História Você sumiu - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Chanbaek
Visualizações 144
Palavras 1.956
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Algumas cervejas e um pouco de verdades


BaekHyun



A noite tinha começado legal, leve. Não passou pela minha cabeça que iria virar um total inferno desses.

Quando a galera da faculdade marcou um reencontro, a primeira coisa que passou pela minha cabeça foi convidar o ChanYeol, até porque nós estudamos na mesma universidade assim como o ensino médio na mesma escola.

Éramos amigos até que bem próximos, algumas coisas aconteceram na nossa formatura, mas... Isso não vem ao caso agora.


Começou quando o pessoal passou a me empurrar bebida, mesmo que eu tenha dito que não queria.

— Ah qual é Byun, você era o maior cachaceiro na época da faculdade. - o restante da mesa caiu em risadas altas e eu só sorri e concordei.

— Eu tô dirigindo, não posso encher a cara hoje.

Eles concordaram e continuaram a conversa de antes. ChanYeol chegou alguns minutos depois com o violão nas costas e pedindo desculpas pelo atraso de quase duas horas.

Eu já estava pensando que ele não iria mais e pra falar a verdade, eu meio que queria aquilo.

ChanYeol entrou no bar sorrindo e cumprimentando a todos, eu automaticamente abaixei a cabeça e comecei a fuçar o meu celular.

— BaekHyun? - levantei os olhos com o meu melhor sorriso, mesmo sendo falso e o encarei.

— ChanYeol. - me levantei pra cumprimentá-lo, mas somente apertei a sua mão. — Já faz tempo.

— Dois anos e três meses, pra ser mais exato. - ele falou um tanto sério, como se estivesse magoado. — Você não me procurou mais, baixinho. 

"Baixinho"

— Tenho andado ocupado. - disse virando o rosto e voltando a me sentar.

— Entendo. - respondeu em tom baixo.

— EI PARK!! NÃO VAI COMEÇAR A ENCHER A CARA?!

ChanYeol se virou depois de uns instantes, rindo e brincando com os outros, deixou o violão em uma das cadeiras da mesa onde eu estava e foi ao encontro de JongIn, que tinha o gritado.

Suspirei e o encarei por um tempo pra logo em seguida voltar a encarar a tela do celular.

— Não pode fugir dele pra sempre, sabe disso, não sabe?

— Amber, eu não estou fugindo de ninguém. - Encarei a outra que rolou os olhos e deu um gole na sua cerveja.

— Ah faça-me o favor, Baek. Eu te conheço a muito tempo pra saber que você está fugindo do ChanYeol. Já parou pra pensar que deveria conversar com ele?

— Pra que?! "Oi ChanYeol, me desculpe por transar com você e depois colocar a culpa na bebida, beijar uma garota na sua frente e sumir por dois anos."

— Você não disse que ele também aceitou ter sido um erro e pediu desculpas e depois vocês seguiram a vida fingindo serem héteros?

Suspirei cansado e tirei a cerveja de sua mão dando um longo gole.

— Ele conta os dias até hoje. Tá na cara que eu não estou perdoado. Talvez pelo sexo sim, mas com certeza não por sumir.

Olhei em direção ao bar onde ChanYeol ria alto e batia escandalosamente no balcão, fazendo os outros caírem na risada junto a si. Talvez mais pela cena do que realmente pela piada.

— Você só vai saber se conversar com ele. - Amber levantou da cadeira onde estava e tomou a cerveja novamente da minha mão, indo em direção ao bar.

Não entendia o porquê de ter aceitado ir àquele reencontro se não estava me esforçando em nada para me enturmar.

Quer dizer, o motivo pelo qual aceitei ir era bem óbvio na verdade.

Talvez nem mesmo aquele motivo tenha sido uma boa ideia. Estava quase me levantando e indo embora quando uma cerveja invadiu o meu campo de visão e eu levantei os olhos pra encarar os de ChanYeol.

— A Amber pediu pra trazer. 

— Valeu, Chan. - travei no momento em que terminei a frase.

O olhei sutilmente e ele sorria de canto. Pensei que voltaria ao bar, mas ao invés disso ele sentou na cadeira ocupada pelo seu violão, o pegando e ajeitando sobre as pernas.

