História Wait the True Love - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Provações de Apolo (The Trials of Apollo), Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Apollo, Frank Zhang, Hades, Hazel Levesque, Luke Castellan, Nico di Angelo, Percy Jackson, Perséfone, Rachel Elizabeth Dare, Thalia Grace, Will Solace
Tags Fluff, Nicholas D'angelo, Nico, Romance, Segunda Dimensão, Solangelo, Universo Alternativo, Wico, will, Willian Solace
Exibições 45
Palavras 4.709
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey falei que ia voltar quarta e voltei kkkkk
Mas é que eu já tenho todos os caps prontos, então é só corrigir e postar
para as que leem Eu sou um rabanete Ren , não se preocupem um novo capitulo , ele já está sendo feito e com muito carinho

sobre o caps, bom ele ficou meio grandinho mas vcs teram uma noção melhor de como vai ser a história daqui para frente
quero agradecer aos favoritos e aos comentários incentivadores de vcs
espero que gostem kisses e até lá embaixo

Capítulo 2 - O sonho


Fanfic / Fanfiction Wait the True Love - Capítulo 2 - O sonho

- Doutor Solace, seu turno acabou - Diz Lizzy uma das enfermeiras, suspiro aliviado e sorrio cansado 

- Obrigado Lizzy, boa sorte com o resto do turno - Digo olhando o relógio e vendo que era quase duas horas da manha, dou um aceno de cabeça para Lizzy em despedida e vou até meu consultório tirar o jaleco e pegar meu casaco. Era inverno, ou seja, Nova York estava cheia de neve, e neve resulta em acidentes variados, o que também resulta em mais trabalho para mim. Boto meu casaco junto com o cachecol e a toca, ponho minhas luvas, e pego meu celular, carteira e chave os pondo no bolso do casaco. Por causa do perigo que era dirigir nas ruas eu vim a pé para o serviço. Fechei minha sala, tranquei e pus a chave no meu bolso, passei pela recepção dando tchau a Charlie que começava o turno agora, as portas automáticas se abriram e o vento gelado da rua me pegou se surpresa, tudo bem que estava nevando mas não precisava desse vento congelante. Suspiro cansado e vejo uma fumacinha se formar indo para fora da minha boca, começo minha não tão longa caminhada até meu apartamento. 

- Espero que Rachel esteja em casa, pois irei precisar dos seus deliciosos chás - Digo pensando alto e vejo uma senhora me olhar com confusão, alias, o que uma senhora fazia a essa hora nas ruas de Nova York? Balanço a cabeça não querendo pensar demais. 

- Willian, porque não foi de bicicleta, você iria vir pra casa mais rápido, e não ficaria nesse frio - Diz a ruiva ao me ver entrando pela porta do apartamento cheio de neve no casaco - Tire esse casaco logo vou pegar uma manta e te fazer um chá - Sorrio internamente, uma vez Rachel sempre Rachel 

- Boa madrugada pra você também senhorita elétrica, o que faz acordada a essa hora - Digo quando ela me entrega a manta, passo meu braço por cima dos ombros dela e enrolo nós dois na manta, caminhando depois junto com ela até a cozinha 

- Tive uma ideia para uma historia, assim do nada, e eu sabia que tinha que escrever a ideia logo se não eu esqueceria, mas quando eu comecei, os detalhes vieram como um furacão - Diz ela desesperada enquanto habilmente me preparava um chá que pelo cheiro era delicioso - Dai eu não consegui mais sair de frente do notebook até você chegar parecendo um boneco de neve gay - Diz ela me cutucando e me entregando a xícara depois saiu do meu abraço e foi para a sala 

- Ei, já disse que sou Bissexual, se lembra daquela garota de cabelos rosas e olhos preto, ela mexeu comigo - Digo fingindo estar bravo 

- Vou fingir que acredito, além do mais ela deu em cima de mim, então ela não faz seu tipo doutor Willian Solace. Agora chega de papo vá dormir que eu sei que está cansado. - Diz ela apontando o dedo para as escadas, sorrio com a preocupação dela, lhe dou um beijo na testa e subo as escadas sem a manta pois havia dado a ela, e tomando o delicioso chá de frutas vermelhas 

- E você também, não fique muito na frente dessa tela 

- Infelizmente as ideias só vem quando eu não posso escreve-las, ou seja quando eu estou com sono, no banho, no banheiro, transando... 

