História Not Gray - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!jungkook, Bunnyhyung, Jikook, Namjin, Top!jimin, Vhope
Exibições 231
Palavras 3.940
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Mistério, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Esse maravilhoso livro de Lygya Bonjunga <333

Capítulo 6 - Chapter 6


[ ~ ] Sábado [ ~ ]

PoV Park Jimin


 

Nunca nuble o dourado com o cinza por cima


 

Aquele garoto com cabelos castanhos e a cor de seus olhos que esbanjavam pureza e ostentavam imaginação e emoção, como eu imagino, de 7 pra 8 anos, que eu sequer lembrava, muito menos quando ele pedia para eu pintar os quadros que eu nem lembrava de que eu conseguia desenhar e pintar, das comidas que ele me pedia pra eu cozinhar que eu mal tinha lembrança de como fazia, de como ele se agarrava ao meu pescoço e me apertava em um modo de que sempre querer colo e meu abraço e se balançava de um lado e pro outro

Suspirei dando a impressão de que aquilo já havia ocorrido, mas que merda é ficar sem memória!  E o pior é que esse garoto é irritante, mas do tipo irritante bom, gosto bastante de ficar perto dele, mas ele some de 2 a 3 dias no mês. Jin me disse que é quando os pais dele voltam das viagens, mas sempre quando o garoto reaparece, tem várias marcas roxas e hematomas nos braços e seu corpo, o que é bem estranho mas o mesmo não fala nada, sempre vem com a mesma fala de que é brincadeiras de mal gosto de um amigo da escola
 

-- Jimin, Jimin.... Pinta algo, hasibsio -- Pediu e se balançava em meu pescoço novamente, era um sábado de manhã e ele me acordara bem as cinco da manhã. Eu estava com sono e bastante dolorido, suspirei e fiz ele sossegar sentando em meu antebraço, fechei a porta dando um suspiro irritado

( Por favor ) *Hasibsio*

-- Vou tomar banho e comer primeiro --  Resmunguei com meu querido mal humor rotineiro

-- Me dá banho também Jimin-sshi? -- Pediu se agarrando ao meu pescoço com força, revirei os olhos cedendo, minha cabeça dava giros, eu realmente não estava bem, deve ser por causa de eu ser burro e pedir uma alta tão cedo. Senti ele me apertar com força  beijando meus lábios como um selinho afastei meu rosto rápido o fitando confuso e amedrontado por ato repentino e ousado -- Oque? -- Questionou como se ele estivesse costumado a me dar selinhos -- Ah... Me desculpa, é que eu pensei que... -- Deixou sua frase solta

-- Ahn, deixa.. Relaxa -- Fui curto em minha resposta movimentando minha mão alisando suas costas em modo de carinho e mimo,  ele acenou com a cabeça beijando meu rosto de forma bem carinhosa, fui me arrastando até o banheiro igual uma lesma. Chegando lá colocando o garoto na tampa do vaso, retirei minha blusa branca vendo no espelho meu corpo definido, ainda achando que eu sou gordo, olhei meus machucados em meu tronco e costela, elas ainda doíam, puta sorte de quebrar 3 costelas
 

-- Jimin, dói quebrar um osso? -- Questionou infantilmente -- Doi mais quebrar as costelas ou o braço? Eu já quebrei meu braço.... Dói muito -- Disse com as bochechas rubras

-- Não sei -- Dei de ombros, suspirando sentindo a dor, era uma merda não poder respirar de qualquer jeito

-- Irei te esperar na sala -- Avisou sentando no vaso para que pudesse descer -- Não quero te cansar... -- Bufei girando os olhos, fui até o pirralho puxando sua blusa vendo os machucados vermelhos e vergões em seu corpo, algo parecido como fivela de cinto que estava marcado na pele delicada do mesmo

-- Isso não me parece ser coisa de amiguinho não --  Ergui as sobrancelhas desconfiado

-- Hmm -- Resmungou desfiando o olhar  -- Não é nada Jimin-sshi -- Disse forçando um sorriso

