História Waking Up In Vegas - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Justin Bieber, Kendall Jenner
Personagens Ariana Grande, Justin Bieber, Kendall Jenner, Personagens Originais
Tags Ariana Grande, Justin Bieber, Kendall Jenner, Personagens Originais
Visualizações 28
Palavras 1.619
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu disse que esse ano voltaria e voltei! Eu espero de verdade que vocês gostem e que estejam tão animados quanto eu para essa nova etapa.

Capítulo 1 - Prólogo


POV Rebecca White

– Vamos logo, Austin! Eu tenho coisas a fazer... e você vai se atrasar para o colégio! - disse ao meu irmã

– Calma, calma irmãzinha. Estou terminando de amarrar os cadarços. - ele disse calmamente

Olhava o relógio ansiosa, precisava levar o Austin até a escola e ainda tinha que resolver algumas coisas sobre a nossa mudança para Las Vegas. Eu e meu irmão éramos órfãos, meus pais morreram, ou melhor, foram assassinados quando eu tinha 15 anos. Ninguém sabe como aconteceu, mas acharam os corpos deles próximos à um bar bem famoso aqui do interior do Texas. Desde então cuidei do meu irmão, nunca deixando faltar nada pra ele. O que não era fácil, pois por algum motivo nenhum lugar queria me contratar para trabalhar. Acabava fazendo alguns bicos, mas nada que pudesse nos dar uma vida farta. Por esse motivo, acabei na vida que estou hoje. Sou a melhor jogadora de pôquer do meu estado. Você deve estar se perguntando como posso apostar sem ter dinheiro. Bom, isso é muito simples na verdade... Um belo dia estava eu e minha melhor amiga, Ariana em um bar, eu estava reclamando dos meus problemas e ela tentava me consolar. Havia alguns caras nojentos, em uma mesa próxima a nossa, que estavam jogando pôquer e apostando muita grana. Eles não paravam de gritar e de xingar uns aos outros.

Flashback

– Ah, seu filho da puta! Eu disse que ganhava. Agora passa essa grana pra cá! - disse um velho ruivo com uma barba desgranhada. Ele gargalhava.

– Af, porcos nojentos! - disse à Ariana

– Ei, esquece eles. Olha aqui, eu sei que está difícil agora... Mas você vai conseguir achar alguma coisa e dará uma vida melhor para o Austin. Eu tenho certeza disso.

– Ari, você não entende não é mesmo? - disse um pouco irritada - Eu preciso arranjar alguma coisa agora. O Austin não merece passar pelas dificuldades que estamos passando. Só queria conseguir dinheiro rápido como esses velhotes conseguem... - disse pensativa

Ariana me olhou e arregalou os olhos. 

– Por que você não vai lá e faz uma aposta? 

– Você está louca? - disse indignada - Eu não tenho dinheiro o bastante pra sustentar a mim e ao meu irmão e você espera que eu aposte o pouco que tenho? Quer dizer... e se eu perder? Eu nem entendo direito desse jogo.

Eu entendia bem mais que "direito" esse jogo. Antes dos meus pais falecerem, eles gostavam muito desse jogo e eu os via jogar e acabei aprendendo bastante. Mas mesmo assim, tinha todo o lance da porra do dinheiro. Eu não poderia apostar e perder.

– Becca, qual é... você não tem o que perder. E caso você acabe perdendo, eu te ajudo a repor. - ela prometeu

Me enchi de coragem e peguei meus míseros 5 dólares, que era tudo o que eu tinha naquele momento e fui até a mesa daqueles velhotes. Todos eles tinham um jeito esquisito, pareciam todos pervertidos ou coisa pior. Quando eu cheguei perto da mesa, eles me olharam como se eu fosse um pedaço de carne.

– O que você quer, docinho? - perguntou o velhote barbudo

– Quero jogar, é claro. - disse sorrindo maliciosamente

– E uma garotinha como você sabe jogar? - perguntou um outro, que realmente parecia um porco, tão gordo e rosa que era

– Deixe-me apostar e vocês saberão. 

Eles fizeram um gesto para eu sentar em uma cadeira vaga e sentei-me nela. O velho barbudo ruivo deu as cartas. E assim que as peguei, senti que a sorte estava ao meu favor. Minha confiança subiu um pouco. Na minha mão havia uma carta 10, um Rei, uma Dama, um Valete e um Às, todos do mesmo náipe. Mais sorte impossível. Sorri de lado confiante. Começaram as apostas, os caras apostavam muito. Um deles chegou a apostar $5.000 dólares. Me senti mal ao sentir meus cinco dóleres no bolso.

– E quanto a delicinha vai apostar? - disse o cara de porco

– Primeiro, me chame de delicinha outra vez e eu vou quebrar essa sua cara de porco. Segundo, - me enchi de coragem - aposto cinco dóleres. - o lugar se encheu com o som das gargalhadas

– Tudo bem. Essa será moleza! - riu um moço que parecia ser o mais novo do grupo

Todos mostraram suas cartas e eu por fim mostrei as minhas. O queixo de todos eles caíram.