- Que tipo de ideia você tem quando está transando? - Digo me virando na direção dela 

- Não sei, não tive ideia transando ainda para descobrir, mas aposto que seriam altas cenas entre os casais protagonistas - Diz ela com um sorriso sapeca, mesmo com vinte anos ela tinha personalidade de dezesseis , balanço a cabeça em descrença e volto a subir as escadas indo em direção ao meu quarto. 

 Minha cama fazia um convite para eu apenas ir lá e me deitar, mas eu tinha que tomar um banho e tirar esse cheiro de hospital do meu corpo. A agua quente relaxou instantaneamente meu corpo, que alias, estava precisando de uma academia, estava em forma sim, mas meus músculos começavam a ficar flácidos tanto pela falta de descanso e cuidado, como também a falta de exercícios e estresse do dia a dia. Era difícil trabalhar como medico? Era, mas valia a pena, pois além de salvar vidas eu mostrava a cada dia o quanto havia crescido em tão pouco tempo. Me lembrar do tempo no orfanato era triste e feliz ao mesmo tempo, triste pois em todos os anos ninguém se interessou em perguntar pra mim se eu queria brincar e me tornar amigo deles, e feliz, pois os adultos que me ajudavam e eram meus melhores amigos sempre me apoiaram e me incentivaram acreditando no meu potencial. Desligo o chuveiro e me seco logo botando uma calça de moletom quentinha e um moletom largo também quentinho , eu ia secar meu cabelo com o secador mas a preguiça e o sono me venceram, então apenas passei a toalha nele, fechei as cortinas, apaguei as luzes, silenciei meu celular, botei mais um cobertor em cima do edredom e me joguei em baixo deles, não demorando nem meia hora para entrar no reino de Hipnos e cair nos braços de Morfeu, tendo um sonho muito peculiar 

Willian Solace, seu destino foi traçado pelas estrelas, mas infelizmente o cosmos cometeu um pequeno deslize ao realiza-lo.  

 Você teve a infelicidade de ser separado de sua alma gêmea, mas eu estou aqui para reparar esse erro. Você terá a chance de achar seu verdadeiro amor.Nunca se perguntou o porque de você nunca conseguir acertar no amor? É por isso Will, sua alma gêmea não esta aqui com você, ele está em outra dimensão, e você será mandado para esse lugar para achar o Yin do seu Yang, literalmente. Apos acha-lo você terá que fazer uma escolha. Boa sorte Will, não deixe essa oportunidade passar. 

- AAAAHHHHH - Acordo gritando, tanto pelo sonho esquisito que parecia puxar a minha mente, tanto pela ardência do pulso que eu estava sentindo, liguei o abajur, me arrependendo por ter ligado tão ligeiro pois meus olhos arderam pela claridade, mas enfim, olhei para meu braço e puxei a manga no moletom, olhei para meu pulso e pulei da cama ainda gritando agora pela dor e pelo desespero. 

 No meu pulso estava se formando sozinha uma tatuagem, a parte branca do Yin-yang, ela ardia como se fosse feita com fogo, o que eu não duvidava a essas alturas, afinal como diabos aquilo poderia estar acontecendo, quando o desenho terminou uma luz branca vindo do desenho quase me segou, e quando terminou, minha pele parou de arder, e o desenho perfeito do Yang estava desenhado no meu pulso. Levo o maior susto quando uma Rachel com a juba vermelha mais revirada do que não sei o que, apareceu com uma escova azul e uma cara assassina 

- Quem eu tenho que matar? Ninguém encosta nessa bicha loira. - Diz ela olhando em volta e quando me vê no meio do quarto de pé e com a mão segurando o pulso, logo sua expressão suaviza e ela acende a luz do quarto - Por quê estava gritando? 

