História Wasabi - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bangtan Sonyeondan, Bts, J-hope, Jimin, Jungkook, Korea, Maknae, Suga, Taehyung
Exibições 51
Palavras 1.210
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que gostemmmm!

Capítulo 1 - O que esse filho da mãe tá fazendo aqui?


- Yas, vamos pra cafeteria logo que eu to morta de fome! – falou Amanda, me puxando pra fora da sala de Anatomia.

Ontem tinha feito 2 meses que eu já estava na Coréia. A decisão de vir fazer Medicina em Seoul eu tomei no 2º ano do Ensino Médio, depois de muito pensar nos prós e contras. Eu era de uma família alemã, nascida no Rio Grande do Sul. Falava português, alemão e inglês fluentemente. Mas por que a Coréia então, não é mesmo? Minha melhor amiga me apresentou Kpop depois de voltar de um intercâmbio pros Estados Unidos. Lá ela conheceu muitos coreanos e japoneses, e ficou apaixonada pela cultura asiática. Desde pequena sempre fui muito ligada a essa parte do mundo; meu tio luta Sumô, olho Naruto desde que me conheço por gente e tenho quedas enormes por olhos puxados (que estão mais pra Cataratas do Niágara do que pra quedas), além de amar sushi. Mas ir pra Coréia quando se tem tudo para voltar para a Alemanha? Tudo aqui me ganhou de uma forma surpreendente, e só faz meu amor por esse país aumentar a cada dia. E, bem, aqui eu estava, me esforcei muito e estava cursando Medicina na melhor faculdade de Seoul, a Seoul National University.

- Vamos que eu também to! – ri, ajeitando meu moletom rosa bebê que Amanda tinha puxado.

Entramos na cafeteria lotada conversando em português. Eu tinha sorte de ter Amanda comigo. Ela era de Minas Gerais e nos conhecemos no avião vindo para a Coréia, estava no curso de Música da universidade e, como eu, era louca por Kpop.

Nos dirigimos até a habitual mesa dos estrangeiros. Onde em qualquer parte do mundo éramos considerados normais, aqui na Coréia éramos muito “populares”, por motivos óbvios. Os coreanos se matam tentando parecer com a gente, e éramos conhecidos na faculdade como o “Lions Squad”, “사자 팀” em coreano e “Time dos Leões” em português. Os estrangeiros eram notados não só por serem estrangeiros, mas por serem mais inteligentes que o normal pelo fato de terem conseguido ganhar bolsa em uma universidade coreana. E também por alguns de nós serem bem bonitos, como a Amanda, que era uma morena linda, e o Max, um alemão loiro maravilhoso. É claro que eu achava toda essa admiração muito engraçada, e não levava nada a sério.

Enquanto eu e Amanda íamos passando por entre as mesas, os olhares e as conversas aumentavam.

- Eu fico me perguntando até quando eles vão achar que somos algum tipo de bicho esquisito que precisa ser estudado. – falei para Amanda, que virava para encarar as pessoas.

- Você sabe que não é isso, eles nos acham demais. – respondeu Amanda, com um sorriso de vitória no rosto.

- Eu acho isso tão ridículo que nem consigo acreditar. – ri e me sentei na mesa onde já estavam todos: Max; Mike, Josh, Lia e Emily dos Estados Unidos; Kate e Phillip do Canadá; Harry da Inglaterra; Trace e Lucas do Egíto e, por fim, Amanda e eu. Mas ainda faltava o Rafa, que também era brasileiro.

- Vou pegar um Macchiatto pra gente e alguns donuts, pode ser? – me perguntou Amanda, se levantando novamente.

- Aham, o meu pode ser com chantilly. – respondi.

Coloquei todos os meus livros sobre a mesa e já abri meu laptop para começar o trabalho de Anatomia, conversando com a Lia em inglês.

- Acho que meu coreano está melhorando, já consigo entender algumas coisas que o Seonsaeng Kim explica. – falei, provocando um ataque de risadas em mim e Lia. Todos fitavam nossa mesa, mas aquilo já se tornara normal.

