História Walking With The Dead - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Exibições 17
Palavras 2.322
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Mutilação, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpem a demora ♥

Capítulo 3 - Capítulo 2 - Dead or Alive


Lauren acordou no meio da noite com um barulho e levantou assustada, virou pro lado e viu Dinah sentada e batendo no pote da sopa que tinham tomado.

- Desculpa fazer barulho, mas eu precisava me distrai, foi minha culpa. – Lauren escutava a amiga sem interromper, sabia que ela precisava desabafar tudo antes dela poder falar o que pensava. – Se eu tivesse sido mais rápida talvez ele ainda estivesse conosco, ou se eu tivesse impedido ele de entrar naquela sala. – Lauren levantou e foi ate a mesma, se sentou ao seu lado e a abraçou.

- Ei, escuta bem o que eu vou te dizer ok? – Dinah assente com a cabeça. – Troy sempre foi forte e rápido, você sempre foi uma das pessoas mais fortes e rápidas que eu conheço, não importa quem fosse no seu lugar, Troy sempre deixou claro que daria a vida para salvar uma de nós, assim como eu daria minha própria vida pra salvar você ou a Vero, Lucy, Chris, Taylor, meu pai, você não teve culpa, alias ninguém tem culpa do que está acontecendo lá fora, mesmo que sejamos pessoas unidas vai chegar uma hora que vai ser cada um por si, não digo que eu vou deixar vocês por conta disso, mas, o que estamos vendo é que o mundo que conhecemos está totalmente diferente, as pessoas mudaram e mudam constantemente, eu sei que é triste e frustrante perder alguém que amamos, mas temos que entender que isso faz parte da nossa realidade atual e se nos deixarmos abater por isso, não vamos honrar aqueles que perdemos.

Dinah fungou e apenas assentiu com a cabeça e Lauren a abraçou bem forte, também sentia a perda de Troy, mas nesses dois anos aprendeu a conviver com as perdas para poder assim conseguir sempre defender os que lhe restavam. Fez Dinah deitar novamente e ficou do lado da amiga até a mesma pegar no sono e escutou outro barulho mas não se importou, levantou bem devagar para não acordar as meninas e foi para a janela, o aglomerado de andantes que estavam atrás delas a algumas horas já tinha se dissipado e a rua parecia bem calma, provavelmente no dia seguinte poderiam voltar mas antes queria ver se conseguia recuperar o carro para poderem voltar mais rápido e em segurança, visto que gastaram muita munição com o aglomerado de andantes. Sentiu que alguém se aproximara e olhou para o lado no mesmo instante que Camila ficou de frente para a janela.

- Vim me desculpar pelo modo que falei com vocês, não era minha intenção ser rude, mas acredito que entenda que não podemos confiar em todo mundo. – Camila tira os olhos da janela e olha Lauren que também a olha e retribui com um sorriso de canto. Agora podia observar a latina, ela era linda, tinha traços marcantes e os olhos castanhos eram fortes, linda em sua concepção.

- Não precisa se desculpar, realmente é difícil confiar em alguém nas circunstancias atuais.

Camila sorriu e se virou novamente para a janela enquanto Lauren continuava a observando e um sorriso nasceu em seus lábios.

- Bom parece que deu uma acalmada lá fora, se quiser posso ir com vocês amanha até onde ficou o carro, quem sabe ele ainda esteja por lá.

- Agradeço de verdade, bom acredito que começamos com o pé esquerdo então, prazer me chamo Lauren Jauregui. – Lauren esticou a mão para a latina que achou graça e pegou na mão da morena de olhos verdes.

- Prazer Lauren, me chamo Camila Cabello.

As duas estavam se encarando sem soltar as mãos quando escutam mais um barulho e Camila solta a mão de Lauren de repente e local é preenchido por uma voz de criança.

- Kaki, eu não consigo dormir, eu escutei um barulho.

Lauren olhou espantada para a criança, e Camila bateu na testa e ficou olhando para a irmã.

- Mas não era só você e a Normani ?

- Er....- Camila ficou estática, deu um sorrisinho e começou a passar a mão freneticamente pelo cabelo, ato que não passou desapercebido por Lauren que queria muito rir da cara da garota-,  eu não sabia se podia confiar então eu resolvi omitir alguns membros, acho que agora não tem como né, então essa é Sofia minha irmã mais nova e o cachorro é o Floquinho, ele é da Mani, bom ele é da família.

Sofia olhava para as duas meninas e continuava coçando o olho.

- Olá – a menina deu um pequeno sorriso enquanto coçava os olhos -  Kaki eu estou com sono, vem dormir comigo, por favor, eu ouvi um barulho.

- Claro meu amor, vai indo dormir com a Mani eu vou daqui alguns minutos.