- Por causa disso - Digo lhe mostrando o pulso com a tatuagem, ela bota a escova no bolso do roupão de ursinho que ela usava e se aproxima de mim pegando meu pulso, ela olha desconfiada a tatuagem e me olha com um olhar bravo 

- Você fez uma tatuagem e não me disse e agora está se arrependendo é. Por que não adianta mais... 

- Eu não fiz nada. Eu tive um sonho onde uma voz feminina falou alguma coisa de eu ter que achar minha alma gêmea, o Yin do meu Yang e quando eu acordei essa coisa começa a brilhar e a queimar até fazer esse desenho, eu gritei de dor e susto e.. 

- Você está bem? - Pergunta ela, ela parecia estar me achando um louco, suspiro e pego as mãos dela nas minhas e olho-a nos olhos 

- Eu nunca menti pra você, e não é hoje que eu irei mentir, então acredite quando eu digo que essa tatuagem apareceu do nada, e por favor diga que vai me ajudar a descobrir o que é isso. - Ela olha nos meus olhos e arregala os mesmos 

- Meus deuses você está falando a verdade, eu não acredito existem coisas sobrenaturais, sabia que o que eu escrevia não era ficção sempre soube, segura essa sociedade Rachel Dare é o oraculo dos tempos - Diz ela começando a rir e pular que ne uma louca, enquanto eu estava apavorado com a situação, ela parece perceber pois para com a loucura e vem até mim de novo - Deixe eu ver isso, eu ainda não acredito, vem senta na cama, agora me conta exatamente o que aconteceu antes de eu entrar aqui. 

- Ta - Digo enquanto ela examina meu pulso - Mas antes, o que você esperava fazer com uma escova de cabelo azul? 

- Sei lá, foi a primeira coisa que eu achei, e eu posso assassinar alguém com ela ok? 

[...] 

 Apos contar exatamente o que havia acontecido a Rachel a mesma disse que iria pesquisar sobre isso e pediu para eu dormir, claro isso depois de mais um surto de escritora e lunática que só ela é capaz de ser. 

 Eu não achei que eu ficaria com sono e muito menos conseguiria dormir depois disso, como Hades isso veio parar no meu pulso, e o que aquela voz queria dizer com aquilo? Mas por incrível que pareça o sono me veio e fui me deitar novamente, uma força parecia me puxar para dormir 

 Meu pulso ardia ao tocar no tecido do moletom ou do lençol, fui ao banheiro e peguei uma pomada para queimaduras e passei na mesma, o alivio foi imediato, passei uma bandagem em volta de modo a ficar um pouquinho frouxa, e voltei a deitar, tentando dormir novamente, o que por incrível que pareça não demorou muito. 

- Bom dia o que o senhor deseja? - Escuto uma voz desconhecida falar, de imediato abro os olhos, vejo uma menina morena de olhos cor caramelo e um sorriso gentil. Arregalei os olhos e levantei de não sei aonde eu estava sentado.Essa não é a Rachel. Onde estava minha cama? Onde estava meu quarto? Quando que eu vim parar em uma cafeteria? Quem era essa doce menina a minha frente, que alias parecia ter levado um susto com minha reação? Eu estava tremendo comecei a olhar em volta, onde diabos eu vim parar? Ou melhor como eu vim para aqui? - O senhor está se sentindo bem? Quer uma água? - Pergunta a morena preocupada - O senhor está pálido e suando muito  

- Como eu vim parar aqui? - Pergunto aflito, ela da uma risadinha e diz 

- Pela porta como todo mundo - Acho que ela viu que eu não estava bem pois ficou séria - O senhor está bem? Quer que eu chame alguém? 

