História War on Control - Capítulo 22


Escrita por: ~ e ~MrsRazdor

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Little_drug, Mrsrazdor, Scausen, War On Control, Woc
Exibições 4
Palavras 1.936
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Heello Sweeties!!

Primeiramente,amamos muito vocês,e desculpem por esse cap.

Ele está meio curto,mas está bastante bom *-*

Boa leitura

Capítulo 22 - Capítulo 22


Fanfic / Fanfiction War on Control - Capítulo 22 - Capítulo 22

O garoto esperneava enquanto Mason o arrastava pelos cabelos por vários corredores, tomando o devido cuidado para não ser visto e procurando pela sala certa.

            -Cale a boca moleque insolente!

            -Meu pai vai saber disso, Mason!! -Zacky segurava com força o pulso do general, tentando fazer com que ele o soltasse. -Ele vai te despedir, ele vai..!

            -Fique quieto, Jones!Você com medo é tão excitante...-Mollhausen levanta o garoto pelos ombros,o prensando contra a parede e segurando firme em seu pescoço -E calado é melhor ainda. -Riu secamente, passando a língua por toda a bochecha direita do garoto,o fazendo estremecer e suspirar.

            -Mm-Mason... -Zachary tremia involuntariamente, tentando sem sucesso se soltar de Mollhausen.

            O tapa que o homem deu em Zack deixou rapidamente uma marca e ardeu seu rosto por bons minutos.

            -É general pra você agora,Jones. -Disse isso e empurrou o garoto de volta no chão,o arrastando e até cantarolando algo de sua época, totalmente fora de si. -Vamos, Zachary! Você ainda precisa me prestar as "condolências".

            Em poucos minutos chegaram a uma sala menor que as outras,e Zack foi jogado no chão com força, batendo sua cabeça.Mason trancou a porta e de maneira ágil desafivelou o cinto, sem quebrar o contato visual com o garoto, que estava com cada vez mais medo.

            -Olha,p-por favor...Não precisa, eu sinto muito pelo Frank senhor, eu, eu...Eu juro.

            Mollhausen se aproximou do garoto, que se encolheu involuntariamente, desferindo mais um tapa em seu rosto e puxando seu cabelo com força.

            -Você vai ter que fazer muito mais do que jurar se quiser sair vivo daqui. -Seu rosto estava tão perto do de Zachary que conseguiam sentir a respiração um do outro.

            E as primeiras lágrimas escorreram pela face de Zack.

            -Ajoelha. -Mason abre o botão de sua calça, deixando aparente sua ereção.

            -Não, não...

            -Ajoelha,porra! -Aponta sua arma para Zachary, que solta murmúrios inaudíveis e obedece ao maior.

            Mason abaixa suas calças até o joelho, segurando o membro exposto com uma mão e o queixo do garoto com outra.

            -E se nós queimarmos o prédio, igual fizemos com o outro? -Steves sugere.

            Todos os rebeldes estavam reunidos na sala e cozinha, Angel tinha saído numa missão do governo,e o Alpha preparava seu plano para acabar de vez com o governo.

            -Não vai adiantar. -Para a surpresa de todos, não foi Amanda quem falou,e sim Alex. -É exatamente por causa de possíveis atentados que Jones e o vice-presidente raramente se juntam no mesmo prédio.Se um morrer, tem o outro.Precisamos ter certeza de que eles, todos eles estarão mortos.Principalmente Mason e o exército.

            -Sim Al, mas não é como se fosse fácil e seguro. -Luke rebateu.

            -Seguro?! Você tá mesmo falando sobre segurança enquanto morremos um a cada mês?!

            -Alex, não se... -Mandy se levantou, pousando as mãos nos ombros dele.

            -Não, Amanda. -Chocalhou levemente a cabeça. -Eu sei que eu não sou o líder nem nada assim, mas a gente não pode mais ficar esperando o governo nos encontrar e então fugir mais uma vez, deixando os mortos pra trás...Desculpa Mandy, mas eu acho que não dá mais pra evitar a guerra.Muita gente já morreu e nós nunca fizemos nada além de dar alguns tiros...

            -Explodimos um prédio.

            -Foda-se Luke!E isso adiantou alguma coisa?! Nós só estamos fugindo,estamos adiando a morte,quando podemos fazer mais pra impedi-la.Kelly, você disse que nenhum de nós morremos em vão, -Apontou a mulher no canto da sala. -mas a morte do Thomas,Lee, James e Liam, foram completamente a toa se não nos esforçarmos.

            -Lexa...

            -Tudo bem Scott, você tá certo, -A Líder abraçou o garoto, tomando a atenção pra si. -não podemos mais só atacar, precisamos que eles morram...

