História Vou cuidar de você - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cúmplices de um Resgate
Personagens Alícia Alencar, André Alencar, Felipe Vaz, Isabela Junqueira, Joaquim Vaz, Julia Vaz, Lola Alencar, Omar Ferraz, Personagens Originais, Priscila Meneses
Tags Jobela, Judre, Lolipe, Primar
Visualizações 41
Palavras 2.527
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oii gente. Essa aqui é a continuação do Missing.
Sim, eu não aguentei fazer uma fic de 10 capítulos e resolvi continuar a história kkk
Eu percebi que essa história tinha mais coisas pra contar. Que dava pra continuar, então está aí.

A história essa sendo da minha autoria! Se tiver alguém com essa idéia e dizer que copiei, sinto-lhe informar mas faz muito tempo que eu não leio as histórias dessa categoria cúmplices.


Eu queria postar esse enredo em outro casal. Mas resolvi postar aqui. Eu sabia que se não postasse aqui, seria perda de tempo pois faz muito tempo em que eu penso em uma história desse tipo.

Espero que vocês gostem, e se você é novato(a) e não entende como Judre se conheceram ou como foi a história deles, ou até mesmo como a Julia ficou em coma, deixarei o link da fanfic nas notas finais.

Espero que gostem muito. Qualquer erro. Qualquer pedido ou crítica construtiva podem falar comigo. Não darei patadas, não ligo, e com certeza eu irei melhorar no que diz

Aproveitem e me digam se gostou. A opinião de vocês são sempre importantes e bem vindas ♥😊

Capítulo 1 - Capítulo 1


Iria fazer 4 anos.

4 anos desde de que Valentina nasceu.

Daqui a algumas semanas, ela faria 4. E enquanto ela faria 4, Julia faria 4 anos deitada na maca em coma.

Admito, foi difícil pra mim cuidar de uma menina. Mas graças a vovó e a mamãe, eu me tornei um pai excelente. Elas me ajudaram muito com o crescimento da Valu.

Eu trabalho toda semana, e quem cuidava dela era Rosa. A mamãe também trabalhava, mas tinha alguns dias na semana que ela ficava em casa e ajudava.

Graças a Deus que Valentina nunca teve um problema por isso. Era só de dia, à noite eu sempre passava meu tempo com ela. Tinha vezes mesmo que eu trazia ela ao meu trabalho quando ela insistia muito.

Hoje mesmo, ela tá me minha frente jogando um joguinho no meu celular calada.

Não sou daqueles pais que fazem o que os filhos pedem – tem dias que eu rejeito sua manha – mas também com razão. Minha filha passa o dia inteiro sem me ver. Ela quer um tempinho comigo também né? Não tem como rejeitar isso.

Ela é tão quietinha, que se eu fosse um pai irresponsável eu esqueceria que ela estava ali. Sem contar que ela é tão pequena, que é difícil de lhe enxergar sentada na cadeira. Ela quase nem aparece através da mesa.

Ri com meu pensamento. Tadinha, puxou a mãe anã.

Mas não foi só o tamanho não!

A Valentina é toda Julia. A única coisa que ela tem de mim é meus olhos.

Seu cabelo é igual da mãe, que cresce muito rápido. Aí tem que cortar sempre na medida certa pra ela. Olhei pra Valentina que estava concentrada no celular. A vovó havia feito uma Maria Chiquinha, e nos dois lados tinha uma mexa soltinha. Ela amava esse penteado. Eu também pois ela ficava muito fofa.

Sobre ela estar com o celular. Não, eu não gosto que ela pegue celular pra ficar viciada naquilo. Graças a Deus que minha filha tá tendo a infância dela nessa época. A verdade é que eu deixei ela mexer, pois ela passou desde de que chegou desenhando. Disse que estava tediosa, e eu lhe dei pra abandonar um pouco os papéis A4 que eu tanto uso pra trabalhar.

Ela coçou o nariz e fungou.

- Papai. – Ela fungou novamente pela gripe e me olhou. – Meu aniversário vai ser de quê? Das princesas né?

- Querida, seu aniversário é daqui a alguns dias. – Eu disse. – Não tem como arrumar uma festa em cima da hora. Eu vou pedir pra bisa fazer um bolinho pra você das princesas viu amor?

- Tá bom. – Ela concordou e voltou a jogar. – Chama a titia Priscila também.

- Claro que chamo. Você gosta da tia Priscila amor?

- Gosto. Ela é bem legal. – Colocou o cabelo pra trás da orelha. Depois colocou o celular na mesa e ficou me olhando curiosa como sempre. – Papai, por que as pessoas tem medo do senhor?