- E..Eu estou bem... Eu, preciso sair daqui - Digo desesperado, sai esbarrando nas outras mesas que tinham ali - Desculpe, me desculpe - Digo as pessoas as quais eu esbarrava, e por incrível que pareça, elas não me xingavam como um cidadão comum de Nova York, faria, eles me olhavam com cara feia mas acenavam ao meu pedido de desculpas. Saio pela porta do estabelecimento e dou de cara com um sol quentinho da manha, mas estava nevando quando eu fui dormir, como isso é possível?  Minha cabeça estava girando, o que acabou que eu esbarrei em um rapaz de cabelos pretos e pele branca - Me desculpa 

- Está tudo bem, só tome mais cuidado - Diz o rapaz sem nem se virar para traz. 

 Ok eu realmente não estava em Nova York, por dois motivos, as pessoas não são tão educadas e esse não é o clima que estava tendo, era inverno, como podia estar o clima de verão? Minha cabeça girava e cada vez que eu andava para mais longe de onde eu havia misteriosamente aparecido, minha tatuagem começava a arder. Parei no meio da calçada e me sentei no meio fio, minha cabeça latejava e eu estava meio que rodando. Respirei fundo e olhei em volta. Realmente não estava em Nova York, não haviam os prédios rotineiros da cidade, no lugar haviam arranhásseis enormes , os mais baixos aqui eram os maiores lá. 

Pelos deuses onde eu estou? Eu só posso  estar sonhando, como eu posso sentir dor em um sonho? Como eu posso sentir o agradável calor de um sol nascendo?  

'' Ache seu Yin Will '' 

 Levantei minha cabeça ao escutar a mesma voz do sonho, então ela era a culpada de eu estar naquele lugar desconhecido. 

'' Você esperou a vida toda pelo seu amor verdadeiro Will, agora você tem a chance de encontra-lo, ele está ai, e mais perto do que pensa '' 

- Oi? Você está bem? - Escuto uma voz falar ao meu lado, me viro na direção da voz e encontro a mesma menina de cabelos cacheados de antes - Desculpa, mas eu realmente fiquei preocupada com você - Diz ela tímida, olhei para ela e pensei se falava ou não, decidi que como eu estava na merda nada faria eu me enterrar ainda mais 

- Eu estou perdido - Digo coçando a nuca - Eu realmente não conheço esse lugar, em um momento eu estava dormindo e no outro eu acordei com você perguntando o que eu iria querer 

- Sério? - Faço que sim com a cabeça - Parece que o cupido atacou novamente - Diz ela sorrindo - Venha eu lhe direi onde você está, alias me chamo Hazel Levesque e você? 

- Willian Solace - Digo apertando a mão dela e levantando logo em seguida - Você não acha que eu sou um louco? 

- Você não faz ideia de quantos relatos iguais aos seus eu já ouvi - Diz ela andando em direção a cafeteria, Cafeteria Elísios - De vez em quando aparece uma pessoa por aqui, afirmando não ser desse planeta, vamos dizer assim, e todos tem a mesma características, tinham uma vida boa, mas nada de ter namorado, esposa, enfim, qualquer relacionamento, e dai bum eles se apaixonam por alguém daqui - Diz ela sorrindo para mim enquanto abria as portas de vidro para passar 

- E o que acontece depois? - Digo me referindo a parte em que eles se apaixonam, pois até agora tudo que ela estava contando se ligava as frases dita pela voz feminina na minha cabeça, então eu teria que fazer isso, me apaixonar? Mas por quem? 

- Bom ai é que está, as vezes eles somem daqui, ou ficam - Ela fala misteriosa enquanto rebotava o avental, que era roxo com o slogan da cafeteria  

- Como assim? Por que isso acontece? Como eu faço para achar a tal pessoa que eu vou me apaixonar? - Ela começa a rir fraquinho com o meu desespero  

- Desculpa Will mas eu só sei disso porque é o que eu escuto das pessoas aqui na cafeteria, mas se quiser minha ajuda eu posso te emprestar meu notebook para você pesquisar sobre os relatos das pessoas e ver se consegue achar alguma coisa que lhe ajude - Diz ela sorrindo, pelos deuses obrigado por ter botado esse anjo no meu caminho, sorrio e a abraço  