-- Não me enganas garoto, se mentir pra mim de novo amputo tuas pernas e braços -- Resmunguei tirando sua calça preta rasgada e sua peça íntima

-- Hunf, seu mal -- Fez enorme bico, olhei as pernas brancas e delicadas, tinha leves cicatrizes de fivela de cinto junto à marcas roxas -- Quero que lave meu cabelo Daddy -- Avisou com as bochechas rubras

-- Irei fazer isto, mas ainda não me respondeu, quem fez isso ? -- Passei minhas mãos em seus cabelos dando um beijo na bochecha corada como todo dia. Realmente era errado ameaçar um menino mesmo que eu tenha vontades de afogá-lo na privada

-- Hm-hm -- Negou -- Não é nada demais -- Sussurou pedindo colo, abraçando meu pescoço com força

-- Hm -- Me limitei a resmungar, fechei a torneira colocando Jeon dentro da banheira, tirei minha calça moletom virando de costas senti minha vértebra doer de modo estrondosa. Queria saber como aquele cara colidiu em um caminhão enquanto dirigia, ahh vá se foder, eu da última vez que o vi tinha que levar ele para um mercado, pois tinha medo dele bater em um caminhão novamente, e eu dirigi. Com 12 anos mas dirigi, nenhum policial ridículo estava nas ruas mesmo
 

Às vezes tenho medo de meus pensamentos, são muito de adultos e sou mais maduro que aquele cara de cabelo azul, pelo menos sei cozinhar e virar uma simples esquina trocando a marcha rapidamente do que ele que só serve pra dormir, tenho que conversar com Jin sobre meus pensamentos ser muito maduros como de um adulto de 26 anos...

Tirei a box entrando na banheira pegando uma das esponjas para começar a tomar banho mas o garoto me impediu

-- Eii, Jimin! Essa esponja é minha! -- O garoto queixou-se, joguei a esponja em sua cara pegando a outra jogando o sabonete líquido, o garoto fazia várias bolhas de sabão desnecessárias que voavam se desfazendo no teto ou caindo na cara de JungKook. Ele estava em silêncio começando a se lavar olhando para o lado meio perdido e triste
 

-- Hey, o que foi ? -- Ergui a sobrancelha entediado -- Vai chorar? -- Ergui mais ainda a sobrancelha vendo seu rosto ficar vermelho ameaçando a chorar vendo o mesmo negar com a cabeça mordendo o lábio inferior

-- Hm-Hm, não vou chorar -- Olhou pra cima com o olhar de modo vago, aquilo em deixava inteiramente aflito, não gostava de ver JungKook assim e isso me enchia de culpa, o rosa nublado pelo cinza era algo tão angustiante... O puxei com força virando de costas pra mim, fazendo meu peitoral servir para descansar suas costas, comecei a colocar o shampoo nas mãos e passando aos cabelos castanhos massageando levemente

-- Naneun dangsin-eul salanghabnida -- Suspirou trêmulo -- Mian haeyo? -- Pediu

(  Eu te amo ) ( Me perdoa? )

-- Por que se desculpa? -- Questionei franzindo minha testa em meio a confusão em minha mente

-- Naneun dangsin-eul wihae chungbunhaji anh-assgi ttaemun-e -- Respondeu -- Je suis vraiment désolé -- Se desculpou por último em francês e encheu a mão com água levando até sua cara esfregando a face


( Pois eu não fui o suficiente para você ) ( Eu realmente sinto muito )

-- Suficiente? -- Suspirei baixo sentindo minha cabeça latejar, meu coração ficava inquieto como se dissesse algo que eu não entendia de modo algum mordi meu lábio de modo aflito -- Olha, eu não sei o que aconteceu, mas a girafa loira me disse que você era muito importante pra mim -- Senti meu orgulho rasgar minha garganta por tais palavras

-- Vou tentar parar de falar em coreano -- Ele disse suspirando pois sabia que eu não falava coreano, apenas entendia algumas frases e não o dicionário inteiro, o estado em que moramos fala em japonês, e nos comunicamos assim, mas a língua oficial dele era coreano e a minha, francês -- O que Jin disse é verdade, eu era importante pra você -- Senti algo deslizar em minha panturrilha até meu tornozelo, era ele lavando com a esponja
 

