História Você Foi o Melhor Erro - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Suho, Xiumin
Tags Baekyeol, Chanbaek, Exo, Kaisoo, Kpop, Sulay, Xiuchen
Exibições 121
Palavras 6.440
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Comédia, Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, meus bebês, tudo bem com vocês?^^
Bom, vim com mais um capítulo recheado de momentos clichês e umas tretinhas de leve. Hehe

Mas primeiro quero falar sobre o debut solo do rei da China, do dono do meu coração: LAY, CARAMBA!
O QUE FOI AQUILO???? Aquele hino, gente! Que orgulho do bias!!! AAAAAAAAAAA <3
Deem muito amor, gente, por favor! Está show! <3

Voltando: espero que gostem e qualquer coisa é só me perguntar.
Reviso amanhã e desculpa se demorei.

Obrigado a todas as pessoas que estão favoritando a fanfic e comentando! Eu amo cada um de vocês!♥
Vocês que estão fazendo essa fanfic continuar. Claro, eu também amo ela, mas não é a mesma coisa quando consigo ter várias reações. Vocês são demais! ;)

Uma observaçãozinha: eu adoro ler fanfics onde tem narrações de mais um personagem - por isso, sempre que posso, gosto de narrar a história por outra pessoa - e eu quis ver como ficaria se três pessoas narrassem o capítulo hoje. Acho que posso contar a narradora como a terceira pessoa, né? Enfim, será o BaekHyun, KyungSoo e eu (a narradora). Espero que possam gostar!

Boa leitura!<3

Capítulo 13 - Reações Inesperadas.


Fanfic / Fanfiction Você Foi o Melhor Erro - Capítulo 13 - Reações Inesperadas.

                                                  ‘’Se o KyungSoo mudou, eu também posso, ‘né?’’



 

A partir de hoje, do exato momento que fui buscar KyungSoo e o JongIn no aeroporto, eu decidi por livre e espontânea vontade - com uma parcela de influência KaiSoo - entrar de cabeça nessa aventura que se chama amor. Na verdade, fiquei um pouco com inveja do KyungSoo, porém, não é pra menos já que ele sempre fora apaixonado pelo o JongIn e nunca desistiu deles.

Me lembro como se fosse ontem, há exatos quatro anos atrás, haveria uma festa na casa de algum familiar do KyungSoo e eu fui acompanhá-lo. Se eu não tivesse namorando o Lay até ficaria apaixonado pelo o JongIn, mas seria um amor não correspondido já que os seus olhos captaram logo a figura do meu lado: o meu fiel companheiro hobbit, KyungSoo. Acho que posso dizer que foi amor à primeira vista.

Horas depois, com a minha ajuda - grande ajuda, na verdade -, eu consegui fazer com que eles, pelo menos isso, se beijassem. Poderia ter sido um beijo de longos minutos, mas não durou cerca de cinco minutos, culpa do KyungSoo.

Desde então, os dois estão apaixonados um pelo o outro e, creio eu, que nada os afetará. Nem a distância, nem as diferenças, nem o jeito idiota do KyungSoo e, é claro, nem a altura. Eu deveria ganhar um prêmio por ter feito esse milagre acontecer. Quem diria que o pinguim chamado Do KyungSoo namoraria e hoje estaria feliz, não se importando com nada, ao lado de Kim Jongin? Um cara lindo e que possui um belo corpo? É meus amigos, milagres acontecem.

E eu sou a pessoa que faz milagres, me agradeçam!

Enfim, voltando ao presente: havia deixado o casal no apartamento e fui trabalhar. Eu não sei se o JongIn vai morar conosco e nem sei se eu vou morar com o ChanYeol, passei quase menos de uma semana com ele e já estou de saco cheio dos mimos do ChanYeol. Mentira, eu estou amando e vou tentar retribuir esse amor da mesma forma. Não deve ser nada difícil, mas também não vou aguentar se ele merecer algumas patadas. Fui feito pra dar patadas, mas por amor eu vou tentar mudar isso.

Chegando no escritório, estava tudo em perfeitas ordem, mas só não entendia os muitos olhares que todo mundo, se não me engano, sobre minha pessoa. Acho que perceberam que sou muito lindo e resolveram apreciar um filho legítimo de Afrodite.

- BaekHyun e o presidente? Que babado! - ouvi alguém dizer isso e do jeito que eu estava, fiquei.

- Que vexame! - dizia mais uma pessoa.

Nada daquilo que está acontecendo é novidade para mim, sentia saudades dessa reprovação idiota das outras pessoas. Então, como se eu não tivesse me importando com nada, caminhei até a minha mesa, respirei fundo e fui trabalhar com os comentários desnecessários que os meus colegas faziam. Já tive que passar por tanta coisa nesta vida e isso não é nada comparado há cinco anos atrás quando estive namorando o Lay.

- Ei, psiu! - levantei o olhar e vi a Mia exibindo um cartaz de folha de papel ofício, escrito:

‘’Eu shippo, viu?!’’ - ela piscou e eu comecei a rir.

- Obrigado! - disse e voltei ao trabalho.

