História War for love - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Visualizações 6
Palavras 1.269
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi meus mochi's!!!
Essa é minha primeira fanfic então... Perdão se ficar muito pequena ou ruim :')
ABO is life <3 <3

Capítulo 1 - Capítulo um


Fanfic / Fanfiction War for love - Capítulo 1 - Capítulo um

 

Uma tarde chuvosa de céu acinzentado, com ventos e gotas gélidas caindo sobre a cidade quase que inteira e meu rosto pálido e já demasiadamente molhado devido às gotas anteriores, poderia eu, pelo menos, ser presenteado com um dia de sol? Um dia razoavelmente quente, sem chuvas ou ventos gelados capazes de me causar um resfriado. Um dia perfeito para sair para passear ou para fazer um simples piquenique no parque com meu melhor amigo – cuja animação era enorme justamente hoje. 
 

-Vamos logo Jimin! – O maior exclamava animado, enquanto me puxava pela encharcada rua.
 

-Aish, já estou indo Jin hyung! – Retruco tentando acompanhar seus passos.
 

Kim Seokjin, ou como o maior prefere ser chamado, Jin hyung – ou simplesmente Jin – é meu melhor amigo desde quando me conheço por híbrido. Nos conhecemos desde a escola primária, ele era o garotinho cheio de amigos e eu o tímido e quieto que apenas falava se necessário.

De alguma maneira ele notou que não havia apenas dezenove alunos – incluindo ele – naquela pequena e simples sala de aula, o maior veio até mim e tentou ao máximo ter minha amizade e – por mais que eu seja fechado e demasiadamente quieto – conseguiu. Hoje, somos praticamente inseparáveis.
 

Jin hyung – por incrível que pareça – já foi uma ‘paixonite’ minha. Mas logo descobri ser apenas coisa de minha cabeça, talvez o tempo de eu ter passado solitário e sem nenhum tipo de afeto físico e psicológico tenha favorecido para isso.

Mas convenhamos quem seria capaz de não se apaixonar por Seokjin? Em minha defesa, eu – e mais meio mundo - sempre achei este extremamente atraente, principalmente no sentido físico. Os cabelos castanhos e macios do ômega combinam muito bem com seu tom de pele que é bem pálida e aveludada, ele também possui traços bem delicados em seu rosto, tais como o nariz afinado e os lábios pouco cheinhos e rosados.
 

-É ali! – O acastanhado para de repente e larga minha mão me fazendo cambalear para frente e quase cair no chão molhado, usando a sua para apontar para um estabelecimento que não consegui ver na hora. – Ai Jimin me desculpa! – Ele me puxa de volta para si e espera eu ajeitar minha capa de chuva, que por sinal, de nada adiantava nesse dilúvio.
 

-‘Tá tudo bem Jin hyung, é aqui? – Pergunto levantando meu olhar para o letreiro do estabelecimento em que o acastanhado havia me puxado.
 

-É sim. Vamos entrar logo Minnie, por favor. – “Ansiedade”, era o que parecia estar escrita na testa do ômega acastanhado.

Seguro meu riso e faço um pequeno sinal com a cabeça para entrarmos.
 

-Então... O que vai ver primeiro Jin hyung? –Tiro minha capa de chuva e a balanço por um tempo para tirar o excesso de água, dobro a mesma de qualquer jeito e a ponho de baixo de meu braço. 
 

-Eu estava pensando na decoração, que cor acha que ficaria boa? – Começa a olhar algumas coisas aleatórias em uma prateleira.
 

-Eu não posso opinar hyung, isso é entre você e Dongsun. – Ele vira para mim com um biquinho fofo nos lábios e eu solto um riso soprado em resposta. – Jin hyung este casamento é de vocês, não meu. Precisa decidir essas coisas com ele.
 

O maior fecha seus olhos e solta um pequeno suspiro, logo abrindo seus olhos para me fitar. – Eu sei Minnie, mas ele não pode vir hoje por conta do tal imprevisto. – Diz fazendo aspas com os dedos. – Mas, e você Minnie?
 

-Mas eu o quê? 
 

-Pretende se casar algum dia? – Olho-o de uma maneira meio espantada - Ok, talvez tenha sido constrangida ou até mesmo surpresa.
 