Amanda acabara de voltar e eu via Rafa dobrar o corredor correndo, vindo em nossa direção. Ele chegou ofegante e com cara de urgência.

- O que foi Rafa? Toma uma água. – disse Amanda, estendendo uma garrafinha para ele. Com um gesto negativo, ele começo a falar.

- Acho que não vamos mais ser o centro das atenções da faculdade. – disse, com a voz seca de tanto correr.

- Explica Rafa. – falou Amanda, interessada no assunto.

- Pelo visto, vamos ter um novo aluno no curso de Música e, bem, não é um aluno qualquer.

- A gente ainda não entendeu Rafa. – falei.

- Talvez agora vocês entendam. – falou, apontando para a entrada da cafeteria.

Seguido de um veterano, entrava um garoto jovem, com cabelo castanho claro, alto, magro mas com músculos definidos. Quando minha mente conseguiu processar de quem se tratava, eu já não conseguia mais parar de olhar. Era o tão famoso Jeon Jungook, meu ultimate bias, alguém que eu morreria para conhecer. Me virei para Amanda, que se virou para mim novamente. Permaneci séria.

- Eu não to acreditando, seu ultimate é do meu curso. – falou ela, olhando fixamente para mim.

- O que esse filho da mãe tá fazendo aqui? – perguntei incrédula para Rafa, tentando conter todos os sentimentos dentro de mim.

- Aparentemente, a BigHit liberou ele pra começar a faculdade e ele escolheu Música aqui. Até onde eu ouvi, ele vai ser da turma da Amanda.

- Jesus cristo misericórdia, será que ele vai te reconhecer do dia do show Yas? – me perguntou Amanda, baixinho.

Há duas semanas, tínhamos ido num show do BTS na Arena de Seoul, ficamos lá na frente. Levamos uma bandeira do Brasil e tentamos fazer com que os meninos nos notassem. E conseguimos.

O J-hope, ultimate da Amanda, logo acenou para gente e cutucou o Jimin pra ver também. Jimin olhou muito pra mim, muito mesmo, pensei que tinha alguma coisa de errado na minha cara. E, para minha morte, ele puxou Jungkook. Quando Jungkook pôs o olho em mim, minhas pernas tremeram e consegui ouvi meu coração no meio de tudo aquilo. Ele deu um sorriso tão lindo pra mim, que durou alguns segundos. E me encarou o resto do show inteiro. Eu juro, a Amanda tá de prova, ele não parava de me olhar. E dançava olhando pra mim. Nem preciso comentar que me senti fisicamente e emocionalmente arrombada. Agora ele estava ali, bem perto de mim, sentado a duas mesas de distância na minha diagonal. Todos se viravam para ver o novo calouro.

- Espero que ele não me reconheça, vou morrer de vergonha se ele se lembrar do quão histérica eu fiquei quando ele olhou pra mim. – falei, sentindo uma pontada quando Jungkook olhou para nossa mesa.

- Acho que o Park Jay comentou da nossa mesa com ele, porque ele tá olhando pra cá. – disse Rafa, em inglês, para que todos os estrangeiros entendessem.

Nos agrupamos mais juntos e fingimos estar fazendo nossas coisas normalmente, rindo e nos divertindo como sempre.

- Yas, desculpa, mas ele tá olhando pra ti. – sussurrou Kate no meu ouvido.

Queria olhar pra ele. De cabeça baixa, fui levantando meu olhar vagarosamente e, suavemente, olhei Jungkook. Ele estava me fitando. Abaixei a cabeça de novo e ele também, rindo. Não consegui conter um sorriso também. Olhei-o de novo, dessa vez sustando o olhar, e ele me encarava de novo. Jungkook sorriu pra mim. E, mais uma vez, abaixei a cabeça, tímida que só.

- É, acho que essa história vai longe. – disse Amanda, me cutucando no braço e fazendo todos rirem.

- Puta merda. – falei, rindo.


Notas Finais


Me escrevam nos comentários o que acharam :)
Amo vcs!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...