Lauren observava as duas e ficou calada, a menina era idêntica a Camila, era linda e muito fofa também, e só depois reparou na bolinha de pelos no colo dela. – Ok mas não demora. – A menininha voltou para a sala e fechou a porta com cuidado e Camila me olhou sem graça.

- Bom espero que entenda o porque de não ter contado, pode ser besteira, mas pra mim não é.

- Relaxa Camila eu entendo, tudo certo, bom melhor irmos dormir, logo vai amanhecer.

- Tem razão, bom boa noite.

- Boa noite Camila. – Camila acena com a cabeça e sai andando entra novamente na salinha e a fecha, Lauren pode escutar o barulho da tranca e se deita, fica olhando inerte em pensamentos até pegar no sono.

 

(...)

 

Quando a luz cinzenta do alvorecer afasta as sombras, Lauren já formulou um plano de ação, passara boa parte da noite pensando. Ela conversaria com Camila, tentaria de todas as formas argumentar e estava torcendo que ela a escutasse, mas claro se a abordasse de forma correta.  Ela havia conseguido parar de roer as unhas algumas semanas antes, mas agora o hábito retornou com força total. As pontas dos dedos dela já estão em estado de miséria, no sabugo e descascadas, com minúsculas fissuras. Ouviu o barulho da porta ser destrancada e observou a pessoa se aproximar, não pode deixar de ter uma leve decepção de não ser quem queria ver mas sorriu para Normani quando a mesma o fez.

- Bom dia Lauren, trouxe algumas coisas para vocês comerem, como passou a noite?

Lauren sorriu e ajudou a colocar a bandeja que a morena trazia consigo até o chão, pode ver que tinha algumas bolachas e uma garrafa de água, tinha também uns chocolates e Lauren reparou que era um dos seus favoritos e fazia tempo que não via nenhum deles.

- Passei bem e vocês?

- Passamos bem, Mila me disse que você descobriu nossos dois pequenos segredos. – Normani deu uma risada e logo voltou a encarar Lauren – Espero que não esteja chateada, só tentamos manter no anonimato algumas coisas por precaução e bom, Sofia é tudo pra Camila a defende com unhas e dentes, então já deve imaginar o motivo disso, não é?

Lauren se limitou apenas a assentir e Dinah e Vero despertaram e engataram uma conversa com Normani, Lauren se mantinha quieta e avistou Camila sair da porta com a garotinha que não passou desapercebida pelas as amigas que começaram a questionar, mas logo se enturmaram e já pareciam amigas de longa data, claro que sem fazer bagunça para não atrair errantes para o local.

 

(...)

 

Depois de algumas horas, Lauren decidiu então que era hora de partir, precisavam voltar para o acampamento e avisar do acontecido para o seu pai, Dinah e Vero continuavam brincando com a pequena Sofia e o cachorrinho junto com Normani então Lauren resolveu que era hora de colocar seu plano em prática, foi até a salinha onde Camila estava e bateu na porta, estava nervosa e ansiosa mas precisava tentar, afinal, elas a ajudaram muito em apenas um dia.

- Oi Camila, er, posso entrar? – Camila a olhou desconfiada e resolveu apenas assentir.- Bom queria conversar com você sobre uma coisa que andei pensando, bom eu não sei se vai aceitar, eu espero que sim, mas olha não precisa desconfiar, eu juro que sou uma boa pessoa e.... –Lauren não parava de falar e Camila começou a rir.

- Calma Lauren, pode falar devagar, eu não mordo não.

Lauren abriu a boca e fechou no mesmo instante, não podia falar o que tinha pensado nem em sonhos então respirou fundo e olhou para a latina.

 

 

- Tudo bem, olhe... tenho certeza de que sabe o que está fazendo. Não estou tentando dizer a você como deve viver sua vida ou sobreviver, você vem fazendo isso muito bem. É só que... você tem uma irmã pequena, e bom... eu acho que vocês poderiam vir com a gente temos lugares para vocês, vão poder se sentir seguras e poder dar a sua irmã uma “vida normal”. O que me diz Camila? Por favor, deixa eu retribuir o que fez por mim e minhas amigas? Você não precisa carregar esse fardo sozinha.

Camila queria rir da garota atrapalhada tentando lhe convencer de algo, parecia ela quando queria pedir para o pai para dormir na casa de alguém ou simplesmente sair e chegar tarde, e tinha que admitir que a morena de olhos verdes ficava linda nervosa, mas se conteve, afinal, ela era uma estranha, não podia deixar transparecer nada, não nas circunstancias atuais.

- Bom Lauren, eu agradeço pelo que está tentando fazer mas.... – Camila foi interrompida por Normani.