-C-Casar? Casamento? Olha hyung, acho que não vou me casar tão cedo... – Desvio meu olhar do acastanhado e começo a procurar algo interessante para xeretar.
 

Ele acaba ficando um tempo em silêncio, talvez tivesse achado algo que lhe prendesse a atenção, porém acabo ouvindo um suspiro meio longo, o que descartou a possibilidade.
 

-É por causa de seu pai, não é? – Fecho meus olhos e encosto minha testa em uma das prateleiras.
 

-Não só de meu pai hyung, o que aconteceu afetou minha família inteira... 
 

-Eu sei Minnie, mas faz cinco anos que não estourou nenhuma batalha, as coisas podem estar se estabilizando agora.
 

-Talvez, mas não gosto de me arriscar. – Respondo por fim ouvindo um “Entendo” do mais velho, que volta a caminhar pela loja.
 

Talvez Jin hyung estivesse certo sobre isso, pensando por um lado, este foi o período mais longo de estabilidade entre as três raças, talvez aceitar a opção de tentar conhecer alguém interessante não fosse uma má.... Não. Definitivamente era uma má ideia, o que eu faria caso mais uma batalha estourasse por aí? Não, esta ideia está longe de ser aceita por mim.
 

(˚ᴥ˚)
 

Depois de mais algumas horas com um hyung Super animado, porém em um dia nem um pouco animador, decido voltar para meu humilde e silencioso apartamento, onde sei que sempre serei bem-vindo – mesmo que seja por mim mesmo e/ou meus móveis – e ficarei bem aconchegado.

Só eu, a paz e o silêncio. 
 

Vou direto para meu banheiro e começo a me despir, logo sentindo os pelos de meu corpo eriçar por conta do frio, entro no box e ligo o chuveiro para que a água morna pudesse finalmente cair sobre mim e levar, não só a sujeira, mas também minhas preocupações e ansiedades do dia a dia.
 

Saio do banheiro já seco e com a toalha enrolada em minha cintura, tentando não dar atenção para o frio que estava fazendo, visto rapidamente uma roupa quente e me jogo na cama, encarando o teto do quarto, que parecia a coisa mais interessante no momento.

Nada como ter uma reflexão diária sobre minha vida.

Cinco anos.... Cinco anos de ‘paz’ entre as raças, cômico não? Cômico pelo simples fato de que eu não confio nem um pouco nessa trégua. Temo, não só por mim, mas por todos os ômegas de nossa pequena sociedade.

Tenho certeza de que, todos – sem exceção – já perderam pelo menos uma pessoa importante com essa guerra idiota e sem sentido.

Não entendo nem o porquê desta guerra ter se iniciado. Por mais que eu odeie os alfas – e apenas um pouco os betas –, devo admitir, precisamos deles. Precisamos tanto dos alfas quanto dos betas. Precisamos ficar unidos.

Ninguém quer aceitar a realidade, mas estamos morrendo.

Pouco a pouco.

Como ratos de laboratório em um labirinto sem saída e cheio de ratoeiras.

Tudo por culpa desta guerra.

Precisamos uns dos outros. As três raças precisam ficar unidas se quiserem ter pelo menos um resquício de futuro.

Pense bem, é raro alfas se reproduzirem entre si, os ômegas são muito fracos e precisam de proteção para basicamente tudo. A única raça que parece se sair bem sozinha são os betas.

Mas ninguém se importa, não é mesmo?

Todos são loucos, loucos de raiva. Não importa a brecha que se abrir, uma das três raças irá aproveitar ao máximo para destruir o oponente. Por quê? Porque somos ingênuos.

Não importa o quanto eu tente pensar no lado racional, ainda tenho um pedaço de mim, lá no fundo, de puro ódio. Eu realmente espero que Jin hyung esteja certo, não aguentaria ter que entrar em um campo de batalha pela primeira vez, deve ser uma das piores coisas do mundo.

Meus pensamentos são interrompidos quando noto que meu sono vem vindo com força total e meus olhos vão ficando mais pesados. Como não há nada de importante para fazer o resto do dia, me permito fechar meus olhos e ser invadido pela tranquilidade do sono, logo presenciando a calma escuridão.


Notas Finais


Então mochi's? O que acharam?
Espero não ter ficado ruim
KSKSKSKSKS
Até depois meus nenês


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...