente uma roda gigante, ela girava devagar, e tinha uma das melhores visões da cidade quando a cabine chegava ao ponto mais alto. Taehyung entrou se sentando e J-Hope logo atrás sentou-se do lado oposto sem dizer uma palavra. 

O céu se mantinha maravilhoso, não se comparava ao de antes, agora parecia mais próximo e mais estrelado. Os olhos ainda úmidos de J-Hope refletiam na íris escura toda aquela imensidão, não deixara de amar o céu. O ruivo ainda um pouco confuso olhou para Taehyung a sua frente, percorreu os olhos pela semblante graciosa do rapaz e percebeu o corte em sua boca causado pelo fato de o moreno ter entrado em sua frente no momento de toda aquela briga, sendo que deveria ter recebido o maldito soco em seu lugar. Pôs se a quebrar o silêncio sem nem pensar duas vezes.

 

-  Ainda dói? 

-  O que?  

-  A sua boca. 

Taehyung levou os dedos aos lábios e sentiu o corte, entendendo para o que o ruivo se referia. 

-  Não foi nada demais, não se preocupe....E você, Está bem? 

-  Sim... – Disse J-Hope  abaixando a cabeça. 

-  Porque ficou tão assustado com o escuro?  – Perguntou Taehyung fazendo-o olha-lo de volta instantaneamente. 

- Não fui eu...foi Hoseo– Respondeu proferindo baixo as últimas palavras. 

- Porque fez com que ele sumisse?  

- Não fiz ele sumir, ele só não tem capacidade pra aguentar algumas coisas. 

- Então você acha que pode fazer por ele? 

- Eu faço por ele. 

 

Taehyung logo concluiu ali algo. J-Hope era o escudo onde Hoseok se escondia, mas Hoseok nunca lembrara do que ocorria quando não estava em posse de sua mente...Só que J-Hope parecia saber tudo o que acontecia com Hoseok. Ele se mostrava uma personalidade totalmente possessiva. 

 

-  Porquê? Porque não o deixa fazer por si só?  – Questionava cada ponto com cautela, nunca havia tido tanto contato com esse lado do ruivo, pois o mesmo sempre estava tentando sair da clínica sem cerimônias. 

-  Hoseok não tem capacidade para aguentar, ele não pode aguentar, e eu sei mais disso do que você. 

-  Se você ajudá-lo a aguentar, talvez ele aprenda...Pode começar ajudando ele a relembr-.. 

-  Ele não pode  – Interrompeu J-Hope com um tom de voz hostil. 

-  Porque não pode?  – Cada ponto de questionamento era importante para Taehyung conseguir compreende-lo de forma mais nítida. 

- Ele não iria aguentar...Hoseok não consegue..Se ele tentar é capaz de nunca mais ser o mesmo, eu não vou deixar que estraguem tudo, vocês não entendem ele...Vocês não me entendem, eu já disse, muitas vezes, não façam isso, ele não pode, não pode, mas ninguém me escuta, só se importam em resolver isso logo de qualquer forma, nos entupir de remédios, somente querem ganhar grana em cima disso...Vocês psicólogos, psiquiatras..São todos iguais.

Taehyung se levantou e sentou-se ao lado do ruivo que parecia querer preencher novamente os olhos com lágrimas em sinal de frustração. 

-  Você pensa demais. 

J-Hope passou as mãos enxugando os olhos antes que realmente caísse novamente em dilúvio. Parecia tão vulnerável. Hoseok era uma criança pura e alegre que também chorava facilmente, já J-Hope era como um adolescente revoltado e teimoso, mas que tinha seus pontos fracos como qualquer outra pessoa. 

O moreno segurou a mão do mais velho sentado a seu lado e entrelaçou os dedos nas mãos gélidas que em contato com as suas, se aconchegavam e se esquentavam. J-Hope não contestou, não disse palavra alguma, apenas aceitou ter suas mãos trançadas pelo rapaz. 

-  Eu vou fazer o que eu puder, só te peço que acredite em mim  – Disse Taehyung apertando o entrelaço. 

 

O ruivo já estava com a cabeça pesando, não doía, mais sentia certa moleza no corpo como se seus olhos quisessem fechar, aquilo tudo estava sobrecarregando a sua mente e estava fazendo-o sentir-se cansado. Involuntariamente foi encostando sua cabeça no ombro de Taehyung e encontrando conforto por ali mesmo, ainda na cabine da roda gigante, com somente o céu de testemunha sobre cada palavra que diziam ali. 

O mais novo se sentiu um pouco surpreso pelo fato de J-Hope estar tão “manso” daquela forma, ele não estava com febre nem nada, mas compreendeu que devia estar mentalmente exausto. 

 

-  Taehyung?  – Disse J-Hope em tom baixo. 

-  Hum? 

-  Você morreu? 

- Ahn? Não J-Hope, tô aqui do seu lado – Soltou um riso soprado enquanto respondia a pergunta sem entender porque o ruivo havia lhe perguntado aquilo. 

 

J-Hope ergueu um pouco a cabeça que ainda estava no ombro de Tae e aproximou-se do rosto do rapaz...Depositou um selo...Um selo que diferente de suas mãos gélidas, era quente..afável...Taehyung se espantou ao sentir os lábios do ruivo tocarem nos seus em segundos que nem sequer foram calculados, sentiu que por um tempo seu coração iria explodir. 

 

-  J-J-Hope, o que foi isso? - Perguntou assustado.

 

O ruivo se encostou novamente no ombro do mais novo caindo no sono vagarosamente, mas antes, não deixou de responde-lo praticamente em forma de sussurro. 

 

O que eu queria

 

 

 

 

 


Notas Finais


QUEM QUER MAIS INTERAÇÃO DO TAE COM O J-HOPE LEVANTA A MÃOOO.
Gente sério, eu tava enrolando sem saber como começaria esse capítulo, mas ta aqui, lindo e maravilhoso, nossa senhora mas esses dois tão que tão ein? Próximo capitulo talvez vá demorar um pouco pessoal, ta dificil a vida de estudante, e esse Tour do BTS então? pra fuder tudo de vez, misericórdia, eai cês vão? ta caro pra porra né, pqp, a Vic aqui como boa J-Hope biased sempre mantém a esperança de que tudo vai dar certo, então tbm acreditem em seus objetivos meus amores <3333 até o proximo cap e um beijo na mão direita, OBRIGADO POR LER <3


Meu twitter --> @gene_fake

Aqui umas fics que eu já fiz/ ainda estou fazendo :

VMIN , estou fazendo com uma amiga vulgo @Touka1002 -

https://spiritfanfics.com/historia/connected-minds-6583072

VHOPE, ONESHOT -

https://spiritfanfics.com/historia/intense-caffeine-6615103


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...