- Mila, eu acho que deveríamos dar uma chance, olha, está ficando cada vez mais difícil nos esconder e conseguir suprimentos e acima de tudo , manter Sofi em segurança. Ela não aguenta mais ficar trancada e você sabe disso.

Camila suspira cansada e foca em um ponto na parede. – Olha

 

Durante os trinta segundos seguintes, Mike foi correndo  atravessar o hall de entrada, destrancar e escancarar a porta.

— Alguma noticia deles ? Meu Deus, aconteceu alguma coisa? — grunhe Mike com aflição para a figura sombreada de pé à luz fraca do corredor.

Rodriguez pigarreia instintivamente. Vestindo uma jaqueta de couro e na cintura  um

cinto para a arma e a munição, ele calcula suas palavras.

— Desculpe, chefe... tem alguma coisa acontecendo lá fora.

— Como assim, que merda está acontecendo?

Rodriguez respira fundo.

— É que houve uma explosão ontem. Achamos que fora nada demais, porém hoje de manhã fui informado que errantes estariam em aglomeração aqui perto e uma fumaça subiu ontem pelos ares. Mandei Marcos com alguns homens investigar. Saíram faz alguns minutos, então ouvimos tiros próximos.

— Próximos?!

— É, na mesma direção.

Mike fica apreensivo e de repente muda sua expressão, parecia furioso

— Então por que simplesmente não pega um carro e... PORRA! Pode ser eles, pelo amor de Deus Rodriguez se mexa, pegue um carro e me espere lá fora com mais alguns homens.

Rodriguez apenas assentiu e saiu o mais rápido que pode e Mike foi pegar suas armas e munições, iria atrás da sua filha e traria ela de volta.

 

(...)

 

Assim que Mike saiu pela porta pronto para ir atrás de Lauren, os portões se abrem e agora dois carros entram por ele e Mike reconhece o carro de sua filha e então respira mais aliviado, ainda iria ter um infarto de tanto que seus filhos costumam dar esses sustos. Lauren saiu do carro acompanhada das meninas e correu para abraçar o pai, todos estavam apenas olhando e começou alguns sussurros fazendo com que Lauren se soltasse de Mike.

- Pai, tivemos um problema e acho melhor conversarmos lá dentro e bom quero lhe apresentar algumas pessoas.

Dinah, Vero foram buscar no outro carro as meninas enquanto Mike observava tudo e assim que se aproximaram ele se apressou em se apresentar.

- Olá garotas, me chamo Mike, sejam bem-vindas.

- Oi tio Mike, eu sou a Sofia, essa é Camila – apontou para a latina- minha irmã mais velha, essa é a Normani – apontou para a morena ao seu lado – minha outra irmã e esse é o floquinho nosso cachorrinho. – Sofia mostrou a pequena bolinha de pelo em seus braços e ficou acariciando ele, Lauren sorriu pela espontaneidade da garota e Mike fez o mesmo, ficou de joelhos em frente a pequena garota e sorriu.

- Muito prazer menina, bom você poderia me dar um abraço não acha?

Mike perguntou e a pequena sorriu, entregou o cachorrinho para Normani e abraçou o homem em sua frente, Camila observava tudo calada, apesar de sentir que podia confiar naquele bando de estranhos ainda tinha medo. Mike levantou com Sofia em seu colo e chamou as garotas para sua casa para que pudessem conversar com elas sobre o que ocorrera com elas nessas 24 horas que passaram. Ao adentrarem a residência Camila e Normani ficaram bem admiradas, era uma casa grande, as lembravam suas casas com suas famílias, Mike sugeriu que todos sentassem e continuou com Sofia no colo e pediu para que Dinah e Vero buscassem alguma coisa para elas comerem e beberem. Mike então olhou para Lauren que logo entendeu e começou a explicar desde o terrível acidente com Troy até a parte em que Camila e Normani as salvam e lhes dão abrigo durante a noite.

- Camila eu quero agradecer pelo que fez pelas meninas, de coração, bom eu quero também dar as boas-vindas as vocês ao nosso grupo. Temos algumas casas desocupadas, faço questão que escolham a de vocês, se instalem e depois conversamos sobre trabalho ou algo que contribua com nossa comunidade.

Mike levantou com Sofia no colo e estendeu a mão para Camila e ela fez o mesmo, se levantou e apertou a mão do homem a sua frente, ainda estava receosa, mas havia gostado de todos, principalmente de Lauren que mesmo sem a conhecer fez questão de leva-las para um lugar seguro, iria viver um dia de cada vez como vinha fazendo, e como Normani sempre dizia, confiar desconfiando.

 

 

 

“A desconfiança é a mãe da segurança.” - Madeleine Scudéry


Notas Finais


Espero que estejam gostando ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...