História War of Hearts - Season 2 - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Glee, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Blaine Anderson, Brittany S. Pierce, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jake Puckerman, Kurt Hummel, Magnus Bane, Marley Rose, Mike Chang, Noah "Puck" Puckerman, Quinn Fabray, Rachel Berry, Santana Lopez, Simon Lewis, Tina Cohen-Chang
Tags Brittana, Clace, Glee, Klaine, Malec, Shadowhunters, Sizzy, Tike
Visualizações 87
Palavras 3.571
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


LEIAM AS NOTAS FINAIS

Capítulo 25 - Chapter twenty five


 Magnus acordou quando se virou na cama e acabou abraçando o ar. Ele abriu os olhos sonolento e suspirou pesadamente ao ver que Alec já havia saído. Magnus queria conversar com ele antes que ele fosse, queria desejar boa sorte para a missão até a Seelie Court.

Magnus se levantou e suspirou saindo do quarto, e foi para a cozinha em passos lentos. Ele entrou no cômodo passando as mãos pelos cabelos e franziu o cenho ao ver um bilhete sobre o balcão. Magnus se adiantou e pegou o bilhete suspirando ao ver a caligrafia precisa e arredondada de Alec.

Precisei sair mais cedo, não quis te acordar. Se tudo correr bem, volto para o jantar.

Amo você

-Alec.

Se tudo correr bem. Magnus suspirou repetindo a frase em sua mente, e colocou o bilhete contra o peito antes de devolve-lo para o balcão. O feiticeiro não pôde negar o pequeno medo dentro de si. Muitos Shadowhunters ja foram a Seelie Court e nunca mais voltara. Mas Alec se saíria bem, ele precisava se sair bem.

Magnus saiu de seus devaneios quando um choro agudo invadiu a sala.

- Só um minuto blueberry - Magnus disse com a voz alta, e começou a preparar a mamadeira para o filho.

* * *

Alec chegou no instituto e foi diretamente em direção aos corredores atrás de Isabelle e Jace. Não ficou surpreso ao encontrar os irmãos conversando na cozinha.

Jace estava tropeçando em algumas desculpas esfarrapadas para não comer. Provavelmente Isabelle havia cozinhado.

Alec suspirou e entrou na cozinha, observando os irmãos ainda de pijama.

- Alec? - Isabelle franziu o cenho enquanto colocava panquecas, com uma cor um pouco mais escura que o normal, em um prato - oque faz aqui tão cedo?

Alec piscou lentamente, os cílios negros roçando na bochecha corada por conta do vento gélido nas ruas de New York. Os cabelos emaranhados de forma costumeira, como se ele não se desse ao trabalho de pentear o cabelo ao acordar, após um tempo, Isabelle começou a aceitar que esse realmente era o caso.

- Tenho uma missão para vocês - disse Alec enquanto puxava descontraidamente um dos bancos de madeira clara que jaziam embaixo do extenso balcão de mármore no centro da cozinha. Ele se sentou calmamente, apoiando os braços no mármore gelado, cuja friagem atravessou sua jaqueta preta, colidindo com a pele pálida e marcada, fazendo o shadowhunter se arrepiar - para nós.

- Que seria? - Isabelle bocejou soltando a panela na qual estava fazendo panquecas, na pia. Ela passou a mão pelo pijama curto e fino de cetim, azul forte como um dos olhos de Jace, alisando-o e se sentou também, de fronte aos irmãos.

- Vamos a Seelie Court. - Alec disse simplesmente.

- A Seelie Court? - Jace franziu o cenho - fazer oque na Seelie Court?

- Irei conversar com a Seelie Queen - disse Alec com a voz um pouco preocupada - quero saber oque ela quer com Max.

Jace suspirou passando a mão pelos cabelos loiros caídos na testa, jogando-os para trás em um gesto gracioso. Ele olhou para as panquecas sobre a mesa e depois para Isabelle. Então limpou a garganta e se levantou calmamente.

- Bem, vou me preparar então - disse ele lançando um olhar a Alec, antes de sair da cozinha.

Quando o loiro saiu, Isabelle revirou os olhos se debruçando sobre o balcão.

- Ele acha que eu não sei que ele só não quer comer coisas que eu faça? - disse a morena, com a voz um tanto baixa, enquanto os cabelos caíam como uma cortina negra sob seu rosto e braços.

- Oh Isabelle, talvez ele só não esteja com fome mesmo - consolou Alec, mesmo sabendo que a irmã estava certa.

- Você não vai comer? - perguntou Isabelle ainda com a voz baixa.

- Eu comi em casa - Alec disse rapidamente.