 

 

12h, hora do almoço

Não tive tempo de reclamar, os fofoqueiros, que acho que são meus amigos, me puxam e me fazem sentar na mesa e contar tudo que está rolando.

- Ya! Eu quero comer, estou morrendo de fome. - tentei pegar a minha comida, mas Mia pega-o.

- Não, você vai nos contar o que está realmente acontecendo.

- Devolve a minha comida, Mia! - não devolveu.

Estou com fome e ainda tenho que aturar esse bando de fofoqueiro? Respirei fundo e perguntei:

- É só isso que querem saber? - assentiram. - Independente da minha explicação, a Mia devolve a minha comida.

- ‘Tá, mas conta logo. - disse Dana.

- Eu e o ChanYeol estamos namorando há quase dois meses. - disse calmo e antes de qualquer reação peguei minha comida de volta. Olhei para eles e todos estavam de boquiaberta. - Gente, que caras são essas?

- Como assim? E você não nos contou nada? - neguei. - Por que?

- Dana, do que adiantaria se eu tivesse falado antes ou depois? Ainda receberia comentários desnecessários e vocês ficariam surpresos, como estão agora.

- Mas a gente podia ter te ajudado a ignorar-

- Eu agradeço, Dana, mas está tudo bem. - comi um pedaço de kimchi. Eles pareceram ficar um pouco desapontados por não ter contado nada, mas acho que entenderam o meu lado. - Pessoal, eu ia contar para vocês, mas eu só não queria passar por isso de novo.

- Passar por isso de novo? - perguntou Drake. - Como assim?

- Essa rejeição que o povo faz. Os comentários ignorantes, os olhares reprovadores, a ideia de eu ser um alienígena e me olharem estranho. - abaixei o olhar. - Eu meio que estou cansado disso…

Eles permaneceram em silêncio por um tempo e quando voltei a olhá-los, Dana disse:

- Você quer que a gente te ajude a ignorar isso? - perguntou calma e eu assenti.

- Na verdade, eu adoraria. Se não for incomodo, é claro.

- Não é incomodo nenhum. - disse XiuMin. - A gente faz com o maior prazer.

Sorri e eles me acompanharam.

Achei que seria um trabalho difícil contar para eles, mas tudo foi tão fácil e paciente que até achei que eles não tivessem me escutado direito. Bom, no final tudo ocorreu bem.


 

17h50min da tarde

Hora de ir embora.

O trabalho foi o mesmo, com exceção dos comentários e dos olhares reprovadores, tudo ocorreu bem. Nem vi o ChanYeol, e pensando bem eu achei melhor ele não ter aparecido, as coisas ficariam mais chatas e não sei se gostaria de ficar calado.

Enquanto o povo saía, eu ia arrumando minhas coisas e tentei não me importar com o último comentário e humilhante do dia:

- Ele não liga mesmo para os comentários. Sabe que vai esquecer dos comentários quando voltar pra casa e esperar o presidente ChanYeol de pernas abertas. - riu com escárnio.

Fechei os olhos e respirei fundo.

- Tudo bem, BaekHyun. Você já enfrentou isso, já chorou demais, não vamos abaixar a cabeça agora. - abri os olhos e peguei minha bolsa.

Olhei para a sala do ChanYeol e o vi saindo da sala. Me olhou e deu um meio sorriso.

- Também teve um péssimo dia? - perguntei.

Ele arfou, terminando de descer as escadas e caminhou em minha direção.

- Sim, SunHee andou me perturbando mais uma vez. - me deu um breve selo. Suspirei e agradeci por ele não ter ouvido nada dos comentários e por ter reclamado por outra coisa. - O que foi? - perguntou com o cenho franzido.

- KyungSoo aconteceu. - falei meio nervoso.

- O que aconteceu? - riu.

- JongIn veio com ele e veio pra ficar.

- Ele vai morar aqui em Seul?

- Sim, mais especificamente no meu apartamento e com o Kyung.

- Ah. - riu. - Já era de se esperar. - disse.

- Sim…

- Aconteceu mais alguma coisa? - neguei e desviei o olhar. - Porque eu estou achando que você está escondendo algo.

- Impressão sua. - afastei a minha cara triste e o beijei. - Só saudades de você mesmo. - passei meus braços ao redor do seu pescoço e ele sorriu, abraçando minha cintura.

- Que bom! Achei que só eu havia sentido saudades. - sorri e ele não esperou tempo para me beijar.

Por um minuto sequer, tudo de ruim que aconteceu hoje foi embora e só me concentrei no beijo. Pelo menos, a vida cooperou comigo e me entregou o ChanYeol. Fico um pouco mais aliviado por ele não ter persistido nas perguntas e nem ter ouvido os comentários idiotas. Só quero esquecer isso e seguir minha vida.

Terminamos o beijo e nos separamos.

- KyungSoo e o Kai devem estar perturbando os vizinhos. - disse ele e o acompanhei rindo.

Saímos do escritório e seguimos para o elevador. ChanYeol quis entrelaçar sua mão na minha, mas menti dizendo que minhas mãos estavam doendo. Ele estranhou, mas não disse mais nada e voltamos a rota.

