História Watashi no Uba - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Curto, Drama, Jungkook
Exibições 8
Palavras 3.192
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi ~( ̄▽ ̄)~*
Essa fanfic não é de minha autoria completamente, a autora me deu ela, então to postando.
A fic vai ser pequena, mais ou menos uns dois ou três capítulos, não sei ao certo. Espero que curtam! Boa leitura! ♥

Capítulo 1 - Rekishi


Fanfic / Fanfiction Watashi no Uba - Capítulo 1 - Rekishi

Eu tinha só 12 anos, porém algo já crescia dentro de mim. Algo que me sufocava, algo que me fazia sentir borboletas no estômago, coisas que eu só sentia quando estava ao seu lado. Era ela, linda, inteligente e atenciosa. Minha vizinha.

Desde que me conheço por gente, ela me protege e me cuida. Ela foi minha babá de finais de semana e também o amor da minha vida. O primeiro e único amor da minha vida.
 

Eu nunca vou esquecer ela. Nunca.

Eu sou Jeon Jungkook, tenho 30 anos e vou contar minha história para vocês.

18 anos atrás...

Minha mãe era uma jovem senhora de 30 anos. Por essa razão ela adorava passear com meu pai para “sair da rotina” como ela mesma dizia.

Na época eu não entendia muito, eu só sabia que nessas suas saídas eu ficaria com ela. Minha babá!

-Jenna? Pode ficar com Jungkook essa noite de novo? Por favor? –minha mãe pede atenciosa.

-Claro, adoro cuidar do Kookie. –sorri.

-Obrigada filha! Olha prometo te dar um presente bem bonito desta vez. –minha mãe diz alegre.

-Ah! Não precisa… -Jenna diz constrangida.

Assim que minha mãe e meu pai saíram, deixaram-me na casa ao lado. Eu e Jenna ficamos olhando eles partirem da varanda de sua casa.

Então ela passa sua mão por meu ombro, me encarando com um sorriso nos lábios. Jenna é bem mais alta do que eu, ela tem 23 anos, pele clara, cabelos longos. Olhos levemente puxados e seu sorriso… Ah! Seu sorriso… É o mais bonito de todos. Ela é perfeita. Seu perfume está gravado em minha memória, eu poderia reconhecer aquele cheiro suave de rosas em qualquer lugar. Há dois anos, eu tenho o prazer de sua companhia nos finais de semana.

-Então Kookie, o que quer fazer hoje? Jogos de tabuleiro ou de quebra cabeça? –ela pergunta.

-Hum… Xadrez? –respondo.

-Ótimo! Vamos lá. –ela me puxa para dentro de sua casa.

Óbvio que escolhi o jogo mais demorado. Quero desfrutar de sua companhia por mais tempo hoje.

Eu nunca pensei em como eu poderia me apaixonar, na verdade eu nem ao menos sabia como fazia isso. Eu vim descobrir muito tempo depois, que o que eu sentia por Jenna, era amor puro e verdadeiro.
Tudo que sei nesse momento, é que eu trocaria horas de futebol só para estar ao lado de Jenna.

Só tem um único problema… E ele é loiro e mal encarado, eu o odeio com todas as minhas forças. Pois por causa dele, minha doce Jenna chora muitas noites. Min Yoongi, ele é o atual namorado de Jenna. Há poucos meses eles se conheceram e hora ou outra sempre estão juntos.

Eles sempre brigam e por muitas vezes já presenciei suas discussões. Min Yoongi não gosta que Jenna cuide de mim, ele diz que eu sinto ciúmes dele… Mal sabe ele, que eu gostaria muito de poder socar ele por muitas vezes.

Eu quase posso afirmar que Yoongi agride fisicamente a Jenna.
 

Ela sempre me diz que seus machucados são devido aos tombos, uma no banheiro, outro na escada. Mas é claro que eu nunca acreditei nisso, esses hematomas naquela pele branca, só aparece depois que ela se encontra com aquele babaca.

*

Depois de algum tempo jogando com Jenna, sinto sono. Ela percebe, logo me chamando para deitar ao seu lado em sua cama. Era minha parte favorita. Dormir ao seu lado, ouvindo sua voz, sentindo seu perfume.