- É porque eu sou o chefe querida.

- Por que o senhor é o chefe?

- Seu bisavô passou para meu nome.

- E cadê ele agora?

- Ele agora tá no céu.

- Quando eu crescer eu quero ser super heroína sabia?

- Por quê? – Ri largando os papéis pra lhe encarar.

- Porque eu vou voar pro céu pra ver o bisa e todos aqueles que estão lá com o papai do céu.

- Quando você ir, me faz um favor? – Me inclinei na mesa sorrindo com seus sonhos de criança.

- Claro papai. – Concordou sorrindo.

- Se você se encontrar com uma menina chamada Anna Victoria, diz a ela que eu a amo muito. E fala pro bisa também tá bom?

- Tá bom! – Eu ri passeando a mão em suas bochechas.

Coisa mais fofa minha filha.




- Você quer comer o quê? – Eu perguntei olhando pra ela no meu colo. Ela tava tão engraçadinha olhando o que queria.

- Sorvete! – Ela disse empolgada e eu lhe olhei com repreensão.

- Valentina, você está gripada. E tá frio pra você tomar sorvete. – Repreendi. – Você quer cookie? Aquele biscoitinho com chocolate que você gosta? – Ela concordou empolgada. Olhei pra atendente que me olhava sorrindo que nem quando Valu ganha uma boneca. – Er. – Indaguei envergonhado um pouco com esse olhar dela. Fiz meu pedido e ela anotou ainda toda boba.

- Você é o pai que toda mulher quer pra sua filha. – Ela disse toda boba me entregando o pedido depois de algum tempo. Eu sorri agradecido mas morrendo de vergonha por ela ter dito isso.

Será que ela não viu minha aliança de casado não? Minha mulher é ciumenta rapaz.




- Querida, não aguento esperar você acordar. – Eu disse enquanto passava esmalte na suas unhas.

Era terça feira, e toda terça feira eu ia lhe ver no hospital. Após comprar uma merenda para Valentina, eu lhe levei pra casa por ela ter insistido que queria voltar pra casa.

Eu nunca trouxe a Valentina pra lhe ver. Talvez eu acha que fiz errado, e que Valentina tinha o direito de conhecer sua mãe. Mas é que eu tenho medo de Valentina criar expectativa como eu criei...

Eu criei tantas expectativa pensando que Julia iria acordar em dias, mas o que aconteceu é que até hoje ela nem se quer abriu os olhos. E se eu já sofro com essa questão, imagina a Valu que é só uma criança de 3 anos que sente a ausência da mãe em sua vida.

É bem difícil pra mim, e eu não quero nunca isso pra minha filha. Ela é só uma criança e não deve sofrer por expectativa.

- Quando você acordar, promete não ficar irritada comigo? – Eu perguntei mesmo que eu saiba que ela não irá responder. – Eu sei que você sempre odiou a cor Rosa. Mas é que eu criei um significado pra ela. O rosa é pra dizer que eu estou com saudades. – Falava enquanto passava em sua unha, sem borrar. – E eu não aguento mais esperar pra você acordar. E também... – Ri ao pensar o que irei falar. – Você fica ótima com Rosa. – Sorri.

Eu tinha mania de quando vim aqui, sempre pentear seu cabelo. Sempre passar um brilho pra seus lábios não ficar ressecado. Pintar as unhas. Julia sempre foi tão vaidosa – desde de que Manuela lhe mudou no colégio – que na hora em que ela acordar eu quero que ela se veja linda como sempre foi.

- Amor! – Eu ri repreendendo quando borrou sua unha. – Estava indo tão bem pintando e você mexe o dedo do nada. Quando você acordar, vamos ter uma conversa seria sobre isso. – Falei limpando ao redor com minha unha cotó.

Não era à primeira vez que ela mexia os dedos. Já houve isso umas cinco vezes. Mas só começou a partir desse ano. Mamãe diz que isso é reflexo, por isso não fico tão surpreso – só na primeira vez.

- Você me prometeu todos os segundos que iria ficar comigo e a Valu. E você não está cumprindo. Quando vai pensar em abrir esses lindos olhos pra me poder ver?

Terminei de pintar suas unhas, e cai as costas na poltrona. Naquela tarde eu penteei seu cabelo e pintei suas unhas. Eu só faço o cabelo quando venho aqui. As unhas só faço raramente, quando o esmalte esta ficando velho em suas unhas. A única coisa que não abandono é seus lábios. Todos os dias eu peço para a mamãe passar um brilho. Seus lábios ficam brancos, ressecados e eu quero sempre que fique rosinha e hidratados como sempre foi.