– Passem o dinheiro, boiolas! - olhei pra Ari e ela estava toda empolgada

Fim do flashback

E foi assim que fiz $5 dólares virarem $20 mil dólares. Quando cheguei em casa com todo aquele dinheiro, Austin ficou alucinado. Fez um monte de perguntas é claro e eu respondi a todas. No mesmo dia, fomos jantar no melhor restaurante do Texas e comprei um vídeo game novo pra ele. Eu finalmente me sentia feliz em saber que agora, que tinha encontrado um caminho, poderia dar uma vida melhor ao meu irmão. 

E agora, depois de ficar muito bem de vida com todas as minhas apostas, estava disposta a sair da minha cidadezinha e ir pro mundo com o meu irmão. Estava disposta a ter uma nova vida, um novo começo. Decidimos que íamos morar em Las Vegas, porque além de ser o lugar das apostas, era um lugar muito bonito e bom de se viver. Andei pesquisando com alguns contatos e pelo o que eles me falaram, há um cara que é imbatível no pôquer e que, segundo eles, não perde um vez sequer. Bom, temos algo em comum. E é claro que eu vou tirar esse babaca do trono assim que eu colocar meus pés em qualquer cassino. Ninguém é páreo pra mim, eu tenho a sorte ao meu lado. 
Por fim, saímos de casa e entramos no carro, segui a caminho da escola do Austin.

POV Justin Bieber

– Kendall, vamos lá... não fique assim! Eu não vou deixar nada acontecer com você. Você sabe disso! - disse a ela com carinho

Kendall era a minha melhor amiga, praticamente uma irmã, por isso cuidava dela com tudo o que eu tinha. Para muitos, ela era minha namorada, pois assim, impedia dos tarados de Las Vegas de darem em cima dela e de passarem a mão nela. Conheci-a quando eu tinha 15 anos, sempre frequentávamos as mesmas festas e ela sempre estava tendo problemas com os caras que queriam beijá-la e até transar com ela sem o seu consentimento. Nunca fiz nada a princípio, porque eu não a conhecia e era muito novo pra me importar com essas merdas. Até que em uma dessas festas, eu não aguentei e tive que partir pra cima de um otário que queria tirar as vestes dela na frente de todo mundo. Parti pra cima dele e dei uns bons socos e pontapés no filho da puta. Nunca mais ninguém mexeu com ela, pois naquele momento, tínhamos desenvolvido uma amizade muito forte e sempre disse a ela que nunca iria deixar ninguém encostar a mão de novo nela. Ela sofrera demais na mão desses tarados, foi então que tivemos a ideia de fingir que éramos namorados. Ainda mais por causa do mundo em que vivemos... apostas, sexo, álcool, drogas, máfia e muito mais. Kendall era linda, o que fazia os caras ficarem loucos por ela, ela parecia uma modelo. E nós inventamos essa farsa, justamente, porque tenho muito respeito no meio em que eu vivo e chego até a dizer que tem certas pessoas que temem a mim. E deviam mesmo, porque não cheguei aonde cheguei sendo bonzinho. Eu sou um dos mafiosos mais poderosos de Las Vegas e é claro, um ótimo jogador de pôquer. Ganho de todos, não perco uma vez. Costumo a dizer que a sorte está sempre ao meu lado. Tem até uns otários que tentam ganhar de mim, mas é óbvio que eles não têm nenhuma sorte. 

– Mas Justin, você viu o jeito que aquele sujeito falou comigo. - Kendall disse entre lágrimas

– Qual é Kendall, eu não vou deixar um mané filha da puta te fazer mal. Ele não encostará um dedo em você. Eu te prometo! - disse enquanto a abraçava

Essa história se tratava de um fato que ocorreu ontem. Estávamos em um cassino e é claro, eu estava ganhando todas as rodadas - parece que esses babacas gostam de me dar dinheiro - e um deles disse que se eu não o deixasse ganhar que ele iria atrás da Kendall e a daria muito prazer. O que claramente significou que ele iria sequestrá-la e estuprá-la. Eu não iria deixar nada acontecer com ela, mas não poderia entregar minha reputação, nem mesmo pela Kendall. Então é claro, não o deixei ganhar e ele teve que me dar todo o dinheiro que ele apostou. Cinquenta mil dólares a mais pro papai aqui. Mas isso significou uma Kendall muito puta da vida comigo e com muito medo. Porém, eu não sou um otário, eu tenho pessoas que me protegem e eu mesmo sei me proteger muito bem com a minha .40 na mão. 

– Eu ainda não acredito que você não quis estragar a sua reputação. Ela é mais importante do que eu? - disse se afastando

Foi ai que ela mexeu na ferida. De fato, a Kendall era muito importante pra mim, mas uma vez que você conhece o poder de uma reputação, você não pode simplesmente jogá-la fora ou ignorá-la.

– Kendall, não é isso...

– É claro que é, Justin! - ela disse fechando a cara e saindo do meu escritório

Eu vou protege-la, não vou deixar que ninguém a toque, assim como não vou deixar ninguém tirar a minha reputação de mim. Eu sou o melhor de Las Vegas e pra sempre será assim.


Notas Finais


Os personagens vocês encontram aqui http(:)//moickingj(.)tumblr(.)com/wuiv
Não deixem de comentar o que acharam do prólogo.
Até mais! Beijinhosssss <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...