História Você não é quem eu procuro - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Exibições 76
Palavras 1.367
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiii
Esse capítulo teve mais diálogos, sabe.
Eu achei ele meio... Peba...
Mas eu não poderia pular essa parte, a história ficaria confusa e vocês tipo: ''Avançou a história?''
Se é que vocês me entendem.

Capítulo 10 - Kwami


Marinette estava pensativa. Havia certeza de que aquela caixa não estava ali quando foi para a varanda. E com certeza não era de Manon, já que a morena não trouxe nada para a casa da azulada. Mari, logo lembrou-se de seus pais. Só poderiam ter sido eles, não é? Pensava que fora sua mãe que havia escolhido os brincos, pois os mesmos eram muito bonitos. Os colocou e olhou-se no espelho para ver como ficou.

Quando a mesma se virou deu de cara com um ser vermelhinho flutuando em sua frente.

-Oi!- Disse o ser voador de um modo simpático.

O ''ser'' era bem exótico. Tinha uma cabeça grande para um corpo pequeno, olhos azuis escuro e duas anteninhas, uma de cada lado da cabeça. Sem falar em uma mancha preta em sua cabeça e duas em cada lado da bochecha.

-AAAAHHHHHHHHH.- Gritou a azulada. A mesma havia entrado em pânico.-M-Mãe! Pai! T-Tem um bicho no meu quarto!

-Calma, não grite. Vão te ouvir.- Disse ela calmamente.

-V-Você fala!?

-Ué... Acho que sim.- Marinette começou a tacar travesseiros, almofadas e outros objetos no serzinho, mas nenhum deles o acertou.- Pare por favor, é perigoso, pode acabar machucando alguém.

-Tem u-uma barata falando comigo!- Disse Marinette aflita.- Acho que estou começando a ficar louca.

-Eu não sou uma barata, Marinette.

-C-Como sabe meu nome?

-Vim observando você o dia todo.- Disse o ser vermelho voando ao redor de Marinette.

-Me observando?

-Sim! Você foi a escolhida, mas precisava ter certeza de que não era a pessoa errada.

-Escolhida? Pessoa errada?

-Sim!

-... Tá... Isso só pode ser um pesadelo! É! Eu devo ter ficado muito cansada, a Manon realmente da trabalho.- Disse soltando uma risada nervosa.- Acho que eu só to sonhando. Uma hora eu vou acordar e tudo vai voltar ao normal.- Mari beliscou a si mesma. Foi quando realmente se deu conta: Não era um sonho.

A vermelhinha olhava Marinette curiosa com a cabeça levemente inclinada. Esperava a ficha da azulada cair.

-Não é um sonho, Marinette.- Disse.

-... O que é você?

-Eu sou um kwami!

-Kwami?

-Sim, sim.

-Nunca ouvi falar desse bicho.- A azulada diz se sentando na cama.

-Eu não sou um ''bicho''! Nós kwamis ajudamos os escolhidos a se transformarem e explicamos como isso tudo funciona.

-Me transformar no que? Numa modelo?- Marinette diz brincando.

-Não. Numa super-heroina.- Mari não sabia como reagir. Não sabia se beliscava a si mesma novamente ou se ria descontroladamente.

-I-Isso é sério? Você realmente está falando sério?- A kwami fez que ''sim'' com a cabeça.

Adrien olhava aquele anel na caixa confuso. Mas primeiramente, queria saber: como ela havia parado em sua janela? E quem havia batido na mesma? Considerando que a caixa foi deixada na janela de seu quarto logo pensou que fosse um presente ou algo assim. Tratou de colocar o acessório imediatamente. Era um anel muito bonito.

O mesmo voltou a se jogar na cama, e voltou a encarar o teto distante...

-Vida difícil?- Ouviu uma voz.

-Nem me fale.

-Com um quarto desses não sei o que tem a reclamar.

-Voc...- Parou.

O loiro havia se lembrado que só tinha ele no quarto, suas pupilas diminuíram com o susto e pulou da cama em um salto e a encarou. Procurava a pessoa com quem acabara de falar mas fixou seus olhos em uma criaturinha pequena e preta que voava.

-... O que é isso?- Adrien se aproximou da criatura e tentou pegá-la.

-Ei! Sai pra lá com essas mãos.- Reclamou.

-Que estranho.- Adrien falava para si mesmo.- Parece um gato...

-Não! Na verdade eu sou muito melhor que um gato.- Disse convencido.

-Ah é?

-Claro! Eu sou um kwami.- Adrien o olhou incrédulo.

-Mentira, isso nem existe.

-Existe sim!- Exclamou.

-Que tipo de truque é esse? Deve ter cordas em algum lugar.

-Bem, pra mim eu sou bem real.- Disse sobrevoando.

-Tá... Kwami qual o truque?- A criaturinha revidou os olhos.

