História Vondy : o reencontro - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alfonso Herrera, Anahí, Christian Chávez, Christopher Uckermann, Dulce María, Maite Perroni, Rebelde, Rebelde (RBD)
Personagens Alfonso Herrera, Anahí, Christian Chavez, Christopher Uckermann, Dulce Maria, Maite Perroni, Personagens Originais
Tags Alfonso Herrera, Amor, Anahi, Chaverroni, Christian Chavéz, Christopher Uckermann, Dulce Maria, Maite Perroni, Novela, Ponny, Rbd, Rebelde, Reencontro, Relação, Romance, Vondy
Exibições 71
Palavras 559
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Escolar, Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 21 - Nascimento


Eu tenho que admitir que hoje acordei muito nervosa e ansiosa. Minha barriga está enorme, o que significa que minha filha está à caminho, está cada vez mais perto de chegar ao mundo. Ainda bem que hoje é domigo, se não, eu iria matar aula. Acordei cedo e fiz minhas higienes matinais. Minha mãe queria que eu fosse ao shopping com ela, então, me arrumei para o passeio. Chegamos cerca de meia hora depois e minha mãe ficou encantada com cada roupinha que via pela frente. Era uma mais bonita que a outra, ficamos sem saber qual escolhíamos.

- Esse vestidinho é muito lindo, filha! - disse ela, sorridente, com um lindo vestido vermelho nas mãos.
- Já pegamos uns vinte vestidos, mamãe! - respondi.
- Só mais esse, por favor, Dulce Maria! - ela insistiu.
- Tá, tá bom, Ninel! - falei, furiosa. - Mas só este, não tenho tanto dinheiro assim.
- Obrigada, filha! - ela agradeceu.
- Tudo bem, mamãe! Será que podemos sair desse shopping agora? - perguntei.
- Hoje você está muito amarga, minha filha. Vê se melhora. - saímos do shopping e fomos direto pra casa. Nem olhei as roupinhas que tínhamos comprado e fui tomar um banho pra despertar meu corpo, estava muito cansada e acabei dormindo depois do banho. Sonhava com minha filha brincando comigo e com o Ucker, quando sinto alguém acariciar meus cabelos.

- Ucker? - falei, ainda de olhos fechados.
- Te acordei? - ele perguntou.- Desculpa, meu amor, eu só queria te fazer um carinho. Não queria atrapalhar seus sonhos.
- Não, eu adoro quando você fica aqui! - respondi. - Você nunca atrapalha, meu amor, você é meu sonho.
- E a nossa filha? Como está? - perguntou.
- Estamos bem. Minha mãe te disse que fomos ao shopping?
- Ela me disse, inclusive, me mostrou as roupas que comprou para a bebê! São lindas. - ele afirmou, com um brilho especial nos olhos. - E você? Como está se sentindo? Está cansada, não está? - perguntou, preocupado. - Eu vou deixar você descansar. - ele me deu um selinho rápido e saiu. Eu voltei a dormir novamente.

Meses depois  -  Nascimento da Vitória Maria.

Acordei com muita dor nas pernas e podia sentir as contrações. Não tinha dúvida nenhuma que minha filha estava nascendo. O Ucker pegou algumas roupas minhas e da Vitória, que já estavam organizadas e me levou rapidamente para o hospital. Eu gemia de dor em todo o percurso, mas a Anny me dava forças no banco de trás, estava deitada em seu colo e ela tentava me passar segurança e o Ucker dirigia às pressas. Ele sempre me perguntava se estava tudo bem, me pedia pra aguentar firme, que já estávamos chegando. Depois de uns dez minutos, chegamos no hospital e fui levada em uma cadeira de rodas até a sala de partos. Me deitaram na cama e, só aí, percebi que estava em trabalho de parto. O Christopher não saía do meu lado, me dava amor e carinho, eu me sentia segura. Pouco tempo depois, nossa filha nasceu, forte e saudável. Estava muito feliz, fiquei ainda mais feliz quando o Ucker me mostrou nossa filha, mesmo que por alguns poucos segundos. Era visível e enorme minha felicidade e a emoção que eu sentia, mas adormeci rápido, devido o tamanho cansaço.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...