            -Precisamos que eles sofram.

            -Não temos tempo pra isso. -Ashley comentou,mesmo estando aérea ao que estava acontecendo.

            -Então eu vou arranjar tempo, sua vadia desgraçada!

            Scott pegou sua arma sobre a mesa e saiu correndo do apartamento,sendo seguido por Luke.

            -Droga.

            -Thomas... -Ian quebrou completamente o assunto do grupo, encarando o chão fixamente. -Ele também?

            -Os soldados o mataram.Nem mesmo um enterro ele teve. -Dave explicou.

            Após aquela pequena discussão os rebeldes se dispersaram, cada um com uma opinião sobre o que Alexander disse, cada um para um lado.

            -Ian venha comigo até a cobertura.

            Assim como uma criança,o garoto fez corpo mole,negando levemente com a cabeça.

            -Ahn, eu não tô afim Mandy.

            -Ian! Venha comigo até a cobertura. -Repetiu em tom autoritário e então Ian reparou na cesta que ela segurava.

            Os dois subiram as escadas calmamente e em silêncio, mas mesmo assim chegaram rápido à pequena porta metálica no fim dos degraus.

            Amanda pegou o molho de chaves e facilmente abriu a porta, revelando uma pequena horta por toda a cobertura do prédio.Começou a colher alguns tomates e vegetais enquanto Ian observava tudo de longe.

            -O que quer,Amy?

            A mulher fechou os olhos e suspirou, deixou a cesta quase cheia no chão e se aproximou vagarosamente de Ian.

            -Por que veio aqui? -Tocou o rosto do rapaz, que se afastou minimamente. -Por que não passou a viver sozinho ou simplesmente entrou pra qualquer outro grupo de rebeldes que não têm ideia de quem você é ou do que fez?!Por que eu, Ian?

            -Eu te conheço. -Deu de ombros. -Você pode até me odiar,Amanda, mas eu sabia que não ia me deixar pra trás. -O silêncio tomou conta do ambiente por alguns segundos,e então Lawrence começou a chorar. –Não como todo mundo.

            -Hey...

            -Eu não quero falar sobre isso Mandy, mas..Droga,o meu irmão morreu e eu não queria perder todo mundo.

            A líder ficou levemente perplexa antes de chacoalhar a cabeça, pegando sua cesta e saindo pela porta.

            -Vem, vamos voltar lá pra baixo.

            -Esqueça que essa conversa aconteceu, Amanda. -Ian limpou o rosto e desceu as escadas apressadamente, pulando alguns degraus.

            Luke não tirava os olhos do primo enquanto este corria pela rua totalmente sem rumo,e Alex parou,se ajoelhou no canto da rua e conferiu o pente da arma.Ficou alguns minutos brincando com o objeto e parecia calmo o suficiente para Luke se aproximar,e ele ia se um pequeno grupo de soldados não estivesse virando a esquina bem naquele momento.

            -Al!! -Viu seu primo se virar em sua direção, mas os soldados já o tinham visto.E então Luke aproveitou que ainda não tinha sido notado e correu.

            Correu o mais rápido que pode de volta para o apartamento.

            -Olha só o que temos aqui. -Um dos guardas sorriu enquanto cercavam Alexa, que preparava a arma na mão.

            -Alexander Scott.O que faz sozinho por aí?

            -Vá se foder. -Al acertou Tyler com o cano da arma assim que ele se aproximou para tocá-lo e Ty caiu no chão.

            -Seu desgraçado! -Os outros soldados apontaram suas armas para Scott que, sem escolhas soltou a sua.

            -Não! -Tyler levantou rapidamente. -Não matem ele, Mason iria gostar de um presente.Vamos levá-lo, para a base.

            -Nem tente fugir. -Um outro avisou quando Alex cerrou os punhos.

            Lexa sabia que tinha sido muito imaturo sair por aí assim, mas a última coisa que faria era se importar.Os soldados da ronda começaram a se aproximar lentamente, sorrindo e xingando,e então Tyler deu o primeiro soco.

            Alexander acordou amarrado, sua cabeça latejava e havia mais alguém na sala consigo.Ele confirmou isso quando ergueram seu rosto com força e viu três soldados.

            -Mason não está por aqui, rebelde.Mas vou me encarregar de que esteja em um ótimo estado quando ele chegar. –Deu um soco no estômago do garoto e Thomas encarava o chão com raiva, tentando não atirar em Tyler por isso.

            -Aaron,Jules! Cuidem dele por mim, tenho uma ronda a cumprir.

            -Seu filho da puta... -Thomas resmungou quando o soldado saiu.