-Me chame de Plagg.

-Plagg?

-Sim, meu nome.

-Tá. O que você quer, Plagg?

-Simples: eu vou ajudar você a se tornar em um super heroi.

-Sei.- Adrien diz ironicamente.

-É verdade, com a minha ajuda você vai se transformar no Cat Noir, derrotar akumas, se tornar famoso...

-Sério? Não é muito diferente da minha situação agora.

-Então você sabe o que é um miraculous!?

-Não.

-Como eu imaginei. Seu miraculous é esse anel.

-O... Anel?

-Sim. Sem esse anel você não poderá se transformar em Cat Noir.

Enquanto isso, na padaria, Marinette ouvia atentamente a kwami falar. Cada palavra trazia mais dúvidas ainda para Marinette e ao mesmo tempo mais curiosidade. Mesmo não acreditando totalmente no que a vermelhinha dizia, era engraçado e confortante ouvir a ''barata'' falando. Ela tinhas umas histórias estranhas, porém interessantes.

-Akumas são borboletas negras que transformam pessoas em vilões. Vilões que são controlados pelo Hawk Moph.

-O tal ''super vilão''?

-Sim.

-... Então quer dizer que esse super vilão está de volta e agora eu tenho que salvar Paris?

-Exatamente. Mas não é só você, há outro também.

-Então se há outro, por que eu tenho que participar disso? Essa pessoa pode salvar Paris sem mim.

-Não, Marinette. Você a partir de agora é a Ladybug, e somente você pode purificar os akumas e reparar os danos causados.

-Só eu?

-É! Você tem um parceiro, ele é conhecido como Chat Noir, tem o poder da destruição. Trabalhando juntos vocês conseguirão derrotar os akumas.

-Entendi... -Diz Marinette ainda absorvendo tudo.- A propósito... Qual é o seu nome?

-Eu me chamo Tikki.

-Ok... Tikki...

-Bem, quer testar, Marinette?

-Testar?

-Sim, você tem que aprender o básico para combater os akumas!

-Tem certeza? Está escuro!

-É melhor desse jeito, assim ninguém vai te ver.

-... Você vai me ensinar né?

-Não exatamente...

Voltando para a mansão Agreste. Adrien já havia aceitado tudo aquilo numa boa, o que era um pouco impressionante. Não que ele não acreditasse em Plagg, ou que ele não se importasse com aquilo. Na verdade, ele achou o máximo saber que agora era um super herói, esse era o sonho de infância de todo garoto, não é? Se tornar um super-herói e salvar a cidade dos vilões...

-Devo admitir que até hoje você foi o único que aceitou numa boa.- Disse Plagg.- Pena que 90% do tempo foi pra te convencer de que eu era real. Você é tão lerdinho assim?

-Eu não sou lerdo, Plagg! Se fosse você no meu lugar também duvidaria.

-Eu não. Eu com certeza veria com meus olhos o que é ou não real.- Disse convencido e ironico.

-Mas e aí? O que é que eu tenho que fazer?

-Como eu te disse: ''Dar um jeito nos akumas''.

-E como eu faço isso?

-Se transformando em Cat Noir.- Plagg fala como se fosse a coisa mais óbvia do mundo.

Adrien já havia percebido que aquele kwami seria bem difícil de lhe dar, principalmente com aquela personalidade orgulhosa. Mas no momento ele estava apenas se concentrando na parte de ser um herói. Adrien queria ver, queria testar. Queria saber se teria ganho algum poder ou algo assim, como nos filmes.

-E como eu viro Cat Noir?

-Apenas diga: ''Plagg, mostrar as garras''.

-Isso é sério?- Adrien riu do ''ritual'' que precisaria fazer.

-Por que, algum problema?

-Não, não.

-Mas olhe, quando você virar Cat Noir, eu vou ser sugado para o seu anel, ou seja, depois que virar não poderei te ajudar. E você terá um limite até que a sua transform...

-Plagg, mostrar as garras!- Disse Adrien antes que o kwami pudesse terminar.

-Ai meu deus.- O mesmo tentou fugir mas foi sugado para o anel de Adrien. 

O loiro havia se transformada em Cat Noir. Seus olhos adquiriram um verde intenso e trajava uma roupa preta com um cinto preto e um sino no pescoço. Acompanhado de um bastão. Lembrou-se que Plagg havia dito que aquele bastão era sua ''arma'', e que ele podia fazer coisas incríveis. Passou sua mão sob o cabelo para ajeitar mas percebeu que algo estava estranho. 

Se dirigiu ao espelho e viu que possuía orelhas de gato. O loiro não sabia se achou aquilo legal ou se achou estranho. Tudo era novidade agora.


Notas Finais


Continua no próximo capítuloooooo! '3'

O que acharam?
O Adrien é lerdinho né?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...