- Obrigado, eu realmente estava pirando, em um momento eu estava no meu mundo, saindo do meu serviço no hospital levando uma vida normal ao lado da minha amiga , e no outro eu estou em um lugar completamente desconhecido com a missão de encontrar a minha suposta alma gêmea, e você está sendo um amor me ajudando, serio, muito obrigado - Digo ainda a abraçando, ela dava leve tapinhas reconfortantes nas minhas costas 

- De nada Will - Diz ela se separando - Vou lá buscar meu notebook e já volto, pode se sentar naquela mesa lá no fundo, nenhum cliente vai lá mesmo - Faço que sim com a cabeça e me direciono a tal mesa, era um canto silencioso, ótimo para ficar sozinho. Me sentei e fechei os olhos suspirando. Isso é loucura, isso não pode estar acontecendo. Mas porque eu sinto que isso não é verdade, que o que está acontecendo é realmente real e isso é uma ótima oportunidade? - Aqui está Will, eu tenho que voltar ao trabalho mas qualquer coisa me chama, a e isso é pra você, por conta da casa - Diz ela botando o notebook em cima da mesa junto com um cappuccino  

- Hazel não precisa, eu posso pagar, eu.. - Ela bota a mão na frente do meu rosto em um gesto para que eu parasse e assim eu o faço 

- Eu faço questão Will, aproveite, pois amanha eu irei cobrar - Diz ela rindo e indo atender um rapaz com traços orientais,  porte forte e com um rosto fofinho, e eu podia jurar que as bochechas da Hazel ficaram coradas depois que o rapaz sorrio para ela. Balancei a cabeça e me concentrei no que tinha que fazer, abri o aparelho a minha frente e o liguei, vendo uma foto dela, abraçada a um rapaz com feições élficas e cabelos crespos e um outro rapaz, tinha cabelos pretos e só dava para ver isso, pois ele estava escondendo o rosto, olhei a tela  inteira e não achei o google, levantei a cabeça e vi que Hazel não estava atendendo e a chamei, ela veio sorrindo e parou ao meu lado, mas quando eu ia perguntar onde era a internet, eu vi no pulso dela a mesma tatuagem que a minha só que com a outra metade, a parte preta, a minha era a branca 

- Hazel o que é isso no seu pulso? - Ela parece confusa e olha para o pulso e sorri entendendo 

- Isso é um pressagio, dizem que quando você atinge certa idade e se seu amor estiver perto uma tatuagem aparecerá , e ela apareceu, a dois meses, e agora eu estou a espera da outra metade da minha esfera - Diz ela sorrindo 

- Interessante - Digo escondendo meu pulso - Mas eu não te chamei para isso, eu te chamei porque eu não acho a internet - Ela vem ao meu lado e clica em um ícone com o nome '' Hermes'' . Olhei para ela confuso 

- Hermes o site de pesquisa mais rápido que você já viu, no seu mundo ele não se chama assim? 

- Não, ele se chama Google - Ela levanta as sobrancelhas e depois se despede indo atender outro cliente. Suspiro com a maluquice que era minha situação e começo a pesquisar 

 Depois de quase duas horas pesquisando, pedi um bloquinho e caneta a Hazel e comecei a anotar tudo que eu achava importante, rasguei as folhinhas que tinham minhas anotações e guardei no bolso do moletom que eu usava, dei o ultimo gole no cappuccino e me escorei na cadeira assimilando tudo o que eu tinha achado. 

 Todos os relatos eram semelhantes ao meu, apareciam em um lugar apos ter dormido e sonhado com algo estranho, uma tatuagem no pulso e uma '' missão ''  a cumprir, mas sempre quando eu ia pesquisar o final desses desfechos não aparecia o que me deixou frustrado e confuso. Minha cabeça começou a pesar e meus olhos não paravam abertos, olhei em volta e tudo parecia um borrão, fechei os olhos e senti algo chacoalhando meu ombro 

- Will. Will. Willian acorda - Abro meus olhos e levo um susto ao ver Rachel na minha frente com feições preocupadas, não acredito que ela também veio para esse mundo e... Espera eu estava no meu quarto? - Will você está bem? 