Jenna sempre cantava a mesma música para que eu dormisse. Ela dizia que era sua música favorita.

If You - BigBang, ela gostava tanto deles, que por várias vezes ela dizia que o G-Dragon iria vir à sua casa e chamá-la para sair… De certa forma eu sentia ciúmes do G-Dragon. Por que não eu?


Se você
(If you)

Se estiver sendo tão difícil para você, quanto a mim
(Neodo nawa gati himdeuldamyeon)

Podemos ir um pouco mais devagar?
(Uri jogeum swipge gal suneun eopseulkka)

Eu deveria ter sido melhor, quando você estava por perto
(Geudaeneun eotteongayo
Jeongmal amureohji anheun geongayo)



.



°



[♥]


Após mais alguns dias, minha mãe resolveu que queria fazer uma viagem. E me deixou aos cuidados de Jenna, que aceitou prontamente o pedido desesperado da minha mãe.

Eu estava eufórico, passar uma semana inteira ao lado dela. Era meu sonho. E então eu resolvi que durante esses dias eu iria dizer a ela de alguma forma como me sentia.

Mas nada era como eu esperava. Durante os primeiros dias Min Yoongi estava 24 horas por dia com Jenna.

Já tinha quatro dias que eu estava hospedado em sua casa. Daqui a três dias meus pais chegariam e eu não consegui ter um tempo a sós com ela.

Porém aquele dia era um dia especial. Não tinha Min Yoongi. Depois que Jenna recebeu uma ligação em seu celular, ela ficou trancada em seu quarto por algumas horas. Logo depois saiu com a voz nasalada e seus olhos inchados.

Ela estava chorando. E aquilo me destruiu, como se alguém tivesse enfiado a mão em meu peito e apertado meu coração com muita força.

A me ver, Jenna sorriu amavelmente e tentou disfarçar sua tristeza.

-Kookie… O que acha de comer fora hoje? –perguntou adoravelmente afagando meus cabelos.

-Isso seria ótimo Noona. –abraço-a.

Ela chora mais ainda ao receber aquele abraço. A impressão que tive era que ela precisava daquilo mais que tudo naquele momento. De certa forma eu estava feliz, porque era eu quem estava dando o abraço que ela precisava.

Eu não perguntei nada, nem precisava. Estava estampado em sua expressão, que a culpa daquela tristeza toda, era dele. Aquele babaca. Lentamente ela suspende seu choro depois de longos minutos, que para mim poderia ter durado eternamente.

-Obrigada Kookie. Você é sempre tão atencioso comigo. –diz secando suas lágimas.

-Noona? Quer me contar o que aconteceu? –pergunto.

-Não. Por enquanto não. Vamos sair pra comer? –ela muda de assunto.

 -Claro! Vamos... –disse.

Nesse dia nós comemos apenas bobeiras no shopping, Jenna parecia querer se distrair. Então eu pedi para que fossemos na playlândia. Onde brincamos durante todo o dia, no final de tudo Jenna estava sorrindo. Sorrindo muito, como sempre foi. Linda!

Jenna havia me comprado uma espada, do ranger azul. Ele era meu favorito e ela sabia disso.

 -Noona? Vou te proteger pra sempre com essa espada. –disse inocentemente brincando com a espada.

-Ah! Acho bom mesmo, sou uma princesa indefesa! –diz brincalhona fazendo aegyo.

 -Ah! –grito fingindo um golpe final, imaginando ser o Min Yoongi a minha frente, tirando assim gargalhadas de Jenna.

-Ah! Kooki-ah… Eu nunca me diverti tanto quanto hoje. –diz sem fôlego.

 -Eu também Noona. Podíamos vir mais vezes, o que acha? –pergunto segurando sua claro.

-Vou adorar. –ela diz sorrindo.  

No caminho de volta para casa, Jenna quis passar por uma rua diferente. Eu não entendi bem o porquê daquilo. Mas depois que chegamos a frente de uma casa com portão azul, eu entendi o motivo.

Eu queria ter impedido, eu queria ter feito birra para não passar naquela rua, se eu soubesse o motivo... Era a casa dele, Min Yoongi. Ele estava em frente a ela, se agarrando com uma mulher, que praticamente estava nua, uma loira com um corpo artificial.

