História We are one - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Personagens Originais, Sabine Cheng
Tags Adrien Agreste, Ladybug, Marinette Dupain-cheng, Sabine Cheng
Visualizações 51
Palavras 964
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drabble, Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Mutilação, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!
Aproveitem!★

Capítulo 5 - Capítulo #5


Inacreditável. 

Sua mãe havia lhe mandado uma carta. E não algo comum: uma passagem aérea para ir a Paris daqui a uma semana. 


Mas não era só isso, dentro da caixa onde a passagem estava havia varias outras cartas, muitas com uma pequena quantia de dinheiro. Um tipo de pensão. 


Ficou se perguntando como seu tio avô não havia pegado o dinheiro que vinha com as cartas. A verdade era que Cheng nem se quer as abria, só colocava dentro da caixa e jogava na dispensa da casa, como se não fossem nada.


A menina agradeceu internamente pelo homem nunca ter dado importância às correspondências. 


Pensou que essa seria sua melhor chance de fugir daquele lugar oprimente que detesta chamar de casa.


Durante toda a semana, ela se organizou devidamente. Tirou copia de todos os seus documentos sem que ninguém desconfiasse. 


Juntou suas economias junto ao dinheiro que recebera de sua mãe durante esses anos. Até que serviria para se sustentar por um tempo. 


Eram oito e meia da noite de uma sexta feira. Partiria a meia noite, pois seu voo sairia as duas da manhã. 

Eram quase 11hrs de viagem, precisava estar pronta.


Pensou em como no pior momento de sua vida as coisas tomaram um rumo totalmente diferente. 


-Marinette, você...o que está fazendo?


A azulada levou um susto. Cheng aparecera em sua porta de surpresa. Ficou com medo dele descobrir algo, por isso tratou de encontrar uma desculpa. 


-E-eu..estou arrumando minhas coisas para a aula amanhã! 


-Mas amanhã é sábado. 


Ela não conseguia raciocinar direito, enquanto o homem a olhava desconfiado. Até a menina se pronunciar


-S-sim, é verdade. É-é que a-amanha irei, ahn...- Pensou em qualquer desculpa- a biblioteca central! É, eu..irei encontrar uns amigos pra estudar. Sabe, com a chegada das provas trimestrais e tudo mais...


Ela sorriu amarelo, torcendo para que o homem engolisse a desculpa. Ele só a olhou com as sobrancelhas fransidas.


-Amigos, é? Sei. Está ficando bem sociável você.- Disse ele em um tom de deboche. 


A menina pigarreou.


-ia dizer algo?


-Ah, sim. O jantar está pronto. Se quiser comer, bem. Se não quiser..-disse ele dando de ombros. 


Ele saiu do quarto da menina, não dizendo mais nada. Ela apenas suspirou aliviada. Aquela seria uma longa noite. 

 

                    °°°°°°°

 

Estava dentro do avião, quase chegando ao seu destino. Se sentia apreensiva, nunca havia feito nada tão radical assim. Não tinha idéia de onde ficaria, mesmo sendo emancipada não sabia lidar com muitas coisas. Estava um pouco perdida, e meio assustada, porém o que mais a motivava era simplesmente o fato de que encontraria sua mãe, e faria de tudo para te-la e acertar as coisas. 


Esteve tão distraida em seus devaneios que começou a falar sozinha. Nem se deu conta de que ao seu lado alguém olhava atentamente.


O menino a olhou meio confuso, mas percebeu que a menina não estava se sentindo bem. Resolveu puxar assunto. 


-Primeira vez andando de avião? 


Marinette nada disse, apenas o encarou um pouco envergonhada. O menino mesmo assim tornou a falar


-Não precisa ter medo. Minha primeira vez também me deixou um pouco hesitante, mas você acaba se acostumando. 


A azulada continuou sem se pronunciar, porém um mínimo sorriso se formou em seus lábios, consequentemente fazendo o menino sorrir também. 


-Eu sou o Adrien.- Disse ele estendendo a mão para cumprimenta-lá.


Ela olhou a para a mão estendida, depois olhou no fundo de seus olhos verdes, cheios de vida. Por algum motivo, sentiu segurança em apertar a mão do menino de cabelos dourados. Resolveu cumprimenta-lo também. 


-S-sou Marinette. 


-Muito prazer, Marinette!- Disse o menino carismático.


Marinette se permitiu sorrir um pouco. Foi quando ouviram que ja estavam em Paris, prontos lara desembarcarem. 


-Bem, até mais! 


-A-até! 


Acenaram um para o outro, indo em direções opostas. 


Ao sair do aeroporto, olhou em volta. 

Paris era encantadoramente magnífica, porém, não sabia onde se estabelecer.


Como era emancipada e tinha um pouco de dinheiro consigo, poderia se aprigar em uma hospedaria ou pensão. 


Foi preciso deixar a timidez de lado e pedir informações a algumas pessoas. 

Estas lhe indicaram uma boa pensão que ficava um pouco ao sul da cidade. A menina não perdeu tempo em ir até lá.


Ao chegar no bairro descrito pelas pessoas a quem perguntou, viu uma casa esverdeada, com degraus que davam acesso a uma pequena varanda. Aquelas tipos de casas que só de olhar tras um ar de tranquilidade. 


A azulada, com certo hesito bateu na porta. Foi recebida por uma menina um pouco parecida com ela, porém mais alta e de cabelos mais cumpridos. Aparentava ter uns 22 ou 23 anos. Uma bela jovem.


-Ah, Olá! Seja bem vinda a pensão Miraculous. Eu sou a Bridgette!


-Ahn..oi. Eu me chamo Marinette.


As duas se cumprimentaram, então Bridgette a convidou para entrar. Marinette assim o fez.


Pelo o que soube, era uma pensão onde só abrigava meninas. O que a facilitaria para que pudesse tentar se adaptar a diferentes ares.


Bridgette levou a menina a um pequeno escritório, para que pudessem conversar. 

-Então, Marinette. Quantos anos tem?


-E-eu tenho 17


-Ah siim. Mas..e seus pais? Eles não estão com você? 


Marinette pareceu ficar meio desconfortável.


-Bem, na verdade eu sou emancipada, mas tenho meus documentos aqui comigo. Vim a Paris por algo muito importante mas...Não tenho onde ficar. 


Bridgette olhou nos olhos de Marinette, viu que a menina parecia assustada e precisava de ajuda. Além de ver a bondade e delicadeza que a mesma transmitia. 


-Está bem, vou mostrar o quarto a você! 


-E..Quanto vai ficar? 


-Olha, que tal vermos isso uma outra hora, hum?!


A azulada apenas sorriu inocente para Bridgette, que já se havia se encantado pela menina.


-poxa, eu nem sei como agradecer por me deixarem ficar. 


-Bom, pode agradecer descansando um pouco. Você fez uma longa viagem, precisa estar disposta.


Marinette apenas assentiu com a cabeça entrando em seu novo quarto.


A partir daquele dia, muitas coisas lhe aconteceriam...


Notas Finais


Então gente, escrevi esse capítulo um pouco as pressas devido a algumas (muitas) coisas que estão acontecendo em minha casa.

Mas espero que tenham gostado!

Ps: Não revisei, por isso perdoe os erros de português!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...