Isabelle bufou se levantando e se adiantou para a saída da cozinha, enquanto murmurava alguma coisa como "vocês dois são iguais" mas Alec não entendeu bem oque era.

Alec saiu da cozinha e foi para seu escritório. Ele olhou para o relógio e suspirou se afundando em sua cadeira, relaxando um pouco o corpo. Logo sua mão alcançou seu celular no bolso de trás da calça, o puxando para fora.

Alec olhou o aparelho por um instante antes de o desbloquear. Ele passou o dedo pela tela, rodando a lista de contatos até chegar no nome da Magnus. Alec apertou o botão verde e levou o celular até o ouvido e suspirou enquanto esperava.

Magnus estava sentado no chão da sala, encostado no sofá, balançando um ursinho de pelúcia na frente de Max, que ria tentando agarrar o bichinho. O feiticeiro sorriu com a risada gostosa do filho, até que a risada foi encoberta pelo toque irritante do celular de Magnus.

Ele se esticou até a mesinha e pegou o celular, sorrindo ao ver o nome de Alec na tela. Magnus atendeu e levou o celular até o ouvido, enquanto ainda entretia Max com o ursinho..

- Alô?

- Te acordei? - Alec perguntou da outra extremidade da linha.

- Oh, não - Magnus inclinou a cabeça apoiando o celular entre o rosto e o ombro, enquanto se inclinava até Max, tirando um brinquedo da boca dele. - Já estava acordado. Aconteceu alguma coisa?

- Não, nada - Alec suspirou fitando as próprias pernas. - só queria ouvir sua voz.

Magnus estremeceu e voltou a encostar no sofá, voltando a segurar o celular.

- Alexander, está tudo bem? - perguntou por fim.

- Está - Alec respondeu - não tivemos tempo de conversar de manhã, eu não queria te acordar...

- É, eu vi seu bilhete - Magnus respondeu com a voz calma. - você sabe que pode me acordar.

- Eu sei, eu sei, mas por conta de Max você anda mais cansado - Alec declarou. - de qualquer forma, irei a Seelie Court daqui a pouco.

Magnus sentiu seu coração apertar, não sabia o motivo, mas estava apavorado com a ida de Alec para a Seelie Court.

- Magnus? - Alec chamou após o silêncio de Magnus - você está aí?

- Estou - Magnus respondeu - é que Max está tentando comer um boneco.

Era verdade. Max ficava levando o boneco até a boca o tempo todo, e Magnus não tirava os olhos do filho, com medo de acontecer alguma coisa.

- Max está acordado? - Alec perguntou com a voz calma - coloque ele no telefone.

Magnus suspirou e tirou o celular do ouvido, e se aproximou de Max, segurando o celular no viva voz, em frente ao filho.

- Fale com o papai, blueberry - disse Magnus

- P-papa - Max murmurou olhando para o boneco em sua mão.

- Oi meu amor - a voz de Alec ecoou pela sala, fazendo Max levantar o olhar em busca do pai. Magnus soltou uma risadinha baixa com a expressão confusa do pequeno - você vai se comportar até o papai voltar, não vai?

- Uhuun - Max murmurou olhando fixamente para o celular de Magnus.

- Bom garoto - Alec sorriu segurando o celular, e suspirou quando Isabelle apareceu na porta, ele fez sinal para que ela entrasse. - Magnus?

- Sim? - Magnus tirou o celular do viva voz e o levou de volta para o ouvido.

- Eu preciso ir - disse Alec. - te vejo mais tarde?

- Vou estar te esperando - disse Magnus - e... Alexander?

- Hm? - Alec arqueou uma sombrancelha, sentindo o olhar de Isabelle sobre si.

- Eu te amo - Magnus sussurrou.

- Eu também te amo - Alec respondeu com um sorriso de lado

Magnus suspirou pesadamente e encerrou a ligação, jogando o celular no sofá, e logo voltou a atenção para a coisa fofa brincando em sua frente.

Alec guardou o celular de volta no bolso e subiu o olhar para Isabelle, que estava sentada no sofá do outro lado da sala, observando Alec com um sorrisinho nos lábios.

- Oque foi? - Alec perguntou franzindo o cenho.

- Eu acho que eu nunca te vi falando que ama alguém - disse ela, enquanto se levantava.

Alec corou violentamente e desviou o olhar para um ponto aleatório na sala. Ele realmente nunca foi de demonstrar muitos sentimentos, nem mesmo por Jace ou Isabelle... Nem por Max. E ele se arrependia ao extremo por isso. Até que ele conheceu Magnus, que mudou todas sua perspectiva sobre isso. Agora, dizer que ama Magnus, ou Max, virara até rotina.