Minha bebê é muito vaidosa pra ficar anos sem se arrumar. Se eu pudesse eu trocava suas roupas todos os dias, mas infelizmente eu não posso.

- Oi filho. – Mamãe entrou no quarto como sempre no mesmo horário parar trocar as bolsas de soro.

- Oi mãe. – Retribui o sorriso que ela deu.

- Algum movimento?

- Só um dos dedos novamente.

- Isso é ótimo! Estou achando que ela acorda ainda esse ano. – Sorriu enquanto trocava o soro.

- Deus te ouça.

- Como tá a gripe da Valentina?

- Tá a mesma coisa. Hoje levei ela pro trabalho, mas ela ficou cansada e tive que levar ela novamente pra casa.

- Ah... As unhas estão bonitas. Está pegando o jeito pra isso. – Concordei. – Você passa ou eu passo? – Perguntou levantando o brilho labial em suas mãos.

- Eu passo. – Levantei da poltrona e peguei de suas mãos tirando a tampa. Comecei a passear em seus lábios.

- Julia é nomeada a menina mais linda no coma aqui no hospital. – Mamãe riu e eu também.

- Tem isso aqui?

- Oh se tem! Meus colegas são bestas. – Ela disse rindo. Terminei de passar e entreguei a mamãe novamente.

- Graças à Deus que minha mulher não precisa de maquiagem pra ficar linda. É só passar um brilho e arrumar o cabelo que ela fica perfeita.

- Adoro seu jeito de como cuida de tudo e de todos. – Mamãe disse sorrindo orgulhosa pra mim. – Vem, vamos. – Ela chamou com a mão pra sairmos como sempre e eu rodei a cama. Beijei a testa da Julia e me despedi com um eu te amo. Mamãe me abraçou pela cintura e deixamos a sala juntos como toda vez que eu ia visitar a Julia. – O Roberto me chamou pra sair hoje.

- Hum sério? – Perguntei. – E você aceitou? – Ela me olhou e concordou. Sorri e beijei sua cabeça.

Não é que eu não sinta ciúmes da mamãe, mas é que tudo que eu quero é que ela esqueça o que o papai fez com ela e comigo. Quero ela feliz, e o Roberto faz ela feliz.




- Filha, hora de dormir. – Eu entrei no seu quarto. Valentina que estava desenhando nos papéis me olhou. Ela levantou largando tudo. – Já tomou banho?

- A bisa mãe me deu. – Ela colocou o dedo na boca e ficou mexendo no cabelo por uma mania dela. Fui até ela e lhe carreguei lhe colocando na cama. – Queria a vovó me colocando pra dormir.

- Hoje a sua vó saiu e só volta daqui a pouco. – Falei enquanto ajeitava seus brinquedos.

- Por que ela saiu com aquele cara bonito? Ela tá namorando com ele papai?

- Não, ela não está namorando com ele. E você está muito nova pra ficar conversando sobre isso Anna.

- O senhor me chamou de Anna. – Ela disse com a voz atrapalhada pelo dedo. Eu olhei pra frente quando percebi que realmente havia lhe chamado de Anna. Olhei pra trás e ela estava com seu dedo na boca deitada na cama enquanto me olhava.

- Desculpa querida. – Fui até ela com o seu ursinho depois de ter arrumado tudo. Lhe dei e ela se abraçou. – Ainda tá tossindo? – Ela concordou. Olhei pra ver se ela estava com febre novamente, mas glória Deus que não estava.

- Como é minha mamãe? – Ela perguntou de repente enquanto eu deitava ao seu lado.

- Como é sua mãe? – Perguntei e ela concordou. Olhei pro teto com o braço de baixo da cabeça. – Sua mãe ela é muito bonita. Tem cabelo moreno liso. Baixinha...

- Baixinha do meu tamanho papai?

- Não, baixinha do tamanho da tia Isa.

- Ah... continua. O que ela mais gosta? – Ela disse como sempre curiosa e voltou o dedo na boca.

- Sua mãe adora dormir. Se brincasse ela dormia o dia inteiro. – Ela riu. – E até hoje ela dorme.

- Mas eu disse que o senhor tem que dar um beijo nela! – Repreendeu como se fosse a maior aqui. – É a magia! Se o senhor beijar a princesa, ela acorda.

- Tá certo, vou fazer isso na próxima vez. – Ela sorriu orgulhosa.

- Como ela se chama? – Eu parei de rir aos poucos. Não sabia ao certo se eu contava sobre seu nome. Mas a Valentina é uma criança curiosa, e querendo ou não ela era filha da Julia. Ela deve saber quem é a mãe dela. E também, se a Julia acordar e saber que a sua filha não sabe quem é ela vai se sentir muito mal. Eu não quero isso.