 Ele beijava e apalpava aquela mulher e encarava Jenna, como se a desafiasse. Jenna só sabia chorar aquela altura. Eu estava enfurecido. Eu queria acabar com aquele babaca mais do que tudo agora. Então ele parou de agarrar aquela mulher e caminhou de forma debochada em direção a Jenna, que parecia paralisada enquanto suas lágrimas caíam.

-Quer entrar? –pergunta malicioso num tom debochado.

 -Como você pode ter coragem de fazer isso comigo? –pergunta incrédula.

- Você é louca?! Eu te disse que comigo funciona do meu jeito! Você durou tempo demais bebê, já ta na hora da fila andar... –diz passando a mão em uma lágrima que caia no rosto de Jenna.

-NÃO ENCOSTE SEUS DEDOS SUJOS NELA! –disse com ódio.

 -Kookie, deixe que a Noona resolve isso. Espera-me ali na esquina. –ela diz.

-Você vem na minha casa, com um pirralho a tiracolo, fedendo a leite. Está que nem uma idiota chorando aqui em minha porta e quer resolver o que ainda?!  Vá embora e pare de se humilhar. –diz ríspido.

 -Eu te odeio Min Yoongi! –ela diz com os olhos cheios de lágrimas.

 -Ah é? Você me odeia sua vadia de merda? Vou te dar mais um motivo para me odiar. –ao terminar de dizer isso, ele dá um tapa forte no rosto de Jenna, fazendo com que ela caia no chão.

 Eu fiquei cego de raiva ao vê-la caída chorando no chão, com o canto de sua boca sangrando. Humilhada na frente de todos. Imediatamente, fui para cima de Min Yoongi, porém minha altura não ajudou muito.

Eu o socava com todas minhas forças, mas parecia não ser o suficiente. Ele estava dando risadas toscas da minha cara. Aquilo me irritava mais ainda, eu nunca odiei tanto alguém como odiei ele. Com uma mão só, Yoongi bateu em meu rosto, me fazendo cair no chão também.

-Olha moleque, você tem sorte de só levar esse soco. As coisas poderiam ficar piores se eu estivesse estressado. –diz debochado agachado em minha frente.

 Aquele tapa doeu, como um inferno. Eu senti o gosto de sangue em minha boca, no meu rosto ainda senti o choque da sua mão queimando. Levanto-me e começo a encará-lo.

-Yoongi, ele não tem nada a ver com isso. Deixa-o em paz! –Jenna diz tentando acalmar Yoongi.

-Cala boca. Avise para seu pirralho parar de me encarar, porque senão terei que ensinar uma lição a ele. –diz serio.

 -Vamos embora Kookie, vamos! –Jenna puxa minha mão me levantando do chão.

-Não! Não deixe ele falar assim com você! –digo.

-Só vamos embora Kook. –disse impaciente.

Deixamos Yoongi para trás dando gargalhadas terríveis. Jenna segurava minha mão apertada enquanto me guiava pela rua. Seguimos o caminho todo sem dizer uma palavra sequer, ela somente me puxava rua a fora.

Após chegar a sua casa ela jogou as chaves em qualquer lugar na mesa e correu para o banheiro. Onde demorou horas, provavelmente, chorando. Eu só podia sentir a agonia de seus soluços do outro lado da porta.

“Se ela soubesse o quanto eu quero fazê-la ficar bem, ela me aceitaria ao seu lado?”

Naquele dia não nos falamos, ela saiu do banheiro e se jogou em sua cama. Eu me deitei ao seu lado, mas nada dissemos.

Assim que ela dormiu, eu pude contemplar sua beleza tranquilamente. Eu a olhava como se estivesse decorando cada detalhe do seu rosto.

Corri em direção a sala, peguei papel e um lápis e passei a rabiscar ele. Durante toda a noite desenhei, entre rascunhos descartados e lápis quebrados. Depois de muitas horas de esforço, eu pude ter um resultado satisfatório.

O rosto de Jenna estava estampado naquele papel, com toda a riqueza de detalhes da qual eu decorei em seu quarto. Seus olhos cheio de alegria, seu sorriso contagiante, estava tudo ali a minha frente retratado por minhas mãos. Por causa dela, eu descobri que sou bom nisso. Descobri que amo desenhar.