- Não precisa virar um tomate, Alec - Isabelle riu se aproximando da mesa do irmão - você ama o Magnus, ama seu filho. Isso não é vergonha alguma.

- E amo você também - Alec sorriu olhando a irmã e suspirou se levantando também.

- Eu sei - Isabelle riu dando de ombros. - Enfim, eu e Jace estamos prontos, vamos?

Alec assentiu passando a mão pelos cabelos, e bateu as mãos nos bolsos verificando se sua estela estava ali, quando sentiu a peça fina nas mãos, saiu de trás da mesa, acompanhando Izzy para fora da sala.

* * *

Alec, Isabelle e Jace chegaram ao Central Park juntos. O dia estava nublado e frio, Alec praguejou mentalmente por não ter pegado outro casaco.

Os três pararam na ponte, olhando para a água calma e com aparência gélida embaixo deles.

- Não vamos nos molhar, não é? - Isabelle murmurou debruçada sob a grade da ponte.

- Eu espero que não, já estou com frio o suficiente - respondeu Alec.

Alec olhou para os lados, mais por mania do que por qualquer outra coisa. Já que estavam com a runa de invisibilidade ativada, os mundanos não poderiam vê-los pular de uma ponte diretamente para a água.

Os três se entreolharam e apoiaram as mãos na grade, pulando para o outro lado da mesma, em direção a água.

Alec fechou os olhos esperando o baque gelado e molhado com o rio, mas nada. Ele sentiu apenas como se algo o tivesse puxado pelo estômago, e logo seus pés bateram com graciosidade em uma grama verde e fofa. Isabelle e Jace caíram logo atrás. Estavam no reino das fadas.

- Uau - Isabelle olhou em volta. Apesar de seu relacionamento com Meliorn, ela nunca estivera no reino das fadas antes, muito menos na seelie court.

O lugar era magnífico. Árvores, flores, plantas para todo lado. Estavam literalmente dentro de um conto de fadas.

- Vamos - Jace suspirou se adiantando, com Alec e Izzy em seu encalço.

- E lembrem-se. Não toquem, comam nem bebam nada - disse Alec.

Eles atravessaram entre as árvores, até que finalmente avistaram a Seelie Court. Era como um castelo, com vigas com flores atravessadas pelas paredes esverdeadas.

Alec, Jace e Isabelle andaram calmamente até a entrada. Foram recebidos por Seelies que obviamente estavam a serviço da Rainha.

Eles adentraram a corte em silêncio, observando cada parte do lugar. Até que os olhares dos três pararam sincronizados sob a mulher sentada em um trono de flores um pouco mais a frente.

A Seelie Queen era uma mulher extremamente linda. Os cabelos vermelhos caídos enrolados até a cintura; olhos verdes e grandes, que davam-na um ar mais provocativo. Ela usava uma coroa grande de pedras contrastando contra os cabelos vermelhos e o vestido dourado cheio de detalhes, e as pulseiras e colares de um brilho diferente de qualquer coisa que já tivessem visto.

Mesmo sentada, os três tinham plena certeza de que a rainha não era tão alta.

- Vossa Majestade - Jace cumprimentou enquanto os três faziam uma reverência. - você é ainda mais bonita do que pensávamos. É um grande prazer conhecê-la.

Os três sabiam que, quando se tratando da Seelie Queen, ser charmoso e galanteador eram qualidades inexplicavelmente estimada.

- Tirem suas armas Nephilim. Todas - disse a Rainha, se levantando do trono de flores - serão devolvidas a vocês quando deixarem a corte.

Isabelle e Jace olharam para Alec, que assentiu. Então eles começaram a tirar o cinto de armas, lâminas, e qualquer outra arma, inclusive suas estelas. Dois Seelies se aproximaram deles, e estenderam as mãos. Os shadowhunters entregaram suas armas e voltaram a encarar a Seelie Queen.

- Acredito que saiba o motivo de estarmos aqui, Majestade - Alec disse com a voz grave, em um tom formal inconfundível.

- Desconfio - disse ela, caminhando em passos leves, como se estivesse flutuando, até os shadowhunters. - podemos conversar melhor enquanto comemos. Acompanhem-me.

Alec lançou um olhar para os irmãos de "lembrem-se do que eu disse" e eles acompanharam a Seelie Queen pela corte, até que entraram em outro "cômodo" onde uma mesa baixa e farta estava posta no centro, com quatro almofadas dispostas em volta da mesa redonda.

- É uma enorme gentileza sua nos proporcionar está refeição, Majestade - disse Alec - mas temo em dizer que já comemos.