- Eu... Não sei.. Isso é muita maluquice - Digo me sentando enquanto ela também se senta ao meu lado 

- O que é maluquice? Se você disser meu cabelo de manhã juro que te bato com a escova azul - Sorrio cansado - Você parece cansado nem parece que dormiu a noite e a manhã toda 

- Isso é a maluquice, eu não dormi, nenhum pouquinho, passei horas em uma cafeteria conversando e pesquisando com uma menina super simpática chamada Hazel, e em um lugar que parece Nova York mas não é , sobre casos que parecem com o meu e.... Eu não estou falando coisa com coisa né - Pergunto coçando a nuca e me levantando para ir ao banheiro, tirei a atadura do meu pulso e a tatuagem estava fraca, nada do brilho de ontem a noite  

- Sim, você não está falando coisa com coisa, mas sua sorte que eu não sou a pessoa mais certa desse mundo, e como uma boa amiga, passei a noite pesquisando sobre o que você falou  e adivinha? - Fala ela com as pernas cruzadas em cima da cama, claramente empolgada . Termino de escovar meus dentes e olho para ela esperando ela continuar - Eu, achei, pessoas que deram relatos , iguais aos seus - Regalo os olhos - Mas a má noticia é que estão todos longe ou em hospícios - Bufo irritado, fecho a porta para fazer minhas necessidades e trocar de roupa, logo teria que ir para o hospital trabalhar - Mas enfim, a conclusão que eu cheguei é que, você não é louco e também não foi o único 

- Isso eu sei, eu fui parar em outro mundo, conheci uma pessoa então eu tenho a absoluta certeza de que meu cérebro não seria capaz de inventar coisas tão reais e detalhadas assim, e eu também descobri nesse outro mundo pessoas que também aconteceram o mesmo, esta aqui tudo anotado e... - Cadê o maldito papel? Procurei em todos os bolsos e não achei as anotações - E elas não vieram comigo, mas enfim, eu ia tentar achar uma dessas pessoas e perguntar porque isso ocorre, como e o que eu faço para parar, mas como vou fazer isso se não sei como ir para esse '' outro mundo''? - Digo saindo do banheiro e pondo uma blusa de lã branca e uma calça jeans 

- Você está fora de forma Will, seu tanquinho só dá para ver da esquina e não do quarteirão  - Diz Rachel rindo - Como você consegue ficar em forma lindo desse jeito sem fazer nada a não ser trabalhar comer e dormir, e eu não consigo? 

- Porque eu não como só coisas gordurosas toda vida, e depois fico sem fazer nada, e quando não estou muito cansado, faço algumas flexões e abdominais, mas enfim, eu tenho que saber como eu vou parar nesse lugar, porque vai que decidam que eu devo ir para esse mundo bem na hora de uma cirurgia? 

- Ok, tentarei achar, mas depois do meu compromisso hoje- Diz ela levantando em seguida - Tenha um bom dia de trabalho, e não se esqueça de se agasalhar, ainda está nevando - Ela diz e me dá um beijo na testa - Não se preocupe acharemos as respostas para essa loucura que está acontecendo na sua vida  

[...] 

- Tenha um bom dia , e não se esqueça de passar a pomada que eu indiquei - Digo fechando a porta após a paciente ir embora, bocejo cansado. 

 Havia se passado apenas uma hora desde que eu havia chegado no hospital mas parecia que tinham sido umas cinco ou seis horas, quase não atendi os pacientes direito por causa do sono. Café, café me faria ficar acordado, meu pulso começou a esquentar, remanguei a manga do jaleco e da blusa de lã e a tatuagem estava mais acessa, como se tivesse recém sido feita, balancei a cabeça em negação e fui até a maquina de café no corredor aonde as enfermeiras e médicos iam para comer algo nas horas vagas, olhei minha prancheta e havia mais uma paciente para ver antes de eu pode descansar uns vinte minutos  

- Bom dia senhora McLean - Digo sorrindo para uma senhora de cabelos marrons meio grisalhos, e feições indígenas, muito bonita para a idade, seu sorriso era caloroso e aconchegante como o de uma avó  

- Bom dia doutor, parece cansado, anda trabalhando muito? 