Sinto meus olhos arderem, percebo fracos raios de sol entrando pela janela da sala. Olho no relógio da parede “05h33min” AM.

Meus olhos pesam ainda mais, sem perceber deito minha cabeça sobre a mesa ao lado do desenho do rosto de Jenna.


••• [♥]


Após algum tempo cochilando ali, sou desperto por cheiro de leite com chocolate. Abro os olhos rapidamente olhando para os lados e vejo Jenna sentada ao meu lado, sorrindo lindamente.

-Eu não sabia que cuidava de um artista famoso. –ela encarava o desenho.

-É-É... Esse é meu primeiro desenho, eu gostaria de te deixar feliz com ele. –entrego o desenho a ela.

-Oh! Omo! Sério isso Kooki-ah, obrigado meu anjo! (Ela diz pegando o papel fascinada)

-Eu gostaria de te pedir, para sempre sorrir igual está nesse papel. Você é a pessoa mais linda que já conheci em minha vida e fica mais bonita ainda quando sorri desta forma. –digo passando minha mãe em seu rosto, acariciando-a.

-Kookie… -ela sussurra, assustada.

-Eu não tenho muita certeza sobre o que vou falar pra você aqui. Eu estou descobrindo esse sentimento agora, com você. Mas Noona, eu sinto que vou morrer se não disser agora… Eu a-mo você! Eu amo você Noona. –disse olhando profundamente em seus olhos.

-O-O que esta falando? Que absurdo é esse? –ela sussurra incrédula.

-Noona… Eu amo você! –sussurro selando nossos lábios em seguida.

Foram os 15 segundos melhores e mais importantes da minha vida. Meu primeiro beijo, com a pessoa que eu amava. A felicidade explodia dentro de mim e eu queria muito que ela sentisse o mesmo… Porém sua reação me assustou.

Ela me empurrou violentamente de forma que fez eu cair no chão com muita força. Logo depois começou a gritar comigo. Palavras sem nexo, sem sentido… Ou era eu que não conseguia entender o que estava acontecendo?  Ainda não consigo saber isso.

-Jungkook, eu não sei quem você pensa que é. Nunca mais me toque desta forma. Você entendeu?! –ela perguntou-me furiosa.  

-Es-Espera! –disse recuperando os sentidos.  

-Não fale mais comigo! –ela disse correndo para seu quarto, quando cheguei apenas ouvi o “clack” da porta sendo trancada.

E foi assim que fui rejeitado, pelo primeiro e único amor da minha vida. Depois daquele episódio, Jenna só falava o necessário comigo. Até a volta dos meus pais, eu tentei pedir desculpas várias vezes, porém todas essas vezes eu fui ignorado.

Isso doeu mais do que o tapa que Yoongi me deu. Meu peito ardia, meu estômago revirava. Não sentia mais fome, não sentia mais sede.

Meus pais achavam que eu estava doente, me levavam de médico em médico. Porém ninguém sabia de onde vinha essa doença. Somente eu sabia… Preciso de Jenna de volta para minha vida!

Depois de alguns dias do ocorrido, Jenna tem se recusou a ser minha babá de final de semana. Sempre dizendo que tinha que estudar, que era época de provas… Cada vez era uma desculpa diferente.

Depois de muito tempo trancado em meu quarto, resolvo descer para caminhar um pouco.

Até que ouvi algo que não devia, eu não estava preparado para aquilo. Algo que marcaria minha vida para sempre.

-Querido? Vamos ter que encontrar outra babá para o Kookie este fim de semana. –minha mãe comenta com meu pai.  

-E a Jenna? O que aconteceu com ela? –ele pergunta.

-Jenna se mudou ontem, ela voltou hoje de manhã para deixar algumas vasilhas que eu emprestei a ela. Ela me disse que estava indo embora de Seul… Fiquei tão triste. Nosso Kookie vai ficar muito triste também... –ela diz.

-Por que ela não se despediu dele? –ele pergunta.

-Ela disse que foi de última hora e não tinha tempo. Mas que depois ela arrumaria uma forma de falar com o Kookie. –responde.


Eles continuam conversando sobre Jenna e eu me desespero. Saio correndo pela casa e vou em direção a casa ao lado.