- Uma pena - disse a Rainha, já sentada em sua almofada - mas insistirei que sentem-se junto a mim.

- Será um imenso prazer - Isabelle sorriu.

Os três se sentaram nas almofadas restantes, e se entreolharam. Alec respirou fundo e fitou a Seelie Queen por um instante.

- Vossa Majestade provavelmente tem conhecimento que eu e meu namorado adotamos um bebê feiticeiro. - disse Alec. - um cavaleiro Seelie foi ao seu mandato atrás de meu filho. Eu desejo saber quais seus desejos para com meu filho.

- Não é sempre que conseguimos encontrar um bebê feiticeiro tão... perto. - comentou ela, fitando Alec com um olhar penetrante.

- Mas pelo que seu cavaleiro nos contou. Você tem outros interesses em meu sobrinho - disse Jace - Acredito que não seja nada demais Majestade, mas precisamos saber.

- Oque vocês precisam saber, é que eu não serei a única a me interessar pelo seu bebê feiticeiro - declarou a Seelie Queen, com aqueles olhos verdes fixados em Alec - entretanto eu posso protegê-lo dessas pessoas, aqui. Em minha corte.

- Você está sugerindo que eu entregue meu filho a você? - Alec arqueou uma sombrancelha.

- Exatamente - disse a rainha - ele terá mais valor para mim do que para você, Shadowhunter.

- Você ficou maluca? - Alec aumentou a voz. Jace o segurou pelo braço.

- Oque ele quer dizer Majestade - Jace disse com a voz calma. - é que não costumamos abrir mão de nossa família. O bebê é filho de Alec agora.

- E qualquer coisa contra Max seria violação dos acordos - declarou Isabelle.

- Eu tenho mais conhecimento sob os acordos que você - a Seelie Queen rebateu para Isabelle - sei oque seria, ou não, violação dos mesmos.

- Pelo que eu entendi, Vossa Alteza - Alec disse fazendo o máximo pra manter a voz calma - você não liga para os acordos; agora, por favor, diga-me oque quer com meu filho.

- Seu filho seria de grande estima para mim, Alec Lightwood - disse a Rainha - primeiro, me diga, como é saber que seu parceiro e seu filho vão viver para sempre, e você... não.

Alec sentiu seu sangue ferver nas veias, mas respirou fundo, tirando calma de um lugar desconhecido para si próprio.

- Eu aproveitarei todo o tempo com ambos, alteza - Alec respondeu - mas esse não é o assunto de nossa reunião

- Oh, com certeza você vai - a Rainha sorriu de lado com um ar indiferente. - Bem, tudo que quero de seu filho. É apenas seu poder.

- Ele mal consegue fazer magia - Alec disse entre dentes, se segurando para não avançar sobre a rainha.

- Só porque ele ainda não consegue fazer magia, não significa que ele não tenha poder - declarou a Seelie Queen.

- Eu não deixarei você chegar perto do meu filho - disse Alec, se levantando.

- Você está em minha corte. Sugiro que maneire seu tom quando se direciona a mim - a rainha arqueou uma das sombrancelhas e se levantou também.

- E eu sugiro que fique longe de minha família. Foi um prazer estar em sua presença, Vossa Majestade, mas precisamos ir - Alec fez uma reverência rápida, e logo Jace e Isabelle se levantaram também.

Alec se virou para sair, mas por um instante sua visão embaçou. Ele piscou freneticamente, e quando conseguiu focar novamente, viu dois cavaleiros Seelies parados, um segurando Magnus pelos braços, com uma lâmina no pescoço do feiticeiro. O outro seelie estava com Max em seus braços. O pequeno chorava descontroladamente, o olhar fixo em Magnus, que estava se debatendo para escapar do cavaleiro.

Alec tentou avançar, mas era como se seus pés estivessem presos no chão. O choro de Max invadia sua cabeça, fazendo-o querer salvar o filho de qualquer forma, salvar Magnus. Ele sabia. Sabia que Magnus não ficaria parado. E nem o Seelie.

O coração de Alec batia descontroladamente no peito, a respiração dele ficara pesada, o suor frio escorrendo pela lateral de seu rosto.

- Solte meu filho seu imundo! - Magnus vociferava para o cavaleiro.

- Cale a boca feiticeiro idiota - disse o cavaleiro que segurava Max.

- Deixe meu filho em paz! - Magnus gritou enquanto tentava soltar seus braços.

Alec queria gritar, queria correr. Mas nada. Ele estava congelado. Seus pés estavam congelados; suas cordas vocais estavam congeladas. A única coisa que ele sentia era seu coração batendo freneticamente no peito.