- Não, só não dormi direito essa noite, a senhora está sentindo alguma dor? 

- Não nenhuma, eu apenas cai de mal jeito, meu marido que é muito exagerado e quis me trazer aqui, não se preocupe, porque não senta e me faz companhia até meu marido voltar e eu poder ir para casa? 

 Eu estava cansado, já iria para a hora do meu descanso, não custaria nada ficar alguns minutos aqui com a simpática senhora, sorrio concordando e me sento na poltrona ao lado do leito dela 

- Então um moço bonito que nem você tem que ter uma namorada não é mesmo? - Balanço a cabeça em negação e deixo minha cabeça deitar no colchão ao lado dela, um sono havia me dominado, e a voz calma dela me fazia ter mais sono ainda - É mesmo? Aposto que não achou seu oposto ainda , mas não se preocupe, as metades foram feitas para serem completadas. Mas lembre-se, a pessoa destinada a você será sempre seu oposto, por exemplo meu marido é loiro, tem olhos azuis e é meio tímido, eu sou morena, tenho olhos bicolores e sou bastante extrovertida, quem sabe seu oposto não seja assim também, como você se definiria doutor ? 

- Bom, não sei - Digo de olhos fechados, sinto as mãos dela nos meus cabelos fazendo um cafuné 

- Pois bem, quando conseguir se definir, basta procurar pela pessoa com as definições contrarias as suas, afinal como saberíamos o que é luz se não houvesse o escuro Will  

[...] 

- Doutor Solace? Doutor Solace? Doutor Solace acorde  - Escuto uma voz no fundo da minha mente, tento abrir os olhos mas os mesmos pareciam colados - Doutor Solace? - Forço os meus olhos a abrirem e finalmente eles os fazem. Vejo uma das enfermeiras que agora eu não lembro o nome na minha frente, com feições preocupadas - O senhor está bem? 

- Sim, eu... Não, não estou bem, preciso de férias, preciso dormir preciso arranjar um jeito de por minha vida no lugar, de volta a monótona rotina de antes 

- Bem vindo ao clube. O senhor está aqui no seu escritório a três horas, e não soube mas todos os médicos estavam sendo chamados para uma reunião e o senhor perdeu, por isso está sendo chamado agora  - Meu escritório? Mas eu estava... Desisto de tentar entender o que está acontecendo a minha volta, suspiro, passo a mão no meu rosto e me levanto indo até onde me era requisitado a presença 

[...] 

- Porque está em casa tão cedo? - Sorrio cansado para a ruiva, que estava preparando algo para ela comer, tiro o casaco e os tênis e respondo indo até a cozinha 

- Férias. Agora se não se importa eu vou dormir, e não me acorde ok, seja lá quando ou como eu irei parar lá , eu quero estar bem descansado, e tentar não enlouquecer, aliás como eu não enlouqueci ainda? - Pergunto a abraçando forte por trás  

- Porque você gosta de mistério, sempre gostou, gosta de ter que desvendar algo, acho que é por isso, ou você já é louco por isso a loucura não te afeta - Ela fala rindo 

- E por que você também não está histérica ou chamando o manicômio - Ela se vira e me abraça com carinho.  

- Porque eu sou louca e porque você é meu amigo, minha família eu te acompanharia nem que fosse para marte, eu amo você assim como amo escrever 

- Acha que deveríamos fazer que nem os amigos dos filmes e ter uma amizade colorida - Digo balançando uma das sobrancelhas  

- Não ia dar certo, você não faz meu tipo, afinal gostamos da mesma fruta - Rio e a solto do abraço indo para o meu quarto  

 
 

 


Notas Finais


Então?
buguei vcs ou entenderam?
espero que tenham gostado e vejo vcs nos comentarios
kisses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...