No elevador algumas pessoas nos olhavam, mas não comentavam nada - bem medo de serem demitidos. Quando chegamos no estacionamento, o mesmo carinha que havia soltado aquele comentário idiota, sussurrou em meu ouvido:

Aposto que você faz um bom sexo gay, gostaria de ser o presidente pelo menos uma vez. - e antes dele sair do elevador, dei uma cotovelada na sua barriga.

- Filho d-

- Vamos, Baek. - ChanYeol pegou minha mão e seguimos para fora do elevador.

Que filho da purta! Argh, eu quero esganar aquele cara! E o pior que eu nem posso comentar nada para o ChanYeol se não as coisas vão ficar mais complicada e não quero aumentar isso. Olhei para trás e vi  o tal homem.

- Que idiota! - disse entre os dentes.

 - O que você falou? - olhei para o ChanYeol, que aparentava estar confuso, dei o meu melhor sorriso e entrelacei nossas mãos.

- Hum, nada. - ele assentiu e não perguntou mais nada.

Entramos no carro e decidimos que eu deveria voltar para o meu apartamento, ChanYeol terá que resolver mais alguma coisa em relação à revista e não poderá me acompanhar essa noite.

- Baek, você está me escondendo algo, por que não me diz? - perguntou.

- Ma-

- Não adianta mentir. Você não é carinhoso comigo, mas quando é, deve estar escondendo algo. - o olhei e bufei.

- O que? Eu não posso mais te beijar, nem nada?

- Você sabe do que eu estou falando. - me olhou e desviei o olhar. - Você está, há exatos cinco minutos, coçando sua coxa, BaekHyun.

Olhei para a minha mão e ela está mesmo coçando, que merda!

- ChanYeol, é sério, eu não estou mentindo par-

- Você está mentindo sim. Eu não quero namorar e ter mentiras no meio, droga! - resmungou e bateu no volante. - Qual é o problema de me contar? - me olhou.

 - Você não vai gostar de saber e, além do mais, não quero encher sua cabeça com besteiras. - cruzei os braços.

- Eu não me importo se é besteira ou não, eu só quero estar presente em tudo que envolver você. - silêncio. Riu com escárnio e ligou o carro. - Não vai mesmo me contar? - não respondi. - Tudo bem.

Eu não me importo se ele parar de falar comigo por uma besteira dessas, não quero ter outra pessoa machucada. Eu sei resolver essa situação sozinho! Sempre resolvi, não vai ser agora que vou precisar de ajuda. Tsc…

O caminho até o meu apartamento foi em um perfeito silêncio bem desagradável. Aquele sentimento de arrependimento bateu e não queria estar brigado com o ChanYeol, mas eu não quero encher sua cabeça de coisas desnecessárias, nem nada. Está tudo bem, já sobrevivi nesse tipo de caso uma vez, a segunda vai ser a mesma coisa: eles vão encher meu saco no começo, mas quando perceberem que eu não dou a mínima para os insultos, vão voltar pra suas vidas.

O carro para e antes de descer, ChanYeol repete a mesma pergunta de antes:

- Baek… Eu não quero estar brigado com você, mas por que insiste em mentir para mim?

- Eu já lhe disse que não é nada, ChanYeol. Para de ver coisas, eu em. - peguei minha bolsa e sai do carro. E não demorou muito para o carro dar partida e se misturar com os outros carros.

Suspiro e entro no edifício.

Entro no elevador e o sentimento de arrependimento ainda fica. Tudo bem, você nem precisar estar assim, BaekHyun. Esquece isso e vamos caminhar de cabeça erguida. O elevador chega no meu andar e saio.

Quando entro no meu apartamento, escuto umas vozes altas e abafadas.

- Não. Acredito. - disse e comecei a rir sozinho.

Passei bem devagar no corredor e os gritos começaram a ficar mais altos, corri para o meu quarto e me desatei a rir. KyungSoo e o JongIn são realmente um casal!

Parei de rir e deixei o pombinhos se acasalarem e fui tomar banho. Pelo menos alguém deste apartamento tem que ser feliz.

Após o banho, vesti meu pijama e fui para a cozinha, dando de cara com o KyungSoo vestido com uma blusa grande e um short.

- Eita, que a noite foi boa! - comentei.

Como ele estava de costas, não me viu chegar e se assustou quando eu falei.

- Ai, que susto! - ri e fui até a geladeira.

- Não me ouviu entrar? Ah, estava ocupado demais brincando com o JongIn de médico. - bufou e eu ri mais ainda. - Gostei da minha piada. - me deu língua.

- Cala boca! - peguei o suco e levei para a mesa. - E por que está aqui? Não ia dormir com o ChanYeol? - parei de rir na mesma hora.

- N-não vou mais. - dei de ombro.

Caminhei para o armário e decidi fazer o jantar.

- Eu já estou fazendo o jantar.

- Ah. - fechei o armário e fui me sentar na mesa.

- Aconteceu algo? - neguei. - Tu sabe que eu sei quando está mentindo. - sentou-se do meu lado. - O que foi dessa vez? - desviei o olhar. - Brigaram? - neguei. - Então, o que foi?