-- Bom, creio que -- Engoli mais uma vez o orgulho insistente -- Você era mais do que suficiente pra mim -- Beijei sua bochecha avermelhada como sempre

-- Não, não era não, mas não posso falar o que aconteceu pois Jin me mataria. Se você estiver bem pra mim, está tudo bem -- Elevou a cabeça selando seus lábios em meu queixo, não questionei mais nada, desisti de tentar entender, pois o mesmo pelo jeito, não falaria nada, o apertei contra mim me sentindo aflito, queria dormir e não acordar mais -- Não se force a lembrar, comece a viver desde agora, esqueça aquele passado e por mais que doa você não se lembrar de mim,  viva o rosa como sempre sonhava -- Espirrou água soltando uma risada que pareceu aquecer e confortar meu coração

-- Hm -- Me limitei outra vez de resmungar -- E se eu não quiser? -- O apertei mais sussurando baixo em sua orelha empurrando com o meu nariz

-- Ahn -- Estremeceu mordendo o lábio inferior fechando os olhos -- Vai por mim, você não vai querer lembrar... -- Riu baixinho levantando a cabeça beijando meu queixo

-- Eu também não quero ficar sem memórias -- Resmunguei beijando o nariz mordendo a mesma

-- Você também pode criar novas memórias sabia? -- Sorriu abrindo os olhos cor de caramelo que agora cintilavam como nunca

-- Mas não quero viver uma coisa falsa, quero ver a realidade -- Juntei água levantando até seu cabelo tirando a espuma que restava -- Feche os olhos

-- Ué, não seria criar algo falso -- Seria viver desde o dia atual, não se preocupe com que aconteceu no passado e nem com o que virá no futuro, viva o presente -- Ele não parecia uma criança falando, queria saber uma coisa

-- Como nos conhecemos ? -- O questionei com curiosidade

-- Ah, foi por causa que eu estava brigando com um amigo meu daí a briga tava feia e você observava tudo na escada e mandou o cara de cabelo azul me tirar de lá, daí ele me trouxe aqui deixando nós sozinhos e você cuidou de meus mechucados deixando eu dormir aqui com você -- Sorriu largamente

-- Foi só por isso que virei amigo de um pirralho? -- Franzi a testa

-- Bom, amigos mesmo nós só tornamos quando o namorado de minha babá ameaçou de me bater, por que eu tava com medo dos trovões e sai correndo de casa por estar sozinho, trombei com ele, e o idiota me chamou de peste, o chutei a perna e lhe falei um palavrão, por que ele já havia quebrado um braço meu  quando me empurrou na frente de um carro, você deu um soco nele e me levou pra sua casa e não deixou ele me bater de novo

-- Hmmm.. -- Realmente isso me parecia algo tão eu, que realmente era impossível não acreditar, e aquela sensação de que isto de fato teria ocorrido não colaborava mas não acreditava que tinha tanta força para bater no cara, eu só tenho 12 anos e mais esperto que muitos adultos

-- Sério, eu fiquei com os olhos brilhando, pois né... Você é baixinho -- Riu -- Eu queria tanto treinar karatê assim como você, mas não tenho ninguém para me levar as aulas, mas pelo menos, quando eu entrar no quinto ano, poderei fazer aulas na escola mas ainda vai demorar -- Selou os lábios em meu ombro

-- Karatê... -- Sussurei

-- Você devia voltar a treinar, pelo que Jin me contou, e pelos troféus também, você era muito bom, sem falar que é faixa preta -- Senti a bucha em meu abdome e peitoral ele se virou de frente pra mim limpando meu peitoral e tronco com cuidado, grudei meus lábios em sua testa afagando seus cabelos lentamente, sentindo seus lábios sobre os meus mais uma vez, ele pareceu ter se esquecido de que eu não lembrava de tudo. Mordeu meu lábio inferior o puxando, beijou meu nariz e minha bochecha direita, era realmente bem carinhoso e apegado comigo