A Seelie Queen passou por Alec, caminhando em direção ao cavaleiro seelie que segurava Max, que agora estava soluçando por conta do choro. A mulher esticou os braços e pegou a criança no colo, agradando-a para que o choro parasse.

- Fique longe dele!! - Magnus gritou..

- Calem o feiticeiro - a Rainha ordenou, com os grandes olhos verdes parados sob Max.

Alec sentiu seu corpo virar gelatina quando viu a lâmina seelie perfurar o pescoço de Magnus, que ficou imóvel por alguns instantes, antes de sangue começar a escorrer de sua boca, e os olhos de gato se revelarem antes de perder todo o brilho.

Tudo ficou em câmera lenta para Alec. Ele só via Magnus. Magnus ensanguentado. Magnus caindo. Magnus imóvel. Magnus morto.

- MAGNUS!!!! - Alec berrou com todas as forças.

O grito do Shadowhunter se misturou com o choro de Max e a gargalhada da Seelie Queen.

- Alec!!!! Alec!!! - Isabelle gritou desesperada, balançando o irmão.

Alec chorava. Isabelle e Jace se olhavam desesperados.

A cabeça de Alec deu um clique. Ele arregalou os olhos. Tudo havia sumido, Magnus, Max, os cavaleiros. Tudo.

Alec se virou levando as mãos na cabeça, estava tudo normal. Jace e Isabelle confusos e desesperados. A Seelie Queen no mesmo lugar.

- Oque você fez? - Alec perguntou olhando a Seelie Queen.

- Estava entediada - A rainha deu de ombros.

- Alec. Oque aconteceu? - Isabelle perguntou baixinho.

- Vamos embora. - Alec murmurou passando a mão pela testa molhada de suor.

- Alteza, podemos ir? - Jace perguntou olhando a Seelie Queen.

- Claro. Acho que um de vocês já foi - disse ela com um sorrisinho maldoso.

Jace e Isabelle olharam para os lados. Alec já havia saído.

* * *

Magnus suspirou terminando de trocar Max e fez uma careta jogando a fralda no lixo. Ele arrumou a roupa de Max e sorriu pegando-o no colo, levando-o de volta para a sala.

Magnus colocou o filho no chiqueirinho na sala, colocando os brinquedos junto.

- Fique quietinho ai - Magnus afagou os cabelos de Max e foi para a cozinha terminar de por a mesa do jantar.

Alec entrou em casa correndo, ofegante, o coração a mil. Ele suspirou ao ver Max na sala e correu até ele o pegando no colo, abraçando-o forte, mas não forte o bastante para machuca-lo.

- Magnus? - Alec chamou desesperado - Magnus cade você?

- Estou aqui - Magnus disse da cozinha. Uma onda de alívio atravessou Alec, fazendo-o suspirar. - oque houve?

Alec colocou Max no chiqueirinho e saiu correndo para a cozinha, dando de cara com Magnus na porta. Alec arregalou os olhos para Magnus e o puxou pela cintura, beijando-o descontroladamente.

Magnus retribuiu sem hesitar, e segundos depois se separou com o cenho franzido.

- Tudo bem? Você parece ofegante - disse Magnus.

- Eu precisava ter certeza que você estava bem - disse Alec, abraçando Magnus - que vocês estavam bem.

- Oque aconteceu lá Alexander? - Magnus perguntou preocupado.

Alec resumiu a história sobre a visão. Sobre tudo. Magnus arqueou uma sombrancelha ouvindo tudo aquilo e ficou procurando algo para falar.

- Alexander... Eu...

- Não diz nada - Alec sussurrou apertando Magnus no abraço - só que está bem.

- Eu estou bem Alexander - Magnus sorriu - e Max também, não aconteceu e nem vai acontecer nada com a gente.

- Vamos para o instituto comigo amanhã, fiquem lá, por favor

- Eu sei como me cuidar, Alexander, como cuidar de Max - Magnus respondeu.

- Eu sei, você é o Alto feiticeiro do Brooklyn, Mags - Alec suspirou acariciando o rosto de Magnus - mas eu não vou conseguir trabalhar em paz com vocês dois aqui. Por favor. Por mim.

- Tudo bem - Magnus assentiu - eu vou. Agora vamos jantar.

Alec assentiu respirando fundo mais uma vez e eles se sentaram para comer.


Notas Finais


deem uma olhadinha na one-shot da minha neném, é muito importante pra ela, e consequentemente pra mim ❤
https://spiritfanfics.com/historia/stitches-malec-9945425


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...