Eu sempre considerei o KyungSoo como meu irmão, ele sabe tudo sobre mim, sabe quando estou mentindo, sabe quando estou feliz e, principalmente, sabe quando estou triste. Então, se aquele assunto me machucava, desabafar vai ser bem pior.

- Os comentários… - olhei para as minhas mãos e fiquei brincando com o cordão da calça. - eles estão de volta.

- Ah, BaekHyun. - pegou minha mão e eu o olhei. - Me diz quem foi que eu vou matar esse menino. - ri fraco. - Eu estou falando sério.

- Foi um carinha da equipe do Kris. ChanYeol quis saber porque eu estava estranho, ele não ouviu nenhum comentário, eu disse que não era nada e a gente discutiu.

- Mas o que foi exatamente que vocês discutiram?

- Porque eu estava mentindo e ele queria saber o que era.

- E por que você não contou? Vocês agora são um casal, não seria melhor compartilhar o que está acontecendo? - assenti. - Então, está esperando o quê pra ligar pra ele e pedir desculpas?

- Eu não quero encher a cabeça dele de besteiras. - disse cabisbaixo.

- Se isso fosse besteira vocês não tinham discutido e você não estaria chateado agora, idiota. - bateu na minha mão.

- Ya! - massageie a área machucada. - Além do mais, ele está em reunião de algum assunto da revista, não quero atrapalhá-lo.

- Então, por que não vai para o apartamento dele e faz uma surpresa? - franzi o cenho. - É, surpresa. Ele chega e você pedir desculpas e diz que é completamente apaixonado por ele. Pronto, assunto resolvido!

- Ficou maluco? Nós não estamos com essa intimidade toda, não. - riu.

- Como não? Vocês até compartilham o mesmo carro. - o do ChanYeol, na verdade.

- Eu não vou para o seu apartamento, amanhã converso com ele. - cruzei os braços e apontei para a comida no fogão. - Acho melhor desligar.

- Mas liga mesmo. - levantou-se. - Odeio admitir isso, mas você fez, eu acho, a segunda melhor decisão da sua vida até agora. - foi para o fogão.

- E qual seria a primeira? - me olhou.

- Ter se tornado meu amigo. - piscou e eu ri.

 

[...]

 

Após muitos minutos, e uma longa espera da comida, JongIn aparece na cozinha e a comida fica pronta.

- E aí, Jorginho! - disse e ele sentou-se. - Brincou por quanto tempo de médico?

- Olá, Baek. - antes dele responder, eu já estou rindo. - Brinquei o suficiente para curar as feridas do Kyung. - a partir daí eu ri alto.

- Kai! - o pinguim reclamou.

- Também te amo, Soo. - rimos.

*campainha tocando*

- Quem será? - perguntei. Olhei no relógio e eram quase oito da noite. - São sete e quarenta, quem será?

- Não sei, mas vou atender. - JongIn se levantou e foi abrir a porta. - ChanYeol-ah? - gelei. - Então, é você o ChanYeol do BaekHyun? - me levantei e fui até eles.

- O-o que está acontecendo aqui? - perguntei quando vi os dois terminarem de se abraçarem.

- Baek, o ChanYeol é um velho colega meu. - dito isso, eles fizeram um toque estranho com as mãos.

- KyungSoo sempre falava de você, mas eu sempre achei que você estaria no Japão. - disse ChanYeol, que até agora não me olhou.

- Vem, entra. - Kai disse e puxou o ChanYeol para a sala.

- C-chan-

- Agora não, BaekHyun, você tem a noite inteira com o ChanYeol. - ri soprado e eles foram se sentar.

Fui para a cozinha emburrado e não passou despercebido pelo o KyungSoo.

- O que foi desta vez? - sentei na mesa.

- Kai, seu namorado, é um velho amigo do ChanYeol. - franziu o cenho.

- Como assim? Espera… - estalou os dedos. - Ah! Então, era o ChanYeol naquelas fotos? Nossa. - sorriu e eu estranhei.

- Que fotos?

- Quando eu estava na casa do Kai, sua mãe me mostrou o álbum de fotografias e lá tinha várias fotos dele com os amigos, e entre eles estava o ChanYeol.

- Ah…

- Sabia que conhecia aquele menino de algum lugar. - falou pensativo.

- E-e eles namoravam naquela época? - perguntei como quem não quer nada.

- O Kai sim e aparece que o ChanYeol também, tem uma foto dele abraçado com uma garota.

- Oi? ChanYeol era hétero?

- Eu não sei, Baek, as fotos não demonstram quase nada, mas duvido muito já que ele sempre te amou.

- Oh! Sempre me amou, ‘né? Desconfio. Como um ser alto e lindo daquele jeito não tinha namorado? Ou pior, namorada? Tsc…

- Shiu, acho que estão vindo. - cochichou e sentou-se na minha frente.

Do jeito que eu estava, fiquei.

- A gente precisa sair um dia, Kai. - falou o ChanYeol.

- Fechado. - apertaram as mãos.

JongIn sentou ao lado do Kyung e o ChanYeol do meu.