— E então senhor jornalista, tem trabalhado muito? - perguntou tocando uns acordes simples.

— Tô trabalhando na redação do jornal local. Ainda não sou considerado um grande jornalista, mas aos poucos vai. E você senhor executivo?

ChanYeol riu contido sem tirar os olhos do violão.

— Ter cursado administração não faz de mim realmente um executivo. Pelo menos não por enquanto.

— Ah então isso quer di-

— Por que sumiu?! - ChanYeol parou de tocar e me encarou sério.

— Eu nã-

— Eu te procurei, sabia? Eu liguei pro seu celular várias vezes até entender que você trocou o seu número. Não sabia pra onde tinha se mudado depois de deixar o dormitório, até porque você não fez questão me falar e aí você sumiu simplesmente e aparece depois de dois anos, porque por algum motivo você ainda tem o meu número e me convida pra cá. Eu só vim por sua causa, porque precisava entender porque fez isso.

— Eu pensei que você não quisesse mais ser meu amigo, depois de... Você sabe.

— Depois de eu dizer que gostava de você e ver você beijando uma garota na minha frente como resposta?

— Você disse que foi culpa da bebida e que estava brincando comigo e não era pra levar a sério. - me defendi.

— Você pelo visto não levou mesmo.

— Por que disse aquilo então droga?!

— Você parecia com... Nojo, sei lá, medo e aí beijou aquela garota e eu entendi como se estivesse mandando eu me afastar. E pra melhorar a situação você sumiu e eu tive certeza.

— Estava certo, eu fiquei com medo sim, mas foi apenas porque... Ah droga ChanYeol eu não quero falar sobre isso.

Nos encaramos em silêncio até eu finalmente desviar o olhar e ele voltar a tocar o violão.

Logo o pessoal que estava no balcão se aproximou e juntou mais uma mesa com a nossa, puxaram cadeiras e trouxeram mais bebidas. 

Não demorou muito pra que tivesse gente bêbada pra todo lado, rindo como se tudo fosse muito engraçado. Em algum ponto daquilo, ChanYeol começou a cantar e nós acompanhamos, a mesa foi ficando mais vazia conforme as horas passavam e eu continuava ali vendo o mais alto tocar com um sorriso nos lábios, ele começou a errar várias notas por causa de todo o álcool ingerido e acabava falando um palavrão embolado que me fazia rir.

Quando olhei em volta em um ponto da noite, só tínhamos nós numa mesa vazia e cheia de garrafas de cerveja pra todo lado.

— ChanYeol, você tá de carro aí?

— Eu pego um táxi. - falou meio embolado, colocando o violão nas costas.

— Eu posso te dar uma carona, só espera aqui rapidinho que vou terminar de fechar a conta.

Ele assentiu se escorando em uma parede , quase caindo e eu terminei de pagar o restante que tinha ficado da minha parte.

Quando voltei, ChanYeol estava sentado no chão com os olhos fechados e parecia estar dormindo.

Que ótimo.

— ChanYeol. - o cutuquei com o pé e ele resmungou. — ChanYeol levanta daí logo, anda.

— Baekkie... - ele sussurrou alguma coisa que não entendi e eu cobri o rosto com as mãos.

— Que caralho. - me abaixei pegando o outro pelo braço e o ajudando a levantar. — ChanYeol colabora, cacete.


Com muito custo eu o arrastei pro carro e o joguei, literalmente, deitado no banco de trás.

Depois de cinco minutos dirigindo e xingando eu resolvi tentar novamente.

— ChanYeol acorda. - não entendi nada do que ele sussurrou. — ChanYeol, eu preciso que me dê o seu endereço.

E mais uma vez, BaekHyun puto e frustrado por causa de Park ChanYeol.

Acabei decidindo que iria levar o bebum para a minha própria casa, indo contra toda a reaproximação que era pra evitar. 

Quando cheguei, foi o cúmulo conseguir tirar ChanYeol do carro, ainda mais com aquela porra de violão nas costas. Tive que desprender aquilo primeiro e depois puxar o gigante pelos braços, oque resultou em um ChanYeol batendo a cara na porta, miando de dor e um BaekHyun o mandando calar a porra da boca. 