A esponja se deslizou para meu braço os lavando, segurou minha mão esfregando e limpando minhas unhas, o garoto de fato parece me reconhecer bem, pois eu odiava sujeira. O virei limpando suas costas com o maior cuidado possível, como se fosse algo quebrável, meus dedos deslizavam em sua pele junto com a esponja sentindo a pele macia com uma e elevação dos vergões e marcas roxas, todo o seu tronco e pernas jaziam marcados. Ele se virou de frente para mim juntado seus lábios aos meus mais uma vez com força, e me apertando, vi algumas das suas lágrimas se deslizarem pela sua bochecha e aquilo me dava aflição e desespero de vê-lo sofrer sem saber o porquê. Espera... Bater... Pais.... Jin...   Tentei juntar as peças do quebra cabeça que a muito estavam em minhas mãos, o afastei segurando seu braço com força

-- Pela última vez, quem fez isto? -- Apertei mais seu força deixando um olhar raivoso pequeno sobe si

-- Foi o papai.. -- Encolheu os ombros -- Mas não foi nada de mais, não se preocupe - Selou seus lábios aos meus com carinho, o puxei com força vendi seu olhar assustado sobre mim, como? Como alguém poderia fazer isso com uma criança, porra?

-- Porque? -- Falei em tom calmo para quem sentia tamanha  raiva

-- Pelas palavras dele " Sou um caso perdido, desviado do caminho de Deus" , "Criança do satã" entre outras coisas, mas não tente entender isto -- Inflou as bochechas dando de ombros -- Mas sinceramente, não sou a mínima para o que diz e que pensa. Ele é só uma pessoa da cor preta... Sem cor, uma pessoa intolerante que não respeita as diferenças -- Selou nossos lábios -- Não se importe com isso, okay?

-- Ninguém pode fazer isso à uma criança -- Sussurrei baixo o abraçando sentindo seu coração bater forte contra o meu e beijei sua bochecha de forma demorada. Realmente esse lance de intolerância me faz perder a fé na humanidade obscura em que hoje vivemos, que oprime uma minoria por motivos tão banais, que guerreiam por coisas idiotas sendo que poderiam apenas acenar para alguém com a opinião oposta ao invés de fazer um puta escândalo,  não aceita? Não aceita, pronto não precisa brigar por isso, tão pouco fazer tal barbárie a uma pessoa  que pouco sabe da vida e aprende de um jeito cruel  que as pessoas são seres imaturas  que dizer viver em uma sociedade sem saber o seu sentido real, que se deixam influenciar por bobeiras, daí eu me pergunto, porque tão burros? -- Jeon, porque ele te bateu desta vez?

- A pior de todas as intolerâncias é a religiosa, sabe porque ? Pelo simples fato de que o amor tudo suporta, e não conheço religião que não pregue o amor, perguntei ao meu pai "Então se você prega o amor, porque intolerância ? Porque ficar instigando  pessoas a serem ruins uns contra os outros? Por acaso Deus é maior que o deus de sei lá quem? Aprendi que só existe um deus e que ele se faz presente em tudo que existe, pois ele amou de tal forma nossa existência que deu seu próprio filho para nos redimir de nossos erros, qual o problema da pessoa ser diferente? O que faz um gay ou um negro ser inferior a nós?" E como qualquer pessoa intolerante, ele me respondeu com essas marcas -- Respondeu

-- JungKook, eles são muito contraditórios, eu creio em um Deus que aceita as pessoas do jeito que elas são, a resposta certa para a intolerância é o silêncio, pois quando uma pessoa não aceita a verdade é não tem argumentos, como toda pessoa burra parte para a violência somente para não se sentir  por baixo

-- Sim, eu sei, mas simplesmente estava cansado de apenas ouvir quieto,  eu nunca mais consegui amar meus pais, achava que era errado, mas como eu poderia amar alguém que nem me trata como um filho? Não ligo mais... Olha só meus dentes finalmente cresceram! -- Se ajoelhou entre minhas pernas abrindo a boca passando a língua nos dentes que haviam crescido pela metade