- Olá, ChanYeol. - cumprimentou KyungSoo.

- Olá, KyungSoo. Fez aquele prato que eu lhe mostrei a receita? - perguntou olhando para a comida.

Kai disse que era uma boa ideia e fiz, mas não acho que tenha ficado bom.[...]

 

Enquanto o jantar passava, a comida ia acabando, a conversa dos três ia aumentando. Cada pedaço devorado, era mais um assunto novo. E eu estou na mesma mesma, comendo a mesma comida e não prestam atenção em mim. Aposto que eles não se importariam se eu saísse da mesa e fosse para o meu quarto.

E é isso que estou fazendo. Me levantei sorrateiramente da mesa e fui para o meu quarto. Ninguém falou nada, mas juro que eu vi eles me olhando. Como havia planejado, entrei no meu quarto e fui para o banheiro escovar os dentes.

 

                                                                                                     (~o~)

 

O papo estava muito bom, Kai contando de suas histórias vergonhosas da infância e das aventuras que ele e o ChanYeol faziam. Porém, havia uma certa pessoa que não estava se divertindo nada com isso: BaekHyun. Eu até tentava empurrar o Baek para interagir, mas ele sempre balança a cabeça e enfiava a comida na boca.

ChanYeol até tentava fazer algo, mas BaekHyun sempre desviava quando o ChanYeol queria entrelace suas mãos e o meu amigo dizia que pegar alguma coisa. Eu sei o motivo do aborrecimento dele, mas não precisava agir daquela forma, não haveria nenhuma explicação plausível para ele ficar assim.

E para confirmar mais que BaekHyun estava realmente aborrecido, ele terminou de comer e foi para o seu quarto, sem dar boa noite ou falar com o ChanYeol… simplesmente se levantou e foi para o seu quarto. Olhei para o ChanYeol e ele estava com os olhos baixos e eu conseguia ver a luta que ele estava entre continuar com a gente e terminar de comer, ou ir atrás do BaekHyun e acertar logo as coisas.

Olhei para o Kai e ele também olhava para o ChanYeol, abria a boca querendo falar algo, mas, quando percebeu que não saberia o que falar, fechou a boca e me olhou. Fiquei alternando o olhar entre Kai e o ChanYeol, entre querendo ou não contar a verdade para o ChanYeol e acabar com aquele clima tenso que ficou.

BaekHyun, você vai me perdoar, mas eu não posso deixar essa situação assim.

- ChanYeol, o que eu vou te falar é a causa do aborrecimento do Baek e eu quero, necessito na verdade, que após ouvir tudo, vá atrás do Baek. - falei de uma vez.

ChanYeol me olhou, com os seus olhos grandes e abertos. Respirei fundo, deixando de lado se o meu amigo vai ficar com raiva de mim ou vai querer parar de falar comigo, o que estava acontecendo é bem pior para que uma droga de comentário idiota acabasse com tudo aquilo. Também não é pra tanto, mas BaekHyun é dramático e sei que ele ficou bem triste com tudo isso, porém, teimoso do jeito que é não demonstra que não está nada bem com ele. Comecei a contar, mas desde o início - mas especificamente na época do Lay hyung. Contei dos momentos horríveis que o BaekHyun teve que passar, dos comentários e sem falar dos olhares reprovadores que não só ele, mas eu também tive que passar...

- Baek não me contou o que exatamente o carinha da equipe do Kris disse, mas, como experiência próprio, sei que não foi nada delicado e legal de se ouvir. - completei.

Kai pareceu ficar chateado e se perguntou que tipo de pessoa é essa, peguei sua mão e acariciei a mesma.

- Kyung, por que você nunca me contou sobre esses comentários? - perguntou Kai. - Que filhos da merda, quem eles pensam que são?!

- Está tudo bem, amor. - beijei sua mão e alisei sua coxa. - Não precisa ficar preocupado. - sorri de boca fechada.

Kai ainda pareceu inconformado, mas depois que o beijei relaxou um pouco e voltou a olhar para o ChanYeol. Ele estava com as mãos cruzadas, apoiadas sobre a mesa, olhava para algum canto da mesa e respirava pesado.

- Agora você tem que ir lá, ChanYe-

Não precisei terminar a frase, ChanYeol já tinha se levantado e foi atrás do Baek.

Agora é com você, ChanYeol.


 

                                  (~o~)

 

Depois de escovar os dentes, saí do banheiro e fui arrumar minha cama, quero ter algo pra fazer e não precisar sair do quarto.

Até alguém puxar meu pulso e me fazer virar com tudo para frente, mais especificamente dando de cara com o peitoral de alguém.

- Por que você não me contou? - me assustei pelo a voz, estava irritada e mais grave do que o normal, mas eu já sabia que era o ChanYeol.

- E-e-

- Não adianta mentir, BaekHyun, eu já sei de tudo. - olhei para cima e o vi me encarando com a expressão de irritação. - Anda, estou esperando. Por que não me contou?

- P-porque eu não quis, ué. - respondi nervoso. - E solta o meu pulso que está doendo.

- Acha fácil pra você me esconder sobre um assunto que te machuca? - não soltou meu pulso e segurou mais fortemente. - Você não pensa que seria melhor ter me contado?

