História Você não é quem eu procuro - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain
Exibições 82
Palavras 803
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Fantasia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiiiii
Desculpa por nn postar no final de semana
Eu raramente vou postar em finais de semana
Ss
A realidade é dura mesmo!

Capítulo 9 - Caixas Misteriosas


Marinette organizava seu quarto, ou pelo menos, tentava terminar de organizar. Logo ouviu a "porta" de seu quarto ser aberta, se assim podemos chamá-la. E revelou-se uma adorável menininha energética.

-Marinette!- Gritou a menor.

-Manon! Quanto tempo!- Mari diz fazendo um sorriso falso.

-Vamos brincar, vamos brincar, vamos brincar.- Dizia a menor.

Era uma pena para Marinette, pois a mesma não estava nem um pouco a fim de brincar agora.

-Tem certeza, Manon? Não prefere ver um filme lá na sala?

-Não, não quero!- Marinette suspira.

-Então, quer brincar de que?

-De boneca!

-Hm...- Marinette reflete.- Não sei se eu ainda tenho bonecas, Manon.

Nessa hora a menor fez uma cara manhosa de cachorro pidão. Marinette não resistiu aqueles olhinhos.

-Ta bem, ta bem.- Diz a azulada se dirigindo ao seu guarda-roupa.- Vejamos... Talvez eu tenha uma...

A azulada viu uma boneca de cabelos azulados e maria chiquinha. Era a mesma boneca que sua mãe havia feito para ela quando a mesma tinha a idade de Manon.

Marinette estava receosa. Tinha medo de dar a boneca, que tinha um certo valor sentimental, para Manon e ela estragasse.

Porém, era a única boneca que Marinette tinha, pelo menos que ela se lembrava que tinha. E antes que pudesse escolher, Manon entrou na sua frente ficando entre ela e o guarda-roupa.

A morena viu a boneca de cabelos azuis. Seus olhos adquiriram um certo brilho.

-Olha, Marinette.- Diz a menor pegando a boneca.- Ela se parecesse com você!- Exclamou.

-Puxa, que coisa não?- Marinette diz disfarçando.- Se quiser, Manon, eu posso fazer uma boneca parecida com você.

-Sério?- Os olhos da morena brilharam.

-Sim! Mas só se você quiser, claro.

-Eu quero, eu quero, eu quero.- Disse dando pulinhos.

-Ok, mas tem que prometer que vai se comportar, se não eu não faço sua boneca, ta bem?

-Ta!

Acabou que Marinette costurava um pedaço de pano (que seria a futura Boneca-Manon) enquanto Manon assistia algum filme infantil na televisão enquanto brincava com a boneca da azulada.

Embora Manon sempre desse trabalho, Marinette já havia pego o jeito de lhe dar com a "anjinha".

A tarde passou voando.

Adrien acabara de sair de seu curso de línguas. Ele estudara inglês e chinês.

Logo entrou em sua limousine branca. Dessa vez Nathalie não se encontrava ali, o que era bem estranho já que ela sempre o acompanhava.

O loiro comemorou por dentro, pelo fato de finalmente ter um tempo livre no dia. Ele estava exausto, cansado. Mal podia esperar pela hora de se jogar em sua confortável cama.

Mas foi diferente do planejado. Ao chegar na mansão Agreste, Adrien deu de cara com Nathalie, que "corria" de um lado para o outro.

De cara dava para perceber que ela estava apressada. O loiro achou engraçado vê-la daquele jeito.

-Oh, Adrien, já chegou.- Diz Nathalie.

-Sim... Por que está tão apressada?- Perguntou diretamente.

-Ah, Adrien!- Exclamou.- O prefeito vai patrocinar a nova linha de roupas de seu pai, claro, de tudo der certo no jantar de amanhã.

-Amanhã?

-Sim, sim. Amanhã o prefeito e a filha dele virão jantar aqui.

Adrien sentiu um calafrio correr por todo seu corpo só ao pensar que Chloe estaria em sua casa.

-Entendo.- Disse e subiu para o seu quarto deixando Nathalie trabalhar.

Se jogou na sua cama e começou a encarar aquele teto longe...

Nessa hora ouviu batidas. Batidas que pareciam vir da janela.

Certamente estranhou. Foi até a mesma e a abriu um pouco. E foi aí que lhe caiu a razão: Como alguém bateria em sua janela sendo que ele se encontrara no terceiro andar?

Era tolice.

Quando ia fehar a janela viu que havia uma caixa ali. Uma caixa de madeira, com símbolos e imagens estranhas.

O mesmo pegou a caixinha, fechou a janela e abriu.

Dentro dela claramente se revelou um anel preto.

Enquanto isso...

Já era por volta de umas setes horas da noite. Marinette havia feito a boneca de Manon.

A menor havia se apaixonado pela sua própria versão. E exigiu que Marinette fizesse roupinhas para a boneca.

Nadja e Sabine já haviam voltado do evento. Ou seja, Manon havia ido embora.

Marinette estava exausta, foi um dia cansativo. Cuidar daquele anjo não era nada fácil, principalmente porque ele era chantagista com aqueles olhinhos fofos.

A azulada foi até a varanda de seu quarto e começou a admiriar a bela paisagem. Sempre gostou de observar Paris pela noite. A brisa, as estrelas, a rua calma, e as luzes da cidade tornavam aquela visão muito bela.

Depois de alguns minutos, voltou para o seu quarto e acabou esbarrando em algo durante a tragetória.

Olhou espantada para o que havia causado aquele quase tombo.

Era uma caixinha de madeira bem estranha e exótica.

A azulada pegou a caixinha e a abriu, onde se revelou dois brincos vermelhos.


Notas Finais


Sorry se o capítulo ta pequeno!

E aí, o que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...