-- Não escovou os dentes?? -- Perguntei segurando seu corpo contra o meu acariciando seus cabelos, e ora ser sincero, nem havia escovado os meus, perdemos tempo demais na banheira

-- É que a minha escova reserva caiu na privada e a outra está ali do lado da sua elétrica -- Olhei para onde ele havia apontado, havia uma escova preta e uma elétrica do lado

-- Hmm -- Murmurei, observando seus lábios azuis por conta do frio -- Vamos sair dessa banheira pirralho, antes que você se mande para o céu -- Suspirei me sentindo preguiçoso e indisposto de novo
 

-- Okay -- Sentou em meu colo se ajustando no mesmo ficando em uma imagem um tanto desconfortável -- Levante preguiçoso -- Pediu colocando os braços delicados em torno de meu pescoço, levantei com preguiça enrolando uma toalha branca no garoto e colocando meu roupão preto, peguei a escova e entreguei para Jeon e coloquei a pasta de menta na minha repetindo a ação na escova do outro, liguei minha escova sentindo a espuma em minha boca. O garoto começou a cantar alguma música espirrando espuma em mim, o olhei entediado vendo ele sorrir travesso como se entregasse que ele realmente fez de propósito

-- Que foi Jimin-sshi ? -- Questionou com a escova ainda na boca fazendo espirrar mais espuma em mim novamente me olhou inocente mas ainda estava com o sorriso travesso. Com a outra mão livre, dei um tapa de leve em sua nuca, foi um ato automático que me fez sentir desconfortável ao fazê-lo, seus olhos brilharam me fitando, como se fossem de alegria e não chorar, e por um motivo breve me encantei com seus olhos pela segunda vez nessa manhã, um marrom claro repleto e inocência e amor, logo desmanchou o sorriso sorrindo tristemente -- Continua o mesmo resmungão mal, mesmo sem lembrar -- Me mostrou a língua rindo,  mas ainda pude notar ele estar machucado por dentro por eu não me recordar do mesmo, puxei sua escova da boca e a minha também dando um selinho no mesmo que acabou por sujar nossos queixos com espuma da pasta, ele arqueou a sobrancelha como se não estivesse acostumado com aquilo, pressionando os lábios contra o meu novamente

-- Nao costuma retribuir selinhos -- Fez beicinho e deu vontade de morder, e foi o que eu fiz, mordi seu lábio inferior puxando de volta -- Neh, me pega no colo Jimin? -- Ele diz fazendo um barulho fofo no começo, sentei ele no meu antebraço esquerdo onde ele marcava um pouco meu pescoço de beijos e mordidas de leve, suspirei pesado por causa da minha clavícula que ainda doía, eu estava uma perfeita merda. Cuspi o resto da espuma na pia, e peguei o enxaguante bucal

-- Não gosto de ver você machucado -- Ele disse beijando minha bochecha com carinho, realmente essa criança mexia comigo, ela é especial para mim

-- Hmmm -- Coloquei o enxaguante bucal em minha boca sentindo a ardência, coloquei um pouco no copinho para que JungKook fizesse o mesmo e ele fez entregando para a boca, guardei as escovas e pastas enquanto Jeon fechava a tampa do enxaguante guardando ao lado do  copo transparente

Andei até o quarto com ele ainda em meu antebraço pegando minha roupa e a roupa de JungKook, percebi que estava tudo dobrado

-- Ué, você praticamente mora comigo -- Constatei, era óbvio

-- Sim, Daddy -- Beijou minha bochecha enquanto vestia um moletom, um shorts de pijama e uma meia longa preta que ia até seus joelhos, enquanto eu colocava minha calça rasgada nos joelhos e coxas com uma blusa de manga da puma, terminei de me vestir me jogando na cama olhei para o relógio vendo que era 6 horas da manhã, muito amor mesmo eu suportar um pirralho que me acorde a essa hora

-- Jimin você disse que ia comer -- Olhei o garoto bocejando engatinhando na cama subindo em cima de mim deitando em meu peitoral e comecei a afagar seus cabelos
 

-- Estou cansado demais pra isso -- Senti seus dedos delicados afagando meus cabelos ruivos enquanto seus lábios finos beijavam minha face

-- Eu amo você, muito mesmo, me desculpe e estou magoado com você -- Resmungou me apertando os fios do cabelo

-- Magoado? -- Questionei -- Oque eu fiz? E porque se desculpa?