Estava tudo trancado, luzes apagadas. Confirmando o que meus pais disseram.

Então eu me ajoelho em frente à porta da casa vazia e choro com toda força que eu tinha. Com toda minha alma. Aquilo doía, há como doía! Quase pensei que poderia não sobreviver aquela dor dilacerante.

-Você nem se despediu. Nem me disse adeus! Você é um monstro. –dizia com raiva.

Naquele dia eu fiz um juramento.

“Nunca mais eu vou amar de novo!”



.



°



[♥]


Todos que iam conhecer a casa onde Jenna morava, eu dava um “jeito” de espantá-los. Ora dizia que havia fantasmas, ora dizia que o último morador foi assassinado por uma máfia perigosa de Seul. Isso sempre funciona, eu nunca vou deixar ninguém morar ali. Minhas piores memórias estão ali e eu quero mantê-las lá. Para que eu sempre me lembre que eu me tornei no que sou hoje, por causa dela.

Minha adolescência, foi a pior de todas. Aos meus 15 anos era o garoto mais popular no colégio. Todas as meninas se entregavam pra mim sem muito esforço. Cada uma delas que passava por minhas mãos eu ganhava mais experiência. A cada garota que eu dispensava, me sentia vingado, me sentia … Feliz? Acho que sim.

Apesar de que todas as noites frias e solitárias da minha vida, eu pensava nela… E como eu a odiava por ter ido embora daquela forma. Se é pecado amar tanto alguém assim, então o amor é uma mentira! Uma mentira tola que tenho que contar para todas elas.


••• [♥]


Aos 20 anos, eu havia acabado de sair do quartel, meus pais insistiam para que eu me casasse e parasse de chegar bêbado em casa, cada dia com uma mulher diferente.

Então eu fui apresentado à Park Sun Hee, uma doce e jovem pura de recém feito 19 anos. É de uma família tradicional e respeitada na região. É bela e submissa. Ela não sustentava nem ao menos um olhar sem se sentir envergonhada.

Ela é a esposa perfeita.

Óbvio que não me apaixonei, mas de tanto que minha mãe perturbou minha mente, eu acabei aceitando o noivado com ela.

Com a saída do exército, eu pude economizar algum dinheiro ainda não era o suficiente. Minha meta é comprar a casa ao lado, essa era minha missão desde meus 12 anos. Na esperança de que ela volte e eu possa… Eu possa dizer tudo que eu quero falar a ela.


••• [♥]


Aos meus 23 anos, consegui negociar um bom preço na casa onde Jenna morava antes. Hoje é meu primeiro dia naquela casa.

É a primeira vez em muito tempo que eu vou entrar naquela casa.

A casa esta toda empoeirada, não há móveis. Tem muitos papéis jogados no chão, a casa está muito suja.

Fui em direção ao quarto onde Jenna dormia, tudo esta tão bagunçado. Porém algo me chamou a atenção, o desenho que fiz de Jenna naquele dia do beijo. Ele esta colado por uma fita adesiva na parede no centro do quarto, quase caindo, a cola já esta perdendo seu efeito.

Caminhei em passos lentos até o desenho pendurado na parede. Assim que o encarei, ele se desprende da parede parando lentamente em minhas mãos.

Fazia muito tempo que eu não desenhava, mas, logo quando Jenna se foi, eu desenhei seu rosto algumas vezes. Mas nada que me agradou quanto esse primeiro desenho.

Levantei meu olhar até a parede e me emocionei ao ler tais palavras.

“Kooki-ah, eu sinto muito por tudo. Jenna.”

Jogo-me no chão de joelhos, chorando desesperado novamente igual ou pior do que um bebê que perdeu sua mãe no mercado.

“Ela havia se despedido… Eu sou um tolo.”

.


°



[♥]


Não me casei com Sun Hee e não foi por falta de insistência de ambas as famílias. Minha mãe sonha com o dia que me casarei com ela. Porem ainda não me sinto preparado. No auge dos meus 30 anos, hoje, ainda tenho um assunto inacabado. Só posso seguir minha vida com Sun Hee, quando encontrar novamente ela,  Jenna.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, até mais! XOXO ♥
PS: a capa da fic, a de capuz é a Sun Hee e a do cantinho direito é a Jenna.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...