Eu posso estar certo de não levar pra conhecer a Julia, mas estou errado de nunca ter dito nada sobre a mãe dela.

- O nome dela é... – Meu celular tocou no mesmo momento em que ia contar. Peguei do meu bolso vendo que era a mamãe me ligando. Atendi. – Oi. – Sentei na cama.

- Oi querido.

- Algum problema? – Perguntei preocupado. Ela estava em um encontro e estava ligando pra mim. Isso devia ser preocupante não acha?

- Não, não. Eu só queira perguntar se precisa comprar remédios da Valentina. É que eu vi que estava acabando, mas eu não sei se você já comprou.

- Não, er, não comprei. – Eu disse em voz frustrada. Eu imaginava que fosse outra coisa. Uma notícia boa sobre o estado da Julia. – Pode comprar.

- Certo.

- Como tá o encontro? – Cocei a testa suspirando.

- Tá bem.

- Não chegue tarde. – Avisei.

- Pode deixar. – Ela desligou a chamada. Passei a mão no rosto. Novamente criei expectativa com alguma noticia da Julia. Eu não aguento mais esperar ela despertar. Olhei pelos ombros e Valentina tava calada chupando dedo e cheirando o cabelo.

- Amanhã eu posso ir pro seu trabalho de novo? – Ela perguntou atrapalhada pelo dedo e eu ri fraco.

- Não, não pode. – Deitei na cama novamente. Ela meteu a mãozinha no meu cabelo como sempre e ficou enrolando com o dedo. – Eu vou contar esse dedo.

- Vai nada!

- Vou sim. – Ela passou o dedo babado perto do meu nariz e começou a rir quando fiz cara de nojo. – Seu dedo tá fedendo de tanto ficar chupando. Uma menina dessa velha tá chupando dedo! – Ela começou a rir com minha negação. Fiquei de lado lhe olhando e sua mão desceu pro meu ouvido. – Posso te contar uma coisa?

- Pode.

- Mas é segredo. Não pode contar pra ninguém. – Ela fez shii com o dedo. – A Kiki... – Sussurrei pra ela. – Chupa seu dedo toda noite quando você dorme.

- Ecaaa. – Ela tirou seu dedo da boca limpando no colchão. – A Kiki merece apanhar. Ela tá muito gaiata papai.

- Pois é. Mas você não pode bater nela não ouviu? Se não ela te morde.

- Papai, essa gata é muito malvada. – Ela arregalou os olhos. – Ela me mordeu aqui. – Levou o dedo pro dedão do pé. – Eu bati nela e ela saiu correndo.

- Foi?

- Foi... – Ela concordou com os olhos esbugalhados e isso tava engraçado.

- E o que você fez pra ela lhe morder?

- Eu puxei o rabo dela. – Eu acabei rindo. Minha filha era uma peça.

- Vai dormir vai. – Eu disse ainda rindo com seu relato de ódio e amor por ela e sua gata. Levantei e lhe cobri com duas coberta. – Boa noite querida.

- Boa noite papai. Te amo. – Apertou o ursinho e voltou a chupar o dedo

- Eu também te amo. – Beijei seus cabelo, e sai de seu quarto desligando as luzes.


Notas Finais


Eu sei que tá chato o primeiro capítulo. Mas é que eu precisava postar alguma coisa pra publicar a continuação.

Quero dizer também que... Eu vou demorar MUITO pra voltar aqui novamente. No Missing eu disse a mesma coisa, mas aqui eu vou repetir. Vou ficar em um hiatus bem permanente.

Mas não vou abandonar. Vou continuar postando no Unknown Love.



Quem quiser ler Unknown Love o link é esse 👇

https://spiritfanfics.com/historia/unknown-love-6686623

(LEMBRANDO: Essa é a primeira temporada! Se quer ler a segunda, vai ter que precisar ler a primeira pois assim não tem graça né gente? kkk

A SEGUNDA TEMPORADA de Unknown é esse link (pra quem não leu, ou quer ler só a continuação) 👇

https://spiritfanfics.com/historia/unknown-love--second-season-9245446

E o Missing. Que é o começo dessa história. Vão lá ler se quiserem, vocês não estão sendo obrigados a ler. Só estou avisando que o começo é lá
O link é esse 👇

https://spiritfanfics.com/historia/missing-10125516

Obrigada, espero que tenham gostado. Qualquer dúvida me perguntem. Qualquer crítica, erros, podem falar sem medo.
Comentem só esse capítulo o que acharam 😊❤

Até breve amores e obrigada a todos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...