-- Sim -- Me deu um selinho demorado suspirando passando seus dedos em minha bochecha, parecia não querer falar o porquê de estar magoado e o que eu lhe havia feito. Estalei a língua retribuindo o selinho sentindo a maciez de seus lábios contra os meus em um beijo terno. Segurei seus cabelos movimentando meus lábios aos seus vendo suas bochechas ficarem coradas, ao contrário dele, eu estava com os olhos abertos, entreabriu os lábios soltando uma baixa respiração enquanto tentava imitar a movimentação de meus lábios. Segurei seu fios com um pouco de força mordendo seu lábio me afastando dele, ele estava completamente vermelho

Finalmente o beijei
 

Ataquei seus lábios, só que : Com a minha língua invadindo a boca pequena, ele suspirou, parecia perdido mas a sua língua logo tocou a minha, os pelos de sua nuca se arrepiaram e as minhas também. Jeon apertou meus cabelos com força soltando um baixo suspiro trêmulo, suguei sua língua ouvindo um pequeno estalo se ecoar em nossa boca "Realmente... Isso é uma coisa que eu não devia estar fazendo com uma criança de 7 anos" suas bochechas ficaram mais coradas, parei o beijo mexendo em seus cabelos lentamente, ele escondeu seu rosto com as mãos com demasiada vergonha
 

Tão fofo... Uma criança realmente bela
 

-- Jimin? -- Me chamou dando vários beijinhos em meu pescoço -- Eu te amo tá? -- Disse de forma infantil
 

-- Eu também te amo, tá bem ? -- Beijei sua bochecha novamente de forma demorada como sempre, soltei um baixo suspiro acariciando seus cabelos, era apenas uma criança, uma criança.... Isso de alguma forma martelava em minha cabeça e mente como se quisesse dizer algo porém não ia..

 

Eu realmente queria me lembrar dele, sinto que ele é a pessoa que mais amo e de certa forma, me dói não poder me lembrar dele, o que ele fez por mim e o pior de tudo, dói não lembrar dele porque eu sei que ele se sente magoado com isso, mas fica feliz ao saber que estou bem, ele se importa comigo, se importa com um garoto ruivo, gordo, preguiçoso, frio, feio e resmungão. Eu queria por um momento, ter total controle de minha mente, voltar aa memórias boas e bloquear as memórias que me fazem mal e guardar aquelas que me faziam rosa como o pirralho diz, mas a nossa mente nem sempre pode ser controlada por nós mesmos

Escutei a baixa respiração do garoto em meu pescoço, ele havia adormecido, seus lábios entreabertos e as bochechas rubras


-- Farei o possível para me lembrar de você pirralho -- Eu disse em um sussuro selando sua testa suavemente, vendo que a mesma estava quente, ele estava com um pouco de febre, peguei as cobertas para nos proteger do frio do inverno. Senti a testa dele febril, enquanto ele estava agarrado ao meu pescoço o mesmo se encolheu contra mim, com todo cuidado, coloquei ele na cama e depois colocando as cobertas quentinhas o envolverem.
 

Abri a gaveta do criado mudo e encontrei um vidro com o medica febre dele, encontrei um envelope azul com o meu nome de destinatário e o dele como remetente




 

   


Notas Finais


O q será que está escrito na carta wue o nosso pequeno Jimin resmungão encontrou???


Vesh

Amarelo = Saudade
Laranja = Desconforto
Verde = Esperança
Rosa = Felicidade
Azul = Medo
Cinza = Dor
Roxo = Amor
Marrom = Raiva
Vermelho = Amizade


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...