- ChanYeol, você não tem com o que se preocupar. - disse meio firme, já que eu alternava o olhar entre o meu pulso e ele. - Além do mais, eu não quero encher sua cabeça com besteiras.

- BaekHyun, você é burro ou o que? - perguntou. Olhei para ele ofendido e ele bufou. - Isso não é besteira e muito menos algo que se possa resolver sozinho.

- Eu já enfrentei isso, não vai ser agora que não saberei mais como resolver. - puxei meu braço e ele ficou inconformado.

- Então é isso?

- É isso o que?

- Toda vez que acontecer alguma coisa com você, vai querer sempre resolver as coisas sozinho? Você não se importa nem um pouco com as pessoas que estão do seu lado?

-Mas é claro que eu me importo com vocês! - disse alto. - Eu só não posso deixar vocês ficaram preocupado-

- Com o que? - me interrompeu, sendo sarcástico. - Não deixar a gente preocupados com o que acontece não só com você, mas com a gente também? Qual é, Baek! Era só contar a verdade e não fazer uma tempestade num copo d’água. - disse.

- Quem está fazendo uma tempestade num copo d’água é você com esse teu cismo em querer estar sabendo de tudo! - ele riu soprado e passou a mão nos cabelos.

- Você podia ter me contado a verdade desde da hora que eu te perguntei, mas preferiu contar para o KyungSoo do que pra mim. Resolveu alguma coisa ter contado pra ele? Se tivesse resolvido não estaríamos discutindo agora, BaekHyun.

Foi o KyungSoo que o contou? Legal, agora eu quero esganar dois pescoços: do meu amigo linguarudo e do ChanYeol.

Cruzei os braços e fiquei esperando ele falar mais alguma coisa, mas como não falou mais nada…

- ChanYeol, se eu tivesse te contado você discutiria com o carinha e possivelmente o demitiria, e eu não quero ser alvo de mais comentários como já sou. Então, foi erro meu ter contado ao KyungSoo, sim! Mas foi erro seu ter vindo aqui para discutir sobre isso. - disse ríspido.

- Foi erro meu ter vindo aqui? - apontou para si. - Quer dizer que eu posso ir embora agora que você não se importaria e agiria normalmente amanhã? Mesmo com os comentários idiotas que estamos sendo alvos? Mesmo com a possibilidade de denunciá-los e acabar com essa merda? - desviei o olhar. - Você não vai mesmo me contar nada, não vai me responder?

- Não é isso, mas eu ‘to te dizendo para não se preocupar que depois todo mundo vai esquecer. - falei meio baixo. Ele não moveu nenhum músculo e nem mudou de expressão, mas pude ver que ele estava inquieto.

Ele respirou fundo e voltou a falar:

- Eu não quero ficar com raiva de você, nem nada, mas custava de me dizer logo a verdade? Eu fico frustrado pelo o fato de você ter mentido pra mim, não é porque você contou para o KyungSoo. E se amanhã acontecer algo de ruim pra você? - abaixei o olhar. - Eu não gosto de pensar nisso, mas você não me restar opções se não parar de se importar só com você. Eu já te perdi uma vez, não quero pensar em te perder outra vez.

- ‘Tá bom, desculpa. Mas eu também odeio o fato de eu ter mentido pra você e já estou arrependido. - sorriu de lado.

- Me promete uma coisa?

- Que coisa?

- Me promete, de tudo quanto é mais sagrado, que não vai mentir pra mim, que não vai esconder mais nada? E promete também que não vai resolver as coisas sozinho?

- Eu prometo, mas para de ser meloso e vem logo me beijar. - riu.

Ele passa seus braços ao redor da minha cintura e me puxa para mais perto.

- Eu só sou meloso com você, só sou idiota com você e toda aquela personalidade bobão. - ri. - Eu te amo, não quero mais sentir a sensação de não ter você. - disse sério.

- Eu também te amo, Chan. Do jeito que você é, mas às vezes é chato quando você se torna meloso quase o tempo todo. - rimos. Rodei meus braços no seu pescoço e fiquei de ponta de pés. - Mas eu nunca diria que odeio quando você fica meloso... Porque eu simplesmente te amo. - sussurrei e ele sorriu.

- Agora chegou a parte de resolvermos essa situação da forma mais clichê do mundo. - falou risonho.

- Ah, é? - perguntei inocente e ele assentiu. - E qual seria essa forma?

Se inclinou para perto do meu ouvido e cochichou:

- Você me esperando enquanto eu termino de comer. Porque, carambolas, a comida do Kyung está muito boa. - disse fazendo uma expressão de dor e fome enquanto eu ria[...]


 

6h30min da manhã|Autora ON

BaekHyun acordara naquela manhã de terça-feira sorrindo e alisando o braço do ChanYeol, que pela meia noite resolveu se aconchegar melhor no corpo do pequeno e envolver seu braço esquerdo em sua cintura o trazendo para mais perto. Era simplesmente uma cena qualquer de cinemas onde a amada se sentia feliz pelo o amado.