Entrar em casa foi pior ainda, com muito custo eu destranquei a porta e o arrastei até a sala, onde joguei a carcaça semi morta no sofá de qualquer jeito, observando a cara ficar torta e a boca meio aberta.

— Desgraçado vai babar meu sofá novo. - choraminguei, dando as costas pra fechar a porta que tinha ficado aberta.

— BaekHyun-ah. - prendi a respiração e terminei oque fui fazer.

Voltei até a sala e ChanYeol estava de barriga pra cima, tentando focar o olhar em qualquer lugar do espaço desconhecido.

— Meu violão... Onde eu tô? Aqui não é minha casa Baekkie, eu quero a minha casa.

— ChanYeol cala a boca porque se eu mal te aguento sóbrio, quem dirá bêbado. Amanhã você pega o seu violão, você tá na minha casa. Agora dorme.

Ia me virar novamente quando senti meu pulso ser preso pelo outro e me virei novamente para ele que se sentava no sofá.

— Por que sumiu? 

— ChanYeol, por favor vai dormir, você tá bebado e nós não queremos mais incidentes por causa de bebidas, não é?!

— Você sabe como magoar um cara. Primeiro fode ele, faz ele ficar apaixonado e depois some.

— ChanYeol...

— Por que você sumiu?!

— Droga eu pensei que você estava falando sério quando disse que não significou nada pra você. Então eu queria te convencer que pra mim também não, mas eu já estava tão apaixonado por você que foi mais fácil sumir do que te encarar.

Minha respiração estava meio abalada e eu encarava a ChanYeol que parecia tão abalado quanto eu.

— Covarde. - riu ironicamente.

— Vai se foder. - me soltei da mão de ChanYeol e fui em direção ao meu quarto, mas me virei ao ouvir um barulho alto.

ChanYeol tinha caído no chão, provavelmente ao tentar se levantar.

— Tá vendo oque faz comigo, BaekHyun?!

— Imbecil. - o ajudei a levantar e o coloquei de volta no sofá. — Vai tomar um banho frio.

— De frio já basta você.

— Me erra, ChanYeol. - ele riu e eu acabei soltando um sorrisinho inconscientemente.

— Mas Baekkie...

— Calado. - ChanYeol me puxou de uma só vez, me fazendo apoiar as duas mãos no encosto do sofá e o encarar de cima.

— Ainda sente alguma coisa?

— Ch-

— Eu sei que fui babaca e que não devia ter dito que só passei a noite com você porque estava bêbado. Eu gostei e fiquei pensando naquela noite durante esses dois anos. Eu estava sóbrio e sei que você também. Desculpa por falar aquilo bem na noite da sua formatura, mas eu preciso saber se ainda sente alguma coisa.

— Era eu. - ChanYeol me encarou confuso e eu me sentei no seu colo, ainda de frente pra ele. — às vezes que alguém te ligava e não falava nada... Era eu. Queria garantir que não tinha trocado de número e... Ouvir sua voz. Nunca tive coragem de falar alguma coisa porque pensei que estaria com raiva de mim.

— Nós éramos amigos.

— Não importa, eu tinha medo. Eu gostava de você e não queria ouvir um "não" bem alto.

— Eu teria dito "sim", BaekHyun. Você deveria ter ao menos tentado.

— Não precisa jogar na minha cara. O bêbado aqui é você.

— Não me respondeu. Você ainda sente alguma coisa que possa me dar alguma esperança de tentar não ser um babaca dessa vez?

Era engraçada a forma que ele tentava focar a visão quando na verdade devia estar vendo uns cinco de mim.

— Eu te conto quando você acordar, se ainda lembrar dessa conversa. - falei rindo e segurando seu rosto entre as minhas mãos, roubando um selinho. — Agora dorme.

Era claro que eu sentia e pela primeira vez em tempos o nome ChanYeol não me trouxe uma nostalgia triste.

— Não posso dormir com você?

— Quem sabe quando estiver sóbrio. - saí de seu colo em fui para o meu quarto.

— Mas Baekkie...

— VAI DORMIR CHANYEOL!!!


Notas Finais


Tchau
Vai ter bônus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...