            Jules olhou para o outro soldado do pé a cabeça

            -O que acha de provar sua lealdade ao governo,novato?

            -Como?- Thomas pergunta calmo.

            -Bata nesse infeliz... Mason não está nem aí se ele está vivo ou não.

            Thomas engoliu em seco e chutou fracamente a lateral do corpo de Alexander o fazendo cair no chão.

            -Ande Aaron, não temos todo tempo do mundo.

            O falso soldado começou a chutar e socar Scott sem usar muita força.

            -Acho que já está bom Jules...Mason quer matar esse garoto ele mesmo. – Thomas diz de cabeça baixa,deixando uma lágrima escorrer pelo seu rosto.

            Jules dá de ombros e sai da sala sendo seguido pelo mais novo, Alexander continuou no chão completamente sem forças e um pingo de vontade de se levantar.. Thomas já estava morto,então do que adiantava continuar vivo?

            Alguns minutos se passaram antes da porta ser aberta por um soldado,que Al logo reconheceu como o primo.O soldado correu até si e cortou rapidamente as cordas que prendiam o menor.

            -Al,só foge daqui antes que o Mason chegue! -Mesmo que Thomas não tivesse realmente batido em Alex,o garoto estava bastante fraco.

            -Ainda...Ainda tem soldados no corredor. -Andrew toca o rosto do primo, que apenas fecha os olhos. -E por que eu confiaria em você? -Riu. -Você nos...

            -Alexa, só corra daqui.

            -Eu vou, mas primeiro me escute! Você nos traiu, Andrew! Duas vezes,e tentou matar o Thomas!

            Quando Alexander se levantou lentamente, se escorando na parede, viu os olhos de And lacrimejando.

            -Andrew.Hey, olha pra mim.

            Os olhos do soldado encontraram com os de Lexa,o garoto pelo qual ele ainda era obcecado.Al suspirou e então continuou.

            -Você é meu primo,e nada pode mudar isso...Mas não é como se eu estivesse te perdoando ou algo do tipo.

            -Al, por favor... -Ambos já choravam,e And sabia que nada do que o outro dissera era mentira.

            -Eu ainda tenho repulsa de você, Andrew.

            -Não,Al, eu te amo!

            Os segundos se passaram na lentidão de dias após aquela declaração,o soldado encarava o primo com expectativa de qualquer tipo de perdão,e o peito de Alexa parecia ter dado um estalo.

            -Andy, me desculpe. -Se aproximou vagarosamente, de modo a um sentir a respiração do outro. -Mas eu nunca vou sentir o mesmo.

            -Seu desgraçado!! -Um soco, que levou Lexa ao chão,e em seguida Andrew sacou a arma. -O que eu preciso fazer?! Que, qual merda eu preciso fazer pra você me amar?!

            -Ser o Thommy já é um bom começo.-Resmungou, com a boca manchada de vermelho.

            Andrew soltou algo parecido com um resmungo antes de fechar os olhos e disparar três tiros seguidos contra Alexander.

            E só ousou olhar quando quando o primo começou a fazer sons estranhos.

            -Ah não,Alex!Não faz isso, não, por favor!

            Duas das balas haviam acertado a parede, mas a última pegou no lado direito do peito,o que não seria um problema tão grave se o garoto não estivesse perdendo tanto sangue.

            -Não morre, por favor me perdoa! Eu só..Eu só queria,Lexa não dorme!Al!

            Andrew tentou apoiar o primo no ombro,o que este se recusou no começo, mas não tinha força suficiente sequer pra falar.

                        -O que é que tá acontecendo aqui?! -Um dos cabos abriu a porta com tudo. -Ouvimos o tiro e...

            -Ele me...Ahn, ele me irritou,e sabe como Mason quer ele vivo, né? -And gaguejava. -Preciso levá-lo na enfermaria.

            -Então ande, imbecil!

            -S-Sim, tô indo.

            Assim que os curiosos se dispersaram e o corredor ficou vazio, Andrew carregou o primo ao lado contrário da enfermaria,e o deixou do lado de fora do prédio.

            -Olha,e-eu...Eu não posso sair daqui, já vão desconfiar de mim quando virem que você sumiu... -Se assegurou de que Alex estava bem apoiado na parede e se afastou alguns passos, observando a grande merda que tinha feito. -Me desculpe.

            Alexander sabia que muito provavelmente morreria.Não era idiota,e sabia que todo aquele sangue faria falta alguma hora.Mas mesmo assim arriscou um passo para fora do terreno,e caiu quinze metros depois.


Notas Finais


*Beijos
*Esse cap. pode estar meio confuso,mas relaxem
*Até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...