História Vondy : uma história policial - Capítulo 55


Escrita por: ~

Exibições 44
Palavras 1.045
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Escolar, Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa noite, leitores!!!
Temos um novo capítulo.
Espero que gostem!

Capítulo 55 - Discussões


- Eu tenho um plano! - disse ela. 

- De novo não, Dul! - Ucker falou, preocupado. 

- De novo sim! Talvez essa seja a nossa última cartada pra pegar o Michael.  - Dulce explicou o plano para ele. 

- E você acha que o delegado vai acreditar nessa história? - Ucker perguntou. - Principalmente por mim, que sempre mostrei interesse em combater o tráfico de drogas e o crime no país. 

- Você e o Felipe têm segredinhos! Ele vai entender, o que te resta é convencer o Michael, e comigo fora da jogada, será tudo muito fácil. - Dulce explicou. 

- Eu sei, mas é muito arriscado, Dul! E se vierem pra cima de você? Se quiserem fazer alguma coisa contra você? Eu não vou suportar te perder, Dulce. - Ucker abraçou sua namorada eacariciou o rosto da mesma, como se fosse uma despedida. 

- Ucker, tenta entender, meu amor! Esta é uma ideia arriscada, quase sem nexo, mas vai funcionar se nós trabalharmos juntos. - ela afirmou. - Antes de me tornar uma mulher da lei, queria ser atriz e, não é me gabando, mas sou muito boa em persuasão. Convenço qualquer pessoa com meus dotes artísticos. - ele riu. - O que foi? Não é para rir não, Christopher Uckermann. 

- Eu até te entendo! Já vi que você é uma ótima atriz. Sabe que me convenceu? 

- Olha aí! Já tenho um fã. - Dulce comemorou, batendo palmas. 

- Sempre fui seu fã, desde que nos conhecemos, mas você demorou muito pra descobrir. - disse ele, puxando a mesma para um beijo. - Dul, eu não sei se vou conseguir me controlar. - Ucker afirmou, assim que finalizaram o beijo. - ela revirou os olhos e negou com a cabeça. 

- É por pouco tempo, meu bebê! - respondeu. 

- Mas esse pouco tempo pode durar meses ou até anos! Eu não vou conseguir me controlar, estando perto de você o tempo todo. 

- Então inventa um novo plano! Arruma novas ideias ou vamos ter que ficar anos tentando descobrir algo que possa incriminar o Michael e o Felipe! - Ucker assentiu, beijando ela novamente. 

No dia seguinte, Dulce e Christopher foram em carros separados para a delegacia. Fazia parte do plano. 

- Não é possível que eu vou ter que te aturar, Christopher Uckermann! - Dulce esbravejou cinicamente. - Até aqui? Não consigo imaginar com eu consegui te namorar esse tempo todo. Você é falso, egoísta, hipócrita e idiota. 

- Olha como fala comigo. Bom dia pra você também, Dulce Maria! Não somos mais namorados. Me livrei de você, sua ignorante e boba, além de ser metida e rebelde, o que eu não consigo tolerar em uma mulher. - Ucker rebateu. - Agora vou conseguir me divertir um pouco, sem ter que ouvir seu sermão, sua voz. 

- Cala a boca, imbecil! Já não aguento ouvir sua voz! - disse ela. 

- Imbecil é você, sua idiota! Me sinto o homem mais feliz da terra por ter me livrado de um ser tão ruim quanto você. 

- Onde eu estava com a cabeça quando aceitei ser namorada de um mafioso como você? - Dulce perguntou, fitando-o.

- O que está acontecendo na minha delegacia, posso saber? - Felipe perguntou, interrompendo aquela discussão. 

- Eu preciso falar com você, Felipe! - Ucker afirmou. 

- Como é ignorante! Sou eu quem precisa falar com você, delegado. - disse Dulce. 

- As damas primeiro! Pode me acompanhar, Dulce? - Felipe perguntou e ela assentiu, mostrando língua para Christopher. Foram até a sala do Felipe e Dulce se acomodou em uma cadeira. - Vai me explicar por quê você e o Ucker estavam discutindo? - ele perguntou. 

- Aquele idiota, que diz coisas sem sentido. - ela respondeu. - A verdade é que eu suportei ele até demais. Eu quero sair da operação. 

- Como? Vocês não estão namorando? - Felipe perguntou, confuso. 

- Não, não estamos mais juntos! Eu odeio o Ucker, ele é falso e... e além do mais, é um traficante.

- Como? Eu não consigo pensar em mais nada! Vocês terminaram? 

- Eu não quero mais saber dele, Felipe! Você é a única pessoa, além do Poncho, que eu sei que posso confiar. - Dulce deixou algumas lágrimas rolarem por toda a extensão do seu rosto. 

- Você confia em mim, depois de tudo o que viu? 

- É claro que eu confio, Felipe! Eu até te entendo, sei que é ameaçado pelo Michael e...

- O tempo da Cinderela acabou! - Ucker a interrompeu. - Agora, eu preciso falar com o Felipe, pode ser? 

- Dulce, por mim, você está fora da operação! - Felipe afirmou. Dulce deu um pequeno sorriso de vitória. - Depois, quero conversar melhor com você. 

- Obrigada, Felipe! Agora eu tenho que ir, não consigo mais olhar pra cara deste idiota. - ela ignorou Christopher e saiu rapidamente. 

- Pode me explicar o que houve? -Felipe perguntou, fitando-o.

- Eu terminei com essa ignorante aí! - Ucker respondeu, sorridente. - Não aguentava ela liderando o tempo todo.  Eu não suporto que mulheres mandem em mim. - explicou. - Felipe, eu te vi com o Michael na fronteira. Logo depois, foram para o cemitério. - O delegado arregalou os olhos, surpreso. 

- Como? Foi por isso que você e a Dulce terminaram? Ela me viu? - ele perguntou, preocupado. 

- Relaxa, Felipe! Eu não estava com a Dulce. Eu sei que mataram uns homens, mas...

- O que quer? Vai me entregar? - perguntou. 

- Bom... Você sabe que um policial ganha muito pouco. Eu mal consigo sobreviver com o pouco que ganho e... 

- O que quer dizer com isso? 

- Eu quero entrar para o mundo do tráfico! Quero ganhar dinheiro fácil. - explicou.

- Tá achando que eu sou bobo? Acha mesmo que vou cair neste seu papinho? - Felipe esbravejou, irritado.

- É por isso que eu me livrei daquela mulher mandona e fresca. Quero ser um membro dos Gurfinkell! Quero matar como você matou, quero enganar os idiotas. Além de faturar um bom dinheiro. Eu disse isso para a Dulce, por esse motivo, terminamos, apesar de ter sido muito bom para mim, pois me sinto livre.

- Francamente, Christopher! Vai enganar outro. À mim, você não engana. 



Notas Finais


Será que o Christopher vai convencer o Felipe???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...