Mas BaekHyun não era um mulher e muito menos tinha sentimentos amorosos percorrendo pelo seu corpo. Também não era um ser vivo que gostava de agradar os outros e pouco se importava pelo o que as pessoas diriam a respeito dele. Porém, quando decidiu namorar o ChanYeol ele sabia que não seria nada fácil, sabia que iria enfrentar as mesmas baboseiras de antes: os olhares reprovadores, os comentários irônicos e malfeitos, e a indelicadeza de algumas pessoas; sabia principalmente que se apaixonaria cada vez mais pelo o homem alto de orelhas chamativas chamado ChanYeol e ele está feliz só de estar perto do ChanYeol.

Infelizmente, BaekHyun não se lembra do seu passado e isso o deixa para baixo em todas às vezes que o maior fala sobre o passado, mas não vou escrever como o BaekHyun se sente triste por esses momentos e nem entristecer as leitoras.

- Bom dia! - disse o maior recém acordado ao pé do ouvido do BaekHyun fazendo seus pelos eriçarem.

- Bom dia! - virou-se para o amado e selaram um beijo causando as famosas borboletas no estômago nos dois.

ChanYeol, bem antes de abrir os olhos, pensou em acordar rapidamente e puxar BaekHyun para tomarem um banho logo e irem para o trabalho, mas quando sentiu o menor alisar seu braço e se aconchegar melhor em seu peito, desistiu na hora e sorriu de boca fechada.

- Eu adoro o cheiro dos seus cabelos, sabia? - disse ChanYeol, olhando o menor com ternura. - E eu adoro ainda mais o seu corpo que se encaixa perfeitamente no meu quando dormimos de conchinha. - falou baixinho, somente para BaekHyun ouvir e o puxar para mais perto.

Beijou o topo da cabeça dele e fungou ainda mais o aroma de casa que os cabelos castanhos de BaekHyun tinham. ChanYeol adora fazer isso em todas às vezes que dormem juntos e já tinha virado mania.

- Já que você está bem amoroso essa manhã, que tal faltar hoje o trabalho? - falou BaekHyun, com a voz manhosa e ligeiramente feliz.

ChanYeol não era nenhum bobo, sabia que BaekHyun queria faltar hoje para não ouvir os comentários, mas não permitiria que isso acontecesse. Era orgulhoso demais para abaixar a cabeça e não enfrentar essa situação.

Não era um problema só do BaekHyun, eram de ambos. E duas pessoas resolvem situações assim melhor, não?

Desmanchou o sorriso simples que esbanjava e o olhou sério.

- Por que quer faltar hoje? - viu o menor se sentir estranho e pelo o olhar percebeu que estaria buscando respostas plausíveis para convencer o maior.

- Ah, porque… - rolou os olhos pelo o quarto. - porque ainda ‘to com sono. - pareceu se convencer com a resposta e até disse manhoso, mas ChanYeol não caiu na lábia de BaekHyun.

- Ou é porque você não quer escutar os comentários hoje? - perguntou.

- Mas é claro que não! - rebateu BaekHyun.

O maior ficou encarando o menor por algum tempo de forma séria, até BaekHyun esconder o rosto entre a curvatura de seu pescoço e fechar os olhos.

BaekHyun não queria mostrar que se sentia incomodado e decepcionado com essa situação bem repentina, mas não podia fazer nada.

ChanYeol abraçou o corpo do pequeno fortemente, como se estivesse o protegendo do mundo, e ficou por alguns minutos alisando o cabelo do mesmo.

- Baek, meu amor, eu sei que você se sente incomodado com isso e quer demonstrar que é forte, mas basta olhar pra você e saber que não está nada bem. - disse de forma calma.

- Eu sei. - como estava com o rosto enterrado entre a curvatura do pescoço do ChanYeol a voz saiu meio abafada e manhoso.

Se não estivessem em uma situação chata ChanYeol o acharia muito fofo, mas como não estavam, apenas suspirou e apertou mais o abraço.

- Baek, olha pra mim. - balançou a cabeça negativamente e se aconchegou melhor no corpo do maior. - Por favor.

Por insistência do ChanYeol, BaekHyun levanta a cabeça e o olha.

- Vai querer brigar comigo de novo? - perguntou.

ChanYeol se pôs a rir fraco e a negar-se.

- Não. - viu o menor suspirar de alívio. - Só quero confirmar que não está chorando.

- Eu não vou chorar. - falou emburrado.

- Eu sei que não vai, mas só queria confirmar mesmo. - alisou a cintura do menor. - Vai querer mesmo faltar hoje? - não respondeu. - Baek…

- ‘Tá legal, eu não vou faltar hoje. - falou irritado pelo o fato do maior ter o convencido a ir. - Mas o que você está esperando que ainda não me beijou? Ainda não se acostumou com o meu ‘’aroma’’ matinal? - ChanYeol riu e antes do menor implorar para o maior beijá-lo, ChanYeol já estava com a boca colada na do BaekHyun e esse outro sorrindo entre o beijo.

Eles estavam felizes por terem se entendido e decidiram pelo o beijo que não deixaram nada os abalarem. Estavam convincentes que tudo estaria mudado e seriam eles que mudariam a situação.

Se for pra enfrentar várias pessoas homofóbicas no trabalho, ChanYeol faria; se fosse para proteger BaekHyun, ChanYeol realizaria; e se fosse para ajudar a pôr o sorriso que ele tanto ama no seu pequeno, ele faria.

Após algum tempo de carícias, os dois se levantaram e tomaram um banho relaxante, como o ChanYeol parecia meio tenso em relação a tudo que está acontecendo, BaekHyun massageou sua costa durante o banho e para o relaxar melhor beijou seu pescoço muitas vezes.

Ambos vestidos adequadamente, saíram do quarto e logo depois encontraram o casal KaiSoo de pé na sala.

Kai, infelizmente, não iria acompanhá-los - até porque o trajeto de sua faculdade é diferente - e, após um breve selo nos lábios de KyungSoo ter sido deixado, saiu primeiro do apartamento.

Logo após a saída do amado, KyungSoo olhará para o outro casal com a sobrancelha arqueada como se estivesse perguntando se tudo está bem.

- Uhum, está tudo bem, Kyung. - disse BaekHyun, abraçando o braço do ChanYeol, sorrindo.

- Ufa! - suspirou de alívio, fazendo o casal rirem.

ChanYeol decidiu levar BaekHyun e o KyungSoo para o trabalho e também tinha uma ideia na cabeça de exibir para todo mundo quem é o dono do seu coração quando chegassem na empresa. Claro, tudo já estava combinado com o amado, apenas KyungSoo não sabia.

No carro, BaekHyun contou para o seu amigo que se não fosse por ele sua situação com o ChanYeol não estaria numa das melhores. Como agradecimento ao seu fiel companheiro, sentou-se no banco traseiro com o KyungSoo e apoiando a cabeça em seu ombro.

- Eu não te mereço como amigo, Dyo. - BaekHyun disse manhoso.

- Concordo com você, mas fazer o que, ‘né? - riram.

Fazia um belo sol em Seul naquela manhã e ChanYeol sorria feito um bobo quando se lembrava de quando BaekHyun adorava brincar no sol e ia chamá-lo às sete da manhã só para brincarem.


 

- Vamos lá, Channie. Por favor! - dizia BaekHyun puxando ChanYeol da cama.

- Ah, Baek, não quero ir! - se cobriu com a coberta mau humorado. - Ontem você me fez ficar até tarde brincando de veterinário.

- Chan… Por favor, só mais dessa vez! - suplicava BaekHyun todo manhoso com as mãos cruzadas.

- Não, BaekHyun! - dizia o outro, emburrado.

- Quer dizer que, então, você não gosta mais de mim? - perguntou.

Na noite passada, quando perguntou à sua mãe o que era o amor para a mesma, naquela mesma noite agarrado ao seu bichinho de pelúcia admitiu que estava gostando do seu amigo, ChanYeol.

ChanYeol ouviu aquilo, mas não se importou muito já que o menor sempre fazia isso para convencer o maior. Porém, foi só ouvir um fungar e uma porta batendo fortemente que se desesperou e saiu das cobertas.

- O que aconteceu, Baek?[...]



 

BaekHyun não se lembrava, obviamente da época, mas sorriu quando o ChanYeol o contou sobre o que eles faziam em todos os dias onde o sol amanhecia lindo e forte.

Depois das conversas jogadas foras no carro, chegaram ao trabalho e caminharam juntos pelos os corredores. O que o KyungSoo não sabia era que o BaekHyun e o ChanYeol fossem entrelaçar as mãos e caminharem juntos como se não estivessem se importando com os milhares de olhares que recebiam dos funcionários da empresa.

- Ei! - disse ChanYeol, baixinho só para o BaekHyun ouvir. - Eu te amo, sabia?

BaekHyun sorriu e encostou a cabeça no ombro do ChanYeol.

- Eu também te amo. - disse, ocasionando um ChanYeol com um sorriso enorme no rosto e um KyungSoo feliz pelo o casal ter finalmente se assumido da melhor forma.

Havia pessoas fofocando, cochichando e até comentando alto para o casal ouvir, mas nada adiantou e nem os separaram. Firmaram bem os mãos e caminharam de cabeça erguida até o escritório.

Os dois não sabiam o que defrontariam pela frente, mas que se fossem para enfrentar muitas coisas, eles enfrentariam juntos. Mesmo se muitas pessoas estiverem contra eles, não abaixariam a cabeça.

Quando entraram no escritório, a primeira pessoa que BaekHyun viu foi o tal carinha que zombou de si. Estava de boquiaberta e com os olhos semicerrados. Com toda certeza, aquela foi a melhor reação que já tinha recebido. Afinal, um pouquinho de enfrentamento não machuca ninguém.




 

Continua...







 


Notas Finais


Gostaram do capítulo? E de como mudei um pouco a percepção? Por favor, queria saber a opinião de vocês quanto a isso, se eu posso ou não continuar com esse método. Claro, recebo criticas e elogios com um sorriso no rosto, agradeço bastante!

Bom, até o próximo capítulo, beijos!♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...